Arquivo de etiquetas: Maria João Nunes

Participação no coração dos museus: o projecto CETAID

Imagem de grupo a visitar exposição

Reunião Hungria, 2013 © CETAID

O CETAID – Community Exhibitions as Tools for Adult Individual Development (2012-2014) é um projecto internacional financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida/Parcerias de Aprendizagem GRUNDTVIG, e que tem permitido a troca de experiências no âmbito da museologia participativa entre profissionais de vários museus europeus. A associação portuguesa Histórias para Pensar (HPP) participa no projecto e foi com alguns dos colaboradores que fomos falar. Nesta mini-entrevista, Maria Vlachou, Joaquim Jorge, Elsa Arruda e Maria João Nunes descrevem o projecto e comentam a sua participação.

****

 Ana Carvalho (AC) – Como surgiu o projecto CETAID?

Joaquim Jorge (JJ) e Maria João Nunes (MN) – O projecto resultou da parceria estabelecida entre a Fundação para Museus e Visitantes (Múzeumok és Látogatók Alapítvány), em Budapeste (Hungria), e a Associação Histórias para Pensar (HPP), em Oeiras (Portugal). O primeiro contacto entre estas duas organizações ocorreu durante o workshop «Multicultural Societies, Intercultural Dialogue and European Museums» (2010), organizado pela European Museum Academy e pelo Istituto Beni Artistici, Culturali e Naturali, em Bertinoro (Bolonha, Itália), na qual participou uma associada da HPP e a actual coordenadora do projecto CETAID, Anikó Miszné Korenchy (directora da Fundação para Museus e Visitantes).

AC – Quem são os parceiros?

JJ e MN – O projecto junta parceiros de quatro países europeus: da Hungria, Múzeumok és Látogatók Alapítvány (Foundation for Museums and Visitors), que é o coordenador do projecto; do Reino Unido, Historic Royal Palaces e Tyne and Wear Archives and Museums; da Itália, Istituto Luigi Sturzo; e de Portugal, Associação Histórias para Pensar (HPP).

AC – Quais são os objectivos?

JJ e MN – Os objectivos do projecto são:

  • melhorar, a nível europeu, os nossos conhecimentos e entendimento relativamente às formas como várias comunidades podem ficar envolvidas, de uma forma significativa, no trabalho dos museus e sítios;
  •  ajudar museus de natureza altamente académica a tornarem-se mais abertos para as suas comunidades e a desenvolverem novas formas para apoiar a aprendizagem de adultos;
  •  fornecer melhores serviços a públicos mais diversos;
  • divulgar os conhecimentos adquiridos e apoiar organizações que não têm a capacidade de experimentar e avaliar abordagens semelhantes.

AC – Em 2013, uma das reuniões do projecto teve lugar no Museu de Cerâmica de Sacavém em Loures. Que conclusões destacariam desse encontro?

Maria Vlachou (MV) – A nossa conclusão foi mais uma reafirmação: do excelente trabalho desenvolvido por vários museus portugueses nesta área, se bem que muitas vezes este seja um trabalho silencioso, pouco divulgado. Levámos à reunião colegas de vários pontos do país que apresentaram o seu trabalho aos parceiros europeus. Foi uma reunião onde todos aprendemos muito e onde o debate foi muito enriquecedor.

Elisa Arruda (EA) – Destaco dois factores que considero relevantes. Primeiro, estiveram presentes quatro instituições de várias regiões de Portugal: o Museu do Traje de S. Brás de Alportel, o Museu da Chapelaria de São João da Madeira, o Museu do Trabalho Michel Giacometti de Setúbal e o Museu da Cidade de Almada. Em segundo lugar, a diversidade dos projectos que cada um desenvolve com as comunidades, embora muito diferentes entre si, conseguem envolver as comunidades numa dinâmica enriquecedora tanto para as instituições, como para as pessoas que participam. Estas apresentações proporcionaram momentos de partilha e debate muito positivos.

Imagem de sala no museu

People’s History Museum, Manchester, 2012 © CETAID

AC – Entre as várias actividades realizadas ao longo do projecto, há alguma que vos tenha marcado especialmente? E porquê?

MV – Não fiquei propriamente marcada, mas sim muito interessada no trabalho desenvolvido pelo People´s History Museum, em Manchester, e pela forma permanente e consistente como procura envolver as várias comunidades que compõem o tecido daquela cidade, dando-lhes espaço no próprio museu para se apresentarem aos seus co-cidadãos.

EA – A visita ao Centro Cultural Zsolnay, em Pècs, na Hungria, marcou-me positivamente pela preservação e transformação do espaço da antiga fábrica de cerâmica em museu, que transmite a história daquele espaço industrial, inclusive com a manutenção de um pequeno pólo de produção, e ainda com a instalação de espaços de ensino.

O trabalho desenvolvido pelo People´s History Museum foi outro momento que me marcou. Considero que desenvolvem um trabalho muito interessante com a comunidade, que tem a possibilidade de se candidatar a apresentar projectos para desenvolver no museu. Os diferentes projectos são analisados pelos técnicos e o que merecer aprovação é apoiado pela instituição.

AC – Que balanço é possível fazer neste momento?

EA – Relativamente a um balanço, das três reuniões em que participei (Inglaterra, Portugal e Hungria) destaco como muito positivo o facto de, através deste projecto ser possível contactar com vários museus, observar o trabalho aí desenvolvido e debater com os técnicos as metodologias usadas, no caso concreto do envolvimento dos museus com as comunidades, que nos interessava muito.

Neste projecto foram também apresentados vários casos de estudo que nos permitiram aceder a diversas dinâmicas para captarmos o que cada uma tem de essencial na relação que cada instituição pretende alcançar com as suas comunidades. Constituíram também, momentos de discussão e reflexão.

AC – Que conselhos dariam aos profissionais ou a instituições que pensem em explorar formas de participação através das exposições?

MV – Esta é uma relação que pressupõe abertura, respeito, ausência de paternalismos. Se há uma razão para se querer desenvolver este género de trabalho esta não é, não pode ser, o politicamente correcto, mas sim, o reconhecimento da riqueza de conhecimentos e experiências que existe entre as pessoas que compõem as várias comunidades. Deve haver um interesse genuíno em conhecer melhor e uma noção clara de que os museus estão a prestar um serviço à sociedade.

EA – Em primeiro lugar é preciso conhecer as comunidades onde as instituições estão inseridas e as que queremos trazer até nós, até podem estar num concelho vizinho. Saber de que formas e através de que acções gostariam de participar. A participação pode ser muito variada e não se traduzir só na realização de exposições; questionar que papel gostaria que o(s) museu(s) tivessem; convidá-las a apresentarem projectos e a opinarem sobres as diferentes acções desenvolvidas (p. ex. exposições, debates, etc.), proporcionar um envolvimento pleno e partilha das decisões.

****

Maria Vlachou é consultora em gestão e comunicação cultural e directora executiva da Acesso Cultura. Autora do blogue Musing on Culture e do livro homónimo. Mestre em Museologia pela University College London (1994). Colabora no projecto CETAID.

Elsa Arruda e Joaquim Jorge são ambos antropólogos na Divisão de Cultura da Câmara Municipal de Loures e participam no projecto CETAID.

Maria João Nunes colabora na HPP.

****

Mais informações sobre o projecto:

Associação Histórias para Pensar
CETAID no Facebook
Segunda reunião transnacional CETAID: Património museológico além-fronteiras (2013)
Programa da reunião no Museu de Cerâmica de Sacavém (20 a 22 de Fevereiro de 2013)

EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!