Arquivo de etiquetas: museus em crise

Museologia, entrevista com Maria Vlachou

Maria Vlachou

Maria Vlachou
Museu Nacional de Etnologia, 6 de Abril de 2013
Entrevista realizada a 3 de Abril de 2013, na Fundação Calouste Gulbenkian
© Ana Carvalho

“Os museus e as comunidades é uma questão muito pertinente e actual nos museus, porque a nossa sustentabilidade depende muito disso. Até que ponto somos relevantes para a comunidade? Até que ponto eles se ligam a nós? Porque se eles não se ligam a nós é como se não existíssemos…”.

Este é um pequeno excerto da entrevista que Maria Vlachou nos deu. Frontal e incisiva, não se fica indiferente à forma como Maria Vlachou perspectiva os problemas que os museus enfrentam e a cultura de um modo geral. Falámos de percursos, da qualificação dos profissionais, da crise, das actuais políticas públicas … e do futuro. Leia a entrevista na íntegra em baixo.

****


Maria Vlachou (1970, Grécia) trabalha na área de Gestão e Comunicação Cultural. Formou-se em arqueologia (University of Ioannina, Grécia) e é Mestre em Museologia (University College London, 1994), com uma tese sobre marketing de museus. Participa actualmente no Summer International Fellowship Program em Arts Management do Kennedy Center em Washington, D.C. (2011-2013), um programa de formação para profissionais na área da gestão cultural. Foi directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal (2006-2012) e foi responsável de Comunicação no Pavilhão do Conhecimento (2001-2006). É formadora na área da comunicação cultural em várias organizações (ex. Mapa das Ideias, Setepés, Fórum Dança, etc.). Vlachou faz parte dos Corpos Gerentes do ICOM Portugal desde 2005, onde é responsável pelo Boletim Informação ICOM-PT. É também membro fundador do GAM – Grupo para a Acessibilidade nos Museus, criado em 2004, do qual é actualmente coordenadora (juntamente com Catarina Moura). Foi correspondente nacional do European Museum Forum entre 2011-2012, organização que atribui todos os anos o European Museum of the Year Award. Em nome do GAM, foi coordenadora geral do estudo “Museus e Público Sénior em Portugal” (GAM/Fundação Calouste Gulbenkian) e participa no projecto europeu CETAID – “Community Exhibitions as Tools for Adult Individual Development” (GRUNDTVIG Learning Partnerships) através da associação HPP-Histórias para Pensar, o parceiro português do projecto. Escreve regularmente desde 2010 no blogue “Musing on Culture” (em português e inglês) e é autora do livro com o mesmo título sobre cultura, museus, artes, comunicação e públicos, editado pela Bypass Editions (2013). mariavlachou.pt@gmail.com  

 ****

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que te lembras de visitar e que memórias guardas dessa experiência, ou qual os museus que te têm marcado ao longo da tua vida profissional?

Maria Vlachou (MV) – Não foi provavelmente o primeiro museu que visitei, mas é aquele que me lembro, até porque fui procurar essas memórias de alguma forma. Lembro-me muito da primeira visita com os meus pais ao Museu do Louvre, tinha 8 anos e era a primeira vez que saía do meu país. Na Grécia não me lembro qual terá sido, talvez o museu arqueológico da minha cidade. Mas do Louvre lembro-me do impacto que teve em mim chegar àquela escadaria onde no topo está a Vitória de Samotrácia e olhar para aquela escultura. E depois, o que é engraçado é que continuo a ter o mesmo sentimento sempre que volto e uma ansiedade sempre que me aproximo da escadaria, porque sei que a escultura está lá. O que me ficou é a emoção.

AC – E há outros museus que te tenham marcado depois a nível profissional e que gostasses de destacar?

MV – Diria que a nível profissional só quando fui para Inglaterra fazer o meu mestrado [University College London], então aí já visitava os museus com outro olho, que não era só o do visitante. Tive a sorte de viajar bastante com os meus pais e visitávamos muitos museus e sempre ficava deslumbrada com os objectos, não ia com aquele olhar mais crítico, mais exigente.

AC – Quais são os teus museus favoritos hoje em dia?

MV – Gosto sempre de museus de história. Por exemplo, em Londres o meu museu favorito é o Imperial War Museum, pela forma como aborda a questão da guerra, I e II, mas também depois outros conflitos onde a Grã-Bretanha esteve envolvida até aos nossos dias. Depois a forma como explora a excelente colecção, como encontra temáticas originais à volta dela. Este é um dos museus que muito tem investido no registo de memórias – sonoro e de imagem -, as histórias das pessoas. Tem um arquivo enorme. E usam-no, tornando as exposições mais humanas, mais relevantes.

A história atrai-me sempre porque coloca-nos desafios, que têm a ver com a identidade das pessoas, aquilo que sentem relativamente a uma história mais recente, o admitir, o aceitar que não há uma versão da história. Há mais do que uma e, idealmente, o museu deveria ser o espaço para as apresentar, mas raramente temos a coragem de fazer tanto. Por exemplo, sempre que viajo, se houver museu judaico numa cidade, eu vou, quero ver como é que exploraram essa temática, como é que a apresentam. Portanto, diria que, normalmente, não perco esses museus que têm a ver também com as pessoas. Mas gosto também de museus de arte.

AC – No teu tempo livre quando pensas em ver uma exposição que tipo de exposições vês em Lisboa?

MV – Já vi a grande maioria dos museus aqui em Lisboa e, no que diz respeito às exposições permanentes, agora vamos quando quero mostrar ao meu filho. De resto, vou para ver exposições temporárias.

AC – Fala-me um pouco do teu percurso profissional e como é que te aproximas dos museus.

MV – Na Grécia comecei pela História e Arqueologia [University of Ioannina], sempre com esse olho sobre os museus. No entanto, a minha noção do que era a museologia era muito limitada, ou seja, até fazer o meu mestrado, o museu era um espaço onde se expunham coisas bonitas. Para mim era isso e era suficiente. E a verdade é que até chegar a Londres pensava que o mestrado ia-me ensinar a apresentar os objectos de uma forma bonita. Depois descobri um mundo. E virei-me muito mais para as questões de marketing, a relação com as pessoas, etc.

Depois, quando cheguei a Portugal, tentei conhecer as pessoas da área. Nos primeiros anos dei aulas de inglês, não fiz nada relacionado com os museus a não ser a nível voluntário. E o meu primeiro trabalho na área dos museus foi no Pavilhão do Conhecimento, um centro de ciência. Foi a minha entrada “oficial” no mundo dos museus.

AC – E porque é que escolhes aquela universidade em Londres?

MV – Não tinha escolhido essa. Tinha escolhido a École du Louvre. Tinha feito a candidatura e tinha sido aceite. E depois estava a falar com um professor da minha universidade, que me disse: “Não, não vais a Paris estudar museologia. Inglaterra é que é o lugar para estudar museologia hoje em dia.” E foi assim.

AC – Porque é que querias sair da Grécia?

MV – Porque não poderia fazer isso na Grécia, não havia curso, tinha que ser fora. Mas estava mais virada para França.

AC- Depois como é que vens para Portugal?

MV – Apaixonei-me…

AC – Estás ligada ao GAM, o Grupo para a Acessibilidade nos Museus. Como surge este projecto?

MV – Tive a grande sorte de ter como colega a Fátima Alves no Pavilhão do Conhecimento, que foi a pessoa que criou o serviço de apoio aos visitantes com necessidades especiais. Aprendi imenso com ela. Juntas em 2003, Ano Europeu da Pessoa com Deficiência, organizámos um seminário no Pavilhão. E a partir daí, como vieram colegas de outros museus ao seminário, pensámos que faria sentido criar um grupo de reflexão e de trabalho para tentar promover essas questões que dizem respeito à acessibilidade.

Desde o primeiro momento vimos a acessibilidade de um ponto de vista mais amplo. Não era só acessibilidade física, era também a acessibilidade intelectual e financeira. Dirigimos um convite a vários museus que tinham estado presentes no seminário e criou-se o GAM. O primeiro seminário anual que fizemos não tinha a ver com as questões habituais de acessibilidade, aquilo que as pessoas entendem à primeira. Tinha a ver com a acessibilidade dos textos, a escrita acessível em museus [Sabe escrever para todos? A acessibilidade da comunicação escrita nos museus, 2006]. Na altura não se falava nisso, mas depois as pessoas mostraram tanto interesse que trouxemos novamente uma das conferencistas, a Helen Coxall, e ela fez na Gulbenkian um workshop sobre a escrita acessível.

AC – Qual o balanço que fazes, são 10 anos de trabalho no GAM.

MV – Acho que o GAM tem conseguido afirmar-se como entidade, se bem que informal, é um grupo informal de trabalho. Estamos cada vez mais a ser contactados por entidades culturais em geral que procuram o nosso apoio, o nosso conselho a nível de consultoria, quando procuram bibliografia, referências, etc.

Acho que o impacto no trabalho dos museus é mínimo, porque não basta ter as pessoas dos serviços educativos sensibilizadas, tem que haver uma abertura das chefias e das tutelas para considerar essas questões. E não sei porquê – sentimos isso também quando fizemos o estudo sobre o público sénior -, mas quando falamos em questões de acessibilidade a primeira reacção é “Mas para isso é preciso dinheiro, quando a tutela decidir investir, faço”, quando há imensas questões que não se prendem com dinheiro. Se os museus continuam a fazer exposições, vão criar painéis, escrever textos, escolher a fonte, os contrastes, a altura, etc. Nada disso envolve mais dinheiro, é dinheiro que se vai gastar de qualquer forma, tem que ser é bem gasto. Diria que a esse nível o impacto não tem sido o desejado.

Mas o GAM vai dar agora o próximo passo que é tornar-se numa associação formal. Esperamos que então possamos ocupar-nos a tempo inteiro desta causa.

AC – E quais são as prioridades que estão a ser definidas?

MV – O GAM não pode gerir dinheiro, por ser um grupo informal de trabalho. Resolvemos estas questões recorrendo aos membros institucionais com contabilidade própria. Temos também uma colaboração muito boa com o ICOM-PT, que sempre nos ajudou desse ponto de vista. Por exemplo, para fazermos o estudo dos seniores, que foi financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, o ICOM-PT entrou como parceiro para gerir o dinheiro. Há uma série de projectos, também, a nível europeu que fariam todo o sentido para o GAM e não o pudemos fazer até agora. É uma questão prática que tem que ser resolvida.

E depois, há necessidade de uma maior intervenção, porque o facto de estarmos a ser contactados por tantas instituições culturais mostra que há preocupações comuns, que há necessidade e que há uma sensibilidade cada vez maior para essas questões. E, portanto, a nova associação não se limitará aos museus, será algo que dará cobertura ao sector cultural em geral.

AC – Saiu uma notícia recentemente sobre a extinção do posto de Coordenador do Serviço de Acessibilidade no Pavilhão do Conhecimento. Como é que interpretas isto? É um retrocesso?

MV – Ainda não conseguimos perceber o porquê desta decisão. O GAM escreveu à directora do Pavilhão do Conhecimento, perguntando o que é que justificava uma decisão dessas num serviço que foi pioneiro, que é uma referência, um serviço que criou o acesso, um serviço que tem muito a ver com o direito ao acesso. Colocámos essas questões, mas ainda não tivemos resposta. Para poder dizer se é um retrocesso primeiro gostávamos de perceber o que é que levou a essa decisão.

AC – Existe esse serviço noutro museu do país?

MV – Não, sempre foi o único. E que tinha alguém a tempo inteiro a trabalhar essas questões. E viu-se o impacto e os resultados desse trabalho. O Pavilhão recebeu prémios de associações ligadas às necessidades especiais e um prémio é um reconhecimento. Mas, mais do que isso, é o trabalho que se fez com grupos e também um a um. Ou seja, havia famílias que levavam o seu filho ao Pavilhão para se trabalhar numa base um a um. Era um serviço único, não conheço outro do género.

AC – Foste correspondente nacional do European Museum Forum [entre 2011-2012]. Qual a importância deste tipo de prémios para os museus?

MV – Aquilo que podemos dizer sobre este prémio é que os museus que já o tiveram afirmam ter ganho em visibilidade e muitas mais pessoas os procuram depois para conhecer.

AC – Também em relação ao estudo sobre os “Museus e Público Sénior em Portugal” (GAM/Fundação Calouste Gulbenkian), cujos resultados foram divulgados o mês passado [Março 2013][1], como surge o projecto?

MV – Foi um desafio lançado pela Fundação Calouste Gulbenkian quando em 2010 fizemos um seminário anual sobre museus e público sénior [3ª, 4ª, 5ª idade…? Público sénior nos museus]. Então a administradora, Dra. Isabel Mota, pediu a palavra e disse que se quiséssemos propor à Fundação um projecto nesta área poderiam considerar financiá-lo. E achámos que deveríamos mesmo começar pela base, fazer um levantamento porque não existia nada. Preparámos a proposta e foi aceite. O projecto no seu todo foi desenvolvido em dois anos, a preparação toda, depois a recolha através de inquéritos, questionários, entrevistas, focus groups, etc. E finalizou-se em Outubro [2012].

AC – Queres sublinhar algumas das conclusões que consideres mais relevantes para os museus?

MV – As conclusões são muitas e todas têm a ver com os museus. Nós tentámos agrupá-las por tema (programação, comunicação, serviços, custos envolvidos, etc.), pensámos que assim as mesmas tornam-se mais claras e a consulta mais fácil.

Aquilo que me deixou muito preocupada é, realmente, ver a grande distância entre a forma como os próprios museus avaliam o seu trabalho nesta área e a avaliação que o público faz. Acho que hoje em dia, com a existência também de outros estudos relevantes, não se justifica continuarmos assim, tão a leste do que é a realidade.

AC – Não se auto-criticam?

MV – Provavelmente não. Porque uma das perguntas que nós fizemos era se seguem as directivas do manual de acessibilidade[2] do IMC ou de outro parecido porque há vários no estrangeiro. E houve percentagens altíssimas a dizer que sim a uma série de questões. Nós visitámos os museus e sabemos que isto não corresponde à realidade. Mas também temos o feedback dos próprios visitantes e isto é preocupante.

AC – Este estudo vai ter continuidade noutros moldes?

MV – Aquilo que estamos a tentar fazer para já é dar um tempo aos profissionais interessados em lê-lo. E em princípio em Junho, estamos agora a ver datas, vamos promover um encontro para discutir a fundo. Porque aquilo que foi apresentado no dia 18 [de Março] foi uma apresentação sucinta, mais geral. O estudo está totalmente disponível, também em inglês [acessível aqui], porque achámos que há pouca partilha a nível internacional deste tipo de estudos. Só encontrámos um do género, australiano. Faz sentido partilhar porque também podemos ver de país para país, há coisas que são muito comuns.

AC – Também estás ligada a um projecto europeu que tem como parceiro português a Associação HPP – Histórias para Pensar [HPP – Culture and society: about people, museums, heritage and arts]. Queres falar um pouco do projecto, quais são os objectivos? [CETAID – Community Exhibitions as Tools for Adults Individual Development – GRUNDTVIG Learning Partnerships]?

MV – É um projecto que nos permite, através da partilha de experiências dos vários parceiros, que vêm de quatro países (além de Portugal é o Reino Unido, a Itália e a Hungria), ver de que forma é que os vários museus – não só os envolvidos directamente, mas também outros que vamos conhecendo nesses países – trabalham com as suas comunidades, sendo que a ideia de “comunidade” é muito ampla.

Os museus e as comunidades é uma questão muito pertinente e actual nos museus, porque acho que a nossa sustentabilidade depende muito disso. Até que ponto somos relevantes para a comunidade? Até que ponto eles se ligam a nós? Porque se eles não se ligam a nós é como se não existíssemos, na minha opinião. Se estás lá, mas se as pessoas não sabem que estás ou não se atrevem a aproximar-se ou, quando o fazem, não percebem nada, vão-se embora e nunca mais voltam. Não sentem o museu como um espaço que lhes pertence. Então, para que é que existe esse museu? É essa a mais-valia do projecto.

Os parceiros estiveram aqui em Fevereiro, a reunião foi no Museu de Cerâmica de Sacavém. Convidámos também o Museu do Trajo de S. Brás de Alportel, o Museu da Chapelaria [S. João da Madeira], o Museu do Trabalho Michel Giacometti [Setúbal] e o Museu da Cidade [Almada]. Foram partilhas muito enriquecedoras para nós e para os nossos parceiros. O que me preocupou, mais uma vez, foi o pouco que é conhecido o trabalho de alguns desses museus nesta área. Eu fiquei maravilhada.

AC – O projecto começou quando?

MV – Começou em Outubro [2012] e acaba em Julho 2014. Vai haver uma conferência na Hungria em Maio de 2014.

AC – Estás a participar também no Kennedy Center [Washington] no Summer International Fellowship Program, uma formação para gestores culturais [2011-2013]. O que te levou a fazer essa formação? Que tipo de formação é dada, em que  formato?

MV – É uma formação muito centrada nas questões de gestão, marketing e fundraising. Confesso que não tinha pensado nisso até que um ex-colega e amigo me ligou e disse: “Olha, porque é que não te candidatas?” Foi assim.

Para mim tem sido uma das melhores experiências nos últimos tempos. Em primeiro lugar, porque se aprende com os americanos – e aprende-se muito -, sem isso significar que depois é só transportar o modelo para cá. Não se transporta, mas serve de inspiração. É aquilo que sempre temos de fazer, adaptar à nossa escala e à nossa realidade.

Mas aquilo que torna este programa ainda mais enriquecedor é a diversidade nos backgrounds das pessoas envolvidas. Ou seja, todos os anos recebem dez-doze pessoas novas de todo o mundo, que tanto podem vir de grandes instituições nacionais, culturais sempre, como podem ter os seus próprios projectos privados nesta área. E há uma diversidade de realidades, de experiências e de formas de actuar que é tão enriquecedora como as aulas formais e os seminários que nós temos com o pessoal do Kennedy Center e outras pessoas convidadas.

AC – E há também muitos museus?

MV – São sobretudo instituições e projectos ligados às artes performativas, mas há museus. Por exemplo, agora fui à Ucrânia dar um seminário convidada por um colega do Kennedy Center que trabalha num museu em Kyiv.

AC  – E como é que é o formato? É uma temporada?

MV – O mês de Julho durante três anos. São três meses. Vamos, trabalhamos, voltamos para as nossas instituições, temos trabalho de casa para fazer, regressamos…

AC – Tens algum apoio?

MV – Isto é tudo pago pelo Kennedy Center. É um investimento enorme. Há, claro, uma família por trás que financia esta formação –  é a família DeVos. O instituto tem o seu nome, DeVos Institute of Arts Management at the Kennedy Center. E é absolutamente tudo pago, a viagem, a estadia, a semanada…

AC – Há algo similar na Europa?

MV – Na Europa existe na Inglaterra o fellowship da Clore Foundation, mas não sei em que moldes é financiado. Existe mais um fellowship nos Estados Unidos do ISPA, que é o International Society of the Performing Arts, que também tem um fellowship deste género sobre a gestão cultural.

AC – De facto é uma questão importante, como é que se formam os gestores de museus, que pode não passar necessariamente pelos cursos já existentes de mestrado, etc…

MV – Pois, não passa. É algo extra e convém que haja já uma experiência nesta área. No meu mestrado escolhi a área de marketing, e quase vinte anos depois a ideia de marketing ainda assusta. Sempre achei que a própria profissão tem que criar os seus profissionais também nestas áreas. Não é a pessoa que ontem trabalhava no supermercado a fazer marketing que vai fazer o marketing de museus. Cada área tem as suas especificidades. Por isso é que não percebo bem essas reacções todas quando se fala em gestão, parecem palavras proibidas. Não, a cultura tem que ser gerida e tem que ser bem gerida como qualquer área. E o trazer a gestão saudável para a cultura não significa que se corta com o acesso. É essa especificidade que os gestores culturais entendem muito bem.

AC – Quando é que começaste a dar formação na área dos museus?

MV – Em 2004 ou 2005 com a Setepés. Acho que foram as primeiras experiências de formação. Não, houve outra antes – nem sequer falava bem português e foi em inglês. A APOM [Associação Portuguesa de Museologia] fez uma formação para os funcionários do novo Museu de Macau no final dos anos 90 e foi a primeira formação que dei na área do marketing.

AC – Tens dado formação na área do marketing e da comunicação. Qual o balanço que fazes dessa experiência? Tem havido diferenças nas necessidades por parte dos profissionais?

MV – Acho que certas coisas eram uma grande novidade há uns tempos atrás. Agora são ainda novidade, se pensarmos que não estão a ser praticadas, mas não são novidade na cabeça das pessoas. E sinto uma grande necessidade, até pelas formações que estou a dar agora na Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves [curso “Comunicar em Museus: como e com quem?”]. O facto de ter esgotado já duas edições, e temos lista de espera para uma terceira, mostra a grande necessidade que os profissionais dos museus sentem em se formar em áreas para as quais não têm preparação técnica e nas quais têm que desempenhar funções. Neste momento, há alguém a tratar da comunicação em qualquer museu.

AC – A tua experiência na formação também te dá uma perspectiva sobre o tipo de formação que se dá ou não se dá nas universidades. É sobretudo a área da comunicação que está ausente nos currículos universitários?

MV – A comunicação, a gestão. Até porque os cursos que existem estão sempre ligados a uma faculdade, que, de alguma forma, dá prioridade no currículo às áreas que têm a ver com a mesma, se é história da arte, se é arquitectura…Mas o currículo de um curso em museologia não pode ser só isso. Aliás, o próprio ICTOP [ICOM International Committee for the Training of Personnel] tem um documento que explica o que é que deverá fazer parte de um curso de museologia e acho que há uma série de áreas que não estão a ser cobertas.

AC – Quais são as competências de um profissional na área da comunicação em contexto museológico? Qual deve ser esse percurso profissional?

MV – Acho que há várias formas de lá chegar. E a prática é isso que nos mostra: podem ser pessoas que começaram pela comunicação, mas depois entraram na área da cultura, e dos museus em particular; depois há outras pessoas que começaram pelos museus – mas da parte da conservação, colecção, etc. – e que depois alargaram os seus horizontes para esta área. Acho que há duas portas de entrada. Aquilo que em cada caso há que perceber é quais são as especificidades do sector e como se trabalha a comunicação concretamente.

AC – Já falaste da gestão nos museus, achas que falta ou não debater os perfis dos profissionais de museus?

MV – Acho que reflexão já tem havido suficiente, mas não há coragem suficiente para dar os passos necessários. Há reflexão pelo próprio ICOM, que também criou o Referencial Europeu das Profissões Museais [2008], que descreve o que cada profissional tem que ter como background, em termos de qualificações, em termos de experiência.

AC – Como é que avalias a relação dos museus com as universidades? Como é que vês esse panorama? Essas colaborações podem ser potenciadas?

MV – Acho que tem que ser. A grande mais-valia no meu caso foi fazer o meu mestrado numa universidade muito ligada a vários museus, onde fizemos estágios – para além de trazer já alguma experiência de trabalho em museu, que era um dos requisitos para fazer o mestrado. Para mim, é assustador quando alguém só tem a experiência prática ou só tem a parte teórica, tem que haver forma de juntar as duas coisas. Por isso, faz todo o sentido que haja esta colaboração, porque parece que falta qualquer coisa. Muitas vezes falamos com académicos que parece que não têm noção do que se passa no terreno – nem todos, obviamente -, e o contrário também: pessoas que na prática fazem, mas que do ponto de vista teórico têm lacunas enormes e que com um maior enquadramento teórico poderiam fazer um trabalho muito melhor e muito mais pensado, de uma forma mais concreta e estruturada.

AC – Em 2007 começaste a editar a nova série do boletim do ICOM-PT [Informação ICOM-PT] em formato digital. Qual a tua percepção sobre o que se produz na área em termos científicos? Estamos a divulgar suficientemente os projectos e as práticas que se vão fazendo nesta área?

MV – O boletim procura ser uma mistura disso, tanto publicamos textos claramente académicos como outros que têm muito a ver com uma partilha daquilo que é a experiência dos profissionais no terreno. Uma outra coisa que procuramos fazer é dar voz à geração mais nova de profissionais. Penso que todos valorizamos imenso o trabalho de profissionais da área mais conhecidos, com trabalho feito. A experiência que trazem e os conhecimentos que trazem são enormes. Mas há ideias e há outras formas de reflectir nas gerações mais novas, como é normal. E muitas vezes sinto que essa geração mais nova não tem uma plataforma para se exprimir, nem a cria!…

AC – Há muito trabalho que se faz que depois não é conhecido e, ao mesmo tempo, isso acaba por ser um handicap, porque não divulgando não inspiram outros…

MV – Exactamente. Várias vezes contactei pessoas para escreverem para o boletim porque na lista Museum o José d’Encarnação falou de uma tese que acabou de ser defendida…

AC – És tu que vais procurar?

MV – Sim. E os colegas da direcção do ICOM-PT, que também estão atentos. É um trabalho conjunto para chegarmos a pessoas que nem toda a gente conhece, cuja voz merece ser ouvida.

AC – Publicaste há pouco tempo o livro Musing on Culture[3]. Como é que surge esta ideia e o que é que trata ? E a quem é que se destina?

MV – A ideia surgiu da parte da editora, a Bypass Editions. Já conhecia as pessoas e um dia escreveram-me, propondo que fizéssemos do blogue “Musing on Culture” um livro. Não tinha pensado no assunto. Depois debatemos que sentido faria um livro, se está tudo online. Mas online está tudo disperso, enquanto no livro podemos agrupar alguns textos. Fizemos uma selecção por temáticas e tentámos defender uma ideia de uma forma mais construtiva.

Claro que é um livro que se dirige aos profissionais e estudantes da área, mas eu gostaria de pensar que poderá ser um livro útil a qualquer pessoa interessada nesta matéria: o que significa a cultura na nossa vida, questões de comunicação e de acesso. Aliás, eu tenho uma forma de escrever bastante simples e espero que isso permita a pessoas interessadas ler e perceber aquilo que quero transmitir [veja-se um comentário ao livro aqui].

AC – Pensando na crise e em tudo o que se está a passar: departamentos extintos, muitas pessoas têm sido dispensadas, enfim, há museus com grandes dificuldades… Mas, apesar disso, não tem havido muito debate com o envolvimento dos profissionais ou por parte das universidades, à excepção de alguns fóruns. Não se vê da parte dos profissionais uma acção muito proactiva. Porque é que achas que isto acontece?

MV – Acho que as pessoas em geral são muito pouco proactivas, vêem o problema, mas esperam que alguém outro os organize ou leve as coisas para a frente. E isto só pode ser um trabalho comum, que empolga várias – não direi todas, porque nunca são todas -, mas que envolva várias pessoas. Por outro lado, as pessoas ficam, muitas vezes, assustadas com aquilo que são as dificuldades do dia a dia ou demasiado presas nelas. E isto corta-nos a capacidade de pensamos fora daquilo que é o imediato e de pensar no futuro também.

Porque, se bem que a situação agora se agravou, o que é que há de novo nos problemas que os museus enfrentam em termos de falta de dinheiro, de falta de pessoal qualificado, o que é que há de novo nisso? Nada, simplesmente há uma situação que se agravou imenso, mas não é novidade. E, portanto, tem que haver (re)acção. Por vezes há tentativas, pode ser o ICOM, etc., tem havido debates, mas temos que pensar no próximo passo, tornar útil a reflexão, na prática, que é a parte mais difícil.

AC – Queres comentar o debate que foi publicado este fim-de-semana [O que faz falta aos museus portugueses?, no jornal Expresso, de 29 de Março 2013[4]]? Há alguma ausência no discurso que queiras acrescentar?

MV – Sim, há uma ausência que me chocou, que é os presentes falarem de forma muito mais concreta sobre o que eles têm feito concretamente, ou para contrariar a situação ou para levar as coisas para a frente. Porque é isso que se espera de um director, não é?

Acho que todo o discurso se centrou em questões de factores externos, falou-se obviamente na crise económica, no legado, na herança social, política e económica, na acessibilidade, etc. E não houve nenhum momento, não sei se é culpa do jornalista que também não colocou a pergunta certa, mas estavam presentes o Secretário de Estado e dois directores de museu (bom, João Fernandes é agora subdirector do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, mas foi director de um museu em Portugal [Museu de Serralves]). Portanto, deveria ter havido perguntas mais concretas para sabermos o que é que alguém que está numa posição de influenciar a situação faz para essa tão desejada acessibilidade. Essa parte esteve completamente ausente desse debate.

AC – Tem-se falado muito que esta crise pode ser uma oportunidade. Também partilhas dessa opinião?

MV – Sim, completamente, mas não estou a ver querermos agarrar essa oportunidade, de todo! Claro, uma crise é sempre uma oportunidade. Porque uma crise obriga-nos a repensar uma série de práticas, de formas de actuar, de fazer, etc.

Mas lia há dois dias um post de Sara Manzares Rubio [não conhecia o blogue dela – Museo, Go Green!] a dizer que parece que ficamos contentes em lamentarmo-nos e é fácil dizer “Ah, coitadinhos de nós, não temos isso, não temos aquilo”! Mas onde está a responsabilidade de cada um? Claro, a crise poderia ser uma oportunidade, mas temos que a agarrar!

AC – De que maneira os profissionais podem participar de forma a ter um papel proactivo na definição das políticas? Há sempre toda uma política por trás, não é? Mas de que maneira é que se pode ultrapassar os ciclos políticos que são sempre demolidores e é sempre um problema que nós debatemos – porque temos projectos, mas depois muda a cor política e de repente estamos a voltar à estaca zero ou desfazem-se equipas…

MV – Acho que o nosso problema é exactamente esse. Ou seja, aquilo que eu vejo é que as associações profissionais, os profissionais de uma forma individual, reagem a políticas anunciadas, reagem… Ou seja, nós como profissionais tínhamos a obrigação de manter um debate permanente para poder também levar as coisas para a frente, independentemente de quem está no poder. E as sugestões deveriam sair de nós. E portanto, deveria haver uma plataforma de reflexão permanente que influenciasse de forma decisiva as políticas, as ideias. Devíamos impor a nossa presença, mas, na verdade, sinto que só estamos a reagir. Há um governo que anuncia algo e nós reagimos a isso. Isto não é política!

AC – Quais são, na tua opinião, as grandes tendências dos museus nos próximos anos?

MV – Inevitavelmente, mesmo para quem não queira, uma preocupação maior com as necessidades de públicos muito diferenciados. E uma viragem clara para o uso das novas tecnologias. Não me estou a referir a coisas “xpto”. Há uma série de plataformas gratuitas neste momento que permitem criar uma relação completamente diferente com as pessoas, muito mais directa. Temos é que saber usá-las bem, aproveitar aquilo que cada plataforma nos permite.

AC – Como vês o panorama museológico português, é um panorama sustentável? Podem todos os museus sobreviver à crise? Pode haver aqui uma estratégia a definir-se? Continuamos a ver muitos museus a surgir, inevitavelmente alguns museus vão fechar…

MV – Há muitas questões interligadas nesta questão. Muitas vezes abrem-se museus para se dizer que se abriu um museu e raramente se pensa o que é que será o futuro desse museu depois de cortar a fita. Acho que a Inês Fialho Brandão colocou muito bem essa questão, tendo como exemplo o novo museu municipal em Peniche [cf. “Os Museus da Crise“ (Por Dentro), in Património.pt, Out. 2012]. E depois? Este depois parece que nunca ninguém pensa. Como é que vão sobreviver? Se esta parte não for pensada antecipadamente, como é que vamos manter a seguir este museu aberto? Este planeamento prévio não é feito.

AC – O novo Museu dos Coches também reflecte um pouco isso, ainda que a outra escala.

MV – Sim, claramente. E, portanto, não há este pensamento e planeamento prévio. Ficamos contentes porque abriu mais um museu, e depois? E acho que há museus que não têm condições, nenhumas.

Mas se há formas de reagir? Há, acho que há formas de reagir. E há uma tradição que aos poucos terá de ser criada em Portugal, a tradição de envolver mais as pessoas, os indivíduos, aqueles que têm pouco dinheiro, mas sobretudo aqueles que têm muito dinheiro. E não falo nas empresas, falo nos indivíduos. Porque uma empresa associa-se a um projecto porque faz sentido no seu plano de marketing e de branding, não porque têm pena de uma instituição cultural que não tem dinheiro. E uma empresa pode apoiar um ano e no ano seguinte pode já não fazer parte do seu plano estratégico apoiar…

Portanto, aquilo que é permanente é a nossa relação com as pessoas. Isto pode ser permanente se nós fizermos o nosso trabalho bem. E esta tradição temos que começar a criá-la, a tradição do dar.

Já vimos pequenos projectos que avançaram graças a isso, porque foi pedido o apoio do público – crowdfunding. A Mónica Calle e a Casa Conveniente fizeram exactamente isso e a resposta de público… não estavam à espera de todo… Acho que não souberam depois muito bem dar continuidade a essa primeira onda de solidariedade.

O Luís Tinoco, compositor, fez crowdfunding para gravar uma nova peça com a orquestra Gulbenkian. Há também um portal online de cultura contemporânea africana, o Buala, que quis fazer uma publicação em papel pela primeira vez com uma temática concreta, e também recorreu ao crowdfunding. Portanto, as pessoas querem apoiar aquilo que para elas tem significado.

AC – Mas depois há os modelos de gestão rígidos que não permitem…

MV – Claro. Estamos nesta fase, com uma crise, com uma necessidade enorme de pensar os modelos e o que é que está a ser feito? Não estamos a querer repensar nada. O Estado, o Estado, deve deve deve…E depois? É uma boa ideia dependermos de uma só fonte? E se a fonte secar? Faz sentido?

AC – Tens algum projecto que gostarias de desenvolver no futuro, caso houvesse possibilidade para isso?

MV – Sim, gostava muito de desenvolver um projecto que envolvesse imigrantes e refugiados, porque penso que os museus são uma porta de inclusão numa sociedade onde eles chegam a ser integrados, bem ou mal, por variadíssimas razões. Muitas vezes, também em museus no estrangeiro, vemos coisas que se fazem, mas que são pontuais. Ou seja, tens o Victoria & Albert Museum a fazer uma coisa sobre a comunidade indiana, acontece, pára, e as pessoas nunca mais voltam. O que me interessaria seria tentar perceber como é que esta relação se pode tornar mais duradoura, não ser apenas uma coisa do momento. As pessoas virão se fizermos uma coisa que tem muito a ver com a sua cultura, e o depois? É isto que gostaria de poder fazer.

AC – Imaginemos que estávamos num cenário de pós-crise. Há algum museu que faz falta em Lisboa?

MV – Eu acho que um museu, não sei como se chamaria exactamente, mas que tem muito a ver com a história deste país. Se se chamasse “dos Descobrimentos” limitar-se-ia a um determinado período. O que é que foi a expansão dos portugueses para o mundo, depois o retorno, essas questões todas, depois da descolonização, etc. Qual é essa relação hoje em dia? Seria muito interessante se fosse um museu que criasse espaço para várias interpretações, várias versões, confrontasse as pessoas com ideias com as quais nunca antes tivessem sido confrontadas. E isso seria muito bom.

AC – E isso metia todas as questões como o racismo, os direitos humanos…

MV – As coisas mudam quanto mais contacto tivermos com o “outro”. Deixamos de ver a cor, ficamos a conhecer a pessoa. Tão simples quanto isso. Graças às viagens que tenho feito e às minhas amizades com pessoas de vários países, não me sento hoje em dia à frente de uma pessoa preta a pensar “tenho à minha frente uma pessoa preta” (ou amarela ou o que for…). Mas isso só é possível com o contacto.

AC – Obrigada por esta oportunidade.

MV – Obrigada eu.

****

No blogue “Musing on Culture” poderá continuar a ler mais sobre a forma como Maria Vlachou observa o mundo da cultura, bem como as suas mais recentes comunicações em conferências e encontros sobre museus. Disponível em: http://musingonculture-pt.blogspot.pt

Outras entrevistas neste blogue:

João Brigola

Filipe Themudo Barata

****

Notas

[1] A apresentação do estudo na Fundação Calouste Gulbenkian está disponível via livestream aqui: http://www.livestream.com/fcglive/folder?dirId=a3b349a0-2bb8-409c-83b5-e2ed01d8b3fe

[2] Mineiro, Clara, coord. 2004. Museus e Acessibilidade: Temas de Museologia. Lisboa: Instituto Português de Museus (IPM).

[3] O livro está disponível em formato digital (via issuu), ainda que parcialmente aqui. Para adquirir o livro pode fazê-lo através da Bypass Editions ou nas livrarias habituais. Veja ainda a entrevista de Maria Vlachou à plataforma património.pt a propósito do livro (cf. “Musing on Culture: de blog a livro – Entrevista a Maria Vlachou”, in Com credenciais, 4 de Abril de 2013, acessível em http://www.patrimonio.pt/).

[4] Para o debate participaram Jorge Barreto-Xavier, Tolentino Mendonça, João Fernandes e António Filipe Pimentel. Moderação de Ricardo Costa. Ler mais em: http://expresso.sapo.pt/o-que-faz-falta-aos-museus-portugueses=f796190#ixzz2R4y51Y28