Arquivo de etiquetas: Ivone Magalhães

Revista do Museu de Ílhavo publica terceiro número

capa da revista número 3, onde se vê pequena imagem de pormenor de embarcação com o número 34

Acaba de ser publicado o terceiro número da revista ARGOS. Editada pelo Museu Marítimo de Ílhavo (desde 2013), tem cadência anual e assume como fio condutor os tópicos relacionados com os museus de temática marinha. “Embora o campo institucional da museologia marítima não exista em Portugal, importa construir redes, partilhar os melhores projectos, exaltar as experiências mais incrustadas nas comunidades e destacar as organizações que mobilizam conceitos criativos em torno dos patrimónios marítimos”, disse Álvaro Garrido, coordenador da revista e director do Museu Marítimo de Ílhavo.

Deste número destacamos cinco textos. O primeiro deles é de Peter Neill (director do Word Ocean Observatory) que de forma assertiva reconhece o quanto as lideranças e a curadoria nos museus tem contribuído para a ausência de contemporaneidade nos museus de temática marinha. Apontando um conjunto muito diverso de tópicos contemporâneos passíveis de ser abraçado por estes museus (emigração/imigração, políticas & governança, transporte & comércio, pesca, exploração de recursos naturais, marinha & expansão territorial, para referir alguns) Neill sublinha a necessidade de mudar mentalidades, a introdução de novos valores, mas também um compromisso ao nível das lideranças para alcançar estas mudanças. Um texto  em consonância com uma tendência na museologia para uma maior relevância dos museus através de um compromisso com temas-chave do presente.

No campo das políticas do património, o texto de Ivone Magalhães (Rede de Museus do Mar de Esposende) identifica alguns dos problemas que a lei do abate de 1985 preconizou, levando à perda de grande parte das embarcações “tradicionais” existentes em Portugal. Apesar do movimento patrimonial no sentido de estudar as embarcações que foi sendo levado a cabo, há ainda muito a fazer para que se combine a protecção patrimonial, a promoção da economia local e o respeito pelas profissões ligadas à cultura marinha.

Sobre a musealização do património imaterial, sublinhamos o nosso próprio texto, que reflectiu sobre a importância de introduzir o património imaterial nas exposições através de narrativas menos centradas na cultura do objecto e mais centradas na cultura da narrativa, na qual se combina o poder dos objectos com os contributos e as histórias dos grupos e comunidades. Para isso analisamos a exposição “Artes da Pesca. Pescadores, Normas, Objectos Instáveis” patente no Museu Nacional de Etnologia, que embora configure uma exposição mainstream assente na cultura do objecto não deixou de evidenciar, para efeitos desta reflexão, possibilidades em aberto (texto disponível em http://hdl.handle.net/10174/16210).

O Museu Marítimo de Ílhavo é porventura um dos museus de temática marinha que mais trabalho tem desenvolvido em torno da recolha de memórias sobre a pesca do bacalhau. Esse trabalho mais sistematizado é balizado com a criação do Arquivo de Memórias da Pesca do Bacalhau em 2005. Em processo de actualização contínua, este arquivo incorpora testemunhos em formato audiovisual de homens ligados à pesca do bacalhau. Este repositório tem servido ao museu não só para preservar a memória colectiva per se, mas configura um importante recurso para a construção de narrativas nas exposições e, por outro lado, para promover o contacto do museu com as comunidades visadas. Nuno Miguel Costa (investigador do Museu Marítimo de Ílhavo) ao escrever sobre “Uma Construção da Memória em Rede” dá conta do projecto “Homens e Navios do Bacalhau” (2005-2009), que corresponde à digitalização das fichas de inscrição de tripulantes de bacalhoeiros no respectivo Grémio entre 1937-1974. Este material de arquivo está disponível sob a forma de base dados (http://mmi.t-t.pt) e confirma a consolidação do trabalho do museu em prol do registo da memória sobre a pesca do bacalhau, quer através da documentação, quer da recolha de testemunhos orais.

A cultura vieira no Tejo e Sado preconiza uma nova candidatura a património imaterial nacional. O projecto teve início em 2006 por iniciativa da Associação Independente para o Desenvolvimento Integrado de Alpiarça e várias instituições tem entretanto vindo a juntar-se  (Instituto Politécnico  de Santarém, Escola Superior de Educação de Santarém, entre outras). João Monteiro Serrano (Instituto Politécnico  de Santarém), coordenador do projecto, defende que a valorização da cultura vieira deve fazer parte do desenvolvimento económico e social das regiões do Tejo e do Fado. Não obstante a instrumentalização política que eventualmente decorre deste tipo de candidaturas, um dos aspectos positivos já perceptíveis neste projecto é o reconhecimento de melhor conhecer um património claramente desconhecido para muitos. Dada a escassez dos estudos sobre cultura vieira, esta candidatura poderá contribuir para o desenvolvimento de projectos de investigação nesta área. Resta saber que benefícios concretos trará a candidatura para as comunidades envolvidas.

A Argos foi distinguida este ano pela APOM com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia” (em ex æquo com a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares).

A revista é exclusivamente impressa e está à venda nas principais livrarias do país. Mais informações: ciemar.mmi@cm-ilhavo.pt

****

Índice

Editorial | Álvaro Garrido
Building on New foundation: A 21st Century Perspective for Maritime Museums | Peter Neill

MUSEUS E PATRIMÓNIO MARÍTIMO
Patrimónios Marítimos: Estratégias de Musealização do (i)material | Ana Carvalho
Curating Oceanic Histories | Sarah Longair

OS MUSEUS NA SALVAGUARDA DOS PATRIMÓNIOS MARÍTIMOS
Entrevista a Mário Ruivo, por Álvaro Garrido
La Preservación del Patrimonio Marítimo: El caso del Museu Marítim de Barcelona y su reto de futuro | Roger Marcet
Patrimónios histórico-naturais no Museu da Baleia da Madeira | Luís Freitas
Atracando no pier do conhecimento | Susana Taulé Piñol

PROJETOS E INSTITUIÇÕES
O projeto da Cultura Avieira | João Monteiro Serrano
De la « Grande Pêche » à la pêche durable : les intentions d’une exposition | Denis-Michel Boëll
A “Libertação da Via da Água” na salvaguarda dos patrimónios marítimos | Ivone Magalhães

MUSEU MARÍTIMO DE ÍLHAVO, Investigação
Homens e Navios do Bacalhau: Uma construção da memória em rede | Nuno Miguel Costa
Portos e espaços portuários: arqueossítios por desvendar | Jorge Branco
Documentação
Mapas náuticos, pesca longínqua e o conhecimento do Atlântico | Nuno Silva Costa
Exposição
Do fundo do mar: história natural marinha em portugal – Memória do projeto expositivo | Márcia Carvalho
O Vouga, onde a história se sobrepõe à Classe | Mariana Vaz
Bacalhau em código bidimensional – uma visão, para melhor conhecer | Fernando Correia

EXPERIÊNCIA MUSEOLÓGICA INTERNACIONAL
Museu Marítimo de Macau | Chan I Un

DOSSIER VISUAL
Arquivo fotográfico de Octávio Lixas Filgueiras: contributos para o estudo de um homem e seu legado | Ângela Carvalho e Miguel Filgueiras