Arquivo de etiquetas: museografia

Novo livro dedicado à museografia dos museus de história natural

Imagem de capa do livro biodiversidade musealizada em que se vê ao centro uma fotografia a preto e branco de uma instalação

Biodiversidade Musealizada – Formas que comunicam é o mais recente livro da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. É o 22.º volume desta Coleção.

O livro resulta da tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização em Museologia, de Mariana Galera Soler, apresentada à Universidade de Évora em 2019 (orientação de Maria Fátima Nunes e Margaret Lopes).

O lançamento é no dia 27 de Abril de 2022, pelas 18h00, no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora. O livro será apresentado por Sara Albuquerque, investigadora de história da ciência da Universidade de Évora.

A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, continuando a alargar os horizontes das investigações incidentes em museus e em museologia sob diferentes visões temáticas e autorais. Esta coleção veio enriquecer o panorama editorial da área museológica em Portugal, constituindo hoje um corpus bibliográfico essencial para as pesquisas em estudos de museus, abarcando temas muito variados desde a história dos museus e das exposições, o colecionismo, a museografia, até à mediação digital, a educação e a museologia biográfica, entre outros.

Sinopse

O livro incide sobre a museografia de museus de história natural e de museus científicos como meio de registo de práticas científicas e museológicas. A autora utilizou o conceito de biodiversidade num tempo de preocupações com a perda de habitats naturais e com o esgotamento dos recursos, partindo de uma pergunta para a análise de exposições: é possível musealizar a biodiversidade? Concluiu que vemos a biodiversidade sob a lente dos investigadores que compõem as equipas dos museus e sob as suas áreas de especialização. Verificou que, como visitantes, somos convidados a ser espectadores da natureza. Contudo, como não somos sábios, como os profissionais que fazem as seleções e as ordenações dos acervos que estão presentes nas exposições, cabe-nos contemplar séries de “coisas” que têm “lições” pré-definidas para nos contar.

Sobre a autora

Mariana Galera Soler é licenciada em Ciências Biológicas e mestre em Museologia, com ambos os títulos obtidos na Universidade de São Paulo. A tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, com especialização em Museologia, foi obtida na Universidade de Évora, resultando esta obra do desenvolvimento da tese. A autora possui mais de uma década de experiência profissional em museus científicos brasileiros e desde 2017 colabora em projetos em parceria com instituições portuguesas. Atualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea – Polo da Universidade de Évora e é gestora de comunicação do Centro Interdisciplinar de História, Cultura e Sociedade (CIDEHUS) desta universidade.

Sobre a apresentadora do livro

Sara Albuquerque é investigadora em História da Ciência no IHC-FCSH-NOVA-Pólo da Universidade de Évora. Trabalhou anteriormente como investigadora de pós-doutoramento na mesma unidade de investigação, no Museu de História Natural de Londres e no Royal Botanic Gardens, Kew. Enquanto na RBG, Kew obteve “Collaborative Doctoral Award” e concluiu o seu doutoramento em História da Ciência no Birkbeck College, University of London em 2013. É “Honorary Research Associate” (RBG, Kew) e membro da Linnean Society of London. Tem especial interesse em história da ciência, coleções de história natural, museologia, cultura material, botânica, botânica económica, etnobotânica, exposições mundiais, expedições (século XIX) e encontros transculturais.

Índice

9  | INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – A DIVERSIDADE NORMALIZADA: PADRÕES MUSEOGRÁFICOS DE MUSEUS DE HISTÓRIA NATURAL

21 | “Infinitas formas de grande beleza” inseridas em categorias

22  | Principais referenciais

28 | Formas de organizar acervos e discursos: padrões museográficos

32 | Padrão museográfico: Centrado em Objetos

62 | Padrão museográfico: Centrado numa Narrativa

101 | Padrão museográfico: Espetacular

119 | Padrão museográfico: Retorno à Curiosidade

139 | Exposições e padrões museográficos: outras interpretações

CAPÍTULO II – ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES: MUSEOGRAFIA CATEGORIZADA POR PADRÕES

145 | Métodos de investigação

147 | Estudos de caso: descrição de exposições e enquadramento nos diferentes padrões museográficos

CAPÍTULO III – ENQUADRAMENTO EM PADRÃO MUSEOGRÁFICO (EPM): NÚMEROS QUE AJUDAM A EXPLICAR PADRÕES

210  | Discussão dos Padrões Identificados

249 | Entre padrões: aproximações e distanciamentos entre realidade observada, documentos e entrevistas

261 | Considerações finais

269 | Ferramenta de análise

287 | Fichas técnicas

295 | Notas

303 | Referências

313 | Índice remissivo

315 |Siglas e abreviaturas

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Ana Carvalho, Marta C. Lourenço e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Os públicos no coração do museu: entrevista com Sara Barriga Brighenti

Sara Barriga Brighenti, 5 de Setembro de 2016, Museu do Dinheiro. Fotografia de Ana Carvalho.

Sara Barriga Brighenti, Museu do Dinheiro. Fotografia de Ana Carvalho

Os públicos estão em primeiro lugar, diz-nos Sara Barriga Brighenti, coordenadora do recém-inaugurado Museu do Dinheiro (Lisboa). Esta afirmação pode parecer óbvia, mas nem sempre a conseguimos ver concretizada na maioria dos museus. Em visita guiada ao Museu do Dinheiro, Brighenti falou-nos dos desafios de programar um museu tendo em mente a perspectiva do visitante. Texto de Ana Carvalho

O novo Museu do Dinheiro foi inaugurado no passado dia 20 de Abril de 2016. Localiza-se num dos mais importantes quarteirões da baixa pombalina, junto à praça do município em Lisboa. A grande imponência e monumentalidade do quarteirão é inequívoca, encabeçada pela antiga Igreja de S. Julião, que marca a entrada para o museu. Também não é por acaso que neste faustoso bloco de edifícios esteja sedeado o Banco de Portugal, entidade que tutela o museu e que fez nascer este grande projecto museológico.

Quando em 2013 visitei a Igreja de S. Julião para assistir a uma apresentação do futuro projecto do Museu do Dinheiro estávamos em plena crise económica: fábricas e empresas a fechar em catadupa. Sentia-me dividida. Como cidadã pensava nas assimetrias do país e nas dificuldades das famílias. O confronto com a ideia de um projecto como o Museu do Dinheiro parecia-me no mínimo provocadora. Por outro lado, enquanto profissional, ver concretizado o projecto de recuperação da Igreja de S. Julião, e pela exemplaridade do processo, fez-me sentir orgulhosa do nosso património, da nossa história que ali sobressaía e ganhava uma nova vida.

Ultrapassados eventuais preconceitos iniciais, a visita ao Museu do Dinheiro é uma verdadeira caixa de surpresas e de descoberta. Vislumbramos o museu tal como é percepcionado por Sara Barriga Brighenti, coordenadora do museu: um espaço onde as pessoas se sentem seguras e se sentem bem, um espaço de curiosidade e descoberta, um museu vivo, dinâmico e feliz.

Museu do Dinheiro

Fotografia do Museu do Dinheiro

Afinal, o que é o dinheiro?

É esta a pergunta que o museu procura responder ao longo da sua exposição permanente. A história do dinheiro e da banca é apresentada através de uma viagem no tempo e no espaço, e onde as novas tecnologias proporcionam ferramentas e espaços de interactividade aos visitantes.

Muito mais do que dinheiro

Desengane-se quem pensa que no Museu do Dinheiro apenas vai encontrar colecções de numismática. É isso, mas também um leque mais lato de objectos que são introduzidos para nos ajudar a compreender o universo temático do dinheiro.

Por outro lado, o Museu do Dinheiro inclui ainda outras valências decorrentes das características do edifício onde está instalado e da sua localização no coração da cidade. A nave da antiga Igreja de S. Julião é por si só motivo de visita do ponto de vista arquitectónico, assim como o troço da muralha de D. Dinis (séc. XIII), cujos vestígios foram encontrados durante as obras de requalificação do edifício e deram origem a um núcleo de interpretação, aberto ao público desde 2014. A Arqueologia prevalece, assim, como um dos eixos de trabalho do museu e da programação que é desenvolvida. Só em termos de cerâmica foram encontrados cerca de 230 000 fragmentos durante as escavações arqueológicas, explica a coordenadora do museu.

Uma outra vertente do que podemos encontrar no museu tem a ver com o mundo da arte. O museu contempla programação nesta área, encomendando obras a artistas contemporâneos portugueses (de diferentes gerações) e que são pensadas especificamente para este museu. «Pretende-se um olhar crítico dos artistas sobre o que está no museu», sublinha Sara Barriga Brighenti.

Museu do Dinheiro

Fotografia de Ana Carvalho

Do serviço educativo para a coordenação de um museu

Geralmente vemos à frente dos museus especialistas de reconhecido mérito em determinada área disciplinar dos museus que gerem. Se o museu é de história temos um historiador, se o museu é etnográfico temos um antropólogo, se o museu é de arqueologia, temos um arqueólogo¼ Este é o padrão dominante nos museus portugueses, salvo raras excepções. O caso do Museu do Dinheiro é uma dessas excepções. A escolha de um profissional para programar o Museu do Dinheiro que tivesse experiência na relação com os públicos não foi inusitada, mas assumidamente estratégica, tendo como objectivo a abertura do museu à sociedade. «Não fui eu que escolhi o museu, foi o museu que me escolheu», sublinha Sara Barriga Brighenti, referindo-se ao modo como o processo de selecção decorreu. Brighenti foi recrutada por uma empresa de head-hunting, um processo habitual no mundo empresarial, mas atípico no mundo dos museus, geralmente sujeitos às regras da contratação pública. «Quando fiz a primeira entrevista apenas sabia que era um museu relacionado com a banca». Estávamos em 2011. Brighenti foi depois contratada com o objectivo inicial de apoiar a instalação do museu ao nível da gestão do projecto. Ao fim de dois anos passou a coordenar o museu. O museu já tinha especialistas em numismática e nas áreas de estudo das colecções. «Percebi que o meu contributo podia ser ao nível das questões que têm mais a ver com a função social e educativa do museu. «Também me fui apaixonando pela colecção, em particular na relação com a História da Arte», confessa.

Sara Barriga Brighenti licenciou-se na área das Artes Plásticas – Escultura, é mestre em Artes Visuais e pós-graduada em Museologia. Foi professora no ensino secundário e universitário, e tem uma larga experiência na formação e consultadoria na área da educação em museus. Também desenvolveu trabalho ao nível da programação em teatro. Entre as suas experiências anteriores destaca-se o trabalho desenvolvido na Casa das Histórias – Paula Rego (Cascais), onde coordenou o serviço educativo. Como explica, «vir da área dos públicos, da comunicação e da programação foi positivo porque contribuiu para que tivesse uma visão mais holística do museu».

Museu do Dinheiro

Fotografia do Museu do Dinheiro

Os públicos no coração do museu

A ideia de que os públicos estão em primeiro lugar é um lugar comum no mundo dos museus, muito embora não raras vezes esvaziado de sentido. No caso do Museu do Dinheiro, em que se traduz efectivamente a ideia de ter os públicos em primeiro lugar? A resposta ocorre em diferentes níveis da concepção de um museu e da sua programação. Exige um investimento continuado e uma visão integradora no contexto de uma Museologia que se pretende contemporânea. Foi isso que transpareceu na visão de Sara Barriga Brighenti sobre o Museu do Dinheiro, a começar com a instalação do museu propriamente dito. «É olhar para todo o espaço e pensar – aqui as pessoas vão sentir-se bem? Este é um espaço ideal para transmitir estes conteúdos? Este tipo de linguagem é acessível? Há espaço para descansar? Está à altura de todos os visitantes? O som é uma ferramenta útil ou vai criar distracção? São perguntas que durante a instalação do museu foi importante que as colocássemos porque senão faríamos um museu para nós e não para a diversidade de públicos». E acrescenta: «O meu papel foi fazer de advogado dos públicos». Por outro lado, esta visão incide também sobre a relação com os objectos e a forma como são usados na narrativa. «Quem está numa linha da Museologia mais contemporânea olha sempre para o objecto como uma forma para passar conhecimento. Porque é que aquele objecto vai ser relevante na vida de alguém? Tendo isso em mente fez com que nos preocupássemos não só na maneira como apresentamos o objecto, mas também pensar que esse objecto é importante porque é um repositório de conhecimento e não apenas pelas suas características formais. O objecto é relevante porque evoca algo que é importante. O que o visitante leva é sobretudo uma história para contar, o visitante não leva o objecto com ele. E isso é para mim essencial na forma como vejo o museu», sublinha Sara Barriga Brighenti.

A relação dos públicos passa também por incluir as suas vozes dentro do museu. No Museu do Dinheiro também «há espaço para outras manifestações» para além da voz do artista, do historiador, do investigador ou do objecto, como realçou referindo-se à exposição temporária Desenhar o Futuro que esteve patente na nave da antiga igreja de S. Julião apresentando a visão de um grupo de jovens sobre o futuro.

O trabalho de escuta relativamente aos visitantes é outro aspecto essencial para a coordenadora do museu, ao reconhecer que «há sempre margem para melhorar». Esse foi o caso da nova sinalética que estava a ser aplicada no momento da nossa visita, com vista a complementar a já existente, uma vez que se verificou que não garantia que os visitantes não se perdessem no edifício.

A opção por entradas pagas nos museus está geralmente muito associada à possibilidade de gerar receitas, consideradas recursos essenciais para a sustentabilidade dos mesmos. No caso do Museu do Dinheiro, a opção por entradas gratuitas é uma questão estratégia para a captação de públicos. As razões são várias, como nos explica Brighenti. Uma delas é a barreira psicológica, trata-se de um museu com uma forte presença de segurança que pode ser intimidativa. Por outro lado, pela barreira económica. Sendo um museu que dificilmente se conhece numa só visita, a entrada livre permite explorar o museu e a sua programação em diversas ocasiões e a diferentes ritmos.

Museu do Dinheiro

Fotografia do Museu do Dinheiro

Uma função social para o museu

O Museu do Dinheiro assume ainda uma função social no contexto da cidadania activa, mais concretamente ao nível da literacia financeira. Os desafios para os próximos anos passam por criar mais áreas expositivas que explorem esta dimensão. Neste sentido, este é um museu inacabado, como nos adianta. Por outro lado, estas questões serão fundamentais nos próximos anos, em que se antevê um maior aprofundamento deste trabalho fora do museu junto de diferentes comunidades (escolas, associações, etc.).

Museu do Dinheiro

– Tutela: Banco de Portugal

– Museu de empresa

– Design/museografia: Atelier Francisco Providência

– Projecto de arquitectura: Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão

– Instalação do museu: equipa pluridisciplinar, fornecedores e recursos nacionais

– Área: 2000 metros quadrados de exposição

– 1 200 objectos em exposição

– Colecção total: 54 000 objectos

– Equipa-base do museu: 8 pessoas. Alguns serviços em sistema de outsourcing (frente de casa, conservação, etc.)

– Entrada gratuita

– Aberto de quarta-feira a sábado, das 10h às 18h

****

[Texto publicado originalmente: Carvalho, Ana. 2016. “Museus & Pessoas: Sara Barriga Brighenti.” Boletim ICOM Portugal, série III, 7 (Setembro): 35-38. http://hdl.handle.net/10174/19116]