Arquivo de etiquetas: Maria de Jesus Monge

Museus hiperconectados, que desafios e perspectivas? Tema em destaque no Boletim do ICOM Portugal

O 11.º número do Boletim do ICOM Portugal toma como fio condutor os “Museus Hiperconectados: Novos Desafios e Perspectivas”, em sintonia com o tema proposto pelo ICOM para o Dia Internacional de Museus de 2018. No mesmo sentido, também as Jornadas de Primavera do ICOM Portugal (5 de Março, no Palácio da Ajuda) são dedicadas a este tema (cf. programa).

Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Sendo uma tendência “mainstream” é expectável que traga impactos também para os museus. Importa, por isso, adaptar os museus a novas formas de comunicação contemporâneas, tirando partido das tecnologias e do mundo digital para uma maior partilha de conhecimentos sobre as colecções, e estabelecer mais ligações à sociedade.

Tendo em conta as possibilidades que o desenvolvimento das tecnologias e do mundo digital oferecem em termos de novas soluções e aplicações, estes aportes podem ter implicações em pelo menos duas dimensões. Por um lado, na forma como os museus se organizam internamente, visando processos de gestão mais eficientes e ágeis (ex. gestão de colecções e arquivos, mas também de processos de trabalho). E, por outro lado, no modo como os museus comunicam o conhecimento produzido sobre as suas colecções, oferecendo experiências significativas, seja em contexto físico, seja em ambiente digital. Responder a estes desafios é, portanto, uma questão que atravessa todas as áreas de actuação dos museus (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos), desde o trabalho de bastidores à frente de casa.

Mas de que modo estão os museus a responder aos desafios da integração das tecnologias e do mundo digital? Que desafios e perspectivas? Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla, por um lado, por via de um mapeamento de problemas ou desafios neste campo e, por outro lado, uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas.

O artigo (Em Foco) de Maria José de Almeida situa estas questões do ponto de vista dos sistemas de informação dos museus − e demais instituições de memória − e a sua desejável interoperabilidade. Como lembra a autora, «para hiperconectar os públicos com os museus temos que, a montante, hiperconectar também a informação que guardamos nos museus» (p. 13). Neste ponto, e de acordo com os dados apresentados quanto ao panorama museológico português perspectiva-se ainda um enorme caminho a percorrer.

Em Perspectivas, incluem-se dois textos de opinião, o de André Coelho, do lado do tecido empresarial que concebe soluções tecnológicas para o sector, e o de Fabio Miguel Leite que integra a equipa do Museu do Benfica, um museu que incorpora várias soluções tecnológicas nas suas exposições.

Finalmente, uma entrevista com Alexandre Matos, na qual se reflecte, de forma alargada, sobre muitos dos desafios que estão implícitos numa gestão equilibrada que vise integrar as tecnologias e o mundo digital nos museus.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de Emília Ferreira, directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea − Museu do Chiado desde 1 de Dezembro de 2017.

O boletim inclui ainda, como habitual, vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional; e ainda uma selecção de publicações (sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional), assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O próximo boletim (Junho) será enquadrado nas propostas de reflexão lançadas pelo Ano Europeu do Património 2018.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/2018/02/26/boletim-icom-portugal-serie-iii-n-o-11-fev-2018/

 

****

ÍNDICE

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 11, Fevereiro 2018
“Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos”

03 | Editorial, por Ana Carvalho
07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro
10 | Breves

12 | Em Foco: Integrar para Hiperconectar: O Desafio do Uso da Tecnologia nas Instituições de Memória, por Maria José de Almeida

Perspectivas
17 | Tecnologias: um fim ou um meio? (I), por André coelho
20 | Tecnologias: um fim ou um meio? (II), por Fábio Miguel Leite

22 | Entrevista com Alexandre Matos, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
37 | Relevância: Estamos a Fazer o Suficiente, por Maria de Jesus Monge e Mário Nuno Antas
40 | Lei-Quadro dos Museus e Descentralização: Que Caminhos?, por Maria de Jesus Monge
43 | O Valor das Colecções dos Museus, por Clara Frayão Camacho
46 | Que Museus e Comunidades no Séc. XXI?, por Mário Nuno Antas
49 | Desafios Digitais para os Museus: Perfis Profissionais, Tarefas, Competências e Formação, por Alexandre Matos

52 | Museus & Pessoas: Emília Ferreira, por Ana Carvalho

Publicações
60 | Sugestões de leitura
61 | Novas edições

Agenda
65 | Conferências, encontros, debates
69 | Formação
70 | Chamada para propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

Novo boletim do ICOM Portugal revisita a Lei-Quadro dos Museus Portugueses

O 10.º número do Boletim do ICOM Portugal tem como tema a Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas. Passados 13 anos da aprovação e aplicação da Lei que, aliás, teve o apoio unânime do parlamento aquando da sua aprovação e reuniu o consenso igualmente entre a comunidade de profissionais de museus, que balanço pode hoje ser feito, em termos de conteúdos, aplicação e actualidade da Lei? Que aspectos podem ser alterados, aprofundados ou acrescentados? Por outro lado, incidir sobre a Lei-Quadro equivale também a reflectir sobre política museológica (ou a inexistência desta), sobre gestão, sobre estratégia e prioridades, tudo isto atendendo a uma perspectiva de longo termo, seja do que se fez, seja do que se perspectiva fazer. Além disso este é também o momento oportuno de o fazer, uma vez que na agenda política se prevêem mudanças que visam a descentralização, transferindo mais poder para as câmaras e Juntas Metropolitanas, com impactos expectáveis também para os museus.

Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla: argumentos que se centram não apenas no mapeamento de problemas e desafios, mas que fazem igualmente uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas. É este o fio condutor em várias secções deste boletim. Primeiramente, no artigo (Em Foco), através da perspectiva de Graça Filipe que reflecte sobre este panorama numa escala mais macro.

Em Perspectivas, dá-se enfoque às colecções visitáveis, uma categoria prevista na Lei-Quadro, mas que não teve desenvolvimento subsequente. Os dois textos de opinião, de Cláudia Freire e de Lúcia Almeida Matos, respectivamente, evidenciam diferentes ângulos e possíveis caminhos a trilhar.

Por fim, uma entrevista com Isabel Soares, na qual se percorre vários tópicos relativos à Lei-Quadro.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de João Alpuim Botelho, director do Museu Bordalo Pinheiro desde 2014, um museu que se encontra em fase de renovação.

Como habitual, apresentam-se vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim inaugura neste número uma nova secção: Opinião dos Membros, um espaço aberto onde os profissionais podem ter uma voz activa sobre tópicos da actualidade museológica.

Ficamos a saber que o próximo boletim (Fevereiro) será dedicado ao tema do Dia Internaci- onal de Museus para 2018: Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

 

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

10 | Breves

12 | Em Foco: A Implementação da Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Aporia de uma Política Museológica?, por Graça Filipe

Perspectivas:
18 | A colecção é visitável? (I), por Claudia Freire
22 | A colecção é visitável? (II) por Lúcia Almeida Matos

26 | Entrevista com Isabel Soares, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
34 | Desafios Actuais e Futuros, por Maria de Jesus Monge
37 | Redesenhar os Museus. Competências Digitais para a Mudança e Inovação, por Ana Carvalho
40 | Ligando o Passado e o Presente, por Hélia Marçal e Joana Silva
43 | Documentação: Passado, Presente, Futuro… por Alexandre Matos
46 | Formação para a Inclusão: A Acessibilidade é Exequível? por Marta Ornelas
49 | Museus & Pessoas: João Alpuim Botelho, por Ana Carvalho
57 | Opinião dos Membros: A Conservação e Restauro em Portugal: ‘sem rei nem roque’, por André Varela Remígio

Publicações
59 | Sugestões de leitura
60 | Novas edições

Agenda
64 | Conferências, encontros, debates
68 | Formação

 

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

Políticas museológicas em foco no Boletim do ICOM Portugal

Fotografia a cores que revela um pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda, as arcadas

Imagem da capa: Pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda © Fotografia de Luís Pavão/Palácio Nacional da Ajuda/Direcção-Geral do Património Cultural

Começamos o ano com balanços. Balanços associativos, pois estamos no final do triénio dos órgãos sociais do ICOM Portugal em funções (2014-2017), aproximando-se novas eleições a 27 de Março. E balanços mais globais, daí a escolha do tema “gestão de museus e políticas museológicas” para este número do Boletim do ICOM Portugal dada a actualidade e a urgência de uma reflexão alargada e concertada. Sem pretender um retrato exaustivo, neste boletim procurámos trazer olhares de dentro e de fora, estimulando perspectivas várias sobre este grande “chapéu” que engloba as políticas museológicas.

O artigo de Manuel Bairrão Oleiro traça um diagnóstico assertivo sobre a realidade actual e deixa antever caminhos de futuro, elencando quais poderão ser na sua opinião as prioridades de uma política museológica nacional mais actuante. As pessoas, ou melhor dizendo, as equipas de museus foram igualmente uma das problemáticas abordadas por Oleiro, sendo esse tópico retomado por Maria de Jesus Monge e Ana Carvalho com maior enfoque na secção “Perspectivas”.

O contributo de David Santos, que desde Fevereiro de 2016 assumiu o cargo de subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades em matéria de museus, é um olhar porventura mais generoso e optimista sobre a acção desta organização, mas é, até certo ponto, esclarecedor da forma como se perspectiva globalmente a situação actual.

Encontra ainda neste boletim uma selecção de notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura, novas publicações e um leque diverso de eventos (conferências, debates, formação, etc.) para os próximos meses.

Terminamos com outro balanço, sendo este o último boletim da série iniciada em 2014 do qual sou editora. Feitas as contas somámos oito edições, mas mais do que o aspecto quantitativo, apostámos – e pensamos tê-lo conseguido – na criação de um espaço de partilha assente na diversidade de olhares e de perspectivas, como aliás caracteriza este sector. Um espaço que por si só também foi sofrendo alterações, com o contributo indelével de muitos dos nossos colegas dos actuais órgãos sociais do ICOM Portugal, e em função das aprendizagens que foram feitas pelo caminho. Porque, efectivamente, a edição deste boletim também correspondeu a um processo de aprendizagem pessoal e profissional. Bem haja!

Ana Carvalho [editorial]

****

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 8, Jan. 2017
Gestão de Museus e Políticas Museológicas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
08 | EM FOCO: Políticas Públicas no Sector dos Museus: O que Pode ser Feito, por Manuel Bairrão Oleiro
12 | PERSPECTIVAS: Equipas de Museu – Evolução ou Retrocesso?, por Maria de Jesus Monge; e Ana Carvalho
17 | ENTREVISTA com David Santos, por Ana Carvalho
NOTÍCIAS ICOM, vários autores
21 | Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso: Balanço, por Manuel Morais Sarmento Pizarro
23 | Museus Comunitários: Em que Ponto Estamos?, por Mário Nuno Antas
25 | O Valor Económico dos Museus: Templos do Conhecimento, Máquinas de Entretenimento ou Plataformas Participativas?, por Clara Frayão Camacho
28 | Coleccionar e Proveniências: Aplicações, Autenticidade e Propriedade, por Inês Fialho Brandão
30 | Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI, por Pedro Pereira Leite
32 | Desafios Digitais para Especialistas de Museus, por Ana Fernambuco
35 | Museus Nacionais: Passado, Presente e Futuro, por Fátima Faria Roque
38 | Pilotando o MOOC: Uma Jornada Agregadora e de Reflexão, por Paula Menino Homem
PUBLICAÇÕES
40 | Sugestões de leitura
41 | Novas edições 2016-2017
AGENDA
46 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 1, Out 2014)

vê-se promenor da exposição permanente do Museu de Portimão

Acaba de ser publicado o primeiro boletim da nova direcção do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) eleita em Março deste ano. Com este novo boletim dá-se início a uma nova série, ampliada, e renovada também do ponto de vista gráfico (Sistemas do Futuro). O boletim é agora coordenado por Ana Carvalho. Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/

Conteúdos:

2 EDITORIAL, por Ana Carvalho
3 MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
5 EM FOCO: “Os Museus e o Património Cultural no Contexto do Turismo Cultural: Estruturas Essenciais do Desenvolvimento Económico Contemporâneo”, por António Ponte
10 PERSPECTIVAS: “Viver em Estado de Crise»: Paradoxo ou Desafio?” por Sara Barriga; e Inês Ferreira
13 ENTREVISTA com Maria João Vasconcelos, por Clara Frayão Camacho
17 PUBLICAÇÕES
23 NOTÍCIAS ICOM:
“Projectar em Rede, Trabalhar em Parceria”, por Maria de Jesus Monge
“Planear e Programar Museus”, por Graça Filipe
“Study Days on Venetian Glass”, por Maria João Botelho Moniz Burnay
“Dia Internacional dos Museus em Maputo”, por Pedro Pereira Leite
“Novas Tendências em Museologia”, por Agostinho Ribeiro
“Industrial Heritage, Sustainable Development, and the City Museum”, por Joana Sousa Monteiro
“II Programa de Treinamento Documentação em Museus CIDOC-ICOM”, por Gabriel Moore Forell Bevilacqua
“Access and Understanding – Networking in the Digital Era”, por Natália Jorge; e Rosário Salema de Carvalho

37 AGENDA

Sobre a jornada de trabalho "categorização de casas-museu"

Jornada de Trabalho “Categorização de Casas-Museu”
Paço dos Duques de Bragança (Guimarães)
1 de Fev. 2010

Sobre a jornada de trabalho “Categorização das Casas-Museu”, que se realizou no passado dia 1 de Fevereiro de 2010, algumas notas.

António Ponte, director do Paço dos Duques de Bragança e anfitrião deste encontro começou por dar as boas-vindas a todos os participantes. Seguiu-se Maria de Jesus Monge, que contextualizou esta iniciativa, enquadrando o trabalho que o DEMHIST, comité do ICOM para as casas-museu e casas históricas tem desenvolvido desde a sua génese até hoje, decorridos cerca de 10 anos de actividade.

Este comité tem trabalhado muito sobre o conceito de casa-museu e as especificidades desta tipologia no universo museológico, que é francamente diverso e assimétrico, seja à escala nacional ou internacional.

Mais do que nunca, é importante questionar e reflectir sobre quais são hoje os desafios das casas-museu, desde a missão, a sua pertinência até à sua sustentabilidade. Maria de Jesus Monge fez uma breve retrospectiva sobre as primeiras tentativas de definir as casas-museu até ao projecto internacional de categorização das casas-museu do DEMHIST.

Este projecto baseia-se num inquérito, criado pela italiana Rosana Pavoni que pretende aferir um conjunto válido de categorias. Neste inquérito participaram poucas instituições portuguesas, daí a necessidade de se reflectir sobre este instrumento de trabalho e a sua aplicabilidade à realidade portuguesa.

Como Elsa Rodrigues referiu, até ao momento, o DEMHIST criou um conjunto de 11 categorias, traduzidas para o português nos seguintes termos:

– Casas de Personalidades
– Casas de Coleccionadores
– Casas de Beleza
– Casas de Eventos Históricos
– Casa de Sociedade Local
– Casas Ancestrais
– Casas de Poder
– Casas Clericais
– Casas Modestas
– Casas para Museus
– Salas de Época

Da discussão surgiram algumas conclusões:

Algumas das categorias não se ajustam à realidade portuguesa. Por outro lado, foi sugerido que não fossem criadas demasiadas categorias. No que diz respeito ao caso português seria benéfico se se aferisse com mais aprofundamento qual o tecido museológico em termos de casas-museu existentes e criar uma lista com o apoio da Rede Portuguesa de Museus e Instituto dos Museus e da Conservação.

Foi proposto um novo encontro em Lisboa, sendo a Casa-Museu Anastácio Gonçalves a instituição de acolhimento, para a partir da lista referida se reflectir sobre uma possível categorização. Para além disso, referiu-se a importância de dar maior visibilidade às casas-museu através da publicação de artigos relacionados com esta temática numa revista já existente.

Finalmente, foi sugerida a criação de um blogue, como espaço de encontro dos profissionais que trabalham nesta área e como plataforma de discussão, tendo António Ponte assumido a responsabilidade de criar o site.