Arquivo de etiquetas: Políticas culturais

Políticas museológicas em Portugal – o estado da arte?

De acordo com informação veiculada pelo ICOM-PT, está disponível no site do ARTv, a gravação integral da audição junto da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, na Assembleia da República (AR), realizada no dia 15 de Maio de 2012 sobre questões ligadas à Política Museológica Portuguesa. Esta reunião tinha como enquadramento a celebração do Dia Internacional dos Museus deste ano (MUSEUS NUM MUNDO EM MUDANÇA: Novos Desafios, Novas Inspirações), mas acabou por extrapolar para temas que estão na ordem do dia, nomeadamente as mudanças trazidas no âmbito da reformulação institucional do sector, com a criação da nova Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), cuja lei orgânica irá exigir alterações profundas com consequências, ao que tudo indica, menos positivas para os museus e para os profissionais.

Nesta audição, da parte de museus e instituições associadas, estiveram presentes Raquel Henriques da Silva, professora da Universidade Nova de Lisboa e directora do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade e ex-directora do Instituto Português de Museus (1997-2002), João Neto, Presidente da Associação Portuguesa de Museus (APOM), Luís Raposo, Presidente do Comité Nacional do ICOM, Isabel Victor, directora da Rede Portuguesa de Museus (RPM) e Grabriela Carvalho, professora na área do turismo.

Os vários interlocutores, a partir de diferentes perspectivas mostraram muitas apreensões sobre o que está a passar na cena museológica portuguesa, nomeadamente sobre a nova configuração institucional para os museus, património e conservação, com grande ênfase sobre a forma como o processo de elaboração da nova lei orgânica da DGPC foi conduzido, sendo referido, por quase todos, que o processo foi efectivamente mal conduzido e antidemocrático, uma vez que os profissionais do sector não foram ouvidos neste contexto. Vários aspectos foram ainda sublinhados, e sem a pretensão de resumir esta sessão, destacaria alguns: a incerteza do futuro da RPM, e do caminho alcançado pela Lei-quadro de Museus de 2004, a futura entrega de museus nacionais às direcções de cultura regionais, o papel dos directores de museus no futuro cenário institucional e o futuro também incerto de muitos profissionais ligados ao sector.

Raquel Henriques da Silva foi peremptória, quando afirmou que a situação é “profundamente crítica e grave”, e que se assiste na cultura a um também profundo retrocesso para os museus.

Talvez seja o momento para uma mobilização significativa dos profissionais do sector, que com poucas excepções e de carácter pontual, se têm feito ouvir, mas que diante da situação em que se vive,  poderia ter um papel mais activo na discussão e reflexão sobre os problemas que afectam os museus e para uma redefinição daquilo que se pretende alcançar para a museologia em Portugal. Será que o tempo dos manifestos acabou?

Pode ver e ouvir a audição na íntegra aqui:

http://80.251.167.42/videos-canal/XII/SL1/02_com/08_cecc/20120515cecc_pmus.wmv

Pode consultar também a notícia no Público sobre esta matéria: http://www.publico.pt/Cultura/audicao-era-de-celebracao-aos-museus-mas-o-debate-acabou-na-nova-direccao-geral-do-patrimonio-cultural–1546224

Debate: “Os desafios da política de museus em tempo de crise”

No próximo dia 9 de Novembro de 2011, terá lugar um debate sobre os desafios da política de museus em tempo de crise, no Museu da Electricidade, em Lisboa (pelas 18h00). Este encontro é organizado pelo ICOM-Portugal.

Para o debate foram convidados algumas personalidades do panorama museológico: Luís Raposo, no papel de Presidente do ICOM Portugal e João Neto, que é para quem não conhece o Presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, há já alguns anos. Foram ainda convidadas outros intervenientes: Graça Filipe, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Manuel Bairrão Oleiro e Raquel Henriques da Silva.

Como ponto de partida para a discussão pode ler-se o documento que o ICOM-PT divulgou recentemente (ver post sobre o documento aqui)

A entrada é livre!

Mais informações: http://www.icom-portugal.org/

Museu do Douro e Museu do Côa adiados?

maquina-de-escrever.gif

“A ministra da Cultura admite estar com dificuldades financeiras para cumprir a promessa de abrir três novos museus este ano. Por isso, dois só deverão estar funcionais em 2009. (…)

[No entanto] Está garantida a abertura do Museu do Mar da Língua […]”, afirma a ministra da Cultura.”

Para ver o resto da notíca clique aqui.

Debate sobre a crise nos Museus portugueses?

como-tornar-os-museus-acessiveis.jpg

Debate “Como tornar os museus acessíveis?”
Fundação Calouste Gulbenkian, Sala 1, 11 Dez. 2007
©Ana Carvalho

Ontem teve lugar um interessante encontro de profissionais de museus para levar à discussão o tema “Como tornar os museus acessíveis?”.

No Mundo dos Museus esteve presente neste debate. De acordo com o que foi dito, esta foi a primeira vez que se reuniram para a realização de um encontro: ICOM-Portugal, APOM e IMC, o que não deixa de ser um balanço positivo a priori.

Entre as intervenções dos representantes da mesa de debate, nomeadamente, João Castel-Branco Pereira (Presidente ICOM-Portugal), Manuel Bairrão Oleiro (Director IMC), José d’Encarnação (administrador da lista de discussão MUSEUM), João Neto (Presidente da APOM) e Luís Raposo (membro dos corpos gerentes da CN do ICOM) e as intervenções dos presentes na sala, eis algumas impressões que nos deixou o debate:

Os museus portugueses debatem-se contra algumas dificuldades, nomeadamente, com os hábitos culturais da sociedade portuguesa, que em geral não tem o hábito de ir aos museus, contra algum analfabetismo e um poder de compra dos portugueses cada vez mais reduzido. Por outro lado, verifica-se a ausência de uma política cultural integrada por parte do governo que vise a mudança deste paradigma na sociedade portuguesa.

A responsabilização por este “estado de coisas” é repartida, ou seja, é da sociedade civil em contexto mais alargado e em particular dos profissionais, que tendo conhecimento desta situação não reinvindica, não se manifesta.

A ideia de que existe uma “crise de subdesenvolvimento social” geral em Portugal, que se traduz numa política cultural fragmentada na sua acção, mais virada para acções pontuais sem procurar uma planificação a médio e longo prazo, e que muito concretamente nos remete para a ausência evidente de uma política museológica. A este propósito, saliente-se a crítica a uma política do governo, actualmente mais virada para a realização de “eventos”, com maior preocupação no imediato e no efémero. Neste contexto, foram citadas as teorias de Francis Haskell sobre a crise dos museus anglosaxónicos no que diz respeito a efemeridade das exposições “acontecimento” em que o marketing cultural predomina sobremaneira.

Numa perspectiva de encarar alguns dos problemas com que se debatem os museus portugueses foi sugerido:

– Luta por uma maior desburocratização dos serviços.
– Aumento da automomia dos museus.
– Uma maior acção militante dos museus e respectivos profissionais sobre as questões principais problemas da museologia actual.
– Maior responsabilização dos museus no que diz respeito à avaliação de programas, exposições, etc.
– Combate à precarização dos contratos de trabalho nos museus.
– Exigir um aumento do orçamento para os museus.
– Flexibilização da entrada de recursos humanos nos museus e o direito ao trabalho de profissionais de museologia.
– A necessidade de captar públicos.
– Melhoria das acessibilidades, sejam de ordem física, intelectual e económica aos museus.
– Criação de uma galeria nacional de exposições temporárias em articulação com os museus nacionais.
– Criação de uma “ilha de museus” na praça do Comércio que concentrasse os museus históricos.
– Estabelecer estratégias a longo prazo para os museus, por oposição a uma estratégia de carácter pontual em função dos projectos.
– Necessidade de maior flexibilidade dos museus para a captação de recursos financeiros de mecenato.
– Necessidade de debater o papel dos museus e sua relação com o turismo em Portugal.
– Necessidade de refexão sobre o papel actual do profissional de museologia em Portugal.

Em jeito de conclusão, podemos dizer que o debate foi alargado aos mais diferentes problemas que afectam hoje em dia a museologia em Portugal, arriscando-se a ser mais um debate sobre a crise que atravessam os museus portugueses na actual conjuntura. A necessidade urgente de se realizarem mais debates, temáticos e incisivos, ficou claramente demonstrado pela pluralidade dos tópicos abordados.

Sugestão de Leitura: "Acteurs locaux et patrimoine immatériel: le rôle des villes historiques de la Méditerranée"

livro-sobre-patrimonio-imaterial.jpg

Acteurs locaux et patrimoine immatériel: le rôle des villes historiques de la Méditerranée
Autores: Djamil Aissani, Giovanni Lobrano, Abdelkader Sid Ahmed
Edição: Publisud (1 Outubro 2004)
Descrição Física: 335 p. ISBN-10: 2866009878
ISBN-13: 978-2866009878

Sobre o livro:

L’expérience et l’activité de la Conférence Permanente des Villes Historiques de la Méditerranée ont montré que la thématique de la sauvegarde et de la gestion du patrimoine, qui relève également du VIe Séminaire International de la CPVHM à Béjaïa, tout en se référant à l’irréductible individualité des situations locales, peut tirer profit d’une gestion transnationale des activités de valorisation, dans lesquelles les villes, les institutions locales et centrales qui sont confrontées à une problématique commune, peuvent atteindre leurs objectifs et développer leurs capacités, visant à l’harmonisation des programmes et des politiques d’intervention. Comme on le sait, il existe un haut degré de connexion entre la mise en valeur du patrimoine culturel et l’amélioration de la qualité de vie dans les villes. En même temps, l’économie et la culture internationales reconnaissent au patrimoine historique une valeur fondamentale de ressource économique et privilégient des actions de réhabilitation visant non seulement des objectifs de promotion culturelle, mais également de dynamisation économique et productive. Par ailleurs, ce volume postule l’hypothèse d’une liaison étroite entre la problématique de la sauvegarde du patrimoine, le rôle des institutions locales comme acteurs de gestion du territoire et leur fonction décisive en tant qu’articulation entre les décisions du niveau national-international et les exigences de vie et de participation démocratique des sociétés locales. Dans ce domaine, l’ouvrage fait référence à un double ordre d’expériences: (1) un Projet de recherche-action, organisé dans le cadre du Programme EUROMED Héritage II, élargi à la région méditerranéenne dans son ensemble, à partir d’une approche du patrimoine fondée sur la valorisation des savoir-faire locaux des sociétés méditerranéennes et (2) l’activité de réhabilitation et de mise en valeur de la Vieille Ville de Bethléem, où la valorisation des savoir-faire locaux a été replacée dans le contexte de la restauration et récupération du patrimoine architectural, ainsi que dans le cadre de la mise en valeur du patrimoine culturel local dans son ensemble. Cette approche a permis d’interpréter de façon tout à fait innovante le thème de la ” construction ” de l’institution municipale en tant qu’acteur principal de gestion du territoire. L’hypothèse de départ des actions citées est basée sur un certain nombre d’acquis synthétiquement indiqués comme suit:
1) L’élargissement de la notion de “patrimoine culturel” aux savoir-faire locaux, composante fondamentale des identités culturelles méditerranéennes.
2) La reconnaissance de l’utilité et de l’importance des leçons tirées des expériences réussies ne doit pas se traduire par un pur et simple transfert d’expériences, connaissances, modèles et techniques, mais par la mise en place d’un partenariat euroméditerranéen, dans l’esprit de la Conférence de Barcelone.
3) La mise en place d’actions de valorisation doit coupler activité de recherche et de connaissance, à des projets pilotes qui sont à la fois spécifiques aux filières transnationales de savoir-faire et, en même temps, compatibles avec les caractéristiques des identités culturelles locales.
4) La mise en œuvre de politiques de valorisation du patrimoine fondées sur les savoir-faire, ne pourra se faire qu’à travers la participation d’une pluralité d’acteurs, institutionnels et non institutionnels (collectivités locales, associations de citoyens et de producteurs, Chambres de Commerce et de Métiers, Universités et Centres de Recherche Technique et pour l’Innovation, etc.). Le rapport de tous ces acteurs avec les institutions publiques locales représente le nœud crucial d’un ” pacte ” visant à intégrer les différentes instances économiques, culturelles et sociales dans un programme de valorisation unitaire et intégré du patrimoine.

Sobre os autores:

Djamil Aissani – professeur de mathématiques à l’Université de Béjaïa; président du GEHIMAB, Béjaïa.
Giovanni Lobrano – professeur de droit romain et doyen de la Faculté de Droit de l’Université de Sassari ; vice-directeur de l’ISPROM.
Abdelkader Sid Ahmed – chercheur à l’Institut de Recherche pour le Développement (IRD), Paris; professeur IEDES – Université de Paris I Panthéon – Sorbonne, coordinateur général du Programme Euromed ” Filières innovantes. ”

O livro está disponível na Amazon.