Arquivo de etiquetas: Património

O lugar do PCI nas políticas do património

Colóquio Internacional “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul…”
27-28 Novembro de 2012
Institut Français du Portugal, Lisboa
© Ana Carvalho

Nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 teve lugar em Lisboa um colóquio internacional dedicado às “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas” (org. Universidade de Évora e Direção Geral do Património Cultural). Foi este o mote para escrever algumas linhas sobre o lugar do PCI nas políticas do património.

Devo começar, em primeiro lugar, por sublinhar a importância de se promover uma reflexão crítica de perfil comparativo sobre políticas culturais, sobretudo quando o tema em debate decorre, em grande medida, de normativos internacionais que irradiam orientações que são tendencionalmente absorvidas pelos Estados nas políticas internas. Países como Portugal, França, Espanha e Itália partilham, de certo modo, uma aproximação ao património com muitas afinidades, pese embora os percursos e idiossincrasias próprias de cada Estado. Estes países assinaram a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 da UNESCO (daqui em diante Convenção de 2003)[1]. Creio que o balanço dos percursos e das experiências pode, em potencial, ter um efeito positivo sobre a avaliação das estratégias, e a possibilidade de reflectir de forma aberta sobre as potencialidades, os limites e a falibilidade das intervenções.

Organizações como a UNESCO, o ICOMOS, o Conselho da Europa, entre outras, têm assumido um papel regulador do discurso autorizado sobre património, legitimando novos usos políticos da cultura, programas e boas práticas. Com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, em particular, a UNESCO veio assinalar mudanças na forma como os Estados deverão salvaguardar as suas tradições, sublinhando a importância de preservar a diversidade cultural de forma participativa e inclusiva. É assumida uma visão mais antropológica da cultura e um conjunto de orientações que procura remeter o lugar do Património Cultural Imaterial (daqui em diante PCI), anteriormente nas margens das preocupações políticas para uma melhor integração nas políticas culturais.

Este discurso autorizado obriga a uma tradução e a negociações várias, por um lado, na revisão das políticas nacionais, e por outro lado, na transformação do discurso institucional dos actores envolvidos, criando, por sua vez, uma comunidade de praticantes, conservacionistas e especialistas do património, que procuram dar resposta a estes novos enquadramentos (Smith 2006). É neste contexto que se compreende hoje o elevado interesse que suscita o PCI para os diversos especialistas ligados ao património nos vários quadrantes da cultura, que se confirma como sendo intergeracional e atravessando diferentes territórios disciplinares[2].

No sentido de operacionalizar a cartilha da UNESCO também se confirmam em torno da salvaguarda do PCI outras dinâmicas em Portugal. Note-se, por exemplo, a criação, em 2012, de um curso de pós-graduação sobre PCI (Universidade Lusófona) que gerou, por sua vez, a criação de uma associação e uma plataforma de divulgação via facebook (cf. https://www.facebook.com/pcimaterial).

Constata-se, por outro lado, uma certa euforia do PCI veiculada pela comunicação social a julgar pelos destaques que têm tido os anúncios de candidaturas ao “património imaterial da humanidade” de diversas tradições (ex. o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânea, etc.), ou no contexto mais local, de onde emerge uma tendência crescente para a validação política de determinadas tradições (ex. tauromaquia). Embora o fenómeno não seja exclusivo à tauromaquia, verifica-se um movimento crescente de intenções (e de varias concretizações) por parte dos municípios para classificar algumas tradições, etiquetando-as como “património imaterial de interesse municipal” (ex. Alcochete, Azambuja, Monforte, Elvas, Beja, entre outros), pese embora a nível da legislação nacional não exista a possibilidade deste tipo de classificação[3]. Sintomático de um certo posicionamento político sobre a cultura tradicional, o fenómeno não se articula com estratégias de salvaguarda estruturadas.

Se atendermos aos exemplos apresentados no colóquio (França, Itália, Portugal e Espanha), pode dizer-se que os Estados têm vindo a concretizar as directivas da Convenção de 2003 com alguma celeridade. Portugal começou a trabalhar estas questões a partir de 2007 sensivelmente (via ex-Instituto dos Museus e da Conservação) e Espanha a partir de 2009, percurso que é marcado pelo encontro de Teruel, que reuniu vários especialistas e representantes das regiões espanholas no sentido de definir a política nacional a adoptar), tendo sido publicando entretanto o Plan Nacional de Salvaguarda del Património Cultural Inmaterial (através do Instituto del Patrimonio Cultural de España), à semelhança do que tem sido feito para outras áreas do património[4].

No entanto, deve ser referido que no contexto local algumas regiões espanholas haviam já introduzido o PCI nas suas políticas, seguindo os princípios da UNESCO. Esse foi o caso da região de Murcia (parceiro com a Universidade de Évora no projecto MEDINS – Identity is Future: Mediterranean Intangible Space (2006-2008)[5], que passou a incluir o PCI no plano operativo da política regional a partir de 2007 (em articulação com a publicação de nova legislação sobre esta matéria), colocando a enfase na importância do PCI como elemento de desenvolvimento social (consultar García Simo 2008). E foi o caso da Andaluzia, com o projecto de inventário e documentação – Atlas del Património Inmaterial de Andalucía (Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico), que começou a ser esboçado a partir de 2008 (cf. Carrera Diaz 2009), entre outros exemplos.

A França começou em 2006 a implementar uma estratégia para o PCI nos termos da Convenção de 2003, com a criação de uma comissão composta por representantes de várias áreas. Todavia, é a partir de 2007 que se dão os primeiros passos para a sua operacionalização. Grosso modo, esta política, levada a cabo pelo Ministério da Cultura, através da Mission Ethnologie, assenta no apoio à investigação e documentação do PCI. A este propósito foram desenvolvidas duas iniciativas, uma com base na ideia de “inventário dos inventários” (cf. Répertoire des inventaires du PCI), reunindo um conjunto de informação que remete para a diversidade de trabalhos de investigação já realizados neste âmbito em França, e na criação de um novo inventário para o património vivo (cf. Fiches de l’inventaire du patrimoine culturel immatériel ou aqui: Inventaire du Patrimoine Culturel Immatériel – Institut Occitan), construído à semelhança do inventário gizado pela Universidade de Laval, no Quebéc (coordenação de Laurier Turgeon) – l’Inventaire des Ressources Ethnologiques du Patrimoine Immatériel-IREPI (2004-2005)[6].

O que se destaca no caso francês é a sua capacidade de investimento, que parece não ter correspondência nos restantes casos. Note-se que o inventário é apoiado e alimentado através de um considerável investimento público da administração central que estabeleceu contratos de investigação com instituições que trabalham no terreno[7].

A política italiana diferencia-se dos últimos exemplos pela diversidade de situações encontradas, variável em função de cada região e pela ausência de uma política unificadora à escala nacional[8]. Os vários exemplos apresentados sobre a realidade italiana mostraram a existência de iniciativas de administração regional do tipo bottow-down e outras, como alguns exemplos de inventários participativos, que se encaixam mais no perfil bottow-up (ex. “progetti Unione Pro Loco”). O exemplo italiano é talvez o mais pragmático dos exemplos apresentados, reflectindo maior diversidade, nomeadamente na forma aplicação da noção de participação das comunidades (dos inventários suportados exclusivamente pelos especialistas aos inventários sem crivo científico, alimentados pelos detentores/praticantes do património, ou seja, verificando-se uma maior experimentação que ultrapassa a participação entendida apenas como a consulta.

De certo modo, o debate não fez jus à ambição do título da conferência “Políticas públicas para o património imaterial…”, uma vez que o leque de experiências apresentado se reportou a uma análise sobre as formas de inventariar o PCI adoptadas pelos países representados. De facto, as estratégias para o PCI têm recaído por força da “necessidade de implementar a Convenção de 2003”, e em conformidade com o artigo 12, para a criação de inventários exclusivamente, atendendo a que esta é a única medida obrigatória da aplicação da Convenção. O enfoque sobre as questões do inventário, marcantes neste colóquio em Lisboa fez lembrar o encontro “Inventer le inventaire” (Paris, 2007) no qual, de facto, o objectivo era reflectir criticamente e de modo comparativo sobre o papel dos inventários tanto do ponto de vista dos seus limites como do ponto de vista das suas potencialidades (veja-se comentário sobre esse colóquio aqui).

 Ainda que os inventários, enquanto ferramenta para a identificação do PCI, possam ser de grande utilidade e validade, quando se desenham políticas o enquadramento que se exige é mais vasto e necessariamente mais transversal. Vale a pena sublinhar, uma vez mais, que os inventários são apenas uma das medidas de salvaguarda previstas na Convenção de 2003. Com efeito, se a criação de um inventário nacional se apresentar desvinculado de uma política de salvaguarda mais abrangente corre o risco de não ter impacto sobre a preservação do património (Carvalho 2011, 99). Neste sentido, importa sublinhar a importância de outros documentos normativos, nomeadamente a Convenção Quadro do Conselho da Europa para o Património Cultural de 2005 (conhecida como Convenção de Faro) que enfatiza a importância de se desenvolverem políticas menos sectoriais para o património, ou seja uma visão mais transversal da cultura[9]. Apesar dos últimos desenvolvimentos, designadamente a criação da nova Direção Geral do Património Cultural com atribuições mais alargadas na área do património e museus, não se operaram mudanças tanto a nível das estratégias como das práticas que estimulem esta perspectiva integradora do património a que nos reportamos, o que significa que as aparentes reestruturações das instituições foram exclusivamente de ordem economicista e não foram acompanhadas de uma reflexão interna sobre os problemas da gestão do património face a novos paradigmas. É a pluridisciplinaridade ainda uma utopia para as instituições na perspectiva do reconhecimento da vocação multidisciplinar do património? Neste contexto, também não foram perceptíveis quais as perspectivas para o futuro ou a definição de estratégias concretas que articulem, por exemplo, a linha de trabalho: inventário/documentação/investigação com a promoção da diversidade cultural através do apoio aos seus protagonistas[10]. Podemos, afinal, ter políticas para a cultura sem investimento?

A palavra crise, ainda que presente nas nossas vidas de forma impositiva, é um problema que se afirma também nas políticas para o património, mas permaneceu ausente no debate (politicamente incorrecto?). Ao ler uma notícia recente sobre a impossibilidade de se voltar a apresentar os Bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende devido aos recentes cortes no apoio à cultura, torna-se evidente o divórcio entre a realidade e o discurso oficial. Não estaremos a assistir a um desinvestimento no património? O que não parece claro é de que forma estão a ser equacionadas e reconfiguradas estratégias, atendendo a este novo panorama.

No que diz respeito aos inventários propriamente ditos, os casos apresentados revelaram diferentes formas de organização (ex. domínios, fichas, etc.), o que é expectável, atendendo a diferentes tradições de trabalho e às instituições envolvidas e, por outro lado, decorre também do facto da Convenção de 2003 não fazer recomendações rígidas quando à implementação dos inventários, promovendo também neste aspecto a diversidade de soluções. No caso português, o inventário nacional é um processo não isento de fricções e sobre o qual se tem gerado vários mal-entendidos. Talvez por isso se entenda que após a sua operacionalização desde há mais de um ano apenas inclua uma manifestação de PCI – a Capeia Arraiana[11]. Neste sentido, foi evidente o desencontro entre os objectivos das instituições e dos profissionais face à utilidade do inventário nacional neste formato.

A par com as preocupações com os novos inventários, permanece por resolver em Portugal a definição de uma estratégia ou plataforma que organize ou torne acessível um imenso património espalhado por diversas instituições (ex. centros de investigação, museus, arquivos, associações, etc.) que ao longo de décadas têm realizado recolhas e documentado o património imaterial. A articulação entre instituições está por fazer (e vários projectos adiados, como é o caso da criação de um arquivo nacional sonoro, entre outros), que tem também a ver, por um lado, com um problema de comunicação e de organização e, por outro lado, com a ausência de uma estratégia a longo prazo concertada com investimento público. Neste contexto, é relevante a experiência francesa com vista à criação de um catálogo colectivo online de arquivos sonoros e audiovisuais de várias instituições francesas em rede (cf. Portail du Patrimoine Collectif d’Archives Sonores et Audiovisuelles). Beneficiar de uma estrutura comum em rede que não prescinde da valência específica de cada instituição é um dos grandes méritos do projecto.

Um das contradições do colóquio teve a ver com a discussão em torno do papel dos especialistas do património e a reclamação da antropologia como o campo disciplinar autorizado para salvaguarda do PCI. Com efeito, o facto do PCI estar directamente ligado ao território disciplinar da Antropologia não oferece dúvidas, no entanto, deve ser reconhecido também o papel que outros especialistas da cultura podem ter na salvaguarda do PCI, atendendo à vocação multidisciplinar do património. Por outro lado, a mudança de paradigma presente na Convenção de 2003 sublinha uma revisão do papel dos especialistas. Este novo papel configura-se também pelo abandono de um modelo de protecção do PCI assente exclusivamente no trabalho dos especialistas e técnicos, através do estudo e documentação, para passar a privilegiar a salvaguarda do património, enquanto processo cultural, pelos detentores das práticas. Neste sentido, a Convenção de 2003 atribui aos especialistas a responsabilidade pela mediação do património[12]. Além disso, a partilha de responsabilidades do PCI entre diversos especialistas não se apresenta apenas uma tendência ou recomendação, mas também como uma necessidade operativa, uma vez que a principal área de formação dos técnicos dos municípios é a história, como confirmou Paulo Ferreira da Costa na interpretação os dados recolhidos no âmbito do inquérito “Património Imaterial em Portugal: arquivos, agentes, projectos”[13]. Note-se que a maioria dos museus existentes em Portugal é de tutela municipal, nos quais a diversidade de especialidades é denominador comum. Com efeito, a interpretação da Convenção de 2003 remete para um questionamento e uma reflexão não só do papel tradicional das instituições como dos profissionais (incluindo os antropólogos) e acima de tudo para a aplicação de práticas inclusivas e não exclusivas.

O texto de Chérif Khaznadar foi clarividente no sentido de alertar sobre os usos políticos da cultura, sugerindo uma leitura da Convenção de 2003, não como sendo a única verdade, mas como um documento sobre o qual estão inerentes vários perigos e limitações, aos quais se deve estar atento e, paulatinamente, objecto de reflexão.

Como demonstrou este colóquio, as tensões (e contradições) que suscita o PCI estão longe de se se esgotar nos inventários, pelo que se revela necessária uma maior discussão à volta do tema nas suas diversas valências (problemas conceptuais, questões técnicas, critérios, instrumentalização, riscos da transformação da cultura em recurso, direitos de autor, normas europeias de qualidade, etc.). O espaço crítico para as questões do património, como reclamou João Leal pode ser o da antropologia, mas também poderá ser de outros campos ou actores, nomeadamente dos museus. Creio que os museus podem configurar potenciais lugares de experimentação, reflectindo e problematizando o PCI, sem esquecer o papel que podem ter na mediação e comunicação deste património.

Referências bibliográficas:

Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme.

Carrera Díaz, Gema. 2009. Atlas del patrimonio inmaterial de Andalucía. Puntos de partoda, objetivos y critterios técnicos y metodológicos. Revista ph (71):18-41.

Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora.

García Simo, Inmaculada, ed. 2008. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.]. Disponível aqui: http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf

Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel.

Smith, Laurajane. 2006. The uses of heritage. London, New York: Routledge.

Tambuzzo, Lucio. 2008. Les actions du projet MEDINS. In García Simo, Inmaculada, ed. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.], 2008. p. 41-51. Disponível aqui:  http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf


[1] França e Espanha em 2006, Itália em 2007 e Portugal em 2008. Actualmente são 148 os países que aprovaram à Convenção de 2003 (cf. http://www.unesco.org/eri/la/convention.asp?KO=17116&language=E) (consultado em dezembro 4, 2012).

[2] Este interesse ficou patente no elevado número de inscrições do colóquio e tem sido também perceptível noutros encontros promovidos pelo ex Instituto dos Museus e da Conservação em 2011 sobre a “matéria” do PCI, de que são exemplos os seguintes: “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno” (31 Janeiro 2011, Museu Nacional de Etnologia, veja-se http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3737); “Novas Perspectivas para o Inventário, Gestão e Divulgação do Património Móvel e Imaterial” (1 Junho 2011, Museu Nacional de Arte Antiga); e “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas” (12 de Dezembro de 2011, Museu Nacional de Etnologia, consultar http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/4394).

[3] Não obstante o movimento de classificação da tauromaquia geraram-se também movimentos contrários como no caso de Évora, onde a Câmara Municipal acabou por rejeitar a possibilidade de classificar a tradição, argumentando a favor dos direitos dos animais.

[4] Veja-se no site do instituto os vários planos em vigor: património industrial, conservación preventiva, paisage cultural, etc.

[5] O MEDINS um dos primeiros projectos em Portugal a implementar a narrativa da UNESCO. Realizou-se no âmbito do programa INTERREG III B MEDOCC, juntando vinte parceiros (Portugal, Itália, Espanha, Grécia, Malta, incluindo a participação de países de fora da rede europeia, nomeadamente: Tunísia, Marrocos, Argélia, Líbano e Egipto). O projecto foi coordenado pelo Assessorato dei Beni Culturali ed Ambientali e della Pubblica (Região da Sicília) e centrava-se sobretudo na formulação de inventários para o PCI, atendendo às directivas da Convenção 2003. Para maior detalhe sobre os objectivos do projecto consultar Tambuzzo (2008), e sobre a participação da Universidade de Évora veja-se o site: http://medinsuevora.wordpress.com/ (consultado em Dezembro 17, 2012).

[6] Este modelo foi, entretanto, aplicado pela Universidade de Laval noutro inventário de perfil temático no Québec – Inventaire du patrimoine religieux – IPIR (2007-2008) e, além disso, o modelo foi exportado para o Haiti,  onde actualmente se desenvolve o Inventaire du Patrimoine Imamtériel d’Haiti  (cf. http://www.ipimh.ulaval.ca/). A Universidade de Laval dá agora continuidade à valorização do património do Quebéc com um outro projecto – Encyclopédie du Patrimoine Culturel de l’Amérique Français (desde 2008), que configura uma abordagem inclusiva das várias dimensões do património (incluindo os patrimónios contemporâneos emergentes) numa só base de dados multimédia (cf. http://www.ameriquefrancaise.org/fr/#.UL9643eD83w). Este projecto tem tido considerável sucesso, não apenas como projecto de investigação, mas como instrumento de divulgação, atendendo ao número crescente de visitantes do portal.

[7] O inventário francês disponibiliza já mais de três centenas de fichas.

[8] Embora para o caso italiano não tivesse estado presente um representante do ministério da Cultura, à semelhança de Portugal, França e Espanha, Chiara Bortolotto fez o retrato da situação no país.

[9] Portugal aprovou esta Convenção em 2008.

[10] Note-se em 2007 Portugal ratificou a Convenção sobre a protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005, que recomenda a criação de políticas de valorização da diversidade cultural.

[11]Um dos equívocos à volta do inventário nacional é o facto do Fado, aceite pela UNESCO como património imaterial da humanidade, não se encontrar inscrito no inventário nacional, sendo que teoricamente este seria um requisito da UNESCO. Com efeito, tal como foi explicado no colóquio, o  Fado não se encontra no inventário nacional, uma vez que faz parte da base de dados “Fonogramas Históricos de Fado e outros géneros de Música Popular”, que foi considerada como um inventário no contexto da candidatura.

[12] Para uma discussão sobre o posicionamento dos antropólogos face ao PCI consultar Bortolotto, Arnaud e Grenet (2011), que clarificam três possibilidades de envolvimento dos antropólogos: observadores, mediadores ou actores.

[13] O inquérito foi distribuído em 2010 por autarquias, museus, centros de investigação e associações ligadas ao património, mas os resultados não foram ainda divulgados.

“Usos da Memória e Práticas do Património”, coord. Paula Godinho

 (Fonte: imagem retirada do site Edições Colibri)

O título deste livro é sugestivo e apetecível numa época em que a reflexão sobre a memória no mundo dos museus tem um interesse renovado (ou simplesmente está na moda?). Como advertiu Isabel Victor na sua comunicação “Experiências e metodologias participativas na área da museologia” (27/10/2012), é importante reflectir criticamente sobre os usos da memória nos museus, sobre as suas fronteiras, sobre os perigos de um “novo voyerismo”, do “novo exótico”, ou da teatralização/espectacularização da memória. Este livro poderá dar pistas sobre estas questões e esclarecer de forma crítica sobre estes processos, como sublinhou Victor.

O livro é uma colectânea de artigos de vários autores coordenado por Paula Godinho. A apresentação do livro será amanhã, 30 de Outubro (terça-feira), pelas 18h00, na aprazível Livraria Ler Devagar (Lx Factory, Lisboa). A apresentação cabe a Isabel Victor* (Museus de Setúbal).

Mais informação:

Sinopse: [Esta obra reflecte] contribuições centradas no conhecimento dos usos da memória e das práticas do património por parte de cientistas sociais de várias proveniências disciplinares. Este vasto campo de estudos requer uma abordagem teórico-metodológica que hibridize várias disciplinas, com um panorama da construção social da rememoração, das memórias colectivas, bem como dos formatos inerentes aos fenómenos de emblematização, patrimonialização e mercantilização. Como vários dos textos demonstram, as memórias têm classe, têm género, variam conjunturalmente e em escalas diversas – grupal, comunal, regional, nacional. (…) [A] privatização de memórias conduz a uma erosão da sua capacidade social, apartando a possibilidade de ligar o passado e o presente como sucede com a memória dos grupos subalternos, desvalorizados, vencidos.

Sobre Paula Godinho:

Paula Godinho é antropóloga, professora no Departamento de Antropologia da FCSH/UNL e investigadora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT-FCSH/UNL). Realizou trabalho de campo em Trás-os-Montes e no centro-sul de Portugal, na fronteira e na Galiza, ao longo de vários anos. Publicou vários livros: Memórias da Resistência Rural no Sul (Couço, 1958-1962), Oeiras, Celta, 2001; O leito e as margens – Estratégias familiares de renovação e situações liminares no Alto Trás-os-Montes raiano, Lisboa, Colibri, 2006; Festas de Inverno no Nordeste de Portugal – património, mercantilização e aporias da «cultura popular», Castro Verde, 100Luz, 2010; «Oír o galo cantar duas veces» -Identificacións locais, culturas das marxes e construción de nacións na fronteira entre Portugal e Galicia, Ourense, Imprenta da Deputación, 2011. Organizou e co-organizou diversas obras: Máscaras, mistérios e segredos, Lisboa, Colibri, 2012; com António Monteiro Cardoso, Gente Comum – Uma história na PIDE, de Aurora Rodrigues, Castro Verde, 100Luz, 2011; com Susana Pereira Bastos e Inês Fonseca, Jorge Crespo, Estudos em homenagem, s/l, 100Luz, 2009; com Heriberto Cairo Carou e Xerardo Pereiro, ed. Portugal e Espanha – Entre discursos de centro e práticas da fronteira, Lisboa, Colibri. 2009; com Dulce Freire e Inês Fonseca, Mundo Rural – Transformação e Resistência na Península Ibérica (séc. XX), Lisboa, Colibri, 2004; com a Associación Amigos da Republica, O Cambedo da Raia. 1946. Solidariedade galego-portuguesa silenciada, Ourense, Associación Amigos da Republica, 2004. Recebeu o prémio Xesús Taboada Chivite em 2008 (Galiza, Espanha).

*Sobre Isabel Victor:

Socióloga. Museóloga (Museu do Trabalho Michel Giacometti/Divisão de Museus da CMS). Membro do Centro de Estudos de Sociomuseologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Docente no mestrado em Museologia na ULHT (Lisboa). Doutoranda em Museologia, “Um sistema de Gestão da Qualidade para Museus. Sustentabilidade, inclusão, participação, impacto na Sociedade”. (Fonte: museologia.porto). Entre 2010 e 2012, Isabel Victor coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM), tendo retornado recentemente ao trabalho nos museus de Setúbal.

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

Índice:

Uso da memória e práticas do património. Alguns trilhos e muitas perplexidades
Paula Godinho

A. Usos políticos da memória: caminhos e contextos

1. História Oral – caminhos, problemas e potencialidades
Miguel Cardina

2. Silêncios da História e usos da Memória: percursos e reflexões em torno de um trabalho de investigação sobre as memórias da guerra civil de Espanha
Dulce Simões

3. A memória coletiva como elemento sustentador da identidade. Repressom franquista e restauraçom da memória democrática na Galiza
Carlos Velasco

4. O Texto dos Silêncios – para um tratamento qualitativo do não-dito
Tiago Matos Silva

5. Arquivando memórias da «ciência colonial»: novas fontes, outra história
Cláudia Castelo

6. Memórias de um tempo denso – quatro investigações sobre o PREC
João Baía

B. Memórias dos trabalhos, dos fluxos e dos dias

7. Memória, identidade e género no seio de uma comunidade operária
Sónia Ferreira

8. O mistério da Estrada Nacional 11-1– ou de como as memórias têm classe e também têm género
Inês Fonseca

9. Memórias da Formação nos Primórdios da Escola do Magistério Primário de Faro
Aurízia Anica

10. Indagações sobre a saga do volfrâmio num concelho de Entre Douro e Vouga
José Miguel Leal da Silva

11. Memória dos Pescadores de Santo André: Xávega e Património
Dina Calado

12. Temporalités dans la migration: vivre, se souvenir et dire collectivement l’experience migratoire

Irène dos Santos
C. Património(s), materialidades e amenidades

13. Contextos da memória, lugares dessubstanciados e re-significação do passado: a fronteira como amenidade, insígnia e património
Paula Godinho

14. Apropriações das festas de Inverno em Trás-os-Montes
Savina Lafita e Amanda Guapo

15. «Bons sons» – comemorar um tempo, um lugar e uma memória
Sónia Costa

16. A patrimonialização do limpo e a memória do sujo: o destino dos antigos objectos de limpeza entre vivências, mercados e museus
Sara Di Chiazza

17. Memória – entre a realidade e a ficção – o caso de Mariana Monteiro e os folhetos de cordel
Filomena Sousa

 

(Fonte: Edições Colibri)

“Museus e Património, onde está o Conselho Nacional de Cultura?”

A entrada é livre, mas deverá ser feita inscrição via email: tiago.cruz@be.parlamento.pt

O Bloco de Esquerda apresentou um Projeto de Resolução 450/XII –  “Tutela dos Museus e Património Cultural e Regular Funcionamento do Conselho Nacional de Cultura”, cujo objetivo é pressionar o Governo a submeter todas as alterações sobre tutela do património e museus ao Conselho Nacional de Cultura. O projecto vai ser debatido e votado em Comissão Parlamentar no dia 21. Neste contexto irá realizar-se amanhã, dia 20 de Setembro (pelas 17h), uma audição pública no parlamento sobre o tema. Para além da deputada do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, estarão presentes personalidades conhecidas da comunidade museológica: Raquel Henriques da Silva, Luís Raposo e João Neto.

O projecto está disponível para consulta aqui:

http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheIniciativa.aspx?BID=37205

 

 

Livro de Hugues de Varine

Título: As raízes do futuro: patrimônio a serviço do desenvolvimento local
Autor: Hugues de Varine
Tradução: Maria de Lourdes Parreiras Horta
Número de páginas: 256
Formato: 14 x 23 cm
Preço: € 15,00
ISBN: 978-85-64713-03-1
Editora: Medianiz

Hugues de Varine estará em Portugal para a apresentação do seu livro “As raízes do futuro. O patrimônio a serviço do desenvolvimento local” (Editora Medianiz), já publicado em francês em 2002 (Les racines du futur. Le patrimoine au service du développement local, Editions ASDIC) e que agora conta com uma versão em português[1]. Irão realizar-se duas apresentações, uma no dia 18 de Setembro (em Lisboa) e outra no dia 20 de Setembro (no Seixal), que contarão com a presença do autor.

  • Em Lisboa: dia 18, 17.00 h, no Centro de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira, com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
  • Em Corroios/Seixal: dia 20, 17.00 h, no Ecomuseu Municipal do Seixal – Núcleo do Moinho de Maré de Corroios, com o apoio da Câmara Municipal do Seixal

 (Fonte: informação veiculada pelo Comissão Nacional do ICOM)

Sobre o autor:

Hugues de Varine é formado pela Universidade de Paris, com pós-graduação em História e Arqueologia. Trabalhou de forma próxima com Georges-Henri Rivière (1897-1985), personalidade igualmente marcante na cena museológica europeia[2]. Ocupou os cargos de vice-diretor do Conselho Internacional de Museus (ICOM) e em 1964 sucede a Rivière no cargo de director. Trabalhou também para o Ministério da Cultura francês na área de desenvolvimento cultural e de avaliação de políticas culturais. Para além disso, o seu percurso tem sido marcado pela colaboração em diversos projectos tanto em França como noutros países (ex. Brasil, Canadá, Portugal, Suécia, Noruega, Espanha, entre outros).

O trabalho de Varine tem estado associado a práticas museológicas marcadas pela intervenção comunitária visando o desenvolvimento local, onde se destaca, pela repercussão posterior, o Ecomuseu de “Le Creusot” (1971-75), uma das experiências mais emblemáticas associados à “Nova Museologia”, movimento que toma forma nos anos 80 e que assume como central o papel social dos museus.

Sobre a relação de Hugues de Varine com Portugal, deve ser assinalado o período em que presidiu ao Instituto Franco-Português (IFP), em Lisboa (1982-1984)[3]. Contudo, a sua obra já era antes disso conhecida de alguns museólogos portugueses. Nessa época, um dos acontecimentos mais significativos da sua permanência no país terá sido a “Semana de Reflexão sobre Museus e Património Cultural Regional”, organizada pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC) e pelo IFP. Em grande medida, a influência que Hugues de Varine teve na museologia local portuguesa nos anos 80 fez-se sentir muito através de contactos estabelecidos com os museólogos responsáveis por projectos emergentes na museologia internacional e na facilitação de intercâmbios entre França e Portugal, assim como o apoio a diversas visitas de estudo que profissionais portugueses fizeram a vários museus e ecomuseus franceses, tal como a visita da APOM (Associação Portuguesa de Museologia) a museus da Bretanha. Terá sido igualmente importante o apoio de Varine à organização do “Atelier Internacional Nova Museologia – Museus Locais, em Lisboa (1985)[4], do qual viria a resultar o MINOM – Movimento para a Nova Museologia, que ainda hoje subsiste. Hugues de Varine é tido como um dos grandes personalidades internacionais de relevo na circulação de ideias sobre museologia nos anos 80 em Portugal, como bem argumentou Clara Camacho no âmbito da dissertação “Renovação Museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90” (1999).

Pode dizer-se que Varine permanece ainda hoje uma figura de influência para a museologia portuguesa, sobretudo pela sua capacidade de análise crítica e de ajuste do discurso sobre museus em articulação com o património e desenvolvimento, em função das experiências nas quais tem participado e de acordo com um quadro mais geral que remete para as mudanças que se vão operando na sociedade. Pese embora, na actualidade, a penetração e circulação das ideias sobre museologia/património se tenha alargado consideravelmente a vários quadrantes, atendendo ao papel das universidades no desenvolvimento da formação pós-graduada (mestrados e mais recentemente doutoramentos) em museologia e, por sua vez, a um maior contacto com tradições museológicas e experiências diversas a uma escala mais global (da tradição americana, inglesa, francesa e outras).

Todavia, o contacto de Varine com a museologia portuguesa tem sido mais ou menos regular ao longo da última década, tendo participado em projectos como o do Ecomuseu do Barroso, as Minas da Panasqueira (Câmara Municipal do Fundão) ou S. Pedro da Cova (Gondomar). Por outro lado, tem participado com frequência em encontros e conferências, das quais se destacam, por exemplo os seguintes: “Mouseion: Encontro Transfronteiriço de Museologia” (Portalegre e outros locais, 2002) (ver http://www.minom-icom.net/signud/DOC%20PDF/200200804.pdf), “Ecomuseus que perspectivas, em Portugal, na Europa” (Seixal, 2004) e “Núcleos museológicos: que sustentabilidade?” (Faro, 2008). Em Março de 2010 fez um périplo por Portugal para participar em diversas actividades, das quais se destacam a passagem pela Universidade de Évora (e visita a Mértola) (ver post: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/2835), a participação na mesa-redonda “Museu do Douro – museu para o território e para o desenvolvimento” (Peso da Régua, 2010), “VIII Jornadas do ICOM” “Museus e Harmonia Social” (Lisboa, 2010) (ver o post: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/2861), tendo participado também num pequeno encontro com técnicos do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e dos museus da RPM (Lisboa, 2010) e, finalmente,  no VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa (Fundação Oriente, 2011).

E ainda esta semana Varine será um dos keynote speakers no encontro “Ecomuseums 2012 – 1st International Conference on Ecomuseums, Community Museums and Living Communitiese” (ver mais sobre a conferência aqui: http://ecomuseums2012.greenlines-institute.org/ec2012website/conference_scope.html) (19-21 Setembro 2012, Seixal).

Também a propósito da sua relação com Portugal deve ser referida a sua participação no comité científico da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, na qualidade de especialista em matéria de museus, património e desenvolvimento local. A MIDAS é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto (cf. http://revistamidas.hypotheses.org/). O primeiro número da revista está em preparação e será publicado dentro em breve.

Para além de várias publicações, Varine tem produzido um vasto número de artigos. Atrevemo-nos a dizer que Hugues de Varine é um dos autores ligados à nova museologia mais citados em Portugal (e provavelmente no Brasil)!

No website dinamizado por Hugues de Varine sobre «Expériences personnelles et rencontres dans le domaine du patrimoine culturel et du développement» pode encontrar pequenos artigos e comentários da sua autoria: http://www.world-interactions.eu/. Para além disso, pode acompanhar o trabalho do autor também via facebook: https://www.facebook.com/hugues.devarine. Para maior aprofundamento sobre o percurso de Hugues de Varine e o seu posicionamento na museologia/patimónio pode consultar as seguintes entrevistas:


[2] Sobre os contributos de Riviére para a museologia cf.: CHIVA, Isac – George Henri Rivière: un demi-siècle d’ethnologie de la France. Terrain [em linha]. n.º 5 (1985). [Consult. 15 Set. 2012]. Disponível em: http://terrain.revues.org/index2887.html; GORGUS, Nina – Le magicien des vitrines: le muséologue Georges Henri Rivière. Paris: Editions de la Maison des Sciences de L’Homme, 2003. ISBN 2735109755.

[3] Sobre esta passagem vertambém o post de Alexandre Pomar: http://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2011/12/ifp.html

[4] CAMACHO, Clara – Renovação museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1999. Dissertação de Mestrado.

Políticas museológicas em Portugal – o estado da arte?

De acordo com informação veiculada pelo ICOM-PT, está disponível no site do ARTv, a gravação integral da audição junto da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, na Assembleia da República (AR), realizada no dia 15 de Maio de 2012 sobre questões ligadas à Política Museológica Portuguesa. Esta reunião tinha como enquadramento a celebração do Dia Internacional dos Museus deste ano (MUSEUS NUM MUNDO EM MUDANÇA: Novos Desafios, Novas Inspirações), mas acabou por extrapolar para temas que estão na ordem do dia, nomeadamente as mudanças trazidas no âmbito da reformulação institucional do sector, com a criação da nova Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), cuja lei orgânica irá exigir alterações profundas com consequências, ao que tudo indica, menos positivas para os museus e para os profissionais.

Nesta audição, da parte de museus e instituições associadas, estiveram presentes Raquel Henriques da Silva, professora da Universidade Nova de Lisboa e directora do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade e ex-directora do Instituto Português de Museus (1997-2002), João Neto, Presidente da Associação Portuguesa de Museus (APOM), Luís Raposo, Presidente do Comité Nacional do ICOM, Isabel Victor, directora da Rede Portuguesa de Museus (RPM) e Grabriela Carvalho, professora na área do turismo.

Os vários interlocutores, a partir de diferentes perspectivas mostraram muitas apreensões sobre o que está a passar na cena museológica portuguesa, nomeadamente sobre a nova configuração institucional para os museus, património e conservação, com grande ênfase sobre a forma como o processo de elaboração da nova lei orgânica da DGPC foi conduzido, sendo referido, por quase todos, que o processo foi efectivamente mal conduzido e antidemocrático, uma vez que os profissionais do sector não foram ouvidos neste contexto. Vários aspectos foram ainda sublinhados, e sem a pretensão de resumir esta sessão, destacaria alguns: a incerteza do futuro da RPM, e do caminho alcançado pela Lei-quadro de Museus de 2004, a futura entrega de museus nacionais às direcções de cultura regionais, o papel dos directores de museus no futuro cenário institucional e o futuro também incerto de muitos profissionais ligados ao sector.

Raquel Henriques da Silva foi peremptória, quando afirmou que a situação é “profundamente crítica e grave”, e que se assiste na cultura a um também profundo retrocesso para os museus.

Talvez seja o momento para uma mobilização significativa dos profissionais do sector, que com poucas excepções e de carácter pontual, se têm feito ouvir, mas que diante da situação em que se vive,  poderia ter um papel mais activo na discussão e reflexão sobre os problemas que afectam os museus e para uma redefinição daquilo que se pretende alcançar para a museologia em Portugal. Será que o tempo dos manifestos acabou?

Pode ver e ouvir a audição na íntegra aqui:

http://80.251.167.42/videos-canal/XII/SL1/02_com/08_cecc/20120515cecc_pmus.wmv

Pode consultar também a notícia no Público sobre esta matéria: http://www.publico.pt/Cultura/audicao-era-de-celebracao-aos-museus-mas-o-debate-acabou-na-nova-direccao-geral-do-patrimonio-cultural–1546224

Lançamento de livros sobre património na Universidade de Évora

A conferência internacional Local Vocabularies of Heritage (8-10 Fev. 2012) que se realiza em Évora inlcui no dia 9 de Fevereiro uma sessão para lançamento de livros sobre património de alguns dos conferencistas que participam no evento.

A sessão é entre as 18h00 e as 19h00, sala 131, Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora. A entrada é livre.

Sobre os livros:

Bortolotto, Chiara (ed. com a colaboração de Sylvie Grenet e Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Este livro foi publicado em Novembro de 2011. É editado por Chiara Bortolotto e inclui diversas contribuições que reflectem sobre o que é o Património Cultural Imaterial, como se constrói e quais os efeitos dos processos de patrimonialização, atendendo aos objectivos da Convenção 2003. Os textos dão também conta das complexidades das problemáticas suscitadas com este enquadramento internacional: qual o papel dos investigadores na articulação da Convenção 2003 com as políticas nacionais?; que tipo de respostas e ajustes terão de ser feitos pelos estados e pelas comunidades na implementação da Convenção nos territórios?; como analisar a relação entre a noção de salvaguarda em confronto com as ambiguidades que implicam os inventários do Património Cultural Imaterial.
Pode encontrar o índice aqui.

Mais informações no site da editora:
http://www.editions-msh.fr/livre/?GCOI=27351100905770&fa=description

Hauser-Schäublin, Brigitta, ed. 2011. World Heritage Angkor and Beyond: Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia. Göttingen Studies in Cultural Property, volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

  O livro está disponível para download em pdf no site das publicações da Universidade de Göttingen (Alemanha) 

http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2011/GSCP2.pdf

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

É mais uma publicação da Universidade de Göttingen e está escrito em alemão. Está disponível em pdf:
http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2010/GSCP1.pdf

Carvalho, Ana,  2011Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS. ISBN 978-989-689-169-5.

Por fim, mas não menos importante, será lançado o livro do qual sou autora: Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas, que acaba de ser impresso pela Colibri. O livro é publicado através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

A todos os que permitiram a concretização deste projecto os meus profundos agradecimentos. Gostaria, no entanto, de fazer uma menção especial ao meu orientador Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, pois sem o seu incentivo nada disto seria possível.

O livro é o resultado de uma tese de mestrado apresentada em 2009 na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Museologia. Trata-se de uma reflexão em torno do enquadramento normativo da UNESCO, em particular a Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) e o papel dos museus nesta área. Os museus são um dos agentes intervenientes na definição de estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial e é a partir desta premissa que procuramos enquadrar as responsabilidades dos museus neste campo. Sublinham-se as problemáticas e os desafios implicados numa abordagem ao património, cada vez mais alargada, e que reclama, por sua vez, intervenções mais integradas, seja do ponto de vista dos parceiros envolvidos seja do ponto de vista da diversidade dos campos disciplinares envolvidos.

O livro está organizado em três capítulos. O primeiro capítulo estabelece como ponto de partida o enquadramento histórico e institucional que conduziu à Convenção 2003, analisando as principais iniciativas da UNESCO que, ao longo das últimas décadas, foram determinantes para se chegar ao discurso de salvaguarda patente no texto da Convenção 2003. A partir do enquadramento internacional do tema, o segundo capítulo dá enfoque ao contexto nacional, nomeadamente o quadro normativo e institucional e a sua articulação com políticas culturais direccionadas para a salvaguarda do PCI. O terceiro e último capítulo reflecte sobre o papel dos museus, situando as problemáticas e a complexidade de abordar o PCI de acordo com as recomendações da Convenção 2003, assim como as suas potencialidades. É também a partir das orientações do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que se posiciona favorável a um papel activo dos museus na salvaguarda do PCI, que são analisadas diversas formas de tratar o imaterial nos museus em função das actividades museológicas. Identificar, documentar, estudar, expor e interpretar, apresentar, transmitir, educar… são algumas das possibilidades de trabalho. O papel da história oral, das novas tecnologias são aspectos igualmente tratados no livro, que se entende como um ponto de partida para a reflexão e definição de estratégias de salvaguarda.

O livro inclui ainda um prefácio da autoria do Prof. Doutor João Carlos Brigola e um texto de apresentação assinado pelo orientador do estudo, o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata.

Nota: Para além do lançamento do livro no contexto específico desta conferência está também previsto um lançamento em Lisboa com data a anunciar oportunamente.

Programa da Sessão:

18:00-19:00 Sala 131 Books Launch
Chiara Bortolotto and Sylvie Grenet
Bortolotto, Chiara (ed. avec la collaboration de Sylvie Grenet et Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Stefan Groth
Hauser-Schäublin, Brigitta (ed.) 2011. World Heritage Angkor and Beyond Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia, Göttingen Studies in Cultural Property – Volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Ana Carvalho
Carvalho, Ana,  2012. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS.

 

* O livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial” tem o apoio do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)

 

 

 

Ciclo de Seminários: Paisagem e Património, em Évora

Está a decorrer na Universidade de Évora um ciclo de seminários interdisciplinares de investigação subordinado ao tema “Paisagem e Património”. A organização é do CHAIA – Centro de História da Arte e de Investigação Artística da Universidade de Évora. Acontece todas sextas-feiras, entre as 17h e as 19h30. Os convidados de cada seminário incluem figuras do panorama internacional e nacional.

Sobre o seminário:

 

Há 25 anos, o centro histórico de Évora foi classificado Património Mundial da Humanidade. Para comemorar esta data importante, o Centro de História da Arte e de Investigação Artística cria o Seminário Interdisciplinar de Investigação sobre Paisagem e Património. 2011 é também o ano em que a Universidade de Évora comemora o 30º aniversário da sua licenciatura em arquitectura  paisagista. Com a licenciatura criada no mesmo ano (1981) pelo Instituto Superior de Agronomia, este diploma marca o início do ensino autónomo da disciplina em Portugal.

O seminário abre um espaço de reflexão em torno de dois conceitos hoje sobre expostos, devido às importantes implicações económicas que lhe estão associadas. No decurso das décadas de 1970/80, num contexto de profundas transformações económicas e sociais, na cultura ocidental a conservação e a transmissão dos patrimónios materiais e imateriais passa a estar associada às questões da memória e da presença identitária. A noção de que “tudo é património”, em torno da qual entretanto se construiu um importante sector da economia baseado no turismo cultural, encontra o seu equivalente na “omnipaisagem” descrita por Michael JaKob. Abandonada durante cinquenta anos, a paisagem seria reabilitada no decurso da década de 1980, quando secomeçou a pôr em causa o modelo de crescimento dominante e os seus impactos desastrosos para o ambiente. As iniciativas políticas tomadas pelos diferentes países europeus acabariam por inspirar uma política transnacional e por produzir uma ferramenta comum, a Convenção Europeia da Paisagem, que Portugal ratificou em 2005.

Neste seminário dedicado à polissemia e às variadíssimas representações associadas aos conceitos de Paisagem e de Património debater-se-ão, de maneira aprofundada e numa perspectiva interdisciplinar, os valores estético, emocional e de uso que lhes subjazem bem como os aspectos político, económico, cultural que regem a evolução destes dois conceitos ao longo do tempo.

 

A próxima sessão:

JALA MAKHZOUMI

Arquitecta paisagista, professora, Landscape Design and Ecosystem Management, American University of Beirut, Líbano

Rural landscape heritage in an urbanizing Arab World?

Moderador: Paulo Simões Rodrigues

Paisagens e património destruídos por actos de violência, deliberada ou não, assombram as nossas memórias, recentes e antigas, em todo o globo. O homem investe na reconstrução, procura reinventar as paisagens destruídas. Explorando a relação entre a paisagem e a condição humana, confrontaremos o nosso olhar europeu com outros modos de olhar e de fazer paisagem, em contextos de guerra recentes, fortemente marcados pelo êxodo rural e por uma urbanização galopante.

Veja, em baixo, o programa detalhado:

Programa Património e Paisagem

INVENIRE – nova revista

No próximo dia 6 de Outubro será apresentado publicamente o 1.º número da revista “Invenire” – Revista de bens culturais da Igreja. Trata-se de uma revista semestral da responsabilidade do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja.

6 de Outubro, 18h00
Local: Museu Nacional de Arte Antiga

Sobre os objectivos da revista: “informar sobre o património cultural, documental e artístico da Igreja Católica em Portugal, (…) difusão de projectos de salvaguarda e intervenções de valorização, mas também na divulgação de estudos inéditos, propostas de interpretação actuais e obras pouco conhecidas do público em geral.” in newsletter Bens Culturais da Igreja

Tese de Mestrado: "Os Trinta anos do Projecto Mértola Vila Museu: Balanço e Perspectivas"

No seguimento da divulgação da defesa da tese
“Os Trinta anos do Projecto Mértola Vila Museu: Balanço e Perspectivas” de Lígia Rafael, divulgamos o resumo.

Resumo:

A partir de final da década de setenta do século XX Mértola viveu novos tempos, não tão áureos como os do seu passado de cidade portuária, elo de ligação com as riquezas do Mediterrâneo mas, pelo menos, de Vila conhecedora das suas raízes, pronta para construir o seu novo futuro. Este novo alento foi sem dúvida dado pela consciencialização relativamente à importância do seu património arqueológico, histórico e natural.

Esta tese pretende clarificar a relação existente entre o Projecto Mértola Vila Museu e o desenvolvimento local, caracterizando e analisando o projecto com o objectivo de conhecer as suas acções, implicações e consequências no desenvolvimento de Mértola. Passados trinta anos esta reflexão é essencial para perceber se este projecto foi, ainda é, e será, factor de desenvolvimento local, e quais as suas perspectivas de futuro.

Palavras-chave: Património; Território; Desenvolvimento Local; Comunidade; Museu; Preservação; Valorização.

Listagem de sítios arqueológicos disponíveis online

LISTAGEM DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS REPRESENTADOS NO ACERVO DO MNA DISPONÍVEIS EM LINHA

Correspondendo às solicitações de numerosos estudantes, investigadores e gestores do património a nível local, o MNA passou a disponibilizar em linha no seu portal Internet a listagem dos sítios arqueológicos representados no seu acervo.

Esta listagem pode ser consultada on-line ou descarregada para uso individual. Permite pesquisa seleccionada e pretende corresponder às necessidades sentidas pela comunidade arqueológica nacional.
Trata-se de uma listagem em actualização permanente, mas que ainda se encontra incompleta em alguns dos seus atributos. Solicita-se por isso a boa compreensão dos utilizadores, assim como a sua contribuição com a indicação de todos os elementos que entendam ser úteis aocompletamento dos elementos indicados e a melhoria do serviço prestado.

Todas as sugestões poderão ser enviadas para: webmaster@mnarqueologia-ipmuseus.pt

Localização directa da listagem de sítios representados no acervo do MNA:
http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/

(Fonte: Lista de discussão MUSEUM)

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 18 de Abril de 2009: Tomar

Para o próximo dia 18 de Abril comemora-se o dia internacional dos Monumentos e Sítios. Em Tomar acontece:

Conferências:

(na Biblioteca Municipal, pelas 15h00)

Conferência de abertura: Os sítios e os tempos da identidade, nas memórias de Tomar, José Faria (Arquitecto)

1ª Comunicação: A Necrópole de St.ª Maria dos Olivais – Arqueologia, como factor dinamizador para a nova História da Cidade de Tomar, Dr.ª Arlete Castanheira (GEOARQUE – Consultores na Área do Património Cultural, Lda)

2ª Comunicação: Santa Maria dos Olivais: resultados preliminares da intervenção arqueológica da Fase I, Helena Santos (Arqueóloga), Joana Carrondo (Arqueóloga), Ricardo Ribeiro (Arqueólogo)

3ª Comunicação: Da ocupação humana à Necrópole de Santa Maria dos Olivais (Fase II), Elisabete Pereira (Arqueóloga), Sérgio Pereira(Arqueólogo)

4ª Comunicação: Quando os ossos falam (resultados preliminares doestudo antropológico da necrópole de Santa Maria do Olival – Tomar), Sónia Cristina Rosado Ferro (Antropóloga Biológica), Cláudia Margarida Lopes dos Santos (Antropóloga Física)

5ª Comunicação: Fundição Tomarense – Pré-Inventariação e acondicionamento: os primeiros passos de uma musealização, Inês Pina (Conservadora-Restauradora)

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

Jornadas Património Ferreira Alentejo, 21-22 Outubro 2008

Nos dias 21 e 22 de Outubro terão lugar as primeiras jornadas dedicadas ao Património em Ferreira do Alentejo.

Local: Auditório do Museu Municipal de Ferreira do Alentejo
Organização: Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo
Apoio: CIDEHUS-Universidade de Évora

Entrada gratuita para estudantes
Público em Geral: 10 euros

Programa e Ficha de Inscrição

Cartaz

Petição sobre o Convento de Cristo em Tomar

Surgiu na internet uma petição sobre o Convento de Cristo em Tomar, que aqui transcrevemos:

Portaria nº1130/2007, de 20 de Dezembro, impõe a afectação de um castelo, o de Tomar, e da Ermida de N. Srª da Conceição,integrando o Conjunto Monumental Património Mundial, (Convento de Cristo) afecto ao IGESPAR, a uma nova tutela, que a concretizar-se, resultará num objectivo espartilhamento daquele conjunto.

Importa saber que é, exactamente, a diversidade arquitectónica e histórica na sua íntegra continuidade que sustenta o reconhecimento do Conjunto como Património da Humanidade: (Castelo, Convento, Cerca, Ermida e Aqueduto).

Este espartilhamento representa um retrocesso, cultural e da política de gestão deste património, até à situação anterior a 1875.

Lutemos pela unidade da memória da Ordem do Templo e da Ordem de Cristo em Tomar!!!

Para assinar a petição:
http://www.petitiononline.com/1cc1160/petition.html

CONF sobre Património Imaterial: "Memória, Identidade, Projecto": Museu da Luz, 30 Maio 2008

A 3.ª conferência de um ciclo de colóquios dedicado ao Património Cultural Imaterial irá ter lugar no póximo dia 30 de Maio de 2008 no Museu da Luz, desta vez subordinado ao tema: “Memória, Identidade, Projecto”.

Inaugurado em 2003, o Museu da Luz constitui um caso exemplar no tecido museológico nacional no âmbito do estudo e divulgação do património à escala local, em função da atenção que dedica simultaneamente ao património móvel e ao património imaterial.

Tal dimensão programática tem expressão na ampla utilização de meios audiovisuais, não apenas para fins de documentação das suas colecções, em particular na perspectiva do processo de transformação de que a aldeia foi objecto, mas também como meio de participação da própria comunidade no processo de registo da sua memória colectiva.

Tomando como ponto de partida o Museu da Luz, bem como outros projectos em curso na região do Alentejo, é assim objectivo do Colóquio promover a reflexão sobre as possibilidades e os desafios que se colocam hoje aos processos de salvaguarda do património imaterial, em termos da exigência técnico-científica de que os mesmos se devem revestir, da importância que deve assumir a salvaguarda dos registos desse património no âmbito da constituição de arquivos audiovisuais, bem como do envolvimento e da participação das comunidades detentoras desse mesmo património.

09h30 | Recepção aos Participantes
10h00 | Abertura
10h30 | Um Museu para a Luz, Maria João Lança (EDIA, S.A – Museu da Luz)
10h50 | Pesquisa e Recolha Etnográfica: o caso da aldeia da Luz, Clara Saraiva (IICT / FCSH-UNL)
11h20 | Intervalo
11h40 | A Luz em Imagens, Catarina Mourão (Laranja Azul)
12h20 | Debate
12h40 | Intervalo para Almoço

15h00 | Arquivos Audiovisuais no Século XXI, Salwa Castelo Branco (INET-MD – FCSH)
15h20 | A Estratégia da Direcção Regional de Cultura do Alentejo para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Região, Ana Pagará (DRCALEN) | Paulo Lima (DRCALEN)
15h40 | Núcleo da Oralidade do Museu de Castro Verde: representar e dinamizar a memória, entre o material e o imaterial, Paulo Nascimento (CMCV) | Miguel Rego (CMCV)
16h00 | Museus e Património Imaterial: algumas práticas nos museus da RPM, Cláudia Freire (DCQM/IMC)
16h20 | Debate
17h00 | Encerramento

Inscrição Gratuita (No entanto, é necessário proceder à inscrição)

Organização | Inscrições:
Instituto dos Museus e da Conservação
Departamento de Património Imaterial
Tel: 21-365 08 26/ Email: dpi@imc-ip.pt / www.ipmuseus.pt

————————–

As próximas conferências:

Saberes e Técnicas: entre o Registo e a Transmissão
Ecomuseu Municipal do Seixal – 27 JUNHO 2008

Terrenos Portugueses: O que Fazem os Antropólogos?
Faculdade de Ciências e Sociais e Humanas – 13 OUTUBRO 2008

Museus Globais: Colecções Etnográficas e Multiculturalidade
Museu Nacional de Etnologia – 28 NOVEMBRO 2008