Arquivo de etiquetas: museus

Novas relações com o digital nos museus: a construção de comunidades de prática

*O texto que se segue foi publicado na revista Conectando Audiências. Portugal (p. 41-45): https://mapadasideias.pt/conectando-audiencias/

*****

Vivemos uma crise pandémica que nos trouxe limitações. De forma abrupta tivemos que alterar e adaptar os modos de fazer, agir e interagir. Das relações interpessoais ao trabalho, essa interferência é uma evidência com consequências ainda pouco claras.

Ainda estamos a viver nesse processo de mudança, cheios de incertezas quanto ao futuro próximo e sem distanciamento duma realidade na qual estamos dentro. É no contexto dessa nebulosidade ou ausência de distanciamento que também escrevemos este texto.

O “digital”, esse termo abstrato e poroso que usamos aqui para nos referirmos a tudo o que é mediado por tecnologias digitais, plataformas e serviços (ex. apps, websites, smartphones, sistemas e software, etc.), tornou-se ferramenta ainda mais omnipresente nas nossas vidas. Antes da crise pandémica já comungávamos dessas ferramentas, que em muitos aspectos nos facilitavam a vida. O que mudou foi a forma, diríamos até invasiva, com que nos transportou de forma dominante e avassaladora para o universo digital, à força das circunstâncias. Se antes o digital era algo que se acenava como possibilidade de ampliar ou complementar as formas tradicionais de fazer, com incursões pontuais, por vezes mais distantes, tidas como acessórias ou secundárias, hoje tem o palco principal. Mas com isso, e falamos pelas nossas próprias experiências, veio um cansaço extremo e a saturação, pois tudo o que é excessivo desequilibra.

Numa primeira fase, e pensando nos primeiros meses de confinamento e encerramento de muitos museus, por todo o mundo, os relatórios produzidos pela UNESCO (Museums Around the World in the Face of Covid-19, Maio 2020) e pela NEMO – Network of European Museums Organisations (Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Report, Maio 2020) sublinhavam, de modo global, a forma reactiva como os museus responderam com actividades no espaço digital, com consequente incremento das visitas online.

Num debate recente sobre os museus e o digital perguntavam se os museus estão a fazer um melhor trabalho na comunicação com os públicos durante este período de pandemia. É difícil responder. Mas não será de assumir que, apesar das respostas que vão sendo dadas e que parecem evidenciar algum aumento da oferta online, todos os museus estejam no mesmo patamar de actuação ou que possamos a avaliar por “atacado” como sendo uma actividade bem-sucedida. Este tem sido um tempo de disrupção, de alguma experimentação, e nalguns casos um pouco caótico na produção e disponibilização de conteúdos digitais. No limite estamos todos a trabalhar em modo de crise e a tentar entender como fazer melhor para nos adaptarmos. Ainda assim, acreditamos que há aqui uma oportunidade de abrandar o passo e refectir. Este momento de crise poderá contribuir para que os museus possam repensar o digital como uma ferramenta que reforça e amplia a comunicação. Porventura, essa perceção já existia, mas a crise tornou essa possibilidade mais premente e vital do que antes.

Por outro lado, esta crise poderá ser uma oportunidade para olhar de forma mais tangível para os obstáculos internos que prevalecem em cada museu (que competências e recursos existem – ou não – e necessitam de ser fortalecidos? Que competências precisam de ser incorporadas?) e que impedem que estes possam desenvolver uma actividade no espaço digital, de forma mais estruturada e consequente com a sua missão e objetivos. Esta crise pôs a descoberto muitas das desigualdades entre os museus, acentuando, porventura, a percepção mais imediata das suas fragilidades e carências. Como sugerem os já citados relatórios da UNESCO e da NEMO, os museus menos equipados (ex. recursos humanos e financeiros, infraestruturas, competências) tiveram menor capacidade de reação e de actuação. Quanto à realidade portuguesa, e no cenário pré-crise, já sabíamos que as respostas dos museus eram, de um modo geral, insuficientes e frequentemente pouco estruturadas, exigindo conhecimentos e recursos que não existem ou são claramente limitados.

Da experiência acumulada dos últimos meses, com a constatação de grandes fluxos de informação e saturação de conteúdos digitais, parece-nos também importante refletir sobre a avaliação do seu impacto – como se traduziu a eficácia das actividades online? Corresponderam aos objectivos traçados? O que funcionou e o que não funcionou? A avaliação da actividade online, tal como a avaliação de práticas museológicas em contexto físico é crucial para informar e moldar as decisões estratégicas.

Se, por um lado, há uma maior percepção da expansão do digital no trabalho dos museus, há por outro lado, necessidade de desconstruir mal-entendidos. Com frequência se faz uma correspondência directa entre digital e acesso. No entanto, a experiência dos últimos meses também tem mostrado que no espaço digital se continuam a perpetuar barreiras de acesso. Nem sempre os conteúdos produzidos, assim como as plataformas (ex. websites, entre outros) cumprem critérios de acessibilidade. Penso, por exemplo, nos públicos ou utilizadores com necessidades especiais ou com baixa literacia digital, e na ausência de uma maior atenção para a produção de conteúdos mais inclusivos (ex. falta de legendagem, audiodescrição, língua gestual, etc.). O exemplo da plataforma Zoom, que recentemente fez ajustes no sentido de introduzir novas opções que garantam a possibilidade de língua gestual, é revelador da necessidade constante de continuar a fazer e a repensar o caminho, de forma mais consciente e proactiva, de modo a reforçar as condições de acesso, nomeadamente em contexto digital.

Nesta fase de sobrecarga e saturação do digital, também estamos mais conscientes das suas limitações. O digital não substitui o valor do contacto físico, isso parece ainda mais claro. Mas isso não significa que possamos negar ou prescindir das possibilidades que o digital introduz. Como em tudo na vida, é necessário encontrar um equilíbrio, sendo que as tecnologias não são em si boas ou más, depende do uso que lhes dermos. No caso dos museus essa é uma abordagem que deve ser estratégica, até porque os recursos são escassos e finitos.

Muito do que estamos a referir não é novo. A crise pandémica parece ter colocado a descoberto problemas já existentes. No âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), entre 2016 e 2020, no qual participámos, muitas destas questões foram abordadas.

A demanda de transformação para corresponder às expectativas dos novos tempos traz uma complexidade acrescida, o que implica uma reflexão informada e crítica sobre o lugar a dar às tecnologias e o seu enquadramento na missão e estratégia de cada museu e dos seus recursos. Não há uma receita. Tão pouco se trata de perseguir a introdução de tecnologias como um fim em sim mesmo, mas perspectivar as tecnologias, na miríade de formatos e linguagens que vão aparecendo, como possibilidades para que os museus possam expandir a sua relação e comunicação com os públicos, cativar e criar mais espaços de envolvimento e participação. Dependendo dos objectivos e dos efeitos que se pretendam, trata-se de escolher as ferramentas e os formatos que melhor se adequem, nalguns casos as opções passam pelo digital, noutros pelos meios mais tradicionais, noutros ainda, por ambos. A escolha não terá que passar por escolher um formato em detrimento do outro, mas por ampliar as opções que melhor possam assegurar a missão dos museus. Não vemos as tecnologias como ameaça à experiência física, ou como substituto, nem tão pouco como uma dicotomia. Embora também não ignoremos os muitos riscos que atravessam o espaço digital. Por exemplo, sobre as redes sociais, o documentário “The Social Dilemma” (2020) mostra bem algumas das preocupações às quais não devemos estar alheios como cidadãos activos e informados.

Se a possibilidade de incrementar meios e recursos para robustecer os serviços dos museus são elementos importantes para alavancar a transformação digital, não menos essencial é a promoção do recrutamento e da capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências. A capacitação é, em nosso entender, uma via privilegiada para instigar a mudança, no sentido de uma atitude mais informada, crítica e criativa, que possa estimular um pensamento mais estratégico sobre o digital. Foi de acordo com esta última premissa que se desenvolveu o projecto Mu.SA a que já aludimos. O reforço da literacia digital, através da capacitação e do desenvolvimento profissional foram o fio condutor deste projecto. Com este propósito criaram-se espaços de aprendizagem, por via de cursos online e em contexto de trabalho de museu. Produziram-se vários módulos de formação, entretanto disponíveis em acesso aberto (http://www.project-musa.eu/results/oers/), que não obstante abordem as competências digitais permitiram ainda convocar um outro conjunto competências associadas, as chamadas soft skills, permitindo uma maior fertilização de ideias e desfazer a dicotomia físico vs digital. Ou seja, a reflexão sobre tópicos da esfera do digital, como a gestão de dados, de informação e o desenvolvimento de conteúdos digitais, a monitorização de tendências tecnológicas, a avaliação de dados, ou a protecção de dados e privacidade, para referir alguns exemplos, foi ampliada e complementada com conteúdos centrados nas soft skills, como por exemplo a criatividade, as questões éticas, a comunicação, a liderança, o trabalho de equipa, a escuta activa, o storytelling, entre outras. Neste contexto ensaiámos, assim, uma possibilidade de aposta na formação contínua, no investimento em novos conhecimentos, especialização e competências. O bom acolhimento dos cursos promovidos no âmbito do projecto Mu.SA junto de profissionais de museus também é revelador do desejo de mudança num quadro de uma reflexão mais informada e crítica que a transformação digital requer. Acreditamos que o caminho passa por construir uma comunidade de prática, de reflexão e de partilha, para a qual esperamos que o projecto Mu.SA, num primeiro momento, possa ter contribuído e desencadeado.

 

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Colaborou no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Cofundou a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. Autora do blogue No Mundo dos Museus.

 

Apresentação do relatório final do Grupo de Projecto Museus no Futuro

Na imagem vê-se Clara Frayão Camacho, a apresentar o projecto, a Ministra da Cultura, Graça Fonseca

Apresentação do Relatório Final do Grupo de Projecto Museus no Futuro, 4 Nov. 2020, Palácio Nacional da Ajuda. Foto de Joaquim Jorge

Clara Frayão Camacho apresentou o relatório final do Grupo de Projecto Museus no Futuro no passado dia 4 de Novembro de 2020, no Palácio Nacional da Ajuda. A sessão contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca, da Secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, e de vários membros do Grupo de Projecto.

O relatório apresenta recomendações e propostas que possam ser vertidas em medidas de política pública para Museus, Palácios e Monumentos dependentes da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura, tanto no curto prazo como no horizonte temporal dos próximos 10 anos. Inclui 50 recomendações em torno de 5 eixos temáticos: Gestão de Museus; Redes e Parcerias; Transformação Digital; Gestão de Coleções; e Públicos e Mediação.

Após a elaboração de um primeiro relatório preliminar divulgado em Julho de 2020 (https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/9132), seguiu-se um processo de consulta pública, cujos contributos foram integrados neste relatório final.

O relatório final e o resumo executivo encontam-se disponíveis em:

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/news/museus-monumentos-e-palacios/grupo-de-projeto-museus-no-futuro-relatorio-final-e-sumario-executivo/

* O Grupo de Projeto Museus no Futuro (GPMF) resultou de uma iniciativa governamental: a Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 35/2019, de 18 de fevereiro.

Relatório do Grupo de Projecto “Museus no Futuro” apresenta conclusões e recomendações

Na imagem vê-se uma sala de museu com visitantes

Foto: Ana Carvalho

 

O Grupo de Projeto “Museus no Futuro”, coordenado por Clara Frayão Camacho, desenvolveu ao longo de um ano um trabalho de análise, diagnóstico e elaboração de propostas. 

Com incidência nos Museus, Palácios e Monumentos dependentes da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura, o projeto visava a apresentação de recomendações e de propostas que pudessem ser vertidas em medidas de política pública para estas entidades museológicas e patrimoniais, tanto no curto prazo como no horizonte temporal dos próximos 10 anos.

A versão preliminar do Relatório que agora se divulga apresenta 50 recomendações em torno de 5 eixos temáticos: Gestão de Museus; Redes e Parcerias; Transformação Digital; Gestão de Coleções; e Públicos e Mediação.

O Relatório está disponível para recolha de comentários e contributos até ao próximo dia 31 de Julho, através do email: claracamacho@dgpc.pt. A versão final do Relatório estará concluída no próximo mês de Outubro.

Aceda ao Relatório Final (versão preliminar) (76 p.)

Aceda ao Sumário Executivo  (11 p.)

****

Enquadramento:

O Grupo de Projeto Museus no Futuro (GPMF) resultou de uma iniciativa governamental: a Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 35/2019, de 18 de fevereiro. Os seus membros foram nomeados por Despacho da Ministra da Cultura, n.º 4.527/2019, de 3 de maio, congregando:

  • oito elementos da área da Cultura;
  • seis representantes de diferentes áreas governamentais (negócios estrangeiros, defesa nacional, economia, ciência, tecnologia e ensino superior e educação) e da Presidência da República.

A composição do Grupo ficou completa no final de junho de 2019 com a integração de duas diretoras de museus, designadas pelo Conselho Geral de Museus, Monumentos e Palácios.

Âmbito:

Na sua génese, o projeto incidia nos Museus e Palácios na dependência da DGPC e das DRC. Este universo foi posteriormente alargado, passando a abranger os Museus, Palácios e Monumentos (MPM) contemplados pelo diploma que estabelece o respetivo regime de autonomia, o Decreto-Lei no 78/2019, de 5 de junho. Assim, o projeto incidiu nas mais de três dezenas de Museus, Palácios e Monumentos dependentes de dois tipos de entidades tutelares da área da Cultura:

  • o organismo da Administração Central do Estado – a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), da qual dependem Museus Nacionais, Palácios Nacionais e Monumentos Património Mundial;
  • as quatro entidades da Administração Central desconcentrada – as Direções Regionais de Cultura (DRC do Norte, Centro, Alentejo e Algarve), que assumem a tutela de museus e de monumentos para elas transferidos na reestruturação administrativa do Estado, em 2012.

Os Museus, Palácios e Monumentos estão, nalguns casos, agrupadas em unidades orgânicas compósitas para fins de gestão e sob a coordenação de um único diretor. Para efeitos da sua caraterização e de aprofundamento do conhecimento, optou-se pontualmente pela sua desagregação:

  • no total de 37 unidades em análiseÉ sobre este conjunto, diverso em tipologias patrimoniais e territorialmente disperso, que recaiu a reflexão do Grupo de Projeto.

Missão: 

  • “Identificar, conceber e propor medidas que contribuam para a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus sob a dependência da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura.” (N.º 1 da RCM no 35/2019, de 18 de fevereiro)

​Objetivos:

Um objetivo central:

  • “Conceber e propor os instrumentos necessários à implementação de modelos de gestão, que promovam a sustentabilidade económica, financeira e social dos museus, identificando os meios de operacionalização, os recursos necessários e os agentes competentes para o efeito” (alínea a) do n.º 2 da RCM no 35/2019).

Outros objetivos:

  • Analisar tendências e projetos inovadores no panorama nacional e internacional;
  • Caracterizar a realidade dos Museus, Palácios e Monumentos da DGPC e das DRC;
  • Identificar e propor medidas que contribuam para uma gestão mais eficaz de Museus, Palácios e Monumentos nos campos da gestão das coleções e da mediação com os públicos;
  • Contribuir para o reforço da visibilidade e o fortalecimento de parcerias, designadamente no âmbito da Rede Portuguesa de Museus.

Resultados pretendidos:

Recomendações de estratégias e de propostas que possam ser vertidas em medidas de política pública para os Museus, Palácios e Monumentos da DGPC e das DRC no horizonte temporal dos próximos dez anos (até 2030). Dois planos temporais foram, assim, equacionados:

  • um primeiro, mais próximo, sensivelmente a um prazo de dois anos;
  • outro, de escopo para a década, comportando medidas de espetro mais largo.

Destinatários:

O relatório tem como alvo principal os decisores políticos, em particular a tutela da Cultura, em articulação com as restantes áreas governamentais.
O relatório tem igualmente como destinatários os diretores dos Museus, Palácios e Monumentos abrangidos pelo projeto.

Competências:

As competências atribuídas ao GPMF são amplas, abarcando as áreas de atuação dos Museus, Palácios e Monumentos e a maioria das funções museológicas preconizadas na Lei-Quadro dos Museus Portugueses (LQMP). As competências foram agregadas, para efeitos da sua operacionalização, em cinco eixos temáticos:

  • Gestão de Museus;
  • Redes e Parcerias;
  • Transformação Digital;
  • Gestão de Coleções;
  • Públicos e Mediação.

Metodologia:

O projeto foi desenhado em quatro dimensões:

  • Revisão de literatura, pesquisa de exemplos internacionais e construção de uma bibliografia referencial, agregando estudos afins e tendências nos planos nacional e internacional;
  • Conhecimento e caracterização do universo dos MPM da DGPC e das DRC, incluindo a análise estatística e a construção de indicadores;
  • Entrevistas à maioria dos diretores dos MPM abrangidos pelo projeto;
  • Auscultação das organizações profissionais, de especialistas externos, nacionais e internacionais.

A complementaridade entre as diferentes frentes de pesquisa, em especial a produção escrita e as fontes orais, permitiu combinar o conhecimento do terreno com a dimensão prospetiva, alimentando o levantamento de questões e o debate de possíveis caminhos a propor.

Ações desenvolvidas:

O Grupo de Projeto assumiu como motor dos trabalhos o núcleo de elementos da área da Cultura, que efetuou sete reuniões, responsabilizando-se os seus membros pela condução da reflexão nos eixos mencionados. Com periodicidade mais alargada, e funcionando como fórum de discussão e consulta sobre o avanço do projeto, foram realizadas três reuniões com a totalidade dos membros do GPMF, duas das quais com a presença da Ministra da Cultura.

No decurso do projeto, foram desenvolvidas as seguintes ações:

  • Caracterização dos Museus, Palácios e Monumentos:
    – Celebração de um acordo de parceria entre a DGPC e o ISCTE, através do Observatório Português de Atividades Culturais (OPAC);
    – Caraterização pelo OPAC do universo em análise nas seguintes vertentes: localização geográfica, cronologia, acervos, visitantes, recursos humanos, receitas e despesas;
    – Conceção e aplicação pelo OPAC de um inquérito às reservas dos MPM, procurando-se colmatar a insuficiência de dados sobre esta realidade.
  • Consulta a agentes do meio museológico:
    – Auscultação das organizações profissionais e solicitação de memorandos à APOM, ao ICOM Portugal e à Acesso Cultura;
    – Reuniões e entrevistas com mais de uma dezena de experts nacionais.
  • Entrevistas presenciais aos diretores dos MPM e visitas às respetivas instalações:
    – 24 entrevistas a diretores de Museus, Palácios e Monumentos, 18 dos quais na dependência da DGPC e 6 das DRC;
    – 2 entrevistas aos diretores-gerais da DGPC;
    – Contactos e reuniões de articulação com os serviços da DGPC.
  • No plano internacional, realizaram-se:
    – Reuniões presenciais com representantes da Réunion des Musées Nationaux, da Associação dos Museus Noruegueses e da Subdireção Geral de Museus Estatais de Espanha;
    – Contactos com organismos governamentais e associativos da Finlândia e do Reino Unido;
    – Recolha de informações pelos postos da rede externa do Ministério dos
    Negócios Estrangeiros, designadamente sobre boas práticas no mecenato cultural, parcerias entre a área da cultura e da economia e formas de financiamento alternativas;
    – Apresentação de comunicações em quatro encontros de museus e património, nacionais e internacionais.

Um elemento contextual exógeno marcou a fase final do projeto: a pandemia covid-19 que assolou o país e o mundo, levando ao confinamento social e ao encerramento de Museus, Palácios e Monumentos, reabertos em 18 de maio de 2020. Por este motivo, ficaram por concretizar duas abordagens metodológicas previstas para a última etapa – a aplicação de um inquérito por questionário a cidadãos em plataforma online e a organização de fóruns temáticos, que visavam o envolvimento participativo dos profissionais e o levantamento de expectativas face ao futuro destes Museus, Palácios e Monumentos.

Nova publicação dedicada à Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Na imagem vê-se uma peça de olaria

Está disponível uma nova publicação dedicada à “Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial”. É da responsabilidade editorial de Alice Semedo, Alexandre Matos e Elizabete Mendonça, sendo uma edição da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (NUGEP/UNIRIO) em parceria com o Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM) da Universidade do Porto.

Segundo os editores, pretende-se com esta publicação “refletir sobre um tema que carece ainda de exploração: a relação entre o Museu e o PCI no que diz respeito à Gestão Integrada do Património no âmbito das políticas públicas. Esta discussão revela-se fundamental porque, apesar dos problemas relativos à gestão de coleções em museus permearem os atuais debates sobre Musealização e Políticas Culturais para a área de Museus, as reflexões ainda se encontram, na sua maioria, focadas nas «coleções materiais» (ou na materialidade das coleções e subjacente dicotomia material/imaterial) das quais os museus são efetivamente responsáveis legais. Todavia, neste contexto, no seu conjunto, os autores dos textos demonstram bem a necessidade e relevância de tornar mais presente este tema nas discussões […] Esta lacuna torna-se ainda mais evidente quando se pensa na gestão integrada do património e na proposição de ações conjugadas nas áreas de políticas culturais que relacionem os segmentos de museus e o património imaterial, no que diz respeito aos procedimentos de documentação” (p. 7-8).

A publicação encontra-se disponível em acesso aberto aqui: http://hdl.handle.net/10174/27017

 

Índice

6| Introdução: Reflexão sobre Gestão Integrada do Património e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em museus portugueses, Elizabete de Castro Mendonça, Alice Lucas Semedo e Alexandre Manuel Ribeiro Matos

13| Reflexões sobre património cultural imaterial e museus: das políticas às práticas, Ana Carvalho

44 | A legislação portuguesa sobre património imaterial, o papel das comunidades e a gestão integrada dos museus: caminhos divergentes? Filipe Themudo Barata

60 | Saber fazer louça preta de Bisalhães é Património Cultural Imaterial, João Ribeiro da Silva

81 | Teatro Dom Roberto: problematizações em torno da sua salvaguarda, Marta Guerreiro

108 | A festa em honra da Nossa Senhora da Penha de França: caminhos para uma abordagem integrada ao património Vista Alegre, Filipa Quatorze

129 | Apontamentos a propósito de uma entrevista a Francisco Pedro Iria, Miguel Rego

152 | Apêndice: Programa do Workshop «Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial»

153 | Notas biográficas

Museus e sociedade digital: que desafios em Portugal?

na imagem vê-se uma mesa digital

À medida que sociedade se torna cada vez mais dependente das tecnologias, também as consequências para o sector de museus se tornam evidentes. As possibilidades de aplicação das tecnologias atravessam todas as áreas de actuação dos museus (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos), desde o trabalho de bastidores ao acolhimento e relação com os públicos, e neste sentido, os desafios são multidimensionais. As mudanças perspectivam-se a diferentes níveis e a ritmos variáveis, admitindo, desde logo, a complexidade e as assimetrias do panorama museológico.

Neste artigo analisamos a situação actual dos museus portugueses face aos desafios da era digital, atendendo à investigação realizada no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019). Tendo por base a realização de entrevistas e de um focus group, assim como revisão bibliográfica sobre o tema, a nossa análise salienta dois aspectos. Por um lado, a relevância da capacitação e do desenvolvimento profissional ao nível das competências digitais como dimensão central a considerar na adaptação dos museus à era digital. Por outro lado, e de forma interdependente, a necessidade de uma política museológica que promova orientações e, subsequentemente, os recursos necessários: humanos, financeiros e infraestruturas, atendendo a uma abordagem concertada e integrada. 

Pode ler o artigo na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/26032

O artigo, escrito por mim e pelo Alexandre Matos, foi publicado no 2.º número da Revista de Museus (Nov. 2019), publicação da responsabilidade editorial da Direção-Geral do Património Cultural.

Museu de Arte Popular é tema de novo título da coleção Estudos de Museus

 

Capa do livro onde se mostra uma imagem a preto e branco do Museu de Arte Popular

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular é o 15.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Antropologia) de Alexandre Oliveira apresentada ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa em 2018 (orientação de Joaquim Pais de Brito).

O lançamento é no dia 16 de Outubro, pelas 18h30, no Museu de Arte Popular, em Lisboa. Com apresentação de Cláudia Pereira.

Sinopse

Este livro é um contributo para o conhecimento do Museu de Arte Popular, tentando entendê-lo desde o surgimento da ideia da sua criação até ao momento presente. Pretende-se compreender os contextos que estiveram na origem da sua conceção dentro do quadro das políticas de propaganda associadas à arte e cultura popular de António Ferro e do Estado Novo, à sua construção e à sua existência prolongada pelo tempo até ao momento presente de reabertura. Depois de toda a controvérsia em torno do destino do Museu de Arte Popular, uma conclusão é de que, apesar das muitas propostas para o seu futuro, manteve-se um desconhecimento do seu passado. Este livro é sobretudo uma etnografia histórica que pretende contribuir para o conhecimento sobre o Museu de Arte Popular e assim também para o enriquecimento do debate sobre o seu futuro.

Sobre o autor:

Alexandre Oliveira (Lisboa, 1978). Mestre e doutor em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi bolseiro de doutoramento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Colaborou durante 18 anos com o Museu Nacional de Etnologia onde estudou coleções e acervos documentais, organizou arquivos, montou exposições, orientou estágios e exerceu ainda funções de vigilante/rececionista. A sua tese de mestrado focou-se nos estudos antropológicos sobre Timor e na sua relação com as coleções etnográficas existentes no país. Foi também responsável pela seleção das peças e pelos textos do núcleo timorense da exposição permanente do Museu do Oriente. Fez parte da equipa que procedeu ao inventário e transporte da coleção do Museu de Arte Popular para o Museu de Etnologia. É, desde 2019, técnico superior da Direção-Geral do Património Cultural no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico – Forte de Sacavém.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – ORIGENS DO MUSEU

António Ferro
O Secretariado da Propaganda Nacional

CAPÍTULO 2 – AS INICIATIVAS FOLCLORISTAS E ETNOGRÁFICAS DO SECRETARIADO

A etnografia ao serviço da propaganda: a Exposição de Genebra
A Exposição de Arte Popular em Lisboa
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris
Em busca do povo, as iniciativas folcloristas do Secretariado
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Nova Iorque
O Centro Regional da Exposição do Mundo Português
A nação de Ferro entre a propaganda e o espírito

CAPÍTULO 3 – A CONSTRUÇÃO DO MUSEU

Primeiras obras e um plano de organização
Exposições e diplomacia do Secretariado em tempo de guerra
A instalação do Museu de Arte Popular
O Museu inaugurado

CAPÍTULO 4 – UM MUSEU À BEIRA TEJO

Os anos de Francisco Lage (1948-1957)
Os anos de Manuel de Melo Correia e Madalena Cagigal e Silva (1957-1968)
Os anos de Maria Helena Coimbra (1969-1979)
Os anos de Elisabeth Cabral (1980-2007)
Encerramento e reabertura (2007-2019)

CONCLUSÃO

Cronologia
Notas
Fontes e Bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

A imagem inclui capa do livro e mensagem convite para lançamento do livro

Realidade aumentada em foco em novo título da Coleção Estudos de Museus

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores é o 14.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Media Digitais, especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos) de Diana Marques apresentada à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em 2017 (orientação de José Azevedo e co-orientação de Robert Costello).

O lançamento é no dia 4 de Junho, pelas 18h00, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (Sala Vandelli), em Lisboa. Com apresentação de José Azevedo.

Sinopse

Na época actual, a tecnologia é uma constante que estimula a renovação permanente da informação, constituindo um desafio para as instituições culturais, de modo a assegurarem que as suas ofertas correspondem às expectativas dos visitantes e simultaneamente respeitam os valores e as colecções que as definem.
Este livro aborda a necessidade de o museu contemporâneo compreender os seus públicos, quais as suas preferências e como reagem a experiências mediadas pela tecnologia. Concentra-se na tecnologia de Realidade Aumentada, desenvolvida para dispositivos móveis a utilizar em exposições de museu antiquadas como uma forma de melhorar as experiências dos visitantes.
O estudo decorreu no Bone Hall, uma exposição de esqueletos no Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsonian (Estados Unidos da América), que não sofria alterações desde os anos 1960 e tinha deixado de corresponder às expectativas dos visitantes que procuravam mais envolvimento e interatividade.
Com o objectivo de revitalizar o Bone Hall foi desenvolvida uma aplicação móvel denominada Skin & Bones. Para estudar os efeitos da aplicação na experiência dos visitantes utilizaram-se métodos tradicionais no estudo de visitantes e também métodos menos convencionais inspirados na área da Experiência do Utilizador.

Sobre a autora:

Diana Marques. Doutorada em Media Digitais na especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (programa doutoral UT Austin|Portugal). Licenciada em Biologia Aplicada aos Recursos Animais Terrestres pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2002) e com um Certificado Graduado em Ilustração Científica pela Universidade da Califórnia em Santa Cruz (2004). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (Certificado Graduado) e da Fundação para a Ciência e Tecnologia (Doutoramento). Foi Professora Assistente do Mestrado em Desenho da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa e Professora Convidada do Mestrado em Ilustração Científica do Instituto Superior de Educação e Ciências e do Mestrado em Ilustração Científica da Universidade de Aveiro. Fez parte do quadro dirigente de associações profissionais internacionais na área da ilustração científica, como a Guild of Natural Science Illustrators e a Association Européenne des Illustrateurs Médicaux et Scientifiques. Mantém desde 2004 uma carreira como profissional independente na área da comunicação visual de ciência, produzindo ilustrações, animações, infografias e outros conteúdos multimédia para museus, institutos de investigação e editoras, em Portugal e no estrangeiro.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – REVISÃO DA LITERATURA
Experiência do visitante
Museus e tecnologia
A realidade aumentada nos museus

CAPÍTULO 2 – DESIGN DE INVESTIGAÇÃO
Questões de investigação e enquadramento teórico
Contexto de investigação
Aplicação móvel skin & bones
Metodologia de investigação

CAPÍTULO 3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO
Descrição da amostra
Realidade aumentada e experiência do visitante
Revitalização de exposições desatualizadas através de tecnologia
Modelo de produção
Preocupações e desafios

CONCLUSÃO

Questionário
Notas
Bibliografia
Índice Remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Dicionário de biografias: um contributo para a história dos museus e da museologia em Portugal

Ferreira, Emília, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, eds. Dicionário Quem é na Museologia Portuguesa. Lisboa: Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/NOVA. 320 páginas, e‐issn: 978‐989‐54405‐0‐4. Disponível em: http://bit.ly/2OFmHZv

Foi apresentado a 28 de Março, no Palácio Nacional da Ajuda, o Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa. O primeiro volume do Dicionário, agora publicado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960 (está em preparação a edição de mais um volume). Este primeiro volume incorpora 93 entradas e conta com a colaboração de 54 autores, entre profissionais e investigadores.

Trata-se de um projecto que tive o privilégio de ir acompanhando ao longo destes dois anos, de forma mais directa e indirecta, enquanto membro da comissão científica. Independentemente disso, trata-se, efectivamente, de um projecto de divulgação científica com o mérito de colocar em evidência a história da museologia, através das pessoas que a cada época moldaram e influenciaram a constituição de colecções e museus. Nesse sentido, o projecto comunga de vários aspectos que considero positivos:

É um Dicionário que dá visibilidade a personalidades ligadas não só aos museus de arte (porventura o universo mais conhecido), mas a todas as tipologias de museus. Além disso, retrata figuras ligadas não só aos museus nacionais, mas também aos museus regionais e locais. Dois aspectos que caracterizam o Dicionário e que me parecem essenciais para ajudar a compreender a multifacetada história dos museus e da museologia em Portugal, que necessita de mais estudos e contributos como este para que as grandes narrativas sejam mais inclusivas e completas, incorporando realidades menos estudadas e conhecidas, como é o caso dos panoramas de pendor mais regional e local.

Outro aspecto fundamental é o facto de ser um projecto colaborativo. Teve por base uma chamada pública dirigida à comunidade profissional e académica convidando ao envio de propostas de entradas para o Dicionário. Dessa chamada pública resultou um número muito significativo de propostas de profissionais e investigadores de diferentes centros de investigação, o que mostra bem o interesse mas também a oportunidade do projecto. Produzem-se hoje mais dissertações académicas, mas a informação, apesar de cada vez mais acessível, está muitas vezes, espartilhada em repositórios. E nesse sentido, o Dicionário ao colocar sobre a mesma grelha de análise uma variedade de figuras biografadas potencia uma leitura de conjunto. Os museus e a museologia, numa perspectiva história (e não só) tem sido objecto de interesse da investigação e vai-se estruturando. Em temos de publicações, isso pode ser notado, por exemplo, com o aparecimento da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural), em 2015 (não obstante ser um projecto mais antigo), que conta até ao momento com 13 volumes.

O facto do Dicionário ter por base um processo de revisão científica é outra dimensão positiva. Todas as entradas passaram por um processo de arbitragem por pares apoiado na comissão científica do projecto. É uma boa prática científica e que na maior parte dos casos potencia um melhor resultado final. Ainda que assim seja, não se ignoram as complexidades da sua aplicação e o fluxo acrescido de trabalho que está necessariamente envolvido estes processos.

Acresce a revisão editorial patente neste processo, que não é despiciente no caso, contribuindo para a coerência global do que se evidencia. Outra característica é a valorização de cada entrada com ilustrações, que não só estimulam esteticamente, como são fontes documentais relevantes em si mesmas. E aqui destaca-se também a coerência editorial que o processo exigiu.

O Dicionário também tem a particularidade de se afirmar como um projecto em curso, e como tal permitindo a actualização das entradas já realizadas, em função de novos desenvolvimentos da investigação, assim como será alargado a outros volumes com mais entradas. Por essa razão não deve ser entendido como um mapeamento exaustivo e conclusivo. Há pelo menos uma próxima tranche de entradas em preparação coincidente com o mesmo período (do séc. XVIII à década de 60 do séc. XX). O que é porventura menos claro é a operacionalidade da plataforma digital que irá albergar no futuro este conjunto de informação, uma vez que se optou nesta fase pelo formato de publicação digital na forma de PDF, e neste sentido, a sua articulação operativa.

Talvez seja cedo para uma avaliação de conjunto, que fará sentido numa fase mais adiantada e consolidada do projecto. Por ora, configura certamente uma boa aposta na divulgação do conhecimento sobre a história dos museus e da museologia, através do género biográfico de todos quantos têm contribuído ao longo da história para a sua formação e desenvolvimento. Tem o potencial de gerar uma panorâmica mais completa sobre essa história e porventura a percepção e a interligação sobre o que se conhece sobre as redes de conhecimento e de actores que moldam a história dos museus, das suas colecções e da museologia, de um modo mais alargado. Um possível Dicionário focado nas biografias dos museus poderia ser uma eventual ramificação do actual Dicionário de biografias de personalidades, duas dimensões que se complementariam. 

****

O Dicionário é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Contributos para a museologia portuguesa: um novo dicionário online sobre museólogos, do século XVIII ao séc. XX

O lançamento do Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa” acontece no próximo dia 28 de Março, pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, na Sala D. João VI. A apresentação conta com a participação de Ana Carvalho em conversa com Raquel Henriques da Silva, mentora do projecto, e ainda com Hugo Xavier e Elisabete Pereira, dois dos autores que colaboraram no primeiro volume do Dicionário.

O Dicionário é um projecto editorial em formato digital (website disponível a partir de 28 de Março) que tem como objectivo fundamental facultar uma visão abrangente, um conhecimento preciso e uma valorização actualizada das personalidades ligadas à museologia portuguesa, actuantes em diferentes tipologias científicas. Visa, ainda, contribuir para uma maior compreensão da história dos museus e da museologia portuguesa.

O primeiro volume do Dicionário, agora editado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960. Está em preparação a edição de mais um volume.

O projecto é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Iluminação em museus é tema de novo livro da coleção Estudos de Museus

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte é o 13.º volume publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Belas-Artes, especialidade Ciências da Arte) de Carmina Montezuma apresentada à Universidade de  Lisboa/Faculdade de Belas-Artes em 2012 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

O lançamento aconteceu no passado 13 de Novembro de 2018, no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa.


Sinopse

A luz detém potencialidades estéticas e semânticas que, devidamente estudadas e implementadas na iluminação museográfica, permitem revelar a autenticidade da obra de arte e facultar uma correta literacia artística e uma boa interpretação visual. O estudo aprofundado desta temática envolve uma abordagem interdisciplinar dos aspetos científicos mais significativos de aplicabilidade em museus, fundamentais para a compreensão da complexa inter-relação entre a luz, a visão e o objeto.

Neste livro são analisadas as mais recentes investigações científico-tecnológicas na área da neurofisiologia da visão e do respetivo processamento cerebral, teorias e modelos cognitivo-emocionais, importantes inovações luminotécnicas e uma nova área de especialização, o design de iluminação. O conhecimento sobre estas matérias é imprescindível ao museólogo e ao curador, em particular na investigação, no inventário da obra de arte e no acompanhamento das diferentes fases de conceção, montagem e manutenção da iluminação expositiva. 

O livro inclui a análise de três estudos de caso de iluminação em museus portugueses e apresenta dois instrumentos de trabalho inéditos: o quadro de classificação ótica dos principais materiais e técnicas artísticase a ficha técnica de iluminação.

Numa época vincada pela cultura visual e pela globalização do conhecimento, os museus têm procurado criar estratégias educativas, num propósito de crescente envolvimento dos públicos. A iluminação museográfica revela-se uma das soluções basilares, enquanto instrumento eficaz de sublimação estético-artística da obra de arte e um poderoso meio de captar a atenção visual e desencadear a interpretação e a comunicação entre os públicos e os museus.   

Sobre a autora:

Carmina Montezuma (n. 1970). Doutorada em Belas Artes, especialidade de Ciências da Arte, pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2012), mestre em Museologia e Património pela Universidade Nova de Lisboa (1996) e licenciada em História pela Universidade Autónoma “Luís de Camões” (1992).

Desempenha desde 2014 a função de Responsável do Museu S. João de Deus – Psiquiatria e História, pertencente à Ordem Hospitaleira de S. João de Deus. Entre 2007 e 2009, participou na organização deste Museu, inaugurado a 8 de março de 2009.

De 1993 a 2007 trabalhou em diversas instituições museológicas e educativas, das quais se destacam o Palácio Nacional da Ajuda, no âmbito do Projeto “Inventariação e Digitalização do Património Histórico-Cultural” (1999-2006); o Comissariado do Pavilhão da Santa Sé na Expo’98 (1997-1998); o Museu das Crianças (1996); e a Direção Regional de Educação de Lisboa, Ministério da Educação (1995 e 1996).

Autora e coautora de publicações, entre as quais se salientam a coautoria de fichas descritivas do catálogo do Museu S. João de Deus (Editorial Hospitalidade, 2009) e A Educação dos Príncipes no Paço da Ajuda (IPPA/PNA, 2004). Com o Guião para Professores: A Escola vai ao Museu (2001) e a Maleta Pedagógica ABCD’ARTE (1998) ganhou por duas vezes o 1º Prémio do Concurso do Instituto de Inovação Educacional do Ministério da Educação.

Índice

7 INTRODUÇÃO

13 CAPÍTULO 1 – O OBJETO DE ARTE, A LUZ E A VISÃO

15 O objeto artístico e a evolução histórico-social dos museus de arte            

36 A luz, a cor e a sombra face ao objeto de arte

53 O processo psicofisiológico da visão

77 CAPÍTULO 2 – A ILUMINAÇÃO DE OBJETOS DE ARTE

79 A inter-relação da luz e da sombra nos atributos da obra de arte              

97 A iluminação e os centros de composição do objeto

121 CAPÍTULO 3 – A ILUMINAÇÃO DO OBJETO E A INTERPRETAÇÃO VISUAL

123 A atenção visual do visitante

138 O contributo do design de iluminação para a interpretação visual

163 CAPÍTULO 4 – A ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA

165 Princípios, tipologias e métodos de iluminação museográfica               

185 A iluminação museográfica e a conservação preventiva

201 CAPÍTULO 5 – A FICHA TÉCNICA DE ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA

206 Identificação da peça

211 Condições de iluminação

216 Avaliação da iluminação museográfica

219 CAPÍTULO 6 – PRÁTICAS DE ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA EM MUSEUS PORTUGUESES

221 Avaliação de um questionário sobre iluminação, efetuado a 57 museus portugueses

227 Análise da aplicação da ficha técnica de iluminação em 20 obras de arte

235 Considerações sobre a reação do público à iluminação utilizada na exposição temporária Os Gregos. Tesouros do Museu Benaki, patente no Museu Calouste Gulbenkian

243 CONCLUSÃO

251 CLASSIFICAÇÃO ÓTICA DE MATERIAIS E TÉCNICAS ARTÍSTICAS          

263 Notas

271 Bibliografia

275 Índice Remissivo

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

****

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Desafios do património em destaque na revista Património

Apresentação da RP n.º 5, Conversa com José Bragança de Miranda, Clara Frayão Camacho, Álvaro Domingues, com moderação de Manuel Lacerda, 27 de Outubro de 2018, Palácio da Ajuda

Temos um novo número da Revista Património – RP, o quinto (2017-2018). A revista (desde 2013) é da responsabilidade da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. É anual e impressa. O lançamento do 5.º número aconteceu no Palácio da Ajuda a 27 de Setembro de 2018.

Manuel Lacerda, director da revista, no editorial, fala de alterações globais, mudança, transformação, novas prioridades e preocupações, resiliência, desenvolvimento económico e social, inovação… Tudo isto faz parte do presente e tudo isto se relaciona com a cultura e o património cultural. Daí que o caderno principal da revista tome como fio condutor esses tantos desafios. Damos particular destaque ao artigo Graça Filipe e Clara Frayão Camacho “Que Futuros Queremos dar ao(s) Museu(s)?” pela forma assertiva em que se situa o futuro dos museus na relação com os grandes temas e tendências contemporâneas: alterações demográficas, incremento da mobilidade, evolução da tecnologia, retração das políticas públicas, paradigma da sustentabilidade e da participação.

RP 5

Índice

1| Editorial, por Manuel Lacerda

Desafios do património

6| Património e turismo: de um casamento promissor a um divórcio litigioso, por Álvaro Domingues

14| Paisagens culturais: tendências, riscos e desafios, por Nuno Ribeiro Lopes

20| Recomendação sobre a paisagem histórica urbana, por Ana Tarrafa Silva, Isabel Valverde e Ana Pereira Roders

30| Arqueologia urbana em Portugal, hoje, por Jacinta Bugalhão

40| O património digital como política do comum, por José Bragança de Miranda

48| Que futuro queremos dar ao(s) museu(s)? Por Graça Filipe e Clara Frayão Camacho

60| O associativismo na construção da salvaguarda e conservação do património cultural/natural, por João Caninas e Jorge Custódio

Pensamento

72| Plataformas museológicas, coleções virtuais, monumentos em 3D, emojis renascentistas e o mundo fabuloso do património digital, por Luís Ramos Pinto

78| A estratégia para o património cultural na Europa do século XXI. Dos princípios à realidade, por Claire Giraud-Labalte

Projetos

84| O restauro da Casa de Chá da Boa Nova, por Jorge Figueira

90| A nova exposição de pintura e escultura portuguesas do Museu Nacional de Arte Antiga, por Anísio Franco, José Alberto Seabra Carvalho e Maria João Vilhena de Carvalho

96| Escola Maria Barroso: adaptação parcial do extinto Tribunal da Boa Hora, por Ana Lúcia Barbosa

106| Salvaguarda de património paisagístico da excecionalidade à representatividade tipológica de jardins, por Mário Fortes e Deolinda Folgado

122| Projeto, património arquitetónico e regulamentação contemporânea: sobre práticas de reabilitação no edificado corrente, por Nuno Valentim Lopes

Opinião

138| O futuro da cultura, o futuro do património cultural: considerações preliminares, Pier Luigi Sacco

Sociedade

144| Rota Histórica das Linhas de Torres: génese, consolidação e desafios, por Florbela Estevão

150| O cemitério romântico: cidade dos mortos, património dos vivos, por Sílvia Leite


Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital

Conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Por Ana Carvalho
“Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital” é um comentário acerca da terceira conferência do projecto Mu.SA − Museum Sector Alliance (2016-2019) realizada a 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto. O texto foi publicado no Boletim do ICOM Portugal, n.º 12, pp. 58-60].
****

A terceira conferência do projecto Mu.SAMuseum Sector Alliance (2016-2019) [1] realizou-se no passado dia 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto (UP), organizadora do evento em colaboração com a Mapa das Ideias e com o ICOM Portugal, parceiros portugueses do projecto.

Com o título +Digital Culture: Competences for the Cultural Sector, a conferência reflectiu sobre competências e desenvolvimento profissional no contexto actual (e prospectivo) que se entende ser cada vez mais desafiante, nomeadamente na relação com o mundo digital. Neste quadro, três ordens de ideias foram interpeladas; 1) que desafios são estes que nos traz o mundo digital e que estratégias podem ser desenhadas pelos museus, e pelo sector cultural em geral, para acompanhar este desenvolvimento; 2) que perfis de profissionais e competências são expectáveis; e 3) qual pode ser o papel e contributo da formação.

programa contemplou uma diversidade de contributos, repartindo-se em torno de três sessões moderadas, respectivamente, por Alice Semedo, Manuela Pinto e Paula Menino Homem da UP. Focaram-se experiências de museus, como foi o caso do Museu de Lamego (Luís Sebastian), mas também extra-museus, como a preservação digital em arquivos (Francisco Barbedo, Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) e o tema da gamificação (Ricardo Queirós, UP).

“Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation” (por Conxa Rodà), conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Não pretendendo fazer uma síntese de todas as comunicações e tópicos discutidos (os resumos e os power-points estão disponíveis no website), destaco duas que me suscitaram maior interpelação de ideias pela estreita ligação com as conclusões alcançadas no projecto Mu.SA. Esse foi o caso da comunicação de Conxa Rodà (Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation), que é actualmente responsável pela estratégia, inovação e transformação digital do Museu Nacional d’Art de Catalunya, em Barcelona. Sobre o alcance da desejável transformação digital dos museus, e de forma muito sintética: o quê?, para quem?, para quê? e como? continuam a ser perguntas fundamentais em qualquer estratégia, nomeadamente para o digital. Como notou Rodà, pressupõe investimento na formação das equipas (literacia digital) e, sobretudo, uma mudança organizacional que seja catalisadora de mudanças internas e de aceleração (novas formas de comunicação e de perfil multidireccional).

Outra comunicação que evidencio é a de Ana Alvarez (From Web Manager to Digital Curator), que a partir da sua própria trajectória profissional mostrou a evolução das tecnologias e dos desafios com que se confrontou ao longo dos últimos 26 anos. Ou seja, desde a sua primeira experiência de trabalho em 1992 no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madrid, como assistente na recepção do museu − estávamos no tempo dos CD-ROM’s, dos primeiros websites de museus, o início da digitalização de colecções… − até ao presente, momento em que Alvarez se encontra a gerir, no mesmo museu (depois de um interregno de largos anos), o website e os projectos digitais, e prepara uma nova estratégia digital (2018-2022). Daqui se destaca a evolução gradativa (e não-linear) de um profissional de museu em função da transformação do sector, e da procura, ao longo desse percurso individual, de formação especializada na área da Museologia e dos museus, mas também fora desse contexto, indo ao encontro de uma certa “customização” formativa (formal e não formal), alicerçada na identificação de necessidades.

O programa encerrou com uma mesa-redonda sobre os quatro perfis identificados durante o projecto Mu.SA (Gestor da Estratégia Digital; Curador de Colecções Digitais; Promotor de Experiências Interactivas Digitais; e Gestor de Comunidades Online). Moderada por Panagiota Polymeropoulou, da Hellenic Open University (Grécia), a mesa-redonda contou com a participação de Conxa Rodà, Luís Sebastian, Francisco Barbedo, Ana Álvarez e Ricardo Queiroz (cf. gravação em vídeo).

Esta conferência permitiu não só aferir os resultados obtidos no projecto Mu.SA, como promover uma discussão mais alargada envolvendo especialistas externos, e favorecer o debate sobre temáticas interdependentes, como ficou patente em edições anteriores: Re-designing Museums. Digital Skills for Change and Innovation (Roma, 13 Jul. 2017) e Digital Challenges for Museum Experts (Atenas, 25 Nov. 2016).

Parceiros do projecto Mu.SA, Universidade do Porto, 2018

[1] O projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus + (Sector Skills Alliance) e tem por base um consórcio de 12 parceiros de quatro países europeus (Bélgica, Grécia, Itália e Portugal), sendo coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). Tem por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC (Massive Open Online Courses) e de um curso de especialização (ambos em fase de concepção). http://www.project-musa.eu.

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

(Museu José Malhoa, 2016, foto de Ana Carvalho)

Artigo de opinião publicado no jornal Público (18 de Maio de 2018), de Ana Carvalho (Universidade de Évora) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa). Transcreve-se:

****

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional, mas não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Face ao vazio de respostas do actual Governo, faz sentido perguntar: onde estão os princípios, os compromissos e os actos? Para onde caminhamos, afinal?

18 de Maio de 2018

Os museus estão em festa neste fim-de-semana, proporcionando programas diversificados a todos os tipos de visitantes. Fazem das tripas corações imaginosos porque estes dias celebratórios esgotam as equipas que, quase todas, vivem à beira do ataque de nervos. Há muitas razões para isso mas, em hierarquia esquemática, o primeiro lugar pertence à carência de recursos humanos. Este é um problema que se inscreve no caos que caracteriza a função pública portuguesa, sendo particularmente grave no caso dos 23 museus, palácios e monumentos que estão sob a tutela da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Em 2015, um estudo realizado pela própria DGPC permite verificar o envelhecimento das equipas: 58% do pessoal tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre os 25 e os 34 anos. Além disso, é expectável que 120 se aposentem até 2020. Além de poucos, os mais novos técnicos superiores dos museus (conservadores, museólogos, educadores, restauradores, comunicadores, gestores) não entraram nas suas equipas por concursos externos porque, nesta área, os últimos concursos foram realizados pelo então Instituto Português de Museus antes do final do século XX, há cerca de 20 anos! Depois disso, o pessoal dos museus nacionais circula, sendo que, para a maioria, o início desse rodopiar tem origem nas autarquias, única porta ainda semiaberta para se entrar na função pública. Depois transita-se da gestão autárquica para a administração central e entre os vários serviços desta. Ao contrário de professores, médicos e enfermeiros, há pelo menos duas gerações de gente com excelente formação que se preparou para trabalhar nesta área e a quem são feitos acenos convidativos, seguidos de envergonhados despejos. Os de fora, “sem vínculo”, chegam para os primeiros estágios, ainda durante as licenciaturas; apaixonam-se por uma profissão que lhes parece de sonho; os melhores e mais determinados voltam depois para fazerem dissertações de mestrado, prepararem doutoramentos, desenvolverem projectos de investigação, ou a custo zero, ou com pagamentos raquíticos por tarefa, ou, maioritariamente, como bolseiros de doutoramento e pós-doutoramento.

As equipas residentes, em primeiro lugar os directores, apostam neles, ensinam-lhes o que sabem, aprendem com eles e, desesperadamente, vêem-nos partir quando a bolsa termina ou a tarefa não é renovada. Vêm outros, iniciando a mesma via-sacra que dura há décadas e não pára de crescer. Não há racionalidade, não há continuidade, não há rentabilidade. Há sim a imensa responsabilidade de todos os governos de não deixar profissionalizar gerações sucessivas. É razão para perguntar, que presente angustiante é este, que futuro estamos a imaginar?

Quase dois anos depois da entrada em funções deste Governo, não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional e o incremento do turismo tem trazido mais visitantes para os museus, gerando mais receitas. No ano de 2017, os museus, palácios e monumentos sob a tutela da DGPC tiveram um total de 5.060.780 visitantes, o que significa um crescimento de 8% relativamente a 2016. Mais, atendendo aos últimos seis anos (2012-2017), o crescimento é de 60%. Estes dados foram recolhidos no PÚBLICO (12 de Janeiro de 2018) porque as estatísticas oficiais, divulgadas no site da DGPC, apenas estão disponíveis até ao ano de 2016, o que, só por si, dá a ver as inaceitáveis falhas de comunicação que permanecem, metáfora, entre tantas outras, das incapacidades herdadas e cultivadas deste serviço do Estado.

Numa perspectiva externa, estas estatísticas podem alegrar políticos e gerar uma percepção de “desenvolvimento” positivo dos museus. Mas aqueles auspiciosos números não se traduzem em medidas efectivas que combatam as carências do sector, permitindo o seu desenvolvimento real. No entanto, significam um exponencial acréscimo de receitas, sobretudo de bilheteira, antes inimaginável. O dinheiro vivo que todos os dias pinga abundantemente nas caixas dos principais monumentos e de alguns museus transita integralmente, como se sabe, para a administração central, o que os mantém numa opressiva e vergonhosa indigência. Falámos das carências de meios humanos, mas outra dimensão do problema, certamente a montante desta, é a ausência de autonomia de gestão dos museus e monumentos, mas também da sua tutela que alimenta os cofres do Estado (de Centeno?) sem retorno minimamente adequado.

Esta situação esquizofrénica está identificada no programa do actual Governo que, entre as medidas para o sector, prevê a flexibilização dos seus modelos de gestão e que pelo menos alguns deles possam beneficiar de maior autonomia de gestão. No entanto, no recente comunicado do ICOM Portugal, no seguimento de uma audiência com o ministro da Cultura (cf. http://icom-portugal.org/2018/04/18/comunicado-icom-dia-internacional-de-monumentos-e-sitios/), esta questão é remetida para o vazio. O ministro fala de “maior autonomia na gestão científica e cultural”, o que é no mínimo estapafúrdio. É mesmo o que resta aos museus e que nunca poderá ser objecto de decisão ministerial: a sua autonomia “científica e cultural”. Mas para a cumprir, os museus, palácios e monumentos precisam que, segundo célebre enunciado, os deixem trabalhar. O que se pretende apenas é que garantam, a estes serviços, os meios mínimos, em pessoal e orçamento, que um Estado democrático tem o indeclinável dever de garantir, acrescidos, em cada um deles, com uma percentagem expressiva das suas receitas.

Um terceiro eixo de urgência de mudança foi também identificado no programa do actual Governo: a revitalização da Rede Portuguesa de Museus (RPM). Criada por Manuel Maria Carrilho em 2000, como estrutura de projecto no primeiro governo de António Guterres, a RPM é um sistema organizado de museus credenciados (149 museus), instrumento fundamental para a execução da política museológica de acordo com a Lei-Quadro dos Museus Portugueses (2004), apostado na qualificação dos museus de acordo com critérios de qualidade.

Em 2011, a RPM foi barbaramente desmantelada, vítima de não políticas, reduzidas a práticas administrativas de aplicação de cortes cegos. A RPM não desapareceu, embora se tenha tornado nos últimos anos praticamente invisível e com resultados meramente residuais. Também a esta questão o ministro responde nada, ignorando quanto, com poucos meios (a concretizar na reposição do programa ProMuseus), seria possível retomar uma política de partilha e de reforço, capaz de potenciar o trabalho excepcional que alguns municípios têm implementado neste sector, embora sujeitos a excessivas oscilações dependentes de baixas políticas. A verdade é que, para requalificar o interior de Portugal, não basta combater incêndios e implementar eventuais indústrias. A cultura, nomeadamente a que os museus movimentam, é, cada vez mais, uma das instâncias mais férteis, democráticas e prospectivas de construção de um futuro que potencie as heranças como suporte de vida mais justa e mais democrática.

Os tópicos aqui referidos são breves marcações que cabem num artigo de jornal. Entre as depauperadas equipas dos museus, há gente de qualidade superior que trabalha a ritmos inimagináveis, só como a gente apaixonada da cultura consegue trabalhar, entre o vício, a convicção e a inevitabilidade. Habituados a lidar com a História e a confrontá-la com exigentes convicções do presente, sabemos que os ministros passam, os governos também e que os patrimónios que conservamos, estudamos e pomos à disposição de todos, ficarão.

Mas esta certeza não basta. Em Dia Internacional dos Museus, exigimos que o Governo assuma que o seu programa para os museus está mesmo no caixote do lixo. Quais são então os princípios, os compromissos e os actos?

Ana Carvalho, Investigadora de pós-doutoramento do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora

Raquel Henriques da Silva, Coordenadora do Mestrado em Museologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa

****

O artigo está disponível aqui: https://www.publico.pt/2018/05/18/culturaipsilon/opiniao/18-de-maio-dia-internacional-dos-museus-o-dever-da-indignacao-1830159