Arquivo de etiquetas: livro

Segundo volume sobre Estudos de Museus dedicado às redes e à credenciação

Capa do livro

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, da autoria de Clara Frayão Camacho é o segundo livro publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora (veja-se post anterior).

“Ao longo das últimas décadas verifica-se por toda a Europa um crescimento assinalável do número de museus. Neste contexto, como se organizam os museus e como se caracterizam as políticas museológicas desenvolvidas pelos vários governos nacionais? Que traços comuns e que diferenças se encontram de país para país? O conceito de museu é idêntico ou variável? Como surgem e como se desenvolvem os sistemas e as redes de museus? Este livro explora as relações entre as redes nacionais de museus e a credenciação numa viagem a nove países: Espanha, França, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e Reino Unido. Através de uma abordagem histórica, a autora evidencia o balanço entre influências internas e externas  na origem dos sistemas de credenciarão e das redes, mostrando a sua difusão no espaço europeu em processos múltiplos de contaminação. Por outro lado, a abordagem comparativa demonstra a existência de relevantes semelhanças institucionais, funcionais e patrimoniais, apesar da variabilidade dos conceitos de museus e dos contextos administrativos nacionais. Numa obra rigorosa e inédita no campo dos estudos da museologia internacional, a autora interpela ainda as políticas museológicas actuais e aponta algumas tendências futuras no campo dos museus.”

Clara Frayão Camacho (Horta, 1960) é doutorada em História pela Universidade de Évora e mestre em Muselogia e Património pela Universidade Nova de Lisboa. Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1985-2000), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdirectora do Instituto Português de Museus e do Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de Muselogia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre os museus portugueses e temas de museologia contemporânea. Foi directora da revista Museologia.pt (2007-2011) e é membro do comité científico da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. No plano internacional tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e tem exercido funções de representação institucional em organismos europeus e latino-americanos da área dos museus. Actualmente, é técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, membro do Instituto de História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e presidente da Assembleia-Geral do ICOM Portugal.

A colecção “Estudos de Museus” pretende publicar trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização. O primeiro volume, lançado a 9 Março de 2016, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director (veja-se post anterior). O comité editorial desta colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas.

O lançamento do livro será no dia 5 de Abril (terça-feira), pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, Sala D. João VI. Será apresentado por Guilherme d’Oliveira Martins.

****

Índice

7 INTRODUÇÃO
19 ESTADO DA ARTE
23 Noção de Credenciação
28 Noções de Sistema e de Rede
37 Visões europeias
52 Olhares nacionais
57 PERSPETIVA DIACRÓNICA (1985-2010)
61 Antecedentes: raízes norte-americanas e uma tentativa gorada no Reino Unido
79 Continuidade e inovação: o modelo britânico
103 Um sistema nacional e assimetrias regionais: a Espanha das Autonomias
129 A iniciativa profissional: o registo holandês
139 Organização dos museus em tempo de transição: os casos da Letónia e da Polónia
154 Padrões nacionais e polarização regional: o paradoxo italiano
172 Reconhecimento e unificação: Musées de France
192 Credenciação e organização em rede: A Rede Portuguesa de Museus
Padrões e formação: o programa irlandês
233 PERSPETIVA COMPARADA
237 Contextos e objetivos
249 Meios e recursos
279 Resultados e efeitos
322 Transformações, evoluções e retrocessos (2010-2013)
345 CONCLUSÕES
359 NOTAS
402 Siglas, acrónimos e abreviaturas
404 Fontes e bibliografia
429 Agradecimentos

Direção-Geral do Património Cultural lança colecção sobre estudos de museus

Museus arte e patrimonio

A Direção-Geral do Património Cultural irá inaugurar uma nova colecção dedicada a museus, em parceria com a editora Caleidoscópio. Com a colecção “Estudos de Museus” pretende-se a publicação de trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização.

O primeiro volume da colecção “Estudos de Museus”, Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), será apresentado no próximo dia 9 de Março e centra-se na figura de José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director. O segundo volume é da autoria de Clara Frayão Camacho e intitula-se Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Será lançado no mês de Abril.

Museus, Arte e Património em Portugal. José de Figueiredo (1871-1937), da autoria da investigadora Joana Baião, centra-se na vida e obra daquela que pode ser considerada “uma das mais importantes figuras da história da arte e da museologia portuguesas do início do século XX”. A realização deste estudo permitiu uma “análise aprofundada das várias áreas de actuação de José de Figueiredo no panorama cultural português” sublinha a autora.

Tanto o percurso pessoal como profissional de Figueiredo são abordados neste livro, nomeadamente a sua integração na Academia Real de Belas-Artes de Lisboa; o seu papel na campanha de estudo, restauro e divulgação dos painéis de S. Vicente; as suas ideias e contribuições na definição da legislação artística e patrimonial portuguesa, nos diversos contextos político-sociais que integrou (Monarquia Constitucional, Primeira República, Ditadura Nacional e primeiros anos do Estado Novo); a sua actividade como crítico e historiador de arte; o seu papel na divulgação da arte portuguesa, dentro e fora do país, através da participação em conferências e da organização de exposições no estrangeiro; e a sua acção no âmbito da museologia da arte em Portugal, nomeadamente enquanto director do Museu Nacional de Arte Antiga (1911-1937). Merece também destaque a relação de Figueiredo com personalidades nacionais e estrangeiras (p. ex. Luciano Freire, Reinaldo dos Santos, Afonso Lopes Vieira, Luís Keil, Émile Bertaux, André Dézarrois, entre outras) que, de modos diversos, marcaram a sua vida e obra.

O livro resulta da tese de doutoramento de Joana Baião com o título: José de Figueiredo (1871-1937): Ação e Contributos no Panorama Historiográfico, Museológico e Patrimonialista em Portugal, desenvolvida no âmbito do doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico da Universidade Nova de Lisboa. A tese foi orientada por Raquel Henriques da Silva.

Joana Baião é investigadora em pós-doutoramento no Instituto de História da Arte da mesma Universidade. No seu percurso académico destaca-se a tese de mestrado “Museus de Museus: Uma reflexão. Proposta para uma definição” (Universidade Nova de Lisboa, em 2009) e a sua participação no projecto “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (2010-2013). Actualmente, é assistente de coordenação e investigadora no projecto RaisExpo: Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian.

O lançamento do primeiro volume da colecção “Estudos de Museus” é já amanhã, 9 de Março, pelas 18h30, no Museu Nacional de Arte Antiga. O livro será apresentado por António Filipe Pimentel, director deste museu.

****

Índice:

7 INTRODUÇÃO
11 PERCURSO BIOGRÁFICO E SEUS CONTEXTOS
13 Os Primeiros Anos (1871-1895)
28 Os Anos em Paris (1895-1900)
61 Um Homem num País em Mudança: José de Figueiredo, depois de 1901
83 UMA VIDA DEDICADA À ARTE PORTUGUESA (1901-1937)
85 José de Figueiredo, Académico de Mérito da ARBAL
105 José de Figueiredo e a Campanha dos Painéis de São Vicente
133 José de Figueiredo e a Legislação das Bellas Artes em Portugal (1901-1936)
170 José de Figueiredo, Historiador e Crítico de Arte
202 José de Figueiredo e a Divulgação da Arte Portuguesa
237 José de Figueiredo e a Museologia da Arte
263 José de Figueiredo, Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga
347 In Memoriam José de Figueiredo
363 CONCLUSÕES
365 A Construção do “Mito” José de Figueiredo
371 NOTAS
427 Abreviaturas
428 Bibliografia
439 Proveniência e Crédito das Figuras

****

O livro está à venda nas principais livrarias e nas lojas dos museus nacionais.

Livro sobre património mineiro e geológico é publicado

 

Imagem a preto e branco faz a capa do livro

“Memórias do Carvão” é o mais recente livro sobre património geológico e mineiro. Lançado a 26 de Setembro em Porto de Mós, o livro inclui contributos de vários investigadores e profissionais sobre esta temática. É uma edição conjunta dos municípios da Batalha e de Porto de Mós e conta com a colaboração da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade de Évora, através dos respectivos centros de investigação: Instituto de História Contemporânea e Centro de História e Filosofia da Ciência.

Comemora-se em 2015 o Ano Europeu para o Património Industrial e Técnico. O património geológico e mineiro ocupa uma importante dimensão da discussão em torno da preservação do património industrial. Este livro ajuda a consolidar o conhecimento sobre esta área.

****

CONTEÚDOS:

Proémio, Manuel João Lemos de Sousa, 5

Património geológico e mineiro

El Territori Geològic i Miner de ´Aiguabarreig: “oci, cultura i turisme a travérs del Camí de Sirga” (Catalunya i Aragó, Depressió Geològica de l´Ebro), Josep M. Mata-Perelló; Ferran Climent Costa y Jaume Vilaltella Farràs, 13

A mina de carvão do Cabo Mondego e a Paleontologia portuguesa, Pedro Miguel Callapez; José M. Soares Pinto; José M. Brandão; Vanda Faria dos Santos; Matilde Azenha & Rodrigo Pinto, 27

Registo de minas do concelho de Porto de Mós: a memória em suporte papel, Fernanda Reis de Sousa & Helena Oliveira, 51

La technologie au service du transfert de charbon: l’innovation technique et le rôle économique de la téléphérique Savon-San Giuseppe (Italie), Alberto Manzini, 73

As Minas do Pejão: da estrutura produtiva à paisagem cultural, Daniela Alves Ribeiro, 89

Caminho de Ferro Mineiro do Lena: viagem interrompida, José Manuel Brandão, 109

O Couto Mineiro do Lena – a base de um museu das indústrias e da comunidade, Jorge Figueiredo, 133

Ciência, tecnologia e usos industriais

O Brasil discute o Carvão nos Congressos Científicos (1898-1922), Maria Margaret Lopes, 153

Algunos datos sobre los primeros usos del carbón en España, Octavio Puche-Riart, 163

Os combustíveis na encruzilhada dos anos trinta: impacto no sector dos transportes terrestres, Gilberto Gomes & Miguel Lobato, 179

Carvão da Bezerra (Porto de Mós): “apropriado na conducção do fôgo nas locomotivas”, José Manuel Brandão & Fernanda Reis de Sousa,  195

História Mineira

Pode uma sociedade anónima estrangeira ser concessionária de minas portuguesas? José Manuel Brandão & Maria de Fátima Nunes, 217

A mina de carvão do Cabo Mondego: 200 anos de exploração, J.M. Soares Pinto et al, 235

Memória da comunidade mineira Riomaiorense, 1942-1969, Nuno Alexandre Rocha, 259

Mineiras do Lena: no fio da navalha, José Manuel Brandão, 285

História de uma mina contada por alunos do ensino secundário: o exemplo da exploração das lignites de Soure, Matilde Azenha et al., 309

Minas de Alcanadas: prelúdio, fuga e final, José Manuel Brandão, 331

Notas curtas

João Monteiro Conceição, engenheiro. “Homem, técnico e empresário; um Legado”, José Charters Monteiro, 361

“Carvões do Lena”: um projeto de investigação participada do MCCB, Equipa do Museu da Comunidade Concelhia da Batalha, 371

****

Brandão, José; e Fátima Nunes, eds. 2015. Memórias do Carvão. [s.l.]: Câmara Municipal da Batalha e Câmara Municipal de Porto de Mós.

Nota: o livro estará à venda através das Câmaras Municipais da Batalha e de Porto de Mós

Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

 

Capa do livro Memorylands

Macdonald, Sharon. 2013. Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today. Londres: Routledge. 293 páginas. ISBN 978-0-45333-2.

Sharon MacDonald começa o livro chamando a atenção para o facto de a memória se ter tornado uma preocupação central ao longo do séc. XX e XXI, tanto na Europa como em outras partes do mundo. O florescimento dos trabalhos sobre a memória tem sido alimentado, refere a autora, pela angústia quanto à amnésia cultural, com o receio da perda dos vestígios do passado, o desaparecimento daqueles que testemunharam os eventos históricos na primeira pessoa, e o desvanecimento da transmissão intergeracional das memórias. Sublinha ainda que a Europa se transformou na terra da memória – memoryland – obcecada pelo desaparecimento da memória colectiva e com a sua preservação, como fica patente na paisagem com o aparecimento de novos museus, memoriais, sítios de património, placas e instalações artísticas que servem para nos lembrar das histórias que não devem ser esquecidas. Um dos objectivos do livro é identificar os padrões nas abordagens e experiências sobre o passado na Europa, uma vez que a premissa da autora é de que prevalece um repertório de tendências neste domínio, ainda que por vezes contraditórias. E, por outro lado, identificar as variações mais relevantes dessas abordagens.

Sharon Macdonald é professora da Antropologia Cultural na Universidade de York (Reino Unido). É a autora de Difficult Heritage: Negotiating the Nazi Past in Nuremberg and Beyond (Routledge, 2008), Behind the Scenes at the Science Museum (Berg, 2002), Reimagining Culture: Histories, Identities and the Gaelic Renaissance (Berg, 1997). Editou The Companion to Museum Studies (Blackwell, 2006) e The Politics of Display: Museums, Science, Culture (Routledge, 1997). Foi co-autora (juntamente com Gordon Fyfe) de Theorizing Museums: Representing Identity and Diversity in a Changing World (Blackwell, 1996), entre outros.

CONTEÚDOS:

List of figures
Acknowledgments
Prologue

1. The European Memory Complex: An Introduction
2. Making Histories: Europe, Tradition and Other Present Pasts
3. Telling the Past: The Multitemporal Challenge
4. Feeling the Past: Materiality, Embodiment and Place
5. Selling the Past: Commodification, Authenticity and Heritage
6. Musealization: Everyday Life, Temporality and Old Things
7. Transcultural Heritage: Reconfiguring Identities and the Public Sphere
8. Cosmopolitan Memory: Holocaust Commemoration and National Identity
9. The Future of Memory – and Forgetting References

Notes
References
Index

Em venda na Routledge.

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas” (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. […]
[…] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades […]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia

Les vocabulaires locaux du «patrimoine»

Les vocabulaires locaux

Bondaz, Julien, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart, e Anais Leblon, eds. 2014. Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations. Wien; Zürich; Berlin; Münster: Lit Verlag. 228 páginas. ISBN 9783643801791.

O livro, Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations, publicado recentemente, resulta de um colóquio internacional com o mesmo título realizado na Universidade de Évora em Fevereiro de 2012. Encontra um pequeno balanço sobre o colóquio neste blogue  e mais informação sobre o mesmo aqui.

O livro surge por iniciativa da Respatrimoni, uma rede internacional de investigadores dedicada à patrimonializaçao (Network of Researchers on Heritagisations/Réseau des chercheurs sur les patrimonialisations) e que assume uma abordagem pragmática e crítica da noção de património universal difundido pela UNESCO, incluindo o recente enfoque para o Património Cultural Imaterial. O livro também reflecte esse posicionamento. No total, a publicação inclui onze textos de investigadores de diferentes geografias e áreas disciplinares (sobretudo a antropologia, mas também a linguística, a arquitectura, a história da arte).

O objectivo central da obra é comparar no panorama internacional, ainda que se assuma à partida como sendo parcial, as variações (na sua diversidade) da utilização de vocabulários e usos locais relativamente ao “património”, assim como a sua relação com as instituições internacionais (p. ex. UNESCO, ICOM, ICOMOS) e os seus normativos reguladores. Pretende-se, segundo os editores, desconstruir ou ultrapassar a ideia de que o campo do “património” corresponde a algo de carácter homogéneo, contínuo e globalizado.

Le souci du « patrimoine » constitue aujourd’hui une activité universelle dont la diffusion est soutenue par les grandes organisations internationales. Elle produit chaque jour de nouveaux espaces de contacts entre les doctrines occidentales et le reste du monde. Mais que sait-on au juste des terminologies et des pratiques de conservation qui fonctionnent en dehors des canons occidentaux ? Ce livre s’attache à décrire et comparer les vocabulaires indigènes du « patrimoine », en montrant la diversité des conceptions locales et leur dialogue avec les politiques internationales. Se révèlent ainsi les ajustements et les oppositions linguistiques et pratiques que les acteurs activent, depuis leurs propres lieux, pour distinguer ces biens singuliers que nous appelons « patrimoine ».

O livro está disponível para venda em: http://www.lit-verlag.de/isbn/3-643-80179-1

Sobre esta linha de problematização da noção de património veja-se, ainda, o dossier especial da revista Civilisations: “Au-delà du Consensus Patrimonial: Résistances et Usages Contestataires du Patrimoine” (2012) em: http://civilisations.revues.org/3096 (acesso condicionado).

****

Table des matières

Remerciements

Relocaliser les discours sur le «patrimoine»
Julien Bondaz, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart et Anaïs Leblon

Words for Expressing What We Care About The Continuity and the Exteriority of the Heritage Experience
Jean-Louis Tornatore

Reviving the Disagreement: A Debate on the Terminology of Intangible Cultural Heritage and the UNESCO 2003 Convention in the Arab World
Ismail Ali El-Fihail

Transformation et histoire pluriculturelle d’un patrimoine. L’exemple des collections africaines en France
Manuel Valentin

Subtiles divergences. Le patrimoine carioca entre «paisagem cultural» et «paysage culturel»
Véronique Zamant

Le transfert d’un standard international. Le patrimoine culturel immatériel vu par la France
Chiara Bortolotto

«Traditions vivantes», une catégorie bonne à penser ? Le cas de la Suisse
Florence Graezer Bideau

Une histoire de patrimoine à l’indonésienne. Le cas du wayang golek sundanais (Java Ouest)
Sarah Anaïs Andrieu

Du «PCI» au «finaa tawaa». Ethnographie d’une traduction patrimoniale
Anaïs Leblon

Manifold “Barter”: Heritagization of Economic Exchange in the Argentinean Andes
Olivia Angé

Représentations linguistiques dans deux régions de Suisse romande (Jura et Valais). De la pratique du parler à la mise en patrimoine
Federica Diémoz et Aurélie Reusser-Elzingre

Les Auteurs

Livro “Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL”

 

Imagem retirada daqui.

Imagem retirada daqui.

Ramos, Margarida Filipe (2013). Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Lisboa: Editora Principia, 128 páginas.  ISBN: 9789897160936.

Apesar de em Portugal não existir ainda um espaço editorial estabelecido em matéria de museologia vão surgindo algumas iniciativas que procuram contrariar este estado de coisas. Trata-se, neste caso, da publicação de uma dissertação de mestrado (Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, 2011), ligando museus e educação com base na experiência do Museu da Água, em Lisboa. A autora, Margarida Filipe Ramos, que trabalha há vários anos na área educativa deste museu, procurou analisar a relação do publico escolar com o museu, atendendo às questões ambientais.

A autora recebeu o prémio SPU para melhor obra original na área do ambiente que foi atribuído pela Sociedade Ponto Verde no âmbito da 5.ª edição dos Green project Awards (ver mais aqui). Foi este prémio que possibilitou a publicação do trabalho pela Editora Principia.

Este trabalho académico foi também destacado em 2012 pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com uma menção honrosa na categoria de “Melhor Estudo sobre Museologia“.

A dissertação de mestrado está disponível na íntegra aqui e o livro encontra-se à venda na Livraria Ferin e no website da Editora Principia.

Sobre a autora: Margarida Filipe Ramos é mestre em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e licenciada em Relações Públicas e Publicidade pelo Instituto de Novas Profissões. Ingressou em 1998 nos quadros da EPAL-Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A., onde desempenhou várias funções no Departamento de Comunicação Externa do Gabinete de Imagem e Comunicação. Desde 2001, desempenha funções no Museu da Água da EPAL, sendo responsável pela dinamização e a coordenação do Serviço Pedagógico Águas Livres, dirigido à comunidade escolar. (informação retirada daqui)

Pode ainda consultar um pequeno texto que esclarece sobre a perspectiva que a autora defende sobre esta temática na plataforma “Património.pt”, designadamente na rubrica “Com credenciais” de 5 de Março de 2013.

Resumo:

“A presente investigação tem como objectivo fazer uma reflexão sobre o papel dos museus enquanto educadores para os valores e mais concretamente da sua importância no que toca aos valores ambientais e de cidadania. Para isso, iremos apresentar o estudo de caso do Museu da Água da Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL), através da análise da sua dinâmica com as escolas e mais concretamente através da análise dos materiais produzidos pelos alunos no contexto do concurso anual promovido por esta instituição.

A cultura, a família, a religião e no geral a sociedade onde o indivíduo está inserido, todos estes factores são influenciadores dos valores. Deste modo, julgamos que o museu deveria assumir a sua responsabilidade social para além do ponto de vista tradicional, de divulgação e conservação do património e assumir-se como um agente de mudança e de educador para os valores.

Na primeira parte do trabalho, apresenta-se uma reflexão sobre a necessidade da educação para os valores do ponto de vista formal e dos principais métodos utilizados para o seu ensino, fazendo o paralelismo com as principais teorias da aprendizagem nos museus e de qual será o papel das instituições culturais no plano da educação não formal. A segunda parte do trabalho incide sobre o estudo de caso do Museu da Água da EPAL e do seu relacionamento com o público escolar. A análise aos trabalhos efectuados pelas crianças do 1º e do 2º ciclo revelam algumas preocupações ambientais relativamente à poluição e ao uso eficiente da água apresentando respectivamente as atitudes ambientais: biocêntrica (água como um bem essencial à vida) e antropocêntrica (perspectiva utilitária para o Homem). Todavia concluímos que em matéria de valores nada nos garante que as atitudes demonstradas em criança resultem em comportamentos sustentáveis no futuro.

A conclusão desta dissertação apresenta algumas sugestões para que o Serviço Pedagógico Águas Livres do Museu da Água da EPAL consiga concretizar uma educação ambiental mais eficaz junto da comunidade escolar.”

(Fonte: enviado pela autora)

Conteúdos:

Prefácio, 5

Agradecimentos, 7

Resumo, 9

Acrónimos, 11

Introdução, 15

1. Apresentação do tema e sua pertinência, 15

2. Objetivos do estudo, 21

3. Organização da dissertação, 23

Parte I. Enquadramento teórico, 25

Capítulo 1. O lugar dos valores na educação,  27

1.1. A educação para os valores, 27

1.2. A educação ambiental enquanto valor,.33

1.3. Principais perspetivas ambientalistas, 35

1.4. Da educação ambiental ao desenvolvimento sustentável: uma breve

resenha histórica, 41

Capítulo 2. A educação em museus, 51

2.1. O modelo behaviorista e o modelo construtivista, 51

2.2. A noção de valor público em museus, 55

2.3. A relação dos serviços educativos com as instituições escolares, 57

Parte II. A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Um estudo de caso, 61

Introdução, 63

Capítulo 3. O Museu da Água da EPAL, 65

3.1. Contextualização histórica, 65

3.2. O Serviço Pedagógico Águas Livres, 69

3.2.1. Práticas educativas, 74

Capítulo 4. Metodologia, 79

Capítulo 5. Análise dos trabalhos de expressão plástica realizados pelos alunos dos 1.º e 2.º ciclos, 83

5.1. Apresentação dos dados empíricos, 85

5.1.1. Análise dos dados por indicador, 85

5.1.2. Análise dos dados dos trabalhos do 1.º Ciclo, 99

5.1.3. Análise dos dados dos trabalhos do 2.º Ciclo, 100

5.1.4. Conclusões, 101

5.2. Considerações finais, 103

5.3. Sugestões de melhoria, 105

Bibliografia, 107

Apêndices, 113

Índice de quadros, 125

Índice de figuras, 125

Índice de apêndices, 126

La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques

Capa do livro “La Médiation Culturelle…”. Imagem daqui.

Lafortune, Jean-Marie, dir.  (2012). La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques. Québec: Presses de l’Université du Québec (Collection Culture et publics). ISBN: 978-2-7605-3362-2. 222 páginas.

O livro explora o conceito de mediação cultural a partir de experiências e estudos de caso no Québec, Canadá. Este é um conceito que suscita diversos entendimentos e alguma ambivalência. Entre nós, o conceito tem pouca utilização, ainda que a mediação cultural seja uma prática recorrente em vários contextos, nomeadamente nos museus. Apesar de um enquadramento específico, o Québec tem já uma tradição forte no desenvolvimento do conceito, incluindo uma dinâmica diferente em termos de formação e de práticas, este livro pode ser de grande utilidade para quem estuda e trabalha sobre estas matérias.

O primeiro capítulo contextualiza as práticas de mediação cultural e o conceito no Québec, abordando as mudanças recentes no âmbito das políticas culturais e o papel da cultura no desenvolvimento, incluindo iniciativas locais de inclusão social. Este capítulo aborda ainda as transformações ocorridas no contexto cultural e das práticas artísticas tendo em conta a “revolução” digital e apresenta várias experiências realizadas em Montréal.

O segundo capítulo explora os desafios académicos, profissionais e políticos ligados ao aparecimento de uma nova categoria de actores – os mediadores culturais, examinado o seu perfil e competências, através de vários testemunhos de profissionais/mediadores que trabalham na área do património e dos museus.

O terceiro capítulo apresenta uma abordagem dos desafios implicados na aplicação da mediação cultural em contexto teórico, institucional e sociocultural. Esta análise inclui uma reflexão sobre os limites da acção dos mediadores culturais, debatendo-se também a questão dos “não públicos” e a necessidade de implementar acções concertadas no sentido de uma maior participação, acções que verdadeiramente ultrapassam o domínio cultural e artístico.

O quarto capítulo desenvolve o tema da avaliação, dos impactos e das metodologias e o quinto capítulo apresenta doze estudos de caso (museus, bibliotecas, centros culturais, teatros, etc.) da região do Québec, explorando diversos projectos de mediação cultural (que actores, que público alvo, que objectivos, que metodologias, que actividades, que problemas, etc.).

 Jean-Marie Lafortune, coordenador do livro,  é Professor no Departamento de comunicação Social e pública da Universidade do Québec em Montréal (Canadá) e director de programas em animação e investigação cultural. É ainda editor-chefe da revista internacional “Animation, territoires et pratiques socioculturelles” (criada em 2010).

Resumo do livro divulgado pela editora:

La médiation culturelle s’impose comme le modèle d’action privilégié au Québec depuis une décennie. Permettant de jeter des ponts entre l’art, la culture et la société, elle favorise la participation culturelle, mais aussi la culture de la participation. Les milieux institutionnels l’adoptent afin d’étendre leur audience, alors que les milieux socioartistiques s’en servent pour mieux œuvrer au renforcement de la citoyenneté. Dans notre société du spectacle et des identités, la médiation culturelle peut soutenir la mise en commun des références culturelles et l’invention de nouvelles solidarités : elle établit une relation de qualité entre les publics et les œuvres légitimes et développe les moyens de l’épanouissement légitime des populations.

Conjuguant débats théoriques et études de cas, cet ouvrage aborde les principaux enjeux que soulève la médiation culturelle à partir d’une approche sociohistorique. Le volet historique retrace les conditions d’émergence des pratiques et du concept de médiation culturelle au Québec, liées à la transformation des politiques et des pratiques culturelles. Le volet social dépeint les dispositifs de médiation mis en place et dégage les principaux défis auxquels font actuellement face les médiateurs culturels, incluant l’évaluation de leur action.

Tant les intervenants culturels que les chercheurs et les étudiants, notamment dans le domaine des arts, de la communication, de l’éducation, du loisir, de la muséologie et de la sociologie, seront intéressés par la réflexion inédite et systématique sur le renouvellement des approches et des pratiques relatives à la production et à la diffusion artistique et culturelle que propose ce livre.  (fonte: Presses de l’Université du Québec)

Conteúdos:

PRÉFACE
Jean Caune
INTRODUCTION
Jean-Marie Lafortune
SOURCES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Danièle Racine
. Émergence des pratiques et du concept
. Transformation des politiques culturelles et du rôle de la culture
. Nouveaux rapports à la culture et à la création
ACTEURS ET DISPOSITIFS DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Caroline Legault
. Compétences nouvelles ou nouvel agencement de compétences?
. Dispositifs institutionnels et dispositifs socioartistiques
. Regards de médiateurs en milieu muséal et patrimonial
ENJEUX ET LIMITES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune
. De la médiation comme critique à la critique de la médiation
. Les non-publics: entre bonne volonté et mauvais goût culturel
MESURES ET DÉMESURES: LES LEÇONS DE L’ÉVALUATION
Louis Jacob
. Approches de l’évaluation
. Quels impacts?
. Repères méthodologiques
. Processus et résultats
. Principes de base
LA MÉDIATION CULTURELLE EN DÉBAT À PARTIR D’ÉTUDES DE CAS
Introduction par Jean-Marie Lafortune et Jean-Marc Fontan
. La médiation culturelle entre valeurs esthétiques et valeurs sociales
. La médiation culturelle et la question identitaire
. La médiation culturelle ou l’art communautaire
. La médiation culturelle et les nouvelles formes de collaboration
. La médiation culturelle et la muséologie sociale
. La médiation culturelle et la place de la culture dans l’éducation
CONCLUSION
Jean-Marie Lafortune

Além de Jean-Marie Lafortune e Jean Caune (prefácio) participaram no livro: Anouk Bélanger, Nathalie Casemajor, Jean Caune, Jean-Marc Fontan, Louis Jacob, Louise Julien, Marie-Hélène La Mothe, Ève Lamoureux, Michel Lefebvre, Caroline Legault, Pascale Malenfant, Marie-Andrée Manseau, Maryse Paquin, Marie-Claude Plasse, Eva Quintas, Danièle Racine, Audrey Rousseau, Julie Simard e Emmanuelle Sirois.

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Foto daqui.

 

 Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel. 365 páginas. ISBN 978-2-7427-8977-1.

Este livro faz um balanço sobre as primeiras experiências em França na implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003) (a França aprovou esta Convenção em 2006).

O livro organiza-se em duas partes. Após uma contextualização da Convenção de 2003, a sua retórica e os princípios de actuação subjacentes à criação de uma nova categoria para o património – o PCI, a  primeira parte descreve as estratégias para a salvaguarda do PCI desenvolvidas pelo ministério da cultura francês, assentes numa lógica de criação de inventários para identificar o PCI e documentá-lo, através de um programa de investigação.

A segunda parte do livro introduz uma outra dimensão da Convenção de 2003, designadamente a submissão de candidaturas do PCI a “património da humanidade”. Efectivamente, a Convenção prevê dois instrumentos principais – uma lista representativa e uma lista de salvaguarda urgente, e ainda uma base de dados de boas práticas, porventura menos conhecida.

Os anexos acentuam o potencial operativo do livro, incluindo exemplos de fichas de inventário, candidaturas, formulários, calendarização, etc. O livro é de grande utilidade para uma análise comparativa de políticas culturais, podendo ser de mais-valia para todos aqueles que trabalham em projectos de valorização do PCI e na definição de políticas de salvaguarda do PCI nas instituições culturais[1].



[1] Para uma leitura crítica do discurso preconizado pela Convenção de 2003 e das mudanças de paradigma que este documento suscita pode consultar-se: Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme. Veja a recensão crítica do livro aqui: http://etnografica.revues.org/2159 (por Cyril Isnart).

Conteúdos:

Chérif Khaznadar: Avant-propos. – La relation de la France au patrimoine culturel immatériel, 11

INTRODUCTIONS, 25

Christian Hottin: Sept ans, l’âge de raison. Dynamique et enjeux du patrimoine culturel immatériel, 27

Sylvie Grenet: Le patrimoine culturel immatériel selon la Convention de l’Unesco, 57

PREMIÈRE PARTIE: INVENTAIRES ET EXPÉRIENCES EN FRANCE, 75

Sylvie Grenet: Les inventaires en France, 77

Charles Quimbert: Le patrimoine culturel immatériel, un enjeu de société. Autour d’une démarche en cours de réalisation en Bretagne, 93

Véronique Ginouvès: Quand le renard raconte ses histoires au monde. La naissance du portail du patrimoine oral, catalogue collectif d’archives sonores et audiovisuelles, 107

Christian Hottin: Patrimoine culturel immatériel et recherche ethnologique, 129

Marie-Hélène Massé-Bersani: Les ateliers de dentelle du Puy-en-Velay et d’Alençon, 159

DEUXIÈME PARTIE : CANDIDATURES ET INSCRIPTIONS SUR LES LISTES DE LA CONVENTION, 173

Christian Hottin: Candidatures pour l’Unesco: du dossier au projet. Vade-mecum d’après les cycles 2008-2009 et 2009-2010, 175

Rieks Smeets: Deux nouvelles listes et un nouveau registre pour le patrimoine culturel immatériel, 213

Cécile Duvelle: Inscriptions sur les listes de la Convention: bilan d’un premier cycle de mise en œuvre, 245

ANNEXES, 267

Annexe I. – “Anti-monumental ? Actualité du patrimoine culturel immatériel”, 269.

Annexe II. – Exemple de fiche d’inventaire du patrimoine culturel immatériel de la France – Aux Fils de l’Arz, tissage à bras, 276

Annexe III. – Appel à la reconnaissance du patrimoine culturel immatériel en Bretagne, 285

Annexe IV. – Calendrier des actions d’information et de valorisation du PCI en Bretagne, 290

Annexe V. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2010 –Le compagnonnage : réseau de transmission des savoirs et des identités par le métier, 292

Annexe VI. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2010 – Savoir-faire de la dentelle au point d’Alençon, 315

Annexe VII. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2009– Le maloya, 334

Annexe VIII. – Patrimoine ethnologique et patrimoine culturel immatériel: permanences et mutations, 346

Annexe IX. – Allocution de Chérif Khaznadar à Abou Dhabi le 28 septembre 2009, 350

Annexe X. – Communication de Chérif Khaznadar à Sofia le 4 mai 2009, 355

Annexe XI. – Allocution de Chérif Khaznadar à Paris à l’Unesco le 22 juin 2010, 361

Ont participé à ce numéro de l’Internationale de l’imaginaire, 364

Ensaios e Práticas em Museologia 02

Capa: “Ensaios e práticas em museologia”
Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha
Fotografia da capa © José António Lacerda, 2010

Semedo, Alice, Célia Machado, e Mariana Jacob Teixeira, eds. 2012. Ensaios e práticas em museologia. Vol. 02. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 286 páginas. ISBN: 978-972-8932-82-4.

 Foi recentemente publicado o segundo volume de “Ensaios e práticas em museologia”, uma publicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. A publicação, exclusivamente em formato digital, dá continuidade ao primeiro volume com o mesmo nome publicado o ano passado (ver aqui).

Trata-se de uma colectânea de 16 artigos que resulta dos trabalhos de investigação realizados por alunos no âmbito do curso de mestrado em museologia na Universidade do Porto entre 2008 e 2011. A diversidade das temáticas abordadas caracteriza este volume (bem como o anterior) e é, de certo modo, indicativo do desenvolvimento de várias linhas de investigação em torno deste campo de estudos, atendendo também a uma “abordagem integradora” que é claramente assumida pela Universidade do Porto, tal como se sublinha no texto de apresentação da publicação:

“O Curso de Museologia tem procurado desenvolver (…) [uma] abordagem ‘integradora’ de diferentes temas-chave (temas-paradigma) que se concretiza em diferentes disciplinas e o seu aproveitamento em termos de avaliação, relaciona-se plenamente com a abolição das fronteiras disciplinares tradicionais que cada vez são menos relevantes para as competências interdisciplinares do mundo contemporâneo e da museologia, em particular. Com esta abordagem integradora dos conhecimentos, espera-se estimular o pensamento crítico e criativo, competências cada vez mais necessárias para prosperar num mundo complexo e global que desafia os limites disciplinares” (p. 5).

 No momento actual, de grande asfixia orçamental das universidades (agora alcançando situações agonizantes e que por via das circunstâncias obriga à reinvenção e posicionamento das universidades) como tem sido mais que evidente nas últimas notícias, o surgimento de iniciativas como esta, note-se de baixo orçamento e sustentadas a partir das redes informais existentes entre alunos e professores (sublinhe-se aqui o papel fundamental de Alice Semedo), é exemplar pela sua capacidade de resiliência aos constrangimentos actuais (que não são apenas de carácter económico).

 Por outro lado, esta iniciativa reflecte também a emergência de novas dinâmicas por parte das universidades com relação à investigação em museologia, no sentido de promover e divulgar a produção científica que se desenvolve neste campo. Na mesma lógica veja-se, por exemplo, a publicação de um número dedicado aos “Museus e Investigação” (vol. 8) pela Revista de História da Arte (Universidade Nova) em 2011, e que incorpora a investigação que se tem produzido na linha de “museum studies” do Instituto de História da Arte desta universidade (ver os conteúdos aqui)[1]. E ainda a nova revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (um projecto inter-universitário), cujo primeiro número está no prelo (cf. http://revistamidas.hypotheses.org/).

“Ensaios e práticas em museologia” está disponível na íntegra no seguinte endereço: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/10507.pdf (vol. 02)

 Veja também o primeiro volume: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8926.pdf (vol. 1)

 

CONTEÚDOS:

[Ensaios e práticas em museologia. 02]

Apresentação, p. 5
Alice Semedo, Célia Machado e Mariana Jacob Teixeira

A inclusão da emoção na comunicação museológica – contributos do marketing de serviços, p. 10
Alexandre Beites

Museu ibérico da máscara e do traje: inventário da coleção museológica, p. 24
Ana Luísa Barreira Afonso Brilhante

Epistemologia do conhecimento em Michel Foucault: os museus e as suas coleções, p. 37
António Manuel Passos Almeida

Museu da resistência: lugar de memória e instrumento da memória, p. 57
Carlos Mendes

Museus e vizinhança – o desafio de partilhar território, p. 70
Célia Machado

Avaliação e redução do risco de dano associado à luz solar em duas novas galerias do Victoria and Albert Museum, p. 92
Diana Ornellas Bencatel

Entre a arte e a ciência – um projeto de educação na Casa-Museu Abel Salazar, p. 111
Filipa Leite

Práticas e políticas de conservação preventiva no English Heritage: modelo de uma política integrada de gestão de coleções, p. 127
Geraldine Garcia

Arquitetura de Museus: entre tradição e modernidade. A Casa das Histórias da Paula Rego, p. 143
Gilson Fernandes

Dos “públicos” nos museus: ensaio sobre os fundamentos teóricos que antecedem a definição de metodologias de trabalho, p. 163
Joana Almeida Ribeiro

Dos armazéns de armas aos atuais museus militares da Direção de História e Cultura Militar – análise de um percurso evolutivo, p. 182
Mariana Jacob Teixeira

Ensaio sobre o AAT – Art & Architecture Thesaurus, p. 201
Natália Jorge

Coleções e colecionadores de arte na revista Ilustração Moderna (1926-1932), p. 218
Ricardo Manuel Mendes Baeta

Ciência e Tecnologia: mensagem e meio na prática museológica, p. 233
Sandra Santos

Ligações on/off. Reflexões sobre a construção de redes de colaboração entre museus e produtores de ciência e técnica na Universidade do Porto, p. 252
Susana Medina

A poética do colecionador – um caso de estudo, p. 268
Teresa Pinhal

 


[1] Note-se porém algumas diferenças. O volume publicado pelo Instituto de História da Arte assume o sistema de arbitragem científica por pares na base da selecção e edição dos textos, enquanto na publicação da Universidade do Porto isso não se verifica.

Museus, lugares de memória

Livraria Ler Devagar, Lx factory, em Lisboa. Foto de Ana Carvalho, 2012

 

Apresentação de livro “Usos da Memória e Práticas do Património” na Livraria Ler Devagar, 30 de Outubro de 2012. Da esquerda para a direita: Isabel Victor, Paula Godinho, Fernando Mão de Ferro (Editor da Colibri). Foto de Ana Carvalho, 2o12

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, n.º 40, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

O livro “Os usos da memória e práticas do património” foi apresentado no passado dia 30 de Outubro (tal como havíamos anunciado em artigo anterior), efectivamente numa das mais belas livrarias portuguesas, a Ler Devagar (Lisboa), onde é um prazer maior ler devagar, muito devagar.

Este livro, o quadragésimo número da colecção “A Ieltsar se vai ao longe”, é na verdade o seu último volume (resultado das políticas de austeridade). O livro teve como ponto de partida a realização de seminários (Seminário de Estudos Aprofundados sobre Usos da Memória) na Universidade Nova que, por sua vez, resultaram num colóquio (2011), cujas contribuições foram posteriormente reorganizadas neste livro agora publicado. A memória é, desde modo, objecto de discussão a partir de várias especialidades disciplinares (veja a organização dos conteúdos aqui).

Na apresentação do livro, Isabel Victor, trouxe, naturalmente, a discussão para o seio da museologia. Trazendo para a arena das palavras a sua experiência e percurso, Victor reflectiu sobre a problematização do museu na pós-modernidade e a sua relação com a memória. Na centralidade do seu discurso ficou patente o texto de Mário Chagas “Há uma gota de sangue em cada museu” (1998), evocando também a importância dos preceitos da nova museologia para (re)pensar a memória em contexto museológico. Neste contexto, Victor referiu também algumas experiências museológicas no Brasil, tais como o Memorial da Resistência de S. Paulo, que faz parte da Pinacoteca do Estado de S. Paulo, o recente projecto “Pontos de Memória” (também no Brasil), e na África do Sul, o emblemático District Six Museum (Cidade do Cabo). Entre outros aspectos relevantes (que não se pretendem referir aqui exaustivamente), Victor referiu ainda outras “experiências” como o colóquio “From the Margins to the Core?” (2010, Victoria and Albert Museum, Londres), pelo mote que o justificou: “O museu é um lugar seguro para ideias não seguras”, demonstrando, por outro lado, que também os museus ditos tradicionais podem desenvolver estratégias favoráveis a uma museologia mais participativa e acessível.

De certo modo, a apresentação de Isabel Victor fez-me lembrar a comunicação de Jack Lohman (director do Museu de Londres) quando esteve em Portugal no âmbito das jornadas do ICOM-PT a propósito do tema “Museus e Memória” (cf. http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3844), tema escolhido nesse ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus (2011). Através de vários exemplos, Lohman fez uma retrospectiva dos diferentes usos e formas de explorar a memória em museus por todo o mundo. Como se referia no texto de apresentação das Jornadas sobre a memória:

“Nos museus, os objectos retêm, activam e transmitem memórias, enquanto expressão do património natural e cultural Implicando um vasto universo de entidades culturais, a memória requer um entendimento holístico e a comunidade museológica deve desenvolver projectos comuns ou em articulação com outras instituições que se ocupam da memória colectiva.

A temática Museu e Memória pode ser abordada sob diferentes vertentes, tais como: a conservação e o acesso aos acervos dos museus; a história dos museus e o tema do museu; a memória esquecida e memória, continuidade e identidade” (folheto programa Jornadas ICOM, 2011).

Embora o livro careça de contribuições provenientes do mundo dos museus (excepção feita ao artigo da italiana Sara Di Chiazza sobre uma colecção do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa), pode dizer-se que este conjunto de artigos é um estimulante instrumento para reflectir sobre estas problemáticas em contexto museológico. Os museus são efectivamente lugares de memória e, como tal, palco/arena de representações identitárias e que, por sua vez, não são isentos às complexidades de fenómenos como a patrimonialização, a emblematização, a mercantilização, a teatralização, etc. Esta reflexão por parte dos museólogos revela-se fundamental e deve acompanhar os focos de experimentação no seio da praxis museológica.

A utilização da história oral para captação de memórias (testemunhos orais, histórias de vida) nos museus é ainda um fenómeno relativamente recente em Portugal. Muitas das iniciativas datam desta última década. Este processo acompanha também uma tendência para a valorização do imaterial, atendendo a um discurso oficial a este domínio no contexto das políticas públicas (ex. Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, UNESCO). São vários os museus (sobretudo os museus locais) que têm vindo a incorporar na poética museológica (e praxis) as questões da memória e a encetar processos de resgate de memórias junto das comunidades que servem, nalguns casos com um carácter pontual, noutros casos formalizando a criação de arquivos/centros da memória ou complementando centros de documentação já existentes (para maior aprofundamento consultar Carvalho 2011, 143-149)[1].

Sobre as questões da memória ficam duas sugestões de leitura que poderão também ser relevantes para esta reflexão. A primeira é uma rigorosa perspectiva crítica sobre o conceito de memória social da investigadora Elsa Peralta e, a outra sugestão, um artigo de Marta Anico sobre os usos da memória analisando as práticas dos museus de Loures, a propósito da exposição “Comércios de antigamente. Vivência de Memórias” realizada em 2003.

– Peralta, Elsa. 2007. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória (2):4-23.

– Anico, Marta. 2003/2004. “Comércios de antigamente. Vivências e memórias” 1: construção e representação de significados culturais no Museu Municipal de Loures. Antropologia Portuguesa (20/21):133-153.


[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.

“Usos da Memória e Práticas do Património”, coord. Paula Godinho

 (Fonte: imagem retirada do site Edições Colibri)

O título deste livro é sugestivo e apetecível numa época em que a reflexão sobre a memória no mundo dos museus tem um interesse renovado (ou simplesmente está na moda?). Como advertiu Isabel Victor na sua comunicação “Experiências e metodologias participativas na área da museologia” (27/10/2012), é importante reflectir criticamente sobre os usos da memória nos museus, sobre as suas fronteiras, sobre os perigos de um “novo voyerismo”, do “novo exótico”, ou da teatralização/espectacularização da memória. Este livro poderá dar pistas sobre estas questões e esclarecer de forma crítica sobre estes processos, como sublinhou Victor.

O livro é uma colectânea de artigos de vários autores coordenado por Paula Godinho. A apresentação do livro será amanhã, 30 de Outubro (terça-feira), pelas 18h00, na aprazível Livraria Ler Devagar (Lx Factory, Lisboa). A apresentação cabe a Isabel Victor* (Museus de Setúbal).

Mais informação:

Sinopse: [Esta obra reflecte] contribuições centradas no conhecimento dos usos da memória e das práticas do património por parte de cientistas sociais de várias proveniências disciplinares. Este vasto campo de estudos requer uma abordagem teórico-metodológica que hibridize várias disciplinas, com um panorama da construção social da rememoração, das memórias colectivas, bem como dos formatos inerentes aos fenómenos de emblematização, patrimonialização e mercantilização. Como vários dos textos demonstram, as memórias têm classe, têm género, variam conjunturalmente e em escalas diversas – grupal, comunal, regional, nacional. (…) [A] privatização de memórias conduz a uma erosão da sua capacidade social, apartando a possibilidade de ligar o passado e o presente como sucede com a memória dos grupos subalternos, desvalorizados, vencidos.

Sobre Paula Godinho:

Paula Godinho é antropóloga, professora no Departamento de Antropologia da FCSH/UNL e investigadora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT-FCSH/UNL). Realizou trabalho de campo em Trás-os-Montes e no centro-sul de Portugal, na fronteira e na Galiza, ao longo de vários anos. Publicou vários livros: Memórias da Resistência Rural no Sul (Couço, 1958-1962), Oeiras, Celta, 2001; O leito e as margens – Estratégias familiares de renovação e situações liminares no Alto Trás-os-Montes raiano, Lisboa, Colibri, 2006; Festas de Inverno no Nordeste de Portugal – património, mercantilização e aporias da «cultura popular», Castro Verde, 100Luz, 2010; «Oír o galo cantar duas veces» -Identificacións locais, culturas das marxes e construción de nacións na fronteira entre Portugal e Galicia, Ourense, Imprenta da Deputación, 2011. Organizou e co-organizou diversas obras: Máscaras, mistérios e segredos, Lisboa, Colibri, 2012; com António Monteiro Cardoso, Gente Comum – Uma história na PIDE, de Aurora Rodrigues, Castro Verde, 100Luz, 2011; com Susana Pereira Bastos e Inês Fonseca, Jorge Crespo, Estudos em homenagem, s/l, 100Luz, 2009; com Heriberto Cairo Carou e Xerardo Pereiro, ed. Portugal e Espanha – Entre discursos de centro e práticas da fronteira, Lisboa, Colibri. 2009; com Dulce Freire e Inês Fonseca, Mundo Rural – Transformação e Resistência na Península Ibérica (séc. XX), Lisboa, Colibri, 2004; com a Associación Amigos da Republica, O Cambedo da Raia. 1946. Solidariedade galego-portuguesa silenciada, Ourense, Associación Amigos da Republica, 2004. Recebeu o prémio Xesús Taboada Chivite em 2008 (Galiza, Espanha).

*Sobre Isabel Victor:

Socióloga. Museóloga (Museu do Trabalho Michel Giacometti/Divisão de Museus da CMS). Membro do Centro de Estudos de Sociomuseologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Docente no mestrado em Museologia na ULHT (Lisboa). Doutoranda em Museologia, “Um sistema de Gestão da Qualidade para Museus. Sustentabilidade, inclusão, participação, impacto na Sociedade”. (Fonte: museologia.porto). Entre 2010 e 2012, Isabel Victor coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM), tendo retornado recentemente ao trabalho nos museus de Setúbal.

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

Índice:

Uso da memória e práticas do património. Alguns trilhos e muitas perplexidades
Paula Godinho

A. Usos políticos da memória: caminhos e contextos

1. História Oral – caminhos, problemas e potencialidades
Miguel Cardina

2. Silêncios da História e usos da Memória: percursos e reflexões em torno de um trabalho de investigação sobre as memórias da guerra civil de Espanha
Dulce Simões

3. A memória coletiva como elemento sustentador da identidade. Repressom franquista e restauraçom da memória democrática na Galiza
Carlos Velasco

4. O Texto dos Silêncios – para um tratamento qualitativo do não-dito
Tiago Matos Silva

5. Arquivando memórias da «ciência colonial»: novas fontes, outra história
Cláudia Castelo

6. Memórias de um tempo denso – quatro investigações sobre o PREC
João Baía

B. Memórias dos trabalhos, dos fluxos e dos dias

7. Memória, identidade e género no seio de uma comunidade operária
Sónia Ferreira

8. O mistério da Estrada Nacional 11-1– ou de como as memórias têm classe e também têm género
Inês Fonseca

9. Memórias da Formação nos Primórdios da Escola do Magistério Primário de Faro
Aurízia Anica

10. Indagações sobre a saga do volfrâmio num concelho de Entre Douro e Vouga
José Miguel Leal da Silva

11. Memória dos Pescadores de Santo André: Xávega e Património
Dina Calado

12. Temporalités dans la migration: vivre, se souvenir et dire collectivement l’experience migratoire

Irène dos Santos
C. Património(s), materialidades e amenidades

13. Contextos da memória, lugares dessubstanciados e re-significação do passado: a fronteira como amenidade, insígnia e património
Paula Godinho

14. Apropriações das festas de Inverno em Trás-os-Montes
Savina Lafita e Amanda Guapo

15. «Bons sons» – comemorar um tempo, um lugar e uma memória
Sónia Costa

16. A patrimonialização do limpo e a memória do sujo: o destino dos antigos objectos de limpeza entre vivências, mercados e museus
Sara Di Chiazza

17. Memória – entre a realidade e a ficção – o caso de Mariana Monteiro e os folhetos de cordel
Filomena Sousa

 

(Fonte: Edições Colibri)

Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

(Fonte: Bookdepository.com)

Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology. Vol. 8, Critical cultural heritage series. 225 páginas. ISBN: 978-1-61132-151-7.

Falar de Património Cultural Imaterial (PCI) é hoje uma tendência internacional como resultado da elaboração da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003). No contexto dos museus, a bibliografia que problematiza este novo enfoque é visivelmente crescente, seja em Portugal (ver, Carvalho 2011 [1], entre outros), seja no contexto internacional, como comprova esta recente publicação (Agosto de 2012). A autora, Marilena Alivizatou, é uma investigadora de origem grega que colabora no Institute of Archaeology University College London (informação sobre a autora aqui). Em grande medida, o livro é o resultado da investigação que autora começou a desenvolver a partir de 2003 até ao presente, sendo parte deste trabalho referente à sua tese de doutoramento. Pode dizer-se que este livro é uma síntese desse percurso de investigação.

O que a autora se propôs a fazer foi uma análise crítica do PCI em contexto museológico tanto do ponto vista conceptual como do ponto de vista das práticas. Para o efeito, Alivizatou fez um estudo comparativo de cinco museus em distintos contextos culturais, sociais e políticos: o National Museum of New Zealand Te Papa Tongarewa (Wellington, Nova Zelândia), um museu cujas colecções recuam ao séc. XIX, mas que é criado nos anos noventa (abertura em 1998); o Vanuatu Cultural Centre (Port Vila, Vanuatu), que na origem era um pequeno museu colonial (1956) com colecções etnográficas e de história natural, e que é actualmente um centro cultural indígena; o National Museum of the American Indian (Washington e Nova Yorque, EUA), que abriu em 2004, mas cuja história remonta às primeiras décadas do séc. XX; o Horniman Museum (Londres), fundado no séc. XIX e renovado em 2002 (colecções etnográficas, espécimes de história natural, etc.); e finalmente, o polémico Musée du Quai Branly (Paris), que surgiu em 2006, reunindo as colecções etnográficas do Musée de l’Homme (cuja reabertura tem vindo a ser adiada, estando actualmente prevista para 2015) e as colecções do Musée National des Arts d’Afrique et de l’Oceanie, que encerrou para vir a dar lugar no mesmo espaço à Cité Nationale de l’Histoire de l’Immigration.

A autora tem em conta o discurso sobre PCI via UNESCO, mas assume uma postura  crítica e reflexiva quanto ao discurso oficial, apresentando uma abordagem alternativa à museologia mainstream. Trata-se de um livro de referência para todos os que se interessam pela problematização do património no mundo dos museus.

Conteúdos:

List of Illustrations, p. 9

Acknowledgments, p. 13

1. Intangible Heritage and the Museum, p. 15

2. Global Preservation and Beyond, p. 27

3. From Artefacts to Communities: Participation and Contestation at the Papa Tongarewa, p. 49

4. At the Interface of “Kastom” and Development: The Case of the Vanuatu Cultural Centre, p. 77

5. Intangible Heritage and the Living Memorial of Native Americans, p. 105

6. Reinventing the Gift at the Horniman Museum, p. 135

7. The Dialogue of Cultures, “Laicité”, and Intangible Heritage at the quai Branly, p. 159

8. Rethinking Cultural Preservation, Museum Curation, and Communities, p. 189

Notes, p. 193

Glossary, p. 199

References, p. 201

Index, p. 219

About the Author, p. 225

——————————————————————-

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora. Sobre o livro consultar o seguinte endereço: http://pcimuseus.wordpress.com/.

Livro de Hugues de Varine

Título: As raízes do futuro: patrimônio a serviço do desenvolvimento local
Autor: Hugues de Varine
Tradução: Maria de Lourdes Parreiras Horta
Número de páginas: 256
Formato: 14 x 23 cm
Preço: € 15,00
ISBN: 978-85-64713-03-1
Editora: Medianiz

Hugues de Varine estará em Portugal para a apresentação do seu livro “As raízes do futuro. O patrimônio a serviço do desenvolvimento local” (Editora Medianiz), já publicado em francês em 2002 (Les racines du futur. Le patrimoine au service du développement local, Editions ASDIC) e que agora conta com uma versão em português[1]. Irão realizar-se duas apresentações, uma no dia 18 de Setembro (em Lisboa) e outra no dia 20 de Setembro (no Seixal), que contarão com a presença do autor.

  • Em Lisboa: dia 18, 17.00 h, no Centro de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira, com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
  • Em Corroios/Seixal: dia 20, 17.00 h, no Ecomuseu Municipal do Seixal – Núcleo do Moinho de Maré de Corroios, com o apoio da Câmara Municipal do Seixal

 (Fonte: informação veiculada pelo Comissão Nacional do ICOM)

Sobre o autor:

Hugues de Varine é formado pela Universidade de Paris, com pós-graduação em História e Arqueologia. Trabalhou de forma próxima com Georges-Henri Rivière (1897-1985), personalidade igualmente marcante na cena museológica europeia[2]. Ocupou os cargos de vice-diretor do Conselho Internacional de Museus (ICOM) e em 1964 sucede a Rivière no cargo de director. Trabalhou também para o Ministério da Cultura francês na área de desenvolvimento cultural e de avaliação de políticas culturais. Para além disso, o seu percurso tem sido marcado pela colaboração em diversos projectos tanto em França como noutros países (ex. Brasil, Canadá, Portugal, Suécia, Noruega, Espanha, entre outros).

O trabalho de Varine tem estado associado a práticas museológicas marcadas pela intervenção comunitária visando o desenvolvimento local, onde se destaca, pela repercussão posterior, o Ecomuseu de “Le Creusot” (1971-75), uma das experiências mais emblemáticas associados à “Nova Museologia”, movimento que toma forma nos anos 80 e que assume como central o papel social dos museus.

Sobre a relação de Hugues de Varine com Portugal, deve ser assinalado o período em que presidiu ao Instituto Franco-Português (IFP), em Lisboa (1982-1984)[3]. Contudo, a sua obra já era antes disso conhecida de alguns museólogos portugueses. Nessa época, um dos acontecimentos mais significativos da sua permanência no país terá sido a “Semana de Reflexão sobre Museus e Património Cultural Regional”, organizada pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC) e pelo IFP. Em grande medida, a influência que Hugues de Varine teve na museologia local portuguesa nos anos 80 fez-se sentir muito através de contactos estabelecidos com os museólogos responsáveis por projectos emergentes na museologia internacional e na facilitação de intercâmbios entre França e Portugal, assim como o apoio a diversas visitas de estudo que profissionais portugueses fizeram a vários museus e ecomuseus franceses, tal como a visita da APOM (Associação Portuguesa de Museologia) a museus da Bretanha. Terá sido igualmente importante o apoio de Varine à organização do “Atelier Internacional Nova Museologia – Museus Locais, em Lisboa (1985)[4], do qual viria a resultar o MINOM – Movimento para a Nova Museologia, que ainda hoje subsiste. Hugues de Varine é tido como um dos grandes personalidades internacionais de relevo na circulação de ideias sobre museologia nos anos 80 em Portugal, como bem argumentou Clara Camacho no âmbito da dissertação “Renovação Museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90” (1999).

Pode dizer-se que Varine permanece ainda hoje uma figura de influência para a museologia portuguesa, sobretudo pela sua capacidade de análise crítica e de ajuste do discurso sobre museus em articulação com o património e desenvolvimento, em função das experiências nas quais tem participado e de acordo com um quadro mais geral que remete para as mudanças que se vão operando na sociedade. Pese embora, na actualidade, a penetração e circulação das ideias sobre museologia/património se tenha alargado consideravelmente a vários quadrantes, atendendo ao papel das universidades no desenvolvimento da formação pós-graduada (mestrados e mais recentemente doutoramentos) em museologia e, por sua vez, a um maior contacto com tradições museológicas e experiências diversas a uma escala mais global (da tradição americana, inglesa, francesa e outras).

Todavia, o contacto de Varine com a museologia portuguesa tem sido mais ou menos regular ao longo da última década, tendo participado em projectos como o do Ecomuseu do Barroso, as Minas da Panasqueira (Câmara Municipal do Fundão) ou S. Pedro da Cova (Gondomar). Por outro lado, tem participado com frequência em encontros e conferências, das quais se destacam, por exemplo os seguintes: “Mouseion: Encontro Transfronteiriço de Museologia” (Portalegre e outros locais, 2002) (ver http://www.minom-icom.net/signud/DOC%20PDF/200200804.pdf), “Ecomuseus que perspectivas, em Portugal, na Europa” (Seixal, 2004) e “Núcleos museológicos: que sustentabilidade?” (Faro, 2008). Em Março de 2010 fez um périplo por Portugal para participar em diversas actividades, das quais se destacam a passagem pela Universidade de Évora (e visita a Mértola) (ver post: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/2835), a participação na mesa-redonda “Museu do Douro – museu para o território e para o desenvolvimento” (Peso da Régua, 2010), “VIII Jornadas do ICOM” “Museus e Harmonia Social” (Lisboa, 2010) (ver o post: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/2861), tendo participado também num pequeno encontro com técnicos do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e dos museus da RPM (Lisboa, 2010) e, finalmente,  no VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa (Fundação Oriente, 2011).

E ainda esta semana Varine será um dos keynote speakers no encontro “Ecomuseums 2012 – 1st International Conference on Ecomuseums, Community Museums and Living Communitiese” (ver mais sobre a conferência aqui: http://ecomuseums2012.greenlines-institute.org/ec2012website/conference_scope.html) (19-21 Setembro 2012, Seixal).

Também a propósito da sua relação com Portugal deve ser referida a sua participação no comité científico da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, na qualidade de especialista em matéria de museus, património e desenvolvimento local. A MIDAS é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto (cf. http://revistamidas.hypotheses.org/). O primeiro número da revista está em preparação e será publicado dentro em breve.

Para além de várias publicações, Varine tem produzido um vasto número de artigos. Atrevemo-nos a dizer que Hugues de Varine é um dos autores ligados à nova museologia mais citados em Portugal (e provavelmente no Brasil)!

No website dinamizado por Hugues de Varine sobre «Expériences personnelles et rencontres dans le domaine du patrimoine culturel et du développement» pode encontrar pequenos artigos e comentários da sua autoria: http://www.world-interactions.eu/. Para além disso, pode acompanhar o trabalho do autor também via facebook: https://www.facebook.com/hugues.devarine. Para maior aprofundamento sobre o percurso de Hugues de Varine e o seu posicionamento na museologia/patimónio pode consultar as seguintes entrevistas:


[2] Sobre os contributos de Riviére para a museologia cf.: CHIVA, Isac – George Henri Rivière: un demi-siècle d’ethnologie de la France. Terrain [em linha]. n.º 5 (1985). [Consult. 15 Set. 2012]. Disponível em: http://terrain.revues.org/index2887.html; GORGUS, Nina – Le magicien des vitrines: le muséologue Georges Henri Rivière. Paris: Editions de la Maison des Sciences de L’Homme, 2003. ISBN 2735109755.

[3] Sobre esta passagem vertambém o post de Alexandre Pomar: http://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2011/12/ifp.html

[4] CAMACHO, Clara – Renovação museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1999. Dissertação de Mestrado.