Arquivo de etiquetas: museologia

Conferência sobre museus e responsabilidade social

A conferência “Museums and Social Responsibility – what’s next?” realiza-se na Eslovénia, em formato online, no dia 23 e 24 de Setembro de 2021.

Inscrição gratuita: https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=ndvUs-JXrUGT_aCmhfGFzJVVSIDM4iRHt3ROZbHOIOtUOElYVUxWSkVYWjFGVUJZU0RKSFJaMkVOQS4u

Mais informações: http://museums.si/en-us/Home/Sms-Conference

As part of the Slovenian presidency of the EU Council, the Slovenian Museum Association is organising an online conference, Museums and Social Responsibility – What’s Next?, which will be held on 23 and 24 September 2021.
This is the third in a series of conferences that have been organised by Germany, Portugal and Slovenia within their presidency of the EU council. Their shared theme was Museums and Social Responsibility.

The first conference was organised by the Network of European Museum Associations (NEMO) on 17 and 18 September; the second one was held in Portugal on 23 and 24 March 2021 and organised by the Directorate-General for Cultural Heritage of the Portuguese Ministry of Culture.

The conference organised by the Slovenian Museum Association is based on the belief that almost all our problems originate in social issues. To understand the deterioration of the world around us, it is crucial to have a thorough knowledge of issues of contemporary society. Various conflicts – gender, race, economy, ethnicity, religion and culture – are also the foundations of environmental deterioration. The future of society and museums depends on acknowledging these issues and seeking solutions. Thus, our speakers from various countries including the USA, Canada and Australia will address a number of topics and discuss social ecology, ecologically aware museums, the use of technology in museums, and the changes brought to the world through the use of technology. The internationally acclaimed speakers are experts in the fields of ecology and museums, integration of Agenda 2030 in the operation of museums, ethics and consideration of changes in museums which will assume a major role in contemporary society.

The international museum community will be pondering its relations with the changing society, its role in the contemporary world, the role of museums in solving ecological issues, and the role of technology in museums that are willing and ready to change the world around them. From activism to education.

The conference will be held in English.

Os museus e o digital: o lugar das políticas públicas

na imagem vê-se uma mesa digital

*O texto que se segue foi publicado na revista Inverso (n.º 3, Jun. pp. 8-13): https://www.uevora.pt/ue-media/Revista-Inverso/Inverso-n1-3

***

O “digital”, esse termo abstracto e poroso que usamos aqui para nos referirmos a tudo o que é mediado por tecnologias digitais, plataformas e serviços (ex. apps, websites, smartphones, sistemas e software, etc.), tornou-se ferramenta ainda mais omnipresente nas nossas vidas. Antes da crise pandémica já comungávamos dessas ferramentas, que em muitos aspectos nos facilitavam a vida. O que mudou foi a forma, diria até invasiva, com que nos transportou de forma dominante e avassaladora para o universo digital, à força das circunstâncias. Se antes o digital era algo que se acenava como possibilidade de ampliar ou complementar as formas tradicionais de fazer, com incursões pontuais, por vezes mais distantes, tidas como acessórias ou secundárias, hoje tem o palco principal. Mas com isso, e falo pela minha própria experiência, como investigadora, como museóloga, como professora, como mãe, veio um cansaço extremo e a saturação, pois tudo o que é excessivo desequilibra.

Ainda ecoam em mim as palavras do Professor José Alberto Machado, quando a propósito da comemoração do Dia das Ciências Sociais na Universidade de Évora, a 12 de Março, lembrou “o digital não tem limites, mas também é uma limitação”. E é nesse balanço, entre o que é essencial e o que não é essencial, entre perdas e ganhos, que deve recair a nossa atenção, esse exercício crítico que nos deve acompanhar em permanência sobre o lugar que queremos dar às tecnologias, evitando cair em apressadas simplificações ou olhares estritamente benevolentes ou puramente antagonistas.

O meu olhar para as tecnologias digitais veio primeiro da experiência informal, como ferramenta de comunicação. Há quase 15 anos, tendo acabado de fazer o mestrado em museologia, percebia a importância da comunicação e a ausência de divulgação no mundo dos museus. Resolvi criar um blogue – “o mundo dos museus”. Ainda hoje o mantenho pelo interesse que continua a suscitar e pelas redes que potencia. Depois como investigadora, percebi que não bastava pesquisar, escrever e produzir conhecimento, era preciso disseminar para além dos canais tradicionais, de forma múltipla e informal, incluindo a redes sociais. Os impactos destas formas de comunicação são quase sempre imprevisíveis, mas tangíveis, de uma forma ou de outra.

Mas foi a partir de 2016, num contexto mais estruturado de investigação que me aproximei da reflexão em torno do universo das tecnologias e da sua aplicação nos museus no sentido de analisar a forma como o desenvolvimento de tecnologias influencia os museus e as suas formas de trabalho. Esta linha de investigação foi desenvolvida com o convite para participar no projecto internacional Mu.SA – Museum Sector Alliance, entre 2016 e 2020. A investigação teve como ponto de partida reflectir sobre o papel dos museus na sociedade digital, considerando as necessidades e os desafios da transformação digital. A investigação desenvolveu-se a partir de uma análise comparativa em três países do Sul da Europa: Portugal, Grécia e Itália, e no contexto de um consórcio internacional liderado pela Hellenic Open University (Grécia), com financiamento europeu (Erasmus +, Sector Skills Alliance). Como sempre, os resultados da investigação apontaram para a necessidade de ultrapassar desafios, que são, como não poderiam deixar de ser, múltiplos, e, com frequência, transversais e partilhados. O reporte para o caso português apontou respostas limitadas e pouco estruturadas dos museus relativamente à comunicação digital, que resultam, por sua vez, de um quadro de escassez – de recursos humanos e financeiros, infraestruturas tecnológicas e técnicas, em grande medida, obsoletas e insuficientes – da ausência de visão e de uma política museológica consistente.

Entre 2020 e 2021, as medidas para combater a crise pandémica levaram ao encerramento de muitos museus, um pouco por todo o mundo. Desde logo, os relatórios produzidos pela UNESCO (Museums Around the World in the Face of Covid-19, Maio 2020) e pela NEMO – Network of European Museums Organisations (Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Report, Maio 2020), entre outros, sublinhavam, de modo global, a forma reactiva como os museus responderam com actividades no espaço digital, com consequente incremento das visitas online. No entanto, a crise pôs a descoberto muitas das desigualdades entre os museus, acentuando a percepção mais imediata das suas fragilidades e carências. Como sugerem os já citados relatórios da UNESCO e da NEMO, os museus menos equipados (recursos humanos e financeiros, infraestruturas, competências) tiveram menor capacidade de reação e de actuação. Quanto à realidade portuguesa, e no cenário pré-crise, a investigação desenvolvida no âmbito do projecto Mu.SA já evidenciava que a relação dos museus com o digital era, de um modo geral, insuficiente, exigindo conhecimentos e recursos que não existem ou são claramente limitados. A crise veio acentuar estes constrangimentos de partida.

Em 2019 fui chamada a participar no Grupo de Projecto “Museus no Futuro”, uma iniciativa do Ministério da Cultura (Resolução do Conselho de Ministros n.º 35/2019, de 18 de fevereiro). Ensaiando uma iniciativa inédita, o Grupo foi criado para propor recomendações que pudessem ser vertidas em medidas de política pública no horizonte temporal 2030, considerando a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus e do património na sociedade. De cerca de um ano e meio de trabalho resultou o relatório “Museus no Futuro”, coordenado por Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural), que foi entregue à Ministra da Cultura em Novembro de 2020. Amplamente participado pela comunidade de profissionais de museus, este Relatório debruçou-se sobre o universo de 37 museus, palácios e monumentos sob a alçada da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções-Regionais de Cultura. Com base num diagnóstico deste panorama, propõem-se 50 recomendações em torno de cinco eixos temáticos: gestão, redes e parcerias, gestão de colecções, públicos e mediação, incluindo a transformação digital.

As recomendações para a transformação digital assentam sobretudo na necessidade de ampliar a capacidade de adaptação dos museus a condições mais atualizadas e exigentes, em que também se reconhecem maiores expectativas por parte dos públicos. As recomendações concentram-se em torno de quatro pilares interdependentes: o fortalecimento das infraestruturas e da capacidade digital; a aposta na digitalização das colecções e na promoção do acesso; o reforço de parcerias com outras entidades (como bibliotecas e empresas do sector das tecnologias de informação), incluindo centros de investigação no sentido da desejável transferência do conhecimento com aplicabilidade para os museus e para o património; e, por fim, mas não menos importante, a capacitação e a estratégia em sintonia com uma necessária mudança de mentalidades e de lideranças capazes de dar resposta a novos reptos.

Se a possibilidade de incrementar meios, recursos e parcerias para robustecer os serviços dos museus se consideram elementos fundamentais para alavancar a transformação digital, não menos essencial é a promoção do recrutamento e da capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências. A capacitação das lideranças e das equipas de museus é, nesse sentido, uma via privilegiada e fértil para instigar a mudança, no sentido de uma atitude mais informada, mais crítica e mais criativa, que possa, assim, estimular um pensamento mais estratégico sobre o lugar do digital nos museus e de que forma pode potenciar a missão de cada museu. É essa capacidade e reflexividade crítica que deve ser incentivada e alimentada. As recomendações a que aludimos não sugerem uma meta única, formatos ou fórmulas prescritivas aplicadas indiferenciadamente, mas, identificam pilares de mudança vertidos em medidas concretas que possam garantir que cada museu possa capacitar-se para desenvolver a sua estratégia e comprometer-se com a sua missão de serviço público. Não se trata de perseguir a introdução de tecnologias como um fim em sim mesmo, mas perspectivar as tecnologias, na miríade de formatos e linguagens que vão aparecendo, como possibilidades para que os museus possam expandir a sua relação e comunicação com os públicos, cativar e criar mais espaços de envolvimento e de participação. Isso implica um necessário e contínuo questionamento da inevitabilidade das tecnologias, do que se faz, porque se faz e com que objectivos, requer análise crítica e avaliação do que é essencial e o que não é essencial.

É urgente dar sentido às recomendações do Relatório “Museus no Futuro” por via de uma política pública que seja capaz de prover os meios e as condições para um desenvolvimento integrado e sustentado do tecido museológico do país. Face às conhecidas múltiplas carências infraestruturais (e confrangedoras) dos museus, é preciso garantir a correção das assimetrias, que só as políticas públicas podem ultrapassar. Mais do que a inevitabilidade da transformação digital, é preciso assertividade e exercício crítico, num tempo de finitos recursos. E se o Plano de Recuperação e Resiliência coloca uma das tónicas na “transição digital”, isso não nos deixa descansados, é preciso garantir que também os museus sejam contemplados na distribuição de recursos. Mas para além disso, que a aposta no digital possa ser de facto suporte para o que é essencial, com base num pensamento estratégico e estruturado, que permita, por sua vez, estimular o desenvolvimento dos museus.

Texto escrito de acordo com a antiga ortografia.

 

*Ana Carvalho é Investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e Professora de Museologia na Universidade de Évora. Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia e mestrado em Museologia. Membro do Grupo de Projecto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura com o objectivo de propor recomendações de política pública para o sector dos museus e do património. Investigadora no projecto internacional Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. Coordenou o Boletim do ICOM Portugal (2014-2018). Autora do blogue “No Mundo dos Museus”. A sua investigação tem-se centrado em temas do património, da história da museologia e da museologia contemporânea.

****

Mais leituras:

Camacho, Clara Frayão, ed. 2021. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. Direção-Geral do Património Cultural. Lisboa. http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf

Redes e parcerias colaborativas em prol da democracia cultural: entrevista com Paulo Pires do Vale

a imagem é uma fotografia a cores de Paulo Pires do Vale

Paulo Pires do Vale

Paulo Pires do Vale é, desde 2019, o Comissário do Plano Nacional das Artes (PNA). Nesta entrevista, sob o mote “Redes e Parcerias Colaborativas em Prol da Democracia CulturalTerritorializar, mobilizar, colaborar e indisciplinar: estratégias do Plano Nacional das Artes”, Paulo Pires do Vale fala da missão do PNA e faz um balanço dos dois primeiros anos. Problematiza as noções de democratização da cultura e de democracia cultural e como estas questões foram incorporadas no Plano, e fala da importância dos museus na estratégia do PNA, nomeadamente através de uma das medidas previstas – o Contrato do Impacto Social das Organizações Culturais.

A entrevista foi conduzida por Ana Carvalho. Realizou-se a 23 de Março de 2021, no Palácio Nacional da Ajuda, no âmbito da conferência “Museus e Responsabilidade Social – Participação, Redes e Parcerias” (23-24 Março), que foi organizada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no contexto da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, em parceria com a NEMO – Network of European Museum Organizations e a Associação Eslovena de Museus (Trio das Presidências).

A gravação da entrevista está disponível no YouTube e inclui língua gestual portuguesa: https://www.youtube.com/watch?v=QwVLlJE8Gyg [min. 3:12 ao min. 32:25]

ou em: https://www.facebook.com/patrimoniocultural.pt/videos/195522072003604/?locale=pt_PT [min. 4:18 ao min. 33:00]

Divulgamos aqui a transcrição da entrevista a Paulo Pires do Vale, editada para publicação neste blogue.

****

Ana Carvalho (AC) – O Plano Nacional das Artes (PNA) é uma feliz parceria entre o Ministério da Educação e o Ministério da Cultura, lançado em 2019, com um pensamento estratégico a dez anos. Para quem ainda não conhece o PNA, qual é a sua missão e que balanço é possível fazer?

Paulo Pires do Vale (PPV) – A missão do PNA corresponde em absoluto ao título e ao tema desta nossa conversa de hoje. O Plano tem, até por essa origem, os dois Ministérios como tutela, esse desejo de criar pontes, redes e parcerias. O Plano tem esse desejo de ser pontífice, de criar pontes entre a área da cultura, as instituições culturais e as escolas e outras instituições educativas, fazer este encontro, também no território, com as instituições com as quais estão relacionadas, ou seja, as câmaras municipais, as universidades e as empresas, sem esquecer o trabalho que podem fazer no sentido de patrocinar e financiar outras atividades artísticas.

O PNA nasce com o desejo de tornar mais acessível a cultura, as artes e o património aos cidadãos, em particular aos cidadãos em idade escolar. Diria que não o faz simplesmente porque fica bem sabermos mais sobre cultura, mas porque acredita no poder transformador das artes e do património na vida. Significa que as artes não servem para enfeitar, como diria a Sophia de Melo Breyner, e nós citamos, mas para transformar a realidade, para transformar a vida. Acreditamos também nessa máxima que T. S. Eliot sublinha: que a cultura é o que torna a vida digna de ser vivida. Nesse sentido, a construção de cada um, a compreensão de cada um, o conhecimento de cada um necessita desse depósito da humanidade que é o património, material e imaterial, essa construção contínua da humanidade e da sua identidade, que são as artes – quer as do passado, quer as contemporâneas, mas também a cultura popular, a cultura de massas e perceber e olhar para elas com um olhar crítico. A missão do Plano é poder cumprir a Constituição, que é dar e tornar visível e experienciável o direito à cultura na fruição cultural, mas também na criação cultural, é essa especificidade da nossa Constituição que queremos muito sublinhar. Ou seja, a cultura é um direito, não apenas a sermos espectadores e fruirmos, portanto, acedermos a ela, mas também no sentido de sermos produtores culturais.

A grande missão, o objectivo e a visão do PNA, aquilo que nós queremos daqui a dez anos, altura em que nos tornamos então dispensáveis, é essa responsabilização de cada um pelo horizonte cultural de todos. E nesse propósito o Plano dirige-se a todos, é para todos, tal como uma noção do antigo paradigma da democratização – a noção da cultura para todos. Mas hoje compreendemos que a cultura tem que se compreender no plural, temos de perceber a cultura como múltipla. Portanto, a cultura no plural tem de ser feita também com cada um e com a participação de cada um dos cidadãos.

AC – E que balanço?

PPV – O balanço desde dois anos do PNA, em que um deles foi vivido em pandemia, é positivo, ainda que o nosso desejo era que já tivéssemos resultados ainda melhores. Uma parte importante do trabalho que o Plano tem que fazer é de criar estrutura, esse trabalho de bastidores, de criar rede, de apresentar o Plano, de o dar a conhecer, mostrar as suas medidas aos diferentes actores nesta perspetiva sistémica de que estávamos a falar, é trabalhar com as escolas, um trabalho que não é sempre visível, é formar e preparar formação e dar depois a formação aos professores.

O trabalho do PNA foi possível realizar e avançar mesmo nestas condições difíceis. Adiantámos [algumas medidas] – e tivemos que correr em relação a algumas medidas que tínhamos pensado só para mais tarde – neste plano estratégico para os primeiros cinco anos e tivemos de as apresentar de forma mais imediata, como, por exemplo, os recursos educativos digitais, uma página com recursos educativos disponibilizada (https://www.pna.gov.pt/recursos-educativos/) para que os professores, os alunos e os pais pudessem servir-se dela durante o tempo da pandemia, principalmente quando as escolas fecharam depois de Março. Criámos esta página com 300 recursos quando esperávamos podê-la fazer com muito mais tempo. Portanto, tivemos em alguns casos que fazer sprints, noutros casos adiar. Percebemos que algumas das medidas que tínhamos pensado para os anos de 2021 e de 2022 fariam sentido só mais tarde. Por exemplo, uma das medidas com mais visibilidade e com muitos parceiros, que é a criação de uma bienal para trabalhar as questões da arte, da infância, da juventude, e que estava no nosso plano estratégico para começar em 2022 e vamos passá-la para 2023, porque os parceiros – os museus, os teatros – já tiveram de alterar a sua programação por causa dos adiamentos sucessivos e, por isso, tivemos também nós que nos adaptar.

Há medidas que avançaram como, por exemplo, as ações de formação para professores online – aquilo que chamamos a Academia do Plano Nacional das Artes (https://www.pna.gov.pt/academia-pna/), com propostas de formação que cruzam as artes, o património e a cultura com as diferentes disciplinas. Essa é outra das estratégias do Plano, é entrar na Escola não sob o ponto de vista disciplinar, como se a cultura fosse qualquer coisa de fora da vida ou à margem da existência, para mostrar que a cultura, as artes e o património fazem parte da vida, são parte integrante, neste caso também da vida da comunidade educativa, das diferentes disciplinas. Portanto, um professor de filosofia ou de matemática é agente de cultura como o professor de artes plásticas, visuais ou de música. Não quisemos nesta proposta estratégica criar uma disciplina à parte das outras, queremos que todas sejam um veículo de cultura. Por exemplo, a formação para professores parte desse ponto de vista, cruzando disciplinas, para que já na própria formação os diferentes professores percebam como podem trabalhar conteúdos que são culturais. Do mesmo modo, os recursos educativos de que falava há pouco também têm essa perspetiva transdisciplinar. O programa para as escolas chamámos-lhe “Indisciplinar a Escola”, não indisciplinar os alunos, mas indisciplinar a escola! “Indisciplinar a Escola” tem como base um “Projeto Cultural de Escola”, uma medida que, em termos de balanço, começámos em 2019 com 60 Agrupamentos de Escolas e, mesmo num ano de pandemia, mais do que duplicamos para o segundo ano e estamos neste momento a trabalhar com 150 Agrupamentos de Escolas, obviamente com as dificuldades que percebemos e que todos sentiram.

Ou seja, o grande propósito do PNA é deitar abaixo muros. Falava do muro das disciplinas, do muro entre as instituições culturais e as escolas, e não apenas entre as escolas e as instituições culturais. Muito facilmente, ao institucionalizarmos também criamos e levantamos muros, e ficamos contentes com o território que é o nosso, e o grande propósito é deitar abaixo e quebrar estes muros.

Com a pandemia sentimos que os muros se levantaram outra vez, as portas fecharam-se, o medo do Outro vir de fora era natural… Um dos passos que quisemos dar este ano foi o de sublinhar que se num primeiro momento a resposta era digital, – e o digital é fundamental para os museus, para os teatros, para as instituições culturais e para as escolas – temos de trabalhar aí e não voltar atrás. Por exemplo, um dos problemas que identificámos na página de recursos educativos do PNA foi descobrir bons recursos digitais em português porque as nossas instituições não estavam ainda muito habituadas a trabalhar o digital com autonomia, era um recurso só de comunicação e não com uma autonomia própria. Disponibilizamos recursos na página do Plano com o intuito de dar a conhecer práticas digitais muito distintas sobre recursos digitais que outras instituições já trabalhavam há muitos anos.

Este quebrar e deitar abaixo os muros foi uma das ações que considerámos necessária este ano. Depois de um passo para o digital, no início deste ano letivo sentimos com a dificuldade dos museus e dos teatros chegarem às escolas ou das escolas chegarem aos teatros, que tínhamos que lançar um manifesto. Construímos um manifesto com os nossos parceiros dos teatros, dos museus, da Rede de Bibliotecas Escolares, da Rede Portuguesa de Museus, com o Plano Nacional de Leitura, com o Plano Nacional de Cinema e com o Programa de Educação Estética e Artística, ou seja, criámos com todos estes parceiros do Ministério da Educação e do Ministério da Cultura o manifesto a que demos o título roubado a Fernando Pessoa “Este é o dia, esta é a hora” (Ricardo Reis) (https://bit.ly/3vIJcBe). Isto é, mesmo em tempo de pandemia e também até por isso tivemos de dar um sinal sobre a importância das artes e do património na vida da comunidade educativa e que era seguro continuar a fazer este trabalho com as escolas. Desejamos que agora, com a abertura das escolas, possa ser também ser continuado: os artistas, os mediadores entrarem na escola e as escolas se dirigirem aos espaços culturais, que estes muros não se levantem e que não fiquem levantados. Percebemos que em tempo de pandemia as condições são outras e que temos de trabalhar com elas, mas não podemos regredir sobre o papel das instituições culturais na vida da comunidade educativa e da comunidade educativa nas instituições culturais.

Já tentei explicar que o Plano é feito em muitas frentes, em muitos pontos de vista diferentes para o mesmo, mas se há uma fórmula que gosto de usar para dar a conhecer o trabalho do PNA é o nosso grande desejo de transformar as instituições culturais em território educativo, mostrar que elas são território educativo e para isso é também preciso que as instituições culturais tenham a compreensão desse impacto educativo e social que podem ter. Por outro lado, mostrar que as escolas são um centro cultural, pelo que aí se pode apresentar e produzir, ou seja, as escolas são produtoras de cultura, os alunos, os professores são produtores de cultura e mesmo em alguns lugares do território, nós sentimos isso, é a produção cultural da escola que permite alimentar também aquele lugar, permite tornar acessível o teatro, a música, as artes plásticas àqueles cidadãos. Por isso, esta subversão do que tantas vezes temos dentro de gavetas, por um lado, as instituições culturais, por outro lado, as instituições educativas, subverter estes espaços, perceber esta consciência de uma educação expandida no caso dos museus ou transformar a escola em território cultural assumido – é um dos grandes objetivos do PNA.

AC – Quando falamos em políticas culturais, falamos muito da democratização da cultura, muito associada à promoção do acesso, conforme aliás está consignado na Constituição Portuguesa. Mas hoje falamos também de democracia cultural. São duas abordagens, muitas vezes coexistentes, complementares. De que maneira é que o PNA olha para as questões da democracia cultural, como é que as tenta incorporar para além da democratização da cultura?

PPV – Durante muitos anos, o paradigma usado foi o da democratização, ou seja, que havia um conjunto de escolhidos, de conhecedores que definiam o que outros deviam ter acesso. Esta ideia de democratizar a cultura, muitas vezes, aliás, estava associada à ideia de democratização, ao levar a cultura ao povo, ou esta ideia de público, como se público fosse também uma entidade homogénea. Esta noção de democratização da cultura foi posta em causa, pelo menos desde os anos de 1980, com a consciência da importância da voz de cada um para a cultura de todos.

Se é importante dar acesso aos grandes monumentos da história da humanidade, culturais, e foi assim que foi visto o princípio da democratização com o Ministério da Cultura francês de [André] Malraux e, a seguir, de tornar acessíveis estas obras da humanidade, também não podemos esquecer que isso pode ser uma violência simbólica para os outros que não se sentem ligados a, ou que não percebem o porquê. Esta noção de democracia cultural vem complementar essa outra – democratização cultural –, não precisa de a substituir, vem complementar, com a ideia de valorização da cultura que já existe no território. No PNA interessa-nos muito sublinhar esse aspeto. Ou seja, valorizar as diferentes vozes, os diferentes tipos de cultura, as diferentes manifestações artísticas, não partindo do princípio de que, por exemplo, não há cultura no território. Nós ouvimos muitas vezes nas políticas públicas que é preciso levar cultura ao território, como se não existisse aí já cultura. Não, temos que valorizar a cultura que aí existe para depois perceber também o que falta, o que falha. Mas o ponto de partida tem que ser o da valorização do existente, aliás, a valorização das pessoas com o que sabem, com o que têm.

Fazermos verdadeira democracia cultural significa também capacitar, mostrar que cada um é capaz de se responsabilizar pela cultura do seu km2 e do horizonte cultural onde está inscrito. Por exemplo, uma forma muito prática, os “Projetos Culturais de Escola” que há pouco referia, que estamos a desenvolver neste momento em cerca de 150 Agrupamentos de Escolas, de norte a sul do país, nas ilhas e até em Moçambique e em Timor, estes projetos culturais de escola não são dados pelo PNA. Ou seja, o “Projeto Cultural de Escola” não é qualquer coisa de pré-fabricado fora do território, não, tem de partir de um desejo, de um problema, de uma questão, um tema que naquele território, naquela escola seja escolhido como essencial e prioritário. Para, depois, o segundo passo ser perguntar – como é que a cultura, as artes e o património nos podem ajudar a compreender esta questão, este problema, este tema. Portanto, logo aí temos esta questão de democracia cultural em ação. Significa que não estamos a espalhar pelo território um conjunto de obras que nos parecem ser conhecidas. Há trabalho em que podemos fazer isso, esse paradigma da democratização não precisa de ser ultrapassado em absoluto. Nós sabemos que, por exemplo, há um conjunto de obras que são consideradas fundamentais conhecer, relacionadas com a história da arte portuguesa, com o património português ou com a história de Portugal. Há esta ligação que queremos e desejamos manter, mas depois há também essa consciencialização da valorização do património de proximidade, que às vezes pode ser industrial, outras vezes pode ser urbano, noutros casos, rural, e não diminuir o valor desse património que aí existe, ou do património não edificado, mas imaterial – das tradições locais, das festas, do saber-fazer. E isso ser o ponto de partida para abrir para uma cultura universal, cosmopolita, que não é apenas aquela que já ali existe. Julgo que há um jogo de equilíbrio necessário entre essa noção ou paradigma de democratização, em que uns escolhem o que os outros devem fruir para este outro paradigma – democracia cultural, em que temos consciência de que somos todos produtores culturais, que devemos ser todos produtores culturais. E para isso é preciso capacitar para que cada um seja capaz de tomar a palavra, seja capaz de se responsabilizar e chegar à frente nesse sentido para a cultura de todos [ver também a Carta do Porto Santo – “A Cultura e a Promoção da Democracia: Para uma Cidadania Cultural Europeia”, 25-04-2021: https://bit.ly/3ceIR1o].

AC – Territorializar, mobilizar, colaborar e indisciplinar são palavras de ordem no PNA. São também, na sua opinião, palavras que podemos trazer para os museus, atributos que os museus podem ter? E depois levava-me a outra questão, qual é o lugar dos museus no PNA, pensando no Contrato do Impacto Social das Organizações Culturais, que é uma das medidas previstas no Plano para o eixo da política cultural. Fale-nos um pouco desta medida e de que modo se articula com os museus.

PPV – Os museus têm um lugar fundamental nesta estratégia, não só por aquilo que têm em sua posse, ou seja, as obras e o património que aí está, mas pela possibilidade de o tornar acessível e aí começava pela proposta, de um compromisso, um contrato de impacto educativo e social das instituições culturais. É uma das medidas que propomos, naquela consciência de que não valia a pena fazer um projeto destes e um plano destes só a pensar na escola, como se a escola fosse um lugar fechado. Compreendendo que precisamos de toda a aldeia para educar uma criança, percebemos a importância que têm as instituições culturais, agora focando-me em especial nos museus. Aí percebemos que a missão do museu, que já está ao nível das palavras e dos documentos como tendo um impacto social, isso também tem que ser contratualizado, pensado de modo estratégico e a longo prazo. Ou seja, uma das propostas que fazemos, é que este Contrato seja um modo de atualizar essa missão de impacto social e educativo que os museus têm, e que têm desde o princípio, desde a criação dos primeiros museus, o propósito de serem lugares educativos. Hoje já com esta perspetiva, que não apenas a da democratização como há pouco falei, mas da democracia, portanto, da participação ativa e com aquilo que as pessoas podem trazer também de seu para os museus, e o museu também abrir-se a isso, a essas múltiplas perspetivas. Este desejo de ser um lugar inclusivo, com múltiplos pontos de vista, e com a capacidade de trazer para dentro de si o que são, por exemplo, no caso desta ligação às escolas, as necessidades e os desejos, e as questões das próprias escolas com os Projetos Culturais de Escola. Interessa-nos muito nos Projetos Culturais de Escola a presença do diretor de museu ou do serviço educativo junto da escola. O projeto cultural não é só para fazer pela escola, é para fazer pela comunidade com a qual a escola está em relação. Nesse sentido, o museu, o teatro, as associações culturais, ou o artista residente (outra das medidas do PNA) – e nalguns casos o artista residente até pode fazer a ponte entre o museu e a escola – [serem parte de] uma ligação entre a escola e a instituição cultural, como também desejamos implementar.

Neste Contrato, aquilo que pretendemos é que a tutela e a instituição, o museu, sejam capazes de se comprometer, por um lado, em encontrar os recursos necessários para que aquela missão seja cumprida e, por outro, operacionalizar com medidas e com metas, possíveis de serem avaliadas, de como queremos o impacto. Logo a começar pelos estudos de público, o conhecimento desse público, da comunidade, não só o publico que já visita o museu, mas da comunidade onde está inscrito o museu, e o museu perceber-se como parte dessa comunidade é determinante.

Ou seja, a instituição cultural compreender-se como um hub comunitário, aberta à comunidade. Isso implica ter uma estratégia, a quem é que queremos chegar? Como queremos chegar? Porque [temos] o desejo de chegar a todos, mas podemos não chegar a ninguém… Por exemplo, podemos nos três primeiros anos querer privilegiar os jovens do ensino secundário e universitário, então quais são as medidas que vamos tomar, ou a programação que vamos fazer para chegar a estes públicos? Esta ideia de haver um contrato de impacto social das instituições culturais é de não deixar no ar, ou vaga, uma boa intenção. Ou seja, as boas intenções não chegam, precisamos de criar metas, estratégias e programas para que essas intenções possam ser cumpridas. E nesse sentido, os museus têm um papel determinante nesta estratégia do PNA. Ou seja, o Plano só se poderá implementar este acesso às artes, ao património e à cultura só poderá acontecer se, de facto, [houver] esta ligação entre os museus e a comunidade, esta consciência deste trabalho comunitário que o museu faz nos vários modelos e territórios, entre os quais o digital, é essencial. Mas isso implica perceber que em termos de estratégia temos de escolher, em alguns casos, quem é que é o nosso público-alvo, como é que o vamos atingir e o que é que precisamos para que ele permaneça, ou seja, para que ele continue connosco. Nesse sentido, por um lado, os museus têm ou podem realizar trabalho essencial nesta abertura e ligação às escolas, por outro, as escolas podem aprender muito com os museus e com o trabalho de um museu.

****

Paulo Pires do Vale é filósofo, professor universitário, ensaísta e curador. Foi Presidente da AICA (Associação Internacional de Críticos de Artes) – Portugal. Desde 2019, é Comissário do Plano Nacional das Artes, uma iniciativa do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação com a missão de aproximar as artes, o património e a cultura da vida dos cidadãos, em particular das crianças e dos jovens.

Ana Carvalho é museóloga e investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

****

Mais leituras:

Paulo Pires do Vale. 2021. “All you people are now free to board.” Gerador – Plataforma independente de jornalismo, cultura e educação. 2-04-2021. https://gerador.eu/all-you-people-are-now-free-to-board/

“Plano Nacional das Artes, Uma Estratégia, Um Manifesto”, 2019-2024: https://bit.ly/3vKn6OV

“Plano Nacional das Artes, recursos educativos”: https://www.pna.gov.pt/recursos-educativos/

“Plano Nacional das Artes, Manifesto ‘Este é o dia, esta é a hora'”, Nov. 2020: https://bit.ly/3vIJcBe

Carta do Porto Santo – “A Cultura e a Promoção da Democracia: Para uma Cidadania Cultural Europeia”, 25-04-2021: https://bit.ly/3ceIR1o

A Cultura e a Promoção da Democracia: Para uma Cidadania Cultural Europeia: a Carta do Porto Santo em destaque

O Plano Nacional das Artes (https://www.pna.gov.pt) tomou a iniciativa de elaborar a Carta do Porto Santo – “A Cultura e a Promoção da Democracia: Para uma Cidadania Cultural Europeia” (25-04-2021), em conjunto com vários parceiros. O documento está disponível em pdf aqui: https://bit.ly/3ceIR1o

Trata-se de um documento inspirador com relevância para o mundo dos museus. Transcrevemos aqui a Carta do Porto Santo.

****

Preâmbulo

a)  A Conferência do Porto Santo, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, propõe esta Carta do Porto Santo como um mapa orientador de princípios e de recomendações para aplicar e desenvolver um paradigma de democracia cultural
na Europa.

b)  A Carta do Porto Santo dirige-se a decisores políticos europeus, de todos os níveis (autoridades europeias, governos nacionais, regionais e locais); às organizações e instituições culturais e educativas; e aos cidadãos europeus, para que se responsabilizem pelo horizonte cultural comum.

c)  Na sequência do Plano de Ação para a Democracia Europeia (Comissão Europeia, 2020), pretende-se explicitar e promover o papel do sector cultural no aprofundamento da democracia.

d)  Em contexto pandémico, a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia assumiu no seu programa «promover a recuperação, a coesão e os valores europeus» (Europa Resiliente); «valorizar e reforçar o modelo social europeu» (Europa Social) e «promover uma Europa aberta ao mundo» (Europa Global). O sector cultural não pode ficar afastado destes objetivos comuns, é parte determinante dessas tarefas inacabadas, porque a cultura tem um poder transformador.

e)  A pandemia Covid19 evidenciou a importância da cultura para a qualidade das nossas vidas, mas contribuiu também para erguer barreiras a muitos níveis, entre os quais no acesso à cultura. O reforço da democracia na Europa implicará deitar abaixo esses muros e remover os obstáculos à participação, tornando-a o mais ampla possível. As desigualdades que a pandemia expôs, as fragilidades do sector cultural e a propensão ao surgimento de tensões sociais, exigem que as manifestações culturais sejam valorizadas como parte do desenvolvimento sustentável do projeto europeu.

f)  Esta Carta é devedora de muitos autores e de documentos estratégicos anteriores sobre direitos culturais e o impacto social da cultura[1]: a começar pelo Artigo 27o da Declaração dos Direitos Humanos (ONU, 1948): «todos têm o direito a livremente participar na vida cultural da comunidade (…)».

g)  Esta Carta é o resultado de um processo de escuta, de discussão e de colaboração, com a participação de representantes dos estados-membros da União Europeia e das Instituições, Associações e Redes europeias do sector cultural e educativo[2]. O conteúdo (democracia cultural) e a forma (processo de pensamento colaborativo) constituem, assim, uma unidade.

h)  Apresentada no Porto Santo[3], região ultra-periférica europeia assumida como centro de irradiação de propostas de política cultural e educativa, propomos que esta Carta seja um farol para orientar as políticas, os discursos e as práticas culturais e educativas, contribuindo para uma Europa mais plural, inclusiva e segura.

  1. A saúde da democracia e o papel da cultura

A democracia e os perigos que a ameaçam são, novamente, questões centrais nas nossas sociedades. É fundamental avaliar criticamente os modelos de democracia que implementamos e pensar em modos de intensificar e ampliar a participação dos cidadãos, para legitimar as instituições e os processos de decisão. A democracia deve ser continuamente avaliada a partir das suas consequências. É um processo, um movimento, mais do que uma condição estática e permanente.

A democracia é uma metodologia social dinâmica, uma forma de funcionamento e de partilha do poder. Nela valorizam-se os interesses e as necessidades de todos os cidadãos; dá-se-lhes voz e possibilidade de escolha; respeita-se a diversidade e valoriza-se a dissensão. O estilo próprio da democracia é o confiar na inteligência cooperativa da comunidade.

É fundamental que a democracia não seja vista como uma dimensão especializada do sector político, tem de ser uma preocupação transversal aos vários sectores sociais. Podemos viver num estado democrático e, no entanto, as diferentes dimensões e instituições da vida comunitária permanecerem autoritárias. Neste sentido, é necessário promover uma concepção de cidadania cultural baseada no pluralismo: no reconhecimento da multiplicidade de vozes e na valorização das diferenças. Interpretações redutoras e unívocas da identidade cultural são perigosas, uma negação da visão democrática, inclusiva e aberta das culturas.

Como consolidar a democracia na esfera cultural? Que relações de poder se estabelecem nas instituições e nas práticas culturais e educativas? Como pode a participação cultural ajudar a emancipar os cidadãos? As instituições culturais, os seus processos e modos de organização, o que valorizam e propõem, tem consequências na saúde democrática de uma sociedade.

  1. Democratização da cultura e Democracia cultural

As palavras importam, têm uma história e incarnam ideologias, mesmo de forma inconsciente, e por isso é fundamental analisar o discurso que usamos, porque novos contextos exigem novas perguntas e outras respostas. E quando novas situações não encontram a resposta adequada no paradigma dominante (a matriz de pressupostos partilhada por uma determinada comunidade, que estrutura e orienta o pensamento e a ação), é preciso reformulá-lo.

Cultura

A definição da palavra cultura, nesta Carta, não quer ser demasiado ampla (tudo é cultura), nem restrita em demasia (apenas a cultura erudita, das belas-artes e do grande património). Entendemos cultura no plural, como um conjunto de sistemas simbólicos nos quais estamos inseridos e que nos ajudam a dar um sentido à experiência (pessoal e coletiva) e uma forma humana ao mundo, determinando o horizonte de possibilidades em que nos movemos. As culturas materializam-se nas manifestações simbólicas, artísticas e patrimoniais das comunidades, envolvendo a tradição herdada e a criação contemporânea. As culturas são um processo criativo coletivo contínuo, em que estão envolvidos todos os grupos de uma determinada sociedade. As culturas são uma tarefa infinita: que recebemos em herança e que continuamos a trabalhar (conservando e inovando) para transmitirmos às gerações seguintes (que continuarão esse processo).

Ao pensar a cultura, as perguntas sobre quem a faz, como é feita e para quem, são essenciais para tomarmos consciência do que reconhecemos e valorizamos como cultural. O que é apoiado pelas políticas públicas, o que programamos e divulgamos, depende, em larga medida, desse entendimento.

Democratização da cultura

O paradigma «Democratização da cultura», estruturado no final dos anos 1950[4], propõe tornar acessíveis, ao maior número de pessoas, as obras-primas da humanidade e, em primeiro lugar, as do país em causa; aproximar o público do património cultural e favorecer a criação de obras de arte para enriquecer esse património. A «Democratização da cultura» pressupõe, assim, uma visão bem- intencionada, mas descendente (top-down) — e pensada no singular (a Cultura). Esta visão hierarquiza a cultura em erudita, de massas e popular, sendo a erudita aquela que merece ser «democratizada», difundida «para todos», porque é a que tem «qualidade». Este paradigma, no entanto, não problematiza a arbitrariedade da noção de cultura (associada às belas-artes e ao património histórico), e a sua aparente homogeneidade, nem as noções de qualidade e excelência, ignorando que os critérios são convenções epocais, grupais, subjetivas e variáveis. Neste paradigma a hierarquização cultural desvaloriza, não só as práticas culturais, mas os próprios cidadãos — olhados como consumidores, tratados como desiguais e excluídos da função de agentes de cultura. É fundamental compreender, no desenvolvimento de políticas culturais, que hierarquizar valores culturais implica, sempre, formas de poder e de autoridade — de que é preciso estar muito consciente.

A difusão cultural descendente não teve os resultados esperados. Os obstáculos não são apenas financeiros ou físicos (ainda que estes sejam determinantes, permanecem), nem de divulgação ou de conhecimento. Os obstáculos são simbólicos e de sentido de pertença. Nem mesmo a escolaridade foi condição suficiente para ultrapassar essa barreira simbólica. Cristalizaram-se as hierarquias sociais no acesso aos bens culturais. É preciso pensar de outro modo, desenhar outro paradigma.

Neste paradigma a hierarquização cultural desvaloriza, não só as práticas culturais, mas os próprios cidadãos — olhados como consumidores, tratados como desiguais e excluídos da função de agentes de cultura. É fundamental compreender, no desenvolvimento de políticas culturais, que hierarquizar valores culturais implica, sempre, formas de poder e de autoridade — de que é preciso estar muito consciente.

Democracia cultural

«Democracia cultural» é um modelo cultural que, tendo raízes nos anos 1960, ganha preponderância em alguns projetos na década de 1980, e que advoga a criação de condições para uma participação mais ativa e o reconhecimento das práticas culturais dos diferentes grupos sociais. A «Democracia cultural» implica um novo modo de relações entre as instituições e as comunidades: a cultura como um espaço aberto onde cada cidadão pode participar e ser responsável. Este paradigma implica uma mudança de atitude e um deslocamento da relação de consumo para a do comprometimento. Recusa a menorização dos cidadãos e dos públicos não conotados com as elites, valorizando o que cada um sabe, as suas tradições, a sua voz. Não «leva cultura» aos territórios, porque em todos os territórios já existe cultura: valoriza a cultura local e complementa-a com outras expressões culturais, abrindo a experiência local ao universal, e estimulando esse diálogo.

A vontade de preservação da diversidade cultural e de proteção dos direitos culturais afirma-se como uma alternativa à globalização económica e cultural. Implica a valorização de culturas e públicos distintos e reconhece o direito de emancipação e empoderamento dos cidadãos como sujeitos culturais ativos: com a possibilidade de participarem e decidirem a vida cultural das comunidades. Para isso, é preciso dar acesso aos meios de produção cultural e democratizar os processos de decisão. Deve garantir-se a pluralidade na produção cultural e na sua difusão, não apenas no acesso. Assim, a democracia cultural favorece a pluralização, a territorialização das decisões e a partilha do poder.

  1. Diferença e complementaridade dos dois modelos culturais: para uma cidadania cultural plena

Os dois paradigmas dão origem a distintas políticas culturais e a diferentes modos de funcionamento das instituições. Promovem consciências e representações sociais diferenciadas do que é e de quem pode produzir cultura. No entanto, podemos articular os dois paradigmas, em complementaridade. O conhecimento e o acesso às grandes obras da humanidade, do passado ou contemporâneas, não se deve opor à participação no ato criativo ou à valorização de diferentes tradições e de novas narrativas. Mas é fundamental refletir no modo como um modelo tem como pressuposto uma desigualdade que se quer reduzir, um deficit; e o outro uma igualdade que se reconhece e confirma. Esta igualdade exige direitos e deveres, meios e recursos, para ser concretizada. «Cidadania cultural» é o exercício desses direitos e deveres culturais.

O ponto de partida da Democracia cultural é a verificação da igualdade entre os detentores do poder institucional e os cidadãos. Pressupor, à partida, que essa igualdade só estará no fim do processo, é manter sempre a pretensa desigualdade original. É fundamental tomar consciência do poder que se exerce quando se criam instituições, se faz programação, se distribui financiamento, se organizam exposições e o acesso a elas. É prioritário garantir a acessibilidade integrada nas instituições culturais, quer na relação com as comunidades, quer na sua organização interna. É preciso negar todas as utilizações da cultura como sinal de distinção social, recusar hierarquizações estigmatizantes, que funcionam como violência simbólica de um grupo social com poder sobre outros, que se sentem deslocados, excluídos e não representados.

A Democracia cultural implica uma atenção multidimensional à formação de públicos,
e o abandono da noção de público no singular. Um passo fundamental para que as instituições possam democratizar-se é conhecer os públicos — os que existem e os que poderão existir. Caso contrário, formam-se ideias e imagens ilusórias que existem apenas enquanto representações dos responsáveis institucionais. As organizações culturais não representarão as comunidades que devem servir se não as conhecerem, do mesmo modo que não poderão convocá-las para a participação, sem saber e valorizar o que já são, aquilo que sabem e vivem. Temos de transformar as «ins-tituições» em «ex-tituições», lugares abertos e de relação, em saída de si; e as audiências em protagonistas com voz, e não meros figurantes.

No entanto, na defesa da Democracia cultural não se pode cair no erro de recusar a tradição artística e as manifestações patrimoniais da humanidade, nem num relativismo em que tudo se amálgama, sem critérios. É um exercício complexo, em que o populismo fácil pode conduzir a uma hipervalorização das identidades culturais locais ou específicas, confirmando apenas as expectativas e sem abertura de novos horizontes. A cultura é um modo de sair de si e colocar-se no lugar do outro.

O voluntarismo é também um perigo: julgar que não é preciso preparação, nem mediação, nem conhecimento dos códigos das práticas culturais e dos públicos, assumindo que todas as experiências culturais, populares e eruditas, são auto-explicativas.

Também não podemos confundir Democracia cultural com a participação física. A relação com as manifestações culturais não precisa de ser «participativa», do ponto de vista físico, para ser significativa. Ser espectador ou fruidor (e aprender a sê-lo) é um dos aspetos determinantes dessa participação.

Outra questão a ter em atenção, é a possibilidade de conflito entre os conceitos «excelência» e «qualidade» nas visões da Democratização da cultura e da Democracia cultural. Em primeiro lugar, é preciso compreender a ambiguidade e polissemia desses conceitos. Depois, que a excelência ou qualidade não está apenas no produto, mas pode ser encontrada no processo, na relação estabelecida entre obra e público, no envolvimento afetivo e intelectual que permite, na criação de competências, na alteração de comportamentos. Podemos manter o objetivo da excelência, mas é preciso ser inclusivo e aberto na escolha das equipas que definem essa excelência. O sistema de qualidade não pode ser uma forma de reforço e reprodução de desigualdade, de distinção social e de gosto elitista. A compreensão de que a qualidade é uma construção cultural deve ser estimulada e debatida — e uma forma de participação franca numa democracia é abrir esse debate.

Se a Democracia cultural implica a participação de cada um em prol da cultura de todos, não pode deixar de ser, também, a valorização do indivíduo, da sua capacidade pessoal de intervenção no mundo, do seu potencial criativo e deliberativo individual, da sua liberdade de expressão. As políticas culturais deverão atender a esta liberdade criativa.

  1. Cidadania cultural e territórios digitais

Se a Cidadania cultural é o exercício dos direitos e deveres culturais, os territórios digitais devem ser compreendidos como mais um meio, e um meio com possibilidades próprias, para ampliar essa participação e produção cultural. Como qualquer outro meio, a sua utilização dependerá do paradigma que seguirmos e dos objetivos que desejarmos alcançar. Poderá ser, meramente, um meio de divulgação cultural, dirigida a consumidores, ou, indo mais longe, ser um espaço aberto de interação, apropriação e promoção da democracia cultural, até do ponto de vista da criação: há património a ser criado neste território.

O digital é, também, uma ferramenta que facilita processos de colaboração dentro das instituições e entre estas e os cidadãos, compreendidos como colaboradores. As ferramentas digitais são úteis para escutar as pessoas e as comunidades, e até para as envolver na definição das políticas culturais.

No entanto, o território digital, como a atual pandemia veio demonstrar, é também espaço de exclusão. Não podemos deixar de pensar em soluções para mitigar essas barreiras que este território impõe. Capacitar para a cidadania cultural implica também desenvolver, a montante, políticas de acesso, inclusão e literacia digital. Os fenómenos de desinformação, de ataque a expressões culturais específicas ou minoritárias, bem como de privatização do espaço digital, devem ser acautelados.

  1. Cidadania cultural e educação

Para promover a cidadania cultural, temos de colocar a cultura, entendida deste modo plural e participado, no coração das políticas educativas, e a educação no centro das políticas culturais. Para que cada um possa participar na cultura de todos, de forma emancipada, tem de ter condições para que isso aconteça.

É decisivo reconhecer as instituições culturais como território educativo — do mesmo modo, que as escolas são polos culturais. Com este propósito, as instituições culturais não podem deixar de reforçar o seu papel educativo, assumido na sua missão e espelhado na sua estrutura, nos seus recursos e nas suas práticas. No mesmo sentido, alinhada com o modelo de democracia cultural, a escola deve valorizar as especificidades individuais, culturais, territoriais, e possibilitar que todos os alunos tenham acesso a variadas experiências artísticas e manifestações culturais ao longo da vida; que possam ver reconhecida a sua identidade cultural e valorizadas as expressões culturais da sua comunidade; que tenham acesso aos patrimónios e consciência da sua necessária salvaguarda; que ao longo do seu trajeto desenvolvam a criatividade e a imaginação, a sensibilidade estética e o pensamento crítico; que conheçam e efetivem os seus direitos e deveres culturais; e que descubram a sua própria forma de participação ativa na cultura de todos.

A preocupação com o futuro da democracia, ou seja, com o futuro da Europa, tem de nos conduzir a dar voz e a escutar as gerações mais novas, torná-las participantes no governo de todos — a começar pela sala de aula e a escola, mas também representados nos conselhos consultivos das instituições culturais — e a integrar como iguais e sem desconfiança as linguagens artísticas destas gerações.

A grande arma da democracia é fazer emergir questões e debatê-las. Abrir a mesa da discussão, sem excluir, sem medo do dissenso ou do contraditório. «Cidadãos empenhados, informados e capacitados são a melhor garantia de resiliência para as nossas democracias», como afirma o Plano de ação para a democracia europeia. A educação, seja formal, informal ou não-formal, é o laboratório da democracia.

Recomendações

Para podermos exercer o direito à participação na cultura, são necessárias condições imateriais e materiais para assegurar que uma liberdade substantiva exista, para que cada cidadão e cada comunidade possam escolher participar e responsabilizar-se pelo horizonte cultural de todos. Para desenvolver esta cidadania cultural promotora da democracia, apresentamos propostas interligadas e dirigidas aos diferentes agentes do ecossistema cultural, nas suas diferentes escalas, e pensadas de forma sistémica.

Aos decisores políticos:

  1. Propor que os princípios e valores da Democracia cultural sejam reforçados nos objetivos e medidas de política pública cultural e educativa dos Estados-Membros da União Europeia.
  2. Aprofundar o desenvolvimento de planos de ação intersectoriais de educação e cultura, respondendo aos desafios e ao potencial criativo de uma Europa mais diversa, inclusiva e democrática.
  3. Reforçar as condições necessárias e criar planos de ação de longo prazo para que os cidadãos possam exercer os seus direitos e deveres culturais: valorizando a diversidade cultural; capacitando-os e dando-lhes voz e poder de decisão; envolvendo-os na criação de políticas culturais e na programação das organizações culturais; promovendo o acesso e a possibilidade de participação na produção e divulgação cultural; responsabilizando-os pelo horizonte cultural comum. As ferramentas digitais oferecem mais uma oportunidade para a concretização destes objetivos.
  4. Desenhar um Índice de Democracia Cultural, para monitorizar programas de promoção da democracia cultural e a governação, os processos e as práticas que as instituições promovem para assegurar a diversidade multicultural, a participação social alargada e a capacitação cultural dos cidadãos, valorizando outros critérios que não só os quantitativos — em conformidade com o Quadro de Indicadores sobre a Cultura e a Democracia (Conselho da Europa, 2016).
  5. Financiar as organizações culturais para que possam criar condições concretas que promovam a democracia cultural.
  6. Assegurar que o espaço digital é um espaço público para o exercício da democracia cultural.
  7. Promover a participação de grupos sub-representados, com base em investimento que seja: i) decidido por júris representativos da diversidade que se quer apoiar ii) pautado por critérios de qualidade baseados em parâmetros de acessibilidade, inclusão, diversidade e igualdade, iii) facilitador de processos de longo prazo e que permita o envolvimento direto das comunidades na sua concretização.
  8. Mapear as instituições culturais públicas, os organismos do terceiro sector e os agentes culturais — incluindo os coletivos informais — que trabalham para a promoção de uma cultura participativa. Este mapeamento visa: i) dar a conhecer o que já está implementado em cada território; ii) construir uma rede, partilhar boas práticas e aprender mutuamente; iii) identificar o que pode ser melhorado e as formas mais adequadas para alterá-lo.
  9. Multiplicar espaços de criação (makerspaces), salas de ensaio, ateliês e estúdios que promovam a experimentação, a produção e a criação, de modo autónomo e colaborativo.
  10. Favorecer a emergência de projetos emancipatórios a partir da realidade dos contextos, capacitando os seus agentes.
  11. Incentivar as atividades culturais amadoras e promovidas por organizações informais e não-profissionais.
  12. Rever os currículos do ensino obrigatório, para garantir que promovem perspetivas culturais diversificadas.
  13. Fomentar a introdução no currículo do ensino obrigatório e nas instituições de ensino superior, de forma transdisciplinar e integrada, as culturas, as artes e os patrimónios enquanto áreas fundamentais para o exercício de uma cidadania cultural, esclarecida e participada.
  14. Criar programas de formação sobre democracia cultural e processos colaborativos nas áreas da mediação, criatividade, programação e para a responsabilização na salvaguarda dos patrimónios, no ensino profissional, no ensino superior e na formação contínua.
  15. Introduzir, na formação inicial e contínua de educadores e professores, mais fruição de manifestações multi e transculturais, conteúdos e pedagogias centradas nas artes e nos patrimónios, que os capacitem para trabalhar o currículo de forma transdisciplinar e criativa, e promovam a compreensão e interiorização do paradigma da democracia cultural. Uma formação que lhes dê condições para promover nos alunos a aquisição de competências para a cidadania cultural, respeitando a pluralidade de expressões e valorizando as suas identidades culturais.
  16. Promover competências digitais para ultrapassar a exclusão digital e assegurar neste meio o acesso a conteúdos de cultura, património e artes, oferecendo às pessoas a oportunidade de participar, criar e fruir experiências culturais online, em especial as que habitam em áreas remotas.

Às organizações culturais e educativas:

  1. Reconhecer que as instituições culturais são territórios educativos e que as instituições educativas são polos culturais, promovendo a articulação de ações e projetos entre elas de forma estruturante e continuada.
  2. Repensar as organizações culturais e educativas, no sentido de uma governação democrática: promover processos colaborativos dentro da organização; envolver os seus membros nas deliberações e implementar uma política interna de avaliação contínua, que permita aferir o progresso dos processos de mudança e de partilha de poder (aplicar o Índice de Democracia cultural).
  3. Criar conselhos consultivos nas instituições culturais, convidando os membros das comunidades, em particular os mais jovens, para deles fazerem parte. O seu envolvimento nas questões da organização, da programação à mediação, contribuirá para que possam ser agentes culturais ativos e dinamizadores da missão da instituição junto dos seus pares. Os conselhos consultivos com membros das comunidades promovem ainda a colaboração com novos grupos e o aprofundamento das relações das instituições com aqueles a quem se dirigem.
  4. Recorrer a profissionais externos de diferentes especialidades, para, em colaboração com os membros da instituição, promover a análise, planeamento e acompanhamento de processos de mudança que tornem a instituição inclusiva, diversa e acessível (a nível social, económico, intelectual, físico, sensorial).
  5. Assegurar que as equipas das instituições culturais espelham a diversidade cultural das comunidades que servem (aplicar o Índice de Democracia cultural).
  6. Promover, com regularidade, estudos de públicos para a recolha de dados que permitam adaptar as estratégias em prol da diversificação dos públicos.
  7. Investir na acessibilidade das instituições e dos programas culturais, considerando as necessidades específicas das pessoas e das comunidades, as suas origens étnicas, religiosas, sociais e económicas, as deficiências físicas, sensoriais e intelectuais e outras necessidades relacionadas com a deslocação e os transportes.
  8. Convidar programadores e artistas representativos da diversidade das comunidades para também assim promover a diversificação dos públicos.
  9. Trazer para a programação e debate as questões sociais prementes, tornando as instituições culturais mais relevantes no debate contemporâneo e em protagonistas do desenvolvimento de consciências sociais e culturais mais atentas democráticas, diversas e igualitárias.
  10. Promover nas instituições a pluralidade de vozes, de práticas, de formas de ver, interpretar e mediar a arte, a cultura e os patrimónios e, desta forma, multiplicar os pontos de vista sobre os bens, as coleções, as programações.
  11. Confiar nos artistas e no seu pensamento divergente, trabalhar e aprender com eles emambientes educativos, culturais e patrimoniais, para desenvolver competências criativas, inovar práticas e perspetivas metodológicas.
  12. Sair da instituição para trabalhar na e com a comunidade, e desse modo chegar a públicos excluídos.
  13. Comunicar os resultados dos projetos e processos de democracia cultural para dinamizar a disseminação de boas práticas, inspirando as pessoas e mobilizando as instituições.
  14. Usar os meios digitais para a promoção da colaboração no seio das instituições, e entre as instituições e os cidadãos, enquanto colaboradores e participantes.

Aos cidadãos:

  1. Reforçar o sentido de pertença à comunidade e a coexistência pacífica entre comunidades distintas, através da responsabilização de todos pelos patrimónios de proximidade, enquanto «bem comum» que importa não só conhecer e preservar mas questionar, refletir, discutir, aprender a reinterpretar e recontextualizar.
  2. Conhecer os direitos e deveres culturais dos cidadãos, na perspetiva da democracia cultural, para os poder exercer, se assim desejar. Essa liberdade implica responsabilizar-se pelo desenvolvimento das suas competências culturais e pugnar pelas condições necessárias para o exercício dos seus direitos e deveres.
  3. Reconhecer o património cultural de proximidade como património próprio e comprometer- se em ser um agente cultural que participa no processo de identificação, de salvaguarda, proteção, comunicação, reinterpretação desses patrimónios.
  4. Colaborar com as instituições culturais, reconhecendo que a sua relevância também depende da participação ativa dos cidadãos.
  5. Envolver-se em movimentos culturais associativos, reconhecendo a sua importância para a comunidade.
  6. Participar nos debates e nas consultas públicas sobre políticas culturais e educativas.
  7. Ser um agente cultural: o que implica expressar-se culturalmente e possibilitar que outros o possam fazer.
  8. Respeitar a diversidade multicultural e os seus agentes e ser intransigente com discursos de ódio, preconceituosos e estigmatizantes.

25 de Abril de 2021

A Conferência do Porto Santo

[1] Entre esses documentos, salientamos, já deste século,a Convenção de Faro (Conselho da Europa, 2005), as Key Competetences for life-long learning (European Comission, 2007),a Declaração de Seoul (UNESCO, 2010), o Indicator Framework on Culture and Democracy (Council of Europe, 2016), a New European Agenda for Culture (2018) e a Carta de Roma (UCLG, 2020).

[2] Na discussão da Carta do Porto Santo participaram representantes dos seguintes países: Áustria, Bélgica – Governo da Comunidade Flamenga, Bélgica – Governo da Comunidade Francófona, Bulgária, Chipre, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Finlândia, Grécia, Hungria, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, República Checa, Roménia e Suécia. Participaram também representantes das seguintes organizações: ACEnet, Culture Action Europe, ECCOM – European Centre for Cultural Organisation and Management, EFC – European Foundation Centre,
ENCC – European Network of Cultural Centres, ENO – European Network of Observatories in the Field of Arts and Cultural Education, European Cultural Foundation, Europeana, ICOM Europe, ICOM Portugal, ICOMOS Portugal, InSEA – International Society for Education Through Art, Interarts, ITAC – International Teaching Artists Collaborative, Michael Culture, NEMO – The Network of European Museum Organisations, TEH – Trans Europe Halles e WAAE – World Alliance for Arts Education.

[3] Conferência do Porto Santo. Da democratização à democracia cultural: repensar instituições e práticas. 27 e 28 de Abril de 2021, Porto Santo, Madeira – Portugal.

[4] Este paradigma é, habitualmente, associado à criação do Ministério dos Assuntos Culturais francês, em 1959, e à ação de André Malraux que inspirou e deu origem a uma primeira vaga de políticas culturais em muitos outros países.

 

Futuro dos museus em destaque no Dia Internacional dos Museus

A propósito do Dia Internacional dos Museus (18 Maio), este ano sobre “O Futuro dos Museus: Recuperar e Reimaginar”, a Agenda Cultural de Lisboa dá destaque ao tema na sua edição de Maio (pp. 2-9): https://bit.ly/3eUNM8i

****

A 18 de Maio celebra-se o Dia Internacional dos Museus. A edição de 2021 está subordinada ao tema “O Futuro dos Museus: Recuperar e Reimaginar”. Num mundo marcado pela crise pandémica, e após um longo período de afastamento físico do convívio com o espaço dos museus, três especialistas refletem sobre as questões da sustentabilidade, da inovação do futuro e da relevância destas instituições vitais para a vida em sociedade, para o seu desenvolvimento e aperfeiçoamento. Texto de Luís Almeida d’Eça. Fotografias de Humberto Mouco

O DIGITAL CRIOU UMA EXPANSÃO DO TRABALHO DOS MUSEUS
Ana Carvalho, Investigadora da Universidade de Évora (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades)

A questão dos museus do futuro não é nova, mas tem-nos inquietado particularmente no último ano. O que é possível fazer para que os museus enfrentem melhor os desafios da sociedade? Esses desafios são múltiplos, porém o que me parece mais evidente é o digital pela forma como se tornou, com as portas dos museus fechadas, no recurso a um espaço imprescindível. Na verdade, já antes da pandemia muitos museus trabalhavam o espaço digital, trazendo novos conteúdos e diversificando os seus públicos. Participei no projeto internacional Mu.SA [2016-2019] que abordava a forma como os museus podem responder aos desafios da sociedade digital. A crise pandémica evidenciou que, de uma forma geral, os museus não estão preparados para esse passo. Não conseguem construir uma estratégia que use o digital como forma de beneficiar a sua missão. Sinto, neste momento, que existe um enorme apetite para voltarmos à experiência física, um cansaço do digital. Os museus têm agora a oportunidade de voltar a garantir essas experiências únicas e autênticas no espaço físico. Mas, a ideia do digital não vai desparecer. É como se houvesse uma expansão do trabalho dos museus e é preciso capacitá-los para essa tarefa. Em Portugal, nos museus nacionais, as equipas são pequenas e envelhecidas, com poucos recursos, algumas com poucas competências na área digital e infraestruturas obsoletas. A ideia de “fazer cada vez mais, com menos recursos” não é possível para um trabalho de comunidade e de continuidade nos museus. Existe uma necessidade de maior cooperação com outras entidades para transferência de conhecimentos, um investimento nas tecnologias de informação, a possibilidade de criar projetos piloto, a promoção do acesso através do investimento na digitalização dos acervos. E, mais do que digitalizar, pensar que histórias se podem contar a partir dessas coleções digitais. Isto implica o reconhecimento das fragilidades e políticas públicas assertivas. Os museus portugueses têm subsistido a crises constantes. Esta é mais uma, mas sem precedentes, e que vai trazer um conjunto de repercussões a vários níveis. Os museus, que já se encontravam numa situação frágil, se não virem estas questões encaradas com cuidado, dificilmente poderão desempenhar funções relevantes.

GRANDES RESERVAS PATRIMONIAIS ESPALHADAS REGIONALMENTE
Fernando António Baptista Pereira, Presidente da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa

A transição digital nos museus é um dos imperativos desta década. Digitalizar os acervos e colocá-los online, como também a documentação alusiva a esses acervos, ou seja, muitas exposições, catálogos, estudos de mestrado, de doutoramento, etc. Tarefa que necessita de equipas vocacionadas para este fim. O outro lado desta revolução é, para mim, a possibilidade de criar no museu um espaço wi-fi livre para se poderem inserir as aplicações necessárias para se realizar uma visita com o próprio telemóvel, não com os audioguias tradicionais. Os visitantes têm como grandes rivais do museu o seu próprio telemóvel que os atrai para a leitura de coisas exteriores ao museu. Por isso, é importante que o museu entre no telemóvel do visitante através de uma aplicação que lhe presta informações sobre a obra que está a ver, pois mediante o sistema de beacons consegue localizar a presença das pessoas no museu, podendo mesmo propor jogos sobre a obra em causa e, até, sugerir a visita à medida do gosto individual. Se conseguirmos fazer isto, os museus ultrapassam o fim da era das massas que a pandemia ditou. Importa realizar exposições virtuais e eventos online que possam atrair visitantes espalhados ao longo do ano e não concentrados nos meses de verão e, sobretudo, tornar o dispositivo móvel da pessoa como o seu grande aliado na visita ao museu, permitindo guardar as informações e levar o museu para casa, revisitando-o. Estas são as duas questões fundamentais da transição digital. Acrescentaria ainda uma questão estratégica para o desenvolvimento do país: a constituição de grandes reservas patrimoniais espalhadas regionalmente, associadas a laboratórios de conservação e restauro. Não só se empregariam imensos jovens formados nesses domínios, como se encontravam reservas em condições para albergar o património arqueológico, que é imenso, algum do património etnográfico, que está a sair do país para enriquecer coleções lá fora, e parte do património artístico, que os seus detentores não podem conservar devidamente. Mantendo um registo de propriedade, as reservas seriam os locais onde as peças estariam guardadas e disponíveis para exposições temporárias. Os centros de conservação e restauro associados a essas reservas, os sítios onde essas obras iam sendo estudadas, tratadas e salvaguardadas.

TRABALHO EM REDE É A TENDÊNCIA ORGANIZACIONAL DO FUTURO
Clara Frayão Camacho, Museóloga, Coordenadora do Grupo de Projecto Museus no Futuro

Estamos habituados a ligar os museus ao passado e ao presente mas podem também constituir-se como laboratório de estudo e perspetivação do futuro. Foi isso que fizemos no Grupo de Projeto Museus no Futuro formado em meados de 2019, que coordenei ao longo de um ano e meio, e que culminou num relatório com 50 recomendações para os museus, palácios e monumentos do Ministério da Cultura. A análise demográfica do país, o retomar do Turismo, as questões da sustentabilidade, da participação e da transformação digital, levam-me a traçar algumas ideias sobre a perspetiva dos museus do futuro. A primeira é que a pandemia nos alertou para questões sanitárias de bem-estar físico e mental que devemos seguir. Será que essas questões vão ter repercussões a médio prazo na arquitetura dos museus, no equacionar dos espaços de acolhimento, do trabalho dos serviços educativos, do manuseio de equipamento interativo? No que respeita à participação, é cada vez mais notório que fatias significativas da população gostam não só de ver e contemplar as obras de arte, mas também de agir e participar em programas em que sejam ouvidas, seja através de co-curadoria de exposições temporárias, seja na participação de grupos consultivos, ou até em situações de governança participativa que estão a ser experimentadas nalguns museus do mundo. O museu tem que ser uma casa para todos e pensar sobretudo naqueles que não vêm ao museu, se quer ser relevante para a sociedade e não apenas para parte dela. Os cidadãos com literacia digital cada vez mais elevada vão exigir formas mais interativas de atuação dos museus. No futuro perspetiva-se uma complementaridade entre o físico e o online, nunca o desaparecimento da experiência presencial, essencial para fruir e dialogar com os bens culturais. Também nas questões da sustentabilidade os museus devem ter um papel significativo, seja pedagógico, através de exposições, de reflexão e investigação, seja pelo seu próprio exemplo, em termos de arquitetura, de planeamento de espaços ao ar livre, de estacionamento de bicicletas e práticas sustentáveis. Finalmente, o trabalho em rede é definitivamente a grande tendência organizacional do futuro. Quer do ponto de vista formal, com a renovação da própria rede portuguesa de museus, quer no trabalho no terreno com as várias redes de museus já existentes, quer com diretrizes políticas a nível nacional e municipal, com grande envolvimento da sociedade.

****

Agenda Cultural de Lisboa, edição de Maio: https://bit.ly/3eUNM8i

Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final (coord. Clara Frayão Camacho): http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf

Projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020): http://www.project-musa.eu/pt/

 

Competências digitais no sector dos museus

O texto “Digital Competences: Needs and Training in the Portuguese Museum Sector (de Ana Carvalho e Alexandre Matos) foi publicado no livro The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA (ed. Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou, 2020). Está disponível na íntegra em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Resumo:

Neste capítulo Ana Carvalho (CIDEHUS-Universidade de Évora) e Alexandre Matos (Universidade do Porto) analisam o panorama museológico português em termos de necessidades e da oferta formativa quanto às competências digitais, considerando a formação formal proporcionada pelos cursos de mestrado em museologia e a formação não formal dirigida aos profissionais de museus. Em relação aos planos curriculares dos mestrados em museologia, a pesquisa evidencia uma abordagem pouco estruturada às tecnologias, sendo globalmente introduzidas de forma muito pontual e fragmentada (ex. inventário e gestão de colecções). No que concerne à oferta de formação não formal também se identifica um enfoque residual e pouco estruturado quanto às competências digitais e à introdução das tecnologias. Propõe-se um investimento continuado e assertivo no desenvolvimento profissional, com acento nas competências digitais e no desenvolvimento tecnológico que permita, por sua vez, acompanhar as dinâmicas e as expectativas da sociedade contemporânea.

Abstract:

In this chapter, Ana Carvalho (CIDEHUS-Universidade de Évora) and Alexandre Matos (Universidade do Porto) analyze the Portuguese situation in terms of needs and training offer regarding digital competences, focusing on formal training in museology master’s and non-formal training for museum professionals available. The findings suggest that, in relation to museology curricula, there is little evidence of a systematic approach to digital competences, where technology may make a punctual and fragmented appearance according to the themes covered (e.g. inventory and collections management). In what concerns non-formal training, there is also a limited focus on digital competences and technology topics, insofar as it is explored in an unstructured way. It proposes that professional development will need to address new competences related to digital technologies as part of the changing dynamics and expectations of contemporary society.

****

Carvalho, Ana, e Matos, Alexandre. 2020. “Digital Competences: Needs and Training in the Portuguese Museum Sector” In The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA, ed. Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou, 13–19. Athens: Hellenic Open University Press. ISBN: 978-618-84272-9-7. http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Novo livro da coleção Estudos de Museus dedicado aos imperativos da arte

Os Imperativos da Arte: Encontros com a Loucura em Portugal do séc. XX  é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Teoria da Arte, de Stefanie Gil Franco, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva e de Emerson Dionísio Gomes de Oliveira).

O lançamento é no dia 27 de Abril, pelas 18h00 e o livro será apresentado por Fernando Rosa Dias. O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural. 

Sinopse

Este livro apresenta uma história delineada a partir de uma rede de discursos tecida pelos encontros entre a psiquiatria e a arte. Mais propriamente, trata-se de localizar a formação de algumas manifestações de interesse, pela psiquiatria e pela arte, na expressão de sujeitos considerados loucos. Sabendo, sobretudo, que a loucura só pode ser instituída a partir de práticas de sentido de uns sujeitos sobre outros. Assim, aquilo que define o sujeito enquanto louco é uma conduta (científica, artística, social…) de uns sobre outros e sobre a própria noção de loucura. Isso está longe de dizer que a loucura não existe na nossa sociedade, mas, antes, de salientar que as suas definições são tomadas nas próprias relações que  a compõem. É preciso salientar que a noção abstrata de “loucura” possui muitos modos de entendimento e que está mais para um imaginário social, moral e, mesmo, poético e artístico do que para uma interpretação científica. Parte-se, portanto, do princípio de acompanhar as designações históricas de “alienação mental”, doença mental”, “saúde mental” nos seus modos particulares de funcionamento. Como interesse histórico surge o século XX em Portugal – saindo e retornando deste foco sempre que necessário –, considerando que é neste período que a loucura se institui e se institucionaliza enquanto doença mental. Isso significa dizer que durante o aproximar de um século vemos diversas narrativas sobre quem são os loucos, reverberando em diferentes compreensões sobre as suas expressões artísticas: por ora, compreendidas como a extensão de um corpo e uma mente degenerada e, por ora, como outsider art. Por fim, é preciso dizer que o principal foco de investigação são os imperativos que fazem surgir as expressões da loucura na nossa sociedade, como degeneração, como terapia, como arte ou outras infinitas possibilidades.

Sobre a autora:

Stefanie Gil Franco é nascida e criada em São Paulo. Fez a sua formação em ciências sociais e em história da arte, concluindo, em 2019, o doutoramento no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, com a tese que agora é publicada em livro. O seu interesse sobre as questões da “arte e loucura” inicia-se no ano de 2006 quando principia uma investigação sobre Arthur Bispo do Rosário, resultando no seu projeto de mestrado em Antropologia Social na Universidade de São Paulo. Como foco de interesse percorre temas relacionados à institucionalização da loucura, às práticas nosográficas da psiquiatria, assim como à promoção Stefanie Gil Francoda loucura como elemento discursivo no campo das artes. Atualmente desempenha funções como investigadora e docente.

Índice

7 | INTRODUÇÃO

19 | CAPÍTULO 1 – A ALIENAÇÃO EM PORTUGAL: NOTÍCIAS ACERCA DA DEGENERAÇÃO MENTAL E ARTÍSTICA
21 | Um povo que deseja conservar-se e progredir: os alienistas e os alienados
36 | Que degeneram certo, e se desviam: a nosografia de um poeta
44 | Por que é que estas pessoas desenham? A descoberta das expressões dos insanos
60 | Acabrunhados, psychasthenicos, elles apparecem na arte e na literatura: os estudos de Luiz Cebola e Júlio Dantas
81 Doidice ou troça? Os efeitos da teoria da degeneração na arte portuguesa

103 CAPÍTULO 2 – ISOLAR OS CORPOS. MORALIZAR AS MENTES: ALGUMAS MANIFESTAÇÕES SOBRE A CRÍTICA DE ARTE DOS INSANOS
105 A moderna nosografia psicopatológica: a invenção da crítica de arte dos insanos
128 Moralizar as mentes e higienizar o corpo: discursos da psiquiatria portuguesa entre religiosos e republicanos
137 Mil facetas dos espíritos que desvariam: como se expressam as almas delirantes?
151 Biopsiquiatria e psicanálise
159 Entre leucotomias e críticas de arte: entra em cena o Prémio Nobel
169 Varela Aldemira e Flávio de Carvalho: psicanálise e loucura na introdução de dois artistas
175 Os intermináveis anos de 1930: arte e eugenia nos estados totalitários

187 | CAPÍTULO 3 – HUMANIZAR E ADJETIVAR A LOUCURA: UM MUNDO DIVIDIDO AOS PARES
189 A hora das metáforas: o caso da pintora que assassinou o marido
197 Apontamentos sobre uma nova reforma psiquiátrica: da doença para a saúde mental
204 Do filosofar na psiquiatria: a negação do poder médico
220 Presenças contestatárias: a adjetivação da arte dos doentes mentais
231 Art brut e outsider art: novas políticas da arte
243 Interpretações conceptuais: as mitologias individuais por Harald Szeemann
247 Jaime, de apelido Fernandes Simões
258 Fecha-se um hospital, abre-se um museu: novos imperativos sobre arte, arquitetura e doença mental
268 Curadoria em arte dos “doentes” e “não doentes”: os modelos de ateliê no CHPL de hoje
280 Um caleidoscópio riquíssimo: a loucura como categoria desejante

285 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. TEMAS PARA O FUTURO
299 O que se passa com a art brut?

305 Notas
317 Fontes e bibliografia
327 Índice remissivo
331 Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à educação

 

Capa do livro onde se vê imagem a preot e branco de duas jovens de costas a pendurar imagem na parede

Museus e Escolas: As relações Pedagógicas e o papel dos Museus é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em “Artes y Educación”, de Marta Ornelas, apresentada à Faculdad de Bellas Artes, Universitat de Barcelona (orientação de Fernando Hernández-Hernández), em 2016.

O lançamento do livro é no dia 20 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro apresenta uma investigação que versa sobre diversos modos de relação entre jovens do 3º ciclo da escolaridade obrigatória e museus de arte contemporânea. Através de quatro estudos de casos (Museu Berardo, Casa das Histórias Paula Rego e Museu Nacional de Arte Contemporânea), foi possível verificar que os jovens reclamam por práticas mais participativas do que aquelas que tradicionalmente a escola e os museus lhes oferecem. O cumprimento do currículo e as imposições programáticas dos museus constituem constrangimentos à criação de relações pedagógicas entre museus e escolas. Além disso, a legitimidade para ensinar está ainda muito centrada na figura docente ou de quem dinamiza as visitas nos museus, enquanto aos estudantes é atribuído um papel essencialmente subordinado. É a escola que aprende com o museu, sendo muito raramente criadas oportunidades para que o museu aprenda também com a escola. Contudo, a forma como as professoras e as educadoras de museu encaram o conhecimento, a aprendizagem e a arte contemporânea é determinante para o modo como os estudantes aprendem. Se aos jovens for dado um espaço participativo e de autoria na relação com o museu, isso permitirá a criação de propostas alternativas às macronarrativas, sejam estas provenientes dos museus ou mesmo da própria escola tradicional que perpetua a ordem social. No caso da investigação que aqui se expõe, foram as propostas alternativas concebidas pelos jovens que lhes proporcionaram a realização de aprendizagens dotadas de sentido.

Sobre a autora:

Marta Ornelas é doutorada em Artes e Educação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Barcelona, mestre em Museologia e Património pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Professora no ensino básico e secundário, desde 1998, e no ensino superior (2002 e 2016), é formadora de professoras e membro da direção da APECV – Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual. É investigadora do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes. Tem organizado encontros científicos em instituições de referência. Tem publicado artigos e apresentado comunicações em congressos sobre a temática educativa e o acesso do público escolar à arte. Tem sido convidada para integrar conselhos científicos de revistas e de congressos. Em 2018 fundou a Arte Central, um projeto que nasceu para levar a educação artística a todas as pessoas e cresceu a instigar a relação entre as escolas e as instituições culturais, sob uma perspetiva construtivista e de luta contra a discriminação e a desigualdade. A Arte Central é membro da InSEA – International Society for Education Through Art – e da WAAE – World Alliance for Arts Education.

Índice

NTRODUÇÃO
PARTE I – PERSPETIVAS TEÓRICAS E CONCEITOS-CHAVE
Perguntas de investigação
Referências teóricas que marcam a investigação
Abordagem aos museus e aos seus discursos
Perspetivas pedagógicas (nas escolas e nos museus)
Modos de entender a relação entre escolas e museus
Conceitos-chave da investigação

PARTE II – ABORDAGEM METODOLÓGICA
Investigação qualitativa
Estudo de casos
Questões éticas
Reflexividade

PARTE III – ESTUDO DE CASOS
Estudo de caso 1: A primeira vez num museu de arte contemporânea
Estudo de caso 2: Trabalhar e aprender com técnica, rigor e disciplina
Estudo de caso 3: Jovens viajados e críticos
Estudo de caso 4: Implicar os interesses dos alunos num trabalho artístico

PARTE IV – PROCESSO DE ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS
O incidente significativo
Segmentação e codificação das evidências
Primeira abordagem derivada da segmentação e codificação das evidências

PARTE V – CONCLUSÕES
Semelhanças entre os casos estudados
Possibilidades de resposta às perguntas de investigação
POST SCRIPTUM
Uma proposta educativa emergente da investigação

Notas
Fontes e bibliografia
Agradecimentos

 

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado ao Museu Nacional de Arte Contemporânea

capa do livro que tem imagem a preto e branco do espaço exterior do Museu Nacional de Arte Contemporânea

Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico, de Isabel Falcão, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento é no dia 13 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Diogo de Macedo (1889-1959) assume a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) em 1 de julho de 1944, sendo, nos 33 anos de existência do museu, o primeiro escultor a ocupar este cargo. A sua atividade desenvolve-se entre 1944 e 1959, articulando e contextualizando a intervenção no museu com as suas convicções culturais e estéticas, evidenciadas numa intensa atividade como crítico e historiador da arte. Com este estudo pretende-se interpretar o projeto delineado pelo escultor Diogo de Macedo para o MNAC, analisando o seu pioneirismo, destacando os aspetos mais inovadores, e registando, simultaneamente, as fragilidades e fracassos da sua ação. Uma ação centrada na valorização do espaço expositivo, no estudo e divulgação das coleções e na constituição de um acervo representativo da arte contemporânea. Esta função é compreendida em necessária articulação, e contextualização, com o percurso biográfico de Macedo, com a sua obra escultórica e com a sua atividade de crítico, ensaísta e historiador. Pretende-se, ainda, demonstrar que Diogo de Macedo cria um programa museológico para o museu, com um projeto específico que relaciona investigação científica sobre a coleção e divulgação da arte, com o desígnio da construção de uma identidade institucional e científica para o MNAC, no panorama da cultura portuguesa da primeira metade do século XX.

Sobre a autora:

Isabel Falcão (1966) é membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa), grupo de investigação MuSt-Museum Studies, e coordenadora científica do projeto “História das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian – Catálogo Digital”, uma parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto de História da Arte (FCSH-NOVA). Doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico (2019), com orientação científica de Raquel Henriques da Silva, e cuja investigação esteve na base do presente livro. Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Pós-Graduação em Museologia (2008). Mestrado em História da Arte Contemporânea (1997). Licenciatura em História – variante em História da Arte (1989). Tem colaborado com diversas instituições em projetos relacionados com a história da arte portuguesa, estudo de coleções e comissariado de exposições temporárias, sendo autora de diversos artigos e publicações. Desenvolve investigação sobre arte portuguesa dos séculos XIX e XX.

Índice

7 | INTRODUÇÃO
13 | PARTE I – EM TORNO DO MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (MNAC)
15 | CAPÍTULO 1 – Os condicionalismos do MNAC no convento de S. Francisco
43 | PARTE II – DIOGO DE MACEDO (1889-1959). UM ESTETA 
45 | CAPÍTULO 2 – A escultura e a concretização de um ideário
81 | CAPÍTULO 3 – Em torno do pensamento teórico e historiográfico de Diogo de Macedo
123 | PARTE III – DIOGO DE MACEDO E A DIREÇÃO DO MNAC
125 | CAPÍTULO 4 – Diogo de Macedo, o novo diretor do MNAC (1944-1959)
131 | CAPÍTULO 5 – O projeto de Diogo de Macedo para o MNAC
175 | PARTE IV – A INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL DE DIOGO DE MACEDO NO EXTERIOR
176 | CAPÍTULO 6 – Participações oficiais durante o período de direção do MNAC (1944-1959)
193 | CONSIDERAÇÕES FINAIS
207 | Notas
239 | Fontes e bibliografia
257 | Índice Remissivo 
259 | Diogo de Macedo (cronologia)

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à transformação da arte funcional em objeto museal

Transformar Arte Funcional em Objeto Museal é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Arte e Design de Sofia Ponte apresentada à Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em 2016 (orientação de Lúcia Almeida Matos).

O lançamento é no dia 6 de Abril, pelas 18h00, via Facebook da Direção-Geral do Património Cultural. A sessão inclui intervenções de Lúcia Almeida Matos, Rita Jerónimo (Direção-Geral do Património Cultural) e Jorge Ferreira (Caleidoscópio). O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro estuda a exposição de obras de Arte Funcional em museus de arte. Arte Funcional é um segmento de arte contemporânea, relacionado com a Arte Pública recente, constituído por obras que se materializam através de uma inconfundível articulação entre as suas dimensões conceptual, social e funcional. Preenchendo uma lacuna no estudo das estratégias de exposição deste tipo de obras e através de uma análise da sua transformação em objeto museal, esta investigação toma para análise três obras e a sua respetiva vida social — The Homeless Vehicle (1988) de Krzysztof Wodiczko, paraSite (1998-) de Michael Rakowitz e Victory Gardens+ (2007) de Amy Franceschini.
O leque diversificado de situações expositivas identificadas permitiu verificar que uma exposição põe em marcha ações de recontextualização que levam à transformação conceptual e material das obras em questão. Propõe-se que a natureza híbrida e complexa da Arte Funcional tende a desafiar as condutas de exposição praticadas nos museus de arte, porque o conceito de objeto museal relativo à Arte Funcional é instável. Verificou-se que este processo tem contribuído, e simultaneamente beneficiado, da “desmodernização” do contexto museal, um fenómeno recente mas com fervorosos seguidores, que tem potenciado uma atividade curadorial cada vez mais reflexiva.

Sobre a autora:

Sofia Ponte é natural de Lisboa. Doutora em Arte e Design pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e mestre em Visual Studies pela School of Architecture and Planning do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Membro integrado do Instituto de Design, Media e Cultura (ID+). Foi professora auxiliar convidada na FBAUP entre 2011 e 2020. Atualmente é professora auxiliar no IADE – Universidade Europeia.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – QUANDO A ARTE CONTEMPORÂNEA É ARTE FUNCIONAL
Variantes do Conceito de Arte Pública
O Crescimento da Estética da Participação Social
Dilemas Relativos à Esfera Social
Heranças da Arte Conceptual
Discussão do Conceito Funcional

CAPÍTULO 2 – ARTE FUNCIONAL – SELEÇÃO DOS CASOS DE ESTUDO
Enquadramento Metodológico
Campo Empírico

CAPÍTULO 3 – QUANDO A ARTE FUNCIONAL SE TORNA OBJETO MUSEAL
Musealizar Arte Contemporânea
A Musealização do Ponto de Vista dos “Céticos dos Museus”
Da Obra de Arte Instável ao Objeto Museal Instável
A Exposição de Arte Funcional
Recentes Desafios da Atividade Curadorial
A “Desmodernização” do Contexto Museal

CAPÍTULO 4 – TRAJETÓRIAS DA ARTE FUNCIONAL
Arte Funcional em Coleções de Arte
A Exposição da Coleção do Baltimore Museum of Art
Arte Funcional em Exposições Temporárias
O Pioneirismo de Krzysztof Wodiczko e The Homeless Vehicle em Exposição
As Diversas Versões Museais de paraSite
As Iterações de Victory Gardens 2007+ A Plan for Subsidized Urban Gardens

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Contributos da Investigação
Limitações e Dificuldades da Investigação
Investigação Futura

Notas
Siglas, acrónimos e abreviaturas
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

A 22 e 23 de Outubro realiza-se o V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos, em Saragoça, Espanha, e é dedicado a «Autores e textos críticos em espanhol e português». A chamada para propostas de comunicação está aberta até 30 de junho (foroibericov@gmail.com).

Depois das inúmeras contribuições sobre a história da crítica dos museus e do sistema artístico no IV Congresso Internacional da Associação Espanhola de Críticos de Arte realizado no MNCARS, e do sucesso do IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos (Porto, 2020), que tratou da evolução da museografia expositiva, ambas as plataformas juntam-se para abordar os contributos daqueles que escreveram tratados ou estudos sobre museus no contexto cultural ibérico, num encontro dedicado ao tema «Autores e textos críticos em espanhol e português». Para além deste âmbito, também poderão ser aceites ensaios de/sobre autores latino-americanos.
Uma primeira sessão será especialmente dedicada aos pioneiros que, no século XIX e no início do século XX, publicaram comentários sobre museus em Espanha, Portugal, ou nos estados ibero-americanos. Outra tratará de publicações e estudos museológicos desenvolvidos desde a fundação do ICOM, e particularmente do ICOFOM, até à mudança de milénio. Uma sessão final abordará as correntes críticas e autores mais recentes que, na esfera pública contemporânea, incluindo a internet ou as redes sociais, são uma referência no estado atual dos estudos museológicos.
A Comissão Científica avaliará as propostas que, uma vez admitidas, serão integradas no programa do encontro. Dos trabalhos aceites e apresentados será feita a compilação em livro, incluindo versão impressa para doação a bibliotecas, e versão digital que poderá ser descarregada gratuitamente: —no site da Associação Espanhola de Críticos de Arte https://aicaspain.org/libros-editados/ —na biblioteca digital do grupo OAAEP https://oaaep.unizar.es/biblioteca-digital/
—no site do IAACC Pablo Serrano http://www.iaacc.es/recursos/publicaciones/

Destinatários

Este Fórum destina-se a investigadores em processo de formação avançada (alunos de mestrado, doutorandos), bem como a doutores em início de carreira académica. Serão bem-vindas as comunicações de membros da comunidade académica de países ibéricos, bem como de pesquisadores de quaisquer outro país que trabalhem temas relacionados com a história e a crítica da museologia ibérica e latino-americana.

Apresentação de propostas de comunicação

As propostas devem incluir um título, resumo (400 a 500 palavras) e nota curricular do(s) autor(es) (até 300 palavras), e devem ser enviadas para foroibericov@gmail.com até 30 de junho de 2021.
Os autores serão notificados até ao dia 1 de setembro de 2021. O programa final incluirá a seleção das comunicações aceites.
Cada comunicação selecionada terá um tempo máximo de apresentação de 15 minutos. Um computador, projetor e microfone estarão disponíveis para quem precisar.
Devido às atuais circunstâncias de saúde pública, caso sejam decretadas restrições de viagens e reuniões que afetem um elevado número de participantes, uma solução remota / virtual será encontrada.
Os oradores que não possam participar presencialmente, devem enviar um discurso gravado de máximo 15 minutos.
Aceitam-se comunicações em português e espanhol.

Calendário

Receção de propostas: até 30 de junho de 2021.
Notificação de aceitação: 1 de setembro de 2021.
Publicação do programa e abertura de inscrições: 6 de setembro a 20 de outubro de 2021.
Receção de comunicações gravadas (caso não seja possível apresentação presencial): até 11 de Outubro de 2021.
Evento: 22 e 23 de outubro de 2021.
Receção de textos para publicação: até 1 de janeiro de 2022.

Comissão científica

Espanha

Esther Alba. Universitat de València
Amaia Arriaga. Universidad de Navarra
Haizea Barcenilla. Universidad del País Vasco
María Bolaños. Museo Nacional de Escultura
Daniel Lesmes. Universidad Complutense de Madrid
Jesús Pedro Lorente. Universidad de Zaragoza
Matteo Mancini. Universidad Complutense de Madrid
Juan Manuel Monterroso. Universidad de Santiago de Compostela Óscar Navajas Corral. Universidad de Alcalá de Henares
Rosa Perales Piqueres. Universidad de Extremadura
Teresa Reyes. Presidenta del Consejo Ejecutivo de ICOM-España Nuria Rodríguez Ortega. Universidad de Málaga

Portugal

Joana Baião. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; LAM-GM, Instituto Politécnico de Bragança
Helena Barranha. Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa; IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Ana Carvalho. CIDEHUS-Universidade de Évora
Clara Frayão Camacho. DGPC; IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Raquel Henriques da Silva. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Susana S. Martins. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa
Lúcia Almeida Matos. IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; Universidade do Porto
Maria de Jesus Monge. Presidenta de ICOM-Portugal. Directora del Museu-Biblioteca da Casa de Bragança

Comissão executiva

Inmaculada Real. Universidad de Zaragoza e María Luisa Grau Tello. IAACC Pablo Serrano; pertence à OAAEP e às associações de críticos AACA, AECA y AICA.

O futuro dos museus e os desafios da transformação digital

na imagem vê-se uma cena de museu, três jovens a olhar para um telemóvel e no fundo uma imagem a preto e branco de um homem de olhos fechados

O texto “The Future of Museums and Digital Transformation Challenges”/O Futuro dos Museus e os Desafios da Transformação Digital (de Ana Carvalho e Alexandre Matos) foi publicado no livro The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA (ed. Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou, 2020). Está disponível na íntegra em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Resumo:

Neste capítulo, Ana Carvalho (CIDEHUS-Universidade de Évora) e Alexandre Matos (Universidade do Porto) defendem que o planeamento dos museus para a transformação digital, a par com lideranças sólidas são aspectos cruciais para o estabelecimento de objectivos estratégicos. Neste contexto, considera-se a necessidade de reflectir sobre uma mudança de mentalidades, com impacto na forma como os museus se organizam, a introdução de novos conhecimentos e competências, assim como atender ao esforço e aos recursos necessários (qualificação de pessoal, infraestrutura tecnológica e digital, investimento, tempo). Este capítulo  problematiza ainda algumas das questões éticas relacionadas com a transformação digital (ex. protecção de dados e privacidade; acesso aberto às colecções online vs constrangimentos de direitos de autor; acesso aberto vs perda de receitas; museus e controlo da informação; redes sociais).

Abstract:

In this chapter Ana Carvalho (CIDEHUS-Universidade de Évora) and Alexandre Matos (Universidade do Porto) propose that museum planning for digital transformation, along with strong leadership remain crucial to establishing strategic guidelines and objectives. This not only involves establishing a new mind-set, organizational transformation, the inputs of new knowledge and competences, but also assessing the effort and resources (skilled people, IT infrastructure, money and time) required going forward. This chapter was also significant by pinpointing some of the ethical challenges related to digital transformation (e.g. protection of personal data and privacy, open access to museum collections vs copyright constraints, open access vs loss of income, museums and control of data, and social media).

***

Carvalho, Ana, e Matos, Alexandre. 2020. “The Future of Museums and Digital Transformation Challenges.” In The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA, ed. Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou, 73–79. Athens: Hellenic Open University Press. ISBN: 978-618-84272-9-7. http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Em debate: redes e parcerias colaborativas em prol da democracia cultural

Nos próximo dias 23 e 24 de Março 2021 decorre a conferência digital “Museus e Responsabilidade Social – Participação, Redes e Parcerias” no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia. Programa disponível em: http://conferencemuseumsandsocialresponsibility.dgpc.pt/?p=34

No dia 23, um dos painéis será sobre “Redes e parcerias colaborativas em prol da democracia cultural”. Terá como formato uma entrevista, feita por Ana Carvalho a Paulo Pires do Vale, Comissário do Plano Nacional das Artes, sobre o tema “Territorializar, mobilizar, colaborar e indisciplinar: estratégias do Plano Nacional das Artes”.

***

Paulo Pires do Vale é filósofo, professor universitário, ensaísta e curador. Foi Presidente da AICA (Associação Internacional de Críticos de Artes) – Portugal. Desde 2019, é Comissário do Plano Nacional das Artes, uma iniciativa do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação com a missão de aproximar as artes, o património e a cultura da vida dos cidadãos, em particular das crianças e dos jovens.

Ana Carvalho é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Doutorada em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia e mestre em Museologia (Universidade de Évora). Membro do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura com o objetivo de propor recomendações de política pública. Colaborou como investigadora no projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020) sobre os desafios da transformação digital para os museus. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. A sua investigação tem-se centrado em temas do património, da história da museologia e da museologia contemporânea.

Publicado livro sobre o projecto Mu.SA – The Future of Museum Professionals in the Digital Era

O livro “The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA“, da responsabilidade editorial de Achilles Kameas and Panagiota Polymeropoulou (Hellenic Open University), é um dos resultados finais do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Inclui 12 artigos dos parceiros deste consórcio internacional (Portugal, Itália e Grécia), nomeadamente da Hellenic Open University, AKMI S.A, ICOM Hellenic National Committee, ICOM Portugal e Melting Pro Learning.

A investigação desenvolvida no âmbito do projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) consistiu em reflectir sobre o papel dos museus na sociedade digital, considerando as necessidades e os desafios da transformação digital no contexto dos museus. A investigação foi desenvolvida a partir de uma análise comparativa em três países do Sul da Europa: Portugal, Grécia e Itália, e no contexto de um consórcio internacional, liderado pela Hellenic Open University (Grécia), com financiamento europeu (Erasmus +, Sector Skills Alliance). 

O projecto Mu.SA teve por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC – um curso online, de acesso livre e sem pré-requisitos de participação. Intitulado “Essential Digital Skills for Museum Professionals”, este curso, realizado em 2019, foi pensado como uma introdução às competências digitais e transferíveis necessárias para melhor capacitar os profissionais face aos desafios da trans- formação digital nos museus. Foi seguido de um curso de especialização (6 meses), com um perfil modular, e compreendendo uma componente teórica e prática. Manteve-se o formato de ensino à distância, através de uma plataforma digital (Moodle), disponibilizando conteúdos online e recursos educativos, incluindo ainda sessões presenciais, actividades de auto-estudo e uma experiência de trabalho efectiva em museu (aproximadamente dez semanas). Alguns destes recursos educativos continuam disponíveis no website do projecto Mu.SA: http://www.project-musa.eu/results/oers/.

****

Índice

 ix | Introduction, Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou

1 | Chapter 1: Greek Museums in the Digital Age: Training Needs of Museum Professionals in the Framework of the Mu.SA Project, Artemis Stamatelou

7 | Chapter 2: The Training Needs of Museum Professionals in the Digital Field in Italy, Antonia Silvaggi, Romina Surace, Federica Pesce, Margherita Sani

13 | Chapter 3: Digital Competences Needs and Training in the Portuguese Museum Sector, Ana Carvalho e Alexandre Matos

21 | Chapter 4: Mu.SA: The Emerging VET Curricula, Spiros A.p. Borotis, Panagiota Polymeropoulou, Christos Pierrakeas, Konstantinos Giannakopoulos e Achilles Kameas

29 | Chapter 5: A Methodology for Realizing VET Curricula: The Mu.SA Case, Christos Pierrakeas, Panagiota Polymeropoulou, Spiros A.p. Borotis e Achilles Kameas

37 | Chapter 6: Insights from Piloting a Community Builder MOOC to Help Museum Professionals Facing 21st Century Challenges, Paula Menino Homem

45 | Chapter 7: Evaluation of the Mu.SA MOOC Course, Massimiliano Dibitonto, Katarzyna Leszczynska e Elisa Cruciani

51 | Chapter 8: Piloting the Specialization Courses of the Mu.SA project: Shifting Towards the Museum of the Future, Eleni Damianou e Giannis Panopoulos

55 | Chapter 9: Evaluation of the Mu.SA Blended Course, Massimiliano Dibitonto, Katarzyna Leszczynska e Elisa Cruciani

63 | Chapter 10: An Agenda for Digital Culture, Ivo Oosterbeek, Maria João Nunes, Ilídio Louro, Ana Fernambuco e Inês Câmara

69 | Chapter 11: Museums for Social Inclusion: Exploring Current Trends in Greek Museums, Artemis Stamatelou

73 | Chapter 12: The Future of Museums and Digital Transformation Challenges, Ana Carvalho e Alexandre Matos

81 | Conclusions

****

Kameas, Achilles, e Panagiota Polymeropoulou, eds. 2020. The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA. Athens: Hellenic Open University Press. 83 páginas. ISBN: 978-618-84272-9-7. http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Publicado artigo que destaca a museologia como campo de estudos em Portugal

A imagem é o hall de entrada de um museu suportado por pesadas colunas decoradas

O artigo “Building the field of museum studies in Portugal: the role of publications” / A construção da museologia como campo de estudos em Portugal: o papel das publicações (*Ana Carvalho) foi publicado na revista MIDAS, Museus e Estudos interdisciplinares (n.º 12, 2020). Está disponível na íntegra em: https://doi.org/10.4000/midas.2611

Resumo:

Assistimos nas últimas décadas à expansão do campo de estudos de museus. Esse desenvolvimento é sustentado com o contributo de diferentes actores e de variadas formas. As publicações são parte fundamental dessa construção na medida em que asseguram a visibilidade e o acesso ao campo de estudos, assim como contribuem para articular diferentes entendimentos, propostas e perspetivas, seja na teorização como na ação, fortalecendo, assim, o seu desenvolvimento. Este artigo analisa o papel das publicações na construção da museologia como campo de estudos em Portugal, com particular evidência a partir da década de 1990. De carácter exploratório, o artigo tem como objectivo analisar a evolução das publicações, em que contextos, iniciativas e actores. Sem a pretensão de um retrato exaustivo, assinalamos algumas dinâmicas, relações e tendências que marcam as últimas décadas. A metodologia adotada incluiu a análise e revisão bibliográfica, e o conhecimento empírico com relação ao tema. A análise apresentada pode ser significativa para compreender algumas das principais questões relacionadas com a construção da museologia como campo de estudo ao longo das últimas três décadas.

Abstract:

In recent decades we have seen the field of museum studies expand. This development has been supported by the contribution of several actors, in various ways. Publications are essential in this process, since they ensure visibility and access to the field of study, while helping to articulate different understandings, proposals and perspectives – both in theory and in practice – thus strengthening its development. This article considers the role of publications in building museology as a field of study in Portugal, especially from the 1990’s onwards. This empirical and exploratory study aims to analyse the evolution of publications in terms of contexts, initiatives and actors. While not intending to be exhaustive, we signal some dynamics, relations and trends from recent decades. The methodology adopted includes literature review and is based also on my empirical knowledge on the subject matter. The analysis presented can be significant in contemplating some of the key issues related to the trajectory of museum studies as a field of study over the last three decades.

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.