Arquivo de etiquetas: Joaquim Pais de Brito

As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Botas, Ana (2013). As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia. Questões em torno da informatização do inventário de coleções. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova. Trabalho de projecto em museologia. Júri: Joaquim Pais de Brito (orientador), Raquel Henriques da Silva (co-orientadora), Alice Semedo (aguente), entre outros. Tese defendida a 15 de Julho de 2013.

****

Resumo: Este trabalho de projeto pretende ser um exercício de reflexão em torno da documentação de coleções etnográficas a partir das questões que se levantam na informatização do inventário museológico das máscaras bijagó (Guiné-Bissau) do acervo do Museu Nacional de Etnologia (MNE). A sua maior parte foi adquirida por Victor Bandeira em finais dos anos de 1960 e início de 1970 no Arquipélago dos Bijagós, juntando-se a estas outras adquiridas por quem cujo percurso também se cruzou com a história do museu e constituição das suas coleções.

Do ponto de vista antropológico aquelas são testemunhos dos processos de construção de identidade entre os Bijagós e inscrevem nos seus portadores, no caso dos homens, a figuração da sua posição social na hierarquia da aldeia; no caso das mulheres, uma ligação privilegiada ao mundo espiritual. As performances em que participam e nas quais se combinam dança, música e canto são a face mais visível de um princípio reconhecido por todos como garante do equilíbrio coletivo.

A reduzida informação das fichas de inventário destes objetos contrasta com a que a instituição promoveu e detém, através das exposições que realizou, dos catálogos que publicou, da documentação fotográfica e iconográfica que foi reunindo; e com o conhecimento já produzido por investigadores, alguns deles considerando os próprios objetos desta coleção.

A relevância destes decorre da informação que dispomos sobre eles, nomeadamente do conhecimento do seu contexto de uso e das circunstâncias da sua aquisição, pelo que este trabalho propõe o tratamento integrado de toda a informação disponível e de outra surgida durante o processo de pesquisa, com vista à sua associação ao inventário. Este é também um exercício de reflexão sobre as inevitáveis limitações dos sistemas de documentação museológicos e condicionantes humanas e técnicas que eles comportam, tendo como premissa que quanto mais alargada for a informação, mais diversificadas poderão ser as perspetivas de conhecimento que estes sistemas poderão apoiar e suscitar.

****

Bijagó masks of the Museu Nacional de Etnologia. Issues around the informatization of the inventory of museum collections.

Abstract: This research project aims to be an exercise of reflection on the documentation of ethnographic collections after the issues raised by the informatization of the Bijagó masks (Guinea-Bissau) of the collection of the Museu Nacional de Etnologia (MNE). Most of it was acquired by Victor Bandeira in the late 1960s and early 1970s in the Bijagó archipelago, along with others acquired by people whose paths also crossed the history of this museum and the shaping of its collections.

From the anthropological point of view these masks are testimonies of the processes of identity construction among the Bijagós and inscribe in their bearers, in the case of men, the figuration of their position in the social hierarchy of the village; in the case of women, their privileged connection to the spiritual world. The performances in which they take part combining dance, music and singing are the most visible part of a principle recognized by all as the guarantee of the collective balance.

The limited information from the inventory cards contrasts with what the museum has produced and promoted, through exhibitions, catalogs, photographic and iconographic documentation, and with the knowledge produced by researchers, some of them considering the very objects of this collection.

The objects relevance results from the information we have about them, including their function in the original context and the circumstances of its acquisition, so this project proposes the combined treatment of all available data and of other emerged during the research process, seeking its integration in the inventory. This is also an opportunity to think about the inevitable limitations of the museum registration systems and the human and technical constraints they have, with the premise that the more wide the information may be, the more diverse will be the knowledge perspectives it may support and raise.

(Fonte: informação enviada pelo autora)

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

I Forum do Património Imaterial do Douro

douro.jpg

Douro
Transmissores de património imaterial devem ser valorizados

O director do Museu Nacional de Etnologia, Pais de Brito, defendeu hoje a valorização daqueles que dão a conhecer o património imaterial das regiões, encontrando formas que vão além de colocar as suas informações num arquivo ou num museu

Ao intervir hoje, em Tabuaço, no I Fórum do Património Imaterial do Douro, Pais de Brito afirmou que este património não é «algo de absolutamente configurado, que preexista, expectante», aguardando que o vão lá buscar.

«Será um erro repetir hoje modos de recolha que passavam muito por este pressuposto, de o colector ser apenas o veículo que transportava para o caderno, o arquivo ou o museu coisas materiais ou imateriais que em qualquer lugar se encontravam», considerou.

Segundo o investigador, «hoje a sua procura tem de transportar consigo um processo de partilha onde se redescobrem e se encontram novos sentidos para aquilo que se recolhe».

Neste âmbito, defende a necessidade de a relação que, por exemplo, um etnógrafo estabelece com o seu informante ser «transposta para o acto do presente em que ela se processa, também enquanto criação social», para que estes não fiquem «acorrentados» ao passado.

Pais de Brito afirmou que, actualmente, os etnógrafos podem «ir mais longe» do que os seus colegas dos séculos XIX e XX, valorando de forma dinâmica «os protagonistas do património imaterial».

Deu o exemplo de um homem de uma aldeia que sabe fazer instrumentos de música e é um grande tocador.

«Ao recolher o seu saber, as indicações de construção ou as suas músicas, provavelmente pode ir-se mais longe e ele vir a ser um professor no Conservatório ou numa escola secundária e montar uma oficina onde ensine outras pessoas», explicou.

Também no património imaterial oral pode acontecer o mesmo, sem que se dê atenção «exclusivamente ao objecto oral em si, como a narrativa, o romance, o conto ou o provérbio que depois vai para um arquivo e pode ser consultado e estudado», acrescentou.

Lembrou que a designação de património imaterial é recente e que, mesmo os museus, não trabalhavam muito com esta dimensão.

«É agora a altura de pensar nas metodologias, até no modo de constituição dos arquivos, porque há meios tecnológicos mais sofisticados», frisou, propondo, por exemplo, a gravação em vídeo da pessoa que transmitiu o saber oral e que «pode ser surpreendida e encantada com a sua voz já no museu ou no arquivo».

O I Fórum do Património Imaterial do Douro, dedicado ao tema ‘Novos desafios para velhas memórias’, está a decorrer no âmbito de um projecto-piloto, lançado este ano pelo Museu do Douro, que pretende fazer o levantamento, a salvaguarda e o estudo deste tipo de património da região.

«A intenção do Museu do Douro é tratar o património imaterial como um repositório do saber popular, transmitido de geração em geração, que nos permitirá ir à origem dos mitos, das lendas», justificou o seu director, Fernando Maia Pinto.

Hoje foi já lançada a primeira obra deste projecto, do investigador Alexandre Parafita, que integra narrações orais recolhidas no concelho de Tabuaço.

Segundo Fernando Maia Pinto, o objectivo é continuar o levantamento pelos outros concelhos do Douro, obtendo «tudo o que for possível para ajudar a ter uma compreensão da realidade humana desde a origem dos tempos».

Lusa / SOL

Fonte: site do Sol, 8/12/2007