Arquivo de etiquetas: museus e transformação digital

Dia Internacional dos Museus: uma reabertura simbólica dos museus?

Na imagem vê-se o interior de um museu, um grupo de pessoas que se juntam numa visita guiada

Foto: Ana Carvalho

Os museus na Europa estão a começar a reabrir depois de quase dois meses de portas fechadas. Em Portugal, a data de reabertura coincide com a celebração do Dia Internacional de Museus (desde 1977), hoje, 18 de Maio. O verbo é “desconfinar”, com novas regras sanitárias e de segurança, com precaução e distanciamento social, mas na tentativa de regressar a alguma “normalidade”, aquela que for possível face às circunstâncias desconcertantes em que vivemos com a crise da Covid-19.

Este ano é provável que a celebração do Dia Internacional dos Museus não desencadeie os ajuntamentos habituais. A entrada gratuita, geralmente associada a estes dias especiais, é também este ano reiterada e anunciada por alguns museus, mas pergunto-me se será tão interpeladora como foi em anos anteriores?

O clima de medo e de alerta, que ainda se sente depois do estado de emergência e do estado de calamidade que ainda se vive, aliado aos constrangimentos obrigatórios e necessários a uma visita a um museu, mais condicionada, levará certamente nos tempos mais próximos a um compasso diferente. Às eventuais barreiras que potencialmente inibem a visita a um museu (ex. falta de interesse e hábitos de visita, falta de tempo, preço/custo, etc.) pode acrescer o desconforto, a estranheza e o pouco à vontade com relação às limitações e constrangimentos que agora se impõem, devido à necessidade de implementar normas sanitárias e de segurança no contexto da pandemia Covid-19. No imediato, é difícil prever a reação e o comportamento dos públicos nacionais. No caso dos visitantes estrangeiros, que nos últimos anos constituíam uma parcela significativa das visitas aos museus e monumentos nacionais, estimam-se à partida quebras assinaláveis com a redução do turismo externo por um período que é por ora indefinido.

Um novo normal?

Voltar ao normal talvez seja uma miragem. Mas haverá lugar para algum otimismo? Um estudo nos Estados Unidos (Dilenschneider, 2020) inspira uma nota positiva quanto aos próximos meses, sugerindo que a intenção dos americanos em voltar a visitar organizações culturais, incluindo museus, poderá ser crescente com o passar do tempo. Mas com ressalvas, destacando que as pessoas poderão tendencialmente visitar espaços culturais que permitam maior liberdade de movimento em detrimento de espaços que se apresentem mais limitados em termos de espaço. Além disso, também é sugerido neste estudo que as intenções de visita irão estar dependentes da perceção de como as organizações culturais asseguram e priorizam a segurança dos seus públicos. Poderemos esperar o mesmo em Portugal? Para já ficam as dúvidas e a convicção de que restaurar um clima de confiança e segurança poderá levar o seu tempo.

De crise em crise? Socorrer no imediato e preparar estratégias para o futuro

Após um primeiro momento de surpresa, caos e desorientação, têm abundado os apelos, as campanhas, as cartas abertas, os abaixo-assinados, os inquéritos e os debates, colocando a descoberto as fragilidades, e defendendo a relevância da cultura, das artes, dos museus e do património na sociedade. E neste contexto há urgência no imediato, em mitigar a disrupção e socorrer os que ficaram mais desamparados. Refiro-me em particular aos trabalhadores independentes, que com vínculos precários e a trabalhar nas margens das organizações culturais, incluindo os museus, viram a sua prestação de serviços interrompida ou dispensada na sequência da irrupção da crise.

Mas para além do imediato, é imperativo pensar a médio e longo prazo, com proactividade, com estratégia e com políticas públicas assertivas. A crise provocada pela pandemia Covid-19 veio penalizar severamente o sector dos museus que mal tem sobrevivido a crises sucessivas. Num passado ainda recente, lembre-se os efeitos da crise financeira internacional do pós-2008, agravados com a crise da dívida soberana portuguesa a partir de 2011, da qual o sector ainda não se recuperou. Urge inverter o ciclo de desinvestimento e ultrapassar assimetrias há muito identificadas. Neste quadro de reabertura dos museus, para além do afã na implementação de procedimentos de segurança, necessários no rescaldo da pandemia, é fundamental o posicionamento estratégico da tutela da Cultura para equacionar medidas concretas para o futuro.

Na imagem vê-se uma mulher a tirar uma foto com o seu smartphone a uma pintura num museu

Foto: Ana Carvalho

Museus e transformação digital: reconhecendo a importância

Com o encerramento dos museus um pouco por todo o mundo devido à pandemia Covid-19, o “online” e o “digital” tornaram-se palavras-chave recorrentes num contexto de urgência e de necessidade para continuar a demonstrar a relevância dos museus e garantir a sua visibilidade em ambiente digital. Sobre o período de confinamento, um inquérito recente promovido pela NEMO (Network of European Museum Organizations) revela que 4 em cada 5 museus aumentaram os seus serviços online, verificando-se em contrapartida um aumento de visitas virtuais face a esse investimento (NEMO, 2020).

Entre as recomendações que resultam do inquérito da NEMO sugere-se a necessidade de entender o digital como uma dimensão complementar do museu físico. Diversificar as formas de acesso e o envolvimento dos públicos, em que o digital e o físico sejam dimensões cada vez mais interligadas não são conclusões novas, mas este contexto de crise veio certamente reforçá-las. O envolvimento de públicos em contexto digital poderá passar, em muitos casos, de uma questão meramente retórica para uma oportunidade concreta no plano imediato.

Como já era observável antes da crise da Covid-19, no caso dos museus portugueses, as respostas aos desafios trazidos pelas tecnologias digitais eram, de um modo geral, insuficientes e frequentemente pouco estruturadas, exigindo conhecimentos e recursos que não existiam ou eram claramente limitados (Carvalho e Matos, 2019). Se já se perspetivava necessário incrementar meios e recursos para robustecer serviços, promover o recrutamento e a capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências, hoje afirma-se crucial passar do diagnóstico à ação – de forma concertada, integrada e estratégica. Por sua vez, esta capacidade de reinvenção e inovação pressupõe lideranças atentas e proactivas, assim como uma política museológica responsiva em termos dos recursos necessários: humanos, financeiros e infraestruturas adequadas, de modo a permitir superar assimetrias de partida.

Referências:

Carvalho, Ana, e Alexandre Matos. 2019. “Museus e Sociedade Digital: Realidades e Desafios em Portugal.” Revista de Museus, n. 2: 8–23. http://hdl.handle.net/10174/26032

Dilenschneider, Colleen. 2020. “DATA UPDATE: How COVID-19 is Impacting Intentions to Visit Cultural Entities – May 11, 2020.” In Know Your Own Bone, 11-05-2020. https://bit.ly/3dR6uvr

NEMO. 2020. “Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Findings and Recommendations.” NEMO (Network of European Museum Organisations). https://bit.ly/2X5NOl3

 

* Texto publicado originalmente em: https://bit.ly/2LCwqPh 

Museus e sociedade digital: que desafios em Portugal?

na imagem vê-se uma mesa digital

À medida que sociedade se torna cada vez mais dependente das tecnologias, também as consequências para o sector de museus se tornam evidentes. As possibilidades de aplicação das tecnologias atravessam todas as áreas de actuação dos museus (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos), desde o trabalho de bastidores ao acolhimento e relação com os públicos, e neste sentido, os desafios são multidimensionais. As mudanças perspectivam-se a diferentes níveis e a ritmos variáveis, admitindo, desde logo, a complexidade e as assimetrias do panorama museológico.

Neste artigo analisamos a situação actual dos museus portugueses face aos desafios da era digital, atendendo à investigação realizada no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019). Tendo por base a realização de entrevistas e de um focus group, assim como revisão bibliográfica sobre o tema, a nossa análise salienta dois aspectos. Por um lado, a relevância da capacitação e do desenvolvimento profissional ao nível das competências digitais como dimensão central a considerar na adaptação dos museus à era digital. Por outro lado, e de forma interdependente, a necessidade de uma política museológica que promova orientações e, subsequentemente, os recursos necessários: humanos, financeiros e infraestruturas, atendendo a uma abordagem concertada e integrada. 

Pode ler o artigo na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/26032

O artigo, escrito por mim e pelo Alexandre Matos, foi publicado no 2.º número da Revista de Museus (Nov. 2019), publicação da responsabilidade editorial da Direção-Geral do Património Cultural.