Arquivo de etiquetas: Maria Fátima Nunes

Reflexão sobre Museologia na Universidade de Évora

Palácio do Vimioso, Universidade de Évora, Portugal
Foto Ana Carvalho, 2012

No passado dia 25 de Junho de 2012 teve lugar um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora promovido por dois dos centros de investigação da universidade, o CIDEHUS e o CEHFCi. Ultrapassada a questão de definir a museologia como ciência, um debate que se prolongou até há alguns anos atrás no contexto internacional, em boa verdade, a museologia é hoje um campo de estudo que se vai consolidando com o crescimento de estudos de mestrado e doutoramento.

Em Portugal, os cursos de pós-graduação em museologia surgem no final dos anos 80 e na década de 90. Entre as primeiras teses de mestrado podem referir-se a de Madalena Braz Teixeira –  “Do objecto ao museu” (Universidade Nova de Lisboa, 1983).

Uma das primeiras teses de doutoramento no âmbito da museologia ou tendo como objecto de estudo o museu surge em 1985 pela mão da antropóloga Nélia Dias (Le Musée d’Ethnographie du Trocadero (1878-1908). Anthropologie et muséologie en France), ainda que a partir de uma universidade francesa (École des Hautes Études en Science Sociales – Paris) e sobre uma realidade muselógica francesa. Efectivamente, as primeiras teses de doutoramento tendo como objecto de estudo o contexto português começam a surgir a partir dos anos 90, com os estudos de Natália Correia Guedes “Museologia e Comunicação” (Universidade Nova de Lisboa, 1994), Henrique Coutinho Gouveia “Museologia e etnologia em Portugal. Instituições e personalidades” (Universidade Nova de Lisboa, 1997), entre muitos outros que se seguiram.

Abertura dos trabalhos, por João Carlos Brigola, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Como João Carlos Brigola e Maria Fátima Nunes fizeram notar, é importante propiciar espaços de encontro e discussão para os alunos que estão a desenvolver projectos de mestrado e doutoramento em museologia. E neste contexto de partilha e construção de espírito crítico foram convidados para este encontro três investigadores que completaram já os seus projectos de doutoramento noutras universidades portuguesas.

Comunicação de Sandra Leandro, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Sandra Leandro, actualmente Professora Auxiliar na Universidade de Évora (Departamento Artes Visuais), fez o seu percurso académico na Universidade Nova de Lisboa, sendo membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade na linha de investigação “Museum Studies”. É doutorada em História da Arte Contemporânea com a tese “Joaquim de Vasconcelos (1849-1936): Historiador, Crítico de Arte e Museólogo, em 2008, e mestre em História da Arte Contemporânea “Teoria e Crítica de Arte em Portugal” (1871-1900), em 1999.

A comunicação de Sandra Leandro centrou-se no projecto de doutoramento que desenvolveu em torno da figura de Joaquim Vasconcelos, sobretudo na relação deste com a criação do Museu Industrial e Comercial do Porto (1886-1899) e a sua curta história.

Comunicação de António Ribeiro da Costa, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

António Ribeiro da Costa terminou recentemente o seu doutoramento na Universidade de Coimbra com uma tese “Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia” (2012). Para um amplo período cronológico, António Ribeiro da Costa estudou um universo heterogéneo e significativo de “museus” ou espaços musealizados de arte sacra (na ordem das centenas) em contexto continental e insular. A temática não é isenta de problemáticas e suscita conflitos de diferentes níveis entre as  instituições interessadas na salvaguarda do património religioso, tal como foi dado a entender no debate que se gerou a partir da comunicação apresentada por António Ribeiro da Costa. Esta não é a primeira vez que a temática é objecto de estudo no contexto da museologia. Refira-se a este propósito a tese de Maria Isabel Roque: “Musealização do sagrado: Práticas museológicas em torno de objectos do culto católico” (2005, Universidade Lusíada) (disponível aqui), publicada em 2011 pela Universidade Católica Editora (sobre o livro consulte este artigo).

Comunicação de Adelaide Duarte, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

A última comuniçação do encontro coube a Adelaide Duarte (perfil em Museologia.porto e academia.edu) que terminou o seu projecto de doutoramento na Universidade de Coimbra (aguarda as provas para a defesa da tese). O título da tese é o seguinte: “Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal na segunda metade do séc. XX. Contributos para a história da museologia”, sendo orientada por Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra) e Lúcia Matos (Universidade do Porto).

Os estudos de caso desta tese são as colecções que entraram recentemente na esfera pública, consubstanciando a criação de novos museus no panorama museológico português: Núcleo Arte Contemporânea (doação José-Augusto França) (desde 2004, Tomar), Centro de Arte Manuel de Brito (desde 2005, Algés), Museu Colecção Berardo de Arte Contemporânea (desde 2007, no CCB, em Lisboa) e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas-Colecção António Cachola – MACE (desde 2007, Elvas).

Os três conferencistas partilharam os percursos traçados nas suas teses, nomeadamente as metodologias utilizadas, as fontes e as dificuldades inerentes ao processo de pesquisa, que foram de extrema utilidade para quem neste momento se depara com estas questões ou se prepara para o fazer. Note-se que entre a assistência se encontravam estudantes em diferentes momentos/estádios do processo de investigação. O que nos pareceu comum a todos os investigadores foi, entre outras questões, a dificuldade de acesso, em muitos casos, aos arquivos, nomeadamente aos arquivos públicos. Ao que tudo indica, não são raras as situações em que são os próprios investigadores que acabam por organizar partes do arquivo para conseguir aceder à informação. Apesar de muito ter evoluído no campo da arquivística e da documentação, ainda há muito por fazer. Por outro lado, não se trata apenas da necessidade de maior investimento na organização da documentação arquivística, mas também uma mudança de mentalidades que se posicione mais favorável e receptiva aos investigadores e no acesso à informação.