Arquivo de etiquetas: Museu de Arte Popular

Museu de Arte Popular é tema de novo título da coleção Estudos de Museus

 

Capa do livro onde se mostra uma imagem a preto e branco do Museu de Arte Popular

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular é o 15.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Antropologia) de Alexandre Oliveira apresentada ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa em 2018 (orientação de Joaquim Pais de Brito).

O lançamento é no dia 16 de Outubro, pelas 18h30, no Museu de Arte Popular, em Lisboa. Com apresentação de Cláudia Pereira.

Sinopse

Este livro é um contributo para o conhecimento do Museu de Arte Popular, tentando entendê-lo desde o surgimento da ideia da sua criação até ao momento presente. Pretende-se compreender os contextos que estiveram na origem da sua conceção dentro do quadro das políticas de propaganda associadas à arte e cultura popular de António Ferro e do Estado Novo, à sua construção e à sua existência prolongada pelo tempo até ao momento presente de reabertura. Depois de toda a controvérsia em torno do destino do Museu de Arte Popular, uma conclusão é de que, apesar das muitas propostas para o seu futuro, manteve-se um desconhecimento do seu passado. Este livro é sobretudo uma etnografia histórica que pretende contribuir para o conhecimento sobre o Museu de Arte Popular e assim também para o enriquecimento do debate sobre o seu futuro.

Sobre o autor:

Alexandre Oliveira (Lisboa, 1978). Mestre e doutor em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi bolseiro de doutoramento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Colaborou durante 18 anos com o Museu Nacional de Etnologia onde estudou coleções e acervos documentais, organizou arquivos, montou exposições, orientou estágios e exerceu ainda funções de vigilante/rececionista. A sua tese de mestrado focou-se nos estudos antropológicos sobre Timor e na sua relação com as coleções etnográficas existentes no país. Foi também responsável pela seleção das peças e pelos textos do núcleo timorense da exposição permanente do Museu do Oriente. Fez parte da equipa que procedeu ao inventário e transporte da coleção do Museu de Arte Popular para o Museu de Etnologia. É, desde 2019, técnico superior da Direção-Geral do Património Cultural no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico – Forte de Sacavém.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – ORIGENS DO MUSEU

António Ferro
O Secretariado da Propaganda Nacional

CAPÍTULO 2 – AS INICIATIVAS FOLCLORISTAS E ETNOGRÁFICAS DO SECRETARIADO

A etnografia ao serviço da propaganda: a Exposição de Genebra
A Exposição de Arte Popular em Lisboa
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris
Em busca do povo, as iniciativas folcloristas do Secretariado
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Nova Iorque
O Centro Regional da Exposição do Mundo Português
A nação de Ferro entre a propaganda e o espírito

CAPÍTULO 3 – A CONSTRUÇÃO DO MUSEU

Primeiras obras e um plano de organização
Exposições e diplomacia do Secretariado em tempo de guerra
A instalação do Museu de Arte Popular
O Museu inaugurado

CAPÍTULO 4 – UM MUSEU À BEIRA TEJO

Os anos de Francisco Lage (1948-1957)
Os anos de Manuel de Melo Correia e Madalena Cagigal e Silva (1957-1968)
Os anos de Maria Helena Coimbra (1969-1979)
Os anos de Elisabeth Cabral (1980-2007)
Encerramento e reabertura (2007-2019)

CONCLUSÃO

Cronologia
Notas
Fontes e Bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

A imagem inclui capa do livro e mensagem convite para lançamento do livro

Revista MIDAS publica 7.º número

revista MIDAS 7

Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares já se encontra disponível: http://midas.revues.org/1042

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

****

MIDAS 07 | Varia

Artigos

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871−1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Planeamento Estratégico: Museus para o séc. XXI

O Plano Estratégico do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC): Museus para o séc. XXI foi ontem (20/01/2010) apresentado diante de uma audiência que encheu por completo a sala do Museu de Arte Popular onde se realizou a conferência de imprensa.

A sessão foi inaugurada pelo Secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, que introduziu alguns dos tópicos que fazem hoje a actualidade e os problemas dos museus nacionais. Seguiu-se o director do IMC, João Carlos Brigola, que apresentou o plano estratégico, destacando alguns dos aspectos considerados mais relevantes do documento.

João Carlos Brigola começou por sublinhar que este não é um documento fechado, mas sim um conjunto de fundamentos gerais que deverão orientar a acção do IMC.

Este plano tem em linha de conta 31 prioridades de intervenção e estrutura-se em seis eixos de trabalho:

EIXO 1. Reenquadramento do sistema de gestão dos museus tutelados pelo MC/IMC.

EIXO 2. Inovação de modelos de funcionamento nos museus e palácios do MC/IMC.

EIXO 3. Governança de proximidade com os representantes e associações profissionais dos sectores da Cultura, das Universidades, da Museologia e da Conservação e Restauro, e com os municípios, as regiões autónomas, entidades públicas, as dioceses, as misericórdias, as fundações e outros agentes.

EIXO 4. Consolidação e crescimento sustentado da Rede Portuguesa de Museus.

EIXO 5. Política coerente e integrada de preservação, estudo, documentação e comunicação das colecções de bens materiais móveis e imóveis, sob a sua tutela, e do património imaterial.

EIXO 6. Qualificação profissional e formação académica e científica dos recursos humanos do IMC.

Para conhecer o documento em detalhe clique no seguinte endereço:
Planeamento Estratégico: Museus para o séc. XXI

O Museu Mar da Língua em risco?

museu-de-arte-popular-sinaleptica.jpg

Sinaléptica do Museu de Arte Popular, 2007
©Ana Carvalho

Segundo notíca publicada no Expresso de 5 de Janeiro de 2008 (Primeiro Caderno, p.31), o Museu Mar da Língua terá que abrir ainda este ano tendo em conta que o seu financiamento, no contexto do Qradro de Apoio termina em 2008. A candidatura do Museu do Mar da Língua foi apresentada ao POC (Plano Operacional da Cultura) atingindo um valor de 3 milhões de euros, sendo 50% da verba obtida através do FEDER.

O edifício do Museu de Arte popular não será alvo de grandes alterações, sendo que as pinturas murais de Tomás de Melo (Tom), Estrela Faria, Manuel Lapa, Eduardo Anahory, Carlos Botelho e Paulo Ferreira irão supostamente manter-se.

Relativamente ao espólio museu de arte popular, já terá sido transferido para o Museu nacional de Etnologia, onde está a ser objecto de inventariação.

Sem objectos físicos, o espaço será um museu virtual, com recurso às novas tecnologias, robótica, multimédia e formas de comunicação interactivas. Um “Laboratório dos sentidos”, uma “biblioteca falante”, uma parede de murmúrios”, um “cinema da língua”, um labirinto de palavras” e um “túnel da rádio” (…)