Arquivo de etiquetas: João Brigola

Hugues de Varine na Universidade de Évora

Defesa pública de tese
Universidade de Évora
25 de Março de 2010
©Ana Carvalho

Elementos do júri. Da esquerda para a direita vê-se: Cláudio Torres, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Lígia Rafael, Hugues de Varine e Filipe Themudo Barata
25 de Março de 2010
©Ana Carvalho

Como foi anunciado aqui no blogue, teve lugar hoje em Évora a defesa pública da tese de museologia – “Os Trinta Anos do Projecto Mértola Vila Museu: Balanço e Perspectivas”. Lígia Rafael, autora desta tese obteve por unanimidade a classificação de “Muito Bom”. Hugues de Varine este presente nesta sessão pública na qualidade de arguente.

Parabéns à Lígia Rafael e as maiores felicidades!

Museologia.pt, n. 2/2008

museologiapt-2

O segundo número da revista Museologia.pt foi recentemente publicado. Sobre este número transcrevemos a informação veiculada no website do Instituto dos Museus e da Conservação.

O 2º número da revista Museologia.pt – que se pretende seja um fórum de debate de questões e de problemas dos museus e da Museologia, lugar de divulgação de práticas inovadoras e reflexo de tendências culturais contemporâneas – vive de um conjunto de contributos, em que, a par da autoria de directores e de profissionais de museus, de responsáveis de organismos da área da Museologia e de gestores, de pessoas ligadas ao terreno, ganha mais espaço a investigação sobre os museus, fascinantes lugares de cruzamento interdisciplinar.

Dedicado à Gestão de Museus, o Dossiê central da revista abre com um artigo de enquadramento sobre os museus na contemporaneidade, de João Brigola, e incorpora artigos de Manuel Bairrão Oleiro, Filipe Serra, Silvana Bessone, Pedro Lapa, Graça Filipe, Odete Patrício e José Arnaud, cujas diferentes perspectivas, inovadoras propostas e, nalguns casos, polémicas posições, estimularão certamente o debate sobre esta problemática.

Entre os muitos contributos carreados para a revista, destacamos o do uso das imagens em movimento nos museus, a partir das experiências e práticas de Catarina Mourão e de Catarina Alves Costa, cineastas com provas dadas na realização de documentários em colaboração com um significativo conjunto de museus. Paulo Ferreira da Costa aborda a documentação do património imaterial nos museus. Inscrito desde 2007 nas competências do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), o património imaterial encontra na nova orgânica do Ministério da Cultura um lugar adequado, que se espera poder contribuir para um melhor conhecimento dos acervos dos museus portugueses, os quais frequentemente já dedicavam a este domínio uma especial atenção.

Da área da conservação e restauro, artigos de Mercês Lorena, uma proposta de abordagem das pinturas flamengas do retábulo da Sé de Évora; de Alexandrina Barreiro e de Alexandre Pais, “O Divino Salvador”, remete-nos para as singulares etapas da vida deste objecto artístico, que se vem a converter em bem arqueológico e em potencial objecto museológico. No contexto da investigação universitária, João Pedro Fróis apresenta um actualizado e abrangente ponto de situação conceptual sobre a educação nos museus de arte; Helena Santos aborda o tema dos públicos culturais e dos públicos dos museus e António Ponte lança novos olhares sobre as Casas-Museu, na sequência da sua dissertação de mestrado em Museologia.

Na rubrica Exposições optou-se por eleger como tema único os museus e centros de arte contemporânea recentemente abertos ao público no nosso País, preenchido com um artigo de Raquel Henriques da Silva, que analisa as colecções, os edifícios, as actividades e os modelos de gestão de sete novos museus que vieram enriquecer o mapa museológico nacional.

História e Memórias prossegue o objectivo de contribuir para a construção da História da Museologia Portuguesa, através da realização de uma entrevista a Fernando Bragança Gil, antigo Director do Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, numa viva conversa guiada por João Brigola e Luís Raposo. Dóris Santos reflecte sobre o Museu José Malhoa, acrescentando importantes contributos ao conhecimento do percurso museológico português do século XX.

Em cerimónia decorrida no passado dia 12 de Dezembro, a Associação Portuguesa de Museologia (APOM) distinguiu a Revista Museologia.pt (1.º número) com o Prémio APOM 2007 na Categoria Melhor Trabalho de Museologia, ex-aequo com Marta Rocha Moreira com a tese “Da Casa ao Museu”.

Museal, n.º 3

O n.º 3 da revista MUSEAL, editada pelo Museu Municipal de Faro, já saiu e conta com a participação de investigadores portugueses e espanhóis. O tema deste número é “Museus de Fronteira. Fronteira como Museu?”

Organiza-se em quatro partes:
– O património sem fronteiras
– Museus de fronteira marítima
– Dois Museus de fronteira
– Museus das regiões de fronteira

A revista apresenta ainda os Prémios 2006 da Associação Portuguesa de Museologia e a Carta de Princípios da Rede de Museus do Algarve.

A Revista integra um Conselho Científico constriuído por António Nabais (Presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Museologia), Clara Camacho (Subdirectora do Instituto de Museus e Conservação), João Brigola (Universidade de Évora), José da Encarnação (Universidade de Coimbra) e Rui Parreira (Direcção Regional da Cultural do Algarve).

ÍNDICE

Museus como fronteira: a raia entre Portugal e Espanha
Luís Jorge Gonçalves

O património sem fronteiras
Fronteiras de geometria variável: o Alentejo central na Pré-história | Manuel Calado
Museus, fronteiras e romanos | José d’Encarnação

Museus de fronteira marítima
Museus da fronteira marítima: o caso de Sesimbra | João Ventura
Museo Marítimo “Seno Corcubíon” | Manuel Coronilla Castro

Dois Museus de fronteira
Museu do Café Delta, em Campo Maior | António Nabais
Museu de Cáceres: um decénio de colaboração transfroenteiriça | Juan Valadés Sierra

Museus das regiões de fronteira
Los museos de la provincia de Huelva en Andalucía. Sus relaciones con Portugal | Olga Duarte Piña
Museus de fronteira no Algarve: Novos espaços, novos desafios | Dália Paulo
Los Museos de Extremadura | Maria José Pérez del Castillo
Museus das regiões de fronteira – Alentejo Entre a Renovação e a obra nova, a mudança de ciclo dos museus alentejanos | João Carlos Brigola
Museu de Francisco Tavares Proença Júnior: o caminhar de um século | Aida Rechena
Um museu numa região com fronteira – breve história do Museu da Guarda | Dulce Helena Pires Borges
Al otro lado del Niño – Presencia portuguesa em museos gallegos | Samanta Coleman Aller

Fonte: Lista de Discussão Museum

CONF: "É possível “rentabilizar” o Património?", 10 Abril 2008

10 de Abril, 18h30

Tema É possível “rentabilizar” o Património?

Cada vez mais se fala em ícones culturais que são “marketizados”. Quais as vantagens e desvantagens da aplicação desses modelos de gestão ao património?

Convidados:

Fernando Casqueira|Professor Catedrático, Presidente do Conselho Científico do IIP

João Brigola|Professor Universitário, Universidade de Évora, Museólogo

João Neto|Presidente da APOM, Director do Museu da Farmácia

Pedro Pedroso|Especialista em Gestão do Património, Empresário

Moderador: Nuno Moreira|Docente Universitário, Conservador, Membro do IIP

O que são…

As Conversas de Património são reuniões informais de diálogo e debate de ideias em torno de temas da actualidade sobre o Património.

As Conversas de Património são compostas por um painel de convidados, de acordo com o tema definido para a data.

As Conversas de Património têm um moderador que será convidado a apresentar o tema, propondo-o aos convidados.

As Conversas de Património permitem, depois do tempo de debate prévio entre o painel, abrir a discussão a todos os participantes, desenvolvendo um fórum aberto e directo de ideias e questões.

Quando são…

As Conversas de Património acontecem na segunda 5ªfeira de cada mês, pelo fim da tarde, de acordo com calendário previamente divulgado.

Onde são…

As Conversas de Património têm lugar na Fábrica do Braço de Prata, na sala Visconti. pelas 18h30, com entrada e estacionamento gratis no parque da fábrica . Se não souber como chegar, consulte o site www.bracodeprata.org.

Organização: Instituto Ibérico do Património
Apoio: Fábrica Braço de Prata, Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa – ESTAL

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

“Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras” – balanço…

conf-icom.jpg

VI Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM:
“novos museus, novas competências, novas carreiras”
Fundação Calouste Gulbenkian
©Ana Carvalho, 14 Mar. 2008

Decorreu na manhã da passada sexta-feira, 14 de Março 2008, a 6.ª edição das Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM subordinada ao tema: “Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras”, um assunto que não podia estar mais na ordem do dia.

O painel de oradores desta sessão temática foram destacadas figuras do panorama museológico português (ou com ele relacionado): Luís Calado (Fundação Ricardo Espírito Santo), Filipe Mascarenhas Serra (IGESPAR) e João Brigola (Universidade de Évora). A moderação coube a Paulo Henriques (Museu Nacional de Arte Antiga).

Procuraremos, tanto quanto possível, demarcar os aspectos que considerámos mais importantes sobre a discussão deste tema.

A sessão foi aberta pelo ainda director do ICOM, João Castelo Branco, que apresentou os oradores ali presentes. Seguiu-se Paulo Henriques, que sublinhou a importância de se discutir as novas competências dos profissionais de museus, no sentido em que há uma antiga visão sobre as carreiras nos museus que está obsoleta e que necessita urgentemente de ser objecto de reflexão, ressalvando a pertinência de adaptação às necessidades actuais dos museus.

Luís Calado apresentou um discurso centrado nas responsabilidades associadas à gestão dos museus nas suas diversas componentes (gestão de colecções, gestão de recursos humanos, gestão financeira, gestão dos espaços/instalações, gestão ao nível da administração central e políticas culturais, etc.). Para o efeito, apresentou diversos exemplos de museus e situações concretas ligadas a esta temática, salientando a dificuldade de implementar modelos de gestão na área dos museus. Na nossa opinião, esta foi uma apresentação que pautou sobretudo por uma chamada de atenção do que, na perspectiva de Luís Calado, foram ou são alguns dos problemas associados à responsabilidade de gerir museus e profissionais de museu, num balanço bastante inquitetante do que é a realidade portuguesa.

Filipe Mascarenhas Serra, após a interpelação de Luís Calado sobre a polémica do Côa e do futuro Museu do Côa, aproveita para esclarecer alguns aspectos relacionados com o futuro museu, tendo em conta que foi nomeado para integrar um grupo de trabalho com vista a acompanhar o processo de criação do museu. Num discurso muito positivo, salienta que todos os esforços estão a ser feitos para fazer deste projecto um projecto de sucesso. O Museu de Côa (não é definitiva a designação) será sobretudo um museu de território que terá uma componente muito forte de multimédia. Na preparação dos conteúdos estão envolvidas três universidades, a Universidade do Minho (componente multimédia), a Faculdade de Letras (no contexto do ordenamento do território, Geografia) e a Universidade Nova (componente da comunicação). A intenção é que o museu possa ser inaugurado daqui a um ano.
O grande enfoque da sua comunicação foi sobretudo ao nível das carreiras de museologia e C&R e da sua relação com o recém publicado diploma legal sobre as carreiras e os vínculos de trabalho (27 Fev. 2008) e das consequências que terá para o mundo dos museus. O panorama poderá não ser muito positivo e requer uma reflexão urgente deste tema por parte das várias associações ligadas aos museus para que se possam tomar medidas reinvidicativas adequadas para alterar algumas situações que em nada beneficiam os profissionais de museu. Além disso, Filipe Mascarenhas Serra sublinhou a importância da qualificação dos profissionais de museus, o necessário e imprecindível investimento das tutelas na formação e em capital humano. Por outro lado, salvaguardou que a qualificação pressupõe necessariamente a planificação, critério que deverá estar sempre presente. E aproveitou para chamar a atenção para o QREN, o último quadro de apoio da União Europeia, que privilegia a qualificação de RH como como uma das suas prioridades. Assim sendo, esta é uma oportunidade que os museus não podem perder.

João Brigola referiu que este é o momento oportuno para reflectir sobre duas décadas da formação em museologia em Portugal. Destaca um percurso que tem um balanço muito positivo e que de uma maneira geral foram dados passos importantes no contexto da qualificação dos profissionais de museu, a ver pelas últimas estatísticas realizadas. Este pode ser, no entanto, o fim de um ciclo e novas pistas poderão ser dadas para um novo ciclo da formação em museologia. Refere a remodelação dos cursos existentes de museologia em função das consequências decorrentes do processo de Bolonha e a necessidade de reflexão sobre a formação em museologia. Insistiu na possibilidade de se investir num 3.º ciclo em museologia – doutoramento, e da necessidade de se criarem parcerias em rede para levar a cabo esta intenção. Adiantou que a Universidade de Évora está empenhada em associar-se em rede com vista à internacionalização, factor determinante e fulcral para a formação avançada em museologia em Portugal, acrescentando o papel fundamental que o ICOM poderá ter neste contexto.

Em síntese, Paulo Henriques, refere entre várias coisas, a importância da articulação entre as universidades e a experiência prática nos museus, em termos de formação. Particular destaque para a chamada de atenção que fez para a necessidade das novas gerações de profissionais em serem mais combativos e se debaterem com um mercado de trabalho mais agressivo, gerações que considera que são mais propositivas, ou espera que o sejam. E da necessidade de haver mais abertura dos museus para a entrada desta nova geração no mercado de trabalho. Por outro lado, e relativamente ao quadro de apoio 2007-2013 constata que de facto deveria existir um gabinete de apoio que orientasse e colaborasse com os museus para eventuais candidaturas a projectos neste âmbito, dada a logística que comporta para os museus este tipo de candidaturas.

Houve tempo ainda para alguns esclarecimentos por parte de diversos elementos da assistência sobre alguns dos tópicos referidos nas apresentações, nomeadamente sobre o Museu Arqueológico do Carmo e Museu Nacional dos Coches, nas pessoas de José Arnaud e Silvana Bessone respectivamente. Destacamos os comentários de Luís Raposo (Museu Nacional de Arqueologia) e Graça Filipe (Ecomuseu municipal do Seixal) que sublinharam que o “museu é um organismo vivo” e não é apenas um conjunto de colecções, “é também um projecto social”. Por outro lado, Graça Filipe referiu a importância de se reflectir sobre o que é ser profissional de museu.

Estes foram alguns dos tópicos abordados e que em nosso entender não esgotaram de maneira nenhuma o tema. Seria oportuno e a breve trecho uma reflexão mais alargada deste tema, tendo em conta que este ano será decisivo para o futuro das carreiras em museologia. Referir ainda que se verificou, na nossa opinião, uma clara ausência na assistência de representatividade das novas gerações de profissionais de museu.