Arquivo de etiquetas: João Pedro Fróis

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.

Livro “Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL”

 

Imagem retirada daqui.

Imagem retirada daqui.

Ramos, Margarida Filipe (2013). Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Lisboa: Editora Principia, 128 páginas.  ISBN: 9789897160936.

Apesar de em Portugal não existir ainda um espaço editorial estabelecido em matéria de museologia vão surgindo algumas iniciativas que procuram contrariar este estado de coisas. Trata-se, neste caso, da publicação de uma dissertação de mestrado (Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, 2011), ligando museus e educação com base na experiência do Museu da Água, em Lisboa. A autora, Margarida Filipe Ramos, que trabalha há vários anos na área educativa deste museu, procurou analisar a relação do publico escolar com o museu, atendendo às questões ambientais.

A autora recebeu o prémio SPU para melhor obra original na área do ambiente que foi atribuído pela Sociedade Ponto Verde no âmbito da 5.ª edição dos Green project Awards (ver mais aqui). Foi este prémio que possibilitou a publicação do trabalho pela Editora Principia.

Este trabalho académico foi também destacado em 2012 pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com uma menção honrosa na categoria de “Melhor Estudo sobre Museologia“.

A dissertação de mestrado está disponível na íntegra aqui e o livro encontra-se à venda na Livraria Ferin e no website da Editora Principia.

Sobre a autora: Margarida Filipe Ramos é mestre em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e licenciada em Relações Públicas e Publicidade pelo Instituto de Novas Profissões. Ingressou em 1998 nos quadros da EPAL-Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A., onde desempenhou várias funções no Departamento de Comunicação Externa do Gabinete de Imagem e Comunicação. Desde 2001, desempenha funções no Museu da Água da EPAL, sendo responsável pela dinamização e a coordenação do Serviço Pedagógico Águas Livres, dirigido à comunidade escolar. (informação retirada daqui)

Pode ainda consultar um pequeno texto que esclarece sobre a perspectiva que a autora defende sobre esta temática na plataforma “Património.pt”, designadamente na rubrica “Com credenciais” de 5 de Março de 2013.

Resumo:

“A presente investigação tem como objectivo fazer uma reflexão sobre o papel dos museus enquanto educadores para os valores e mais concretamente da sua importância no que toca aos valores ambientais e de cidadania. Para isso, iremos apresentar o estudo de caso do Museu da Água da Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL), através da análise da sua dinâmica com as escolas e mais concretamente através da análise dos materiais produzidos pelos alunos no contexto do concurso anual promovido por esta instituição.

A cultura, a família, a religião e no geral a sociedade onde o indivíduo está inserido, todos estes factores são influenciadores dos valores. Deste modo, julgamos que o museu deveria assumir a sua responsabilidade social para além do ponto de vista tradicional, de divulgação e conservação do património e assumir-se como um agente de mudança e de educador para os valores.

Na primeira parte do trabalho, apresenta-se uma reflexão sobre a necessidade da educação para os valores do ponto de vista formal e dos principais métodos utilizados para o seu ensino, fazendo o paralelismo com as principais teorias da aprendizagem nos museus e de qual será o papel das instituições culturais no plano da educação não formal. A segunda parte do trabalho incide sobre o estudo de caso do Museu da Água da EPAL e do seu relacionamento com o público escolar. A análise aos trabalhos efectuados pelas crianças do 1º e do 2º ciclo revelam algumas preocupações ambientais relativamente à poluição e ao uso eficiente da água apresentando respectivamente as atitudes ambientais: biocêntrica (água como um bem essencial à vida) e antropocêntrica (perspectiva utilitária para o Homem). Todavia concluímos que em matéria de valores nada nos garante que as atitudes demonstradas em criança resultem em comportamentos sustentáveis no futuro.

A conclusão desta dissertação apresenta algumas sugestões para que o Serviço Pedagógico Águas Livres do Museu da Água da EPAL consiga concretizar uma educação ambiental mais eficaz junto da comunidade escolar.”

(Fonte: enviado pela autora)

Conteúdos:

Prefácio, 5

Agradecimentos, 7

Resumo, 9

Acrónimos, 11

Introdução, 15

1. Apresentação do tema e sua pertinência, 15

2. Objetivos do estudo, 21

3. Organização da dissertação, 23

Parte I. Enquadramento teórico, 25

Capítulo 1. O lugar dos valores na educação,  27

1.1. A educação para os valores, 27

1.2. A educação ambiental enquanto valor,.33

1.3. Principais perspetivas ambientalistas, 35

1.4. Da educação ambiental ao desenvolvimento sustentável: uma breve

resenha histórica, 41

Capítulo 2. A educação em museus, 51

2.1. O modelo behaviorista e o modelo construtivista, 51

2.2. A noção de valor público em museus, 55

2.3. A relação dos serviços educativos com as instituições escolares, 57

Parte II. A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Um estudo de caso, 61

Introdução, 63

Capítulo 3. O Museu da Água da EPAL, 65

3.1. Contextualização histórica, 65

3.2. O Serviço Pedagógico Águas Livres, 69

3.2.1. Práticas educativas, 74

Capítulo 4. Metodologia, 79

Capítulo 5. Análise dos trabalhos de expressão plástica realizados pelos alunos dos 1.º e 2.º ciclos, 83

5.1. Apresentação dos dados empíricos, 85

5.1.1. Análise dos dados por indicador, 85

5.1.2. Análise dos dados dos trabalhos do 1.º Ciclo, 99

5.1.3. Análise dos dados dos trabalhos do 2.º Ciclo, 100

5.1.4. Conclusões, 101

5.2. Considerações finais, 103

5.3. Sugestões de melhoria, 105

Bibliografia, 107

Apêndices, 113

Índice de quadros, 125

Índice de figuras, 125

Índice de apêndices, 126