Arquivo de etiquetas: Museum Studies

Dicionário de biografias: um contributo para a história dos museus e da museologia em Portugal

Ferreira, Emília, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, eds. Dicionário Quem é na Museologia Portuguesa. Lisboa: Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/NOVA. 320 páginas, e‐issn: 978‐989‐54405‐0‐4. Disponível em: http://bit.ly/2OFmHZv

Foi apresentado a 28 de Março, no Palácio Nacional da Ajuda, o Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa. O primeiro volume do Dicionário, agora publicado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960 (está em preparação a edição de mais um volume). Este primeiro volume incorpora 93 entradas e conta com a colaboração de 54 autores, entre profissionais e investigadores.

Trata-se de um projecto que tive o privilégio de ir acompanhando ao longo destes dois anos, de forma mais directa e indirecta, enquanto membro da comissão científica. Independentemente disso, trata-se, efectivamente, de um projecto de divulgação científica com o mérito de colocar em evidência a história da museologia, através das pessoas que a cada época moldaram e influenciaram a constituição de colecções e museus. Nesse sentido, o projecto comunga de vários aspectos que considero positivos:

É um Dicionário que dá visibilidade a personalidades ligadas não só aos museus de arte (porventura o universo mais conhecido), mas a todas as tipologias de museus. Além disso, retrata figuras ligadas não só aos museus nacionais, mas também aos museus regionais e locais. Dois aspectos que caracterizam o Dicionário e que me parecem essenciais para ajudar a compreender a multifacetada história dos museus e da museologia em Portugal, que necessita de mais estudos e contributos como este para que as grandes narrativas sejam mais inclusivas e completas, incorporando realidades menos estudadas e conhecidas, como é o caso dos panoramas de pendor mais regional e local.

Outro aspecto fundamental é o facto de ser um projecto colaborativo. Teve por base uma chamada pública dirigida à comunidade profissional e académica convidando ao envio de propostas de entradas para o Dicionário. Dessa chamada pública resultou um número muito significativo de propostas de profissionais e investigadores de diferentes centros de investigação, o que mostra bem o interesse mas também a oportunidade do projecto. Produzem-se hoje mais dissertações académicas, mas a informação, apesar de cada vez mais acessível, está muitas vezes, espartilhada em repositórios. E nesse sentido, o Dicionário ao colocar sobre a mesma grelha de análise uma variedade de figuras biografadas potencia uma leitura de conjunto. Os museus e a museologia, numa perspectiva história (e não só) tem sido objecto de interesse da investigação e vai-se estruturando. Em temos de publicações, isso pode ser notado, por exemplo, com o aparecimento da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural), em 2015 (não obstante ser um projecto mais antigo), que conta até ao momento com 13 volumes.

O facto do Dicionário ter por base um processo de revisão científica é outra dimensão positiva. Todas as entradas passaram por um processo de arbitragem por pares apoiado na comissão científica do projecto. É uma boa prática científica e que na maior parte dos casos potencia um melhor resultado final. Ainda que assim seja, não se ignoram as complexidades da sua aplicação e o fluxo acrescido de trabalho que está necessariamente envolvido estes processos.

Acresce a revisão editorial patente neste processo, que não é despiciente no caso, contribuindo para a coerência global do que se evidencia. Outra característica é a valorização de cada entrada com ilustrações, que não só estimulam esteticamente, como são fontes documentais relevantes em si mesmas. E aqui destaca-se também a coerência editorial que o processo exigiu.

O Dicionário também tem a particularidade de se afirmar como um projecto em curso, e como tal permitindo a actualização das entradas já realizadas, em função de novos desenvolvimentos da investigação, assim como será alargado a outros volumes com mais entradas. Por essa razão não deve ser entendido como um mapeamento exaustivo e conclusivo. Há pelo menos uma próxima tranche de entradas em preparação coincidente com o mesmo período (do séc. XVIII à década de 60 do séc. XX). O que é porventura menos claro é a operacionalidade da plataforma digital que irá albergar no futuro este conjunto de informação, uma vez que se optou nesta fase pelo formato de publicação digital na forma de PDF, e neste sentido, a sua articulação operativa.

Talvez seja cedo para uma avaliação de conjunto, que fará sentido numa fase mais adiantada e consolidada do projecto. Por ora, configura certamente uma boa aposta na divulgação do conhecimento sobre a história dos museus e da museologia, através do género biográfico de todos quantos têm contribuído ao longo da história para a sua formação e desenvolvimento. Tem o potencial de gerar uma panorâmica mais completa sobre essa história e porventura a percepção e a interligação sobre o que se conhece sobre as redes de conhecimento e de actores que moldam a história dos museus, das suas colecções e da museologia, de um modo mais alargado. Um possível Dicionário focado nas biografias dos museus poderia ser uma eventual ramificação do actual Dicionário de biografias de personalidades, duas dimensões que se complementariam. 

****

O Dicionário é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Contributos para a museologia portuguesa: um novo dicionário online sobre museólogos, do século XVIII ao séc. XX

O lançamento do Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa” acontece no próximo dia 28 de Março, pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, na Sala D. João VI. A apresentação conta com a participação de Ana Carvalho em conversa com Raquel Henriques da Silva, mentora do projecto, e ainda com Hugo Xavier e Elisabete Pereira, dois dos autores que colaboraram no primeiro volume do Dicionário.

O Dicionário é um projecto editorial em formato digital (website disponível a partir de 28 de Março) que tem como objectivo fundamental facultar uma visão abrangente, um conhecimento preciso e uma valorização actualizada das personalidades ligadas à museologia portuguesa, actuantes em diferentes tipologias científicas. Visa, ainda, contribuir para uma maior compreensão da história dos museus e da museologia portuguesa.

O primeiro volume do Dicionário, agora editado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960. Está em preparação a edição de mais um volume.

O projecto é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Call for Papers: II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia

Encontra-se aberto call for papers para o II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt subordinado ao tema: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios (13-14 Dezembro 2018), que se realiza em Lisboa. Prazo limite do call for papers: 30 de Junho de 2018.

Apresentação

Depois do sucesso do encontro que decorreu em 18 de Novembro de 2017 no Museu Nacional de Escultura, em Valladolid, investigadores da área da Museologia são convidados participar no II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que terá lugar em Lisboa (Museu Nacional de Arte Antiga e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), nos dias 13 e 14 de Dezembro de 2018.

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que este ano se junta ao Encontro Anual do Grupo de Museum Studies (MuSt) do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, pretende estimular a partilha de projectos pessoais ou institucionais, experiências e reflexões em torno da história e dos desafios actuais da Museologia da Península Ibérica e mesmo do contexto mais alargado do mundo ibero-americano.

Chamada para comunicações

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt terá como mote: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios.

Se a relação com a sociedade está inscrita na matriz conceptual dos museus desde as suas origens – na medida em que eles são fruto dos contextos sociais, políticos, económicos e culturais em que se integram –, ao longo do século XX surgiram novos questionamentos e práticas que vieram ampliar e enquadrar conceptualmente esta dinâmica relacional. Destaquem-se as movimentações a partir da década de 1970, período em que é criado o conceito de museu integral e em que se prevê uma Museologia aberta às múltiplas realidades sociais (Mesa-Redonda de Santiago do Chile, 1972), e em que passou a estar oficialmente inserida na definição de Museu do ICOM a formulação “o museu ao serviço da sociedade e seu desenvolvimento” (Conferência Geral do ICOM em Copenhaga, 1974).

O tema proposto para este Fórum permite múltiplas abordagens temáticas e a cobertura de uma cronologia ampla. Pretende-se, então, reunir comunicações que abordem questões relacionadas com os museus e o seu papel e impacto na sociedade em diversas escalas e dimensões, conciliando abordagens de grande amplitude territorial e administrativa (e.g. de base nacional e regional), até aos microterritórios e articulando o global e o local, ao longo da história e na contemporaneidade.

Linhas de trabalho

De entre os vários tópicos passíveis de serem alvo de reflexão e debate neste encontro, incluem-se:

– Evolução e coexistência de modelos de aproximação à sociedade: o museu “clássico”, o museu “virtual”, o museu “global” – que discursos e narrativas? Que modalidades de aproximações ao público e à sociedade?

– Os contextos político-administrativos: o desenho de políticas museológicas, as estruturas organizativas e os modelos de gestão – que relação e impacto no desempenho dos museus e na participação social?

–  A arquitetura de museus e o seu impacto urbanístico e social.

– Os museus como instituições de poder e diplomacia e a importância das ações individuais ou coletivas das personalidades que gerem os organismos museológicos e patrimoniais.

– A aplicação das funções museológicas e a sua relação com os públicos.

– A relação com a tecnologia e as mudanças na mediação e perceção do património.

Estas questões devem ser abordadas não só a partir do ponto de vista das instituições museológicas mas, também, a partir da própria sociedade: que reciprocidades nestas interrelações, da sociedade para o museu?

Todos os tópicos podem ser abordados através da apresentação de casos de estudo ou de reflexões mais generalistas, no âmbito de investigações e projetos em curso.

Este Encontro pretende fazer eco de uma renovação disciplinar ativa e com interesses científicos diversos, pelo que a sua delimitação temática é bastante flexível. As diretrizes incluídas no título – teorias, contextos, histórias, experiências, desafios – aludem a campos de análise amplos e a um corpo teórico multidisciplinar que integra: a história institucional, as relações com o mercado de bens culturais, a prática museográfica, as políticas de público, interpretação de coleções, discurso cultural, arquitetura de museus, o colecionismo ou os estudos de Museologia no presente.

Destinatários

Este Fórum dirige-se a investigadores em fase de formação avançada: Mestrandos, Doutorandos e Doutorados em início da sua trajetória académica.

São convidados a contribuir com comunicações os vários membros da comunidade académica dos países ibéricos, bem como investigadores de outros países que estejam trabalhar sobre temas relacionados com a história e a realidade da Museologia portuguesa, espanhola e ibero-americana.

Submissão de propostas de comunicação

Os investigadores que pretendam apresentar uma comunicação deverão apresentar um documento pdf com indicação do título e resumo (máx. 700 palavras), assim como um curriculum vitae resumido (máx. 300 palavras). O documento deverá ser enviado até ao dia 30 de junho de 2018 para o seguinte endereço eletrónico: forum.iberico@gmail.com.

A aceitação ou não das propostas será comunicada por correio eletrónico até 15 de setembro de 2018. Após essa data, será estruturado o programa definitivo do encontro.

As propostas selecionadas serão apresentadas em forma de comunicação, que não excederá os 15 minutos. Será disponibilizado o seguinte equipamento de apoio às apresentações: computador, projetor, microfone.

As línguas de trabalho serão o português e o espanhol.

Comissão Científica

Portugal
Raquel Henriques da Silva (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Joana Baião (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Lúcia Almeida Matos (IHA; Universidade do Porto)
José Alberto Ribeiro (ICOM-Portugal)
Clara Frayão Camacho (DGPC; IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)

 Espanha
Javier Arnaldo (Universidad Complutense de Madrid)
María Bolaños (Museo Nacional de Escultura)
Jesús Pedro Lorente (Universidad de Zaragoza)
Luis Grau Lobo (ICOM-España)

Comissão Executiva
Joana Baião (IHA, FCSH-UNL)
Ana Paula Louro (IHA, FCSH-UNL)
Ana Gil (Museo Nacional de Escultura)

Organização
Instituto de História da Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Apoios
ICOM PORTUGAL
DGPC/Ano Europeu do Património Cultural
Museu Nacional de Arte Antiga

Descarregue:

Marize Malta e o Museu D. João VI

Marize Malta é uma investigadora brasileira (Universidade Federal do Rio de Janeiro) que vem a Portugal a propósito do projecto de investigação dedicado à “Casa Senhorial em Portugal e no Brasil” (coordenado por Isabel Mendonça) (programa incluído nas comemorações do ano de Portugal no Brasil).

No decorrer da sua passagem por Lisboa a investigadora irá proferir uma conferência no Instituto de História da Arte da Universidade Nova para os investigadores e alunos de museologia (linha museum studies, coordenada por Raquel Henriques da Silva), tendo em conta o trabalho que desenvolve no Museu da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Esta é certamente mais uma colaboração que reforça os laços dos profissionais da museologia entre os dois países.

“Da exibição à inspiração: o lugar das obras no Museu Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro” é o título da comunicação.

Tendo como cenário o Museu D. João VI da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro será feita uma reflexão focada no processo de teorização e conceptualização que esteve na base do projeto de renovação ocorrido no ano de 2008 naquela instituição. Serão problematizados conceitos que envolvem os domínios da História da Arte e da museologia e possibilitadores de novos trilhos no campo da história da arte contemporânea. (blogue da FCSH)

É já no dia 21 de Janeiro (segunda-feira) de 2013, pelas 18h30, Torre B, Auditório 1, Universidade Nova de Lisboa (Avenida de Berna, n.º 26, Lisboa). A entrada é livre.

Cartaz

A propósito dos museus de arte universitários foi publicado recentemente um novo livro sobre o tema: “The Exemplary Museum – Art and Academia” (Museumetc). O museu foca-se sobretudo em estudos de caso americanos, mas pode ser um instrumento importante para quem está a estudar esta tipologia de museus. Mais informações sobre o livro aqui.

 

 

Tese Mestrado "Os Museus e o Património Cultural Imaterial"

Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas
Autor: Ana Alexandra Rodrigues Carvalho
Orientador: Prof. Doutor Filipe Themudo Barata
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Mestre em Museologia
Ano: 2009. Tese defendida a 23 de Dezembro

Nota: O júri foi constituído pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola (Director do Mestrado) na qualidade de Presidente do júri. Foi arguente o Prof. Doutor Jorge de Freitas Branco (Director do Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos do ISCTE) e foi vogal o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, orientador da dissertação.

Resumo:

Tomando como referência fundamental o trabalho desenvolvido pela UNESCO em matéria de protecção do Património Cultural Imaterial (PCI), muito particularmente a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003), considerou-se oportuno reflectir sobre as implicações que este enfoque traz para os museus. São indiscutíveis as repercussões que este instrumento trouxe para o reconhecimento da importância do PCI à escala internacional, motivando um crescendo de iniciativas em torno da sua salvaguarda. São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, no entanto o International Council of Museums (ICOM) reconhece um papel central aos museus nesta matéria. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com o PCI, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material.

O presente estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade a este património. Em função das especificidades de cada museu, podem ser encontradas estratégias de salvaguarda do PCI, entre as quais se pode incluir o inventário e a documentação (audiovisual, texto, áudio, imagem), a investigação, a divulgação através de exposições e publicações, difusão através da internet, educação não formal, entre outras actividades. Alguns museus começaram já a desenvolver abordagens integradas para a salvaguarda do PCI, cujos exemplos se apresentam. Este tema suscita vários desafios, implicando práticas museológicas inovadoras que possam reflectir o papel dos museus como promotores da diversidade e criatividade cultural.

Palavras-chave: Museologia, Património Cultural Imaterial, Património Cultural, Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, Diversidade Cultural, UNESCO, ICOM.

——

Abstract:

Recalling the UNESCO’s work towards the protection of Intangible Cultural Heritage (ICH), in particular the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage adopted in 2003, I took this opportunity to reflect upon the implications that this recognition brings to museums. The overwhelming success of this document has raised the importance of ICH at international level, motivating a growing number of initiatives towards its safeguard. Accordingly to the 2003 Convention, there are many agents involved in the preservation of this heritage, yet the International Council of Museums (ICOM) recognises a central role for museums. Nevertheless, to face this challenge, museums will have to rethink their relationship with ICH in opposition to their deep rooted tradition in material culture.

The present study reflects upon the possibilities that museums have to answer the changeling 2003 Convention, recognizing that it’s possible through museum activities to find ways to study and give visibility to ICH. According to each museum specificities, it seams clear that strategies can be engaged in order to promote the safeguard of ICH, including inventory and documentation (audiovisual, audio, text and image), research, promotion through exhibitions, publications, dissemination trough internet and other means, informal education, among other activities. Many museums have already started exploring integrated approaches towards the safeguard of ICH and some of these examples are presented in this study. This theme is challenging, implying innovative museum practices which reflect on museums role towards the promotion of cultural diversity and creativity.

Keywords: Museum Studies, Intangible Cultural Heritage, Cultural Heritage, Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, Cultural Diversity, UNESCO, ICOM.

Sugestão de Leitura: "Museum Origins"

Museum Origins: Readings in Early Museum History and Philosophy
Edited by Hugh H. Genoways, Mary Anne Andrei, Apr, 2008
Descrição Física: 352 p.

Sumário:

This essential anthology collects 52 of the most important writings on museum philosophy by American and European founders of the field in the late 19th and early 20th centuries. The editors add introductory pieces that show how the museum field developed within the social environment of the era.

The museum profession began in the late 19th and early 20th centuries. With the development of institutions displaying natural science, history, and art were the debates over the role of these museums in society. This essential anthology collects 52 of the most important writings on museum philosophy dating from this formative period, written by the many of the American and European founders of the field. Genoways and Andrei contextualize these pieces with a series of introductions that show how the museum field developed within the social environment of the era. For those interested in museum history and philosophy or cultural history, this is an indispensable resource.

Pode encontrar o livro aqui:
http://www.lcoastpress.com/