Arquivo de etiquetas: Marta Ornelas

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à educação

 

Capa do livro onde se vê imagem a preot e branco de duas jovens de costas a pendurar imagem na parede

Museus e Escolas: As relações Pedagógicas e o papel dos Museus é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em “Artes y Educación”, de Marta Ornelas, apresentada à Faculdad de Bellas Artes, Universitat de Barcelona (orientação de Fernando Hernández-Hernández), em 2016.

O lançamento do livro é no dia 20 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro apresenta uma investigação que versa sobre diversos modos de relação entre jovens do 3º ciclo da escolaridade obrigatória e museus de arte contemporânea. Através de quatro estudos de casos (Museu Berardo, Casa das Histórias Paula Rego e Museu Nacional de Arte Contemporânea), foi possível verificar que os jovens reclamam por práticas mais participativas do que aquelas que tradicionalmente a escola e os museus lhes oferecem. O cumprimento do currículo e as imposições programáticas dos museus constituem constrangimentos à criação de relações pedagógicas entre museus e escolas. Além disso, a legitimidade para ensinar está ainda muito centrada na figura docente ou de quem dinamiza as visitas nos museus, enquanto aos estudantes é atribuído um papel essencialmente subordinado. É a escola que aprende com o museu, sendo muito raramente criadas oportunidades para que o museu aprenda também com a escola. Contudo, a forma como as professoras e as educadoras de museu encaram o conhecimento, a aprendizagem e a arte contemporânea é determinante para o modo como os estudantes aprendem. Se aos jovens for dado um espaço participativo e de autoria na relação com o museu, isso permitirá a criação de propostas alternativas às macronarrativas, sejam estas provenientes dos museus ou mesmo da própria escola tradicional que perpetua a ordem social. No caso da investigação que aqui se expõe, foram as propostas alternativas concebidas pelos jovens que lhes proporcionaram a realização de aprendizagens dotadas de sentido.

Sobre a autora:

Marta Ornelas é doutorada em Artes e Educação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Barcelona, mestre em Museologia e Património pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Professora no ensino básico e secundário, desde 1998, e no ensino superior (2002 e 2016), é formadora de professoras e membro da direção da APECV – Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual. É investigadora do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes. Tem organizado encontros científicos em instituições de referência. Tem publicado artigos e apresentado comunicações em congressos sobre a temática educativa e o acesso do público escolar à arte. Tem sido convidada para integrar conselhos científicos de revistas e de congressos. Em 2018 fundou a Arte Central, um projeto que nasceu para levar a educação artística a todas as pessoas e cresceu a instigar a relação entre as escolas e as instituições culturais, sob uma perspetiva construtivista e de luta contra a discriminação e a desigualdade. A Arte Central é membro da InSEA – International Society for Education Through Art – e da WAAE – World Alliance for Arts Education.

Índice

NTRODUÇÃO
PARTE I – PERSPETIVAS TEÓRICAS E CONCEITOS-CHAVE
Perguntas de investigação
Referências teóricas que marcam a investigação
Abordagem aos museus e aos seus discursos
Perspetivas pedagógicas (nas escolas e nos museus)
Modos de entender a relação entre escolas e museus
Conceitos-chave da investigação

PARTE II – ABORDAGEM METODOLÓGICA
Investigação qualitativa
Estudo de casos
Questões éticas
Reflexividade

PARTE III – ESTUDO DE CASOS
Estudo de caso 1: A primeira vez num museu de arte contemporânea
Estudo de caso 2: Trabalhar e aprender com técnica, rigor e disciplina
Estudo de caso 3: Jovens viajados e críticos
Estudo de caso 4: Implicar os interesses dos alunos num trabalho artístico

PARTE IV – PROCESSO DE ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS
O incidente significativo
Segmentação e codificação das evidências
Primeira abordagem derivada da segmentação e codificação das evidências

PARTE V – CONCLUSÕES
Semelhanças entre os casos estudados
Possibilidades de resposta às perguntas de investigação
POST SCRIPTUM
Uma proposta educativa emergente da investigação

Notas
Fontes e bibliografia
Agradecimentos

 

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo boletim do ICOM Portugal revisita a Lei-Quadro dos Museus Portugueses

O 10.º número do Boletim do ICOM Portugal tem como tema a Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas. Passados 13 anos da aprovação e aplicação da Lei que, aliás, teve o apoio unânime do parlamento aquando da sua aprovação e reuniu o consenso igualmente entre a comunidade de profissionais de museus, que balanço pode hoje ser feito, em termos de conteúdos, aplicação e actualidade da Lei? Que aspectos podem ser alterados, aprofundados ou acrescentados? Por outro lado, incidir sobre a Lei-Quadro equivale também a reflectir sobre política museológica (ou a inexistência desta), sobre gestão, sobre estratégia e prioridades, tudo isto atendendo a uma perspectiva de longo termo, seja do que se fez, seja do que se perspectiva fazer. Além disso este é também o momento oportuno de o fazer, uma vez que na agenda política se prevêem mudanças que visam a descentralização, transferindo mais poder para as câmaras e Juntas Metropolitanas, com impactos expectáveis também para os museus.

Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla: argumentos que se centram não apenas no mapeamento de problemas e desafios, mas que fazem igualmente uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas. É este o fio condutor em várias secções deste boletim. Primeiramente, no artigo (Em Foco), através da perspectiva de Graça Filipe que reflecte sobre este panorama numa escala mais macro.

Em Perspectivas, dá-se enfoque às colecções visitáveis, uma categoria prevista na Lei-Quadro, mas que não teve desenvolvimento subsequente. Os dois textos de opinião, de Cláudia Freire e de Lúcia Almeida Matos, respectivamente, evidenciam diferentes ângulos e possíveis caminhos a trilhar.

Por fim, uma entrevista com Isabel Soares, na qual se percorre vários tópicos relativos à Lei-Quadro.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de João Alpuim Botelho, director do Museu Bordalo Pinheiro desde 2014, um museu que se encontra em fase de renovação.

Como habitual, apresentam-se vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim inaugura neste número uma nova secção: Opinião dos Membros, um espaço aberto onde os profissionais podem ter uma voz activa sobre tópicos da actualidade museológica.

Ficamos a saber que o próximo boletim (Fevereiro) será dedicado ao tema do Dia Internaci- onal de Museus para 2018: Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

 

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

10 | Breves

12 | Em Foco: A Implementação da Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Aporia de uma Política Museológica?, por Graça Filipe

Perspectivas:
18 | A colecção é visitável? (I), por Claudia Freire
22 | A colecção é visitável? (II) por Lúcia Almeida Matos

26 | Entrevista com Isabel Soares, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
34 | Desafios Actuais e Futuros, por Maria de Jesus Monge
37 | Redesenhar os Museus. Competências Digitais para a Mudança e Inovação, por Ana Carvalho
40 | Ligando o Passado e o Presente, por Hélia Marçal e Joana Silva
43 | Documentação: Passado, Presente, Futuro… por Alexandre Matos
46 | Formação para a Inclusão: A Acessibilidade é Exequível? por Marta Ornelas
49 | Museus & Pessoas: João Alpuim Botelho, por Ana Carvalho
57 | Opinião dos Membros: A Conservação e Restauro em Portugal: ‘sem rei nem roque’, por André Varela Remígio

Publicações
59 | Sugestões de leitura
60 | Novas edições

Agenda
64 | Conferências, encontros, debates
68 | Formação

 

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.