Arquivo de etiquetas: Museu de arte contemporânea

Tese de doutoramento “Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea”

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Noronha, Elisa (2013). Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Júri: Alice Semedo (orientadora), Raquel Henriques da Silva (arguente), Maria Bolaños (arguente) e Rui Homem (Presidente). Tese defendida a 31 de Maio de 2013.

****

Resumo: Esta dissertação desenvolve um estudo sobre o museu de arte contemporânea, mais especificamente sobre a musealização da arte contemporânea, abordando a musealização como um processo discursivo e reflexivo de (auto)afirmação e reinvenção do museu; processo este construído em diálogo entre o museu e o seu próprio objeto, i.e., a arte contemporânea que, seja pelas características de seus materiais e processos, seja pela sua pluralidade de momentos e práticas, tensiona e problematiza funções e conceitos sistematicamente estabelecidos ao longo da história desta instituição, desafiando o museu de arte contemporânea a desenvolver novas formas de expor, de colecionar, de conservar, a criar novos conceitos e categorias, a estabelecer outros tipos de mediações, de contato com o seu público, enfim, a confrontar-se com a sua própria genealogia, com seus próprios limites e suas representações.

Assente na metodologia dos Estudos de Caso, esta dissertação analisa três museus situados em Portugal e no Brasil: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em São Paulo. Atenta às particularidades de cada caso, esta análise centra-se nos modos como estes museus se organizam e se identificam enquanto museus de arte contemporânea através da contextualização dos paradigmas, das determinações, das funções que os justificam e fundamentam, e dos processos desenvolvidos para a musealização da arte contemporânea: quais são seus modelos paradigmáticos? Qual o período abrangido pelas suas coleções? Como suas coleções são expostas? Como definem a arte contemporânea? Como os artistas são envolvidos e participam nos processos museológicos? Estas são algumas das questões que esta análise procura responder, inserindo-se na discussão sobre a identidade dos museus e refletindo criticamente sobre as ideias atuais e subjacentes do que vem a ser um museu de arte contemporânea quando uma determinada instituição se manifesta como tal.

****

Abstract: This dissertation develops a study on the Contemporary Art Museum, more specifically on the ‘musealization’ of the contemporary art, by approaching musealization as a discursive and reflexive process of (self)affirmation and the reinvention of the museum; being this process constructed from the dialogue between the museum and its own object, i.e., the contemporary art which, by the characteristics of its materials and processes and by the plurality of moments and practices, it tensions and problematizes functions and concepts systematically established within the history and legacy of this institution, which challenges the contemporary art museum to develop new ways of exhibiting, of collecting, of conserving, of creating new concepts and categories, of establishing other types of mediation, of touching its audience, and finally, of confronting its own genealogy, with its own limits and representations.

Strong in the methodology are the Case Studies as this dissertation analyses three museums located in Portugal and Brazil: the Chiado Museum – National Museum of Contemporary Art, situated in Lisbon/Portugal, the Serralves Museum of Contemporary Art, situated in Porto city/ Portugal, and the Museum of Contemporary Art of the University of Sao Paulo, situated in Sao Paulo/Brazil. While looking at the peculiarities of each case, this analysis focuses on the approaches in which these museums organize and identify themselves as contemporary art museums through the contextualization of paradigms, of targets and goals, of the functions that will form and justify, and of the processes developed for the musealization of the contemporary art: what are their paradigmatic models? Which periods goes across their collections? How are their collections exhibited? How do they define contemporary art? How are artists getting involved and active in the museological processes? These are a few questions in which this thesis looks for answers, inserted in the discussion on museums identity while critically reflecting current and subjacent ideas of what could be a contemporary art museum when such institution manifests itself as such.

****

Resumen: En esta disertación se desarrolla un estudio sobre el museo de arte contemporáneo, más específicamente sobre la musealización del arte contemporáneo, abordando la musealización como un proceso discursivo y reflexivo de (auto) afirmación y reinvención del museo; proceso este construido en diálogo entre el museo y su propio objeto, es decir, el arte contemporáneo que, ya sea por las características de sus materiales y procesos, ya sea por su pluralidad de momentos y prácticas, tensa y problematiza funciones y conceptos sistemáticamente establecidos a lo largo de la historia de esta institución, desafiando al museo de arte contemporáneo a desarrollar nuevas formas de exponer, de coleccionar, de conservar, a crear nuevos conceptos y categorías, a establecer otros tipos de mediaciones, de contacto con su público, en fin, a enfrentarse con su propia genealogía, con sus propios límites y sus representaciones.

Basada en la metodología de Estudios de Casos, esta disertación analiza tres museos situados en Portugal y en Brasil: el Museo de Chiado-Museo Nacional de Arte Contemporáneo, en Lisboa, el Museo de Arte Contemporáneo de Serralves, en la ciudad de Oporto, y el Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo, en São Paulo. Atenta a las peculiaridades de cada caso, este análisis se centra en las formas en que estos museos se organizan y se identifican como museos de arte contemporáneo a través de la contextualización de los paradigmas, de las determinaciones, de las funciones que los justifican y fundamentan y de los procesos desarrollados para la musealización del arte contemporáneo: ¿cuáles son sus modelos paradigmáticos?, ¿cuál es el período que abarca sus colecciones?, ¿cómo definen el arte contemporáneo?, ¿cómo los artistas se involucran y participan en los procesos museológicos? Estas son algunas de las cuestiones que este análisis quiere responder, insertándose en el debate sobre la identidad de los museos y reflexionando críticamente sobre las ideas actuales y subyacentes de lo que viene a ser un museo de arte contemporáneo cuando una determinada institución se manifiesta como tal.

Para onde vai o museu de arte contemporânea?

conf-museus-do-sec-21.jpg

Para onde vai o museu de arte contemporânea?
Culturgest, 3 Janeiro 2008
©Ana Carvalho

Teve lugar a primeira sessão do ciclo de conversas em torno da exposição “Museus do Século XXI – Conceitos, projectos, edifícios”. “Para onde vai o museu de arte contemporânea?” foi o mote da conversa da passada quinta-feira e que contou com a presença de Raquel Henriques da Silva*, João Pinharanda* e Ricardo Nicolau* (moderador).

Como era esperado, a avaliar pelos convidados, esta conversa pontuou, na nossa opinião pela pertinência e qualidade das intervenções. Qual a relação da arte com a arquitectura? Qual o papel do coleccionador dos nossos tempos? Arte, mercado e museus, que relação?
Das colecções aos museus. O caso concreto do MACE – Museu de Arte Contemporânea de Elvas. Contexto e expectativas para o futuro.
O nascimento dos museus de arte contemporânea no ínicio do séc. XX e sua evolução. O questionamento dos museus como locais de legitimação, locais de fabricação, o “museu laboratório”, etc. Também se chamou a atenção para o papel dos museus como potenciais instumentos para a regeneração do tecido urbano e como motor do desenvolvimento ao nível do turismo.
A discusão em torno da arquitectura de museus não podia deixar de mencionar o fenómeno Bilbao. O museu Guggenheim Bilbao alimenta acesas discussões como foi evidente ao longo desta conversa, uns gostam outros detestam. De qualquer maneira faz-nos pensar nessa característica que os museus têm que é da sua constante capacidade de mutação e transformação.
A conversa acabou por disparar em muitas direcções, todas elas actuais, como a questão do papel dos directores de museu e a questão dos concursos públicos, natureza e carácter dos protocolos entre coleccionadores e museus, a existência ou não de políticas culturais, linhas programáticas, o papel do marketing, serviços educativos, etc.

Destacamos como sugestão de leitura – “What Makes a Great Exhibition?”, uma das referências bibliográficas, entre outras, mencionadas no decorrer da conversa:

what-makes-a-great-exhibition.jpg

What Makes a Great Exhibition?
Autor: Paula Marincola (Edição)
Publicação: University of the Arts, Philadelphia Exhibitions Initiative, US
2007-07-21, Inglês
Descrição Física: 184 p.
ISBN-10: 0970834616
ISBN-13: 978-0970834614

Pode adquirir este livro nos seguintes endreços:
http://www.amazon.ca/
http://www.bookdepository.co.uk/

————————————————————————————
*Raquel Henriques da Silva é Professora na FCSH/UNL, foi directora do Museu Chiado (1994-97) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou a partir de 2000, o Conselho de Administração da Fundação de Serralves, em representação do Ministro da Cultura.
*João Pinharanda é o actual director do Museu de Arte Contemporânea de Elvas – MACE. Historiador de arte, crítico de arte, comissariou inúmeras exposições, colabora com a Fundação EDP.
*Ricardo Nicolau (Tomar, 1976) é crítico de arte e comissário de exposições. Tem escrito regularmente para catálogos de artistas e integrado júris de prémios e residências, em Portugal e no estrangeiro. Entre 2003 e 2005 foi editor e director da publicação sobre arte contemporânea Pangloss. Tem colaborado com várias revistas de arte portuguesas e internacionais, designadamente a Contemporary e a W-art. Actualmente é assessor do director do Museu de Arte Contemporânea de Serralves.
——————————————————————————————-
Parabéns à Culturgest por esta iniciativa!