Arquivo de etiquetas: Mariana Galera Soler

Novo livro dedicado à museografia dos museus de história natural

Imagem de capa do livro biodiversidade musealizada em que se vê ao centro uma fotografia a preto e branco de uma instalação

Biodiversidade Musealizada – Formas que comunicam é o mais recente livro da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. É o 22.º volume desta Coleção.

O livro resulta da tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização em Museologia, de Mariana Galera Soler, apresentada à Universidade de Évora em 2019 (orientação de Maria Fátima Nunes e Margaret Lopes).

O lançamento é no dia 27 de Abril de 2022, pelas 18h00, no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora. O livro será apresentado por Sara Albuquerque, investigadora de história da ciência da Universidade de Évora.

A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, continuando a alargar os horizontes das investigações incidentes em museus e em museologia sob diferentes visões temáticas e autorais. Esta coleção veio enriquecer o panorama editorial da área museológica em Portugal, constituindo hoje um corpus bibliográfico essencial para as pesquisas em estudos de museus, abarcando temas muito variados desde a história dos museus e das exposições, o colecionismo, a museografia, até à mediação digital, a educação e a museologia biográfica, entre outros.

Sinopse

O livro incide sobre a museografia de museus de história natural e de museus científicos como meio de registo de práticas científicas e museológicas. A autora utilizou o conceito de biodiversidade num tempo de preocupações com a perda de habitats naturais e com o esgotamento dos recursos, partindo de uma pergunta para a análise de exposições: é possível musealizar a biodiversidade? Concluiu que vemos a biodiversidade sob a lente dos investigadores que compõem as equipas dos museus e sob as suas áreas de especialização. Verificou que, como visitantes, somos convidados a ser espectadores da natureza. Contudo, como não somos sábios, como os profissionais que fazem as seleções e as ordenações dos acervos que estão presentes nas exposições, cabe-nos contemplar séries de “coisas” que têm “lições” pré-definidas para nos contar.

Sobre a autora

Mariana Galera Soler é licenciada em Ciências Biológicas e mestre em Museologia, com ambos os títulos obtidos na Universidade de São Paulo. A tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, com especialização em Museologia, foi obtida na Universidade de Évora, resultando esta obra do desenvolvimento da tese. A autora possui mais de uma década de experiência profissional em museus científicos brasileiros e desde 2017 colabora em projetos em parceria com instituições portuguesas. Atualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea – Polo da Universidade de Évora e é gestora de comunicação do Centro Interdisciplinar de História, Cultura e Sociedade (CIDEHUS) desta universidade.

Sobre a apresentadora do livro

Sara Albuquerque é investigadora em História da Ciência no IHC-FCSH-NOVA-Pólo da Universidade de Évora. Trabalhou anteriormente como investigadora de pós-doutoramento na mesma unidade de investigação, no Museu de História Natural de Londres e no Royal Botanic Gardens, Kew. Enquanto na RBG, Kew obteve “Collaborative Doctoral Award” e concluiu o seu doutoramento em História da Ciência no Birkbeck College, University of London em 2013. É “Honorary Research Associate” (RBG, Kew) e membro da Linnean Society of London. Tem especial interesse em história da ciência, coleções de história natural, museologia, cultura material, botânica, botânica económica, etnobotânica, exposições mundiais, expedições (século XIX) e encontros transculturais.

Índice

9  | INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – A DIVERSIDADE NORMALIZADA: PADRÕES MUSEOGRÁFICOS DE MUSEUS DE HISTÓRIA NATURAL

21 | “Infinitas formas de grande beleza” inseridas em categorias

22  | Principais referenciais

28 | Formas de organizar acervos e discursos: padrões museográficos

32 | Padrão museográfico: Centrado em Objetos

62 | Padrão museográfico: Centrado numa Narrativa

101 | Padrão museográfico: Espetacular

119 | Padrão museográfico: Retorno à Curiosidade

139 | Exposições e padrões museográficos: outras interpretações

CAPÍTULO II – ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES: MUSEOGRAFIA CATEGORIZADA POR PADRÕES

145 | Métodos de investigação

147 | Estudos de caso: descrição de exposições e enquadramento nos diferentes padrões museográficos

CAPÍTULO III – ENQUADRAMENTO EM PADRÃO MUSEOGRÁFICO (EPM): NÚMEROS QUE AJUDAM A EXPLICAR PADRÕES

210  | Discussão dos Padrões Identificados

249 | Entre padrões: aproximações e distanciamentos entre realidade observada, documentos e entrevistas

261 | Considerações finais

269 | Ferramenta de análise

287 | Fichas técnicas

295 | Notas

303 | Referências

313 | Índice remissivo

315 |Siglas e abreviaturas

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Ana Carvalho, Marta C. Lourenço e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)