Arquivo de etiquetas: museologia

Chamada para artigos número “Varia” – Revista MIDAS

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para contributos para número “Varia” (não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2024. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) no formato de artigos (até 6 000 palavras) e notações (artigos breves, até 3 000 palavras).

Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

As propostas devem ser enviadas até 5 de abril de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Novo livro da Coleção Estudos de Museus estuda o papel do som nas exposições

A imagem tem uma orelha em primeiro plano de onde sai uma onda de som

O Som como Meio de Comunicação nas Exposições (2023) é o 26.º título da Coleção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Musicologia/Etnomusicologia, de Alcina Cortez, apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2020. A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, alargando os horizontes das investigações na área dos museus e da museologia.

O lançamento acontece no próximo dia 2 de fevereiro (sexta-feira) de 2024, pelas 18h00 horas, no Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa. O livro será apresentado por Edward Ayres de Abreu, diretor do Museu Nacional da Música.

Sinopse

O século xx foi palco de vários fenómenos que conduziram a um interesse crescente, da parte dos museus, pela potencialidade comunicativa do som e à realização de exposições em que o som é o elemento central. O aparecimento das tecnologias de registo sonoro constitui um dos momentos mais importantes neste processo: o facto de permitirem que o som se estabeleça enquanto objeto físico potenciou o aparecimento de novos entendimentos e concetualizações em torno do som. O conhecimento desenvolvido pelos estudos musicais foi igualmente preponderante neste processo: tendo demonstrado o valor cultural, social, político, económico e ético do som, a etnomusicologia e os estudos do som em particular vieram estimular a vontade dos curadores em utilizar o som como material para trabalhar noções de identidade, subjetividade e comunhão. Também a crescente preocupação, da parte tanto dos estudos de museus como da prática museológica, com o público visitante acelerou o interesse dos curadores pelo som como material para construir exposições. É ainda de destacar o papel desempenhado pelo desenvolvimento de tecnologias áudio, digitais e multissensoriais (realidade virtual, realidade aumentada e realidade mista), que proporcionaram formas de lidar, nas galerias, com a imaterialidade do som e, simultaneamente, fomentaram interações museológicas de base experiencial.

De âmbito claramente multidisciplinar, englobando a etnomusicologia, os estudos do som, os estudos de museus e a semiótica social, este livro propõe pela primeira vez uma estrutura classificativa das práticas multimodais de base sonora em museus. Partindo da análise de 69 exposições que tiveram lugar nos últimos dez anos, na Europa e nos Estados Unidos da América, a autora desenvolve concetualmente cinco categorias de prática multimodal de base sonora— som como “lição”; som como artefacto; som como ambiance/banda sonora; som como arte; e som como modo de curadoria partilhada.

Na segunda parte do livro, a autora examina o potencial comunicativo do som em exposições museológicas através do estudo de caso de arte sonora The Visitors (2012), de Ragnar Kjartansson, que veio demonstrar que o som e o espaço, quando em articulação, permitem trabalhar noções de identidade, subjetividade e comunhão.

O Som como Meio de Comunicação nas Exposições em Museus visa contribuir para o desenvolvimento e o estabelecimento das práticas multimodais de base sonora em museus, quer enquanto campo de investigação multidisciplinar e coeso, quer enquanto forma de potenciar uma mudança sensorial na prática museológica.

Sobre a autora

Alcina Cortez é Curadora e Produtora de exposições desde 1996, foi Diretora de Visitas do Pavilhão do Futuro na Expo’98 e Produtora Executiva de Exposições no Serviço de Ciência da Fundação Calouste Gulbenkian (2001-2011). Estudou piano, violoncelo e composição no Instituto Gregoriano de Lisboa. Formou-se em Musicologia (1992) e fez cursos de pós-graduação em Estudos de Música Popular (2012) e em Acústica e Estudos do Som (2019). Obteve o grau de mestre em Etnomusicologia/Estudos de Museus (2014) e concluiu o doutoramento (2022), também em Etnomusicologia/Estudos de Museus, com a tese Communicating Through Sound in Museum Exhibitions: Unravelling a Field of Practice, sob a orientação de Salwa Castelo-Branco e Jennifer Walklate. Investigadora no Instituto de Etnomusicologia, Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa tem-se especializado no estudo do potencial comunicativo (representacional, emocional, sensorial e estético) do som enquanto elemento integrante de exposições museológicas. A sua investigação tem-se traduzido na publicação de diversos artigos em revistas, como a Curator, Popular Music e Sound Studies. É autora do blogue objectsofsound.com selecionado para integrar a publicação The Blog Book da MuseumsETC.

Índice

9 Prefácio
13 Primeiro Capítulo – Contributos para a exposição de som em museus
18 Formulação do problema
18 Enquadramento teórico
37 Metodologia e ferramentas analíticas
53 Segundo capítulo – Caracterizando a prática de expor som em museus: cinco categorias:
59 Som como “Lição”
74 Som como artefacto
93 Som como ambiance/banda sonora
98 Som como arte
105 Som como modo de curadoria partilhada
108 Observações finais
11 Terceiro capítulo – The Visitors, de Ragnar Kjartansson: um estudo de caso de arte sonora
114 Fontes
121 The Visitors do ponto de vista da significação
157 Observações finais
159 Quarto capítulo – Práticas de escuta em museus: um caminho
175 Notas e bibliografia
193 Agradecimentos

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um conselho editorial constituído por Alice Semedo, Ana Carvalho, Fernando António Baptista Pereira,  Marta C. Lourenço, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras e de coordenação científica).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Coleção Estudos de Museus publica livro sobre jogos com realidade aumentada nos museus

Jogos com Realidade Aumentada nos Museus (2023) é o 24.º título da Coleção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Media Digitais, de Maria Van Zeller, apresentada à Universidade do Porto em 2022. O lançamento aconteceu a 19 de julho de 2023. A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, continuando a alargar os horizontes das investigações na área dos museus e da museologia.

Sinopse

Nesta era digital, os museus procuram nas tecnologias emergentes as soluções mais adequadas para apoiar a experiência dos visitantes. Para apoiar essa abordagem, este estudo baseia-se em métodos de investigação ao nível do design de experiências. Esta investigação foca-se na identificação das novas tendências em tecnologia que potenciem maior atenção dos visitantes aos museus. Mais concretamente, propõe-se o desenvolvimento de aplicações baseadas na localização, com realidade aumentada e jogos, para promover novas experiências em espaços museológicos. O objetivo deste estudo é o de encontrar os princípios orientadores para que museólogos e designers possam desenvolver propostas mais eficazes, na promoção do envolvimento do Museu com o público, através de soluções que potenciem o envolvimento deste com os objetos museológicos. Foi realizado um estudo online sobre a perceção do público sobre a utilização destas tecnologias nos museus baseado no Modelo de Aceitação Tecnológico (TAM) e num Modelo de Design de Experiências que incorpora as mecânicas e tipo de público a que se destinam. Esta investigação baseou-se no estudo de casos para desenvolver a teoria, pelo que os resultados são provenientes de quatro casos de estudo realizados no Museu de História Natural da Universidade do Porto e no Museu da Farmácia do Porto. Foram utilizados métodos de cocriação e realizados testes com utilizadores, com recurso a questionários e entrevistas. Os resultados alcançados nesta investigação revelaram que os jogos pervasivos têm grande potencial de atração de novos públicos aos museus. Pelo que se pretende dá um contributo nas temáticas do conhecimento do público e da experiência dos visitantes com metodologias de apoio ao processo de criação e implementação de aplicações móveis nos museus, integrando jogos pervasivos.

Sobre a autora

Maria Van Zeller (Porto, 1977) é Investigadora doutorada em Medias Digitais do INESC TEC no centro HumanISE, com foco na área da Interacção Humano-Computador (HCI) com recurso a metodologias relacionadas com a aprendizagem imersiva e design participativo. Professora convidada da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto no departamento de Informática, com responsabilidades de orientação de mestrados e júri em provas académicas e profissionais. É coordenadora de um projeto europeu na área da Literacia digital, programa Erasmus+. Fez o seu percurso académico na Universidade do Porto, é licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes e Mestrado em Multimédia na Faculdade de Engenharia, com a tese relacionada com as coleções online e redes sociais em Museus (2010). Na sua investigação de doutoramento desenvolveu um modelo para a utilização das tecnologias digitais para criar experiências imersivas em museus, em co-criação com as equipes dos museus e com recurso a atividades gamificadas. Foi responsável pelo departamento Multimédia na empresa Sistemas do Futuro – Multimédia, Gestão e Arte, de 2003 a 2022, com funções de design, gestão e coordenação de recursos humanos de projetos nacionais e internacionais. Recebeu prémios internacionais e nacionais e tem diversas participações académicas em conferências.

Índice

7 INTRODUÇÃO

7 Contexto

11 Problema, questões e objetivos da investigação

13 Enquadramento metodológico

18 Relevância

20 Estrutura

23 ESTADO DA ARTE

25 O papel dos museus na era digital

30 Aplicações móveis como guias de apoio à localização

33 Realidade aumentada e realidade virtual: relação entre o mundo físico e o digital

42 Colaboração, ludificação e criatividade

47 O design de jogos e a experiência do utilizador

61 METODOLOGIA

64 Fase 1. Análise

64 Fase 2. Desenvolvimento de proposta

66 Fase 3. Ciclos iterativos

68 Fase 4. Reflexão

69 MODELO DE ACEITAÇÃO DA TECNOLOGIA E MODELO DE DESIGN DE EXPERIÊNCIAS

71 Contextualização do estudo

73 Instrumentos de pesquisa

77 Análise de dados

99 Síntese da análise

102 Considerações

103 DESIGN, PROTOTIPAGEM E IMPLEMENTAÇÃO

107 Caso de estudo 1 – Experiência lúdica no exterior do museu

115 Caso de estudo 2 – Experiência lúdica no interior do museu

158 Caso de estudo 3 – Experiência lúdica no espaço interior e exterior do museu

174 Caso de estudo 4 – Experiência lúdica inclusiva

191 FRAMEWORK PLAY THE MUSEUM – PRINCÍPIOS PARA JOGAR O MUSEU

194 Envolvimento dos visitantes com o espaço museológico

197 Envolvimento dos visitantes com o objeto

200 Envolvimento dos visitantes com a matéria científica

201 Princípios para Jogar o Museu

203 Operacionalização da avaliação

206 Síntese

209 CONCLUSÕES

211 Resultados da investigação

219 Contribuições

220 Limitações

222 Trabalho futuro

225 Considerações finais

229 Questionário: Grau de Aceitação do uso de AR

242 Análise de dados do questionário

243 Templates dos Jogos

245 NOTAS

253 REFERÊNCIAS

261 ÍNDICE REMISSIVO

263 AGRADECIMENTOS

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Ana Carvalho, Marta C. Lourenço e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Publicado novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

“Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste”, 2013, de Jonathas de Andrade
© Aurélien Mole. Conceção da capa: Elisa Noronha

Já se encontra disponível em acesso aberto um novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares: https://doi.org/10.4000/midas.4518

Este número “Varia” (17) é coordenado por Ana Carvalho (Universidade de Évora, CIDEHUS), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora, CHAIA), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa, IHA).

****

MIDAS 17

Editorial
Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Macarena Cuenca-Amigo, Eloísa Pérez Santos e María Jesús Monteagudo
A satisfactory visitor experience: dimensions and contextual components of Spanish museums

Leonardo Gonçalves Ferreira e Letícia Julião
Um poeta em exposição: os públicos e a expografia do museu dedicado a Augusto dos Anjos

Fabiana Dicuonzo
The liminal museum. An investigation of the socio-educational processes starting from architecture

Irene Sánchez Izquierdo
Museos y territorio en la frontera hispano-portuguesa: patrimonios para el futuro en el noreste transmontano

Ariadna Ruiz Gómez
Los debates del concepto de “museo” del Consejo Internacional de Museos en clave luso e hispanoparlante

Notações

Henrique Couto e Maria Teresa Crespo
Retrieving history: the liquid-preserved collection of the Museu do Mar – Rei D. Carlos

Cláudia Furtado
Experimente (delicadamente)! Considerações sobre a exposição de instrumentos musicais

Entrevista

Educação patrimonial: criar e conceptualizar vínculos. Uma entrevista com Olaia Fontal
Por Elisa Noronha e Patrícia Roque Martins

Recensões críticas

Giulia Lamoni
Tudo o que eu quero. Artistas Portuguesas de 1900 a 2020 [Exposição e catálogo]

Bruna Toledo Gomes
Joshua Adair e Amy Levin, ed. – Museums, Sexuality, and Gender Activism

Revista MIDAS: chamada para a organização de números de temáticos

Foto: Ana Carvalho

A Revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta de propostas para a organização de números temáticos sobre temas originais e inovadores no âmbito da teoria da museologia e das suas práticas, a publicar em 2025.

A proposta deve incluir: título; texto de apresentação (até 2500 palavras) sobre o contexto, os objetivos e os contributos do número temático; lista das referências bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); títulos e resumos dos artigos; nota biográfica de cada autor/a (até 150 palavras) e de cada organizador/a.

As propostas devem ser enviadas até 15 de fevereiro de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre o envio, seleção e avaliação das propostas: https://journals.openedition.org/midas/178

Novo número da revista MIDAS: “Museologia: Encontros e Diálogos Ibéricos”

Capa da revista, em que em baixo se identifica uma imagem a preto e branco e que consiste numa estrada onde 5 camiões seguem carregando 5 letras que formam a palavra "museu"

“Museu”, 1999 © Luis Asín. Arquivo Mansilla + Tuñón Arquitectos. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

Foi publicado o mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, o dossier temático “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos”, coordenado por Ana Carvalho e Susana. S. Martins. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/3700

****

MIDAS 16: | “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos

Coord. de Ana Carvalho e Susana S. Martins

Editorial | Diálogos e encontros ibéricos sobre museologia.
Notas para um campo em construção

Artigos

Raquel Henriques da Silva
Memória e mitos. O touro na obra de Jorge Vieira. A exposição como campo alargado

María Bolaños
La mirada de Georges Salles

Ana Cristina Martins
A importância de estagiar em Madrid: uma nova visão sobre os museus de arqueologia em Portugal (anos 50 do séc. XX)

Filipa Coimbra
Por um “arquivo vivo”: uma abordagem decolonial à coleção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian

João Luís Fernandes
A coleção Marciano Azuaga: Gaia e Porto na segunda metade do século XIX e primeira década do século XX

Joana Miguel Almeida
Memórias e experiências para além da exposição: (re)visitar o passado no Museu do Aljube

Sara Castellano Sansón
Los museos de La Raya y sus proyectos educativos: una herramienta de diplomacia cultural

Inês Silvestre
O Centro de Arte Contemporânea e o Museu Nacional de Soares dos Reis. Análise de uma parceria institucional

Notações

Gemma Domènech i Casadevall
El impacto de la Guerra Civil española en la configuración de los museos. El caso del Museu d’Art de Girona

Diana Zárate-Zúñiga, Lourdes Prados Torreira e Francesca Romagnoli
El proyecto de investigación VEMOS: una propuesta para visibilizar a los grupos marginados en los museos arqueológicos

Ensaios

Marta Branco Guerreiro
Escrito na areia: notas para um arquivo da participação

Recensões críticas

Graça Filipe
Dóris Santos – Arte, Museus e Memória – A Imagem Marítima da Nazaré

Sara Albuquerque
Luís Ceríaco – Zoologia e Museus de História Natural em Portugal (Séculos XVIII-XIX)

Rita Salgueiro
The Perpetuation of Site-Specific Installation Artworks in Museums: Staging Contemporary Art

Helena Barranha
Visionárias [Exposição]

Ana Lúcia Luz
Topomorphias [Exposição]

Gonçalo de Amaro Carvalho
Naturaleza Observada. Arte y Patrimonio e Trabajos de Campo – Field Works [Exposições]

Workshop “Património cultural imaterial, museus e sociedade digital: políticas europeias na região mediterrânica”

Estão abertas as inscrições para o segundo workshop temático do projeto MEDHEUS – Mediterranean Cultural Heritage in EU Policies sobre “Património Cultural Imaterial, Museus e Sociedade Digital: políticas europeias na região mediterrânica”, na Universidade de Évora, em formato presencial.

Formadora: Ana Carvalho (CIDEHUS e Cátedra UNESCO em Património Imaterial – Universidade de Évora)

15 de Setembro
Módulo 1 – Património Cultural Imaterial e Museus: políticas europeias e estudos de caso na região mediterrânica, 14h-17h, Universidade de Évora

22 de Setembro
Módulo 2 – Museus e Sociedade Digital: realidades e desafios na região Mediterrânica, 14h-17h, Universidade de Évora

As inscrições estão abertas até 8 de setembro. São gratuitas mas imitadas a 15 formandos. Faça a sua inscrição através do formulário: https://forms.gle/Zme52Z1KAPdP66nx7

Para mais informações sobre o programa e os conteúdos, consulte o website do projeto MEDHEUS: https://www.medheus.uevora.pt/index.php/thematic-workshops/

Concurso aberto para bolsa de doutoramento em história e filosofia da ciência na Universidade de Évora

imagem que representa os claustros do edifício central da Universidade de Évora, antigo colégio de jesuítas

Imagem de Ana Carvalho

Está aberto concurso para uma bolsa de doutoramento na área da História e Filosofia da Ciência, no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Neste âmbito podem incluir-se estudos de investigação incidentes sobre museus e coleções.

A bolsa financia um máximo de 4 anos e tem o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ao abrigo do Protocolo de Colaboração para Financiamento do Plano Plurianual de Bolsas de Investigação para Estudantes de Doutoramento, celebrado entre a FCT e a Unidade de I&D CIDEHUS.

Prazo para envio de candidatura: 18 de setembro de 2023

Mais informação: https://www.uevora.pt/investigar/Oportunidades-de-Investigacao/concursos-bolsas-id?item=38173

Chamada de artigos para a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

Imagem de Ana Carvalho. FCG

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para número “Varia” (não temático) a publicar em 2024. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros e de exposições, até 1 500 palavras
– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos selecionados seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2023 para: revistamidas@gmail.com

Call for papers Revista de História da Arte

Lucy Potter, “Sampler”, 1791. Providence: Mary (Polly) Balch’s Academy, United States, Rhode Island, Providence (https://www.artic.edu/artworks/89904/sampler)

Encontra-se aberta chamada para artigos para a Revista de História da Arte (RHA) do Instituto de História da Arte (IHA) da Universidade Nova de Lisboa.

O prazo para envio de propostas é 1 de setembro 2023

Áreas temáticas:
– História da arte e teoria
– Artes visuais
– Arquitectura e Urbanismo
– Museus e Estudos do Património
– Práticas artísticas e curatoriais

Envio de propostas: rha@fcsh.unl.pt

Mais informações: https://institutodehistoriadaarte.com/2023/05/29/rha-call-for-contributions-until-1st-sept/?fbclid=IwAR2UPt4Jqwu3-3o5tWymW_pSkPtbHi1dKsxNXyBfW952v3HpaI81o1wBLRQ

Call for Papers para o VII Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

VII Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

VII Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Por una museología sostenible a través de la educación e inclusión
Cuidad Real, Espanha, 19 e 20 de Outubro 2023

Call for papersFecha límite de presentación de propuestas: 30 de junho

El objetivo de este VII Foro Ibérico, continua con su espíritu de aportar nuevos puntos de vista, la implementación de la interseccionalidad y de perspectivas interdisciplinares, así como proporcionar un enclave para el diálogo entre museólogos en diferentes etapas académicas.

Atendiendo a estos bloques, se proponen los siguientes ejes temáticos para la llamada a contribuciones:

1. Sostenibilidad y territorio

1.1. Sostenibilidades para el museo. Diferentes estrategias en el siglo XXI.
1.2. Territorio y museos. Relación con el entorno.
1.3. El museo y su relación con el turismo. Retos para alcanzar unas buenas prácticas.

2. Educación

2.1. Públicos y comunidades. Estudios y casos de estrategias educativas en el museo.
2.2. El museo educa desde nuevas miradas. Nuevas narrativas patrimoniales en los museos.
2.3. Las colecciones revisadas. Exposiciones de ayer a hoy.
2.4. Educación y memoria. Divulgación en el museo.

3. Inclusión

3.1. Comunidades y participación de los museos.
3.2. Políticas culturales y museos. La inclusión se hace efectiva.
3.3. Museos y buenas prácticas con perspectiva de género. De la investigación a la exposición.

Organización: Universidad de Castilla-La Mancha y Universidad de Málaga.

Entidades colaboradoras: Museo Nacional del Teatro de Almagro y Museo Provincial de Ciudad Real.

Más información: https://foroiberico7.wixsite.com/foroiberico7

Congresso internacional em Évora para debater políticas e práticas para a salvaguarda do património imaterial

Cartaz congresso internacional em Évora

O Congresso Internacional “A Salvaguarda do Património Cultural Imaterial: políticas e práticas para as próximas décadas” realiza-se a 2 e 3 de novembro na Universidade de Évora.

Com a organização da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-Fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora, o congresso assinala os 10 anos da criação da Cátedra e os 20 anos sobre a aprovação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO.

A chamada de trabalhos está aberta até ao dia 31 de maio de 2023. Mais informações em: https://www.catedraunesco.uevora.pt/congresso-internacional/ 

***

A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003) constitui uma pauta fundamental para quantos atuam na área do Património Cultural Imaterial (PCI), seja no plano da investigação e da intervenção junto das comunidades, seja no traçado de políticas públicas, tendo desencadeado não apenas a inventariação de expressões do PCI (listas representativas) e medidas de salvaguarda, mas também a valorização social, cultural e económica dessas expressões e dos seus detentores. Mas a comemoração dos 20 anos da Convenção deve ser mais do que uma mera celebração; deverá ser, sobretudo, um momento de balanço das políticas e práticas que nela se amparam, assim como das suas repercussões nas comunidades ou nos indivíduos que viram reconhecidas as suas expressões culturais imateriais.

No artº. 2º da Convenção define-se o património cultural imaterial como “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e competências – bem como os instrumentos, objetos, artefactos e espaços culturais que lhes estão associados – que as comunidades, grupos e, eventualmente, indivíduos reconhecem como fazendo parte do seu património cultural. Este património cultural imaterial, transmitido de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função do seu meio envolvente, da sua interação com a natureza e da sua história, e confere-lhes um sentido de identidade e de continuidade, contribuindo assim para promover o respeito da diversidade cultural e a criatividade humana”, acrescentando-se, no mesmo artigo, que “para efeitos da presente Convenção, só será tomado em consideração o património cultural imaterial que seja compatível com os instrumentos internacionais relativos aos direitos humanos existentes, bem como com a exigência do respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos, e de um desenvolvimento sustentável”.

Vinte anos depois destas afirmações, considerando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas, importa repensar o papel da Convenção e do PCI num mundo que, em 2023, se confronta com os problemas inerentes a binómios como “salvaguarda – sustentabilidade”, “continuidade – recriação”, “direitos – deveres”, “políticas-práticas”.

Com este congresso internacional pretende-se promover não só um balanço crítico das duas décadas da Convenção mas também uma discussão sobre os desafios das políticas e práticas em torno do PCI nas próximas décadas.

É ainda objetivo deste Congresso dar conta dos contributos da Cátedra para a implementação dos desígnios da Convenção no que tange a estudos, metodologias, intervenções no terreno, boas práticas, apoio às políticas públicas e aos detentores de expressões de saber-fazer tradicional.

#uevora #cidehus #catedraunesco #unescochair #intagibleheritage #CallForPapers

“Ciência, Tecnologia e Ambiente na História: Um Mundo em Crise” em debate na Universidade de Évora

cartaz relativo ao 7.º Encontro Nacional de História das Ciências e da Tecnologia

O 7.º Encontro Nacional de História das Ciências e da Tecnologia (ENHCT) é dedicado à “Ciência, Tecnologia e Ambiente na História: Um Mundo em Crise”. Acontece a 15 e 17 de novembro de 2023, no Colégio do Espírito Santo da Universidade de Évora.

Está aberta chamada para propostas de comunicações até 30 de abril. * inclui a área dos museus

São bem-vindas propostas que explorem a variação espacial e cronológica de momentos de crise e normalidade, e abordem o papel do conhecimento e da tecnologia na emergência e/ou na resolução de crises.

Poderão ser submetidas propostas sob forma de comunicações individuais ou sessões temáticas (mínimo de três comunicações). Serão privilegiadas as propostas que abordem as temáticas do ENHCT.

O Encontro é organizado pelo Instituto de História Contemporânea – FCSH Universidade NOVA de Lisboa e pela Universidade de Évora.

Mais informações em: https://7enhct.wordpress.com/

Publicado novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

Performance “Ruminar o Museu”, dos artistas André Alves, Filipa Araújo e Max Fernandes. No Centro Internacional de Arte José de Guimarães, a 18 de Maio de 2022, no âmbito do Dia Internacional dos Museus. © Fotografia de Joana Mendonça. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – o n.º 15 – acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.3418

****

MIDAS 15 – “Varia”

Sob a coordenação de Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Pedro da Silva e Inês Moreira
Curadoria em arte/arqueologia: processos de proto e pós-escavação

Sandra Silva
Arte espacial e arquiteturas espaciais: explorando ligações

Inês Azevedo
Reflexões sobre patrimonialização: a arte e a mediação no Museu Casa das Imagens

Notações

Ana Temudo
Victor Bandeira and the collections of the National Museum of Ethnology: notes from fieldwork

Sónia Faria
Visita virtual interativa ao Museu do Centro Hospitalar do Porto: uma proposta de mediação digital

Recensões críticas

Raquel Henriques da Silva
Isabel Falcão – Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte

Maria João Fonseca
Mariana Soler – Biodiversidade Musealizada – Formas que comunicam

Beatriz Medori
Quintino Lopes – Armando de Lacerda e o Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra (1936-1979)

Francisca Listopad
Harrison, Rodney et al. – Heritage Futures. Comparative Approaches to Natural and Cultural Heritage Practices

Lorea Ariadna Ruiz Gómez
Jesús Pedro Lorente – Reflections on Critical Museology: Inside and Outside Museums

Sandrine Simon
Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao Século XXI [exposição]

Marta Branco Guerreiro
Planta Pedra [exposição]

****

Afinal, o que é um museu?

A plataforma Gerador, plataforma portuguesa independente de jornalismo, cultura e educação, fez uma reportagem (30-12-22) sobre a nova definição de museu do Conselho Internacional dos Museus (ICOM). Contou com a minha participação. A reportagem, “Afinal, o que é um museu?”, assinada pela jornalista Isabel Patrício, está disponível na íntegra em:

Afinal, o que é um museu? Nova definição “reforça serviço à sociedade”

Partilho aqui a minha opinião, mais desenvolvida, a partir das perguntas lançadas pela jornalista Isabel Patrocínio.

Com 92% dos votos, o ICOM aprovou uma nova definição de museu [em agosto de 2022]. Antes de mais, entende que era ou não necessária esta mudança?

Ana Carvalho – Os museus são parte da sociedade e como tal não estão imunes às mudanças que acontecem. A própria definição de museu convoca a isso, quando afirma que os museus estão “ao serviço da sociedade”. Estar ao serviço da sociedade significa que os museus devem interrogar-se, de forma contínua, sobre as respostas que podem dar face aos desafios actuais da sociedade. Foi a partir desta premissa que em 2016 o Conselho Internacional de Museus (ICOM) decidiu voltar a discutir uma possível redefinição do que significa “museu”, uma vez que a última revisão datava de 2007.

É preciso dizer que este é um tópico recorrente na história do ICOM, ou seja, repensar e ajustar a definição de museu tem vindo a acontecer ao longo do tempo, desde a primeira formulação dos estatutos do ICOM em 1946. Na minha opinião, é um exercício saudável que deve fazer parte da discussão, de uma forma regular. Obriga ao questionamento, sobre o que somos, sobre o que fazemos e porque o fazemos.

O que destacaria do que se altera com esta nova definição?

Ana Carvalho – Destacaria a introdução, pela primeira vez, da ideia de acessibilidade e de inclusão, agora consideradas como parte integrante do que é ser museu, a promoção da diversidade e da sustentabilidade, e a participação. Todas estas noções estão aliás interligadas e são hoje plenamente reconhecidas como aspectos fundamentais na teoria e na prática dos museus (ou pelo menos numa boa parte de museus, uma vez que o panorama museológico é muito díspar).

Persistem avaliações díspares da nova definição. Que posição assume? Entende que é adequada?

Ana Carvalho – Na minha opinião não é desadequada. Depois de em 2019 se ter chegado a uma proposta (não votada, mas que foi expressivamente contestada em Quioto na Conferência-Geral) que rompia em grande medida com a estrutura da definição que até então tinha prevalecido, penso que agora se deram dois passos atrás, o que é compreensível, procurando uma proposta de definição mais operativa e mais consensualizada, e que foi buscar grande parte da estrutura tradicional da definição anterior, ainda que trazendo também alguma “novidade”.

No entanto, um aspecto que considero menos produtivo foi a eliminação da expressão “desenvolvimento” da definição de museu. Ou seja, se na definição anterior prevalecia a ideia de que os museus estavam “ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento”, na nova versão caiu a palavra desenvolvimento. Na minha opinião o “desenvolvimento” da sociedade é uma finalidade importante para os museus. Por outro lado, na nova definição, a introdução da “sustentabilidade” como propósito dos museus pode implicar essa ideia de desenvolvimento, aliás um desenvolvimento sustentável.

Em termos práticos, que reflexos poderá ter a mudança desta definição?

Ana Carvalho – A definição de museu do ICOM tem sido ao longo dos tempos um referencial, atendendo à notoriedade e prestígio do ICOM, que agrega a maior comunidade de profissionais e de museus do mundo. É a definição de museu mais difundida internacionalmente. Por essas razões, é com frequência fonte de inspiração, por exemplo, para pensar ou repensar as legislações nacionais. Regra geral cada país adopta um conceito próprio de museu, adaptando-o à sua realidade específica, consensualizado profissionalmente e/ou validado juridicamente, tal como aconteceu em Portugal com a definição de museu na nossa Lei-Quadro de Museus (2004).

Por outro lado, no âmbito da comunidade de profissionais, ter uma nova definição de museu pode ser não só inspiracional, mas também um instrumento de trabalho, no sentido em que ajuda a ter uma linguagem comum. Não menos importante, ter uma definição de museu com a assinatura e reputação do ICOM, pode ser uma ferramenta importante para os profissionais de museu chamarem a atenção das tutelas para o que o museu pode ser e não pode ser.

Por exemplo, fala-se pela primeira vez em inclusividade, diversidade, sustentabilidade, ética, profissionalismo, participação das comunidades e partilha de conhecimento. Esta nova definição tenderá a promover tudo isto ou, pelo contrário, a definição é o espelho do que já existe na prática?

Ana Carvalho – As duas coisas. Esta nova definição, creio, que pode ajudar a chamar a atenção para temáticas que agora ganham mais destaque por esta via, como a acessibilidade, a inclusão, a diversidade, a diversidade, a sustentabilidade, a participação. Mas, todos estes tópicos já espelham a prática (e a teoria de museus). Por exemplo, já se fala de inclusão social nos museus, pelo menos desde os anos 1990. No entanto, não podemos esquecer que o mundo dos museus é muito desigual e diverso, e onde convivem diferentes velocidades. Para muitos museus e contextos, ter estas temáticas espelhadas na definição pode ajudar a coloca-las em acção.

Que papel tem, na sua opinião, os museus na sociedade portuguesa?

Ana Carvalho – Na minha opinião, os museus devem contribuir para o desenvolvimento da sociedade, gerando mudanças positivas e impactos vários (educativo, social, económico, cultural) a partir das suas coleções e da sua programação.

 

Sugestões de leitura:

Carvalho, Ana. 2019. “Em torno da definição de museu do ICOM: lições a partir de Quioto.” https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/8987