Arquivo de etiquetas: Lúcia Almeida Matos

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à transformação da arte funcional em objeto museal

Transformar Arte Funcional em Objeto Museal é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Arte e Design de Sofia Ponte apresentada à Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em 2016 (orientação de Lúcia Almeida Matos).

O lançamento é no dia 6 de Abril, pelas 18h00, via Facebook da Direção-Geral do Património Cultural. A sessão inclui intervenções de Lúcia Almeida Matos, Rita Jerónimo (Direção-Geral do Património Cultural) e Jorge Ferreira (Caleidoscópio). O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro estuda a exposição de obras de Arte Funcional em museus de arte. Arte Funcional é um segmento de arte contemporânea, relacionado com a Arte Pública recente, constituído por obras que se materializam através de uma inconfundível articulação entre as suas dimensões conceptual, social e funcional. Preenchendo uma lacuna no estudo das estratégias de exposição deste tipo de obras e através de uma análise da sua transformação em objeto museal, esta investigação toma para análise três obras e a sua respetiva vida social — The Homeless Vehicle (1988) de Krzysztof Wodiczko, paraSite (1998-) de Michael Rakowitz e Victory Gardens+ (2007) de Amy Franceschini.
O leque diversificado de situações expositivas identificadas permitiu verificar que uma exposição põe em marcha ações de recontextualização que levam à transformação conceptual e material das obras em questão. Propõe-se que a natureza híbrida e complexa da Arte Funcional tende a desafiar as condutas de exposição praticadas nos museus de arte, porque o conceito de objeto museal relativo à Arte Funcional é instável. Verificou-se que este processo tem contribuído, e simultaneamente beneficiado, da “desmodernização” do contexto museal, um fenómeno recente mas com fervorosos seguidores, que tem potenciado uma atividade curadorial cada vez mais reflexiva.

Sobre a autora:

Sofia Ponte é natural de Lisboa. Doutora em Arte e Design pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e mestre em Visual Studies pela School of Architecture and Planning do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Membro integrado do Instituto de Design, Media e Cultura (ID+). Foi professora auxiliar convidada na FBAUP entre 2011 e 2020. Atualmente é professora auxiliar no IADE – Universidade Europeia.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – QUANDO A ARTE CONTEMPORÂNEA É ARTE FUNCIONAL
Variantes do Conceito de Arte Pública
O Crescimento da Estética da Participação Social
Dilemas Relativos à Esfera Social
Heranças da Arte Conceptual
Discussão do Conceito Funcional

CAPÍTULO 2 – ARTE FUNCIONAL – SELEÇÃO DOS CASOS DE ESTUDO
Enquadramento Metodológico
Campo Empírico

CAPÍTULO 3 – QUANDO A ARTE FUNCIONAL SE TORNA OBJETO MUSEAL
Musealizar Arte Contemporânea
A Musealização do Ponto de Vista dos “Céticos dos Museus”
Da Obra de Arte Instável ao Objeto Museal Instável
A Exposição de Arte Funcional
Recentes Desafios da Atividade Curadorial
A “Desmodernização” do Contexto Museal

CAPÍTULO 4 – TRAJETÓRIAS DA ARTE FUNCIONAL
Arte Funcional em Coleções de Arte
A Exposição da Coleção do Baltimore Museum of Art
Arte Funcional em Exposições Temporárias
O Pioneirismo de Krzysztof Wodiczko e The Homeless Vehicle em Exposição
As Diversas Versões Museais de paraSite
As Iterações de Victory Gardens 2007+ A Plan for Subsidized Urban Gardens

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Contributos da Investigação
Limitações e Dificuldades da Investigação
Investigação Futura

Notas
Siglas, acrónimos e abreviaturas
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

A 22 e 23 de Outubro realiza-se o V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos, em Saragoça, Espanha, e é dedicado a «Autores e textos críticos em espanhol e português». A chamada para propostas de comunicação está aberta até 30 de junho (foroibericov@gmail.com).

Depois das inúmeras contribuições sobre a história da crítica dos museus e do sistema artístico no IV Congresso Internacional da Associação Espanhola de Críticos de Arte realizado no MNCARS, e do sucesso do IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos (Porto, 2020), que tratou da evolução da museografia expositiva, ambas as plataformas juntam-se para abordar os contributos daqueles que escreveram tratados ou estudos sobre museus no contexto cultural ibérico, num encontro dedicado ao tema «Autores e textos críticos em espanhol e português». Para além deste âmbito, também poderão ser aceites ensaios de/sobre autores latino-americanos.
Uma primeira sessão será especialmente dedicada aos pioneiros que, no século XIX e no início do século XX, publicaram comentários sobre museus em Espanha, Portugal, ou nos estados ibero-americanos. Outra tratará de publicações e estudos museológicos desenvolvidos desde a fundação do ICOM, e particularmente do ICOFOM, até à mudança de milénio. Uma sessão final abordará as correntes críticas e autores mais recentes que, na esfera pública contemporânea, incluindo a internet ou as redes sociais, são uma referência no estado atual dos estudos museológicos.
A Comissão Científica avaliará as propostas que, uma vez admitidas, serão integradas no programa do encontro. Dos trabalhos aceites e apresentados será feita a compilação em livro, incluindo versão impressa para doação a bibliotecas, e versão digital que poderá ser descarregada gratuitamente: —no site da Associação Espanhola de Críticos de Arte https://aicaspain.org/libros-editados/ —na biblioteca digital do grupo OAAEP https://oaaep.unizar.es/biblioteca-digital/
—no site do IAACC Pablo Serrano http://www.iaacc.es/recursos/publicaciones/

Destinatários

Este Fórum destina-se a investigadores em processo de formação avançada (alunos de mestrado, doutorandos), bem como a doutores em início de carreira académica. Serão bem-vindas as comunicações de membros da comunidade académica de países ibéricos, bem como de pesquisadores de quaisquer outro país que trabalhem temas relacionados com a história e a crítica da museologia ibérica e latino-americana.

Apresentação de propostas de comunicação

As propostas devem incluir um título, resumo (400 a 500 palavras) e nota curricular do(s) autor(es) (até 300 palavras), e devem ser enviadas para foroibericov@gmail.com até 30 de junho de 2021.
Os autores serão notificados até ao dia 1 de setembro de 2021. O programa final incluirá a seleção das comunicações aceites.
Cada comunicação selecionada terá um tempo máximo de apresentação de 15 minutos. Um computador, projetor e microfone estarão disponíveis para quem precisar.
Devido às atuais circunstâncias de saúde pública, caso sejam decretadas restrições de viagens e reuniões que afetem um elevado número de participantes, uma solução remota / virtual será encontrada.
Os oradores que não possam participar presencialmente, devem enviar um discurso gravado de máximo 15 minutos.
Aceitam-se comunicações em português e espanhol.

Calendário

Receção de propostas: até 30 de junho de 2021.
Notificação de aceitação: 1 de setembro de 2021.
Publicação do programa e abertura de inscrições: 6 de setembro a 20 de outubro de 2021.
Receção de comunicações gravadas (caso não seja possível apresentação presencial): até 11 de Outubro de 2021.
Evento: 22 e 23 de outubro de 2021.
Receção de textos para publicação: até 1 de janeiro de 2022.

Comissão científica

Espanha

Esther Alba. Universitat de València
Amaia Arriaga. Universidad de Navarra
Haizea Barcenilla. Universidad del País Vasco
María Bolaños. Museo Nacional de Escultura
Daniel Lesmes. Universidad Complutense de Madrid
Jesús Pedro Lorente. Universidad de Zaragoza
Matteo Mancini. Universidad Complutense de Madrid
Juan Manuel Monterroso. Universidad de Santiago de Compostela Óscar Navajas Corral. Universidad de Alcalá de Henares
Rosa Perales Piqueres. Universidad de Extremadura
Teresa Reyes. Presidenta del Consejo Ejecutivo de ICOM-España Nuria Rodríguez Ortega. Universidad de Málaga

Portugal

Joana Baião. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; LAM-GM, Instituto Politécnico de Bragança
Helena Barranha. Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa; IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Ana Carvalho. CIDEHUS-Universidade de Évora
Clara Frayão Camacho. DGPC; IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Raquel Henriques da Silva. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Susana S. Martins. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Lúcia Almeida Matos. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; Universidade do Porto
Maria de Jesus Monge. Presidenta de ICOM-Portugal. Directora del Museu-Biblioteca da Casa de Bragança

Comissão executiva

Inmaculada Real. Universidad de Zaragoza e María Luisa Grau Tello. IAACC Pablo Serrano; pertence à OAAEP e às associações de críticos AACA, AECA y AICA.

Caixas de tesouros. Congresso Internacional sobre o museu ecléctico

Acontece nos próximos dias 24 e 25 de Maio de 2018 o congresso internacional sobre o museu eclético. Terá lugar no Museu Nacional de Soares dos Reis.

Em 2018, passando 170 anos sobre a morte de João Allen, é necessário estabelecer relações com instituições congéneres coevas internacionais, inserindo assim este capítulo da história dos museus portugueses numa perspectiva comparativa.
Neste contexto, em 24 e 25 de Maio de 2018, será realizado no Porto um Congresso Internacional que pretende tomar o pulso de estudos sobre instituições museais, desde o conceito de museu do século XVIII, até às instituições contemporâneas do Museu Allen, considerando um arco cronológico que vai de Setecentos até meados de Oitocentos, a época
por excelência do museu ecléctico.
O Porto foi o grande centro de cultura artística e museal português das primeiras décadas de Oitocentos. Nesse espaço, distingue-se a figura incontornável do cidadão português de origem britânica, João Allen (Viana do Minho, 1 de Maio de 1781-Porto, 19 de Maio de 1848). Homem de educação cosmopolita, viajante infatigável e coleccionador de espírito enciclopedista ou eclético, João Allen abrirá no Porto o Museu Allen, em 1836, o primeiro museu português dotado de edifício criado de raiz, pelas mãos de um particular, para albergar as suas colecções e patenteá-las ao público.

Inscrições, programa e mais informações em: https://caixasdetesouroscongresso2018.weebly.com

Novo boletim do ICOM Portugal revisita a Lei-Quadro dos Museus Portugueses

O 10.º número do Boletim do ICOM Portugal tem como tema a Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas. Passados 13 anos da aprovação e aplicação da Lei que, aliás, teve o apoio unânime do parlamento aquando da sua aprovação e reuniu o consenso igualmente entre a comunidade de profissionais de museus, que balanço pode hoje ser feito, em termos de conteúdos, aplicação e actualidade da Lei? Que aspectos podem ser alterados, aprofundados ou acrescentados? Por outro lado, incidir sobre a Lei-Quadro equivale também a reflectir sobre política museológica (ou a inexistência desta), sobre gestão, sobre estratégia e prioridades, tudo isto atendendo a uma perspectiva de longo termo, seja do que se fez, seja do que se perspectiva fazer. Além disso este é também o momento oportuno de o fazer, uma vez que na agenda política se prevêem mudanças que visam a descentralização, transferindo mais poder para as câmaras e Juntas Metropolitanas, com impactos expectáveis também para os museus.

Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla: argumentos que se centram não apenas no mapeamento de problemas e desafios, mas que fazem igualmente uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas. É este o fio condutor em várias secções deste boletim. Primeiramente, no artigo (Em Foco), através da perspectiva de Graça Filipe que reflecte sobre este panorama numa escala mais macro.

Em Perspectivas, dá-se enfoque às colecções visitáveis, uma categoria prevista na Lei-Quadro, mas que não teve desenvolvimento subsequente. Os dois textos de opinião, de Cláudia Freire e de Lúcia Almeida Matos, respectivamente, evidenciam diferentes ângulos e possíveis caminhos a trilhar.

Por fim, uma entrevista com Isabel Soares, na qual se percorre vários tópicos relativos à Lei-Quadro.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de João Alpuim Botelho, director do Museu Bordalo Pinheiro desde 2014, um museu que se encontra em fase de renovação.

Como habitual, apresentam-se vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim inaugura neste número uma nova secção: Opinião dos Membros, um espaço aberto onde os profissionais podem ter uma voz activa sobre tópicos da actualidade museológica.

Ficamos a saber que o próximo boletim (Fevereiro) será dedicado ao tema do Dia Internaci- onal de Museus para 2018: Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

 

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

10 | Breves

12 | Em Foco: A Implementação da Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Aporia de uma Política Museológica?, por Graça Filipe

Perspectivas:
18 | A colecção é visitável? (I), por Claudia Freire
22 | A colecção é visitável? (II) por Lúcia Almeida Matos

26 | Entrevista com Isabel Soares, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
34 | Desafios Actuais e Futuros, por Maria de Jesus Monge
37 | Redesenhar os Museus. Competências Digitais para a Mudança e Inovação, por Ana Carvalho
40 | Ligando o Passado e o Presente, por Hélia Marçal e Joana Silva
43 | Documentação: Passado, Presente, Futuro… por Alexandre Matos
46 | Formação para a Inclusão: A Acessibilidade é Exequível? por Marta Ornelas
49 | Museus & Pessoas: João Alpuim Botelho, por Ana Carvalho
57 | Opinião dos Membros: A Conservação e Restauro em Portugal: ‘sem rei nem roque’, por André Varela Remígio

Publicações
59 | Sugestões de leitura
60 | Novas edições

Agenda
64 | Conferências, encontros, debates
68 | Formação

 

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

Chamada para entradas em dicionário de biografias de personalidades ligadas aos museus e à museologia

quem-e-quem

“Quem é Quem na Museologia Portuguesa” corresponde a um desafio lançado pela Linha de Investigação “Estudos de Museus” do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Responder a esse repto envolve a criação de um dicionário de museólogos portugueses, balizado entre o século XVIII e os anos 60 do século XX que, numa primeira fase, terá edição digital.

Esta iniciativa visa ampliar e sistematizar o conhecimento sobre as personalidades ligadas à museologia portuguesa, em áreas tão diversas como a arte, a ciência, a antropologia ou a arqueologia, tendo em consideração os contextos históricos que as envolveram.

Todas as entradas do Dicionário terão a forma de biografia, segundo formato e normalização precisos. Para além dos objectivos enunciados, decorrem ainda desta iniciativa:

  • disponibilizar online e em acesso aberto os resultados de pesquisa e investigação recentes afectas à história dos museus e à museologia em Portugal;
  • contrariar a tendência de dispersão de conteúdos que caracteriza o panorama investigativo, facilitando o acesso aos mesmos;
  • constituir um corpus de conhecimento sobre o pensamento museológico e a história da museologia em Portugal
  • Apela-se, para tal, à participação de um leque de investigadores que se pretende o mais alargado possível.

As diferentes fases de desenvolvimento do projecto serão progressivamente dadas a conhecer on-line a partir do final do mês de Julho de 2017, através do site do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa

Prazo limite de submissão: 24 de Março de 2017

Os interessados deverão enviar um resumo de cada uma das entradas biográficas propostas (máx. de 250 palavras), num ficheiro Word, em português, acompanhado de uma breve nota curricular (máx. de 150 palavras).

As propostas serão avaliadas e a sua aceitação notificada aos autores até 15 de Maio de 2017.

Enviar por e-mail para: quemequem.iha.must@gmail.com

Coordenação: Raquel Henriques da Silva, Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Comissão Científica:
Raquel Henriques da Silva
Lúcia Almeida Matos
Clara Frayão Camacho
Emília Ferreira
Joana d’Oliva Monteiro
Paulo Oliveira Ramos
Sandra Leandro

Comissão executiva: Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Ana Paula Louro

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

Tese de doutoramento: “Da colecção ao museu”

Título: «Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia»

Autora: Adelaide Duarte

Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto).

Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra.

Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra).

Data: Setembro de 2012

RESUMO:

A formação de colecções de arte moderna e contemporânea por particulares e o modo como foram disponibilizadas ao público, na segunda metade de Novecentos, em Portugal, é o assunto que nos propomos estudar em tese de doutoramento.

A escolha deste tema partiu do desejo de compreender a estrutura destas colecções de arte, desde as características da colecção às do coleccionador, como o perfil, o gosto, as motivações, a estratégia, as condições da sua selecção, e as vicissitudes por que passou quem se dedicou a juntar conjuntos de peças daquela natureza. Dentro do domínio do coleccionismo privado, daquela tipologia e período de tempo, optámos por estudar as colecções de José-Augusto França, de Manuel de Brito, de José Berardo e a de António Cachola, opção que implicou adequações ao plano inicial da tese. A escolha destes casos de estudo pretendeu potenciar o estudo de distintos tipos de coleccionador que exercem diferentes ofícios na sociedade. Nestes casos, temos o historiador e crítico da arte, o marchand e galerista, o investidor e homem de negócios e o empresário empreendedor, respectivamente. No que respeita à delimitação do tema, a preferência por estas colecções particulares foi ainda determinada pelas seguintes razões: em primeiro lugar, a sua natureza – são colecções de arte moderna e contemporânea, de âmbito nacional e, uma, de âmbito internacional; em segundo, o período em que foram constituídas, a segunda metade do século XX, num tempo em que se organizava o mercado da arte no nosso país (no exterior, este tendia para uma globalização); e, em terceiro, a sua disponibilização em espaços musealizados de tutela pública. Este último factor determinou uma transferência de domínios no usufruto da colecção, do particular para o público, e a implementação de um novo modelo de gestão de tutela municipal e do Estado.

O estudo dos casos seleccionados permite constatar estarmos perante uma leitura panorâmica, na qual se distinguem duas variáveis no coleccionar durante aquele período. Enquanto a colecção de José-Augusto França e a de Manuel de Brito foram constituídas com o tempo e as vicissitudes das respectivas profissões, as colecções de José Berardo e a de António Cachola foram-no com uma dimensão pública pelo propósito de se musealizarem. Este factor constitui uma clara divergência entre os objectivos daquelas. Com efeito, esta questão vem ao encontro de uma tendência que se regista no coleccionismo no tempo presente, designadamente a partir de meados do século XX. Referimo-nos ao coleccionar-se com o propósito de partilhar a colecção com o público. Por conseguinte, apesar de verificarmos que muitas colecções particulares se integram em museus, afigura-se uma novidade o coleccionador particular reunir as obras, desde o primeiro momento, para fora do campo doméstico, assumindo o objectivo de as partilhar com o público. Este papel de adquirir para expor, competia, tradicionalmente, à esfera do poder público.

Palavras-chave: coleccionador, coleccionismo, colecção particular, colecção institucional, arte moderna e contemporânea, mercado da arte, sistema da arte, museus de arte, museologia, património artístico.