Arquivo de etiquetas: Maria Bolaños

María Bolaños na Universidade de Évora

No próximo dia 8 de Julho, pelas 10h30, María Bolaños Atienza (Museo Nacional de Escultura vai estar na Universidade de Évora (CES, sala dos docentes) para apresentar a palestra ¿Puede ser moderno un museo de estatuas? Una reflexión sobre la mordaz pregunta de Baudelaire, en su Salón de 1846, «¿Porqué la escultura es un arte tan aburrido?»

Cartaz que anuncia a conferência. Refere  o título da comunicação, horário e local

Tese de doutoramento “Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea”

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Noronha, Elisa (2013). Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Júri: Alice Semedo (orientadora), Raquel Henriques da Silva (arguente), Maria Bolaños (arguente) e Rui Homem (Presidente). Tese defendida a 31 de Maio de 2013.

****

Resumo: Esta dissertação desenvolve um estudo sobre o museu de arte contemporânea, mais especificamente sobre a musealização da arte contemporânea, abordando a musealização como um processo discursivo e reflexivo de (auto)afirmação e reinvenção do museu; processo este construído em diálogo entre o museu e o seu próprio objeto, i.e., a arte contemporânea que, seja pelas características de seus materiais e processos, seja pela sua pluralidade de momentos e práticas, tensiona e problematiza funções e conceitos sistematicamente estabelecidos ao longo da história desta instituição, desafiando o museu de arte contemporânea a desenvolver novas formas de expor, de colecionar, de conservar, a criar novos conceitos e categorias, a estabelecer outros tipos de mediações, de contato com o seu público, enfim, a confrontar-se com a sua própria genealogia, com seus próprios limites e suas representações.

Assente na metodologia dos Estudos de Caso, esta dissertação analisa três museus situados em Portugal e no Brasil: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em São Paulo. Atenta às particularidades de cada caso, esta análise centra-se nos modos como estes museus se organizam e se identificam enquanto museus de arte contemporânea através da contextualização dos paradigmas, das determinações, das funções que os justificam e fundamentam, e dos processos desenvolvidos para a musealização da arte contemporânea: quais são seus modelos paradigmáticos? Qual o período abrangido pelas suas coleções? Como suas coleções são expostas? Como definem a arte contemporânea? Como os artistas são envolvidos e participam nos processos museológicos? Estas são algumas das questões que esta análise procura responder, inserindo-se na discussão sobre a identidade dos museus e refletindo criticamente sobre as ideias atuais e subjacentes do que vem a ser um museu de arte contemporânea quando uma determinada instituição se manifesta como tal.

****

Abstract: This dissertation develops a study on the Contemporary Art Museum, more specifically on the ‘musealization’ of the contemporary art, by approaching musealization as a discursive and reflexive process of (self)affirmation and the reinvention of the museum; being this process constructed from the dialogue between the museum and its own object, i.e., the contemporary art which, by the characteristics of its materials and processes and by the plurality of moments and practices, it tensions and problematizes functions and concepts systematically established within the history and legacy of this institution, which challenges the contemporary art museum to develop new ways of exhibiting, of collecting, of conserving, of creating new concepts and categories, of establishing other types of mediation, of touching its audience, and finally, of confronting its own genealogy, with its own limits and representations.

Strong in the methodology are the Case Studies as this dissertation analyses three museums located in Portugal and Brazil: the Chiado Museum – National Museum of Contemporary Art, situated in Lisbon/Portugal, the Serralves Museum of Contemporary Art, situated in Porto city/ Portugal, and the Museum of Contemporary Art of the University of Sao Paulo, situated in Sao Paulo/Brazil. While looking at the peculiarities of each case, this analysis focuses on the approaches in which these museums organize and identify themselves as contemporary art museums through the contextualization of paradigms, of targets and goals, of the functions that will form and justify, and of the processes developed for the musealization of the contemporary art: what are their paradigmatic models? Which periods goes across their collections? How are their collections exhibited? How do they define contemporary art? How are artists getting involved and active in the museological processes? These are a few questions in which this thesis looks for answers, inserted in the discussion on museums identity while critically reflecting current and subjacent ideas of what could be a contemporary art museum when such institution manifests itself as such.

****

Resumen: En esta disertación se desarrolla un estudio sobre el museo de arte contemporáneo, más específicamente sobre la musealización del arte contemporáneo, abordando la musealización como un proceso discursivo y reflexivo de (auto) afirmación y reinvención del museo; proceso este construido en diálogo entre el museo y su propio objeto, es decir, el arte contemporáneo que, ya sea por las características de sus materiales y procesos, ya sea por su pluralidad de momentos y prácticas, tensa y problematiza funciones y conceptos sistemáticamente establecidos a lo largo de la historia de esta institución, desafiando al museo de arte contemporáneo a desarrollar nuevas formas de exponer, de coleccionar, de conservar, a crear nuevos conceptos y categorías, a establecer otros tipos de mediaciones, de contacto con su público, en fin, a enfrentarse con su propia genealogía, con sus propios límites y sus representaciones.

Basada en la metodología de Estudios de Casos, esta disertación analiza tres museos situados en Portugal y en Brasil: el Museo de Chiado-Museo Nacional de Arte Contemporáneo, en Lisboa, el Museo de Arte Contemporáneo de Serralves, en la ciudad de Oporto, y el Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo, en São Paulo. Atenta a las peculiaridades de cada caso, este análisis se centra en las formas en que estos museos se organizan y se identifican como museos de arte contemporáneo a través de la contextualización de los paradigmas, de las determinaciones, de las funciones que los justifican y fundamentan y de los procesos desarrollados para la musealización del arte contemporáneo: ¿cuáles son sus modelos paradigmáticos?, ¿cuál es el período que abarca sus colecciones?, ¿cómo definen el arte contemporáneo?, ¿cómo los artistas se involucran y participan en los procesos museológicos? Estas son algunas de las cuestiones que este análisis quiere responder, insertándose en el debate sobre la identidad de los museos y reflexionando críticamente sobre las ideas actuales y subyacentes de lo que viene a ser un museo de arte contemporáneo cuando una determinada institución se manifiesta como tal.

Museologia.pt, n.º 5, 2011

O 5.º número da museologia.pt referente ao ano de 2011, chega-nos na primavera de 2012. (sinal da crise?). Recorde-se que a revista é publicada anualmente desde 2007 (em versão impressa, mas tem os dois primeiros numeros totalmente disponíveis na internet: http://issuu.com/imc-ip/docs/museologia_n1), tutelada pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) (Ministério da Cultura, Portugal), e dirigida (com muita competência) por Clara Frayão Camacho* desde o seu início.

Uma vez extinto o IMC, questiona-se a continuidade desta revista no futuro. Seja como for, a relevância de revistas com esta, sejam de perfil institucional, profissional ou académicas, são ferramentas imprescindíveis para a divulgação da actividade museologia em Portugal, cuja visibilidade se promove também através de espaços de reflexão crítica sobre as experiências e práticas museológicas.

Quanto a este (último?) número da revista (n.º 5), está organizado em 5 secções temáticas: projectos e experiências; Exposições; História e Memórias; Internacional; e Recensões.

Índice

 Apresentação, p. 7

Editorial, p. 8

PROJECTOS E EXPERIÊNCIAS

O património dos antigos hospitais de Lisboa: que fazer com esta herança?, Célia Pilão, p. 10

A área de conservação e restauro do Museu Nacional de Etnologia, Joana Amaral, p. 24

Acerca da sustentabilidade do Museu do Côa, Fernando Real, p. 34

A Casa da Freira do Arcano. De Casa a Museu: breve reflexão sobre uma experiência museológica, Mário Moura, p. 46

A parceria como forma de articulação dos museus da Rede Portuguesa de Museus, Jorge Alves dos Santos, p. 58

 EXPOSIÇÕES

Primitivos Portugueses (1450-1550). O século de Nuno Gonçalves, Sofia Lapa, p. 68

 HISTÓRIA E MEMÓRIAS

Entrevista a José Luís Porfírio, Margarida Lima de Faria, p. 80

DOSSIÊ MUSEUS NACIONAIS

Museus nacionais, um tópico necessário, Raquel Henriques da Silva e Clara Frayão Camacho, p. 86

O povo no museu, João Leal, p. 90

Museus nacionais: um olhar sobre o seu passado e presente, Manuel Bairrão Oleiro, p. 108

O Museu Nacional de Arte Antiga: necessidade da visão de um século, Paulo Henriques, p. 122

Mesa Redonda: vozes do terreno.  Vocações e missões dos museus nacionais, p. 134

INTERNACIONAL

Les musées nationaux et les usages du passé, Dominique Poulot, p. 166

Naciones y ficciones sobre los museos nacionales en España, p. 176

Amgueddfa Cymru – National museum wales: having the vision to face current challenges, Judith Ingram e David Anderson, p. 184

 RECENSÕES

Simon Knell  et alli (ed.) National Museums. New studies from around the world, Clara Frayão Camacho, p. 196

Françoise Cousin e Christian Pelras (dir.) Matières, manières et sociétés. Hommage à Hélène Balfet, João Azenha da Rocha e Daniela Araújo, p. 198

*Clara Frayão Camacho é Doutoranda em História/Museologia na Universidade de Évora (2010-2013). Mestre em Museologia e Património pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a dissertação Renovação Museológica e Génese dos Museus Municipais da Área Metropolitana de Lisboa (1974-90). Curso de pós-graduação em Museologia Social pela Universidade Autónoma de Lisboa “Luís de Camões”. Licenciada em História pela Faculdade de Letras de Lisboa. Docente do Mestrado em Museologia da Universidade de Évora, desde 2001. Subdirectora do Instituto Português de Museus/Instituto dos Museus e da Conservação (2005 a 2009). Coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000 a 2005) e de Janeiro a Agosto de 2010. Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1985 a 2000). (fonte: site SIAM 2011)

Alissandra Cummins no encerramento do colóquio "Os Museus e a República"

Sessão de abertura do colóquio, 19 Maio 2010

Maria Bolaños, 19 Maio 2010

Alissandra Cummins, 20 Maio 2010

Nos dias 19 e 20 de Maio realizou-se no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) o colóquio “Os Museus e a República”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

O encontro pontuou pela qualidade dos conferencistas convidados, reunindo de forma bastante concertada investigadores, alguns, porventura, mais conhecidos da comunidade museológica portuguesa a par com outros investigadores com projectos de doutoramento em curso ou recentemente terminados. O colóquio organizou-se em torno de quatro painéis de comunicações, que no cômputo geral permitiram diversas aproximações à história dos museus na República (museus de arte e arqueologia, ciências, literatura). O programa do colóquio contemplava inicialmente um enquadramento mais internacional, com contribuições de Espanha, França e Grã-Bretanha, mas esse objectivo acabou por não ser alcançado, já que Dominique Poulot e Helen Rees Leahy não estiveram presentes. Todavia, sublinhe-se a participação de Maria Bolaños, sobejamente conhecida entre nós através de publicações como a “Historia de los museos en España” (Trea, 1997), “La memoria del mundo: Cien años de museologia 1900-2000” (Trea, 2002), entre outros.

Alissandra Cummins, Presidente do Conselho Internacional de Museus (ICOM), esteve presente no colóquio para o encerramento dos trabalhos, aproveitando para sublinhar a importância do tema escolhido este ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus, a harmonia social. A Presidente do ICOM esteve em Portugal esta semana a convite da Federação de Amigos dos Museus de Portugal.

A publicação dos textos apresentados e as conclusões deste colóquio serão certamente um contributo importante para a museologia, iniciativa que o IMC pretende levar a cabo a breve trecho, tal como foi referido no final deste encontro pelo seu director, João Carlos Brigola.

Colóquio internacional "Os Museus e a República", 19 e 20 Maio 2010

Nos dia 19 e 20 de Maio irá realizar-se o colóquio internacional “Os Museus e a República”. Entre os investigadores portugueses convidados para debater este tema estão José-Augusto França, Raquel Henriques da Silva, Jorge Custódio, Henrique Coutinho Gouveia, Luís Pequito Antunes, Joana Baião, Luís Raposo, Sandra Leandro, Duarte Freitas, Carlos Fiolhais, José Brandão, Joaquim Caetano e José Manuel de Oliveira. Para um olhar mais internacional sobre estas questões foram convidados Dominique Poulot, Helen Rees Leahy e Maria Bolaños, figuras sobejamente conhecidas da museologia.

Organização: Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)
Apoio: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora (CEHFCi)

O evento terá lugar no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Público-alvo: Técnicos de Museus, Palácios e Monumentos; Investigadores, docentes e alunos universitários

Pode encontrar a ficha de inscrição e programa no site do IMC:
http://www.ipmuseus.pt/pt-PT/Default.aspx

A proclamação da República em 5 de Outubro de 1910 constituiu um momento fundamental da História de Portugal, marcando profundamente a sociedade, as instituições e a cultura do país. É neste contexto, que o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) em parceria com o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora, irá realizar um colóquio internacional subordinado ao tema “Os Museus e a República”.
A coordenação científica está a cargo do Professor Doutor João Carlos Brigola, docente do Departamento de História da Universidade de Évora e Director do IMC.

O Programa do Colóquio contempla os seguintes temas: Museus ou colecções formados entre 1910 e 1932 (data da instituição do Estado Novo e da aprovação de nova legislação sobre Património e Museus); Museus ou colecções formados em período anterior e posterior; Personalidades marcantes (directores, museólogos, técnicos, coleccionadores); Labor legislativo e Política Cultural da 1ª República; Colecções e Museus em Espanha, França e Grã-Bretanha.

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO

Com a implantação da República Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, foi reforçada a vontade política e legal de dar corpo e coerência a uma rede de museus nacionais e regionais, de acordo com uma visão pedagógica, patrimonial e artística que se queria essencialmente divulgadora e descentralizadora. Entre 1912 e 1924 criaram-se vários museus regionais (de arte, arqueologia, história e numismática), ainda que quase todos derivados de iniciativas já conhecidas em período anterior. Criaram-se dois museus nacionais (o de Arte Antiga e o de Arte Contemporânea), assim como museus de tipologia inovadora, como é exemplo a Casa-Museu do escritor Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, bem como a construção da Casa dos Patudos de Alpiarça, concebida pelo arquitecto Raúl Lino para albergar a colecção de arte de José Relvas e aberta ao público depois da sua morte. O Museu dos Coches, criado em 1905 por iniciativa da rainha D. Amélia, foi elevado em 1911 à categoria de museu nacional.

A primeira república estabeleceu assim uma coerente e promissora rede de museus nacionais e regionais. Da importante documentação legal produzida neste período deve ser destacado o Decreto n.º 1 do Governo Provisório, datado de 26 de Maio de 1911, visando a reorganização do ensino de Belas Artes, dos serviços de Museus e da protecção do Património artístico e arqueológico. A sua redacção foi da responsabilidade de uma comissão, cujo relator era o Dr. José de Figueiredo. Este museólogo, com intensas ligações aos meios museológicos europeus, pôde contar com a colaboração do pedagogo e museólogo coimbrão, António Augusto Gonçalves, cujos pareceres influenciaram, por exemplo, a instituição do Museu Machado de Castro.

Considerando, pois, a pertinência de se proceder à avaliação do labor cultural, patrimonial e museológico deste período histórico, pretende-se transmitir a este Colóquio um carácter científico e internacional, apostando no convite exclusivo a investigadores de créditos já firmados, incluindo algumas personalidades europeias com obra reconhecida nesta área disciplinar, de modo a que se possa estabelecer um panorama coevo da museologia europeia da primeira republica portuguesa.

(Fonte: site do IMC)