Arquivo de etiquetas: Paulo Simões Rodrigues

O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão

O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão
Autora: Liliana Manuel Maia Pina
Tese apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Universidade de Évora
Júri: Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues (Presidente), António Camões Gouveia (Arguente), Marta Lourenço (Co-orientadora), Clara Frayão Camacho (Orientadora)
Ano: 2012 (Junho)

Resumo:

Esta dissertação tem como objectivo a caracterização e diagnóstico da estrutura de gestão do Museu das Comunicações, com vista à formulação de uma proposta de redefinição, enquadrada nos princípios museológicos legais e deontológicos em vigor, no estado da arte da gestão de museus e nas práticas de gestão das fundações com museus em Portugal.

O estudo do Museu baseou-se na sua caracterização, do ponto de vista da sua génese e evolução, das suas colecções, da localização e do edifício. Abordou-se de modo mais aprofundado, a sua estrutura de gestão, particularmente a estrutura orgânica e aplicação das funções museológicas.

A dissertação culmina com uma proposta para reestruturar a gestão do Museu das Comunicações assente na redefinição dos ‘princípios fundadores’ e do seu impacto no enquadramento na tutela, na estrutura organizacional (aplicação das funções museológicas e organização dos recursos humanos) e nos instrumentos complementares da gestão museológica.

Abstract:

This dissertation aims the characterization and diagnosis of Museu das Comunicações management structure, in order to formulate its redefinition proposal, framed in museums legal and ethical principles in force, in the state of the art on museum management and on management practices of foundation with museums in Portugal.

The Museum study was based on the characterization of the institution, from the standpoint of its genesis and evolution, its collections, the location and the building. We deepened the reflection on its management structure, particularly the organic structure and implementation of museum functions.

The dissertation culminates with a proposal to restructure this museum management, based on the reformulation of ‘foundation statements’ and on their impact on the trust framework, on the organization structure (appliance of museum functions and the human resources organization) and on museum management additional instruments.

Tese de doutoramento: “Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea”


© Ana Carvalho

Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação

Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation

Autora: Genoveva Oliveira
Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues
Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora
Júri: Presidente: Doutor José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais:

  • Doutora Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha)
  • Doutor João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora – orientador
  • Doutora Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto
  • Doutor Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora
  • Doutor Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador
  • Doutora Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa

Data: 24 fev. 2012

Resumo: A parceria escola-museu é uma relação importante. A maioria das pessoas fazem a sua primeira visita a um museu com um grupo escolar e essas experiências iniciais ajudam a moldar as suas atitudes para com os museus. Esta parceria assume um novo significado à medida que a nossa sociedade expande a sua definição de “educação”para descrever um processo de desenvolvimento permanente de conhecimentos, competências e carácter que ocorre não apenas no espaço da sala de aula, mas numa variedade de contextos formais e informais. Museus e escolas figuram nessa rede de aprendizagem e há muito que têm trabalhado juntos em direcção a metas comuns de educação. Esta tese de doutoramento focaliza a questão sugerindo que, para alcançar o potencial da parceria, os educadores do museu e os professores devem desenvolver uma compreensão mais aprofundada da natureza do ambiente do museu de aprendizagem, como ela difere da sala de aula e como as duas definições são complementares.

Abstract: The museum-school partnership is an important institution. Most people make their first visit to a museum with a school group, and these experiences help to shape their attitudes toward museums. This partnership takes on new significance as our society expands its definition of “education” to describe a lifelong process of developing knowledge, skills, and character that takes place not just in the classroom, but in a variety of formal and informal settings. Museums and schools both figure in this learning network, and they have long worked together toward common educational goals. This doctoral tesis recommended that to achieve the potential of the partnership, both museum educators and teachers should develop a fuller understanding of the nature of the museum learning environment, how it differs from the classroom, and how the two settings are complementary.

Call for Papers: MIDAS – Museus e estudos interdisciplinares

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está a aceitar artigos e recensões para o 1.º número que será publicado no último trimestre de 2012. O data limite é já dia 31 de março.

MIDAS é uma nova revista dedicada aos museus. É digital e semestral. Sobre a missão, gestão editorial e comité científico da revista consulte o site:http://revistamidas.hypotheses.org/) ou a página no facebook: https://www.facebook.com/revistamidas

Este “call for papers” não é temático. A revista aceita artigos que favoreçam a abordagem interdisciplinar e a problematização de temas no contexto do mundo dos museus, incluindo os seguintes domínios: Teoria dos Museus; Museus na Sociedade; Gestão de Museus; Conservação; Estudos de Públicos, Comunicação e Mediação; Políticas e Práticas de Exposição; Museus e Patrimónios; Novas Tecnologias; Arquitetura de Museus; História de Museus/Coleções; e Gestão de Coleções.

Submissão de artigos:
– português, espanhol, francês e inglês
– até 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12
– Sistema Autor-Data do “Chicago Manual of Style”

Submissão de recensões:
– em português, espanhol, francês ou inglês
– publicações nacionais e internacionais (menos de 2 anos); e exposições
– até as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12

Mais informação sobre as normas de publicação aqui: http://revistamidas.hypotheses.org/normas-de-publicacao

Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

Para o primeiro número lançou-se uma chamada de artigos, aberta até 31 de Março de 2012. Este número não é temático, sendo possível submeter artigos nas várias áreas de investigação da museologia.

Sobre a revista:

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais).

A revista é da responsabilidade editorial de Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA-Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

A revista tem também um Comité Científico, constituído por vários especialistas de reconhecido mérito nas mais diversas áreas de investigação da museologia. Cabe ao Comité Científico assegurar a arbitragem científica dos artigos, o que pressupõe que todos os artigos submetidos são analisados de forma anónima (pelo menos por 2 revisores).

Para a submissão de artigos tenha em conta as seguintes recomendações:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style
(Ler mais sobre as normas de publicação aqui)

 

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e as normas de publicação consulte: www.revistamidas.hypotheses.org

“As origens e influências orientais no Tapete de Arraiolos: Contributos para a sua Musealização”

As origens e influências orientais no Tapete de Arraiolos: Contributos para a sua Musealização
Autor: Rui Miguel Bartolomeu Alves Lobo
Tese de Mestrado no âmbito do Mestrado em Museologia da Universidade de Évora
Júri: Filipe Manuel Miranda Themudo Barata, Paulo Simões Rodrigues (orientador) e Alexandra Curvelo (arguente)
Data: Out. 2011

JALA MAKHZOUMI na Universidade de Évora

No seguimento do “post” anterior, Jala Makhzoumi, arquitecta paisagista, professora (Landscape Design and Ecosystem Management) na American University de Beirute, no Líbano estará hoje em Évora para um seminário de investigação. “Rural landscape heritage in an urbanizing Arab World?” é o título da comunicação que Jala Makhzoumi vai fazer. Paulo Simões Rodrigues vai moderar a sessão.

Paisagens e património destruídos por actos de violência, deliberada ou não, assombram as nossas memórias, recentes e antigas, em todo o globo. O homem investe na reconstrução, procura reinventar as paisagens destruídas. Explorando a relação entre a paisagem e a condição humana, confrontaremos o nosso olhar europeu com outros modos de olhar e de fazer paisagem, em contextos de guerra recentes, fortemente marcados pelo êxodo rural e por uma urbanização galopante.

17 horas
(sala 242, Colégio Espírito Santo, UE)

Ciclo de Seminários: Paisagem e Património, em Évora

Está a decorrer na Universidade de Évora um ciclo de seminários interdisciplinares de investigação subordinado ao tema “Paisagem e Património”. A organização é do CHAIA – Centro de História da Arte e de Investigação Artística da Universidade de Évora. Acontece todas sextas-feiras, entre as 17h e as 19h30. Os convidados de cada seminário incluem figuras do panorama internacional e nacional.

Sobre o seminário:

 

Há 25 anos, o centro histórico de Évora foi classificado Património Mundial da Humanidade. Para comemorar esta data importante, o Centro de História da Arte e de Investigação Artística cria o Seminário Interdisciplinar de Investigação sobre Paisagem e Património. 2011 é também o ano em que a Universidade de Évora comemora o 30º aniversário da sua licenciatura em arquitectura  paisagista. Com a licenciatura criada no mesmo ano (1981) pelo Instituto Superior de Agronomia, este diploma marca o início do ensino autónomo da disciplina em Portugal.

O seminário abre um espaço de reflexão em torno de dois conceitos hoje sobre expostos, devido às importantes implicações económicas que lhe estão associadas. No decurso das décadas de 1970/80, num contexto de profundas transformações económicas e sociais, na cultura ocidental a conservação e a transmissão dos patrimónios materiais e imateriais passa a estar associada às questões da memória e da presença identitária. A noção de que “tudo é património”, em torno da qual entretanto se construiu um importante sector da economia baseado no turismo cultural, encontra o seu equivalente na “omnipaisagem” descrita por Michael JaKob. Abandonada durante cinquenta anos, a paisagem seria reabilitada no decurso da década de 1980, quando secomeçou a pôr em causa o modelo de crescimento dominante e os seus impactos desastrosos para o ambiente. As iniciativas políticas tomadas pelos diferentes países europeus acabariam por inspirar uma política transnacional e por produzir uma ferramenta comum, a Convenção Europeia da Paisagem, que Portugal ratificou em 2005.

Neste seminário dedicado à polissemia e às variadíssimas representações associadas aos conceitos de Paisagem e de Património debater-se-ão, de maneira aprofundada e numa perspectiva interdisciplinar, os valores estético, emocional e de uso que lhes subjazem bem como os aspectos político, económico, cultural que regem a evolução destes dois conceitos ao longo do tempo.

 

A próxima sessão:

JALA MAKHZOUMI

Arquitecta paisagista, professora, Landscape Design and Ecosystem Management, American University of Beirut, Líbano

Rural landscape heritage in an urbanizing Arab World?

Moderador: Paulo Simões Rodrigues

Paisagens e património destruídos por actos de violência, deliberada ou não, assombram as nossas memórias, recentes e antigas, em todo o globo. O homem investe na reconstrução, procura reinventar as paisagens destruídas. Explorando a relação entre a paisagem e a condição humana, confrontaremos o nosso olhar europeu com outros modos de olhar e de fazer paisagem, em contextos de guerra recentes, fortemente marcados pelo êxodo rural e por uma urbanização galopante.

Veja, em baixo, o programa detalhado:

Programa Património e Paisagem

Museus e Investigação

Inauguramos esta nova temporada de trabalho com uma notícia que não é nova, mas que merece especial destaque. A revista do Instituto de História da Arte (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas-UNL) publicou em Maio passado um número dedicado aos museus, uma vez que esta é uma das linhas de investigação do instituto. Este é mais um sinal claro da importância que a museologia tem como campo de estudo na actualidade.

Este número tem a coordenação de Raquel Henriques da Silva. Os artigos são, na sua maioria, de investigadores do Istituto de História da Arte, mas a revista não é exclusiva. A revista apresenta para além de uma secção generosa de artigos (14), uma secção para resenções, um espaço designado por “Varia” e ainda uma área para notícias sobre projectos e informação sobre teses de mestrado e doutoramento concluídas (desde 2008) e teses de doutoramento em curso, que de alguma forma se inscrevem nesta linha de investigação.

Índice:

Raquel Henriques da Silva, Editorial, p. 7

Afonso Ramos, Joana Cunha Leal, Mariana Pinto dos Santos, Entrevista com James Elkins, p. 9

(Artigos)

Angelo Cattaneo, Inventare musei per ordinare e rappresentare il mondo. La Guardaroba nuova di Palazzo Vecchio e le Sale delle cosmografia e delle matematiche agli Uffizi a Firenze, p. 25

Joaquim Oliveira Caetano, Os Projectos do Arquitecto Joaquim de Oliveira para as Bibliotecas-Museu de Frei Manuel do Cenáculo, p. 49

Hugo Xavier, O “Museu de Antiguidades” da Ajuda: numismática e ourivesaria das colecções reais ao tempo de D. Luís, p. 71

Sofia Lapa, Georges-Henri Rivière na génese do Museu Calouste Gulbenkian. Contributos para o estudo da colaboração entre o museólogo francês e a Fundação Calouste Gulbenkian, p. 89

Maria João Vilhena, Sérgio Guimarães de Andrade, o conservador e a sua colecção. A imaginária como conceito, p. 111

Rupert Cox, Objects that move: Japanese Namban screens in the realm of the senses, p. 127

José Alberto Seabra Carvalho, “Que hacen los conservadores?” A propósito do incomodativo problema da existência de mestres desconhecidos nas tabelas dos museus, p. 139

Leonor de Oliveira, A exposição “A Rainha D. Leonor” no quadro das exposições evocativas do Estado Novo, p. 153

Alexandra Curvelo, Mariano Piçarra, Luís Afonso, Os caminhos para a Casa Perfeitíssima, p. 169

Raquel Henriques da Silva, Investigar para expor. Duas exposições na Fundação Calouste Gulbenkian, 2007-2009, p. 179

Lúcia Almeida Matos, Vítor Silva, Expor a investigação – dois percursos pela obra de Henrique Pousão, p. 193

Lúcia Almeida Matos, Na Presença de Marina Abramovic – notas sobre musealização da performance, p. 207

Rita Macedo, Cristina Oliveira, A documentação de arte efémera como forma de preservação: O caso de Árvore Jogo/Lúdico em 7 Imagens Espelhadas de Alberto Carneiro, p. 217

Vivian van Saaze, Going Public: Conservation of Contemporary Artworks. Between Backstage and Frontstage in Contemporary Art Museums, p. 235

(Resenções Críticas)

Joana Baião, Jorge Custódio: “Renascença artística” e práticas de conservação e restauro arquitectónico em Portugal, durante a l.ª República. Tese de Doutoramento em Arquitectura. Universidade de Évora, 2009, p. 252

Miguel F. dos Santos, Peter Goldie e Elisabeth Schellekens, Who’s Afraid of Conceptual Art?, Londres e Nova Iorque: Routledge, 2010, p. 258

(Varia)

Paulo Simões Rodrigues, O Conde Athanasius Raczynski e a Historiografia da Arte em Portugal, p. 264

Afonso Ramos, José Rodrigues e o Cego Rabequista, p. 276

Maria Jesus Ávila, Encontros perdidos: objectos surrealistas destruídos, p. 286

(Notícias-Projectos de investigação financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia-FCT)

Raquel Henriques da Silva, Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal, p. 306

Lúcia Almeida Santos, Documentação de Arte Contemporânea, p. 308

Maria João Melo, Crossing Borders. História, Materiais e Técnicas na Pintura Portuguesa do Romantismo, Naturalismo e Modernismo: 1850-1918, p. 310

(Linha de Museum Studies: Dissertações e Teses de Doutoramento em Museologia – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e Faculdade de Ciência e Tecnologia da universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto)

Para saber mais, consulte:
http://iha.fcsh.unl.pt/

A publicação está à venda no Instituto de História da Arte:

Gab. 305, edifício I&D
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna 26 C 1069-061 Lisboa

iha.divulgacao@fcsh.unl.pt

Recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®

[vimeo=http://vimeo.com/17044721]

Trata-se de um projecto inovador: a recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®.

O projecto está a ser desenvolvido pelo Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA), da Universidade de Évora, em colaboração com a empresa Beta Technologies e o King’s Visualisation Lab – King’s College London.

O trabalho realizado até à data poderá ser visitado em http://lisbon-pre-1755-earthquake.org/

O ionline publica uma notícia sobre este projecto, incluindo comentários de especialistas nacionais e internacionais:
http://www.ionline.pt/

Sugestão de Leitura: "40 Anos do Instituto José de Figueiredo"

capa-livro-jose-de-figueiredo.jpg

40 Anos do Instituto José de Figueiredo
Autores: José Alberto Seabra Carvalho, Alexandra Curvelo, Emília Ferreira, Sandra Leandro, Alexandre Nobre Pais, Mário Pereira, Isabel Ribeiro, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Sousa, Maria Helena Souto
Publicação: Lisboa, IPM, 2007
Descrição Física: 144 p.
ISBN: 972-99476-6-X

A publicação que aqui damos destaque foi lançada recentemente pelo Instituto dos Museus e da Conservação no contexto do dia internacional de Museus.

Resumo:
O Instituto Português de Conservação e Restauro, antigo Instituto José de Figueiredo, organismo de referência na área da Conservação e Restauro em Portugal, celebrou recentemente 40 anos de actividade. Entre os projectos comemorativos, elaborou-se uma monografia que procurou dar visibilidade ao trabalho desenvolvido por este organismo e promover uma reflexão crítica sobre as teorias e práticas da conservação e restauro em Portugal. Para o efeito foram contactados dez investigadores especializados em cada uma das áreas em estudo que, apoiados pelo acervo do I.P.C.R., traçaram um percurso desta actividade no nosso país.

Fonte: Site RPM