Arquivo de etiquetas: Inês Bettencourt da Câmara

Profissionais de Museus, Novas Competências? Tema em destaque no Boletim do ICOM Portugal

0 12.º número da 3.ª série do Boletim do ICOM Portugal é dedicado ao tema “Profissionais de Museus, Novas Competências” em sintonia com as propostas temáticas do Ano Europeu do Património Cultural: Heritage-related skills: better education and training for traditional and new professions [Innovation], com uma reflexão a partir dos museus.

Reflectindo sobre o trabalho e as profissões em museus num mundo em mudança, que competências são hoje necessárias e expectáveis? Podemos falar de competências ditas “tradicionais”, ainda que conscientes de que também estas estarão em constante desenvolvimento, mas também de competências que evidenciam outras necessidades resultantes de processos de mudança no campo social e das tecnologias, por exemplo. Como é que a oferta forma- tiva, formal e não formal, tem respondido a estas mudanças? Que relação entre a oferta formativa, as necessidades do sector e a empregabilidade? Que diagnóstico podemos observar? Que desafios e perspectivas se identificam? Foi com estas perguntas em mente que este número foi desenhado.

O artigo (Em Foco) de Graça Filipe, ligada à docência universitária na área da Museologia, enquadra alguns dos pontos enunciados. Como sublinha a autora, «com a evolução da oferta formativa e o investimento feito nela pelas universidades, constata-se que não só não foram definidas reais vias profissionalizantes para um delineável sector de património e museus, como não se verifica uma articulação estrutural e equilibrada entre o aumento e a especialização da formação, o mercado de trabalho e a profissionalização de novos trabalhadores especializados» (p. 13).

Na secção Perspectivas, outros tópicos são desenvolvidos por Inês Bettencourt da Câmara e por Maria Vlachou, respectivamente, ambas com experiência de terreno no âmbito da oferta formativa não formal.

Finalmente, uma entrevista com Paula Menino Homem, directora do curso de mestrado em Museologia da Universidade do Porto, na qual se reflecte, de forma alargada, sobre a oferta formativa a partir da perspectiva e do caminho trilhado por esta Universidade.

Em Museus & Pessoas é dado destaque ao perfil de Isabel Victor, actualmente na direcção do Museu Sporting.

O boletim inclui ainda, como habitual, um conjunto significativo de textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/2018/07/03/boletim-icom-portugal-serie-iii-n-o-12-jun-2018/

****
Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 12, Junho 2018
“Profissionais de Museus, Novas Competências?”

03 | Editorial, por Ana Carvalho
06 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro
09 | Breves
12 | Em Foco: Breves Reflexões sobre o Ensino e a Formação 
em Museologia, o Papel da 
Museologia no Trabalho de Museu e os Novos Profissionais de Museu, por Graça Filipe
Perspectivas
22 | Profissionais de Museus: Novas Competências? (I), por Inês Bettencourt da Câmara
25 | Profissionais de Museus: Novas Competências? (II), por Maria Vlachou
29 | Entrevista com Paula Menino Homem, por Ana Carvalho
Conferências: balanços
46 | Museologia e Arquitectura: Que Relação para o Futuro? Por Aida Rechena e Manuel Furtado Mendes
49 | Comunicar em Museus, das Ferramentas às Competências, por Susana Medina
52 | Museus Hiperconectados: O Caso das Casas-Museu, por Ana Margarida Araújo Camacho
55 | Museus Hiperconectados: Novos Desafios e Perspectivas, por Maria Miguel Lucas
58 | Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital, por Ana Carvalho
61 | Acção Cultural em Museus: O Que Significa? Por Ana Sofia Nunes
64 | Inovação nos Museus Europeus, por José Gameiro
67 | Dia Internacional dos Museus no Japão, por José Alberto Ribeiro
69 | Museus & Pessoas: Isabel Victor, por Ana Carvalho
Opinião dos Membros
78 | Em 2018, o Valor do Património Cultural para a Sociedade, por Maria da Luz Nolasco C.
Publicações
80 | Sugestões de leitura
81 | Novas edições
Agenda
85 | Conferências, encontros, debates
89 | Formação
90 | Chamada para propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

Curso de Formação para Mediadores Culturais

A empresa Mapa das Ideias ((A Mapa das Ideias, em colaboração com os Museus de Loures, foi responsável pela organização de uma conferências internacional – EMAC (European Museum Advisors Conference), que trouxe a Portugal (Maio/Junho 2012) vários profissionais de museus europeus para discutir boas práticas (cf.http://museumadvisors.wordpress.com)) (Prémio APOM 2011) está a desenvolver um projecto ligado à formação de mediadores culturais. Em baixo, encontra toda a informação relevante sobre o projecto (objectivos, actividades previstas, etc.)

“A Mapa das Ideias está a coordenar um projecto financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida da Comissão Europeia, que tem a criação de um Curso de Formação para Mediadores Culturais. Este curso  tem o objectivo ir ao encontro das necessidades institucionais e profissionais de Mediadores de Museus dos países europeus envolvidos no projecto, nomeadamente Portugal, Espanha, Estónia, Finlândia e Itália.

Ao desenvolver esta área de formação comum entre os profissionais de museus nos cinco países participantes, o projeto irá estimular a criação de orientações formativas e profissionais nos Serviços de Mediação e Educação dos Museus. Como resultados, pretendemos criar:

– Avaliação das necessidades de formação

– Quadro de formação com oradores europeus, conteúdos interativos que lidam com questões – transversais e específicas – em diferentes contextos nacionais.

– Publicações técnicas e website.

– Rede Europeia de Profissionais de Mediação e Educação em Museus.

– Criação de um Thinktank Europeu dedicado à Mediação Cultural e Educação nos Museus.

– Mestrado Erasmus Mundus no Instituto Politécnico de Tomar.

– As propostas específicas para os cursos de formação profissional para desempregados, adaptado para os diferentes contextos nacionais.

Deste modo, gostaríamos de pedir a sua colaboração no preenchimento e/ou divulgação do seguinte inquérito, que não demorará mais de 15 minutos e cujo preenchimento é fundamental para o êxito deste projeto. Pode reencaminhar para outros colegas envolvidos nas áreas da mediação cultural e educação nos museus.

Em Setembro de 2013 iremos lançar a acção-piloto em Portugal com 25 formandos. Caso tenha interesse em participar, sem custos associados, por favor envie um email para cristina.reboredo@mapadasideias.pt. Entraremos em contacto para as provas de selecção em Junho.

Para conhecer mais sobre este projecto que é uma importante referência do trabalho desenvolvido em Portugal no espaço Europeu, pode consultar o website oficial.”

(Fonte: Informação enviada por Inês Bettencourt da Câmara)

EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!

European Museum Advisors Conference 2012 (1)

EMAC 2012, Museu de Sacavém
© Foto Ana Carvalho

A conferência internacional “European Museum Advisors” começou na terça-feira, dia 29 de Maio (até dia 2, sábado). Esta é a 9.ª edição do evento que se realiza de dois em dois anos em contexto europeu e que celebra 20 an0s de existência. Este ano coube a Portugal ser o país anfitrião, pela mão de Inês Bettencourt da Câmara (Mapa das Ideias) e Joaquim Jorge (Museus Municipais de Loures), e o apoio de várias instituições portuguesas (ver programa).

O tema deste encontro não poderia vir mais a propósito: “The crisis as a challenge: to do more and better”. Esta premissa marcou o tom de muitas das intervenções que procuraram de forma optimista responder a este apelo.

Na realidade, há muito tempo que em vários museus portugueses se trabalha com orçamentos inexistentes, ainda que a realidade que enfrentamos hoje se agrave também por uma certa incapacidade de reacção e desmotivação generalizada. As apreensões, tensões e fricções identificadas ultimamente no sector profissional dos museus, em grande parte causadas pelo anúncio de uma reestruturação do sector cultural a nível da administração central e regional (entendida por muitos como arbitrária, e ao sabor do argumento “crise”), têm despertado muitas emoções, mas pouca mobilização dos vários agentes/actores (não falo apenas dos profissionais de museus e respectivas organizações, mas também das universidades) interessados na definição de uma política museológica e patrimonial sustentável. Falta uma reflexão conjunta sobre o rumo da museologia portuguesa, estruturada a partir de temáticas concretas, que possa fazer face a este diagnóstico de asfixia orçamental.

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Prof. Amareswar Galla e Joaquim Jorge
© Foto Ana Carvalho

No entanto, pode dizer-se que o primeiro dia de debate promovido pela conferência “European Museum Advisors” demonstrou a importância de partilhar experiências de trabalho que sugerem caminhos alternativos para superar a conjuntura em que se vive. Sem pretender resumir o primeiro dia deste encontro, confirmadamente rico e diverso nas perspectivas apresentadas, destaco apenas alguns momentos que na minha perspectiva fizeram a diferença (e que é certamente um olhar muito pessoal…). Primeiramente, a comunicação do Prof. Amareswar Galla (International Institute for the Inclusive Museum), que falou de multiculturalismo, políticas de integração e políticas de assimilação na Europa, diálogo intergeracional e diálogo intercultural, novos paradigmas, social media, a potencialidade das colecções, envolvimento e inclusão. Uma das mensagens deixadas pelo Prof. Amareswar foi o enfoque da criatividade como ingrediente imprescindível para relativizarmos a “crise” e a importância das nações desenvolverem políticas inclusivas ao contrário do que parece ser o caminho trilhado…

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Joana Sousa Monteiro
© Foto Ana Carvalho

Joana Sousa Monteiro (Câmara Municipal de Lisboa) apresentou a experiência de dois anos de trabalho em torno da reformulação da rede de museus municipais de Lisboa. Desta apresentação foi perceptível um percurso de investigação sério e reflexivo. O discurso pontuou pela assertividade e por uma atitude perseverante no sentido de alcançar práticas de gestão mais coerentes e eficientes.

Um outro momento profundamente inspirador foi a apresentação de Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) que deu conta de um trabalho (“Network of School Archaeological Clubs”) assente na cooperação entre museu e escolas. A dedicação e empenho profissional foi um elemento-chave neste processo/projecto. Este projecto ganhou recentemente o prémio CECA para as melhores práticas educativas (CECA Best Practice Award).

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Sofia Borges, Wolfgang Täebler (moderador) e Patricia Remelgado
© Foto Ana Carvalho

O projecto “Trienal Movimento Desenho 2012” destacou-se pela originalidade da abordagem. Assente na criação de redes informais e na cooperação, as autoras do projecto tem procurado reunir pessoas e instituições interessadas na importância e valorização do desenho (nas suas diversas vertentes) com o objectivo de se organizar um evento nacional, cuja 1.ª edição terá lugar este ano (15 de outubro a 15 de dezembro). A dedicação dos profissionais que fazem parte da comissão organizativa deste evento foi também um ingrediente fundamental para tornar possível um projecto sem orçamento.

CONF: Mediação Cultural nos Museus, 15-16 de Julho 2010

A Mapa das Ideias em parceria com a Associação “Histórias Para Pensar” criou um seminário com os seguintes objectivos:

– Disseminação de ideias e reflexões, nomeadamente as conclusões da European Museum Advisors Conference 2010, realizada em Helsínquia no início de Junho.

– Reflexão sobre a estratégia nacional de museus no actual contexto.

– Análise sobre projectos culturais financiados pela UE, nomeadamente através do Programa Grundvtig: o projecto em si mesmo, as mudanças de paradigma, a importância e, em simultâneo, as dificuldades de trabalhar em rede.

– No dia 16 de Junho, um grupo mais pequeno poderá dedicar-se a analisar em profundidade os mecanismos de financiamento do programa acima referido, identificando áreas de intervenção, potenciais parceiros institucionais e empresariais. Para dar acompanhamento aos projectos, estarão presentes consultores privados das áreas de design, mediação cultural, tecnologias de informação, exposições, etc.

Uma parceria Mapa das Ideias / Associação Histórias para Pensa
MEDIAÇÃO CULTURAL NOS MUSEUS

Estratégias de Aprendizagem para o Sucesso
5 de Julho 2010, Quarta-feira
Organização: Mapa das Ideias
Local: Auditório do Museu de Cerâmica de Sacavém
Programa
09:30 – 10:00 Recepção dos participantes (café e bolinhos)
10:00 – 12:30 Museus: uma estratégia para o Futuro [Maria Vlachou]
Museus e mediação cultural: Apresentação do EMAC 2010 [Inês Bettencourt da Câmara]
12:30 – 14:00 Almoço
14:00 – 16:00 Programas Europeus de Financiamento (GRUNDTVIG) [Joaquim Jorge]
16:00 – 16:30 Intervalo
16:30 – 17:30 Análise do caso Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu: Rota Histórica das Linhas Defensivas de Torres Vedras / O Processo de Constituição da Rede Intermunicipal [Joaquim Jorge e Florbela Estêvão]
16 de Julho 2010, Quinta-feira
Organização: Histórias para Pensar
Local: Museu Municipal de Loures
Programa
09:30 – 10:00 Recepção dos participantes (café e bolinhos)
10:00 – 11:00 Apresentação dos parceiros empresariais: design, tecnologias de informação e mediação cultural
Apresentação dos participantes e constituição dos grupos de trabalho
11:15 – 13:00 Trabalho de grupo
13:00 – 14:00 Almoço
14:00 – 16:30 Apresentação e discussão de projectos
16:30 – 17:00 Intervalo
17:00 – 18:00 Intervalo
Organização e Secretariado
Inscrições e pagamento:
Dia 15 de Julho – 25€ (inclui almoço)
Para participar nos dois dias de trabalho:
45€ (inclui coffee-breaks e almoço)
Vagas limitadas. Inscreva-se já! Pagamento por transferência bancária ou no local, através de Multibanco

Mais informações:
Maria João Nunes – mjoao.nunes@mapadasideias.pt

Mais informação:
http://www.mapadasideias.pt/?p=1210&lang=pt
http://www.cm-loures.pt/Agenda_jul10_Mediacao.asp

Informação ICOM.PT (II Série, Nº 9, Jun-Ago 2010)

Saiu novo número do boletim Informação ICOM.PT (II Série, Nº 9, Jun-Ago 2010). O boletim está inteiramente disponível na página do ICOM-Portugal (www.icom-portugal.org).

Conteúdos:

ARTIGO
DO CORAÇÃO DO MUSEU: Inventário e património imaterial em 11 museus portugueses, por Lorena Sancho Querol

OPINIÕES
SERVIÇO EDUCATIVO EM OUTSOURCING?
Inês Bettencourt da Câmara e Ana Isabel Apolinário

ENTREVISTA COM…
Steve Stoer

NOTÍCIAS ICOM
Novas publicações
CALENDÁRIO INICIATIVAS