Arquivo de etiquetas: MIDAS

Revista MIDAS publica dossier sobre “Museus, discurso e poder”

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de publicar o sexto número. Apresenta um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso de Poder” e quatro notações relativas a projectos diversos na área dos museus.

O dossier contou com dois coordenadores convidados, Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), que é também co-editor da revista, e Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, sublinham os coordenadores do dossier.

A capa destaca uma obra de João Paulo Serafim, criada no âmbito do projecto “A Invenção da Memória” que pretendeu fazer o levantamento de espaços ligados à cultura e que representam, na perspectiva do artista, “depósitos de memória”, tais como: acervos, arquivos, armazéns, teatros, cinemas, sótãos, bibliotecas, casas, espaços abandonados (http://miiac.com/projectos/arquivos/). Mais uma vez, a escolha desta obra para a capa pressupõe o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

A MIDAS apresenta-se como uma revista universitária, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão científica. Pretende dar a conhecer e promover o Museu enquanto objeto de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi criada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora).

****

MIDAS 06 | 2016

Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Revista MIDAS premiada pela APOM

Prémios APOM 2015 © Ana Carvalho

Prémios APOM 2015 © Ana Carvalho

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares foi distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia”, em ex æquo com a Argo, revista do Museu Marítimo de Ílhavo.

A APOM atribui prémios anualmente a museus e projectos na área da museologia desde 1997 e comemora este ano 50 anos (1965-2015). A cerimónia de entrega dos prémios de 2015 decorreu na emblemática Sala do Senado da Assembleia da República no dia 29 de Maio de 2015, tendo sido atribuídos prémios em 26 categorias e várias menções honrosas. A lista de todos os premiados está disponível em: http://bit.ly/1HBQOo3.

A MIDAS é uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. Foi fundada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Tem até ao momento quatro números publicados (desde 2013): http://midas.revues.org.

Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas – até 15 de Novembro

Imagem com plano de exposição, onde se vê pessoa de costas lendo


Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada de artigos aberta para o 5.º número. Além das secções habituais da revista, este número inclui o dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, que conta com a coordenação de Pedro Casaleiro, co-editor da MIDAS e mais dois editores convidados: a professora e investigadora Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa) e o artista e professor Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

O prazo para envio dos textos (artigos, recensões, pequenos artigos, etc.) foi adiado de 31 de Outubro para 15 de Novembro de 2014. O email de contacto é: revistamidas@gmail.com.

Mais informações no website da revista MIDAS.

****

Dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

Temas a desenvolver

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

– as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

– o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

– o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

Editores convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Imagem com plano de exposição, onde se vê pessoa de costas lendo


Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de lançar chamada para artigos para o 5.º número. Além das secções habituais da revista, este número inclui o dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, que conta com a coordenação de Pedro Casaleiro, co-editor da MIDAS e mais dois editores convidados: a professora e investigadora Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa) e o artista e professor Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2014 para revistamidas@gmail.com.

Mais informações no website da revista MIDAS.

****

Dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

Temas a desenvolver

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

– as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

– o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

– o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

Editores convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

Museus e participação biográfica

Maria Acaso no Porto (Museus participativos: questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos) 2012 © Ana Carvalho

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de lançar um novo apelo para artigos para o 3.º número. Após dois números não temáticos publicados recentemente, a revista passará a adoptar um formato hibrído. Ou seja, além de continuar a ter uma secção de artigos que não estão subordinados a uma temática específica, passará a ter em cada número uma secção temática. Estes dossiers temáticos poderão ser da responsabilidade de editores convidados, como é o caso do próximo dossier. O objectivo é dar espaço a um leque diversificado de vozes e actores na investigação e prática museológica, e estabelecer pontes de reflexividade crítica no universo dos países de língua portuguesa e espanhola.

Assim, para o 3.º número da MIDAS os editores desafiaram a espanhola Maria Acaso (Universidade Complutense de Madrid) a definir um tema que reflectisse sobre as dinâmicas actuais de pesquisa na área da educação aplicada aos museus. A ideia do próximo dossier temático encontra-se espelhada no título escolhido por Maria Acaso e Andrea de Pascual (que também colabora como editora neste dossier) – “Museus e participação biográfica: introduzindo a dimensão pessoal como alternativa à abordagem hegemónica”. O enquadramento temático e respectivos tópicos do call for papers podem ser encontrados no blogue da MIDAS, bem como outras indicações sobre como submeter propostas de textos.

Alguns poderão já conhecer o trabalho de Maria Acaso, que já foi convidada a participar em conferências tanto no Porto, no âmbito da conferência “Museus Participativos: Questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos” (7 de Maio 2012) com a comunicação “rEDUvolucion nos museus?”, como em Lisboa a propósito do encontro “Em Nome das Artes ou em Nome dos Públicos” (12-14 Nov. 2012). Para os que não estão familiarizados com o seu trabalho podem consultar online o livro coordenado pela investigadora em 2011: Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España e podem segui-la no blogue mariaacaso.es, onde encontrarão muita informação.

****

Maria Acaso (mariacacaso.es) é professora titular de Educação Artística e directora da linha de investigação sobre Educação em Museus de Artes Visuais na Faculdade de Belas Artes da Universidade Complutense de Madrid. Na qualidade de especialista neste tema tem participado como investigadora convidada no Museu Getty, desenvolveu projectos em diversas organizações culturais como Matadero Madrid e desenhou programas de formação de educadoras para Manifesta 8 e Fundación Telefónica España. Tem sido conferencista convidada em diferentes instituições na Colômbia, Noruega e Portugal. Coordenou o livro Perspectivas. Situación actual de la educación en los museos de artes visuales en España (Ariel, 2011).

Andrea De Pascual é licenciada em Pedagogia e especializada em educação artística. Trabalhou como educadora no Museo Thyssen Bornemisza (Madrid) e coordenou projectos educativos no Círculo de Bellas Artes de Madrid. Colabora em diversos projectos educativos em instituições culturais e museus como o Centro Cultural Matadero Madrid ou o Brooklyn Museum (NYC). Publicou artigos no campo da arte e da educação e é membro activo do grupo Pedagogías Invisibles (pedagogiasinvisibles.com). É atualmente bolseira Fulbrigth na New York University, departamento de Art Education de Steinhardt School of Culture, Education, and Human Development e está a escrever a tese intitulada El museo rizomático: estrategias para la resignificación del público como productor cultural.

Revista MIDAS, n.º 2

"Modo de Emprego #1" © Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012 Arranjo gráfico: Elisa Noronha

Modo de Emprego #1
© Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

O segundo número da revista MIDAS está disponível aqui: http://midas.revues.org

 

****

EDITORIAL

Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

O Museu como um instrumento de reflexão social
Genoveva Oliveira

Museu, Comunidade e Património Cultural Imaterial: um estudo de caso – o Museu da Terra de Miranda
Celina Bárbaro Pinto

Reproductibilidad y educación. El “Museu de Arte do Espírito Santo”
Renata Ribeiro dos Santos

As passagens do sagrado: da mercadoria ao ex-voto no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida/Brasil
Bianca Gonçalves de Souza e Eduardo Ismael Murguia

El Museo Itinerante del Barrio de la Refinería: renovación museológica, memoria popular e identidad vecinal en Rosario (Argentina)
Horacio Miguel Hernán Zapata, Leonardo C. Simonetta e María Liz Mansilla

A inclusão social tem influência nas práticas museais? O acesso dos públicos com deficiência
Patrícia Roque Martins

Modos de Ver e de Dar a Ver os Painéis de S.Vicente
Paula André, Luís Louzã Henriques, Luísa Isabel Martinho, Sónia Apolinário e Rui Reis Costa

NOTAÇÕES

Sobre um “Monstro bicorpóreo” Eborense do século XVIII
Luís Ceríaco

Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal. Um projeto, muitos projetos…
Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira

RECENSÕES CRÍTICAS

Ana Carvalho
Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology.

Elsa Peralta
Cabral, Clara Bertrand. 2011. Património Cultural Imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos. Lisboa: Edições 70.

Ana Botas
Carvalho, Ana. 2011. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para ao desenvolvimento de boas práticas. Lisboa: Colibri, Universidade de Évora.

Irene Vaquinhas
Mendes, José Maria Amado. 2009. Museus e Educação. Estudos, Humanidades. Colecção Estudos do Património. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Pierre Mounier e os novos paradigmas da edição electrónica em acesso livre

Pierre Mounier

Pierre Mounier, Institut Français, Lisboa, 11 Março 2013                    Foto: Ana Carvalho

O francês Pierre Mounier (Centro para a Edição Electrónica Aberta – Cleo) esteve em Lisboa para falar de edição electrónica em acesso livre. Hoje os meios tradicionais de edição são confrontados com novas formas de divulgação e de uma maneira geral com uma mudança de paradigma à qual importa dar uma resposta. Ou seja, serão necessários reajustamentos às formas tradicionais de trabalhar com a edição de livros e com as publicações de uma forma geral. Mounier sublinhou grande parte dos problemas que afecta esta área, enquadrando teoricamente a discussão sobre o tema1. E falou de tendências como a “google generation”; a “tirania do impacto” das revistas científicas, e de um conjunto de ameaças ao sector livreiro, à edição, às bibliotecas…Entre as ameaças, por exemplo o aparecimento de outras formas de publicar através da internet: “Open Archiving”, blogues, Wikipédia e afins, Amazon, etc.

Num primeiro momento da apresentação de Mounier somos levados a crer que diante das ameaças à edição na sua forma tradicional a questão coloca-se: pode o livro acabar? Apesar da revolução que o universo da internet e de uma maneira geral as novas tecnologias proporcionam, o futuro ainda é dos livros, talvez não da forma como a temos conhecido, ou seja, a forma material como o livro se tem apresentado está a mudar. O que Mounier demonstrou foi a existência de novos padrões, apesar de permanecerem os espaços de conflito novas formas emergem.

E num ambiente que parece à partida hostil às tradicionais formas de trabalhar surge também um conjunto de novas possibilidades de trabalhar com o livro através da edição electrónica em acesso livre. Mounier deu vários exemplos no universo académico: Open Book Publishers (publicação de livros académicos em acesso aberto, com arbitragem científica; Reino Unido, desde 2008); Open Humanities Press (plataforma internacional em acesso aberto na área da teoria cultural, com vários jornais e colecções de livros, com arbitragem científica, desde 2008); Open Library Humanities (plataforma em acesso aberto no âmbito das ciências sociais e humanas, 2013); De Gruyter Open Acess (difusão de livros e outros conteúdos); Knowledge Unlatched (livros académicos); e o recém criado OpenEdition Books, uma plataforma de publicação de livros a acrescentar às já existentes no âmbito do projecto francês OpenEdition: revues.org (desde 1999), Calenda (desde 2000) e Hypotheses.org (desde 2008)2) (Em Portugal, existe já a LusOpenEdition que concentra as 3 plataformas referidas). Estes exemplos seguem, de certo modo, a tradição de edição e selecção científica, mas o modelo é transposto para o mundo digital.

Um outro exemplo referido foi Unglue.it, que através de crowdsourcing qualquer pessoa pode ajudar a publicar um ebook. Pensando no mundo dos museus, os exemplos deste tipo de estratégia já serão vários, mas recordo o caso recente do livro digital “Reprograme: Comunicação Branding e Cultura numa nova era de Museus” (coord. Luis Marcelo Mendes, 2012), em português e inglês, que foi editado também por via de crowdsourcing.  Isto demonstra um pouco aquilo que a internet pode viabilizar. E neste sentido também, Mounier sublinhou a possibilidade de uma outra dimensão, a webification do livro, ou seja, a possibilidade do livro ganhar uma outra dimensão, por exemplo com a interacção dos leitores e a possibilidade de introdução de comentários. Nessa linha Mounier deu como exemplo a iniciativa Textus, que permite que estudantes e professores partilhem textos e trabalhem de forma colaborativa através desta plataforma.

Há, por outro lado, textos que ganham uma outra vida na internet, textos vários que são reunidos em livro como no projecto “Living Books about Life“. Um outro exemplo é Pressforward, que através da “Digital Humanities Now” recolhe textos dispersos na internet (em blogues por exemplo), com o crivo de editores científicos para compor números temáticos de um jornal digital. Além disso, já não são raras as vezes que textos na internet, como no caso dos textos de autor em blogues dão origem a livros impressos. Lembro, no caso dos museus, o livro de Maria Vlachou “Musing on Culture” (Bypass Editions, 2013) que nasceu do blogue com o mesmo nome (veja-se texto sobre o livro aqui).

E o que pode tudo isto interessar ao mundo dos museus? Na verdade, estas preocupações não são indiferentes ao campo da museologia: as publicações vão crescendo (livros, catálogos, etc.), os formatos  já existentes de divulgação (revistas, boletins, etc.) também se vão transformando. Por exemplo no caso da MIDAS, uma nova revista de museologia com base em Portugal, as questões do acesso aberto e da sustentabilidade foram equacionadas já neste contexto de adaptação.

Por outro lado, há toda uma discussão mais alargada sobre as novas tecnologias e o potencial da internet na relação com os públicos que os museus não devem ignorar. Alguns dos tópicos enunciados por Mounier ao nível da transformação dos hábitos de consumo da cultura, sobre a forma como se acede à cultura, que também passa pela internet e pelo aparecimento de novos suportes, também são aspectos que devem interessar aos museus. Nesse sentido, museus e os profissionais da cultura em geral devem envolver-se e participar na discussão se pretendem desenvolver práticas relevantes na sociedade actual e sobretudo se pretendem comunicar para uma geração que acede à cultura de uma forma diferente das anteriores.

  1. Alguns estudos foram citados: Donnat, Olivier (2009). Les pratiques culturelles des Français à l’ère numérique: Éléments de synthèse 1997-2008 (resumo do estudo). Paris: Ministère de la Culture et Communication. Disponível em: http://www.pratiquesculturelles.culture.gouv.fr/doc/08synthese.pdf; Carr, Nicholas (June 2008). Is google making us stoopid. In The Atlantic. []
  2. Hypotheses.org é uma plataforma de blogues francesa (agora também em Portugal aqui) que agrega blogues de investigadores no âmbito das ciências sociais e humanas. Muitos dos blogues pertencentes a esta plataforma têm a atribuição de ISSN depois de serem considerados relevantes do ponto de vista dos conteúdos produzidos por um comité científico (cf. texto sobre tema aqui []

Call for Papers: MIDAS – Museus e estudos interdisciplinares

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está a aceitar artigos e recensões para o 1.º número que será publicado no último trimestre de 2012. O data limite é já dia 31 de março.

MIDAS é uma nova revista dedicada aos museus. É digital e semestral. Sobre a missão, gestão editorial e comité científico da revista consulte o site:http://revistamidas.hypotheses.org/) ou a página no facebook: https://www.facebook.com/revistamidas

Este “call for papers” não é temático. A revista aceita artigos que favoreçam a abordagem interdisciplinar e a problematização de temas no contexto do mundo dos museus, incluindo os seguintes domínios: Teoria dos Museus; Museus na Sociedade; Gestão de Museus; Conservação; Estudos de Públicos, Comunicação e Mediação; Políticas e Práticas de Exposição; Museus e Patrimónios; Novas Tecnologias; Arquitetura de Museus; História de Museus/Coleções; e Gestão de Coleções.

Submissão de artigos:
– português, espanhol, francês e inglês
– até 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12
– Sistema Autor-Data do “Chicago Manual of Style”

Submissão de recensões:
– em português, espanhol, francês ou inglês
– publicações nacionais e internacionais (menos de 2 anos); e exposições
– até as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12

Mais informação sobre as normas de publicação aqui: http://revistamidas.hypotheses.org/normas-de-publicacao

Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

Para o primeiro número lançou-se uma chamada de artigos, aberta até 31 de Março de 2012. Este número não é temático, sendo possível submeter artigos nas várias áreas de investigação da museologia.

Sobre a revista:

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais).

A revista é da responsabilidade editorial de Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA-Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

A revista tem também um Comité Científico, constituído por vários especialistas de reconhecido mérito nas mais diversas áreas de investigação da museologia. Cabe ao Comité Científico assegurar a arbitragem científica dos artigos, o que pressupõe que todos os artigos submetidos são analisados de forma anónima (pelo menos por 2 revisores).

Para a submissão de artigos tenha em conta as seguintes recomendações:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style
(Ler mais sobre as normas de publicação aqui)

 

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e as normas de publicação consulte: www.revistamidas.hypotheses.org