Arquivo de etiquetas: Património

Desafios do património em destaque na revista Património

Apresentação da RP n.º 5, Conversa com José Bragança de Miranda, Clara Frayão Camacho, Álvaro Domingues, com moderação de Manuel Lacerda, 27 de Outubro de 2018, Palácio da Ajuda

Temos um novo número da Revista Património – RP, o quinto (2017-2018). A revista (desde 2013) é da responsabilidade da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. É anual e impressa. O lançamento do 5.º número aconteceu no Palácio da Ajuda a 27 de Setembro de 2018.

Manuel Lacerda, director da revista, no editorial, fala de alterações globais, mudança, transformação, novas prioridades e preocupações, resiliência, desenvolvimento económico e social, inovação… Tudo isto faz parte do presente e tudo isto se relaciona com a cultura e o património cultural. Daí que o caderno principal da revista tome como fio condutor esses tantos desafios. Damos particular destaque ao artigo Graça Filipe e Clara Frayão Camacho “Que Futuros Queremos dar ao(s) Museu(s)?” pela forma assertiva em que se situa o futuro dos museus na relação com os grandes temas e tendências contemporâneas: alterações demográficas, incremento da mobilidade, evolução da tecnologia, retração das políticas públicas, paradigma da sustentabilidade e da participação.

RP 5

Índice

1| Editorial, por Manuel Lacerda

Desafios do património

6| Património e turismo: de um casamento promissor a um divórcio litigioso, por Álvaro Domingues

14| Paisagens culturais: tendências, riscos e desafios, por Nuno Ribeiro Lopes

20| Recomendação sobre a paisagem histórica urbana, por Ana Tarrafa Silva, Isabel Valverde e Ana Pereira Roders

30| Arqueologia urbana em Portugal, hoje, por Jacinta Bugalhão

40| O património digital como política do comum, por José Bragança de Miranda

48| Que futuro queremos dar ao(s) museu(s)? Por Graça Filipe e Clara Frayão Camacho

60| O associativismo na construção da salvaguarda e conservação do património cultural/natural, por João Caninas e Jorge Custódio

Pensamento

72| Plataformas museológicas, coleções virtuais, monumentos em 3D, emojis renascentistas e o mundo fabuloso do património digital, por Luís Ramos Pinto

78| A estratégia para o património cultural na Europa do século XXI. Dos princípios à realidade, por Claire Giraud-Labalte

Projetos

84| O restauro da Casa de Chá da Boa Nova, por Jorge Figueira

90| A nova exposição de pintura e escultura portuguesas do Museu Nacional de Arte Antiga, por Anísio Franco, José Alberto Seabra Carvalho e Maria João Vilhena de Carvalho

96| Escola Maria Barroso: adaptação parcial do extinto Tribunal da Boa Hora, por Ana Lúcia Barbosa

106| Salvaguarda de património paisagístico da excecionalidade à representatividade tipológica de jardins, por Mário Fortes e Deolinda Folgado

122| Projeto, património arquitetónico e regulamentação contemporânea: sobre práticas de reabilitação no edificado corrente, por Nuno Valentim Lopes

Opinião

138| O futuro da cultura, o futuro do património cultural: considerações preliminares, Pier Luigi Sacco

Sociedade

144| Rota Histórica das Linhas de Torres: génese, consolidação e desafios, por Florbela Estevão

150| O cemitério romântico: cidade dos mortos, património dos vivos, por Sílvia Leite


Educar com o património cultural imaterial

 

na imagem vê-se capa do livro de cor amarela

“El Patrimonio Cultural Inmaterial y su Didáctica” acaba de ser publicado em Espanha pelas edições Trea. O livro tem em conta o enquadramento da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003) para reflectir sobre vários temas: o conceito de património imaterial; o que se inclui e o que se exclui; a aparente perda de diversidade cultural por via da globalização; a artificialidade das listas de património imaterial da UNESCO; a instrumentalização política subjacente às candidaturas da UNESCO; os mecanismos de inclusão e exclusão cultural; entre outros. Muitos são os exemplos (mais internacionais do que espanhóis) que são dados ao longo do livro para sustentar os argumentos apresentados. Mais do que respostas, os autores fazem um levantamento de problemáticas em torno do património imaterial.

Um dos argumentos principais dos autores, tornado explícito no próprio título do livro, é explorado no final da publicação. Reside no potencial educativo que o património imaterial pode ter para um melhor conhecimento da nossa cultura e da dos outros, e no respeito pela diferença e pelos direitos humanos. Segundo os autores, essa consciência deve ser promovida sobretudo entre os mais jovens: «el (re)conhecimento del património cultural imaterial de comunidades diferentes a la própria implica abrir los horizontes cognitivos impuestos por nuestra cultura, pudendo ajudar a resquebrajar las representaciones sociales que tenemos sobre el mundo y la vida y, por tanto, a liberarnos, en parte, de esa “sujeción” cultural que nos define en tanto que seres sociales y culturales» (p. 147). Em última análise, educar com o património imaterial poderá ajudar a contribuir para que se formem cidadãos mais críticos e mais autónomos. 

O livro é coordenado por Joan Santacana Mestre (Universidade de Barcelona) e Nayra Llonch Molina (Universidade de Leida). Grande parte dos capítulos (são 21 no total) são da autoria dos editores, mas estão incluídos contributos de outros investigadores. O livro resulta do trabalho desenvolvida por um grupo de académicos que fazem parte da linha de investigação DHiGeCs (Didàctica de la Història, la Geografia, i altres Ciències Socials) da Universidade de Barcelona.

****

CONTEÚDOS:

Historia y definición del patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La historia de un concepto
Definición y Lista Representativa del Patrimonio Cultural Inmaterial de la Humanidad

La realidad del patrimonio inmaterial: ¿un gran cementerio de la cultura humana? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La esencia de la inmaterialidad
¿Qué se debería valorar en el patrimonio inmaterial? El debate sobre los valores de lo inmaterial

¿Qué incluimos y qué no incluimos en el concepto de patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Los temas de la cultura
Los ámbitos en los cuales se manifiesta el patrimonio cultural inmaterial
Los ámbitos del patrimonio cultural inmaterial y la antropología cultural

El descrédito de la diversidad y la búsqueda de la identidad (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La diversidad como castigo divino y su estigmatización
La fuerza de la diversidad cultural de los humanos
La conciencia de identidad o el afán de diferenciarse

Las lecciones de la diversidad cultural (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Las ventajas de lo «occidental»
Los problemas de la pérdida de diversidad
Las ventajas de la diversidad cultural

De nuevo sobre la imposible lista del patrimonio inmaterial del mundo (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Quién puede seleccionar lo que es importante para un grupo humano?
No basta con «ver» para comprender: el caso de los yorubas
Las lecciones de la mascarada yoruba

¿Quién decide lo que es y lo que no es patrimonio inmaterial de un pueblo? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Patrimonio cultural inmaterial y «hecho social»
La presión colectiva: el caso de Diana de Gales como ejemplo
La Unesco y las decisiones políticas

La exclusion cultural y sus variedades (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina
Genocidas en nombre de la igualdad
Los mecanismos de la exclusión cultural: del prejuicio al exterminio
El racismo cultural que todos llevamos encima

El patrimonio inmaterial encapsulado en el relato (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La inmensa variedad de los relatos
Los relatos, guiones del teatro de la vida
La lección del cuento de «Los tres cerditos»

Cuando el patrimonio inmaterial se traduce en arte (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El arte se puede manifestar en cualquier modalidad de lo inmaterial
El arte en las creencias y en las costumbres
El arte une símbolos, explicaciones y juegos

La sabiduría y la tecnología para transformar el entorno como patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Tecnologías obsoletas? ¿Conocimientos superados?
Casas, agujas y yertas: tres ejemplos de conocimientos tecnológicos como patrimonio inmaterial

El patrimonio cultural inmaterial que se puede comer y beber (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Del comer y del beber
La gastronomía, ¿arbitrariedad o respuesta cultural?
Algunos ejemplos para tener apetito

¿Constituyen las religiones expresión del patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La división del mundo en natural y sobrenatural
Las manifestaciones religiosas a menudo han sido consideradas patrimonio inmaterial
El papel de los rituales religiosos y la cultura

El valor inmaterial del patrimonio religioso en Occidente y su función educativa (Tania Martínez Gil)
El patrimonio religioso: entre lo material y lo inmaterial
El valor inmaterial del patrimonio religioso
Vetar con el patrimonio religioso hoy

Las emociones y el patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre, Nayra Llonch Molina y Tánia Martínez Gil)
Las emociones que nos mueven
La función motivadora de las emociones

La memoria del pasado como patrimonio inmaterial (Núria Gil Duran)
La memoria como patrimonio inmaterial
Los monumentos, iconos para la memoria
Erased in action: la acción de borrar la memoria

Educar a partir del patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La educación, la sociedad y la escuela
Educar mediante las tradiciones
Educar mediante los cuentos
Educar con los juegos tradicionales

Las lenguas, un patrimonio inmaterial (Rosanna Rion)
El patrimonio inmaterial lingüístico
El patrimonio inmaterial : traducción e inmigración
Patrimonio inmaterial lingüístico y mediación

Los límites al derecho a la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El patrimonio inmaterial basado en la crueldad
Los dioses que comían carne humana y el valor de la libertad

Patrimonio inmaterial y los derechos humanos: ejes para cimentar la educación intercultural desde la enseñanza de las ciencias sociales (Josué Molina Neira y Rodrigo Arturo Salazar Jiménez)
Unas cuestiones previas
Breve análisis crítico sobre la fundamentación de la Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial
Conclusiones: relaciones entre patrimonio inmaterial, derechos humanos y didáctica de las ciencias sociales

La inclusión cultural o educar en la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)

Anexo. Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial

Pode o património ajudar a pensar o futuro?

Templo evora

Na próxima sexta-feira (29 de Abril), Rodney Harrison (UCL Institute of Archeology) estará em Lisboa para uma conferência intitulada “Heritage Futures“. O evento é organizado no âmbito do programa de Doutoramento FCT em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Muselogia  do ISCTE (http://cria.org.pt). Realiza-se às 18h, no ISCTE, Auditório B203, Ed. II.

Abstract: How does heritage make the future? From nuclear waste in Sweden to global endangered languages, from a frozen genetic ‘Ark’ in Nottingham to the global seed vault in Arctic Norway, and from ‘rewilded’ landscapes in Portugal to paper-based archives in Paris, ‘Heritage Futures’ aims to develop a broad, international and cross-sectoral comparative framework for understanding ‘heritage’ not as a domain which is concerned with the past, but rather as a series of heterogeneous yet distinctive practices which involve the management of material and discursive legacies of various forms and which are oriented towards assembling (alternative) futures. This paper introduces this collaborative research project, which involves a team of 12 researchers and 21 international partner organisations, and aims to show how its broad themes relate to some of the most pressing ecological, social and political issues of our time. Central to our focus on what I term heritage ontologies-the world making, future assembling capacities of different heritage practices-is the recognition of ontological plurality; that different forms of heritage practices enact different realities and hence work to assemble different futures. I conclude with some notes which consider the potential for a comparative ethnology of global heritage practices through this ontological lens.

Rodney Harrison is a Reader in Archaeology, Heritage and Museum Studies at the Institute of Archaeology, University College London. He is the author or editor of over a dozen books and special journal issues and over sixty peer reviewed articles and book chapters on topics relating to the material histories and contemporary sociopolitics of anthropology, archaeology, heritage, material culture and museums. He is Vice Chair of the Association of Critical Heritage Studies, founding editor of the Journal of Contemporary Archaeology and Principal Investigator on the major AHRC-funded ‘Heritage Futures’ project.

Harrison é autor de Understanding the Politics of Heritage (2010) e de Heritage: Critical Approaches (2013), entre outros.

Também será possível assistir à conferência via livestreaminghttps://recad.iscte-iul.pt/ess/echo/presentation/4d8f7d19-00fe-4aee-aa7e-9ce7709b9f11

Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

 

Capa do livro Memorylands

Macdonald, Sharon. 2013. Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today. Londres: Routledge. 293 páginas. ISBN 978-0-45333-2.

Sharon MacDonald começa o livro chamando a atenção para o facto de a memória se ter tornado uma preocupação central ao longo do séc. XX e XXI, tanto na Europa como em outras partes do mundo. O florescimento dos trabalhos sobre a memória tem sido alimentado, refere a autora, pela angústia quanto à amnésia cultural, com o receio da perda dos vestígios do passado, o desaparecimento daqueles que testemunharam os eventos históricos na primeira pessoa, e o desvanecimento da transmissão intergeracional das memórias. Sublinha ainda que a Europa se transformou na terra da memória – memoryland – obcecada pelo desaparecimento da memória colectiva e com a sua preservação, como fica patente na paisagem com o aparecimento de novos museus, memoriais, sítios de património, placas e instalações artísticas que servem para nos lembrar das histórias que não devem ser esquecidas. Um dos objectivos do livro é identificar os padrões nas abordagens e experiências sobre o passado na Europa, uma vez que a premissa da autora é de que prevalece um repertório de tendências neste domínio, ainda que por vezes contraditórias. E, por outro lado, identificar as variações mais relevantes dessas abordagens.

Sharon Macdonald é professora da Antropologia Cultural na Universidade de York (Reino Unido). É a autora de Difficult Heritage: Negotiating the Nazi Past in Nuremberg and Beyond (Routledge, 2008), Behind the Scenes at the Science Museum (Berg, 2002), Reimagining Culture: Histories, Identities and the Gaelic Renaissance (Berg, 1997). Editou The Companion to Museum Studies (Blackwell, 2006) e The Politics of Display: Museums, Science, Culture (Routledge, 1997). Foi co-autora (juntamente com Gordon Fyfe) de Theorizing Museums: Representing Identity and Diversity in a Changing World (Blackwell, 1996), entre outros.

CONTEÚDOS:

List of figures
Acknowledgments
Prologue

1. The European Memory Complex: An Introduction
2. Making Histories: Europe, Tradition and Other Present Pasts
3. Telling the Past: The Multitemporal Challenge
4. Feeling the Past: Materiality, Embodiment and Place
5. Selling the Past: Commodification, Authenticity and Heritage
6. Musealization: Everyday Life, Temporality and Old Things
7. Transcultural Heritage: Reconfiguring Identities and the Public Sphere
8. Cosmopolitan Memory: Holocaust Commemoration and National Identity
9. The Future of Memory – and Forgetting References

Notes
References
Index

Em venda na Routledge.

RP Revista Património 1 e 2

Revista Património 2

O segundo número da Revista Património (RP) foi lançado em Dezembro. Trata-se de uma revista anual e impressa da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Tem como director o arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e conta com a coordenação da historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial).

A nova revista é o resultado de dois projectos editoriais anteriores, a revista Estudos/Património (ed. Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011) e a Muselogia.pt (ed. Instituto dos Museus e da Conservação – IMC; 2007-2011). A reestruturação e fusão de organismos públicos traduziu-se na necessidade de editar uma única revista multidisciplinar que pretende agrupar todas as áreas que a nova organização – Direção-Geral do Património Cultural – aglutinou (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial -, Conservação e Restauro, etc.).

Este novo projecto editorial reveste-se de grande importância para o fortalecimento e coesão da comunidade profissional, e imagem pública da DGPC, após dois a três anos de indefinição e instabilidade por via das restruturações sofridas nos organismos oficiais para a preservação do património e desenvolvimento dos museus.

Prevalece central no perfil destas publicações a importância de dar conta da obra feita, das suas actividades, da divulgação da política oficial para o património. É uma revista que reproduz, até certo ponto, o peso dos diferentes sectores dentro do próprio organismo público. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas na revista resulta naturalmente num espaço menor de expressividade para cada uma delas.

A incorporação de outros contributos para além da massa crítica existente no seio da DGPC é um aspecto que beneficia a publicação. Também se incluem contributos de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. Por outro lado, destes dois números ressalta um olhar diversificado sobre património que remete para uma noção mais complexa e plural (p. ex. “patrimónios desamparados”, “património urbano”, “atmosfera líquida do património industrial”, “património e intimidade”).

A revista dirige-se, em primeira linha, aos profissionais do património e dos museus, mas pode  cativar um grupo mais vasto de públicos com interesse pelas políticas culturais.

Está à venda nas lojas dos museus nacionais e nas principais livrarias (ex. Fnac). Entre 15 a 20 euros.

****

Revista Património n.º 2# Nov. 2014

Gestão do património cultural
6 | Patrimónios desamparados, Álvaro Domingues
16 | Hacia un nuevo modelo – sostenible y social – de gestión del patrimonio cultural, Enrique Saiz Martín
26 | El paisage histórico urbano de Sevilha. Hacia un instrumento de gestión abierto e innovador, Román Fernández-Baca Casares e Pedro Salmerón Escobar
34 | Memória e duração: o espaço público da cidade, que se sustém no tempo, mudando, Pedro Brandão
42 | O bom e o mau governo, Lúcia Saldanha Gonçalves e Mário Fortes
56 Reabilitação ou fraude? José Aguiar
70 | O Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Nacional do Prado: dois casos de estudo entre modelos de gestão, António Filipe Pimentel e Miguel Zugaza Miranda
Pensamento
82 | Património e intimidade, Paulo Pereira
86 | La sostenibilidad del patrimonio cultural: reflexiones y desafíos, Luis César Herrero Prieto
92 | Arquitecturas da cultura: patrimónios do futuro, Nuno Grande
Projetos
102 | O restauro da Charola do Convento de Cristo: a derradeira etapa, Ana Carvalho Dias et al
108 | As pedras da Igreja do Mosteiro dos Jerónimos: um plano para a sua conservação, Ângela Costa Silveira e Antónia Tinturé
116 | Luca Giordano: um êxtase de São Francisco, Joaquim Oliveira Caetano
122 | Naufrágios e borboletas, Jean-Yves Blot
126 | Ser do Mar: o Museu Marítimo de Ílhavo como lugar de projeto, Álvaro Garrido
132 | Museu Marítimo de Ílhavo: reabilitação, ampliação e expansão, Nuno Mateus
142 | «À conquista do Castelo». Restauro e valorização do Castelo de Mouros, António Lamas et al
Opinião
154 | Entre a memória e a criação: seis questões, Manuel Lacerda
Sociedade
160 | Património cultural ao serviço da sociedade, Guilherme d’Oliveira Martins
164 | Conta-me histórias, Luís Soares
170 | Património cultural: entre o acontecimento e a comunicação, Deolinda Folgado
176 | Património imaterial: organizações e conceitos, Paulo Ferreira da Costa
180 Acontece
188 Abstracts

Revista Património 1

Revista Património n.º 1#Nov. 2013

Património urbano e reabilitação
6 | Lugares praticados versus lugares de memória, Alexandre Alves Costa
16 | Do Românico ao Minimalismo: os caminhos da intervenção patrimonial em Portugal, Jorge Figueira
24 | Apartamentos pombalinos de hoje: premissas, Maria Helena Barreiros
30 | Património urbano: boas práticas de conservação e reabilitação de edifícios, João Appleton
36 | A revisão do regulamento de trabalhos arqueológicos e os contextos da arqueologia portuguesa no século XXI: uma breve reflexão, Ana Catarina Sousa
Pensamento
44 | Património moderno: conservação e reutilização como um recurso, Ana Tostões
54 | Património mundial e turismo: uma reflexão a propósito dos 40 anos da convenção, Ana Paula Amendoeira
60 | A conservação e o restauro: o papel do Laboratório José de Figueiredo, perspectivas e desafios, Gabriela Carvalho e António Candeias
Projectos
68 | Rota dos mosteiros património da humanidade da região centro, João Seabra Gomes, Maria Fernandes, Patrícia Soares, Pedro Redol, José Fernando Canas, Irene Frazão
76 | Centro de Interpretação dos Mosteiro da Batalha: criação de um teatro da memória, Cristina Guedes, Gabriella Casella, Francisco Providência e Francisco Vieira de Campos
82 | Centro de Interpretação do Mosteiro da Batalha, Pedro Redol
86 | Vale do Arosa, território histórico: um projeto, Luís Sebastian
92 | (Re)Visitar o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: a instalação de um núcleo museológico na ala nascente, Gabriel de Andrade e Silva
100 | Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: núcleo museológico, Luís Sebastian
108 | Projeto de remodelação e ampliação do Museu Nacional de Machado de Castro, Gonçalo Byrne
114 | A arqueologia na obra do MNMC: para uma visão integrada do lugar, Pedro C. Carvalho
120 | MNMC: o programa expositivo. Estrutura, imagem e comunicação, Adília Alarcão, Ana Alcoforado
126 | Remodelação do edifício sede do Banco de Portugal, Gonçalo Byrne, João Pedro Falcão de Campos
134 | A sede do Banco de Portugal: um caso de arqueologia urbana em Lisboa, Artur Rocha
142 | Lisboa ribeirinha: evidências arqueológicas de uma vocação marítima milenar, Alexandre Sarrazola, José Bettencourt, André Teixeira
Opinião
148 | LX Factory: uma atmosfera líquida em Alcântara, Deolinda Folgado
Sociedade
154 | Património imaterial: entre as comunidades e as organizações, Paulo Ferreira da Costa
160 | Rota do Românico, Rosário Correia Machado
166 | Acontece
172 | Abstracts

Call for papers: Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem nova chamada para artigos para o 6.º número. O tema do dossier temático é: “Museus, Discurso e Poder”.

Para quem não conhece a MIDAS, trata-se de uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista é publicada em Portugal, mas assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola. Encontra todos os números publicados até ao momento em: http://midas.revues.org.

****

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015.

Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos (secção varia) pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com (Ana Carvalho)

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas” (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. […]
[…] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades […]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia

Conferência Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de: http://www.fcsh.unl.pt/

“Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva” é uma conferência organizada pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Irá decorrer esta semana em Lisboa, entre os dias 27 e 29 de Novembro.

Um programa denso de três dias, que promete debates interessantes sobre património. Estarão presentes investigadores nacionais e internacionais. Entre eles, destaca-se a presença  de Jean Davalon (Universidade de Avinhão/França), que muitos conhecerão do mundo dos museus. Com um extenso currículo, Davallon é um dos fundadores e co-editor da revista francesa Publics et Musées, que em 2002 passou a designar-se por Culture et Musées. Davalon fará a conferência inaugural no primeiro dia do encontro: “À Propos des Régimes de Patrimonialisation : Enjeux et Questions”.

Sobre o racional da conferência:

“A importância e o papel do património (cultural e natural) na sociedade contemporânea tornam praticamente transversal a todas as áreas científicas a necessidade de conhecimento e de reflexão sobre questões ligadas à memória colectiva e social, à seleção de elementos do passado e sua refuncionalização no presente, à função patrimonial de certos bens e manifestações culturais em relação a comunidades de pertença, ao carácter cíclico do património, à dimensão patrimonial do desenvolvimento, enfim ao património como facto social e cultural.

Para designar o processo de constituição de património a partir de realidades e de bens culturais ou naturais, usa-se o termo patrimonialização. O verbo causativo patrimonializar refere-se à acção de identificar os valores culturais de um dado bem, de os reconhecer socialmente e assim constituir património. Deste processo resultam uma espécie de sedimentação patrimonial e necessidades de gestão das realidades contemporâneas e de uso dos bens que se pretende salvaguardar ou preservar.

A temática da patrimonialização e da sustentabilidade do património, material e imaterial, natural e cultural, complexa e vasta, é ampliada pela diversidade de configurações históricas e pela reconhecida ambiguidade dos termos que convoca.

Este encontro organiza-se para estimular uma reflexão multidisciplinar e pretende dar lugar a comunicações produzidas quer no âmbito da história, da história de arte, da antropologia, da arqueologia, da sociologia, da geografia, entre outras ciências sociais, quer no âmbito das ciências naturais e de outros domínios científicos e tecnológicos, relacionados com estudos de património e com a museologia, que dêem a conhecer e contribuam para compreender e para actuar nos processos de patrimonialização e/ou de uso, transmissão e gestão sustentável de patrimónios.”

Comissão organizadora: Graça Filipe, Fernanda Rollo, Paula Godinho, Raquel Henriques da Silva e José Picas do Vale

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas|Universidade Nova de Lisboa Edifício ID|4º piso|salas multiusos 2 e 3 Avenida de Berna 26-C|1069-061 Lisboa – Portugal| Informações: patrisuspatri@gmail.com

Mais em: http://www.fcsh.unl.pt/submissao-de-artigos-cientificos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

Museus do norte e turismo cultural

Ponte, António. 2014. O Contributo dos Museus do Norte de Portugal para uma Dinamização do Turismo Cultural. Tese de doutoramento em Museologia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tese defendida a 17 de fevereiro de 2014.

António Ponte, actualmente à frente da Direcção Regional de Cultura do Norte, é o autor de um estudo sobre turismo e museus. O seu enfoque centra-se nos museus a norte. Reconhecendo a necessidade de uma maior articulação entre o sector do turismo e os museus, António Ponte, sublinha: «Se o turismo deverá conhecer as unidades museológicas que poderão enriquecer e valorizar a atividade, também os museus deverão encetar um processo de adaptação das suas estruturas, no sentido de se afirmarem como uma verdadeira oferta no domínio do turismo.» (p. 328). Leia mais sobre as conclusões deste estudo no repositório da Universidade do Porto.

****

Resumo:

Desde sempre os museus estiveram ligados ao ato de viajar. Se num primeiro momento, as viagens permitiram a constituição de grandes coleções, hoje, as viagens representam um dos principais mercados das instituições museológicas.

Os museus procuram desenvolver-se, organizar atividades e promover-se nos novos suportes comunicacionais digitais, potenciando a sua divulgação universal.

O turismo e o turismo cultural têm vindo a afirmar-se como uma das principais atividades económicas, nomeadamente nos locais onde o setor produtivo tradicional começa a entrar em decadência absoluta.

Os projetos culturais têm-se transformado em atividores de regeneração urbana sendo possível observar-se hoje grandes dinâmicas turístico-culturais a partir de museus, unidades patrimoniais e megaeventos, que têm suscitado o interesse por locais como Londres, Barcelona, Paris, entre muitos outros.

A região Norte de Portugal tem observado, nos últimos anos, fruto de circunstâncias diversas, um aumento do número de turistas, todavia, este movimento não se reflete em toda a dimensão territorial, mas, antes, em pontos muito circunscritos, como a cidade do Porto, o Douro, Braga e Guimarães.

Com um potencial ímpar ao nível das estruturas patrimoniais, museus e monumentos, a região Norte necessita equacionar um novo modelo de desenvolvimento turístico, alavancando o desenvolvimento regional integral a partir da valorização e promoção das unidades patrimoniais existentes.

Sendo os museus, na sua maioria, de pequena ou muito pequena dimensão, é necessário equacionar novos modelos de gestão, onde o estabelecimento de parcerias, a fusão de museus e uma gestão articulada com outros bens será essencial para que o património cumpra a sua verdadeira função, deixando de ser considerado acessório para assumir o seu papel de atividade e âncora do desenvolvimento da região.

Abstract:

Museums have since always been linked to the act of travelling. If at first, the travels permitted the creation of large collections, today they represent one of the main markets of museum institutions.

The museums seek to evolve, organising activities and promoting themselves on the new digital media communication, enhancing universal dissemination. Tourism and cultural tourism have been asserting themselves as one of the main economic activities, namely in places where the traditional productive sector begins to enter absolute decadence.

The cultural projects have been transformed into activators of urban regeneration whereby today it is possible to observe large cultural and touristic dynamism, from museums, property units and mega events, which have sparked interest for locations such as London, Barcelona, Paris, among many others.

The Northern region of Portugal has experienced in recent years, and due to various circumstances, an increase in the number of tourists, however, this movement is not reflected in the entire territorial dimension, instead, in very circumscribed spots such as the city of Porto, the Douro, Braga and Guimarães.

With the huge potential of the structural heritage, museums and monuments, the Northern region needs to equate a new model of tourism development, leveraging its development through the appreciation and promotion of the existing patrimony units.

As the museums are mostly of small or very small dimension, it is necessary to equate new management models, where establishing partnerships, merging of museums and articulate management of other assets, will be essential to ensure heritage fulfils its true function, thus assuming an active role and anchor in the region’s development, and no longer being considered a mere accessory.

Vox Musei, uma nova revista sobre museus e património

Vox musei

Foto daqui

 Vox Musei é uma nova revista científica e de perfil internacional vocacionada para investigadores ibero-americanos. Publicada em Portugal, resulta de uma parceria entre o Centro da Investigação e de Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa (CIEBA) e o grupo de pesquisa brasileiro CNPq “Vox Musei arte e património” e “Memória, Ensino e Património Cultural” da Universidade Federal do Piaví.

Vox Musei foi também o título do congresso internacional “Arte, Património e Museus” realizado na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa entre 20 e 22 de Junho de 2013, encetando novas pontes para o diálogo entre investigadores portugueses e brasileiros.

A revista, de carácter semestral, em suporte impresso e digital, teve o seu primeiro número publicado em Janeiro de 2013 e conta já com mais dois números. Os dois primeiros números foram dedicados à museologia e ao património numa perspectiva abrangente, sendo que o terceiro número foi dedicado à cultura fluvial e marítima. Os três números estão disponíveis aqui: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/voxmusei (apenas 1 número) e aqui: http://www.fba.ul.pt/revistas/ (todos os números via ISSUU).

De acordo com Áurea da Paz Pinheiro (Universidade Federal do Piaví), directora da publicação, a Vox Musei pretende publicar “trabalhos inéditos, que versem sobre arte, património e museus, estudos que valorizem a memória social, identidades, organizações, reflexões sobre acesso, património, museus, públicos, educação, sociedade, acessibilidades e sustentabilidade, dentro outros objetos, temas, problemas e abordagens relacionadas”.

Desta parceria está ainda prevista a publicação de livros em formato digital no contexto da colecção Vox Musei Arte e Património. Nesta colecção publicar-se-ão “livros que sejam resultados de pesquisas acuradas, árduas e criteriosas. Estudos que dialoguem com conceitos e métodos da História, da Antropologia, da Etnologia, que usem a Etnografia e da História Oral, dentre outros conceitos e metodologias possíveis” (Áurea da Paz Pinheiro, entrevista, n.º 2 da Vox Musei).

Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local

Monchique © Patrícia Batista

Fóia – Monchique © Patrícia Batista

Batista, Patrícia (Junho 2013) – Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local. Trabalho de projecto em museologia submetido no âmbito do curso de museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Filipe Themudo Barata (orientador) e José Manuel Mascarenhas (arguente).

Patrícia Batista (Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira), autora deste estudo, apresenta como projecto a possibilidade de se criar em Monchique um ecomuseu que possa contribuir para o desenvolvimento local. A provar que os ecomuseus permanecem ainda com fulgor como propostas possíveis de dinamização do património. Pode consultar outros trabalhos de Patrícia Batista aqui.

****

Resumo:

A partir de uma abordagem territorial, ancorada em conceitos da nova museologia e da ecomuseologia, e recorrendo à comparação com algumas experiências museológicas de reconhecimento nacional e internacional, apresenta-se uma das leituras possíveis do património de Monchique através de um novo olhar sobre o mesmo, no qual o património cultural desempenha um importante contributo para o desenvolvimento local.

A intervenção proposta consiste na criação de um ecomuseu neste território, que contribua para o desenvolvimento integrado da sua comunidade, através do reconhecimento e valorização do seu património. Toda a proposta de acção do ecomuseu centra-se na mediação entre a comunidade e o seu património. O ecomuseu será o reflexo dessas escolhas e tomadas de decisão, enquanto parte integrante do processo social do meio em que se insere.

****

Monchique – Identity and Heritage: Strategies for local development

Abstract:

From a territorial approach, anchored in modern museology and ecomuseology concepts and through comparison both national and international museological experiences, I present one of the possible actions by adopting a new approach and looking at Monchique heritage from a new perspective in which the cultural heritage plays a important role in the development of the local environment.

The proposed intervention consists of the creation of an ecomuseum in the local environment that contributes to the integrated development of the community through recognition and appreciation of their heritage. All of the proposed ecomuseum actions will focus on the interaction between the community and its heritage. The ecomuseum will reflect these choices and decision making, as part of the process of the social environment in which it operates.

Fonte: Informação enviada pela autora

Museologia, entrevista com Hugues de Varine

 Hugues de Varine

Hugues de Varine 2012 © Ana Carvalho.
Entrevista realizada a 19 de Abril de 2013 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, em Lisboa

No passado dia 18 e 19 de Abril Hugues de Varine esteve em Lisboa para participar na conferência sobre património industrial no contexto da recém criada Rede Indústria, História, Património (veja-se um outro post sobre a rede aqui). Aproveitámos a ocasião para conversar com Varine sobre o seu percurso e a sua ligação ao tão conhecido ecomuseu de Creusot, que é um marco na história da museologia. Sobre a actualidade, Varine chama a atenção para o “fascínio do património” em que vivemos e para a necessidade de tomar decisões quanto ao futuro. Património (material e imaterial), memória, museus, sustentabilidade, crise e inovação foram algumas das palavras-chave desta conversa.

****

Hugues de Varine (1935-) é consultor na área do desenvolvimento comunitário. Formou-se na Universidade de Paris em História e Arqueologia. Teve vários cargos de relevo na gestão de instituições.  Talvez o mais conhecido tenha sido o lugar de director do ICOM (Conselho Internacional de Museus), cargo que ocupou durante vários anos, primeiro como adjunto de Georges Henri Rivière e depois como seu sucessor. Tem tido uma relação de proximidade com Portugal desde a década de oitenta, altura em que esteve à frente do Instituto Franco Português (1982-1984), em Lisboa. Continua a colaborar em projectos ligados ao património e a museus em vários países (França, Itália, Espanha, Portugal, Brasil, entre outros). Uma nova edição do seu livro “Raízes do Futuro: o património a serviço do desenvolvimento local” (Medianiz) foi publicada em 2012 e está prevista para breve a reedição de L’initiative communautaire: recherche et expérimentation (1991) pela mesma editora. Escreve regularmente no blogue world-interactions.eu sobre património, museus  e desenvolvimento.

****

Ana Carvalho (AC) – Está por estes dias em Lisboa por ocasião da primeira conferência da Rede Indústria, História, Património (RIHP). Qual é na sua opinião a importância e o alcance que podem ter este tipo de redes?

Hugues de Varine (HV) – Acho que o problema é como a rede vai agir no futuro. Este tipo de encontros são importantes para os investigadores, mas para mim um encontro não é em si mesmo uma acção, é um momento para ouvir e reflectir.

Pessoalmente estou convencido que há uma tendência transversal a todos os países da Europa relativamente ao património industrial, seja da indústria antiga, desde a revolução industrial e pré-industrial, de patrimonializar o máximo de coisas, quer material quer imaterial. Acontece que cada pequena indústria tem importância para o território e para a população local. E a tendência é, no fascínio do património que todos nós temos na Europa Ocidental, de querer conservar tudo.

Conheço bem as zonas das minas de carvão em França. Hoje são um deserto porque não há nada para as substituir. E não é o Louvre em Lens que vai substituir os mineiros. Olhar para as pinturas dos grandes artistas do Louvre não vai resolver os problemas dos desempregados mineiros, dos seus filhos e netos[1]. Há aqui uma ambiguidade. Por um lado, a reflexão de um passado idealizado, quando havia emprego, quando havia mineiros e, por outro lado, um passado onde haviam muitos acidentes e mortes, enfim, uma vida difícil. No entanto, para desempregados e reformados face à situação de crise actual esse passado parece muito melhor. E também há outra atitude que é dizer que havia lutas sociais, opressão, exploração pelos patrões, etc. E tudo isto é um pouco esquizofrénico.

Posiciono-me na perspectiva das comunidades, não da perspectiva da investigação que é feita na academia e dos historiadores da indústria. Ou seja, os historiadores sabem como definir critérios de selecção e inventários científicos (ex. património religioso, património artístico, património industrial, etc.). Penso sobretudo nos problemas que se colocam às comunidades e creio que o património industrial equaciona mais problemas do que, por exemplo, o património rural de carácter antropológico.

Quanto à RIHP há uma outra ambiguidade, ou seja, se terá uma acção focada no contexto nacional (ainda que com relações fora de Portugal) ou se é o início de uma rede com os países de língua latina.

Na minha opinião, há um problema linguístico nos países de língua latina. Porque é difícil aceitar que em países como França, Espanha, Portugal e também na América Latina se mude para inglês. Acho que precisamos de duas coisas: 1) adoptar o conceito do mundo de língua latina, em que cada falante das línguas latinas aceite compreender (não é falar) pelo menos as outras línguas. Porque, por exemplo, na área de património, Itália tem uma literatura enorme, entre outros. A literatura sobre património dos vários países de língua latina deveria enriquecer-se.

E uma rede do património industrial (haverão outras especialidades…) tem mais problemas do que em outras áreas do património. Além da sua conservação ser mais difícil é um património que irá desaparecer mais rapidamente. Vimos nestes dois dias de conferências vários exemplos de património industrial e conheço muitos outros.

 O que podemos fazer com uma rede no tempo da internet e das redes sociais? Acho que o problema já não é mais conservar fisicamente todo o património, mas conservar a memória do património. Porque se uma fábrica ou equipamento industrial não puder ser conservado, então deverá ser possível pelo menos documentar cientificamente (textos, imagens, vídeos, etc.). E no futuro, imaginemos, daqui a 50 ou 100 anos, poderá ser possível reconstruir virtualmente, por exemplo, o património industrial das primeiras décadas do séc. XXI. Em caso contrário, restarão apenas os artigos e as teses académicas, mas o património ter-se-á perdido.

Acho que a RIHP pode ter dois papéis distintos. Por um lado, pode servir para agrupar textos, documentos e pessoas que estudam o património industrial. E neste aspecto a internet tem a capacidade de fazer essa recolha e divulgação. E, por outro lado, pode ser também uma rede de pessoas com a responsabilidade de vigilância de campo sobre o património que está em risco de desaparecer. Ou seja, pessoas que poderão ter um papel vigilante sobre o território, reportando quando, por exemplo, uma mina está ameaçada de fechar, etc.

E intervir não só para conservar, mas para documentar o património e alimentar as bases de dados. Na minha opinião, acho que esse pode ser o papel da RIHP. Não é suficiente desenvolver investigação em torno do património industrial. Precisamos também de um trabalho colaborativo com as pessoas que sabem o que está a acontecer no território e que o conhecem. E essas pessoas podem facilitar a introdução de novos elementos nas bases de dados do património industrial. Mas enfim, esta é uma reflexão-reacção destes últimos dois dias.

AC – Falando da experiência do Ecomuseu Creusot-Montceau, que é de facto um projecto emblemático na história da museologia. Era um território de indústria, um museu que procurava revitalizar de alguma maneira aquela zona…

HV – Nunca foi um problema de revitalização. De facto, nos anos 70, quando foi criado o Museu do Homem e da Indústria (o primeiro nome do ecomuseu), todas as actividades estavam muito activas, e a prova disso é que a indústria ainda estava procurando imigrantes para mão de obra. Nessa época ainda fabricavam materiais nucleares para as centrais nucleares do Irão, para o Shah. Porém, existiam dois problemas:

 1) O fim do paternalismo, ou seja, a substituição de uma família herdeira de 150 anos de indústria – a família Schneider, para uma sociedade anónima com sede em Paris sem qualquer interesse pelo território.

2) O outro problema era a criação da chamada comunidade urbana, que é uma criação tecnocrática político administrativa com 16 municípios num distrito urbano.

Quanto ao primeiro, com o fim do paternalismo a população ficou abandonada. Num tempo de luta de classes tivemos, em 1971-1972, a necessidade de criar uma ponte entre o sistema paternalista e o novo sistema anónimo – o sistema capitalista. E o segundo era ajudar a população a habituar-se a viver num território novo – 16 municípios – particularmente as cidades maiores como Le Creusot (a siderurgia) e Montceau les Mines (a mina), que estavam tradicionalmente de costas voltadas. E o papel do museu era o de dar a todas as populações, um sentimento de…, em francês diz-se “appropriation”, ou seja, sentirem-se moralmente proprietárias do território, da fabrica, dos equipamentos, das ferramentas de trabalho, da actividade. Porque até 1969 o patrão era o proprietário de tudo, inclusive das casas dos trabalhadores. Em praticamente dois anos tudo se transformou.

AC – O ecomuseu tinha objectos?

HV – Um dos princípios fundadores do Museu do Homem e da Indústria era não ter objectos e colecções próprias, ou seja, o que o Ecomuseu “du Fier Monde” (Montreal, Canadá) chama de “colecção museal”. Nas primeiras exposições que fizemos no Museu da Indústria, em 1972-1973, os objectos eram emprestados pelas pessoas. Mas hoje, depois de quarenta anos de existência há uma colecção clássica enorme, com equipamentos, tecnologia da mina, etc. Muitos objectos foram doados ao museu, obrigando a constituir uma colecção.

Mas até Janeiro de 2012, momento em que se dá municipalização do museu, excepto no caso da colecção de cristais, que é uma colecção de arte, nunca na história dos últimos 40 anos do museu, a constituição de uma colecção foi considerada como um objetivo. Mas actualmente o museu tem uma conservadora com todas as qualificações dos museus de arte franceses e, segundo ela, o papel do director é o de gerir a colecção, o que é uma deturpação total do objectivo histórico do ecomuseu.

AC – Na história do ecomuseu o Hugues de Varine tem diferentes responsabilidades.

HV – Sim, fui uma das três pessoas que iniciaram o museu (11, 12, 13 de Novembro de 1971). Depois, entre 1971 e 1974 fui muito activo, mas à distância uma vez que era então director do ICOM. Foi para mim como uma escola onde aprendi muito, um laboratório. Foi lá que tive a primeira experiência concreta de criação de algo.

Em 1974, fui obrigado a deixar o ICOM e a ocupar um lugar na região da Picardia para o desenvolvimento local. E não tive tempo para ir tão frequentemente ao Creusot. Mas continuei a acompanhar de longe a sua evolução. E quando deixei França para vir para Lisboa, durante dois anos e meio, estive mais distante.

Em 1985, quando voltei para França a situação no ecomuseu e na cidade era catastrófica, a Creusot-Loire fechando, etc… E havia uma sucessão de directores nomeados por Paris sem sensibilidade comunitária. Havia uma crise no museu.

Nos inícios dos anos 90 fui um pouco responsável pela negociação com o Ministério da Cultura para a nomeação de Patrice Notteghem como director do museu. Patrice havia feito parte da primeira equipe nos anos setenta. Foi um novo fôlego para o museu.

E em 1993 fui “obrigado” pelo então presidente da associação a aceitar substituir-lhe. Nessa época tinha outras obrigações profissionais e não podia realmente estar presente, por isso assumi apenas uma presidência interina. Havia necessidade que um membro da equipe fundadora se envolvesse para estabilizar a situação e fazer uma revisão dos estatutos.

E a partir de 1995 sou membro da comissão científica e técnica do ecomuseu e sou informado do que se passa…

AC – E a relação com as comunidades?

HV – O museu de Creusot-Montceau como museu comunitário é dos anos 70. Entre 1972 e 1982 houve muita actividade em termos do poder comunitário no museu, nomeadamente na participação das decisões. A teoria e a prática nesses anos foi de dar a decisão sobre os programas à comunidade. No final dos anos 70, início dos anos 80, houve um fenómeno novo. Marcel Evrard (1920-2009), cujo único diploma era o baccalauréat (o equivalente ao 12.ª ano), teve um complexo de inferioridade. A partir de 1976-1977 universitários franceses, suíços e belgas começaram a interessar-se pelo Creusot porque havia lá um território ideal muito importante e interessante para a pesquisa sociológica, tecnológica, etc. – havia um museu com o controlo dos saberes, da memória, e que tinha uma rede de membros e colaboradores. E muitas universidades mandaram equipes de pesquisa para o Creusot. E, finalmente, no início dos anos 80 a maioria da equipa do ecomuseu estava praticamente dedicada a acompanhar as equipas universitárias. É um fenómeno! E o Evrard estava muito satisfeito, porque era a consagração da importância do seu museu. Havia artigos por toda a parte, teses, etc.

AC – Mas houve mudanças na forma como as comunidades se relacionavam com o museu?

HV – As coisas continuaram. A evolução do museu do Creusot é uma história de 40 anos e que se fez naturalmente. Há razões: as universidades, a relação com o ministério do ambiente e o ministério da cultura, a crise de vida do Evrard e seu envelhecimento. Todas estas situações se acumularam.

Este tipo de instituição tem uma evolução normal, com factores internos e externos. É por essa razão que a história de 40 anos do Creusot tem um peso museológico e metodológico importante. Porque é possível analisar o impacto de vários factores internos e externos que explicam cada vez que houve uma mudança, uma reorientação. Foi realmente um laboratório metodológico da nova museologia.

AC – O que aprendeu com esta experiência no Creusot?

HV – Na minha reflexão, não se trata de um ecomuseu, mas sim de um museu comunitário. É uma relação de acção patrimonial com a comunidade no sentido do desenvolvimento. Não é importante chamar-lhe ecomuseu, museu, ou outras coisas. O Parque Cultural do Maestrazgo, em Aragão (Espanha), por exemplo, não se designa ecomuseu, mas é mais ecomuseu que muitos ecomuseus. O mesmo se passa com a Quarta Colónia no Rio Grande do Sul (Brasil).

O que aprendemos nesta história de 40 anos é que o património – e é por esta razão que gosto do conceito canadiano de “colecção ecomuseal” – e não me refiro ao património classificado, registrado, ou “tombado” como os brasileiros dizem,  o património é um recurso e com ele temos de trabalhar tal como trabalhamos com o dinheiro ou qualquer outra coisa. Isto é, temos de considerar o património como um recurso a explorar, e não só economicamente, mas também no campo social e cultural – e incluir também o património natural, a paisagem, etc.

A questão terrível é a confusão entre este património e o património mundial, o património demarcado como de interesse público, reconhecido por despacho, por decisão política e administrativa. É sempre um problema de palavras. O termo “património” gera uma confusão, tal como acontece com “museu” e  “ecomuseu”. A palavra museu tem associada uma imagem do passado completamente ultrapassada. Então, estamos constantemente enfrentando o problema do vocabulário, das palavras. Por esta razão prefiro o conceito básico de território e de comunidade. Um território e uma comunidade são fáceis de delimitar: são as pessoas que vivem e partilham um território. É uma coisa objectiva.

AC – Há hoje uma tendência de falar do património imaterial, mas o Varine fala do património vivo há vários anos. Como é que no Creusot, por exemplo, estas questões da dimensão imaterial eram pensadas?

HV – Há património, não há património imaterial! Ou seja, há uma dimensão imaterial e uma dimensão material. Acho que no Creusot, durante o tempo em que lá trabalhei (1970, 1990) nunca usámos as palavras material ou imaterial. Eram conceitos impossíveis. Havia um património. Qualquer que fosse o objecto: equipamento industrial, artesanal ou pré-industrial, alfaia agrícola, etc. era necessário conhecer os saberes associados ao mesmo, pois sem o imaterial não fazia sentido.

Nos anos 50 um escritor francês, Jacques Perret, ficou conhecido por ter escrito – Le Caporal épinglé. Mas num outro livro, Le Machin[2], Jacques Perret escreveu uma pequena história ficcionada e que me parece muito importante para compreender o que é o imaterial.

A história tinha como personagem um homem simples, um funcionário público que vivia sozinho e que estava um pouco velho. Certo dia, este homem teve conhecimento de que uma tia, que havido sido uma antiga prostituta, tinha morrido. Ele era o herdeiro dessa senhora, que tinha vivido sozinha num pequeno quarto do rés-do-chão de um velho edifício. Então, ele foi até lá para recolher o espólio da sua tia. Quando volta para sua casa começa por fazer uma classificação do espólio. Então, decide ficar com algumas coisas e decide vender as outras. E, finalmente, restou um último objecto. Mas o homem não conseguia identificá-lo.

A segunda parte da história do Perret tem a ver com o inquérito que o homem fez, perguntando a todos os vizinhos do bairro o que era aquele objecto. Mas todos lhe diziam – Não sei, não sei!… E, finalmente, ele dirige-se ao farmacêutico, que era supostamente quem sabia tudo. Mas o farmacêutico não sabia nada! No entanto, como não podia perder a imagem de que sabia tudo o farmacêutico responde-lhe – ah, muito bem, é um “vistamboir”! Mas “vistamboir” é uma palavra que ele inventa no momento. O farmacêutico diz ao homem que o “vistamboir” era um objecto excepcional. E o homem vai mostrar a todos os vizinhos que afinal era proprietário de um “vistamboir”! Enfim, esta é para mim uma parábola do imaterial para o material.

O imaterial tem de ter um objecto, e um objecto não existe se não houver uma explicação, se não houver uma memória. Então, não é possível compreender o imaterial sem o material. A gastronomia não existe se não for materializada na comida! Então é sempre o mesmo jogo de palavras!

Julgo que a UNESCO está refém da política que criou para os grandes monumentos: Abu Simbel, Angkor, etc., tendo sido depois forçada a reconhecer uma outra vertente do património, mas que na verdade não é outro património!

AC – No ecomuseu do Creusot houve preocupação do registo da memória?

HV – Nos primeiros anos do Creusot quando fazíamos uma exposição os objectos tinham sempre um sentido material e imaterial. Quando começámos a pensar nas questões científicas – porque a parte do inventário participativo, como dizemos agora, do património da comunidade, é uma selecção feita pela comunidade. Mas, depois é importante complementar e estudar os objectos, ou seja, a vertente técnico-científica. E no Creusot isso também aconteceu devido às relações estabelecidas com antropólogos, arqueólogos e outros especialistas. E cada vez que havia um programa de investigação sobre os objectos faziam-se recolhas de histórias de vida, recorrendo ao vídeo.

AC – Já nos anos 70 ou mais tarde?

HV – Sim, nos anos 70, porque o Evrard tinha um filho que era cineasta. Houve sempre um diálogo entre a pesquisa e o trabalho que se fazia com as comunidades. Há, aliás, mais trabalho sobre o imaterial, uma vez que o material estava lá – o território, a paisagem. E a investigação concentrava-se mais na parte imaterial. Então, de certo modo, era mais imaterial do que material!

Mas há aproximadamente 3 ou 4 anos o ecomuseu teve uma iniciativa muito interessante do ponto de vista do material-imaterial. Talvez seja uma outra parábola.

O director, Bernard Clément, foi contactado por enfermeiras de uma clínica para Alzheimer da zona Montceau para que um grupo de doentes fizesse uma visita a uma exposição temporária na sede do ecomuseu. Nessa altura havia uma pequena exposição didáctica para mostrar como o museu colectava, como se fazia o trabalho no museu. Havia objectos típicos do quotidiano, a decoração das casas, da cozinha, objectos fracturados e sujos para mostrar como eram antes de serem incorporados na colecção do museu, etc.

E o grupo veio visitar. Numa das salas, pessoas que não falavam há mais de dois anos começaram a falar quando confrontadas com a visão de objectos que faziam parte da sua juventude. E nisto, as pessoas começaram a contar a sua vida, não sobre a sua vida actual, mas as memórias mais antigas. Então, houve um encontro entre o objecto – o material – e o imaterial. Foi uma coisa incrível!

AC – Faz sentido continuar a falar de movimento da nova museologia?

HV – Pode-se aplicar a muitas coisas. Há dois princípios. O princípio de Santiago [Mesa Redonda de Santiago do Chile, 1972, do qual resultou a Declaração de Santiago] – a função social do museu, que implica participação. E o segundo princípio, que é um princípio clássico do movimento local de todos os modelos desenvolventistas, ou seja, a ideia de que cada pessoa tem uma competência, tem um saber, não é só o património imaterial! Cada um de nós tem um saber de vida e que é necessário utilizar senão somos vítimas do saber dos outros. Trata-se de um princípio de Paulo Freire. Paulo Freire dizia – cada um de nós sabe muito e se valorizarmos o saber de cada pessoa temos uma riqueza enorme de saberes que podem ser utilizados para o desenvolvimento local, para a política e para tudo, inclusive para a gestão do património, para a criação de instituições educativas e instituições do tipo museu. Por um lado, temos um princípio político, que é o princípio da função social e, por outro lado, o princípio empírico, que é a utilização dos saberes das pessoas. E se estes dois conceitos se unirem num projecto então temos participação.

Por este motivo julgo que é importante não ligar mais à nova museologia do Creusot. Temos que ligar a várias coisas, inclusive mais a Santiago do que à experiência do Creusot. De facto, Santiago tendo acontecido na América Latina foi menos conhecido. O Creusot é mais conhecido na Europa e Santiago é mais conhecido na América Latina. Santiago foi um movimento que nasceu de museólogos, o que não foi o caso do Creusot. E o que é interessante é que o ecomuseu do Creusot é uma invenção de três pessoas que não tinham nada a ver com museus. Eu era director do ICOM, e como tal era um administrador, não era museólogo! Evrard era um coleccionador e Lyonnet era médico. Creusot foi uma invenção para resolver problemas locais.

No caso da Declaração de Santiago estiveram envolvidos doze directores de grandes museus nacionais da América Latina, que foi escrita por eles sem ajuda do exterior, sob a intervenção do Jorge Henrique Hardoy. É interessante ver que os doze praticamente se reúnem em torno de um movimento único que se chama nova museologia[3]. E o resto tem a ver com invenção local, invenção que em cada caso resulta em coisas diferentes. Por isso não gosto da etiqueta “museu”, “ecomuseu”, etc. Porque cada projecto local é uma invenção, uma inovação total mesmo quando os promotores já conhecem o caso do Creusot ou outras experiências. Por isso, cada vez que um promotor de ecomuseu ou museu comunitário tenta reproduzir, imitar, ou copiar o Creusot quase sempre resulta num fracasso, não funciona, não pode funcionar!

AC – A crise é hoje muito discutida nos fóruns sobre museus. E há uma tendência para ver a crise como uma coisa muito nova. Esta crise é diferente?

HV – Temos uma crise desde antes do Neolítico. Antes disso não sabemos muito! O que é uma crise? É um momento difícil, um percurso que quase sempre implica uma subida e uma descida. E numa crise há geralmente uma retoma da linha anterior, ainda que um pouco mais abaixo. E para a situação actual essa é uma das hipóteses.

A outra hipótese, que é a minha convicção, é que esta não é uma crise. É o início da descida, que não vai reascender. Se esta hipótese estiver correcta, então não podemos pensar num futuro onde a crise vai acabar e vamos recomeçar, que temos apenas de sobreviver até o crescimento recomeçar. Porque se for isso é mais ou menos simples: vamos preservar tudo até ao momento onde vai retomar.

Mas atendendo à situação mundial do reequilíbrio dos poderes económicos, pelo menos para a Europa há uma conclusão mais ou menos óbvia para mim: enquanto os novos países, a que chamamos de emergentes, a linha de desenvolvimento aponta para cima, nós vamos para baixo. Não para o fundo, mas para um nível muito mais baixo do que o nível onde chegámos em 2006. E nesta hipótese temos de pensar em soluções. Há situações que não podemos mesmo imaginar, que vocês aqui em Portugal já começaram a imaginar. Mas tenho confiança nos portugueses para inventar soluções face a uma situação catastrófica. Quando uma pessoa ou um grupo está confrontado com uma situação de necessidade geralmente inventa soluções. Não é fácil, há muita gente que sofre, mas o ser humano é como todos os animais, capaz de adaptar-se quando encontra dificuldades. Enfim, não é uma visão optimista. Mas como avô de 12 netos sinto-me obrigado a falar do que pode acontecer.

AC – A crise também pode ser uma oportunidade para repensar o panorama dos museus locais?

HV – Absolutamente. Há dois anos atrás participei numa reunião do ICOM Piemonte (Itália) sobre política museal para os pequenos museus locais dos Alpes que são mais ou menos ligados a municípios. E esta reunião aconteceu logo a seguir a uma outra reunião em Portugal que foi organizada pela Câmara e Museu Municipal de Faro sobre o mesmo problema dos núcleos e pequenos museus [“Núcleos museológicos: que sustentabilidade?”, 25-26 Setembro de 2008][4]. E houve também uma reunião em Paris sobre várias situações análogas na França, além de pelo menos duas reuniões se terem realizado no país Basco (organizadas em 2011 e 2012 por Iñaki Arrieta Urtizberea da Universidade do País Basco) sobre a mesma problemática[5].

E minha reflexão é que quando um museu, uma acção patrimonial se desenvolve num território com uma autarquia, ou grupo de autarquias, mesmo quando o museu é de iniciativa privada (ex. associação, movimento local, etc.) estabelece relações com a autarquia. Quando há uma crise e quando os promotores do museu envelhecem, torna-se mais difícil encontrar novos voluntários e novos militantes do património. Então, o museu vai voltar-se para o presidente de câmara para obter apoio financeiro ou outro. E nesta situação, o que se passa? Isto é válido para Portugal como para outros países. O presidente de câmara tem um orçamento, onde há linhas: saúde, educação, rede viária, serviços sociais e cultura (biblioteca, museu, centro cultural). Se há menos dinheiro no orçamento aumenta a pressão social sobre o presidente de câmara para dar prioridade à educação, ao emprego, à saúde, aos serviços sociais e não à cultura. Todos os discursos, de funcionários, de teóricos culturais ou outros, não podem mudar o facto de que as pessoas têm de comer, têm de cuidar dos filhos, etc. E automaticamente a decisão vai para a pressão mais forte.

Temos agora, e posso dizer isso porque não tenho qualquer responsabilidade institucional, de pensar em organizar e racionalizar as redes patrimoniais, inclusive as bibliotecas, que também estão ameaçadas tal como os museus. Na França, por exemplo, nos últimos 50 anos houve uma multiplicação de bibliotecas. Ora, uma biblioteca pode existir sem bibliotecário e tem mais possibilidades de sobreviver sem bibliotecários, porque se pode continuar a consultar livros, não será uma boa biblioteca, mas enfim… Quanto aos museus, para que possam estar abertos ao público, e particularmente se tiverem um papel social na comunidade, precisam de ter um mínimo de meios ou de trabalhar só com voluntários.

Na Itália há um caso deste tipo – o ecomuseu AMI: “Anfiteatro Morenico de Ivrea”. É um ecomuseu federativo de pequenos museus e ecomuseus dessa zona. É o único museu do Piemonte que tem menos problemas e que não tem verbas da região, porque não tem pessoal. Desde 2011 o ecomuseu faz o recrutamento de jovens, antigos alunos da universidade, naturais de cada aldeia, oferecendo um pagamento que é suportado por fundações regionais. São empregos apenas para o verão para acolher, manter e fazer itinerários de visita no museu. A única fonte de dinheiro que têm é para pagar esses jovens e funciona muito bem. É um museu muito activo, não tem colecção própria e organizam acções locais nos museus membros. Nos outros museus e ecomuseus do Piemonte (mesmo tendo uma lei regional) têm tido muitos problemas com a crise. E a cada ano perdem pessoas, alguns já fecharam.

Então, mais uma vez, não há uma única solução, mas há a necessidade de um diagnóstico – e essa foi a minha recomendação tanto em Faro como no Piemonte. Fazer um diagnóstico preventivo de todos os museus!

Quando eu vim ao encontro no Algarve [2008] fizemos uma excursão de campo a Aljezur. Acho que foi no último ano do mandato do presidente de câmara de Aljezur. No primeiro ano, quando o presidente de câmara foi eleito, ele estava interessado em museus e no património. Então, foram criados cinco museus: um no centro da vila de Aljezur e quatro em várias freguesias. Eram museus dedicados a uma especialidade: um moinho numa freguesia, bordados noutra, etc. A câmara municipal havia decidido criar museus para dinamizar o território. Quando fomos a Aljezur, três anos depois da criação desses museus, quatro de cinco já tinham fechado e isto passou-se antes da crise. Só que aqueles pequenos museus criados por decisão autárquica nunca foram visitados por ninguém, não havia uma necessidade, não havia uma demanda. Era uma oferta sem contrapartida. E sem participação da população.

AC – Uma das questões que se coloca quando se fala em fechar museus é que as comunidades como nunca se reviram ou fizeram parte dos projectos também não reivindicam quando os museus desaparecem.

HV – Exacto. Conheço apenas um único caso (talvez hajam outros…), que é o Ecomuseu da Paisagem de Parabiago, que existe numa pequena vila perto de Milão. Houve uma eleição e o novo presidente de câmara de Parabiago decidiu acabar com o ecomuseu. E foi a população que exigiu do novo presidente que se mantivesse o ecomuseu. Foi uma pressão forte, antes da crise. Actualmente, sei que o ecomuseu se está a desenvolver muito rapidamente.

AC – Há um certo discurso que, estando em crise, então têm que se privilegiar os museus nacionais.

HV – Os museus nacionais têm que sobreviver em todo o caso porque são o tesouro nacional. Mas os museus locais são da responsabilidade das comunidades locais e dos territórios. E não era possível obter ajuda do sistema nacional mesmo antes da crise. Em praticamente todos os casos que conheço isso não é habitual acontecer. De vez em quando há uma ajuda nacional para o lançamento de um projecto ou para uma iniciativa inovadora, mas é geralmente um apoio pontual. Por exemplo, no início do Creusot tivemos uma verba do sistema nacional de apoio à inovação cultural. Mas foi apenas durante 18 meses e depois fomos obrigados a captar outras verbas mais permanentes de fontes mais próximas.

Acho que o problema dos museus nacionais é completamente diferente dos museus locais. No caso da França os museus só vão desaparecer se o turismo desaparecer. Por exemplo, o Louvre há 20 anos atrás tinha um 1/3 das salas fechadas (é uma outra solução!) porque não havia pessoal suficiente. Agora temos em França 80 milhões de turistas, sendo que 70% do público do Louvre são turistas estrangeiros, o que faz com que seja parte da economia base. O que não é verdade para os museus locais. Na minha opinião os museus nacionais deviam estar sob a tutela do Ministério do Turismo, seria o mais lógico.

AC – Na sua experiência dos últimos anos, há algum projecto ou museu que tenham sido para si especialmente inovadores na adaptação à crise?

HV – Em França, praticamente não sei o que está acontecer nos museus locais. Conheço um caso na alta Saboia[6], onde a consequência da crise foi a redução de recursos. O director disse recentemente que reduziu o pessoal e as actividades para manter o essencial. Além disso desenvolveu os recursos da actividade museológica e recorreu a fontes privadas até 80% do orçamento anual. Sei também que a federação francesa dos ecomuseus não tem dinheiro.

De Itália até agora não ouvi falar de dificuldades, até porque os ecomuseus estão muito ligados à comunidade ou ao turismo. Há, por exemplo, nos Alpes, uma zona que se chama Val Camonica, onde se criou um distrito cultural que reúnemuseus, sítios, monumentos, centros culturais, etc. e que vai adoptar um sistema integrado de gestão. Pode ser uma solução interessante.

Conheço, por exemplo, uma iniciativa que é inovadora, se bem que não sei qual será o resultado (é um processo muito lento) – o Ecomuseu de Argenta. Este ecomuseu, entre Bolonha e Ferrara, situa-se na planície e estuário do rio Po, numa pequena vila agrícola. O Ecomuseu de Argenta vai participar pela terceira vez numa feira regional agrícola e comercial, tendo iniciado há dois anos atrás uma secção para ecomuseus nessa feira. Assim, ecomuseus (12 a 14) de outras partes de Itália vão até lá para apresentar os produtos dos seus territórios. E é interessante porque é uma feira onde os stands comerciais apresentam produtos bem clássicos oriundos de pequenas indústrias, de artesãos, etc… Mas no caso dos ecomuseus são produções caseiras que têm geralmente preços mal estabelecidos. Ou seja, não são preços realísticos e, como têm uma produção muito pequena, não têm capacidade de fornecer o mercado. Além disso a qualidade não é a mesma dos restantes produtos, que estão mais adaptados ao mercado e a uma feira comercial. Não há ainda muitos resultados positivos, mas a iniciativa veio mudar um pouco a atitude dos ecomuseus no que diz respeito à comercialização dos produtos. Então é uma inovação! É preciso uma reflexão sobre a gestão económica e comercial dos ecomuseus.

Um outro caso. A sustentabilidade do Ecomuseu do Vale Stura depende da salvaguarda de uma raça de ovelhas – a “pecora negra”, que era uma raça tradicional nesta parte dos Alpes e que quase desapareceu. O ecomuseu vai produzir novos produto da sua lã, do leite, da carne, etc. Então a “comunità montana”, o sistema intermunicipal do Vale Stura reconhece a importância do ecomuseu não como fenómeno cultural, mas económico.

AC – O livro “l’Initiative communautaire: recherche et expérimentation” (1991)[7] vai ser traduzido no Brasil.

HV – Espero que sim. Já reescrevi o livro. Em primeiro lugar fiz uma revisão, actualizando e incorporando novos exemplos. E acrescentei fichas técnicas no final de cada capítulo para estimular o leitor a reflectir individualmente, atendendo à sua situação concreta e de modo a evitar a replicação de modelos.

AC – Como é que surge a ideia de reeditar o livro?

HV – Antes da edição francesa (1991) havia uma outra edição publicada no Brasil chamada o “Tempo Social” (1987)[8], que é o mesmo texto de base. No texto em francês foram acrescentados ao texto de base mais artigos, porque o texto estava pouco aberto aos museus, até porque a versão francesa foi publicada numa colecção sobre museus e os editores queriam mais textos sobre museus e sobre o Creusot.

No livro que será agora publicado no Brasil suprimi os textos sobre museus e introduzi textos mais recentes sobre desenvolvimento local (coisas dos anos 90, de 2000, etc.). E a ideia de introduzir fichas técnicas no fim de cada capítulo é uma ideia que vem de longe, de outros livros meus publicados em França. Coloquei também notas de rodapé para explicar ao público brasileiro aspectos franceses que são muito específicos. No caso do “Tempo Social” o problema é que alguns aspectos não foram bem explicados.

AC – Foi a editora que convidou?

HV – Foi uma encomenda da Elizabeth Torresini, fundadora da editora Medianiz. Foi ela que teve a ideia de publicar este segundo livro.

AC – E está previsto para quando?

HV – Não sei ainda.

AC – Obrigada.

****

Notas Finais:

[1] Sobre regeneração urbana e museus veja-se o texto de Maria Vlachou “Liverpool-Lens-Metz-Foz Côa e de volta ao início” (7 de Janeiro de 2013).

[2] Gallimard, Paris, 1955.

[3] Para maior aprofundamento sobre a Declaração de Santiago veja-se: Varine, Hugues de. 2000. “Autour de La Table Ronde de Santiago.” Publics et Musées 17 (1): 180–183. doi:10.3406/pumus.2000.1325. http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/pumus_1164-5385_2000_num_17_1_1325

 [4] As actas do encontro foram publicadas no 4.º número (Setembro de 2009) da revista Museal – Revista do Museu Municipal de Faro.

[5] Estes encontros deram origem às publicações: “Legitimiaciones sociales de las políticas patrimoniales y museísticas” (2011) e “Activaciones patrimoniales e iniciativas museísticas: ¿por quién? y ¿para qué?” (2012?).

[6] O ecomuseu “Paysalp”, em Viuz en Sallaz, perto de Genova: www.paysalp.fr  

[7] Varine, Hugues de. 1991. L’initiative communautaire: recherche et expérimentation. Mâcon; Savigny-le Temple: Ed. W; M.N.E.S. O livro pode ser consultado, por exemplo, na Biblioteca dos Museus e da Conservação, em Lisboa.

[8] Varine, Hugues de. 1987. O tempo social. Rio de Janeiro: Eça Editora.

 ****

Mais entrevistas neste blogue:

João Brigola
Filipe Themudo Barata
Maria Vlachou 

Museologia, entrevista com João Brigola

Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2012

João Brigola, Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2013        © Ana Carvalho

João Brigola. O nome será para muitos conhecido, sobretudo pela sua passagem pela direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) entre 2009 e 2012. Com ele falámos sobre o seu percurso profissional, sobre a militância associativa em Santarém e na Associação Portuguesa de Museologia (APOM), sobre o ensino da museologia e sobre os actuais desafios das políticas museológicas em Portugal.

***

João Brigola (Lisboa, 1955) é Professor auxiliar com agregação na Universidade de Évora e membro do CEHFCi (Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência). É licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1977) e Mestre em História Cultural e Política pela Universidade Nova de Lisboa (1990). Em 2001 doutorou-se na Universidade de Évora com uma tese sobre “Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII”, publicada em 2003 pela Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia e que recebeu o prémio de Melhor Investigação em Museologia (1999-2001) pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Mais recentemente, publicou também “Coleccionismo no Século XVIII – Textos e Documentos, Colecção Ciência e Iluminismo” (Porto Editora, 2009) e “Os viajantes e o livro dos museus” (Dafne Editora, 2010). Foi membro activo da Associação de Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém e foi vereador na área da cultura nesse município, tendo colaborado na candidatura de Santarém a Património Mundial. Fez parte dos órgãos directivos da APOM. Entre 2009 e 2012 assumiu a direcção do Instituto dos Museus e da Conservação. Tem sido professor convidado em várias universidades nas áreas da história da cultura, do património e da museologia (ex. Universidade de Cabo Verde, Universidade dos Açores, Universidade Nova de Lisboa, entre outras). joaobrigola@uevora.pt

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa primeira experiência ou outros museus que o tenham marcado?

João Brigola (JB) – Não tenho uma memória clara do primeiro museu que tenha visitado em criança, mas recordo bem – já jovem adulto – um que foi a minha primeira percepção de que os museus estavam a caminhar para uma atratividade visual, para uma cenografia, que não eram comuns na minha infância. Foi um dos museus criados logo no período subsequente ao 25 de Abril – o Museu de Marvão. Um museu que juntava uma série de tipologias diferenciadas e que estabelecia uma ligação muito importante entre vários patrimónios, uma vila fortificada, antiga, com uma rica e variada memória material. E a exposição conseguia transmitir essa expressão de forma muito atractiva (…).

AC – Quais os museus que visita hoje sem ser por questões profissionais?

JB – Do ponto de vista profissional temos que saber acompanhar todas as tipologias de colecções, é essa a nossa obrigação. Por exemplo, durante uma licença sabática em 2005 estive vários meses em Roma (depois fui também a Londres) para preparar a minha agregação e consegui visitar praticamente todos os museus da cidade, que eram na altura perto de 70 unidades.

 Mas depois fazendo um balanço da experiência sempre cheguei à conclusão de que onde me sinto bem mesmo é a visitar museus de arte e, ultimamente, os museus de arte contemporânea, pela sua cenografia desafiante e também misteriosa, criativa. Contudo, a experiência, como visitante, mais marcante em Roma foi talvez no museu da Villa Borgehse, famoso, entre outras obras, pelas esculturas de [Antonio] Canova, e poder com o áudio guia ir selecionando as peças, sentar-me tranquilamente, sem grandes enchentes de gente, e estar a fruir a obra de arte com a ajuda das explicações gravadas.

Gosto também de visitar os museus de ciência. Podia exemplificar com um que é um pequeníssimo museu, dedicado a [Herman] Boerhaave, na cidade holandesa de Leiden. Para nós portugueses também nos diz muito porque foi lá que se formou um dos nossos estrangeirados do período das Luzes, um refugiado judeu, o [António Nunes] Ribeiro Sanches, que veio a ser médico de Catarina da Rússia, e que com os seus escritos influenciou decisivamente a reforma pombalina, nomeadamente no campo da História Natural e da Medicina. Em Moscovo, esteve muitos anos ao serviço da corte imperial, também ligado ao exército czarista. Depois voltou a Paris, não voltou mais a Portugal, mas de Paris influenciou com os seus escritos decisivamente a reforma universitária. E em Leiden foi aluno do grande Boerhaave. Seguramente terá presenciado a visita do naturalista sueco e pai da sistemática Carl Lineu.

Acho que uma das coisas que me impressionou nesse museu foi um retrato original de Lineu, vinda de Upsala [Suécia], vestido a rigor como naturalista para fazer as suas recolecções num clima mais ameno, ali nos Países Baixos. É um museu que também me agradou muito pela sua capacidade de conciliar aquilo que é a sábia manutenção dos testemunhos de uma museografia histórica com as novas apostas da museologia contemporânea, nomeadamente nos serviços educativos.

AC – Falando um pouco do seu percurso profissional, como é que se dá essa aproximação ao património e aos museus?

JB – Foi por um processo natural. Tendo-me licenciado em História e seguido a carreira docente, este fenómeno dos equipamentos culturais, do património, foi onde inicialmente investi mais. Em Santarém onde vivi alguns anos, sendo já também na altura assistente na Universidade de Évora, foi decisivo o contacto com uma das mais antigas associações de defesa do património – a Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém. Uma associação fundada em 1978, muito activa, onde me cruzei com personalidades absolutamente decisivas no meu amadurecimento cívico como Victor Serrão, Pedro Canavarro, e os irmãos Florindo e Jorge Custódio. Além de Amigos são personalidades do mundo da arte, da cultura e do património, que me marcaram imenso, num ambiente intelectual de activismo extraordinário, de teoria e crítica, mas também de colaboração com o que se ia praticando no Centro Histórico de Santarém.

Cheguei a ser presidente dessa associação. Fiz todo esse percurso de militância associativa, que é um ponto de vista onde o verdadeiro amador se consegue posicionar face aos diferentes poderes, aos diferentes problemas. Foi aí que fiz uma grande aprendizagem, um excelente tirocínio. Existia uma comissão chamada Comissão de Salvaguarda, que atribuía prémios, faziam-se debates interessantíssimos, horas a fio a discutir e a apurar os prémios. Fazíamos depois cerimónias formais de entrega dos prémios a donos de obras e a autores de projectos de arquitectura, envolvendo assim a sociedade nas nossas actividades. E tudo isso culminou, mais tarde, com uma candidatura, ainda que frustrada, mas que foi muito pedagógica, de Santarém a Património Mundial da UNESCO.

Inclusivamente, neste percurso cheguei a ser vereador da Câmara de Santarém, com os pelouros do Património e da Cultura e do Turismo. Tomei contacto em Paris com o Comité do Património Mundial, onde me desloquei pessoalmente com os arquitectos e responsáveis da Câmara de Santarém. Essa aprendizagem foi excepcional e devo-a a uma vivência de que Santarém foi a matriz.

Depois, em Évora, foi a chegada ao universo académico da museologia. Isso deu-se por uma circunstância um pouco fortuita, que foi a necessidade imperiosa de elaborar uma tese de doutoramento. A minha primeira escolha foi relacionada com o património arquitectónico, mas verifiquei rapidamente que esse era um território científico já muito povoado.

Já num segundo ciclo da minha vida associativa (o associativismo, para mim, juntamente com a academia têm sido determinantes), a militância na Associação Portuguesa de Museologia, na APOM e contacto com personalidades como Henrique Coutinho Gouveia, Fernando António Baptista Pereira, Fernando Bragança Gil, que depois veio a ser o meu orientador principal da tese, apercebi-me rapidamente que havia muito mais a fazer no campo dos museus em termos de investigação do que propriamente no património, que já era como disse um território muito denso. Portanto, nesse sentido foi fácil depois escolher o período, na medida em que a minha tese de mestrado também já tinha tratado o séc. XVIII e a primeira metade do séc. XIX, ou seja o período da Ilustração ao Liberalismo. Mantendo-me aí também me apercebi que havia muito a fazer. E aqui está uma escolha natural, em percursos académico e associativo interligados e complementares.

AC – Começa a ligar-se à APOM em que época?

JB – Já nos anos 90 (…). Cheguei à APOM com o Fernando António Baptista Pereira que estava na direcção, na primeira metade dos anos 90. Depois, pela mão do António Nabais à direcção da APOM, já numa fase subsequente, entro na direcção da APOM em vários mandatos com pessoas como o António Nabais, a Madalena Braz Teixeira, o Fernando António [Baptista Pereira] que se manteve também nosso colaborador, José Monteroso Teixeira.

Gostava de recordar com saudade uma tertúlia que infelizmente se perdeu e que se realizava periodicamente na casa da Drª Madalena Braz Teixeira [1], então Directora do Museu Nacional do Traje. Chegámos a divulgar um manifesto pelos museus e publicámos alguns estudos informais no âmbito da preparação da Lei-Quadro dos Museus.

AC – Esse manifesto foi público?

JB – (…) O manifesto veio a público naquele período em que o governo Guterres se tinha demitido, período de transição pré-eleitoral com a previsão de que o PSD viesse a ganhar. A nossa intenção, com o Manifesto, era a de chamar a atenção do novo governo (que veio a ser o governo de Durão Barroso) para dar maior relevo aos museus.

AC – E nessa altura os problemas… comparando com a situação actual, há elementos transversais?

JB – Há sempre problemas comuns, por exemplo o problema dos investimentos, a vexio questio da suborçamentação – é um problema crónico, sobretudo para as despesas correntes, aquelas que os museus necessitam para o seu dia a dia e isso é verdadeiramente uma coisa que nunca ficou verdadeiramente resolvido. Esse é um problema estruturante.

É evidente que desde então muita coisa mudou para melhor, o que é normal. Desde logo é obrigatório referir-se a Lei Quadro dos Museus, a 47/2004, de 19 de Agosto, que durou alguns anos a preparar, mas que foi publicada no governo PSD. Portanto, houve aqui uma transversalidade político-partidária que interessa manter em matéria de definição de políticas culturais. Isso já tinha acontecido com a rede de bibliotecas públicas, aconteceu com a Rede Portuguesa de Museus, com a lei quadro, circunstância decisiva para se criar um clima de avanço institucional no mundo dos museus. E isso é um dado novo, que na altura do manifesto ainda não existia. Depois houve mudanças, porventura nem sempre para melhor.

AC – E em relação ao ensino da museologia na Universidade de Évora, como é que surge o mestrado? Já era lá professor.

JB – Estava a acabar o doutoramento. Foi também um processo natural de prolongamento daquilo que desde 1993 vinha a ser institucionalizado na Universidade, pelo Departamento de História, e que era o ensino do Património Cultural numa licenciatura autónoma da História. Nesse Curso, num tempo em que o ensino universitário da museologia se resumia apenas a um ou dois exemplos, havia uma cadeira de Museologia. Tive a sorte de ser o docente escolhido para dar essa cadeira. Essa circunstância também me proporcionou pontes desde logo com outros colegas de outras universidades e com a Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Foi também uma porta que se abriu para a minha entrada no universo dos profissionais de museus. A partir daí passei a ter como interlocutores os profissionais dos museus, muito mais do que os meus próprios colegas da universidade.

Em 1999, na prossecução normal desta caminhada, a Direcção do Departamento, na altura dirigida pelo Prof. Filipe Themudo Barata, desafiou-nos para estruturarmos a primeira edição de um Curso de Mestrado em Museologia que arrancou em 1999-2001. Esse primeiro curso contou com quase 70 candidatos. Tivemos que fazer entrevistas e uma selecção muito apertada, para chegarmos ao número estabelecido de vinte e cinco. A esmagadora maioria dos candidatos era profissional em museus, provenientes de todo o país e alguns exerciam mesmo o cargo de directores das suas instituições. Obviamente com muita presença alentejana e algarvia, mas também de todas as regiões do país concorreram, carenciados de formação, muito atraídos igualmente por duas outras razões.

A primeira, pela própria cidade de Évora que é em si mesmo uma ‘marca’ muito forte. Isso é um fenómeno que nos ultrapassa, uma mais-valia única. Mas julgo que o corpo docente que nós conseguimos oferecer terá sido também decisivo nessa quase que massificação da procura do nosso curso. Na altura tínhamos autonomia financeira, quer dizer que a direcção do curso podia escolher convidados e pagar-lhes de acordo com a tabela do CRUP (e até mais generosamente) e nós tivemos essa capacidade de ir buscar, porque conhecíamos as pessoas, os melhores professores que havia no mercado, professores até de outras universidades, sendo a maioria técnicos muito experimentados em museus de referência, ou em profissões afins (design, arquitectura, luminotecnia, restauro).

AC – Qual o balanço que faz da formação em museologia na Universidade de Évora?

Acho que é indiscutível que a partir do momento em que a Museologia passou a ser matéria ensinada a nível universitário, estamos a dar razão ao museólogo croata Tomislav Sola, convidado nos anos 90 para, em Umea, na Suécia, dar uma conferência sobre a oportunidade de as universidades ensinarem museologia. Ele afirmava: “pouco me importa se a museologia é uma ciência ou não é, o que me interessa é que a partir do momento em que ela é ensinada na universidade passa a deter um estatuto científico”. Ou seja, a passagem da Museologia a um novo estatuto gnoseológico por via de uma didáctica credenciada. Lembremos merecidamente [Ernesto] Veiga de Oliveira, que já nos inícios dos anos 70 ensinava Museologia no âmbito de um curso de Etnologia no antigo ISCPU, mas tratara-se de um exemplo que permaneceu isolado entre nós até à década de 90. Mas é um fenómeno europeu, já que o ensino formal da Museologia começa timidamente a dar os primeiros passos, como em Itália, só a partir dos anos 70-80.

Portanto, esta nova oferta universitária trouxe um mundo novo de qualificação a muitas dezenas de profissionais que já se situavam no território da praxis, mas carentes de um enquadramento bibliográfico actualizado. E disso acho que todas as universidades que ensinaram museologia se podem orgulhar de terem cumprido. O Porto, que foi a primeira universidade com uma pós-graduação, depois passando pela Universidade Nova de Lisboa que foi a primeira em termos de mestrado público, e a nossa que veio logo a seguir com Coimbra, antes de uma pulverização que entretanto se começou a verificar.

Julgo que aí é que as coisas começaram realmente a correr mal na medida em que houve a tentação de matar a galinha dos ovos de ouro, resultando em dois procedimentos de gestão universitária que se revelaram desastrosos. O primeiro foi a atomização do seu ensino. Chegou-se a contabilizar 11/12 cursos em todo o país a ensinar Museologia, o que é claramente excessivo. E depois, com a introdução do Sistema de Bolonha, a sua anualização foi outra machadada numa desejável sustentabilidade da oferta formativa.

Ou seja, até então (2007-08) o panorama era o de 4 ou 5 universidades, territorialmente bem distribuídas em todo o país: Porto, Lisboa, Coimbra e Évora, que geriam a oferta de uma forma coordenada entre si, evitando no mesmo ano o arranque simultâneo de todos os cursos. Assim, havia abertura de novas edições de dois em dois anos, mas com calendário desencontrado, minimizando a competição. Havia sustentabilidade porque o segundo ano do Curso permitia uma maior disponibilidade dos docentes para acompanharem as dissertações.

Sublinho a razão decisiva para as dificuldades hoje visíveis no ensino universitário da Museologia: a existência pouco fundamentada e até pouco credível do ponto de vista científico, um pouco por todo o lado, de vários cursos de Museologia, e ainda por cima com abertura anual. Na maior parte desses novos cursos não se verificava aquela ligação, como havia nos quatro ou cinco cursos iniciais, ao mundo da prática profissional. Esses primeiros docentes detinham um contacto directo com a realidade museológica, ou por serem profissionais ou porque militavam em associações, eram pessoas reconhecidas no meio museológico. A partir daí isso deixou de acontecer, tanto mais que mesmo as universidades públicas deixaram de poder contratar ou convidar sem entraves os profissionais mais qualificados. O resultado salta à vista com o encerramento (veremos se apenas transitório ou se definitivo) da maioria dos cursos de mestrado em Museologia.

Recordo-me bem de uma reunião do ICOM [ICOM-Portugal], em 2008 no Porto[2]. Na altura intervim em nome da Universidade de Évora, chamando a atenção para este fenómeno de ameaçador refluxo. A maioria dos meus colegas reagiu mal a esse diagnóstico, considerando a minha leitura catastrofista e pessimista… Certo é que a partir daí tem-se vindo a verificar o fecho de cursos, a diminuição da procura, para mais com todo o contexto de crise financeira que acarreta óbvias repercussões sociais e na capacidade das famílias para pagarem os estudos.

E depois um outro fenómeno muito preocupante que é o de termos em universidades das grandes cidades turmas de Museologia cheias de alunos, mas – arriscaria a dizer – a maior parte deles ali chegam sem a percepção real do que é que é um Museu, incapazes de sustentar porque é que frequentam esta área de estudos e não outra, sobretudo recém-licenciados. Por vezes um ou outro aluno emerge com alguma experiência e já inserido no mundo profissional, mas perdido no meio de iniciantes, o que transforma este ensino numa experiência cada vez mais frustrante.

AC – Como disse é difícil sustentarmos isto actualmente e a longo prazo. O que é que é possível fazer na sua opinião para..que estratégias podem ser desenvolvidas, como podemos ultrapassar esta situação?

JB – É pena que, mais uma vez, estejamos a ter não um pensamento estratégico mas um pensamento reactivo. É a própria realidade que nos obriga a tomar decisões quando não tinha que ser assim. Seria importante que o país se habituasse a ter um pensamento estratégico sobre as suas políticas públicas. De facto, não havendo auto regulação, nem articulação, nem coerência entre políticas públicas, estamos agora na eminência de ter que tomar posições drásticas.

E por isso eu diria que a posição sensata que se impõe é a de assumir que muitos destes cursos têm de pura e simplesmente fechar. Nos que se consigam sustentar, deveríamos voltar ao modelo de abertura bienal – apesar da necessidade de entrada de verbas nos cofres universitários, que é o que tem conduzido a gestão universitária a pressionar directa ou indirectamente a abertura de cursos – e, porventura, nalguns casos (como o da Universidade de Évora) reformular o ensino da Museologia sob uma umbrella mais larga, de um chapéu epistemológico de agregação de saberes do Património Cultural e da Museologia, a qual continuará a afirmar-se mas através de ramos ou especializações como de resto acontece também no 3.º ciclo.

É um problema que ainda está longe de resolvido. Não podemos afunilar esta temática apenas em termos de 2.º ciclo, mas olhar igualmente para o que se passa no 3.º ciclo. No fundo diria que há que assumir que é difícil manter hoje uma autonomia plena da Museologia como matéria ensinável, mais não seja pela inexistência de massa crítica com ratios aceitáveis pelas autoridades de avaliação do sistema universitário. É que hoje em dia as agências de avaliação são muito exigentes, só dando cobertura a um curso de uma determinada área se houver um ratio de professores habilitados e especializados, que não se dispersem por mais do que um doutoramento, critério que defendo também para o mestrado. Isso obriga a concentrar esforços intra e inter – universitários. E uma das maneiras possíveis será, repito, ao nível do 2.º ciclo enquadrar a Museologia no Património Cultural e ao nível do 3.º ciclo manter e aprofundar este modelo, que já está no terreno, que é o da Museologia como ramo ou especialização de áreas do saber mais consolidadas (História, História da Arte, História e Filosofia da Ciência, Antropologia, etc.).

AC – E neste momento já há pessoas a fazer investigação de pós-doutoramento.

JB – Mas aí é relativamente fácil enquadrá-las porque o pós-doutoramento pode ser feito em ligação directa ou com o orientador ou com um centro de investigação. Mas com ensino curricular, o 3.º ciclo está alocado noutras áreas do saber e, portanto, penso que é por aí que nos próximos tempos temos que nos manter, sendo que o panorama é apostar na qualidade, não na quantidade, sendo regra de ouro não querer abrir cursos sem sustentabilidade assegurada.

É esse o panorama, até porque no fim da cadeia não nos podemos esquecer que temos um problema gravíssimo com a generalizada ausência de empregabilidade. É evidente que não defendo um pragmatismo ilimitado que só permitisse ensinar conteúdos que à partida assegurassem empregabilidade, isso seria obtuso. Mas obviamente que tem que estar no nosso horizonte a equação dessa questão. E no refluxo em que nos encontramos, a quantidade de museus não vai seguramente aumentar, pelo contrário, e a capacidade de absorver novos quadros se não estancou está em refluxo também. E, portanto, é perante esta realidade que as universidades têm que perceber que têm de fazer um esforço de fusão, de contenção.

AC – Faz sentido aqui falar de parcerias entre universidades, seja a nível nacional seja a nível internacional?

JB – Sem dúvida. É para aí que as coisas se estão a encaminhar. Todos os relatórios e as indicações e orientações da FCT [Fundação para a Ciência e Tecnologia] vão nesse sentido: o trabalhar em rede, fundir ou federar centros de investigação, criar cursos interuniversitários, e internacionalizar sempre que possível. Mas, devo dizer que sou muito céptico em relação à sua praticabilidade imediata, a não ser que se alterem radicalmente hábitos e procedimentos de enquistamento universitário.

Há, todavia, sinais de que isso pode mudar e dou-lhe um bom exemplo que é aquele que recentemente foi apresentado à FCT, sob o acrónimo de Heritas, que é um projecto de 3.º ciclo, onde a Museologia também está integrada, mas numa visão mais ampla de Património Cultural. É um primeiro exemplo, ainda não de internacionalização, mas de uma perspectiva interuniversitária e, sobretudo de cruzamentos pluridisciplinares surpreendentes, no âmbito do Património Cultural.

AC – Se pensasse a nível internacional há alguma escola ou universidade que com que quisesse colaborar?

JB – Vem-me imediatamente à mente o mundo lusófono, porque é um universo demográfico muito atrativo e conta com a facilidade comunicacional da língua comum. No terreno, o intercâmbio de experiências já há anos que está estruturado, muito em particular com o Brasil. As publicações – quando falamos de internacionalização não devemos esquecer que não significa apenas escrever os nossos textos em inglês. Podemos cumprir a internacionalização escrevendo em português e isso é o que está a acontecer todos os dias com as relações sempre tendencialmente mais fortes com o mundo da lusofonia, muito em particular com o Brasil. A UNIRIO [Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro] oferece neste momento um curso de 2.º e 3.º ciclo, sendo que o 3.º ciclo é inovador no âmbito brasileiro e editam uma interessante e dinâmica Revista online – a Museologia e Patrimônio na qual se vai publicando colaboração portuguesa.

Sem esquecer que institucionalmente as nossas relações com Espanha também são muito relevantes. De resto decorreu recentemente o terceiro encontro ibérico de museus, o primeiro foi em Mérida, em 2009, o segundo foi em Braga em 2011, e agora em Valladolid. Existe de há muito uma relação institucional entre os museus ibéricos. Em termos universitários poder-se-ia seguramente dar aí uma ligação, que de resto já tem acontecido. Por exemplo, alguns dos nossos doutoramentos em Museologia têm decorrido com a presença em júri de museólogos espanhóis. Não nos devíamos afastar muito mais deste universo geo-cultural do mundo da lusofonia e do mundo ibérico.

AC – A Universidade de Évora tem desde 2009 um doutoramento em História e Filosofia da Ciência com a possibilidade de especialização em museologia. Qual é na sua opinião o papel da história da ciência para a investigação em museologia?

Este foi o modelo que se defendeu – não sem controvérsia – há uns anos atrás quando se colocou a hipótese de, no âmbito do CEHFCi, o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, se avançar para um terceiro ciclo e nele incluir a Museologia. De um bom debate de ideias fez-se um benchmarking e foi fácil perceber que nessa pesquisa de comparabilidade europeia e até norte americana são muitos os exemplos semelhantes, ou seja inserir o ensino da Museologia na estrutura curricular da História da Ciência. Foi isso que se adoptou, e bem, em 2009.

Fazendo um balanço destes últimos anos, os resultados estão ainda no seu início. Talvez durante este ano de 2013 em que está prevista a conclusão de várias teses se venha a obter maior expressão quantitativa. Diria que será sempre um fenómeno pela sua natureza numericamente contido, mas que poderá proporcionar a existência de teses inovadoras, bem fundamentadas, onde a ligação, a interpenetração dos saberes da História da Ciência com a Museologia são muito evidentes. Estou-me a referir em particular a uma das teses em elaboração, na área da Museologia Histórica dos séculos XVIII e XIX, com temática no campo da História Natural, da autoria de um jovem investigador vindo da área da Biologia.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia? A museologia é uma área onde se produz pouco em termos de literatura científica. Concorda?

JB – É uma avaliação que requer relativização. Temos que adoptar uma perspectiva histórica, considerando sempre a diacronia e a contextualização das coisas. Quando começámos a ensinar Museologia na Universidade não havia praticamente investigação actualizada. Esse panorama numa década alterou-se radicalmente. Há pois que ter bem presente que a Museologia é uma recentíssima área de estudos académicos. Face ao balanço que se faz dessa produção não podemos dizer que se produz pouco, lembremos as revistas nacionais nesta área e as dissertações e teses que o 2.º e 3.º ciclo têm produzido, sem esquecer a prolífera produção de catálogos de exposições. Não me parece que seja assim tão insignificante quanto isso.

É evidente que ainda haverá muito mais para fazer, apostando-se mais na qualidade do que na quantidade numa fase que se espera que seja de uma maior internacionalização dessa produção, embora considere que ela não pode ser vista como um valor absoluto em si. É preciso saber do que estamos a falar quando falamos de internacionalização e é preciso perceber de que saberes é que estamos a falar. Falar na internacionalização na área das Ciências Humanas não é o mesmo que falar nas Ciências Exactas ou das Ciências da Vida, porque essas são ‘internacionais’ por natureza.

Quando falamos de Ciências Sociais e Humanas há que perceber que há matéria de investigação que interessa muito pouco para lá do universo do que estamos a analisar. Há um universo nacional e há um universo regional e até local que tem que ser estudado e, portanto, é precipitado e desajustado estar a defender uma internacionalização como um valor absoluto.

É preciso encontrar zonas de confluência de interesse na publicação de estudos sobre realidades localizadas. Há apesar disso tudo temáticas comuns e essas sim podem ser internacionalizadas. Imagine falar da Museologia em Portugal no séc. XVIII ou XIX ou mesmo no séc. XX, dificilmente interessará nos seus pormenores a um público de investigadores que não sejam propriamente os portugueses. Tem que haver aí um outro trabalho de um denominador comum a uma comunidade científica internacional e é nisso que tem que se investir. Mas haverá sempre franjas de investigação que não podem ser internacionalizadas.

AC – Qual deverá ser na sua opinião a evolução desejável para a investigação em museologia nas universidades?

JB –Sim à investigação universitária, mas o âmbito institucional directo e evidente para isso acontecer será nos centros de investigação. Serão os diferentes centros de investigação que tem que definir projectos, tal como está assumido nas recentes directivas da FCT. Cada Centro terá de definir muito claramente qual é a sua missão, qual o ‘projecto comum’, qual o seu perfil investigativo, se possível em articulação, o que não significa forçosamente fusão, mas em articulação em rede com outros centros afins. As linhas de investigação serão aquilo que os investigadores entenderem que devem ser.

AC – Esteve na direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), quer falar um pouco do balanço dessa experiência?

JB – É sempre difícil fazer defesa em causa própria. O que posso dizer é que em consciência, o mais racional que me é possível, com toda a subjectividade que sempre acarreta, diria que me orgulho do trabalho que foi desenvolvido ao longo destes quase dois anos e meio em que estive à frente do IMC.

Foram continuadas linhas de trabalho muito importantes, nomeadamente em termos da Rede Portuguesa de Museus, a publicação da revista Museologia.pt, a inventariação com toda a linha Matriz.

Outro aspecto ainda – o ter trazido o modelo de gestão que está a dar os seus frutos e que são muito evidentes, de maior visibilidade pública e de maior eficácia no nosso ‘museu de bandeira’ que é o Museu Nacional de Arte Antiga, com a definição de grandes exposições internacionais, com uma visibilidade que o museu não tinha há muito tempo. Naturalmente que nós todos esbarramos com uma dificuldade que é a desorçamentação cada vez mais crítica e mais bloqueadora. Mas, apesar de tudo, há nos museus e nos serviços centrais um capital humano – e é isso que eu também gostava de deixar sublinhado – muito qualificado e muito dedicado. A esmagadora maioria dos técnicos e directores de museus são pessoas altamente competentes, empenhadas no seu trabalho, comungando um espírito de serviço público notável.

Como balanço positivo a renovação que se foi fazendo nos quadros directivos de museus, através da abertura de concursos públicos. Verificou-se como dado novo a disponibilidade de imensas pessoas para o cargo de director de museu. Quer provenientes do mundo da universidade, ou das autarquias, além de técnicos dos próprios museus, pelo que foi possível renovar pelo menos um terço dos 29 museus e cinco palácios. E com isso abriu-se uma porta para ultrapassar uma visão que se tinha dos museus, como lugares de responsáveis inamovíveis, de directores que se perpetuavam nos cargos. Ora, isso começou a ser modificado e hoje temos à frente dos museus, em parte, uma geração nova.

AC – Com a crise foram feitas grandes alterações, de desinvestimento na cultura, mas a verdade é que tem havido muito pouco debate e uma certa passividade em contrariar estes efeitos. Não tem havido muito debate para pensar estas questões a nível estratégico, em como ultrapassar… 

JB – Deixe-me voltar atrás porque há um aspecto do balanço que me pediu à frente do IMC. Há também uma linha de actuação que vem a crédito de uma política que definimos no anterior governo e a que o actual acabou por dar sequência. Estou-me a referir à passagem para a tutela das direcções regionais de um conjunto de museus que estavam até então centralizados em Lisboa.

Penso que isso foi uma política que deve ser continuada que trará a prazo a evidência de que o caminho a trilhar é esse. Descentralizar, permitir que sejam as próprias regiões a tomar em mãos o destino desses equipamentos culturais, sem que deixem de ter o apoio qualificado das estruturas centrais. Creio que assim se deu um salto importante para limitar a ingovernabilidade de uma macroestrutura, gigantesca, com quase 1000 funcionários, 29 museus e cinco palácios nacionais; o director geral trabalhando com mais de 40 chefias… Era, portanto, uma estrutura muito pesada, quase que paralisante. E esta decisão de descentralização de boa parte dos museus ‘regionais e ‘locais’ que nasceu com o governo anterior veio para ficar – muito por influência do IMC que fez essa doutrinação e que travou esse combate, apesar da incompreensão de muitos.

Em relação à questão que me coloca devo confessar que não tenho seguido de perto a ‘fortuna da crítica’, porque há um ano que me encontro de novo absorvido pela universidade e pela investigação. Todavia, há uma palavra que não devo calar: o exercício da crítica tem regras, sendo a primacial o saber fundadamente do que se fala. Mas nos últimos anos foi-se fazendo de uma forma genericamente impreparada. Algumas pessoas com mais fácil acesso aos meios de comunicação, parece não terem entendido que a actividade crítica, para ser credível, implica estudo, tomar por dentro a realidade das coisas, conhecer a legislação e os números, em suma, preparar-se. Ora, o que se verificou foi a ‘vitória’ da escrita leviana, ignorante e de efeito fácil – a criação de ‘casos’. O que isso criou, a meu ver, foi uma descredibilização da crítica (com reduzidas excepções), que se movimentou na área do património cultural e da museologia.

E agora, o silêncio constrangido é a outra face da ignorância atrevida dos antigos críticos. Acredito, apesar de tudo, na emergência de uma nova geração capaz de produzir ‘crítica cultural’ a partir do entendimento intelectualmente sólido e honesto da realidade o país, dos perfis das políticas públicas e, sobretudo, libertos de cartilha ideológica e de ambições carreiristas.

AC – Eu falava também ao nível dos próprios profissionais e das Universidades, este período poderia ser o momento também para pensar de uma forma construtiva.

 JB – Mas isso dessa forma construtiva tem sido muito raro.

 AC – O mundo dos museus e das universidades têm permanecido na maior parte das vezes em esferas distintas de acção. Na sua opinião, de que forma universidades e museus poderão trabalhar em conjunto? De que forma esse trabalho poderia ser mais potenciado?

JB – Esta colaboração actualmente é muito superior aquilo que era no passado a vários níveis. Dou-lhe um exemplo. Promovemos no Alentejo, em Évora e na Aldeia da Luz, um encontro para estimular a formação de uma rede regional de museus. E nesse âmbito as pessoas que estavam presentes chegaram à conclusão de que a esmagadora maioria dos museus presentes tinham à sua frente pessoas formadas na Universidade de Évora. Portanto, o panorama de direcção, e faço-lhe recordar o primeiro documento da OAC [Observatório das Actividade Culturais] que foi feito com o IPM [Instituto Português de Museus] na altura daquele inquérito aos museus de 2001. Um dos aspectos mais chocantes, estamos a falar há uma década atrás, era a grande desqualificação dos seus dirigentes, dos técnicos, dos directores. Esse panorama desapareceu, em grande medida.

AC – Permanecem talvez as equipas pequenas.

JB – Julgo que a maior parte dos museus têm já pelo menos um técnico, às vezes até mais, formados. É esta a percepção que tenho. É que dantes não havia ninguém. Eles podem não ser o director, podem não ser o responsável directo, mas pelo menos um técnico com formação universitária. Ora isso é produto de um trabalho de qualificação no qual as universidades tiveram um protagonismo pioneiro. Depois há algumas exposições com catálogos, comissariado de exposições, nos quais as universidades têm um papel muito evidente. Mais ligação, deixe-me ver…

AC – As colecções, por exemplo, estava-me a lembrar daquele encontro sobre as colecções científicas [3].

JB – O consórcio das colecções históricas de História Natural é uma evidência. São universidades e museus que têm colecções próprias e está-se a formar neste momento a ideia de que será possível agregar em rede – o que mais tarde até pode vir a ter a designação de Instituto -, vários centros de investigação no âmbito da história da ciência congregados por acção directa de um museu. Ou seja a nossa ideia é que um museu possa congregar os vários centros de investigação. Portanto, isso é significativo de que há um novo papel, um novo relacionamento entre museus e universidades.

Alguns dos professores das universidades têm sido chamados a colaborar com a elaboração de programas museológicos. Só no Alentejo estou-me a lembrar do caso de Serpa, de Viana do Alentejo, Évora… As pessoas que estão nos museus e nas instituições estão a recorrer de uma forma penso crescente ao know how das universidades.

AC – O investimento condicionado na cultura implica repensar estratégias e prioridades. Na sua perspectiva, quais deveriam ser as prioridades da política museológica nos próximos anos?

JB – Em Dezembro de 2009 o IMC apresentou à tutela um plano estratégico para os museus [4]. Se hoje repegasse nesse plano, com a visão, a missão, os diferentes eixos, manteria no essencial o seu conteúdo. É um plano que a meu ver se mantém actual. 

Quais são as prioridades? São tantas …Se calhar consolidar o que já está feito. O que parece mais sensato, mais prudente, fazer num período de grande aperto financeiro é optar pela consolidação em detrimento da expansão. Acho que é errado imaginar no universo museológico, como até há algum tempo atrás, uma política expansionista, isto é, abrir museus de uma forma acrítica. A própria Administração na definição de políticas públicas deu maus exemplos.

O caso mais conhecido de todos é o brutal investimento de 40 milhões de euros num edifício que ninguém pediu, um edifício novo para o Museu dos Coches que foi iniciativa do Ministério da Economia por via das verbas do Turismo. O Ministério da Cultura, tanto quanto sabemos, não foi visto nem achado para essa decisão. No IMC criámos um grupo de trabalho para ir acompanhando a obra e para reflectir sobre o modelo de gestão a adoptar depois da entrega da obra. Desde logo percebemos que nós na Cultura não tínhamos capacidade para gerir o novo edifício com o modelo actual de orçamentação.

O próprio Estado deu aqui um mau exemplo ao expandir em vez de consolidar. Não faz sentido na mesma cidade, a poucas centenas de metros de distância entre vários equipamentos culturais como é o caso do Museu Nacional de Arte Antiga, ou o Museu Nacional de Arqueologia a precisarem de urgentes obras, de urgentes intervenções e, simultaneamente, ali perto estar-se a investir milhões de euros numa obra faraónica, impositiva enquanto arquitectura, com uma visão insustentável de gestão quotidiana.

E portanto diria que em termos de políticas públicas para a área dos museus aquilo que se pode desejar é que de uma forma muito sábia se defina quais são os museus a que se deve atribuir prioridade. Eu iria mesmo mais longe: há museus que pertencem à sub-rede do Estado que deveriam ser liminarmente fechados. Há museus em ruptura, com risco de pessoas e bens, com inundações permanentes, com edifícios a caírem aos bocados, com colecções em péssimo estado de conservação, que dão até uma má imagem do que é um ‘museu’, para mais integrados na Rede Portuguesa de Museus, o que só pode ser desprestigiante para a própria RPM.

O Estado deveria assumir o encerramento provisório de alguns desses museus, promover a discussão sobre o seu destino, se existem verbas para reprogramar, para qualificar as colecções, para fazer obra, etc. Sempre defendi, em contrapartida, atribuir prioridade aos museus de vocação nacional e que carecem de urgente investimento.

AC – O que é constantemente referido, seja em termos de museus municipais, seja a outras escalas, é que as estratégias estão sempre em constante reinvenção, porque os ciclos políticos depois não permitem que os projectos avancem. Como implementar estratégias e políticas culturais que ultrapassem os ciclos políticos? 

JB – Volto a tocar num ponto que para mim é o mais decisivo, que é o de repensar as políticas públicas. Vou dar um mau exemplo. Consulte-se o Plano Estratégico Nacional do Turismo para o Desenvolvimento de 2007, o PENT, que foi amplamente discutido a várias instâncias, um documento que está em vigor e para todos os efeitos define linhas de rumo para o turismo nacional. O que vemos com toda a clareza nas suas linhas estratégicas é a assunção de que o património cultural é um dos motores para o desenvolvimento económico. Até a quantidade de vezes que as expressões ‘museu’ ou ‘património cultural’ são proferidas dá-nos a ideia de que o Estado olha para o património cultural, e por extensão para os museus, como um factor importantíssimo nas suas opções para o desenvolvimento.

Dito isto, em coerência com essa definição de política pública, seria expectável que o Turismo, alocado no Ministério da Economia, fosse consequente nas suas relações com o Património Cultural, integrado na esfera governamental da Cultura. Ou seja, entre a política pública da cultura e a política pública do turismo houvesse uma articulação e uma coerência. E, logo, se temos falta de verbas de uma forma absoluta e crónica nos museus, seria desejável que o Ministério da Economia pudesse, ou assumir parte da tutela do Património Cultural, ou pelo menos os gastos em obra e manutenção, que é um das partes substantivas dos seus gastos.

Se olharmos para o passado foi isso que aconteceu durante décadas, com uma dupla tutela formal ou informal no âmbito do Ministério da Instrução Pública, depois Ministério da Cultura, onde estavam alocados os museus, e entre o Ministério das Obras Públicas onde estava a DGEMN [Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais]. Até ao PRACE [Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado, que começou a ser implementado em 2005/2006 e que resultou na fusão e extinção de vários organismos e serviços], em que a DGEMN  foi extinta, passou a ser o IHRU [Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana] sem nenhuma interferência no trabalho do património a partir daí. A DGEMN interveio durante décadas nos bastidores, na obra do dia a dia. Portanto, a cultura estava liberta de alguma maneira do encargo pesado da obra. Tinha a seu crédito, como sempre teve, os conteúdos. Aqui tem um bom exemplo do passado, mas dou-lhe bons exemplos na actualidade.

Há poucas semanas realizou-se um debate no Teatro D. Maria II sobre o futuro das nossas cidades e nele intervieram o Presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e o ex-Presidente de Cascais, cargo que ocupou durante 12 anos, António Capucho. Este último divulgou o facto de o Instituto do Turismo de Portugal ter contribuído em média, com cerca de 8 milhões de euros anuais para a CMC, com a justificação de que aquela vila tinha definido uma aposta estratégica, não no ‘turismo sol e praia’, mas no património cultural.

Portanto, todos aqueles equipamentos muito bem estudados pelo OAC (Observatório das Actividades Culturais) na “Cartografia Cultural do Concelho de Cascais[5] foram financiados  pelo Turismo: o Centro Cultural, a Casa das Histórias da Paula Rego, a Casa de Santa Maria de Raúl Lino), a actual remodelação do Museu do Mar, Rei D. Carlos, o farol de Santa Marta, etc. Tudo isso foi possível exactamente porque não faltou dinheiro à Câmara de Cascais vinda do Turismo. Isto é demonstrativo do que é que se podia fazer. Mas, a contrario, o Instituto do Turismo de Portugal apoia as iniciativas museológicas em Lisboa apenas ao nível da sua promoção, da divulgação e não mais do que isso. Logo, sente-se a ausência de uma articulação de políticas públicas.

Mas a pergunta era mais lata, não era?

AC – Sim, como é que se pode ultrapassar os ciclos políticos?

Ultrapassar o bloqueio dos ciclos políticos só replicando o que se fez com a rede de bibliotecas e com a rede de museus, ou seja, através da celebração formal ou informal de pactos de regime, obtendo-se amplos consensos alargados não apenas ao chamado ‘arco do poder’, porque estas políticas públicas têm repercussões autárquicas e aí vamos encontrar todo o leque partidário, incluindo o partido comunista que tem um peso muito importante.

O que tem de haver – até para a própria sobrevivência do nosso sistema democrático – é a definição de políticas públicas consensuais, políticas de regime que dêem continuidade para lá dos ciclos curtos político-partidários que se podem alterar. Ou seja, há coisas nas autarquias e nos governos que têm que ter forçosamente continuidade. E se isso não acontecer, os cidadãos têm de ter um papel de denúncia para não permitir que cada governo que entre, cada ciclo partidário, ponha em causa o que foi feito atrás, porque isso é desastroso para o país.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Vamos imaginar que no período pós crise haverá capacidade para fazer coisas novas. Gostaria de ver nascer dois museus nos quais encontrei bons exemplos num benchmarking europeu, contrastando com o que encontramos em Lisboa. Dois exemplos então.

Primeiro, um museu semelhante ao que encontramos em Madrid – o Museu do Traje e da Moda [Museo del Traje. Centro de investigación del Patrimonio Etnológico], museu fundado em 2004, por isso muito recente, que inicialmente gerou intensa polémica [6], porque aparentemente tratava-se de um fenómeno ‘modista’, qual écran da ‘socialite’, mas que passados estes anos se reconhece que está a fazer um excelente trabalho, atraindo muitos visitantes e turistas, rasgando uma montra da indústria do vestuário espanhol. É um museu que fica no campus universitário, nos arredores da cidade, e ganhou até um prémio nacional de arquitectura. Lisboa poderia repensar o seu actual Museu do Traje em estreita colaboração com o MUDE [Museu do Design e da Moda – Colecção Francisco Capelo], numa aposta na criação nacional que podia ser continuada e aprofundada.

O segundo exemplo é o do Museu da Música, que está numa situação muito aflitiva na medida em que a administração do Metro não pretende prolongar no tempo o Protocolo de cedência do espaço onde está provisoriamente instalado – na estação de metro do Alto dos Moinhos -, para lá de Dezembro de 2013. Ora o que ocorre perguntar é o que vai acontecer a partir dessa data. Não tenho conhecimento de se ter encontrado uma alternativa para aquele riquíssimo acervo de instrumentos e de documentos, que foi começado a juntar ainda no séc. XIX, entre outras personalidades, por Alfredo Keil. E apetece-me dar o exemplo do Museu da Música de Bruxelas [Musical Instruments Museum – MIM], que é de facto um museu fascinante. Portanto, se eu pudesse fazer dois novos museus depois da crise passar, começaria por encerrar os actuais Museu Nacional do Traje e o Museu da Música e, em sua substituição, criar duas novas unidades museológicas inspiradas nos exemplos do Museu do Traje e da Moda de Madrid e do Museu da Música de Bruxelas.

AC – Eu pensei que me fosse falar do Gabinete da Ajuda [séc. XVIII] [7].

JB – O Gabinete da Ajuda não o vejo como um ‘museu’. O termo museu, para o levarmos a sério como merece, é um conceito muito pesado, muito denso, do ponto de vista conceptual, epistemológico, financeiro e de recursos humanos. Por isso acho que é excessivo utilizarmos esse conceito para caracterizar o que projectamos para aquele pequeno espaço. Vejo-o mais como um gabinete científico, um centro de interpretação, uma colecção visitável como de resto podemos encontrar dentro do Museu de Ciências Naturales em Madrid [Museo Nacional de Ciencias Naturales], que tem uma parte do museu que é dedicada à reconstituição do Gabinete de Carlos III. Aqui não há necessidade de o reconstituir, o gabinete está ali, é naquele sítio, a sul do tabuleiro inferior do Jardim Botânico.

AC – Que projecto ou projectos gostaria de desenvolver no futuro?

Actualmente, estou envolvido com muito entusiasmo num projecto em Viana do Alentejo. Convidaram-me (em regime de puro voluntariado, pro bono, que é como as coisas hoje em dia se fazem) na recuperação do último santuário mariano a sul do Alentejo, o Santuário de Nossa Senhora d’ Aires, recentemente classificado como monumento nacional.

Existe um grupo de voluntários individuais e de parceiros institucionais, a começar pela tutela que é a Arquidiocese de Évora e a paróquia de Viana, com a Câmara Municipal, e estamos a juntar esforços para elaborarmos um programa de recuperação da envolvente, porque é um espaço sagrado e profano muito vivenciado em duas datas no ano, que são agora em Abril – a romaria que vem da Moita, uma romaria a cavalo em charrete – e depois em Setembro que é a festa anual.

Portanto, há que fazer aquela recuperação paisagística, também a do próprio edifício e depois do ponto de vista museológico, que é a componente mais desafiante. E aí é que estou pessoalmente envolvido, com a Universidade de Évora, na musealização de uma colecção espantosa de ex-votos, são milhares de pinturas, retratos e objectos, desde o séc. XVIII até à actualidade a necessitarem de inventário, de conservação e restauro, de um novo discurso expositivo. Já fizemos reuniões, estamos numa fase de identificar e preencher candidaturas.

E é sobretudo o que me está a dar prazer. Num espaço sacro onde na minha infância também vivi porque a minha família é ali de muito perto e, num mecanismo identitário, estão lá ex-votos de familiares meus. Tenho uma memória muito antiga de lá ir nas férias grandes, quando rapaz, com uma tia. Há essa identificação muito forte com o Santuário, porque as coisas nos tocam de perto e têm que ver connosco, e há também aqui o papel da memória pessoal e social…

E depois é também o desafio de colocar Viana do Alentejo no mapa turístico, definindo-se uma política de comunicação e de marketing. Fazer com que valha a pena a alguns dos muitos milhares de visitantes que vão a Évora, fazer mais 20 minutos numa recta e irem visitar o santuário. Estamos a prever nessa política de comunicação a realização de um encontro científico com as temáticas do santuário mariano, o património imaterial, os ex-votos (…).

AC – Obrigada.

JB – Eu é que agradeço, desejando continuação de sucesso e longevidade a este seu blog.

***

Veja ainda entrevista de João Brigola na L+arte, n.º 70 (2010), p. 26-30 (Entrevista de Paula Brito)

Outras entrevistas neste blogue: Filipe Themudo Barata


[1] Sobre Madalena Braz Teixeira veja-se a entrevista de 2011 na revista Museologia.pt (n.º 4). Em 2013 Teixeira recebeu da APOM o prémio personalidade do ano.

[2] Tratou-se do encontro “O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional” (Porto, Centro de Congressos da Exponor, a 6 de Fevereiro de 2008). Pode encontrar um breve resumo aqui: “Notícias IMC – O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional”. Boletim da Rede Portuguesa de Museus (31)3-4. Disponível em: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n31.pdf

[3] Referência às jornadas de trabalho “Museus e Colecções Científicas como Infra-estrututra de Investigação que se realizaram 12 de Janeiro de 2013 no Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. Sobre o tema consulte-se: Lourenço, Marta (2013). “Colecções científicas como infra-estrutura da investigação”. Informação ICOM.PT, série II, n.º 20 (Março-Maio), p. 2-6. Disponível em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/info%20II-20_Mar-Maio13.pdf

[4] O documento “Plano Estratégico do IMC: Museus para o séc. XXI” pode ser consultado em: http://www.imc-ip.pt/ (acedido a 25 de Março de 2013).

[5] Santos, Maria de Lourdes Lima dos, Maria João Lima e José Neves (2005). Cartografia Cultural do Concelho de Cascais. Lisboa: Observatório das Actividades  Culturais.

[6] Sobre esta discussão veja-se, por exemplo: Barañano, Ascensión e María Cátedra (2005). “La representación del poder y el poder de la representación: la política cultural en los museos de Antropología y la creación del Museo del Traje”. Política y Sociedad. 42(3): 227-250. Disponível em: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1991926

[7] O Real Gabinete de História Natural (1768), que mais tarde recebeu a designação “Real Museu da Ajuda” reuniu as recolhas de naturalistas realizadas durante as então designadas “viagens filosóficas” às colónias.

 

Museologia, entrevista com Filipe Themudo Barata

 

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

 

Damos início no blogue a um ciclo de entrevistas intitulado Per(cursos) e Perspectivas da Museologia, convidando personalidades ligadas à museologia para connosco reflectir sobe o mundo dos museus face aos desafios que se enfrentam no contexto actual. O desafio é trazer a público uma entrevista por mês, dando espaço a diferentes vozes e perspectivas.

Estivemos à conversa com Filipe Themudo Barata[1],  professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e que tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Filipe Themudo Barata (FTB) – Eu separaria três coisas que são aparentemente diferentes. Uma como turista e interessado em museus. Lembro-me, há muitos anos, de visitar museus na Alemanha, na Inglaterra – a Tate Gallery por exemplo e lembro-me de visitar o Louvre. Lembro-me que o que achava interessante era a paciência que aquilo representava, o trabalho acumulado de tanto tempo a juntar tantas peças. O que me lembro era esse espírito de colecção, porque eu também tinha um espírito de coleccionista, e de ficar muito marcado pela ideia de que para juntar tantas peças é preciso muito tempo, muita paciência e muita gente para fazer e organizar colecções. E, por isso, os museus maiores impressionavam-me imenso. E estou a falar de quando eu era um estudante de liceu e da universidade, estaremos, portanto, nos anos sessenta.

Depois, quando comecei a visitar museus com objectivos mais críticos e de apreciação, lembro-me de visitá-los sobretudo pela variedade. Visitei no Canadá um museu que se chamava Upper Canada Village, sobretudo porque tinha a ver com a recuperação das memórias que era uma coisa que me interessava nessa altura. Percebi aí que a museologia, os museus tinham várias alternativas, várias saídas, várias hipóteses.

E depois lembro-me também de visitar museus que me impressionaram, que eram até coisas pequeninas, alguns mal feitos, projectos um pouco inacabados e que me interessavam porque eram museus que contribuíam para a coesão social. Isso nota-se muito, por exemplo, em África. Lembro-me de visitar um museu em Cabo Verde que tinha esse lado simbólico e de função de coesão social.

E depois tive uma outra experiência de museus, que foi aqueles museus que eu tinha responsabilidades e que me chamaram a atenção para outro fenómeno. Os museus para além das funções sociais têm uma componente importante para a economia de uma região e de um país. Daí a necessidade de também pensarmos os problemas da economia da cultura de uma forma diferente de como a normalmente pensamos, muito desprendida e de que não temos nada a ver com isso, mas temos tudo a ver com isso. Depois, muito mais tarde percebi que 80% do meu tempo andava a gastá-lo a gerir economicamente o museu; por isso até é que eu propus que no curso de museus as pessoas soubessem um mínimo de economia porque não é indiferente e não pode estar separado da vida dos museus

AC – E hoje em dia quais são os museus que visita habitualmente?

FTB – Hoje em dia já sou muito mais criterioso. Eu lembro-me, aliás, julgo que foi consigo que fomos à Alemanha [2005][2], onde vou por estes dias outra vez fazer uma visita de estudo. Agora interessa-me também o lado de projecto do próprio museu, o lado da organização dos discursos. Interessa-me perceber até os factores que andam também à volta, e que nem sequer se veem, interessa-me visitar o depósito e os serviços de apoio. E portanto, hoje em dia, as minhas visitas aos museus, para além do prazer e de continuar a sentir-me, muitas vezes, assustado e esmagado pelas colecções, também estou interessado na variedade, na qualidade dos projectos. Interessa-me olhar com um espírito crítico aquilo que está e o que deveria estar e fazer essas comparações.

AC – Poderia falar um pouco sobre o seu percurso profissional e o que o levou a interessar-se pelas questões do património e dos museus?

FTB – Eu venho da História.

AC – Mas antes disso…

FTB – Ah sim, formei-me em Direito, mas isso foi a pré-história da minha vida como eu costumo dizer. Mas eu venho da História de formação, foi o que eu sempre quis fazer. E venho da História dura, digamos assim, eu era e sou um medievalista. Mas uma das coisas que sempre me afligiu foi que a História sempre ligou mais ao factor de tempo do que do espaço. E foi a partir dos problemas do espaço e do conhecimento do território que me comecei a interessar pela materialidade das coisas mais do que do processo temporal dessas coisas. E com amigos e colegas que eu fui encontrando fui fazendo esse percurso. Devo dizer que ainda hoje mantenho uma parte disso que tem a ver com o território e a paisagem.

No princípio misturava um pouco o património natural com as práticas sociais ligadas às construções da paisagem, e foi progressivamente por aí que eu me fui aproximando do património, ou seja, da necessidade de compreender a alteração dos espaços em termos de história. Eu lembro-me que a primeira vez que fiz uma comunicação sobre paisagem estávamos em 1983. Ao princípio, com os colegas de outras áreas, tentava arranjar métodos de análise da paisagem (…) que tinham a ver com a utilização as ciências exactas, as ciências duras no estudo da Paisagem, e portanto fazia estudos sobre cálculo de probabilidades, de ocorrências na Paisagem. Pouco a pouco, fui abandonando essas preocupações das ciências duras e fui-me ligando mais aos aspectos das práticas sociais e dos valores patrimoniais que tinham a ver com essa construção das paisagens.

E é curioso porque lembro-me perfeitamente, por volta dos anos 88-89, sentir a necessidade de perguntar a mim próprio porque é que não havia um curso de património em Portugal. E naquela altura, porque desempenhava funções de coordenação na Universidade de Évora fiz um projecto de licenciatura de património cultural, que eu julgo que foi o primeiro em Portugal. (…) Era um curso bastante eclético. Além do conhecimento do património, o curso tinha duas ou três componentes que eram essas sim completamente novas: uma era que as pessoas tinham de ter formação mínima em economia. Foi o primeiro protesto que tive (porque fui o primeiro director do curso) e o protesto era que os estudantes não queriam saber de questões de economia, como ler um balancete ou como fazer um orçamento. E foi a primeira coisa que, depois de eu sair, removeram do curso. A segunda tinha a ver com materiais, ou seja havia unidades curriculares como agora lhes chamam, fornecidas, por exemplo, pela arquitectura sobre materiais de construção, materiais que interessavam para o conhecimento do património, estávamos por volta dos anos 1990-1991. Mais tarde, até porque colaborei em muitos projectos europeus ligados ao património, comecei a estruturar melhor a forma como via estes problemas.

Lembro-me também que à medida que fui lidando e tinha projectos nestas áreas, fui bater na museologia sem querer. Porque naquela altura o país era mais encravado, cada região estava mais encravada, e éramos muitas vezes suscitados para saber o que fazer àquele património. E, pouco a pouco, o que íamos deparando era o que fazer a colecções, seja lá do que fosse; tivemos das propostas mais bizarras que se pode imaginar, das colecções mais estranhas que se pode pensar, mas o nosso desafio era sempre – “o que fazer àquilo?” Dou dois ou três exemplos.

Por exemplo, lembro-me perfeitamente, era director do departamento [de História] e virem algumas pessoas ter comigo a dizer que tinham o espólio do Mário de Sá, um historiador, um poeta, um escritor que escreveu sobre as grandes vias da Lusitânia[3] – e quererem saber o que fazer com o material. Portanto, nós éramos suscitados para esse género de desafios. E, pouco a pouco, e quase sem querer acabei por estar ligado a esses museus e projectos.

E também ligado a uma outra ideia que eu acho fundamental demarcar, já que estamos aqui na Gulbenkian a fazer esta entrevista. Naquela altura era meu colega na Universidade o Arquitecto [Gonçalo] Ribeiro Telles que tinha uma ideia, que é demais conhecida, de que havia futuro para o Portugal também no interior e o desenvolvimento sustentado, para o alcançar, era algo muito relevante. E isso também tem a ver com esse fenómeno de, digamos assim, lutar por propostas que tinham na base propostas culturais, mas que tivessem futuro também para as comunidades do interior. E foi assim um pouco também que fui, passe a expressão, militando nesse domínio.

Depois acabei por me ligar à cidade romana da Ammaia [Marvão], onde já estávamos a falar de outra escala, de materiais, de colecções, de projecto, o que me ocupou nos últimos dez anos e que não me deixou perder de vista o que fazer a este género de problemas. E depois tive consciência ainda de outra coisa. Como estive ligado à organização da Expo 98 e era uma das pessoas responsáveis pela formação de funcionários percebi que faltava imensa formação especializada nessas áreas em Portugal. Vem daqui a primeira proposta de Évora de um curso de museologia, que foi construída em 1996, sendo depois aprovada um pouco mais tarde.

E foi mais ou menos isto em resumo o meu percurso, que misturou ao mesmo tempo o percurso de investigador, historiador e até de coordenação institucional.

AC – E o mestrado Erasmus Mundus [TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria)]?

FTB – O Erasmus Mundus é um salto diferente. Este Erasmus Mundus é um mestrado que nós temos a meias com a Universidade de Pádua e com Universidade de Paris 1 Sorbonne Pantheon. Nós percebemos que os problemas que Portugal tinha – e tem – são muito parecidos aos problemas da maior parte dos países do mundo. Há especificidades, mas (…) a formação tem um sentido universal e é por isto que a formação em museologia e o património tem este sentido universal, porque os problemas são semelhantes em todo o lado.

AC – Qual o balanço que faz desta última década de formação em museologia?

FTB – O balanço nem sempre é simpático para toda a gente e para todas as instituições. Em primeiro lugar há os aspectos práticos que eu chamaria da oferta de formação. Quando isto começou, portanto há quase vinte anos, todos quiseram reproduzir a oferta porque havia muitos estudantes, e num país como Portugal o resultado é que se “matam” uns aos outros. Do meu ponto de vista, enquanto olharmos só para o que se passa em Portugal não tem sentido haver uma oferta formativa em museologia em cada universidade e politécnico. E o resultado é que acabamos autenticamente por “matar” não só a própria oferta formativa como, pior, prejudicamos fortemente a investigação que lhe está associada.

Hoje em dia, o que é para mim completamente claro é que as propostas de oferta formativa deviam ter parcerias das universidades portuguesas, tinham que ser mais racionalizadas desse ponto de vista, e ter outra coisa essencial, ou seja, projectos e linhas de investigação associados. Era a única forma de sustentarmos isto a mais longo prazo. E desde que obviamente fizéssemos uma coisa prévia que era articular essa formação. E hoje em dia, vale até a pena perceber que a primeira leva de professores de museologia que se vai reformando, temos imensa dificuldade em estruturar essas competências nos quadros das universidades e passamos a fazer quase o que verdadeiramente é uma espécie de outsourcing de professores. Porque do meu ponto de vista falta ligar a formação da museologia à investigação, a linhas de investigação que sejam claras e que estejam sediadas em centros de investigação. E esta falta de ligação tem desarticulado imenso a formação em museologia.

Para todos efeitos, acho que o trabalho que se fez é, mesmo assim, muitíssimo positivo. Há teses que são referências e só tenho pena que o mecanismo da circulação das teses entre as universidades não seja bem mais conhecido, porque podia ser um factor até de homogeneização. Vale a pena perceber que não é muito difícil organizar as linhas de investigação, o problema é que as pessoas, muitas vezes, não sabem o que os outros andam a fazer nas outras universidades. E a prova de que estamos a fazer coisas muito semelhantes é no resultado prático das teses que se fizeram.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia?

FTB – Em Portugal podemos considerá-la razoável. Mas se fossemos avaliá-la por critérios internacionais, diria que é muito fraquinha.

AC – Isso deve-se a quê, na sua opinião?

FTB – Isto passa-se não só na museologia, mas em quase todas as áreas, temos fracos níveis de internacionalização. O que eu estou a dizer são coisas simples de comprovar que é – quantos projectos somos líderes na área da museologia? Quantos artigos é que estão escritos por portugueses, em comparação com os outros, nas revistas da especialidade? É baixíssimo o número. E portanto, desse ponto de vista, a percepção que eu tenho é que não se fizeram, afinal, assim tantas teses. Há algumas coisas evidentemente interessantes, mas os nossos níveis de internacionalização não são muito grandes, nem de perto nem de longe (…). Faltam linhas de investigação, como disse, e isso é fundamental para dar consistência ao trabalho.

AC – Mas não faltará também pensamento crítico?

FTB – Em Portugal temos vários tipos de problemas, que é uma espécie de um atavismo nas áreas das ciências sociais e humanas. Nós levamos a apreciação crítica quase como uma ofensa e, portanto, temos pouco esse hábito. Depois, também é verdade que não há tantas revistas assim e não há tantos espaços onde se possa expressar a crítica de uma forma normal, regular, o que também condiciona imenso a possibilidade de o fazer. E depois como o nosso meio livreiro também não é muito grande e não é muito rico para permitir a publicação e também não o fazemos nas revistas internacionais, ou fazemos muito pouco, essa é uma limitação.

AC – Acha que o pensamento crítico pode ser ensinado, pensando nos currículos da museologia, se pode haver do ponto de vista da formação esse estímulo, esse olhar crítico sobre as coisas?

FTB – O olhar crítico é um ambiente que se cria, que se treina, que se induz e que se incentiva as pessoas a praticá-lo. Ou seja, nós não o temos de uma maneira geral em Portugal, mas não é só aqui nesta área é em quase todas, esse espírito crítico e incentivamos pouco. É uma atitude!

 AC – Falando um pouco da crise, e desta nova conjuntura de restrição orçamental tem obrigado a reestruturar os cursos e à sua transformação. Como é que este processo se tem passado na Universidade de Évora?

FTB – Eu não acho que na Universidade de Évora se tenha passado muito diferente, julgo eu, das outras. Uma das coisas que são dramáticas em Portugal, do meu ponto de vista, é esta permanente tendência a estarmos a mudar todos os anos a oferta formativa. Isto cria uma instabilidade nas instituições absolutamente demolidora. Eu sou professor há mais de trinta anos e eu acho que não me lembro de três anos seguidos sem uma reforma e, portanto, este estado de coisas não deixa criar práticas normais de trabalho. Eu percebo que a oferta formativa pode, num ano, não ter alunos e mude, isso com a demografia portuguesa é natural acontecer. Mas eu não percebo é esta tendência suicidária para todos os anos abrirmos novos cursos. Isto não devia poder ser assim. Isto é um aspecto que não é de agora, é um aspecto de já vem de há muitos anos. Este é o primeiro aspecto.

O segundo aspecto é que a proposta que nos fazem é que a crise é também um motivo de arranjar oportunidades. Esse é um discurso retórico que não conduz a nada e para isso poder ser verdade era preciso fazer uma outra coisa que era as universidades passarem a ter objectivos bem claros sobre aquilo que pretendem alcançar, coisa que não parece assim tão evidente nos dias de hoje. Sobretudo porque andamos a lutar todos os dias pela sobrevivência em vez de pensarmos o problema de saber o que queremos e vamos fazer. Sobre isto diria ainda duas ou três coisas.

Em primeiro lugar, temos de racionalizar a oferta que fazemos por cá, mas não podemos permanentemente matar os cursos e a alterá-los e a arranjá-los com novos nomes porque isso cria instabilidade. Em segundo lugar, a oferta formativa também tem que ser o resultado do trabalho que já existe. Ou seja, essa oferta que se vai criando tem que ter alguma correlação com a investigação e o trabalho que se faz. Em terceiro lugar, nós, pensando na nossa língua somos capazes de definir um projecto num papel, mas temos pouco sentido prático, – por exemplo: a quem é que nos estamos a dirigir para ter como alunos? E depois não somos capazes de integrar e ligar a oferta da universidade com os problemas da formação profissional. Ou seja, enquanto nós aceitarmos a lógica de separamos o sistema profissional do sistema universitário vamos continuar a ter um problema porque conhecemos mal, passe a expressão, os nossos clientes. E nós tínhamos de pensar o problema de uma maneira um pouco diferente, do meu ponto de vista.

Por outro lado, estamos a usar pouco, em Portugal e de uma maneira geral na Europa, os meios de comunicação (internet) que têm um impacto enorme e podíamos fazer coisas mais interessantes com toda a gente que está interessada em aprender ou que fala português, que é muito mais do que os PALOP. E desse ponto de vista a nossa oferta formativa está muito mal pensada e praticamente não existe. As Universidades precisam de definir melhor os objectivos a que se propõem e os alvos que querem atingir. Esse trabalho ainda está muito no início.

AC – A articulação das universidades com as lógicas do mercado também pode ser perigosa, ou não?

FTB – A maior parte do discurso e da narrativa oficial é a de que a Universidade deve colocar-se por baixo do mercado e, portanto, a Universidade formaria consonante o mercado pede. E não pode ser assim como é lógico; porque então as experiências das grandes universidades que são referência não é assim que funcionam, porque a própria universidade, a riqueza e a criatividade de cada universidade também ela própria incentiva o mercado.

Nós temos em Portugal um problema concreto que é o problema da nossa estrutura demográfica. Ou arranjamos uma alternativa de políticas de incentivo ao crescimento populacional, e não é isso que vai acontecer, o que estamos a ver é que vai diminuindo a nossa base demográfica, o seja, o número dos nossos clientes. Eles vão diminuindo e nós estamos a dar-lhes uma formação como se estivéssemos nos anos oitenta e não estamos. Isto significa que nós tínhamos que ter algum conhecimento daquilo que se passa e das nossas capacidades e competências, porque nós temos muitas competências instaladas nestas áreas, estamos a usá-las é provavelmente mal, estamos a deixá-las diminuir e a deixá-las desarticularem-se.

Deste ponto de vista as universidades, isto não tem só a ver com uma universidade, precisavam de perceber melhor onde é que poderiam estar a fazer a sua oferta, que não é preciso ser nova, os objetivos que se propuseram há dez ou quinze anos e que continuam a ter sentido e que não devem ser desarticulados mas provavelmente não têm a mesma possibilidade em Portugal, mas que continuam a ser em algumas áreas de excelência. Por exemplo, nós temos competências instaladas na área do património, nos centros de investigação, na formação e nos seminários que nós temos, que é uma pena deixarmos desarticular. O que era preciso fazer era isto ser, passe a expressão, politicamente pensado, que tem sido pouco pensado nas universidades, assoberbados pelos problemas financeiros.

AC – Tem havido esse tempo para reflectir?

FTB – Não e esse é um problema sério. Embora eu não tenha dúvidas, e por aquilo que conheço que as competências significam: o número de investigadores, as linhas de investigação que existem nos centros, aí em termos comparativos e o que está publicado é relevante. Mas deixa de ter alguma unidade, por não ser pensado, mesmo dentro de cada instituição e as universidades transformam-se, assim, uma espécie de confederação de pessoas, de interesses e de unidades, sem ter objectivos políticos de política científica gerais, que sejam claros para todos. E isso era possível fazer, mas era preciso fazermos uma coisa a que não estamos habituados – termos debates com objectivo e aceitarmos sermos avaliados. Temos pouca prática de organizar debates com esse sentido prático.

AC – Pensando na evolução da museologia nas universidades e em linhas de investigação, e tendo em conta a Universidade de Évora, quais poderiam ser essas especialidades ou essas linhas de investigação. Qual poderá ser ao ponto forte da museologia na Universidade de Évora?

FTB – Falando agora só de Évora, gostava de, em primeiro lugar, por razões que depois têm a ver com percursos até individuais, as pessoas que lidam com o património estão ou estavam extraordinariamente pulverizadas em Évora. Eu diria que havia quatro ou cinco departamentos que lidavam com os problemas do património: a Arquitectura, a Arquitectura Paisagista, a História, as Artes. Depois acontece que havia uma espécie de unidade que era o resultado de gente oriunda de vários departamentos (químicas, geofísicas e tal) que também se juntaram num projecto interessante que se chama o Centro HÉRCULES [Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda] que procurava no fundo também aplicar as ciências duras aos estudos patrimoniais. Depois de tantos anos de erros e hesitações resolvemos, um grupo de professores e até da própria reitoria, tentar fazer uma outra coisa que é a de organizar um doutoramento em património.

Este projecto é um doutoramento que tem dois ou três aspectos relevantes. Primeiro, porque junta gente de todos os departamentos onde havia estudos do património. Depois porque junta unidades de investigação, junta o centro de História da Arte [CHAIA], junta o HERCULES, junta o CIDEHUS [Centro Interdisciplinar de História, Sociedades e Culturas], depois porque junta ainda outras instituições que farão parte da rede no projecto final. E junta projectos, como é o caso da cátedra UNESCO. E portanto, pela primeira vez, em torno desta ideia de património, e lá dentro está a museologia, seremos capazes de organizar não só um projecto doutoral ligado ao património, mas também linhas de investigação em que todos reconhecemos o nosso trabalho o que não deixa de ser raro e curioso.

AC – A Universidade de Évora conseguiu ver aprovada uma cátedra em património. Quer explicar de que se trata?1

Em Agosto de 2012, depois de um longo processo, a Universidade de Évora viu aprovada uma Cátedra UNESCO da qual eu sou o responsável. O “Agreement” final, ou seja, o compromisso da Universidade só foi ratificado no mês de Fevereiro, pelo que a Chair UNESCO só iniciará em Março a sua actividade, a qual será devidamente publicitada. Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente[4].

AC – Voltando à questão duma postura mais crítica sobre o que se está a passar nas instituições, nomeadamente nos museus, esta crise tem obrigado a reestruturações rápidas e a verdade é que se nota um silêncio, tanto da parte dos profissionais como da parte das universidades, salvo alguns espaços de debate.

FTB. – Medo, medo de perder o emprego.

AC – Mas este silêncio também se sente da parte das universidades.

FTB – Claro que sim. Há vários problemas aí. Primeiro, para todos os efeitos as universidades estão muito viradas de costas para os museus, é uma realidade. Há sempre casos excepcionais, mas de uma maneira geral não é uma relação tão próxima como devia. Em segundo lugar, nós estamos numa fase muito difícil porque as pessoas, por um lado, têm medo de perder os lugares, o que faz as pessoas retraírem-se. Depois, há um lado prático que tem a ver com a luta pela sobrevivência de cada instituição, que ganha uma dimensão que não deixa de ser um pouco patológica que é julgar pode sobreviver sozinha – e não pode.

Há uma outra ideia que tem a ver com os governantes que julgo que nunca fizeram as contas, embora haja estudos sobre o que representa a economia ligada à cultura[5] e que é muito maior do que as pessoas julgam. E como nestas coisas já não se fazem tantas contas as pessoas acabam por ter esses reflexos defensivos de se isolarem mais, que é um grande erro. Seja como for, acho que vale a pena lembrar duas ou três coisas.

Hoje em dia fala-se muito de turismo, pois o turismo é um sector que podemos desenvolver; mas o turismo é saber como é que eu me desloco, onde é que eu fico e o que é que eu vou fazer. E “o que eu vou fazer” era onde nós devíamos estar preocupados, e curiosamente, os nossos governantes pensam pouco nesse problema; fica tudo uma coisa nebulosa porque depois as políticas práticas para saber o que é que eu vou ver enquanto cá estou estão pouco pensadas. (…) E para todos os efeitos, julgo que a nível local estas questões são muito mais bem pensadas, mais discutidas, melhor, curiosamente, do que a nível central.

As universidades, infelizmente, estão muito afastadas destes debates e as instituições, com receio destes cortes, definem só políticas de sobrevivência. Eu não tenho soluções (…), mas reconheço que agora é que era uma boa altura pelo menos para saber quais são as alternativas e como nos organizarmos. E nós precisávamos de fazer isso, não era só fazer mais uma exposição, era agora fazer mais um debate sobre aquilo que nós queremos destes sectores ligados à cultura e à economia da cultura.

AC – Na sua opinião, como é que a desarticulação entre museus e as universidades podia ser ultrapassada?

FTB – Eu não percebo como é que é que a maior parte das pessoas que estão à frente dos museus, os grandes museus pelo menos, que são pessoas com boas qualificações académicas têm poucas ligações à investigação e ficam acantonadas nos problemas de gestão, que reconheço que são grandes. Por outro lado, as universidades afastam-se completamente também dessas instituições e têm esse problema e perdem de vista os problemas práticos.

E falta nitidamente construir as pontes necessárias para que esses interesses mútuos possam ser articulados. Mas não é possível uma pessoa como um director de um museu ou um professor de um centro que publica umas coisas de vez em quando, simplesmente dizer que se vão juntar. Isto não funciona assim. As políticas de aproximação significa primeiro debater os problemas, fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam os mesmos interesses e que as soluções têm vantagens para todos. Não sei muito bem quem é que tem competências para fazer isto, mas, como cidadãos, temos do dever de, todos, o fazer, sendo certo que as grandes instituições tem mais facilidade de promover estes debates, tanto as instituições científicas como museológicas. Mas era necessário encontrar esses fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam como os interesses são comuns, ou mesmo complementares.

AC – Pensando também na sua experiência com os museus que já referiu, e voltando a pensar na crise e nestas reformulações quais é que devem ser as áreas-chave ou as prioridades dos museus nos próximos anos?

FTB – Durante muitos anos estive ligado a um projecto que tinha um museu lá dentro, a Ammaia, ao pé de Marvão. Era um museu que tinha tudo o que era normal num museu, mas o nosso problema tinha a ver com várias competências …, porque isto é um bocado diferente de quando falamos de grandes unidades museológicas…

Mergulhados no trabalho de investigação, no trabalho de terreno, no trabalho de projecto, conhecemos mal os públicos a que nos temos de dirigir. A maior parte dos museus têm projectos museológicos que podiam ser muitíssimo melhorados e precisavam dessa colaboração. Por vezes não é só um problema de dinheiro é mesmo um problema de cooperação e colaboração entre instituições universitárias e museus. Nós, muitas vezes, estamos a estruturar informação que está mal organizada, que podia ser muitíssimo melhorada. E, portanto, há aqui um trabalho que, por um lado, tem a ver com melhorar as condições daquilo que estamos a fazer, não é só da oferta mas daquilo que estamos a fazer nos museus, e as universidades deviam até associar-se a essas unidades museológicas.

Por outro lado, nós temos que pensar que era muito importante conhecermos o trabalho o que se faz em museus por esse mundo fora, porque as alternativas podem ser muitíssimo interessantes e nós conhecemos mal. (…) Era importante conhecer os estudos de caso interessantes para, muitas vezes, replicarmos, porque a roda já está descoberta. Nós desse ponto de vista temos, só para dar um exemplo, quantas pessoas do design, quantas pessoas dos audiovisuais hoje estão ligadas a museus? Que eu saiba poucas. Poucas universidades têm estas ligações estruturadas e organizadas e há um mundo enorme aí de colaboração a fazer.

Ou seja, o que eu quero no fundo dizer é que a crise está a criar hoje um ambiente perigosíssimo que é empurrar os museus para se acantonar tentar sobreviver sozinho. E por isso muitas vezes, estes fóruns onde nós nos devíamos encontramos têm muita importância. A crise tem esta consequência terrível que é faz-nos isolar e por isso é que as pessoas que estão responsáveis devem tentar criar essas pontes para contrariar esse movimento de isolamento que sem querer as instituições têm.

AC – Por outro lado, nós temos práticas de avaliar os projectos, avaliar o que se faz nos museus?

FTB – Nós não fazemos avaliação. Ninguém quer ser avaliado. Dito de outro modo, há instituições, é o caso dos centros de investigação que nos últimos dez anos têm sido avaliados, temos um critério para medir a qualidade do nosso trabalho. Mas a maior parte das instituições e do trabalho a nível individual não é avaliado e é terrível porque nós podíamos estabelecer grelhas de avaliação entre os agentes que podiam servir para muitas coisas, inclusive para saber onde é que temos que mudar e onde é que temos que melhorar. Mas, de uma maneira geral, fugimos imenso à avaliação. E os museus precisam urgentemente também disso.

AC – Considerando o panorama museológico português e a escala do país. É um panorama sustentável? Podem todos os museus sobreviver à crise?

FTB – Quando Berlim foi unificado eles apostaram em fazer qualquer coisa. Hoje em dia uma pessoa vai a Berlim fazer o quê? Vai a Berlim pela cultura, ver os cerca de 200 museus que lá se exibem, os espetáculos fabulosos que lá existem, a arquitectura deslumbrante que lá há…E aquilo tornou-se sustentável e isto tem a ver com o que nós falámos há bocado. E eu, ao contrário, não estou nada contra nascerem mais museus. É preciso algum cuidado, alguns são projectos loucos, eu sei, muitas vezes são semi-projectos mal pensados, mas curiosamente aqui é que está o grande papel das instituições que têm melhores condições e das universidades. O que era preciso era ajudar a pensar estes projectos, o que fazer a esta oferta, como a consolidar e articular.

Eu acho que há uma coisa que os museus têm e que é fundamental manter. Os museus não são só repositórios de memória. Os museus têm um outro lado que é fundamental, são nós de coesão social. E este papel não nos podemos dar ao luxo de perder. Mas o país também não se pode dar ao luxo de não ter isto pensado de uma forma mais consistente e mais global. Há em Portugal um enorme potencial no domínio da cultura que devemos aproveitar e que devia ser consistentemente desenvolvido, porque é um sector da economia do país fundamental. E, portanto, deste ponto de vista não sou nada favorável a fechar museus, pelo contrário. Sobretudo com estas crises em que tendemos a diluir os nossos referenciais, eu acho fundamental manter esses referenciais de coesão.

E também não deixa de ser interessante o seguinte. Em Portugal há iniciativas por todo o lado que têm na base elementos culturais, chamemos-lhe assim para facilitar (e que não é completamente visível nos órgãos de comunicação), e que são movimentos em torno dos quais as comunidades estão disponíveis para se organizar. Isto poderá ter também a ver com a crise, que tende a diluir fenómenos de um individualismo exacerbado que existiam, e, portanto, digamos, o retorno à comunidade começa a ter algum sentido. Seja como for, aquilo que eu vejo é uma disponibilidade enorme das pessoas para este género de trabalho e isto é verdade nos museus e de uma maneira geral na cultura. Eu acharia lamentável estar a cortar este movimento que é extremamente criativo.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Eu não ponho o problema assim. (…) Uma coisa são os museus que nascem porque há políticas a nível de governo ou a nível de serviços, etc. que tem inscrito nos programas fazer um museu da língua ou de qualquer coisa… Eu acho que esses museus têm objectivos e motivações diferentes. Mas nunca são de menos os outros que se vão criando, e que nascem de movimentos maiores ou mais pequenos, de grupos de pessoas que sentem a vontade de os criar. Se depois é boa ideia ou não, se depois há condições para os criarem ou não é, se depois é melhor eles associarem-se a outro que já existe, esse é outro problema. Eu acho é que sempre falta mais um, no sentido em que estes movimentos são expressões de grupos e de dinâmicas sociais, muitas delas podem ter interesse outras terão menos interesse, mas isso não me cabe a mim avaliar.

O que eu acho interessante é sermos capazes de não só promover estas dinâmicas sociais, mas depois perceber também que elas são expressões dessa necessidade do movimento cultural que existe e não o matarmos porque achamos que este museu não interessaria e outro talvez seja melhor. Mais uma vez, volto à questão dos fóruns. Os fóruns são sítios óptimos onde validamos essas coisas, científica mas também socialmente. (…) Não sou capaz de lhe dizer qual o museu que falta, mas falta sempre mais um.

AC – Obrigada.


[1] Filipe Themudo Barata é professor e investigador nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus. É actualmente o coordenador da cátedra da UNESCO de Património Imaterial (“Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage”) na Universidade de Évora e membro do conselho científico e pedagógico do mestrado internacional TPTI – Techniques, Patrimoines et Territoires de l’Industrie (interuniversitário). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks (Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui. Email: ftbarata@uevora.pt.

[2] Tratou-se de uma visita de estudo dos alunos e professores do mestrado de museologia da Universidade de Évora que se inseriu numa viagem organizada pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) à ilha de museus de Berlim. Sobre esta visita pode consultar-se: Teixeira, Madalena Brás (2005). Reflexões a propósito da visita de Estudo da APOM a Berlim. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus. 16. p. 27-29. Disponível: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n16.pdf

[3] Em 1995 o espólio de Mário Sá foi organizado sob a forma de uma fundação – a Fundação Arquivo Paes Teles (Ervedal, Avis). Sobre o percurso Mário Sá consulte-se: Pereira, Elisabete (2010). Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX. Dissertação de mestrado, Universidade de Évora (veja-se o resumo aqui: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3302).

[4] A equipa que constitui a Cátedra foi recentemente constituída oficialmente (Despacho n.º 29/2013, de 22 de Fevereiro) no seio da Universidade de Évora (Departamento de História/CIDEHUS): Filipe Themudo Barata (chairholder), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS). Para mais informações veja notícia publicada pela Universidade de Évora aqui e a notícia divulgada também no site da UNESCO aqui.

[5] Referência ao seguinte estudo: Mateus, Augusto. 2010. O sector cultural e criativo em Portugal: estudo para o Ministério da Cultura (Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais) – relatório final. Lisboa. (disponível na íntegra aqui: http://www.mincultura.gov.pt/SiteCollectionDocuments/Imprensa/SCC.pdf)

 

  1. Esta questão foi colocada após a realização da entrevista e respondida por escrito. []

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []