Arquivo de etiquetas: Isabel Falcão

VI Fórum Ibérico junta investigadores em Évora para debater novas perspetivas de investigação em museologia

A imagem apresenta em grande plano uma escultura grega conhecida como a danlçarina de Budapeste

Statue of a girl (the Budapeste dancer), Museum of Fine Arts, Budapeste. Foto de Ana Carvalho

A 24 e 25 de novembro realiza-se o VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos, na Universidade de Évora, para debater novas perspetivas de investigação na área da museologia.

Reconhecendo a pluralidade dos estudos museológicos, o Fórum pretende contribuir para a discussão de projectos de investigação recentes ou em curso, em diversas geografias e contextos do panorama ibérico. Um dos eixos de reflexão consiste em debater abordagens históricas dos museus e da museologia e, por outro lado, abordagens que contribuam para um entendimento contemporâneo da relação dos museus com a sociedade.

O programa apresenta um leque diverso de projetos de investigação e inclui duas oradoras principais: Raquel Henriques da Silva e Maria de Bolaños, ambas conhecidas pelo seu papel de relevo na museologia portuguesa e espanhola.

Conheça o programa em: https://viforumiberico.wixsite.com/2022/about-7

As inscrições podem ser feitas através do website do Fórum (até 18 de nov.): https://viforumiberico.wixsite.com/2022/general-clean-1

A 6.ª edição deste Fórum é promovida pelo CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e pelo IHA – Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

***

Mais sobre o Fórum Ibérico de Estudos Museológicos:

Este fórum ibérico é dedicado à museologia e realiza-se desde 2017. É um espaço de partilha de investigação e reflexão em torno da história e dos desafios atuais da museologia. Pretende facilitar o intercâmbio de conhecimentos e projectos, fortalecer redes de comunicação e de colaboração, favorecendo a aproximação entre Portugal e Espanha, incluindo o mundo iberoamericano.

I Foro Ibérico de Jóvenes Investigadores – Museologías: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos, 18 Nov. 2017, Museo Nacional de Escultura, Valladolid. Ver publicação aqui.

II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia: Os Museus e a(s) Sociedade(s) – Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios, 13-14 Dezembro 2018, Museu Nacional Arte Antiga, Lisboa. Ver publicação aqui.

III Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Historia de los Museos. Historia de la Museología, 18-19 Outubro 2019, Museo Arqueológico Nacional, Madrid. Ver publicação aqui.

IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Estratégias de Exposição – História e Práticas Recentes, 10 Dezembro 2020, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Ver publicação aqui.

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Autores e Textos Críticos em Espanhol e Português, 21-22 Outubro 2021, IAACC Pablo Serrano, Zaragoça. Ver publicação aqui.

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado ao Museu Nacional de Arte Contemporânea

capa do livro que tem imagem a preto e branco do espaço exterior do Museu Nacional de Arte Contemporânea

Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico, de Isabel Falcão, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento é no dia 13 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Diogo de Macedo (1889-1959) assume a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) em 1 de julho de 1944, sendo, nos 33 anos de existência do museu, o primeiro escultor a ocupar este cargo. A sua atividade desenvolve-se entre 1944 e 1959, articulando e contextualizando a intervenção no museu com as suas convicções culturais e estéticas, evidenciadas numa intensa atividade como crítico e historiador da arte. Com este estudo pretende-se interpretar o projeto delineado pelo escultor Diogo de Macedo para o MNAC, analisando o seu pioneirismo, destacando os aspetos mais inovadores, e registando, simultaneamente, as fragilidades e fracassos da sua ação. Uma ação centrada na valorização do espaço expositivo, no estudo e divulgação das coleções e na constituição de um acervo representativo da arte contemporânea. Esta função é compreendida em necessária articulação, e contextualização, com o percurso biográfico de Macedo, com a sua obra escultórica e com a sua atividade de crítico, ensaísta e historiador. Pretende-se, ainda, demonstrar que Diogo de Macedo cria um programa museológico para o museu, com um projeto específico que relaciona investigação científica sobre a coleção e divulgação da arte, com o desígnio da construção de uma identidade institucional e científica para o MNAC, no panorama da cultura portuguesa da primeira metade do século XX.

Sobre a autora:

Isabel Falcão (1966) é membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa), grupo de investigação MuSt-Museum Studies, e coordenadora científica do projeto “História das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian – Catálogo Digital”, uma parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto de História da Arte (FCSH-NOVA). Doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico (2019), com orientação científica de Raquel Henriques da Silva, e cuja investigação esteve na base do presente livro. Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Pós-Graduação em Museologia (2008). Mestrado em História da Arte Contemporânea (1997). Licenciatura em História – variante em História da Arte (1989). Tem colaborado com diversas instituições em projetos relacionados com a história da arte portuguesa, estudo de coleções e comissariado de exposições temporárias, sendo autora de diversos artigos e publicações. Desenvolve investigação sobre arte portuguesa dos séculos XIX e XX.

Índice

7 | INTRODUÇÃO
13 | PARTE I – EM TORNO DO MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (MNAC)
15 | CAPÍTULO 1 – Os condicionalismos do MNAC no convento de S. Francisco
43 | PARTE II – DIOGO DE MACEDO (1889-1959). UM ESTETA 
45 | CAPÍTULO 2 – A escultura e a concretização de um ideário
81 | CAPÍTULO 3 – Em torno do pensamento teórico e historiográfico de Diogo de Macedo
123 | PARTE III – DIOGO DE MACEDO E A DIREÇÃO DO MNAC
125 | CAPÍTULO 4 – Diogo de Macedo, o novo diretor do MNAC (1944-1959)
131 | CAPÍTULO 5 – O projeto de Diogo de Macedo para o MNAC
175 | PARTE IV – A INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL DE DIOGO DE MACEDO NO EXTERIOR
176 | CAPÍTULO 6 – Participações oficiais durante o período de direção do MNAC (1944-1959)
193 | CONSIDERAÇÕES FINAIS
207 | Notas
239 | Fontes e bibliografia
257 | Índice Remissivo 
259 | Diogo de Macedo (cronologia)

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)