Arquivo de etiquetas: Património Cultural

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

“Usos da Memória e Práticas do Património”, coord. Paula Godinho

 (Fonte: imagem retirada do site Edições Colibri)

O título deste livro é sugestivo e apetecível numa época em que a reflexão sobre a memória no mundo dos museus tem um interesse renovado (ou simplesmente está na moda?). Como advertiu Isabel Victor na sua comunicação “Experiências e metodologias participativas na área da museologia” (27/10/2012), é importante reflectir criticamente sobre os usos da memória nos museus, sobre as suas fronteiras, sobre os perigos de um “novo voyerismo”, do “novo exótico”, ou da teatralização/espectacularização da memória. Este livro poderá dar pistas sobre estas questões e esclarecer de forma crítica sobre estes processos, como sublinhou Victor.

O livro é uma colectânea de artigos de vários autores coordenado por Paula Godinho. A apresentação do livro será amanhã, 30 de Outubro (terça-feira), pelas 18h00, na aprazível Livraria Ler Devagar (Lx Factory, Lisboa). A apresentação cabe a Isabel Victor* (Museus de Setúbal).

Mais informação:

Sinopse: [Esta obra reflecte] contribuições centradas no conhecimento dos usos da memória e das práticas do património por parte de cientistas sociais de várias proveniências disciplinares. Este vasto campo de estudos requer uma abordagem teórico-metodológica que hibridize várias disciplinas, com um panorama da construção social da rememoração, das memórias colectivas, bem como dos formatos inerentes aos fenómenos de emblematização, patrimonialização e mercantilização. Como vários dos textos demonstram, as memórias têm classe, têm género, variam conjunturalmente e em escalas diversas – grupal, comunal, regional, nacional. (…) [A] privatização de memórias conduz a uma erosão da sua capacidade social, apartando a possibilidade de ligar o passado e o presente como sucede com a memória dos grupos subalternos, desvalorizados, vencidos.

Sobre Paula Godinho:

Paula Godinho é antropóloga, professora no Departamento de Antropologia da FCSH/UNL e investigadora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT-FCSH/UNL). Realizou trabalho de campo em Trás-os-Montes e no centro-sul de Portugal, na fronteira e na Galiza, ao longo de vários anos. Publicou vários livros: Memórias da Resistência Rural no Sul (Couço, 1958-1962), Oeiras, Celta, 2001; O leito e as margens – Estratégias familiares de renovação e situações liminares no Alto Trás-os-Montes raiano, Lisboa, Colibri, 2006; Festas de Inverno no Nordeste de Portugal – património, mercantilização e aporias da «cultura popular», Castro Verde, 100Luz, 2010; «Oír o galo cantar duas veces» -Identificacións locais, culturas das marxes e construción de nacións na fronteira entre Portugal e Galicia, Ourense, Imprenta da Deputación, 2011. Organizou e co-organizou diversas obras: Máscaras, mistérios e segredos, Lisboa, Colibri, 2012; com António Monteiro Cardoso, Gente Comum – Uma história na PIDE, de Aurora Rodrigues, Castro Verde, 100Luz, 2011; com Susana Pereira Bastos e Inês Fonseca, Jorge Crespo, Estudos em homenagem, s/l, 100Luz, 2009; com Heriberto Cairo Carou e Xerardo Pereiro, ed. Portugal e Espanha – Entre discursos de centro e práticas da fronteira, Lisboa, Colibri. 2009; com Dulce Freire e Inês Fonseca, Mundo Rural – Transformação e Resistência na Península Ibérica (séc. XX), Lisboa, Colibri, 2004; com a Associación Amigos da Republica, O Cambedo da Raia. 1946. Solidariedade galego-portuguesa silenciada, Ourense, Associación Amigos da Republica, 2004. Recebeu o prémio Xesús Taboada Chivite em 2008 (Galiza, Espanha).

*Sobre Isabel Victor:

Socióloga. Museóloga (Museu do Trabalho Michel Giacometti/Divisão de Museus da CMS). Membro do Centro de Estudos de Sociomuseologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Docente no mestrado em Museologia na ULHT (Lisboa). Doutoranda em Museologia, “Um sistema de Gestão da Qualidade para Museus. Sustentabilidade, inclusão, participação, impacto na Sociedade”. (Fonte: museologia.porto). Entre 2010 e 2012, Isabel Victor coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM), tendo retornado recentemente ao trabalho nos museus de Setúbal.

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

Índice:

Uso da memória e práticas do património. Alguns trilhos e muitas perplexidades
Paula Godinho

A. Usos políticos da memória: caminhos e contextos

1. História Oral – caminhos, problemas e potencialidades
Miguel Cardina

2. Silêncios da História e usos da Memória: percursos e reflexões em torno de um trabalho de investigação sobre as memórias da guerra civil de Espanha
Dulce Simões

3. A memória coletiva como elemento sustentador da identidade. Repressom franquista e restauraçom da memória democrática na Galiza
Carlos Velasco

4. O Texto dos Silêncios – para um tratamento qualitativo do não-dito
Tiago Matos Silva

5. Arquivando memórias da «ciência colonial»: novas fontes, outra história
Cláudia Castelo

6. Memórias de um tempo denso – quatro investigações sobre o PREC
João Baía

B. Memórias dos trabalhos, dos fluxos e dos dias

7. Memória, identidade e género no seio de uma comunidade operária
Sónia Ferreira

8. O mistério da Estrada Nacional 11-1– ou de como as memórias têm classe e também têm género
Inês Fonseca

9. Memórias da Formação nos Primórdios da Escola do Magistério Primário de Faro
Aurízia Anica

10. Indagações sobre a saga do volfrâmio num concelho de Entre Douro e Vouga
José Miguel Leal da Silva

11. Memória dos Pescadores de Santo André: Xávega e Património
Dina Calado

12. Temporalités dans la migration: vivre, se souvenir et dire collectivement l’experience migratoire

Irène dos Santos
C. Património(s), materialidades e amenidades

13. Contextos da memória, lugares dessubstanciados e re-significação do passado: a fronteira como amenidade, insígnia e património
Paula Godinho

14. Apropriações das festas de Inverno em Trás-os-Montes
Savina Lafita e Amanda Guapo

15. «Bons sons» – comemorar um tempo, um lugar e uma memória
Sónia Costa

16. A patrimonialização do limpo e a memória do sujo: o destino dos antigos objectos de limpeza entre vivências, mercados e museus
Sara Di Chiazza

17. Memória – entre a realidade e a ficção – o caso de Mariana Monteiro e os folhetos de cordel
Filomena Sousa

 

(Fonte: Edições Colibri)

Lançamento de livros sobre património na Universidade de Évora

A conferência internacional Local Vocabularies of Heritage (8-10 Fev. 2012) que se realiza em Évora inlcui no dia 9 de Fevereiro uma sessão para lançamento de livros sobre património de alguns dos conferencistas que participam no evento.

A sessão é entre as 18h00 e as 19h00, sala 131, Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora. A entrada é livre.

Sobre os livros:

Bortolotto, Chiara (ed. com a colaboração de Sylvie Grenet e Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Este livro foi publicado em Novembro de 2011. É editado por Chiara Bortolotto e inclui diversas contribuições que reflectem sobre o que é o Património Cultural Imaterial, como se constrói e quais os efeitos dos processos de patrimonialização, atendendo aos objectivos da Convenção 2003. Os textos dão também conta das complexidades das problemáticas suscitadas com este enquadramento internacional: qual o papel dos investigadores na articulação da Convenção 2003 com as políticas nacionais?; que tipo de respostas e ajustes terão de ser feitos pelos estados e pelas comunidades na implementação da Convenção nos territórios?; como analisar a relação entre a noção de salvaguarda em confronto com as ambiguidades que implicam os inventários do Património Cultural Imaterial.
Pode encontrar o índice aqui.

Mais informações no site da editora:
http://www.editions-msh.fr/livre/?GCOI=27351100905770&fa=description

Hauser-Schäublin, Brigitta, ed. 2011. World Heritage Angkor and Beyond: Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia. Göttingen Studies in Cultural Property, volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

  O livro está disponível para download em pdf no site das publicações da Universidade de Göttingen (Alemanha) 

http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2011/GSCP2.pdf

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

É mais uma publicação da Universidade de Göttingen e está escrito em alemão. Está disponível em pdf:
http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2010/GSCP1.pdf

Carvalho, Ana,  2011Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS. ISBN 978-989-689-169-5.

Por fim, mas não menos importante, será lançado o livro do qual sou autora: Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas, que acaba de ser impresso pela Colibri. O livro é publicado através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

A todos os que permitiram a concretização deste projecto os meus profundos agradecimentos. Gostaria, no entanto, de fazer uma menção especial ao meu orientador Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, pois sem o seu incentivo nada disto seria possível.

O livro é o resultado de uma tese de mestrado apresentada em 2009 na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Museologia. Trata-se de uma reflexão em torno do enquadramento normativo da UNESCO, em particular a Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) e o papel dos museus nesta área. Os museus são um dos agentes intervenientes na definição de estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial e é a partir desta premissa que procuramos enquadrar as responsabilidades dos museus neste campo. Sublinham-se as problemáticas e os desafios implicados numa abordagem ao património, cada vez mais alargada, e que reclama, por sua vez, intervenções mais integradas, seja do ponto de vista dos parceiros envolvidos seja do ponto de vista da diversidade dos campos disciplinares envolvidos.

O livro está organizado em três capítulos. O primeiro capítulo estabelece como ponto de partida o enquadramento histórico e institucional que conduziu à Convenção 2003, analisando as principais iniciativas da UNESCO que, ao longo das últimas décadas, foram determinantes para se chegar ao discurso de salvaguarda patente no texto da Convenção 2003. A partir do enquadramento internacional do tema, o segundo capítulo dá enfoque ao contexto nacional, nomeadamente o quadro normativo e institucional e a sua articulação com políticas culturais direccionadas para a salvaguarda do PCI. O terceiro e último capítulo reflecte sobre o papel dos museus, situando as problemáticas e a complexidade de abordar o PCI de acordo com as recomendações da Convenção 2003, assim como as suas potencialidades. É também a partir das orientações do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que se posiciona favorável a um papel activo dos museus na salvaguarda do PCI, que são analisadas diversas formas de tratar o imaterial nos museus em função das actividades museológicas. Identificar, documentar, estudar, expor e interpretar, apresentar, transmitir, educar… são algumas das possibilidades de trabalho. O papel da história oral, das novas tecnologias são aspectos igualmente tratados no livro, que se entende como um ponto de partida para a reflexão e definição de estratégias de salvaguarda.

O livro inclui ainda um prefácio da autoria do Prof. Doutor João Carlos Brigola e um texto de apresentação assinado pelo orientador do estudo, o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata.

Nota: Para além do lançamento do livro no contexto específico desta conferência está também previsto um lançamento em Lisboa com data a anunciar oportunamente.

Programa da Sessão:

18:00-19:00 Sala 131 Books Launch
Chiara Bortolotto and Sylvie Grenet
Bortolotto, Chiara (ed. avec la collaboration de Sylvie Grenet et Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Stefan Groth
Hauser-Schäublin, Brigitta (ed.) 2011. World Heritage Angkor and Beyond Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia, Göttingen Studies in Cultural Property – Volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Ana Carvalho
Carvalho, Ana,  2012. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS.

 

* O livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial” tem o apoio do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)

 

 

 

Revista E-rph


©Lorena Querol

Gostaríamos de dar aqui a conhecer a Revista E-rph (Revista Electrónica de Património Historico), editada pelo Departamento de Historia del Arte da Universidad de Granada desde 2007.

Esta revista procura estudar e reflectir sobre o património numa perspectiva integradora e globalizante. O âmbito de estudo é o território espanhol, mas a revista também aceita contribuições de carácter internacional. Tem periodicidade semestral e está disponível na internet: http://www.revistadepatrimonio.es/

O n.º 5 da revista, publicado em Dezembro de 2009 apresenta um artigo de Lorena Querol, que aborda o tema do inventário do património cultural a partir de oito museus portugueses. O título do artigo é “Inventariando Patrimónios Culturales: ocho entrevistas en museos de Lisboa”/”Inventoryng cultural heritages: eigth interviews in Lisbon Museums”. O artigo pode ser consultado em:
http://www.revistadepatrimonio.es/

Segundo Lorena Querol “com este artigo saem a luz, por primeira vez, um conjunto de realidades relacionadas com esta função fundamental dos museus, com os seus actores sociais e com os desafios colocados pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), no contexto do panorama museológico português.”

Este artigo insere-se no contexto do projecto de investigação de doutoramento de Querol, cuja tese tem por título “El Patrimonio Cultural Imaterial y la Sociomuseologia: un estudio sobre inventários”. Assim, a autora apresenta e divulga os primeiros resultados do estudo sobre inventário de património cultural no âmbito de um dos capítulos da tese, que inclui os resultados das primeiras 8 entrevistas sobre inventário e também algumas das suas primeiras reflexões sobre o tema.

Resumen:

A partir del concepto de Patrimonio Cultural se abordan los distintos caracteres que poco a poco van dando forma a una relación cordial entre los aspectos materiales e inmateriales de la cultura. Se cuestiona además el sentido, lugar y razón de ser que tienen cuando miramos en dirección al futuro desde el museo y su papel educador. Tomando como elemento de análisis una práctica museológica como el inventario, nos adentramos en el compromiso asumido con la Convención para la Salvaguarda del Patrimonio Cultural Inmaterial para acercarnos a la realidad de su cumplimiento, presentando algunos de los primeros datos obtenidos en un estudio sobre métodos y técnicas de inventario realizado en ocho museos portugueses. La principal conclusión a la que se llega es que todavía falta mucho por hacer en este campo.

Abstract

Having in mind the concept of Cultural Heritage we address the different players that slowly shape a cordial relationship between material and immaterial aspects of culture. Moreover, we question their meaning, place and reason, when wandering about the future since the point of view of the museum and its educational role. Using museology analysis tools such as the inventory, we present some of the first data obtained by research over inventory methods and techniques in eight portuguese museums and thus fulfil the commitment made with the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage. The main conclusion to be drawn is that there is still an important work to be developed in this field.

Sobre a autora:
Licenciada en Bellas Artes y especializada en conservación y restauración de pintura por la Universidad Complutense de Madrid. Máster en Museología Social en la Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, con la tesis de postgrado “La función social del Patrimonio Marítimo portugués”.

Coordinadora del Departamento de Conservación de Patrimonio Cultural de la Santa Casa da Misericórdia de Sintra entre 1997 y 2007; colaboradora del Departamento de Patrimonio del Museu de Marinha de Lisboa entre 2001 y 2007 en calidad de conservadora y museóloga, habiendo creado y coordinado el Projecto de Conservação das Galeotas Reais entre otros.
Actualmente, docente responsable de las disciplinas de Patrimonio Cultural en el IADE, Creative University y en museos portugueses como el Museu da Presidência da República.
Simultaneamente ejerce la investigación en la Universidade Lusófona donde desarrolla su tesis doctoral en Museología sobre “El Patrimonio Cultural Inmaterial y la Sociomuseología: un estudio sobre inventarios” en el contexto de un proyecto europeo de desarrollo socio-cultural que responde al nombre de “Celebração da Cultura Costeira”. Sus publicaciones se encuadran fundamentalmente en el área de la Museología, centrándose en cuestiones como la organización, gestión y uso social de las colecciones museológicas, o en la relación entre el museo y el concepto contemporáneo de patrimonio cultural, desde la óptica de su construcción social.

Tese Mestrado "Os Museus e o Património Cultural Imaterial"

Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas
Autor: Ana Alexandra Rodrigues Carvalho
Orientador: Prof. Doutor Filipe Themudo Barata
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Mestre em Museologia
Ano: 2009. Tese defendida a 23 de Dezembro

Nota: O júri foi constituído pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola (Director do Mestrado) na qualidade de Presidente do júri. Foi arguente o Prof. Doutor Jorge de Freitas Branco (Director do Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos do ISCTE) e foi vogal o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, orientador da dissertação.

Resumo:

Tomando como referência fundamental o trabalho desenvolvido pela UNESCO em matéria de protecção do Património Cultural Imaterial (PCI), muito particularmente a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003), considerou-se oportuno reflectir sobre as implicações que este enfoque traz para os museus. São indiscutíveis as repercussões que este instrumento trouxe para o reconhecimento da importância do PCI à escala internacional, motivando um crescendo de iniciativas em torno da sua salvaguarda. São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, no entanto o International Council of Museums (ICOM) reconhece um papel central aos museus nesta matéria. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com o PCI, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material.

O presente estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade a este património. Em função das especificidades de cada museu, podem ser encontradas estratégias de salvaguarda do PCI, entre as quais se pode incluir o inventário e a documentação (audiovisual, texto, áudio, imagem), a investigação, a divulgação através de exposições e publicações, difusão através da internet, educação não formal, entre outras actividades. Alguns museus começaram já a desenvolver abordagens integradas para a salvaguarda do PCI, cujos exemplos se apresentam. Este tema suscita vários desafios, implicando práticas museológicas inovadoras que possam reflectir o papel dos museus como promotores da diversidade e criatividade cultural.

Palavras-chave: Museologia, Património Cultural Imaterial, Património Cultural, Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, Diversidade Cultural, UNESCO, ICOM.

——

Abstract:

Recalling the UNESCO’s work towards the protection of Intangible Cultural Heritage (ICH), in particular the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage adopted in 2003, I took this opportunity to reflect upon the implications that this recognition brings to museums. The overwhelming success of this document has raised the importance of ICH at international level, motivating a growing number of initiatives towards its safeguard. Accordingly to the 2003 Convention, there are many agents involved in the preservation of this heritage, yet the International Council of Museums (ICOM) recognises a central role for museums. Nevertheless, to face this challenge, museums will have to rethink their relationship with ICH in opposition to their deep rooted tradition in material culture.

The present study reflects upon the possibilities that museums have to answer the changeling 2003 Convention, recognizing that it’s possible through museum activities to find ways to study and give visibility to ICH. According to each museum specificities, it seams clear that strategies can be engaged in order to promote the safeguard of ICH, including inventory and documentation (audiovisual, audio, text and image), research, promotion through exhibitions, publications, dissemination trough internet and other means, informal education, among other activities. Many museums have already started exploring integrated approaches towards the safeguard of ICH and some of these examples are presented in this study. This theme is challenging, implying innovative museum practices which reflect on museums role towards the promotion of cultural diversity and creativity.

Keywords: Museum Studies, Intangible Cultural Heritage, Cultural Heritage, Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, Cultural Diversity, UNESCO, ICOM.

Colóquio: "Entre a História a Estética e a Técnica: Diálogos de Património Cultural, 18 Set. 2009

cartazcoloquiodialogos

No próximo dia 18 de Setembro tem lugar na Universidade de Évora (Palácio Vimioso) um colóquio subordinado ao tema: “Entre a História a Estética e a Técnica: Diálogos de Património Cultural”.

A organização deste colóquio cabe aos alunos do curso de Mestrado em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural (2008/2010) da Universidade de Évora.

Serão discutidos as várias dimensões do património cultural. Assim, as comunicações organizam-se em torno de cinco painéis distintos: Património Imaterial, Construído, Móvel, Arqueológico e Industrial.

A inscrição é gratuita mas é obrigatória.

Foi criado um blogue para divulgação do colóquio e onde poderã encontrar mais informação (ficha inscrição, programa, links de interesse, etc.): http://coloquiodpc.wordpress.com/

Conf: 200 anos de defesa do Património Cultural Português, 10 Fev. 09

icom_pt_conferencia_j_custodio_web1

No próximo dia 10 de Fevereiro, pelas 18h30, terá lugar uma conferência comemorativa dos 200 anos de defesa do Património Cultural. O evento decorrerá no auditório Manuel Valadares no Museu da Ciência da Universidade de Lisboa. Jorge Custódio será o conferencista.

Salão Internacional do Património Cultural, 6-9 Nov. 2008, Paris

Entre os próximos dias 6 e 9 de Novembro de 2008 irá ter lugar mais um salão international dedicado ao Património Cultural.

Local: Carrousel du Louvre, Paris

Mais informações:
http://www.patrimoineculturel.com/

Ouvert à tous les domaines de la vie patrimoniale, alliant culture et économie, le Salon International du Patrimoine Culturel est à la fois une vitrine des métiers d’excellence, des lieux et sites patrimoniaux. Il contribue au développement économique des entreprises.

Le Salon se fait depuis 1997 « l’avocat » des grandes causes patrimoniales. L’édition 2008 aborde une fois encore des sujets forts: Patrimoine et Mécénat, Patrimoine et Tourisme Culturel.

(in site http://www.patrimoineculturel.com/)

CONF: "A Arte Nova em Portugal", 30 e 31 Maio 2008

A Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves realiza, nos próximos dias 30 e 31 de Maio, um colóquio sobre o tema A Arte Nova em Portugal. Esta temática relaciona-se de perto com a Casa-Museu, já que o seu edifício, também conhecido como Casa Malhoa, é dos poucos sobreviventes da arquitectura Arte Nova lisboeta.

No atelier da Casa-Museu, especialistas de várias áreas juntam-se para abordar a Arte Nova aplicada em áreas tão distintas como a arquitectura, a azulejaria e o mobiliário, entre outros:

Raquel Henriques da Silva | FCSH-UNL: Desenho e cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro
Luísa Penalva | Museu Nacional de Arte Antiga: Ourivesaria e joalharia Arte Nova
Rui Afonso Santos | Museu do Chiado: Vidro e vitral
Ana Anjos Mântua | Museu Nacional do Azulejo: A azulejaria
António Miranda | CML: Serralharia Arte Nova
Pedro Bebiano Braga | CML: Mobiliário e decoração doméstica

A Arte Nova foi um novo estilo aplicado no design, na arquitectura e nas artes plásticas que vigorou na Europa e Américas entre finais do século XIX e a Iª Guerra Mundial.

Neste período, normalmente designado por Belle Époque, os objectos Arte Nova floresceram, valorizando o trabalho artesanal e materiais inesperados como o ferro e o vidro. Visualmente, predominam as formas curvas e assimétricas inspiradas na natureza, recusando historicismos e particularidades culturais nacionais.

Em Portugal, o gosto apela Arte Nova fez-se sentir, sobretudo no azulejo, na cerâmica, na ourivesaria, nos têxteis, no mobiliário, na serralharia, e também, em casos pontuais, na arquitectura.

Programa detalhado e ficha de inscrição disponível em: http://blogdacmag.blogspot.com

INSCRIÇÃO: €100 / € 90 (Amigos da CMAG)

Mais Informações:
José Alberto Ribeiro, Director CMAG
Tel. 91 401 9699
cmag.director@ipmuseus.pt

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

Jornadas da ARP, 30-31 Maio 2008

Nos dias 30 e 31 de Maio de 2008 irão ter lugar as primeiras jornadas da Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal (ARP), dedicadas ao tema “Investigações de Mestrados e Doutoramentos. O evento irá realizar-se no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga.

Organização: Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal

Coordenação: Alice Nogueira Alves; Joaquim Inácio Caetano; Vanessa Antunes

Objectivos: Promover a divulgação e conhecimento das investigações de mestrados e doutoramentos por parte de conservadores-restauradores sócios da ARP e contribuir para o desenvolvimento da profissão no nosso país.

Destinatários: Sócios da ARP, profissionais, estudantes e interessados nas áreas relacionadas com o Património Cultural, sua interpretação, recuperação, gestão e valorização: Conservação e Restauro, História, História da Arte, Museologia, Arqueologia, Arquitectura, Turismo Cultural, etc.

Inscrições gratuitas até 25 de Maio através do e-mail: jornadas08arp@gmail.com com as seguintes indicações: nome, profissão, morada, contactos, pretende ou não certificado de participação. O n.º de inscrições é limitado à capacidade do auditório.

PROGRAMA

30 MAIO | sexta-feira

9h30 › Entrega de documentação

10h00 › Sessão de Abertura:
Dr. Paulo Henriques – Director do Museu Nacional de Arte Antiga
Alexandrina Barreiro – Presidente da ARP

1.ª SESSÃO

Prof. Doutor António João Cruz
Instituto Politécnico de Tomar

10h30 › Prof. Doutor António João Cruz – Tema a designar
11h00 › Intervalo
11h30 › Tânia Costa
Síntese de pigmentos segundo os procedimentos descritos em antigos tratados de pintura e sua caracterização – mestranda em Química Aplicada ao Património Cultural, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

12h00 › José Mendes
A obra de Nuno Gonçalves – estudo técnico – doutorando em Conservação de Pintura na Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa.

12h30 › Debate

2.ª SESSÃO

Dr.ª Isabel Raposo de Magalhães
Subdirectora do IMC para a área da Conservação e Restauro

14h30 › Frederico Henriques
Fotogrametria aplicada à pintura de cavalete: o processo de monoscopia convergente – doutorando em Conservação de Pintura na Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa

15h00 › Daniela Coelho
O Mobiliário pintado em portugal de finais do século XVII e primeira metade do século XVIII: estudo dos materiais, técnicas e estados de conservação – doutoranda em Artes Decorativas na Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa

15h30 › Ana Fernandes
Estudo de uma tipologia de leques do século XIX – mestranda em Artes Decorativas na Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa

16h00 › Maria do Rosário Marcelino
Património etnográfico – um problema ético de conservação e restauro – mestranda em Conservação e Restauro, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa e Museu Nacional de Etnologia

16h30 › Debate

31 MAIO | sábado

3.ª SESSÃO

Professor José Aguiar
Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa

9h30 › José Aguiar e Milene Gil
A conservação da pintura mural nas fachadas alentejanas: estudo científico dos materiais e tecnologias antigas da cor – doutoranda em Teoria, História e Técnicas na Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa

10h00 › Rui Bordalo
Caracterização das alterações induzidas por radiação laser de ultravioleta em pigmentos – doutorando no Courtauld Institute of Art, University of London e Instituto de Soldadura e Qualidade

10h30 › Ricardo Triães
Caracterização composicional, tipológica e conservação de materiais cerâmicos da Província da Lusitânia – Materiais industriais – doutorando em Geociências, Universidade de Aveiro

11h00 › Intervalo

11h30 › Alexandra Antunes
Arquitecturas de veraneio no concelho de Oeiras (1880-1940): inventário, caracterização e estado de conservação – doutoranda em Arquitectura/Tecnologias, Universidade Lusíada

12h00 › Leonor Loureiro
European decorative and printing coated papers 1850-1975: their classification for conservation purposes – doutoranda em Paper Conservation no Camberwell College of Arts, University of the Arts London

12h30 › Debate

4.ª SESSÃO

Prof. Doutor Vítor Serrão
Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

14h30 › Alice Nogueira Alves
História e teoria – um caminho para a boa prática da Conservação e Restauro – doutoranda em Arte, Património e Teoria do Restauro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

15h00 › Conceição Casanova
Entre as teorias da Conservação e as teorias da profissionalização – Apontamentos para a caracterização da figura do conservador – restaurador na Europa do séc.XX – doutoranda em Teoria, História e Técnicas na Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa

15h30 › Joaquim Inácio Caetano
O tratamento das juntas dos paramentos arquitectónicos e a sua relação com a pintura a fresco do século XVI – doutorando em Arte, Património e Teoria do Restauro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

16h00 › Intervalo

16h15 › Vanessa Antunes
Técnicas e materiais de preparação na pintura portuguesa dos séculos XV e XVI – doutoranda em Arte, Património e Teoria do Restauro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Laboratório de Conservação e Restauro do Instituto dos Museus e da Conservação

16h45 › Elsa Murta
Da materialidade à estética: A talha na Capela de Santo Alberto – mestranda em Artes Decorativas na Escola das Artes, Universidade Católica Portuguesa

17h15 › Debate e encerramento

cartaz-conferencia-conservacao

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 18 de Abril de 2008

Cidade Romana de Ammaia
©Ana Carvalho, Fev. 2008

No próximo dia 18 de Abril de 2008 comemora-se mais um Dia Internacional dos Monumentos e Sítios. Este ano o tema escolhido é Religious heritage and sacred places/Património Religioso e Espaços Culturais.

Mais informações:

Programa divulgado pelo IGESPAR: http://18deabril.sapo.pt/

http://www.international.icomos.org/

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi criado, pelo ICOMOS (Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios), em 18 de Abril de 1982 e aprovado pela UNESCO no ano seguinte. A partir de então, esta data comemorativa tem vindo a oferecer a oportunidade de aumentar a consciência pública relativamente à diversidade do património e aos esforços necessários para o proteger e conservar, permitindo, ainda, sensibilizar para sua vulnerabilidade.

O ICOMOS elegeu como tema estruturante do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2008 o tópico “Património Religioso e Espaços Sagrados”, com o objectivo de contribuir para o reconhecimento, protecção e valorização dos edifícios e obras de arte religiosas, bem como de todos os espaços investidos de valor sagrado pelas respectivas comunidades humanas.

Considerando que a expressão cultural da religiosidade, enquanto dimensão humana universalmente presente, constitui um dos mais importantes componentes do património no mundo actual, e é uma das principais marcas da paisagem cultural portuguesa, propõe-se, no dia 18 de Abril de 2008, dedicar um olhar especial ao património religioso e aos espaços sagrados nas suas múltiplas dimensões – humana, social, cultural, simbólica e memorial.

O desafio multissecular das várias consciências religiosas, no espaço correspondente ao território português, desde os primitivos lugares sagrados da pré-história e do fundo religioso autóctone e romanizado, passando pelo diálogo com o islão e com o judaísmo, até ao cristianismo predominante, convergiram num encontro entre fés e culturas, formando uma sociedade plural, cuja linguagem se expressa no mosaico socio-cultural que constitui actualmente o nosso país e o nosso património.
O património religioso constitui, por isso, um bem cultural, social e espiritual que todos somos chamados a cuidar, a estudar e a usar, também como meio de divulgação e de conhecimento da história local e nacional. Por isso, só através de um diálogo consciente entre as instituições com responsabilidade nas políticas de salvaguarda, valorização, conservação e divulgação dos bens culturais, bem como através de um comprometimento da sociedade civil, se poderá obter a sustentabilidade do nosso património, e, neste caso, do nosso património religioso. É esta cooperação que o IGESPAR pretende incentivar na ocasião comemorativa do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2008, através do estabelecimento de pontes e diálogos com autoridades religiosas, municípios, universidades, escolas, associações, e outras entidades, públicas e privadas, que aceitem o desafio de desenvolver actividades e partilhar experiências que possam contribuir para a salvaguarda e valorização do Património Religioso e dos Espaços Sagrados.

(in site IGESPAR)

CONF: A Avaliação de Bens Culturais Móveis: Critérios e Metodologias Para Mais Eficiente Gestão de Risco

No próximo dia 8 de Abril terá lugar o seminário “A Avaliação de Bens Culturais Móveis: Critérios e Metodologias Para Mais Eficiente Gestão de Risco” na Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Anfiteatro Nobre).

Apresentação:

A avaliação de objectos, integrados ou não em colecções museológicas, é uma actividade essencial à gestão da sua aquisição/venda, documentação, fruição e preservação; tão essencial como complexa e, inúmeras vezes, penosa e erroneamente subjectiva.

O valor atribuído a um objecto ou a uma colecção tende a condicionar as estratégias a implementar para eliminação ou mitigação do risco de seu dano e/ou de sua perda. Inversamente, também estas estratégias interferem no valor dos objectos, reduzindo-o, mais ou menos drasticamente quão desajustadas e causadoras de qualquer tipo de dano, ou potenciando-o quando no sentido da sua adequada preservação, conservação e/ou restauro.

Num ambiente informal e de incentivo à animada participação dos presentes, pretendemos abordar critérios e metodologias de trabalho que agilizem e disciplinem a tarefa e conduzam a uma tomada de decisão sustentada e responsável.

Na expectativa de que a iniciativa suscite o vosso interesse, convidamos V. Ex.cia a divulgá-la e a nela participar activamente.

Público-alvo: Profissionais e estudantes das diferentes áreas do Património Cultural.

Organização:
Paula Menino Homem
Secção de Museologia
Departamento de Ciências e Técnicas do Património (DCTP)
Faculdade Letras da Universidade do Porto

Participação:
Miguel Cabral de Moncada
Cabral Moncada Leilões

Inscrição: O seminário é de entrada livre e gratuita.

Secretariado
Gabinete de Eventos, Comunicação e Imagem
Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Via Panorâmica, s/n
4150-564 Porto

Telefone: 226 077 123
Fax: 226 077 173
E-mail: geci@letras.up.pt

————–

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

II Seminário Internacional de Património Cultural, Tradições, Educação e Turismo, 31 Mar 2008

No próximo dia 31 de Março terá lugar o II Seminário Internacional de Património Cultural, Tradições, Educação e Turismo, no Palácio do Vimioso em Évora. Esta conferência insere-se no contexto de um conjunto alargado de conferências que decorrerão entre 26 de Março e 1 de Abril de 2008 entre a Extremadura e Portugal.

UNIVERSITY OF ÉVORA – 31 MARCH 2008
UNIVERSIDADE DE ÉVORA – 31 DE MARÇO DE 2008

Morning: Palácio do Vimioso, University of Évora – Room 205
Manhã: Palácio do Vimioso da Universidade de Évora – Sala 205
9.00 h – Reception of the participants
9.00 h – Recepção dos participantes
9.30 h – Opening Session
9.30 h – Sessão de Abertura
Conferences
Conferências

1st Session (10.00h/11.30h)
1ª Sessão (10.00h / 11.30h)

Filipe Themudo Barata – The legislation about World Heritage and the city of Evora
Filipe Themudo Barata – A legislação sobre Património Mundial e a cidade de Évora
Ana Cardoso de Matos e Maria Ana Bernardo – Évora, World Heritage: arguments of a candidature
Ana Cardoso de Matos e Maria Ana Bernardo – Évora, Património Mundial: argumentos de uma candidatura
Olga Magalhães e Antónia Fialho Conde – Educative approach of a monument: the aqueduct of Evora
Olga Magalhães e Antónia Fialho Conde – Abordagem educativa de um monumento: o aqueduto de Évora

Coffee-break

2nd Session (11.45h/13.15h)
2ª Sessão (11.45h / 13.15h)

Ângela Balça e Paulo Costa – Literary heritage of oral tradition – contribution to the promotion of a literary education
Ângela Balça e Paulo Costa – Património literário de tradição oral – contribuição para a promoção de uma educação literáriaEloy Martos Nuñez – Legends of Spain and of Portugal: aspects of history, culture, education and tourism
Eloy Martos Nuñez – Leyendas de España y de Portugal: aspectos de historia, cultura, educación y turismoMoisés Cayetano Rosado – The cultural heritage and the Line extremeño – alentejana
Moisés Cayetano Rosado – El patrimonio cultural y la Raya extremeño-alentejana13.30 – Lunch at Cozinha do Cardeal, Colégio do Espírito Santo
13.30 – Almoço na Cozinha do Cardeal, Colégio do Espírito Santo

Afternoon
Tarde

15.00-16.30 – Visit to the University of Évora
15.00 – 16.30 – Visita à Universidade
16.30 – 18.00 –Walk to the Town Hall, with stopping in the Foundation Eugénio de Almeida
16.30 – 18.00 – Percurso até aos Paços do Concelho, com paragem na Fundação Eugénio de Almeida
18.15 – Reception in Town Hall
18.15 – Recepção nos Paços do Concelho

Línguas do Seminário: Português, Inglês, Espanhol

Organização:
CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora

Comissão Organizadora na Universidade de Évora:
Antónia Fialho Conde, Departamento de História/CIDEHUS-UE
Ângela Balça, Departamento de Pedagogia e Educação/CIDEHUS-UE

CARTAZ: II Seminário Internacional de Património Cultural, Tradições, Educação e Turismo

Ficha Inscrição.pdf

CONF: Re-thinking the Role of Intangible Heritage in Museums, Monuments, Landscapes, and Living Communities

between_objects_and_ideas-ich.jpg

Between Objects and ideas – Re-thinking the Role of Intangible Heritage in Museums, Monuments, Landscapes, and Living Communities. Este é o título de um conjunto de conferências sobre Património Cultural Imaterial a ter lugar entre os dias 26 e 29 de Março em Ghent, na Bélgica.

Organização: Province of East-Flanders e Ename Center for Public Archaeology and Heritage Presentation.

Com a colaboração de: ICOMOS International Scientific Committee on Interpretation and Presentation (ICIP); ICOMOS International Scientific Committee on Intangible Cultural Heritage (ICICH); FARO, the Flemish Foundation for Cultural Heritage, and the French Ministry of Culture, Sous-direction Archéologie, Ethnologie, Inventaire et Systèmes d’Information (SDARCHETIS), Mission ethnologie; Gent Congres vzw.

Since the adoption by UNESCO of the 2003 Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, the public role of this major new aspect of heritage documentation, conservation, interpretation, and community involvement has been expanding, offering both challenges and opportunities to scholars and heritage professionals all over the world.

The 78 states-parties who have already ratified or accepted the Convention have initiated national inventories of Intangible Heritage, even as the precise definition, context, and administration procedures for its preservation are still being discussed.

The 4th Annual Ename Colloquium seeks to enrich this ongoing international discussion by presenting innovative contributions from heritage administrators, cultural economists, archaeologists, historians, educators, and cultural policy specialists – as well as practitioners of traditional intangible heritage – under the following three programme themes:

Theme 1. Defining the Boundary between Tangible and Intangible
Is Intangible Heritage merely a new category of heritage subjects? Or does it represent an entirely new approach that must effectively integrate cu-rated objects, protected places, living traditions, and collective memory? Through examples and case-studies we would like to examine how we can identify the tangible dimensions of Intangible Heritage; the intangible dimensions of Material Heritage; and complexity of their interrelation. Is the concept of Intagible Cultural Heritage merely one of classification, or is it perhaps of an entirely different interpretive quality?

Theme 2. The Challenge: Safeguarding or Facilitating?
The UNESCO Convention defines Intangible Cultural Heritage as being transmitted from generation to generation and constantly recreated by communities and groups in response to their environment, their interaction with nature, and their history. In light of this dynamic definition, to what extent can we ever capture or safeguard essential expressions of Intangible Cultural Heritage when they are necessarily and constantly evolving? Does this challenge require as much attention to the frameworks of public participation in heritage as to specific expressions or sites? What innovative projects or programmes have succeeded in bridging this gap?

Theme 3. Who Owns Intangible Heritage?
The traditional structures of heritage administration are often focused on a national level. Certainly this is true in the case of both UNESCO conventions (1972 World Heritage and 2003 ICH), where the States Parties are the critical voices. But if Intangile Cultural Heritage is an expression of community identity on all levels, what of local or regional expressions of culture and identity that may actually be in conflict or tension with the State? What role do traditional rituals, art forms, and crafts play in the political, economic, social, and cultural lives of the individuals and communities that maintain them?

(in site www.enamecenter.org)

Mais sobre o programa aqui!

Mais informações:
http://www.enamecenter.org/

CONF: "An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage…"

cairo-seminario-medins-janeiro-2008.jpg

Participantes do seminário, CULTNAT, Cairo
© Alessandro Pernice

O seminário “An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage in the Mediterranean historical centre”, que se realizou no passado dia 14 de Janeiro de 2008 deu lugar a mais uma discussão profícua sobre o Património Cultural Imaterial.

Este encontro foi organizado pela HERIMED e CULTNAT no âmbito do projecto MEDINS – Identity is future: Mediterranen Intangible Space., permitindo a participação de diversas universidades e instituições ligadas à Cultura. Representando a Universidade de Évora esteve presente o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, coordenador da equipa portuguesa do projecto MEDINS.