Arquivo de etiquetas: museus e digital

Os museus e o digital: o lugar das políticas públicas

na imagem vê-se uma mesa digital

*O texto que se segue foi publicado na revista Inverso (n.º 3, Jun. pp. 8-13): https://www.uevora.pt/ue-media/Revista-Inverso/Inverso-n1-3

***

O “digital”, esse termo abstracto e poroso que usamos aqui para nos referirmos a tudo o que é mediado por tecnologias digitais, plataformas e serviços (ex. apps, websites, smartphones, sistemas e software, etc.), tornou-se ferramenta ainda mais omnipresente nas nossas vidas. Antes da crise pandémica já comungávamos dessas ferramentas, que em muitos aspectos nos facilitavam a vida. O que mudou foi a forma, diria até invasiva, com que nos transportou de forma dominante e avassaladora para o universo digital, à força das circunstâncias. Se antes o digital era algo que se acenava como possibilidade de ampliar ou complementar as formas tradicionais de fazer, com incursões pontuais, por vezes mais distantes, tidas como acessórias ou secundárias, hoje tem o palco principal. Mas com isso, e falo pela minha própria experiência, como investigadora, como museóloga, como professora, como mãe, veio um cansaço extremo e a saturação, pois tudo o que é excessivo desequilibra.

Ainda ecoam em mim as palavras do Professor José Alberto Machado, quando a propósito da comemoração do Dia das Ciências Sociais na Universidade de Évora, a 12 de Março, lembrou “o digital não tem limites, mas também é uma limitação”. E é nesse balanço, entre o que é essencial e o que não é essencial, entre perdas e ganhos, que deve recair a nossa atenção, esse exercício crítico que nos deve acompanhar em permanência sobre o lugar que queremos dar às tecnologias, evitando cair em apressadas simplificações ou olhares estritamente benevolentes ou puramente antagonistas.

O meu olhar para as tecnologias digitais veio primeiro da experiência informal, como ferramenta de comunicação. Há quase 15 anos, tendo acabado de fazer o mestrado em museologia, percebia a importância da comunicação e a ausência de divulgação no mundo dos museus. Resolvi criar um blogue – “o mundo dos museus”. Ainda hoje o mantenho pelo interesse que continua a suscitar e pelas redes que potencia. Depois como investigadora, percebi que não bastava pesquisar, escrever e produzir conhecimento, era preciso disseminar para além dos canais tradicionais, de forma múltipla e informal, incluindo a redes sociais. Os impactos destas formas de comunicação são quase sempre imprevisíveis, mas tangíveis, de uma forma ou de outra.

Mas foi a partir de 2016, num contexto mais estruturado de investigação que me aproximei da reflexão em torno do universo das tecnologias e da sua aplicação nos museus no sentido de analisar a forma como o desenvolvimento de tecnologias influencia os museus e as suas formas de trabalho. Esta linha de investigação foi desenvolvida com o convite para participar no projecto internacional Mu.SA – Museum Sector Alliance, entre 2016 e 2020. A investigação teve como ponto de partida reflectir sobre o papel dos museus na sociedade digital, considerando as necessidades e os desafios da transformação digital. A investigação desenvolveu-se a partir de uma análise comparativa em três países do Sul da Europa: Portugal, Grécia e Itália, e no contexto de um consórcio internacional liderado pela Hellenic Open University (Grécia), com financiamento europeu (Erasmus +, Sector Skills Alliance). Como sempre, os resultados da investigação apontaram para a necessidade de ultrapassar desafios, que são, como não poderiam deixar de ser, múltiplos, e, com frequência, transversais e partilhados. O reporte para o caso português apontou respostas limitadas e pouco estruturadas dos museus relativamente à comunicação digital, que resultam, por sua vez, de um quadro de escassez – de recursos humanos e financeiros, infraestruturas tecnológicas e técnicas, em grande medida, obsoletas e insuficientes – da ausência de visão e de uma política museológica consistente.

Entre 2020 e 2021, as medidas para combater a crise pandémica levaram ao encerramento de muitos museus, um pouco por todo o mundo. Desde logo, os relatórios produzidos pela UNESCO (Museums Around the World in the Face of Covid-19, Maio 2020) e pela NEMO – Network of European Museums Organisations (Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Report, Maio 2020), entre outros, sublinhavam, de modo global, a forma reactiva como os museus responderam com actividades no espaço digital, com consequente incremento das visitas online. No entanto, a crise pôs a descoberto muitas das desigualdades entre os museus, acentuando a percepção mais imediata das suas fragilidades e carências. Como sugerem os já citados relatórios da UNESCO e da NEMO, os museus menos equipados (recursos humanos e financeiros, infraestruturas, competências) tiveram menor capacidade de reação e de actuação. Quanto à realidade portuguesa, e no cenário pré-crise, a investigação desenvolvida no âmbito do projecto Mu.SA já evidenciava que a relação dos museus com o digital era, de um modo geral, insuficiente, exigindo conhecimentos e recursos que não existem ou são claramente limitados. A crise veio acentuar estes constrangimentos de partida.

Em 2019 fui chamada a participar no Grupo de Projecto “Museus no Futuro”, uma iniciativa do Ministério da Cultura (Resolução do Conselho de Ministros n.º 35/2019, de 18 de fevereiro). Ensaiando uma iniciativa inédita, o Grupo foi criado para propor recomendações que pudessem ser vertidas em medidas de política pública no horizonte temporal 2030, considerando a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus e do património na sociedade. De cerca de um ano e meio de trabalho resultou o relatório “Museus no Futuro”, coordenado por Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural), que foi entregue à Ministra da Cultura em Novembro de 2020. Amplamente participado pela comunidade de profissionais de museus, este Relatório debruçou-se sobre o universo de 37 museus, palácios e monumentos sob a alçada da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções-Regionais de Cultura. Com base num diagnóstico deste panorama, propõem-se 50 recomendações em torno de cinco eixos temáticos: gestão, redes e parcerias, gestão de colecções, públicos e mediação, incluindo a transformação digital.

As recomendações para a transformação digital assentam sobretudo na necessidade de ampliar a capacidade de adaptação dos museus a condições mais atualizadas e exigentes, em que também se reconhecem maiores expectativas por parte dos públicos. As recomendações concentram-se em torno de quatro pilares interdependentes: o fortalecimento das infraestruturas e da capacidade digital; a aposta na digitalização das colecções e na promoção do acesso; o reforço de parcerias com outras entidades (como bibliotecas e empresas do sector das tecnologias de informação), incluindo centros de investigação no sentido da desejável transferência do conhecimento com aplicabilidade para os museus e para o património; e, por fim, mas não menos importante, a capacitação e a estratégia em sintonia com uma necessária mudança de mentalidades e de lideranças capazes de dar resposta a novos reptos.

Se a possibilidade de incrementar meios, recursos e parcerias para robustecer os serviços dos museus se consideram elementos fundamentais para alavancar a transformação digital, não menos essencial é a promoção do recrutamento e da capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências. A capacitação das lideranças e das equipas de museus é, nesse sentido, uma via privilegiada e fértil para instigar a mudança, no sentido de uma atitude mais informada, mais crítica e mais criativa, que possa, assim, estimular um pensamento mais estratégico sobre o lugar do digital nos museus e de que forma pode potenciar a missão de cada museu. É essa capacidade e reflexividade crítica que deve ser incentivada e alimentada. As recomendações a que aludimos não sugerem uma meta única, formatos ou fórmulas prescritivas aplicadas indiferenciadamente, mas, identificam pilares de mudança vertidos em medidas concretas que possam garantir que cada museu possa capacitar-se para desenvolver a sua estratégia e comprometer-se com a sua missão de serviço público. Não se trata de perseguir a introdução de tecnologias como um fim em sim mesmo, mas perspectivar as tecnologias, na miríade de formatos e linguagens que vão aparecendo, como possibilidades para que os museus possam expandir a sua relação e comunicação com os públicos, cativar e criar mais espaços de envolvimento e de participação. Isso implica um necessário e contínuo questionamento da inevitabilidade das tecnologias, do que se faz, porque se faz e com que objectivos, requer análise crítica e avaliação do que é essencial e o que não é essencial.

É urgente dar sentido às recomendações do Relatório “Museus no Futuro” por via de uma política pública que seja capaz de prover os meios e as condições para um desenvolvimento integrado e sustentado do tecido museológico do país. Face às conhecidas múltiplas carências infraestruturais (e confrangedoras) dos museus, é preciso garantir a correção das assimetrias, que só as políticas públicas podem ultrapassar. Mais do que a inevitabilidade da transformação digital, é preciso assertividade e exercício crítico, num tempo de finitos recursos. E se o Plano de Recuperação e Resiliência coloca uma das tónicas na “transição digital”, isso não nos deixa descansados, é preciso garantir que também os museus sejam contemplados na distribuição de recursos. Mas para além disso, que a aposta no digital possa ser de facto suporte para o que é essencial, com base num pensamento estratégico e estruturado, que permita, por sua vez, estimular o desenvolvimento dos museus.

Texto escrito de acordo com a antiga ortografia.

 

*Ana Carvalho é Investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e Professora de Museologia na Universidade de Évora. Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia e mestrado em Museologia. Membro do Grupo de Projecto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura com o objectivo de propor recomendações de política pública para o sector dos museus e do património. Investigadora no projecto internacional Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. Coordenou o Boletim do ICOM Portugal (2014-2018). Autora do blogue “No Mundo dos Museus”. A sua investigação tem-se centrado em temas do património, da história da museologia e da museologia contemporânea.

****

Mais leituras:

Camacho, Clara Frayão, ed. 2021. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. Direção-Geral do Património Cultural. Lisboa. http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf

Novas relações com o digital nos museus: a construção de comunidades de prática

*O texto que se segue foi publicado na revista Conectando Audiências. Portugal (p. 41-45): https://mapadasideias.pt/conectando-audiencias/

*****

Vivemos uma crise pandémica que nos trouxe limitações. De forma abrupta tivemos que alterar e adaptar os modos de fazer, agir e interagir. Das relações interpessoais ao trabalho, essa interferência é uma evidência com consequências ainda pouco claras.

Ainda estamos a viver nesse processo de mudança, cheios de incertezas quanto ao futuro próximo e sem distanciamento duma realidade na qual estamos dentro. É no contexto dessa nebulosidade ou ausência de distanciamento que também escrevemos este texto.

O “digital”, esse termo abstrato e poroso que usamos aqui para nos referirmos a tudo o que é mediado por tecnologias digitais, plataformas e serviços (ex. apps, websites, smartphones, sistemas e software, etc.), tornou-se ferramenta ainda mais omnipresente nas nossas vidas. Antes da crise pandémica já comungávamos dessas ferramentas, que em muitos aspectos nos facilitavam a vida. O que mudou foi a forma, diríamos até invasiva, com que nos transportou de forma dominante e avassaladora para o universo digital, à força das circunstâncias. Se antes o digital era algo que se acenava como possibilidade de ampliar ou complementar as formas tradicionais de fazer, com incursões pontuais, por vezes mais distantes, tidas como acessórias ou secundárias, hoje tem o palco principal. Mas com isso, e falamos pelas nossas próprias experiências, veio um cansaço extremo e a saturação, pois tudo o que é excessivo desequilibra.

Numa primeira fase, e pensando nos primeiros meses de confinamento e encerramento de muitos museus, por todo o mundo, os relatórios produzidos pela UNESCO (Museums Around the World in the Face of Covid-19, Maio 2020) e pela NEMO – Network of European Museums Organisations (Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Report, Maio 2020) sublinhavam, de modo global, a forma reactiva como os museus responderam com actividades no espaço digital, com consequente incremento das visitas online.

Num debate recente sobre os museus e o digital perguntavam se os museus estão a fazer um melhor trabalho na comunicação com os públicos durante este período de pandemia. É difícil responder. Mas não será de assumir que, apesar das respostas que vão sendo dadas e que parecem evidenciar algum aumento da oferta online, todos os museus estejam no mesmo patamar de actuação ou que possamos a avaliar por “atacado” como sendo uma actividade bem-sucedida. Este tem sido um tempo de disrupção, de alguma experimentação, e nalguns casos um pouco caótico na produção e disponibilização de conteúdos digitais. No limite estamos todos a trabalhar em modo de crise e a tentar entender como fazer melhor para nos adaptarmos. Ainda assim, acreditamos que há aqui uma oportunidade de abrandar o passo e refectir. Este momento de crise poderá contribuir para que os museus possam repensar o digital como uma ferramenta que reforça e amplia a comunicação. Porventura, essa perceção já existia, mas a crise tornou essa possibilidade mais premente e vital do que antes.

Por outro lado, esta crise poderá ser uma oportunidade para olhar de forma mais tangível para os obstáculos internos que prevalecem em cada museu (que competências e recursos existem – ou não – e necessitam de ser fortalecidos? Que competências precisam de ser incorporadas?) e que impedem que estes possam desenvolver uma actividade no espaço digital, de forma mais estruturada e consequente com a sua missão e objetivos. Esta crise pôs a descoberto muitas das desigualdades entre os museus, acentuando, porventura, a percepção mais imediata das suas fragilidades e carências. Como sugerem os já citados relatórios da UNESCO e da NEMO, os museus menos equipados (ex. recursos humanos e financeiros, infraestruturas, competências) tiveram menor capacidade de reação e de actuação. Quanto à realidade portuguesa, e no cenário pré-crise, já sabíamos que as respostas dos museus eram, de um modo geral, insuficientes e frequentemente pouco estruturadas, exigindo conhecimentos e recursos que não existem ou são claramente limitados.

Da experiência acumulada dos últimos meses, com a constatação de grandes fluxos de informação e saturação de conteúdos digitais, parece-nos também importante refletir sobre a avaliação do seu impacto – como se traduziu a eficácia das actividades online? Corresponderam aos objectivos traçados? O que funcionou e o que não funcionou? A avaliação da actividade online, tal como a avaliação de práticas museológicas em contexto físico é crucial para informar e moldar as decisões estratégicas.

Se, por um lado, há uma maior percepção da expansão do digital no trabalho dos museus, há por outro lado, necessidade de desconstruir mal-entendidos. Com frequência se faz uma correspondência directa entre digital e acesso. No entanto, a experiência dos últimos meses também tem mostrado que no espaço digital se continuam a perpetuar barreiras de acesso. Nem sempre os conteúdos produzidos, assim como as plataformas (ex. websites, entre outros) cumprem critérios de acessibilidade. Penso, por exemplo, nos públicos ou utilizadores com necessidades especiais ou com baixa literacia digital, e na ausência de uma maior atenção para a produção de conteúdos mais inclusivos (ex. falta de legendagem, audiodescrição, língua gestual, etc.). O exemplo da plataforma Zoom, que recentemente fez ajustes no sentido de introduzir novas opções que garantam a possibilidade de língua gestual, é revelador da necessidade constante de continuar a fazer e a repensar o caminho, de forma mais consciente e proactiva, de modo a reforçar as condições de acesso, nomeadamente em contexto digital.

Nesta fase de sobrecarga e saturação do digital, também estamos mais conscientes das suas limitações. O digital não substitui o valor do contacto físico, isso parece ainda mais claro. Mas isso não significa que possamos negar ou prescindir das possibilidades que o digital introduz. Como em tudo na vida, é necessário encontrar um equilíbrio, sendo que as tecnologias não são em si boas ou más, depende do uso que lhes dermos. No caso dos museus essa é uma abordagem que deve ser estratégica, até porque os recursos são escassos e finitos.

Muito do que estamos a referir não é novo. A crise pandémica parece ter colocado a descoberto problemas já existentes. No âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), entre 2016 e 2020, no qual participámos, muitas destas questões foram abordadas.

A demanda de transformação para corresponder às expectativas dos novos tempos traz uma complexidade acrescida, o que implica uma reflexão informada e crítica sobre o lugar a dar às tecnologias e o seu enquadramento na missão e estratégia de cada museu e dos seus recursos. Não há uma receita. Tão pouco se trata de perseguir a introdução de tecnologias como um fim em sim mesmo, mas perspectivar as tecnologias, na miríade de formatos e linguagens que vão aparecendo, como possibilidades para que os museus possam expandir a sua relação e comunicação com os públicos, cativar e criar mais espaços de envolvimento e participação. Dependendo dos objectivos e dos efeitos que se pretendam, trata-se de escolher as ferramentas e os formatos que melhor se adequem, nalguns casos as opções passam pelo digital, noutros pelos meios mais tradicionais, noutros ainda, por ambos. A escolha não terá que passar por escolher um formato em detrimento do outro, mas por ampliar as opções que melhor possam assegurar a missão dos museus. Não vemos as tecnologias como ameaça à experiência física, ou como substituto, nem tão pouco como uma dicotomia. Embora também não ignoremos os muitos riscos que atravessam o espaço digital. Por exemplo, sobre as redes sociais, o documentário “The Social Dilemma” (2020) mostra bem algumas das preocupações às quais não devemos estar alheios como cidadãos activos e informados.

Se a possibilidade de incrementar meios e recursos para robustecer os serviços dos museus são elementos importantes para alavancar a transformação digital, não menos essencial é a promoção do recrutamento e da capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências. A capacitação é, em nosso entender, uma via privilegiada para instigar a mudança, no sentido de uma atitude mais informada, crítica e criativa, que possa estimular um pensamento mais estratégico sobre o digital. Foi de acordo com esta última premissa que se desenvolveu o projecto Mu.SA a que já aludimos. O reforço da literacia digital, através da capacitação e do desenvolvimento profissional foram o fio condutor deste projecto. Com este propósito criaram-se espaços de aprendizagem, por via de cursos online e em contexto de trabalho de museu. Produziram-se vários módulos de formação, entretanto disponíveis em acesso aberto (http://www.project-musa.eu/results/oers/), que não obstante abordem as competências digitais permitiram ainda convocar um outro conjunto competências associadas, as chamadas soft skills, permitindo uma maior fertilização de ideias e desfazer a dicotomia físico vs digital. Ou seja, a reflexão sobre tópicos da esfera do digital, como a gestão de dados, de informação e o desenvolvimento de conteúdos digitais, a monitorização de tendências tecnológicas, a avaliação de dados, ou a protecção de dados e privacidade, para referir alguns exemplos, foi ampliada e complementada com conteúdos centrados nas soft skills, como por exemplo a criatividade, as questões éticas, a comunicação, a liderança, o trabalho de equipa, a escuta activa, o storytelling, entre outras. Neste contexto ensaiámos, assim, uma possibilidade de aposta na formação contínua, no investimento em novos conhecimentos, especialização e competências. O bom acolhimento dos cursos promovidos no âmbito do projecto Mu.SA junto de profissionais de museus também é revelador do desejo de mudança num quadro de uma reflexão mais informada e crítica que a transformação digital requer. Acreditamos que o caminho passa por construir uma comunidade de prática, de reflexão e de partilha, para a qual esperamos que o projecto Mu.SA, num primeiro momento, possa ter contribuído e desencadeado.

 

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Colaborou no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Cofundou a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. Autora do blogue No Mundo dos Museus.

 

Dia Internacional dos Museus: uma reabertura simbólica dos museus?

Na imagem vê-se o interior de um museu, um grupo de pessoas que se juntam numa visita guiada

Foto: Ana Carvalho

Os museus na Europa estão a começar a reabrir depois de quase dois meses de portas fechadas. Em Portugal, a data de reabertura coincide com a celebração do Dia Internacional de Museus (desde 1977), hoje, 18 de Maio. O verbo é “desconfinar”, com novas regras sanitárias e de segurança, com precaução e distanciamento social, mas na tentativa de regressar a alguma “normalidade”, aquela que for possível face às circunstâncias desconcertantes em que vivemos com a crise da Covid-19.

Este ano é provável que a celebração do Dia Internacional dos Museus não desencadeie os ajuntamentos habituais. A entrada gratuita, geralmente associada a estes dias especiais, é também este ano reiterada e anunciada por alguns museus, mas pergunto-me se será tão interpeladora como foi em anos anteriores?

O clima de medo e de alerta, que ainda se sente depois do estado de emergência e do estado de calamidade que ainda se vive, aliado aos constrangimentos obrigatórios e necessários a uma visita a um museu, mais condicionada, levará certamente nos tempos mais próximos a um compasso diferente. Às eventuais barreiras que potencialmente inibem a visita a um museu (ex. falta de interesse e hábitos de visita, falta de tempo, preço/custo, etc.) pode acrescer o desconforto, a estranheza e o pouco à vontade com relação às limitações e constrangimentos que agora se impõem, devido à necessidade de implementar normas sanitárias e de segurança no contexto da pandemia Covid-19. No imediato, é difícil prever a reação e o comportamento dos públicos nacionais. No caso dos visitantes estrangeiros, que nos últimos anos constituíam uma parcela significativa das visitas aos museus e monumentos nacionais, estimam-se à partida quebras assinaláveis com a redução do turismo externo por um período que é por ora indefinido.

Um novo normal?

Voltar ao normal talvez seja uma miragem. Mas haverá lugar para algum otimismo? Um estudo nos Estados Unidos (Dilenschneider, 2020) inspira uma nota positiva quanto aos próximos meses, sugerindo que a intenção dos americanos em voltar a visitar organizações culturais, incluindo museus, poderá ser crescente com o passar do tempo. Mas com ressalvas, destacando que as pessoas poderão tendencialmente visitar espaços culturais que permitam maior liberdade de movimento em detrimento de espaços que se apresentem mais limitados em termos de espaço. Além disso, também é sugerido neste estudo que as intenções de visita irão estar dependentes da perceção de como as organizações culturais asseguram e priorizam a segurança dos seus públicos. Poderemos esperar o mesmo em Portugal? Para já ficam as dúvidas e a convicção de que restaurar um clima de confiança e segurança poderá levar o seu tempo.

De crise em crise? Socorrer no imediato e preparar estratégias para o futuro

Após um primeiro momento de surpresa, caos e desorientação, têm abundado os apelos, as campanhas, as cartas abertas, os abaixo-assinados, os inquéritos e os debates, colocando a descoberto as fragilidades, e defendendo a relevância da cultura, das artes, dos museus e do património na sociedade. E neste contexto há urgência no imediato, em mitigar a disrupção e socorrer os que ficaram mais desamparados. Refiro-me em particular aos trabalhadores independentes, que com vínculos precários e a trabalhar nas margens das organizações culturais, incluindo os museus, viram a sua prestação de serviços interrompida ou dispensada na sequência da irrupção da crise.

Mas para além do imediato, é imperativo pensar a médio e longo prazo, com proactividade, com estratégia e com políticas públicas assertivas. A crise provocada pela pandemia Covid-19 veio penalizar severamente o sector dos museus que mal tem sobrevivido a crises sucessivas. Num passado ainda recente, lembre-se os efeitos da crise financeira internacional do pós-2008, agravados com a crise da dívida soberana portuguesa a partir de 2011, da qual o sector ainda não se recuperou. Urge inverter o ciclo de desinvestimento e ultrapassar assimetrias há muito identificadas. Neste quadro de reabertura dos museus, para além do afã na implementação de procedimentos de segurança, necessários no rescaldo da pandemia, é fundamental o posicionamento estratégico da tutela da Cultura para equacionar medidas concretas para o futuro.

Na imagem vê-se uma mulher a tirar uma foto com o seu smartphone a uma pintura num museu

Foto: Ana Carvalho

Museus e transformação digital: reconhecendo a importância

Com o encerramento dos museus um pouco por todo o mundo devido à pandemia Covid-19, o “online” e o “digital” tornaram-se palavras-chave recorrentes num contexto de urgência e de necessidade para continuar a demonstrar a relevância dos museus e garantir a sua visibilidade em ambiente digital. Sobre o período de confinamento, um inquérito recente promovido pela NEMO (Network of European Museum Organizations) revela que 4 em cada 5 museus aumentaram os seus serviços online, verificando-se em contrapartida um aumento de visitas virtuais face a esse investimento (NEMO, 2020).

Entre as recomendações que resultam do inquérito da NEMO sugere-se a necessidade de entender o digital como uma dimensão complementar do museu físico. Diversificar as formas de acesso e o envolvimento dos públicos, em que o digital e o físico sejam dimensões cada vez mais interligadas não são conclusões novas, mas este contexto de crise veio certamente reforçá-las. O envolvimento de públicos em contexto digital poderá passar, em muitos casos, de uma questão meramente retórica para uma oportunidade concreta no plano imediato.

Como já era observável antes da crise da Covid-19, no caso dos museus portugueses, as respostas aos desafios trazidos pelas tecnologias digitais eram, de um modo geral, insuficientes e frequentemente pouco estruturadas, exigindo conhecimentos e recursos que não existiam ou eram claramente limitados (Carvalho e Matos, 2019). Se já se perspetivava necessário incrementar meios e recursos para robustecer serviços, promover o recrutamento e a capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências, hoje afirma-se crucial passar do diagnóstico à ação – de forma concertada, integrada e estratégica. Por sua vez, esta capacidade de reinvenção e inovação pressupõe lideranças atentas e proactivas, assim como uma política museológica responsiva em termos dos recursos necessários: humanos, financeiros e infraestruturas adequadas, de modo a permitir superar assimetrias de partida.

Referências:

Carvalho, Ana, e Alexandre Matos. 2019. “Museus e Sociedade Digital: Realidades e Desafios em Portugal.” Revista de Museus, n. 2: 8–23. http://hdl.handle.net/10174/26032

Dilenschneider, Colleen. 2020. “DATA UPDATE: How COVID-19 is Impacting Intentions to Visit Cultural Entities – May 11, 2020.” In Know Your Own Bone, 11-05-2020. https://bit.ly/3dR6uvr

NEMO. 2020. “Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Findings and Recommendations.” NEMO (Network of European Museum Organisations). https://bit.ly/2X5NOl3

 

* Texto publicado originalmente em: https://bit.ly/2LCwqPh 

Seminário: Que desafios digitais para os Museus?

No próximo dia 11 de Dezembro de 2017 (segunda-feira) realiza-se o seminário: “Desafios Digitais para os Museus: Perfis profissionais, Tarefas, Competências e Formação”. Pretende-se discutir a realidade sentida pelos participantes (academia, profissionais de museus e de outras instituições culturais) no que diz respeito às novas competências que a cultura digital exige e à formação que mais se ajustaria para capacitação dos profissionais.

O Seminário é organizado pela Universidade do Porto e pelo ICOM Portugal no âmbito do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance do qual são parceiros.

O projeto Mu.SA (Museum Sector Alliance) é um projeto Europeu, financiado pelo programa Erasmus + e tem como objetivo criar ferramentas de formação (à distância e presenciais) para dotar os profissionais de museus com as competências necessárias para enfrentar os desafios que a tecnologia digital trouxe para as instituições culturais.

O programa inclui a apresentação do projecto Mu.Sa, alguns casos práticos de experiências portuguesas e a mesa-redonda: Que formação e conteúdos para a Cultura Digital?

O seminário decorre na Sala de Reuniões da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, das 9h00 às 12h30. A entrada é livre, mas a participação está sujeita à capacidade do auditório. 

Mais informações em: http://icom-portugal.org

****

PROGRAMA

09:00 Recepção

O PROJETO MU.SA

09:15 – Desafios digitais para os museus. Os perfis profissionais emergentes, tarefas e competências, Paula Menino Homem

CASOS PRÁTICOS

09:45 – O Museu da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Luís Miguel Costa e Susana Medina

10:00 – O Museu Digital da Universidade do Porto, Maria Manuela Pinto

10:15 – Pporto dos Museus, Patrícia Remelgado

10:30 – 11:00 – PAUSA

MESA REDONDA

11:00 – 12:30 – Que formação e conteúdos para a Cultura Digital? Com António Ponte (Direcção Regional de Cultura do Norte), Armando Malheiro (Doutoramento em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais), Armando Sousa (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), Rudolfo Matos (UDigital/Tecnologias Educativas), Rui Rodrigues (Mestrado em Multimédia, Doutoramento em Media Digitais). Moderação: Alexandre Matos (ICOM Portugal) e Rui Centeno (Universidade do Porto).