Arquivo de etiquetas: Políticas culturais

Museologia, entrevista com Filipe Themudo Barata

 

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

 

Damos início no blogue a um ciclo de entrevistas intitulado Per(cursos) e Perspectivas da Museologia, convidando personalidades ligadas à museologia para connosco reflectir sobe o mundo dos museus face aos desafios que se enfrentam no contexto actual. O desafio é trazer a público uma entrevista por mês, dando espaço a diferentes vozes e perspectivas.

Estivemos à conversa com Filipe Themudo Barata[1],  professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e que tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Filipe Themudo Barata (FTB) – Eu separaria três coisas que são aparentemente diferentes. Uma como turista e interessado em museus. Lembro-me, há muitos anos, de visitar museus na Alemanha, na Inglaterra – a Tate Gallery por exemplo e lembro-me de visitar o Louvre. Lembro-me que o que achava interessante era a paciência que aquilo representava, o trabalho acumulado de tanto tempo a juntar tantas peças. O que me lembro era esse espírito de colecção, porque eu também tinha um espírito de coleccionista, e de ficar muito marcado pela ideia de que para juntar tantas peças é preciso muito tempo, muita paciência e muita gente para fazer e organizar colecções. E, por isso, os museus maiores impressionavam-me imenso. E estou a falar de quando eu era um estudante de liceu e da universidade, estaremos, portanto, nos anos sessenta.

Depois, quando comecei a visitar museus com objectivos mais críticos e de apreciação, lembro-me de visitá-los sobretudo pela variedade. Visitei no Canadá um museu que se chamava Upper Canada Village, sobretudo porque tinha a ver com a recuperação das memórias que era uma coisa que me interessava nessa altura. Percebi aí que a museologia, os museus tinham várias alternativas, várias saídas, várias hipóteses.

E depois lembro-me também de visitar museus que me impressionaram, que eram até coisas pequeninas, alguns mal feitos, projectos um pouco inacabados e que me interessavam porque eram museus que contribuíam para a coesão social. Isso nota-se muito, por exemplo, em África. Lembro-me de visitar um museu em Cabo Verde que tinha esse lado simbólico e de função de coesão social.

E depois tive uma outra experiência de museus, que foi aqueles museus que eu tinha responsabilidades e que me chamaram a atenção para outro fenómeno. Os museus para além das funções sociais têm uma componente importante para a economia de uma região e de um país. Daí a necessidade de também pensarmos os problemas da economia da cultura de uma forma diferente de como a normalmente pensamos, muito desprendida e de que não temos nada a ver com isso, mas temos tudo a ver com isso. Depois, muito mais tarde percebi que 80% do meu tempo andava a gastá-lo a gerir economicamente o museu; por isso até é que eu propus que no curso de museus as pessoas soubessem um mínimo de economia porque não é indiferente e não pode estar separado da vida dos museus

AC – E hoje em dia quais são os museus que visita habitualmente?

FTB – Hoje em dia já sou muito mais criterioso. Eu lembro-me, aliás, julgo que foi consigo que fomos à Alemanha [2005][2], onde vou por estes dias outra vez fazer uma visita de estudo. Agora interessa-me também o lado de projecto do próprio museu, o lado da organização dos discursos. Interessa-me perceber até os factores que andam também à volta, e que nem sequer se veem, interessa-me visitar o depósito e os serviços de apoio. E portanto, hoje em dia, as minhas visitas aos museus, para além do prazer e de continuar a sentir-me, muitas vezes, assustado e esmagado pelas colecções, também estou interessado na variedade, na qualidade dos projectos. Interessa-me olhar com um espírito crítico aquilo que está e o que deveria estar e fazer essas comparações.

AC – Poderia falar um pouco sobre o seu percurso profissional e o que o levou a interessar-se pelas questões do património e dos museus?

FTB – Eu venho da História.

AC – Mas antes disso…

FTB – Ah sim, formei-me em Direito, mas isso foi a pré-história da minha vida como eu costumo dizer. Mas eu venho da História de formação, foi o que eu sempre quis fazer. E venho da História dura, digamos assim, eu era e sou um medievalista. Mas uma das coisas que sempre me afligiu foi que a História sempre ligou mais ao factor de tempo do que do espaço. E foi a partir dos problemas do espaço e do conhecimento do território que me comecei a interessar pela materialidade das coisas mais do que do processo temporal dessas coisas. E com amigos e colegas que eu fui encontrando fui fazendo esse percurso. Devo dizer que ainda hoje mantenho uma parte disso que tem a ver com o território e a paisagem.

No princípio misturava um pouco o património natural com as práticas sociais ligadas às construções da paisagem, e foi progressivamente por aí que eu me fui aproximando do património, ou seja, da necessidade de compreender a alteração dos espaços em termos de história. Eu lembro-me que a primeira vez que fiz uma comunicação sobre paisagem estávamos em 1983. Ao princípio, com os colegas de outras áreas, tentava arranjar métodos de análise da paisagem (…) que tinham a ver com a utilização as ciências exactas, as ciências duras no estudo da Paisagem, e portanto fazia estudos sobre cálculo de probabilidades, de ocorrências na Paisagem. Pouco a pouco, fui abandonando essas preocupações das ciências duras e fui-me ligando mais aos aspectos das práticas sociais e dos valores patrimoniais que tinham a ver com essa construção das paisagens.

E é curioso porque lembro-me perfeitamente, por volta dos anos 88-89, sentir a necessidade de perguntar a mim próprio porque é que não havia um curso de património em Portugal. E naquela altura, porque desempenhava funções de coordenação na Universidade de Évora fiz um projecto de licenciatura de património cultural, que eu julgo que foi o primeiro em Portugal. (…) Era um curso bastante eclético. Além do conhecimento do património, o curso tinha duas ou três componentes que eram essas sim completamente novas: uma era que as pessoas tinham de ter formação mínima em economia. Foi o primeiro protesto que tive (porque fui o primeiro director do curso) e o protesto era que os estudantes não queriam saber de questões de economia, como ler um balancete ou como fazer um orçamento. E foi a primeira coisa que, depois de eu sair, removeram do curso. A segunda tinha a ver com materiais, ou seja havia unidades curriculares como agora lhes chamam, fornecidas, por exemplo, pela arquitectura sobre materiais de construção, materiais que interessavam para o conhecimento do património, estávamos por volta dos anos 1990-1991. Mais tarde, até porque colaborei em muitos projectos europeus ligados ao património, comecei a estruturar melhor a forma como via estes problemas.

Lembro-me também que à medida que fui lidando e tinha projectos nestas áreas, fui bater na museologia sem querer. Porque naquela altura o país era mais encravado, cada região estava mais encravada, e éramos muitas vezes suscitados para saber o que fazer àquele património. E, pouco a pouco, o que íamos deparando era o que fazer a colecções, seja lá do que fosse; tivemos das propostas mais bizarras que se pode imaginar, das colecções mais estranhas que se pode pensar, mas o nosso desafio era sempre – “o que fazer àquilo?” Dou dois ou três exemplos.

Por exemplo, lembro-me perfeitamente, era director do departamento [de História] e virem algumas pessoas ter comigo a dizer que tinham o espólio do Mário de Sá, um historiador, um poeta, um escritor que escreveu sobre as grandes vias da Lusitânia[3] – e quererem saber o que fazer com o material. Portanto, nós éramos suscitados para esse género de desafios. E, pouco a pouco, e quase sem querer acabei por estar ligado a esses museus e projectos.

E também ligado a uma outra ideia que eu acho fundamental demarcar, já que estamos aqui na Gulbenkian a fazer esta entrevista. Naquela altura era meu colega na Universidade o Arquitecto [Gonçalo] Ribeiro Telles que tinha uma ideia, que é demais conhecida, de que havia futuro para o Portugal também no interior e o desenvolvimento sustentado, para o alcançar, era algo muito relevante. E isso também tem a ver com esse fenómeno de, digamos assim, lutar por propostas que tinham na base propostas culturais, mas que tivessem futuro também para as comunidades do interior. E foi assim um pouco também que fui, passe a expressão, militando nesse domínio.

Depois acabei por me ligar à cidade romana da Ammaia [Marvão], onde já estávamos a falar de outra escala, de materiais, de colecções, de projecto, o que me ocupou nos últimos dez anos e que não me deixou perder de vista o que fazer a este género de problemas. E depois tive consciência ainda de outra coisa. Como estive ligado à organização da Expo 98 e era uma das pessoas responsáveis pela formação de funcionários percebi que faltava imensa formação especializada nessas áreas em Portugal. Vem daqui a primeira proposta de Évora de um curso de museologia, que foi construída em 1996, sendo depois aprovada um pouco mais tarde.

E foi mais ou menos isto em resumo o meu percurso, que misturou ao mesmo tempo o percurso de investigador, historiador e até de coordenação institucional.

AC – E o mestrado Erasmus Mundus [TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria)]?

FTB – O Erasmus Mundus é um salto diferente. Este Erasmus Mundus é um mestrado que nós temos a meias com a Universidade de Pádua e com Universidade de Paris 1 Sorbonne Pantheon. Nós percebemos que os problemas que Portugal tinha – e tem – são muito parecidos aos problemas da maior parte dos países do mundo. Há especificidades, mas (…) a formação tem um sentido universal e é por isto que a formação em museologia e o património tem este sentido universal, porque os problemas são semelhantes em todo o lado.

AC – Qual o balanço que faz desta última década de formação em museologia?

FTB – O balanço nem sempre é simpático para toda a gente e para todas as instituições. Em primeiro lugar há os aspectos práticos que eu chamaria da oferta de formação. Quando isto começou, portanto há quase vinte anos, todos quiseram reproduzir a oferta porque havia muitos estudantes, e num país como Portugal o resultado é que se “matam” uns aos outros. Do meu ponto de vista, enquanto olharmos só para o que se passa em Portugal não tem sentido haver uma oferta formativa em museologia em cada universidade e politécnico. E o resultado é que acabamos autenticamente por “matar” não só a própria oferta formativa como, pior, prejudicamos fortemente a investigação que lhe está associada.

Hoje em dia, o que é para mim completamente claro é que as propostas de oferta formativa deviam ter parcerias das universidades portuguesas, tinham que ser mais racionalizadas desse ponto de vista, e ter outra coisa essencial, ou seja, projectos e linhas de investigação associados. Era a única forma de sustentarmos isto a mais longo prazo. E desde que obviamente fizéssemos uma coisa prévia que era articular essa formação. E hoje em dia, vale até a pena perceber que a primeira leva de professores de museologia que se vai reformando, temos imensa dificuldade em estruturar essas competências nos quadros das universidades e passamos a fazer quase o que verdadeiramente é uma espécie de outsourcing de professores. Porque do meu ponto de vista falta ligar a formação da museologia à investigação, a linhas de investigação que sejam claras e que estejam sediadas em centros de investigação. E esta falta de ligação tem desarticulado imenso a formação em museologia.

Para todos efeitos, acho que o trabalho que se fez é, mesmo assim, muitíssimo positivo. Há teses que são referências e só tenho pena que o mecanismo da circulação das teses entre as universidades não seja bem mais conhecido, porque podia ser um factor até de homogeneização. Vale a pena perceber que não é muito difícil organizar as linhas de investigação, o problema é que as pessoas, muitas vezes, não sabem o que os outros andam a fazer nas outras universidades. E a prova de que estamos a fazer coisas muito semelhantes é no resultado prático das teses que se fizeram.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia?

FTB – Em Portugal podemos considerá-la razoável. Mas se fossemos avaliá-la por critérios internacionais, diria que é muito fraquinha.

AC – Isso deve-se a quê, na sua opinião?

FTB – Isto passa-se não só na museologia, mas em quase todas as áreas, temos fracos níveis de internacionalização. O que eu estou a dizer são coisas simples de comprovar que é – quantos projectos somos líderes na área da museologia? Quantos artigos é que estão escritos por portugueses, em comparação com os outros, nas revistas da especialidade? É baixíssimo o número. E portanto, desse ponto de vista, a percepção que eu tenho é que não se fizeram, afinal, assim tantas teses. Há algumas coisas evidentemente interessantes, mas os nossos níveis de internacionalização não são muito grandes, nem de perto nem de longe (…). Faltam linhas de investigação, como disse, e isso é fundamental para dar consistência ao trabalho.

AC – Mas não faltará também pensamento crítico?

FTB – Em Portugal temos vários tipos de problemas, que é uma espécie de um atavismo nas áreas das ciências sociais e humanas. Nós levamos a apreciação crítica quase como uma ofensa e, portanto, temos pouco esse hábito. Depois, também é verdade que não há tantas revistas assim e não há tantos espaços onde se possa expressar a crítica de uma forma normal, regular, o que também condiciona imenso a possibilidade de o fazer. E depois como o nosso meio livreiro também não é muito grande e não é muito rico para permitir a publicação e também não o fazemos nas revistas internacionais, ou fazemos muito pouco, essa é uma limitação.

AC – Acha que o pensamento crítico pode ser ensinado, pensando nos currículos da museologia, se pode haver do ponto de vista da formação esse estímulo, esse olhar crítico sobre as coisas?

FTB – O olhar crítico é um ambiente que se cria, que se treina, que se induz e que se incentiva as pessoas a praticá-lo. Ou seja, nós não o temos de uma maneira geral em Portugal, mas não é só aqui nesta área é em quase todas, esse espírito crítico e incentivamos pouco. É uma atitude!

 AC – Falando um pouco da crise, e desta nova conjuntura de restrição orçamental tem obrigado a reestruturar os cursos e à sua transformação. Como é que este processo se tem passado na Universidade de Évora?

FTB – Eu não acho que na Universidade de Évora se tenha passado muito diferente, julgo eu, das outras. Uma das coisas que são dramáticas em Portugal, do meu ponto de vista, é esta permanente tendência a estarmos a mudar todos os anos a oferta formativa. Isto cria uma instabilidade nas instituições absolutamente demolidora. Eu sou professor há mais de trinta anos e eu acho que não me lembro de três anos seguidos sem uma reforma e, portanto, este estado de coisas não deixa criar práticas normais de trabalho. Eu percebo que a oferta formativa pode, num ano, não ter alunos e mude, isso com a demografia portuguesa é natural acontecer. Mas eu não percebo é esta tendência suicidária para todos os anos abrirmos novos cursos. Isto não devia poder ser assim. Isto é um aspecto que não é de agora, é um aspecto de já vem de há muitos anos. Este é o primeiro aspecto.

O segundo aspecto é que a proposta que nos fazem é que a crise é também um motivo de arranjar oportunidades. Esse é um discurso retórico que não conduz a nada e para isso poder ser verdade era preciso fazer uma outra coisa que era as universidades passarem a ter objectivos bem claros sobre aquilo que pretendem alcançar, coisa que não parece assim tão evidente nos dias de hoje. Sobretudo porque andamos a lutar todos os dias pela sobrevivência em vez de pensarmos o problema de saber o que queremos e vamos fazer. Sobre isto diria ainda duas ou três coisas.

Em primeiro lugar, temos de racionalizar a oferta que fazemos por cá, mas não podemos permanentemente matar os cursos e a alterá-los e a arranjá-los com novos nomes porque isso cria instabilidade. Em segundo lugar, a oferta formativa também tem que ser o resultado do trabalho que já existe. Ou seja, essa oferta que se vai criando tem que ter alguma correlação com a investigação e o trabalho que se faz. Em terceiro lugar, nós, pensando na nossa língua somos capazes de definir um projecto num papel, mas temos pouco sentido prático, – por exemplo: a quem é que nos estamos a dirigir para ter como alunos? E depois não somos capazes de integrar e ligar a oferta da universidade com os problemas da formação profissional. Ou seja, enquanto nós aceitarmos a lógica de separamos o sistema profissional do sistema universitário vamos continuar a ter um problema porque conhecemos mal, passe a expressão, os nossos clientes. E nós tínhamos de pensar o problema de uma maneira um pouco diferente, do meu ponto de vista.

Por outro lado, estamos a usar pouco, em Portugal e de uma maneira geral na Europa, os meios de comunicação (internet) que têm um impacto enorme e podíamos fazer coisas mais interessantes com toda a gente que está interessada em aprender ou que fala português, que é muito mais do que os PALOP. E desse ponto de vista a nossa oferta formativa está muito mal pensada e praticamente não existe. As Universidades precisam de definir melhor os objectivos a que se propõem e os alvos que querem atingir. Esse trabalho ainda está muito no início.

AC – A articulação das universidades com as lógicas do mercado também pode ser perigosa, ou não?

FTB – A maior parte do discurso e da narrativa oficial é a de que a Universidade deve colocar-se por baixo do mercado e, portanto, a Universidade formaria consonante o mercado pede. E não pode ser assim como é lógico; porque então as experiências das grandes universidades que são referência não é assim que funcionam, porque a própria universidade, a riqueza e a criatividade de cada universidade também ela própria incentiva o mercado.

Nós temos em Portugal um problema concreto que é o problema da nossa estrutura demográfica. Ou arranjamos uma alternativa de políticas de incentivo ao crescimento populacional, e não é isso que vai acontecer, o que estamos a ver é que vai diminuindo a nossa base demográfica, o seja, o número dos nossos clientes. Eles vão diminuindo e nós estamos a dar-lhes uma formação como se estivéssemos nos anos oitenta e não estamos. Isto significa que nós tínhamos que ter algum conhecimento daquilo que se passa e das nossas capacidades e competências, porque nós temos muitas competências instaladas nestas áreas, estamos a usá-las é provavelmente mal, estamos a deixá-las diminuir e a deixá-las desarticularem-se.

Deste ponto de vista as universidades, isto não tem só a ver com uma universidade, precisavam de perceber melhor onde é que poderiam estar a fazer a sua oferta, que não é preciso ser nova, os objetivos que se propuseram há dez ou quinze anos e que continuam a ter sentido e que não devem ser desarticulados mas provavelmente não têm a mesma possibilidade em Portugal, mas que continuam a ser em algumas áreas de excelência. Por exemplo, nós temos competências instaladas na área do património, nos centros de investigação, na formação e nos seminários que nós temos, que é uma pena deixarmos desarticular. O que era preciso fazer era isto ser, passe a expressão, politicamente pensado, que tem sido pouco pensado nas universidades, assoberbados pelos problemas financeiros.

AC – Tem havido esse tempo para reflectir?

FTB – Não e esse é um problema sério. Embora eu não tenha dúvidas, e por aquilo que conheço que as competências significam: o número de investigadores, as linhas de investigação que existem nos centros, aí em termos comparativos e o que está publicado é relevante. Mas deixa de ter alguma unidade, por não ser pensado, mesmo dentro de cada instituição e as universidades transformam-se, assim, uma espécie de confederação de pessoas, de interesses e de unidades, sem ter objectivos políticos de política científica gerais, que sejam claros para todos. E isso era possível fazer, mas era preciso fazermos uma coisa a que não estamos habituados – termos debates com objectivo e aceitarmos sermos avaliados. Temos pouca prática de organizar debates com esse sentido prático.

AC – Pensando na evolução da museologia nas universidades e em linhas de investigação, e tendo em conta a Universidade de Évora, quais poderiam ser essas especialidades ou essas linhas de investigação. Qual poderá ser ao ponto forte da museologia na Universidade de Évora?

FTB – Falando agora só de Évora, gostava de, em primeiro lugar, por razões que depois têm a ver com percursos até individuais, as pessoas que lidam com o património estão ou estavam extraordinariamente pulverizadas em Évora. Eu diria que havia quatro ou cinco departamentos que lidavam com os problemas do património: a Arquitectura, a Arquitectura Paisagista, a História, as Artes. Depois acontece que havia uma espécie de unidade que era o resultado de gente oriunda de vários departamentos (químicas, geofísicas e tal) que também se juntaram num projecto interessante que se chama o Centro HÉRCULES [Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda] que procurava no fundo também aplicar as ciências duras aos estudos patrimoniais. Depois de tantos anos de erros e hesitações resolvemos, um grupo de professores e até da própria reitoria, tentar fazer uma outra coisa que é a de organizar um doutoramento em património.

Este projecto é um doutoramento que tem dois ou três aspectos relevantes. Primeiro, porque junta gente de todos os departamentos onde havia estudos do património. Depois porque junta unidades de investigação, junta o centro de História da Arte [CHAIA], junta o HERCULES, junta o CIDEHUS [Centro Interdisciplinar de História, Sociedades e Culturas], depois porque junta ainda outras instituições que farão parte da rede no projecto final. E junta projectos, como é o caso da cátedra UNESCO. E portanto, pela primeira vez, em torno desta ideia de património, e lá dentro está a museologia, seremos capazes de organizar não só um projecto doutoral ligado ao património, mas também linhas de investigação em que todos reconhecemos o nosso trabalho o que não deixa de ser raro e curioso.

AC – A Universidade de Évora conseguiu ver aprovada uma cátedra em património. Quer explicar de que se trata?1

Em Agosto de 2012, depois de um longo processo, a Universidade de Évora viu aprovada uma Cátedra UNESCO da qual eu sou o responsável. O “Agreement” final, ou seja, o compromisso da Universidade só foi ratificado no mês de Fevereiro, pelo que a Chair UNESCO só iniciará em Março a sua actividade, a qual será devidamente publicitada. Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente[4].

AC – Voltando à questão duma postura mais crítica sobre o que se está a passar nas instituições, nomeadamente nos museus, esta crise tem obrigado a reestruturações rápidas e a verdade é que se nota um silêncio, tanto da parte dos profissionais como da parte das universidades, salvo alguns espaços de debate.

FTB. – Medo, medo de perder o emprego.

AC – Mas este silêncio também se sente da parte das universidades.

FTB – Claro que sim. Há vários problemas aí. Primeiro, para todos os efeitos as universidades estão muito viradas de costas para os museus, é uma realidade. Há sempre casos excepcionais, mas de uma maneira geral não é uma relação tão próxima como devia. Em segundo lugar, nós estamos numa fase muito difícil porque as pessoas, por um lado, têm medo de perder os lugares, o que faz as pessoas retraírem-se. Depois, há um lado prático que tem a ver com a luta pela sobrevivência de cada instituição, que ganha uma dimensão que não deixa de ser um pouco patológica que é julgar pode sobreviver sozinha – e não pode.

Há uma outra ideia que tem a ver com os governantes que julgo que nunca fizeram as contas, embora haja estudos sobre o que representa a economia ligada à cultura[5] e que é muito maior do que as pessoas julgam. E como nestas coisas já não se fazem tantas contas as pessoas acabam por ter esses reflexos defensivos de se isolarem mais, que é um grande erro. Seja como for, acho que vale a pena lembrar duas ou três coisas.

Hoje em dia fala-se muito de turismo, pois o turismo é um sector que podemos desenvolver; mas o turismo é saber como é que eu me desloco, onde é que eu fico e o que é que eu vou fazer. E “o que eu vou fazer” era onde nós devíamos estar preocupados, e curiosamente, os nossos governantes pensam pouco nesse problema; fica tudo uma coisa nebulosa porque depois as políticas práticas para saber o que é que eu vou ver enquanto cá estou estão pouco pensadas. (…) E para todos os efeitos, julgo que a nível local estas questões são muito mais bem pensadas, mais discutidas, melhor, curiosamente, do que a nível central.

As universidades, infelizmente, estão muito afastadas destes debates e as instituições, com receio destes cortes, definem só políticas de sobrevivência. Eu não tenho soluções (…), mas reconheço que agora é que era uma boa altura pelo menos para saber quais são as alternativas e como nos organizarmos. E nós precisávamos de fazer isso, não era só fazer mais uma exposição, era agora fazer mais um debate sobre aquilo que nós queremos destes sectores ligados à cultura e à economia da cultura.

AC – Na sua opinião, como é que a desarticulação entre museus e as universidades podia ser ultrapassada?

FTB – Eu não percebo como é que é que a maior parte das pessoas que estão à frente dos museus, os grandes museus pelo menos, que são pessoas com boas qualificações académicas têm poucas ligações à investigação e ficam acantonadas nos problemas de gestão, que reconheço que são grandes. Por outro lado, as universidades afastam-se completamente também dessas instituições e têm esse problema e perdem de vista os problemas práticos.

E falta nitidamente construir as pontes necessárias para que esses interesses mútuos possam ser articulados. Mas não é possível uma pessoa como um director de um museu ou um professor de um centro que publica umas coisas de vez em quando, simplesmente dizer que se vão juntar. Isto não funciona assim. As políticas de aproximação significa primeiro debater os problemas, fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam os mesmos interesses e que as soluções têm vantagens para todos. Não sei muito bem quem é que tem competências para fazer isto, mas, como cidadãos, temos do dever de, todos, o fazer, sendo certo que as grandes instituições tem mais facilidade de promover estes debates, tanto as instituições científicas como museológicas. Mas era necessário encontrar esses fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam como os interesses são comuns, ou mesmo complementares.

AC – Pensando também na sua experiência com os museus que já referiu, e voltando a pensar na crise e nestas reformulações quais é que devem ser as áreas-chave ou as prioridades dos museus nos próximos anos?

FTB – Durante muitos anos estive ligado a um projecto que tinha um museu lá dentro, a Ammaia, ao pé de Marvão. Era um museu que tinha tudo o que era normal num museu, mas o nosso problema tinha a ver com várias competências …, porque isto é um bocado diferente de quando falamos de grandes unidades museológicas…

Mergulhados no trabalho de investigação, no trabalho de terreno, no trabalho de projecto, conhecemos mal os públicos a que nos temos de dirigir. A maior parte dos museus têm projectos museológicos que podiam ser muitíssimo melhorados e precisavam dessa colaboração. Por vezes não é só um problema de dinheiro é mesmo um problema de cooperação e colaboração entre instituições universitárias e museus. Nós, muitas vezes, estamos a estruturar informação que está mal organizada, que podia ser muitíssimo melhorada. E, portanto, há aqui um trabalho que, por um lado, tem a ver com melhorar as condições daquilo que estamos a fazer, não é só da oferta mas daquilo que estamos a fazer nos museus, e as universidades deviam até associar-se a essas unidades museológicas.

Por outro lado, nós temos que pensar que era muito importante conhecermos o trabalho o que se faz em museus por esse mundo fora, porque as alternativas podem ser muitíssimo interessantes e nós conhecemos mal. (…) Era importante conhecer os estudos de caso interessantes para, muitas vezes, replicarmos, porque a roda já está descoberta. Nós desse ponto de vista temos, só para dar um exemplo, quantas pessoas do design, quantas pessoas dos audiovisuais hoje estão ligadas a museus? Que eu saiba poucas. Poucas universidades têm estas ligações estruturadas e organizadas e há um mundo enorme aí de colaboração a fazer.

Ou seja, o que eu quero no fundo dizer é que a crise está a criar hoje um ambiente perigosíssimo que é empurrar os museus para se acantonar tentar sobreviver sozinho. E por isso muitas vezes, estes fóruns onde nós nos devíamos encontramos têm muita importância. A crise tem esta consequência terrível que é faz-nos isolar e por isso é que as pessoas que estão responsáveis devem tentar criar essas pontes para contrariar esse movimento de isolamento que sem querer as instituições têm.

AC – Por outro lado, nós temos práticas de avaliar os projectos, avaliar o que se faz nos museus?

FTB – Nós não fazemos avaliação. Ninguém quer ser avaliado. Dito de outro modo, há instituições, é o caso dos centros de investigação que nos últimos dez anos têm sido avaliados, temos um critério para medir a qualidade do nosso trabalho. Mas a maior parte das instituições e do trabalho a nível individual não é avaliado e é terrível porque nós podíamos estabelecer grelhas de avaliação entre os agentes que podiam servir para muitas coisas, inclusive para saber onde é que temos que mudar e onde é que temos que melhorar. Mas, de uma maneira geral, fugimos imenso à avaliação. E os museus precisam urgentemente também disso.

AC – Considerando o panorama museológico português e a escala do país. É um panorama sustentável? Podem todos os museus sobreviver à crise?

FTB – Quando Berlim foi unificado eles apostaram em fazer qualquer coisa. Hoje em dia uma pessoa vai a Berlim fazer o quê? Vai a Berlim pela cultura, ver os cerca de 200 museus que lá se exibem, os espetáculos fabulosos que lá existem, a arquitectura deslumbrante que lá há…E aquilo tornou-se sustentável e isto tem a ver com o que nós falámos há bocado. E eu, ao contrário, não estou nada contra nascerem mais museus. É preciso algum cuidado, alguns são projectos loucos, eu sei, muitas vezes são semi-projectos mal pensados, mas curiosamente aqui é que está o grande papel das instituições que têm melhores condições e das universidades. O que era preciso era ajudar a pensar estes projectos, o que fazer a esta oferta, como a consolidar e articular.

Eu acho que há uma coisa que os museus têm e que é fundamental manter. Os museus não são só repositórios de memória. Os museus têm um outro lado que é fundamental, são nós de coesão social. E este papel não nos podemos dar ao luxo de perder. Mas o país também não se pode dar ao luxo de não ter isto pensado de uma forma mais consistente e mais global. Há em Portugal um enorme potencial no domínio da cultura que devemos aproveitar e que devia ser consistentemente desenvolvido, porque é um sector da economia do país fundamental. E, portanto, deste ponto de vista não sou nada favorável a fechar museus, pelo contrário. Sobretudo com estas crises em que tendemos a diluir os nossos referenciais, eu acho fundamental manter esses referenciais de coesão.

E também não deixa de ser interessante o seguinte. Em Portugal há iniciativas por todo o lado que têm na base elementos culturais, chamemos-lhe assim para facilitar (e que não é completamente visível nos órgãos de comunicação), e que são movimentos em torno dos quais as comunidades estão disponíveis para se organizar. Isto poderá ter também a ver com a crise, que tende a diluir fenómenos de um individualismo exacerbado que existiam, e, portanto, digamos, o retorno à comunidade começa a ter algum sentido. Seja como for, aquilo que eu vejo é uma disponibilidade enorme das pessoas para este género de trabalho e isto é verdade nos museus e de uma maneira geral na cultura. Eu acharia lamentável estar a cortar este movimento que é extremamente criativo.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Eu não ponho o problema assim. (…) Uma coisa são os museus que nascem porque há políticas a nível de governo ou a nível de serviços, etc. que tem inscrito nos programas fazer um museu da língua ou de qualquer coisa… Eu acho que esses museus têm objectivos e motivações diferentes. Mas nunca são de menos os outros que se vão criando, e que nascem de movimentos maiores ou mais pequenos, de grupos de pessoas que sentem a vontade de os criar. Se depois é boa ideia ou não, se depois há condições para os criarem ou não é, se depois é melhor eles associarem-se a outro que já existe, esse é outro problema. Eu acho é que sempre falta mais um, no sentido em que estes movimentos são expressões de grupos e de dinâmicas sociais, muitas delas podem ter interesse outras terão menos interesse, mas isso não me cabe a mim avaliar.

O que eu acho interessante é sermos capazes de não só promover estas dinâmicas sociais, mas depois perceber também que elas são expressões dessa necessidade do movimento cultural que existe e não o matarmos porque achamos que este museu não interessaria e outro talvez seja melhor. Mais uma vez, volto à questão dos fóruns. Os fóruns são sítios óptimos onde validamos essas coisas, científica mas também socialmente. (…) Não sou capaz de lhe dizer qual o museu que falta, mas falta sempre mais um.

AC – Obrigada.


[1] Filipe Themudo Barata é professor e investigador nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus. É actualmente o coordenador da cátedra da UNESCO de Património Imaterial (“Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage”) na Universidade de Évora e membro do conselho científico e pedagógico do mestrado internacional TPTI – Techniques, Patrimoines et Territoires de l’Industrie (interuniversitário). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks (Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui. Email: ftbarata@uevora.pt.

[2] Tratou-se de uma visita de estudo dos alunos e professores do mestrado de museologia da Universidade de Évora que se inseriu numa viagem organizada pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) à ilha de museus de Berlim. Sobre esta visita pode consultar-se: Teixeira, Madalena Brás (2005). Reflexões a propósito da visita de Estudo da APOM a Berlim. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus. 16. p. 27-29. Disponível: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n16.pdf

[3] Em 1995 o espólio de Mário Sá foi organizado sob a forma de uma fundação – a Fundação Arquivo Paes Teles (Ervedal, Avis). Sobre o percurso Mário Sá consulte-se: Pereira, Elisabete (2010). Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX. Dissertação de mestrado, Universidade de Évora (veja-se o resumo aqui: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3302).

[4] A equipa que constitui a Cátedra foi recentemente constituída oficialmente (Despacho n.º 29/2013, de 22 de Fevereiro) no seio da Universidade de Évora (Departamento de História/CIDEHUS): Filipe Themudo Barata (chairholder), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS). Para mais informações veja notícia publicada pela Universidade de Évora aqui e a notícia divulgada também no site da UNESCO aqui.

[5] Referência ao seguinte estudo: Mateus, Augusto. 2010. O sector cultural e criativo em Portugal: estudo para o Ministério da Cultura (Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais) – relatório final. Lisboa. (disponível na íntegra aqui: http://www.mincultura.gov.pt/SiteCollectionDocuments/Imprensa/SCC.pdf)

 

  1. Esta questão foi colocada após a realização da entrevista e respondida por escrito. []

La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques

Capa do livro “La Médiation Culturelle…”. Imagem daqui.

Lafortune, Jean-Marie, dir.  (2012). La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques. Québec: Presses de l’Université du Québec (Collection Culture et publics). ISBN: 978-2-7605-3362-2. 222 páginas.

O livro explora o conceito de mediação cultural a partir de experiências e estudos de caso no Québec, Canadá. Este é um conceito que suscita diversos entendimentos e alguma ambivalência. Entre nós, o conceito tem pouca utilização, ainda que a mediação cultural seja uma prática recorrente em vários contextos, nomeadamente nos museus. Apesar de um enquadramento específico, o Québec tem já uma tradição forte no desenvolvimento do conceito, incluindo uma dinâmica diferente em termos de formação e de práticas, este livro pode ser de grande utilidade para quem estuda e trabalha sobre estas matérias.

O primeiro capítulo contextualiza as práticas de mediação cultural e o conceito no Québec, abordando as mudanças recentes no âmbito das políticas culturais e o papel da cultura no desenvolvimento, incluindo iniciativas locais de inclusão social. Este capítulo aborda ainda as transformações ocorridas no contexto cultural e das práticas artísticas tendo em conta a “revolução” digital e apresenta várias experiências realizadas em Montréal.

O segundo capítulo explora os desafios académicos, profissionais e políticos ligados ao aparecimento de uma nova categoria de actores – os mediadores culturais, examinado o seu perfil e competências, através de vários testemunhos de profissionais/mediadores que trabalham na área do património e dos museus.

O terceiro capítulo apresenta uma abordagem dos desafios implicados na aplicação da mediação cultural em contexto teórico, institucional e sociocultural. Esta análise inclui uma reflexão sobre os limites da acção dos mediadores culturais, debatendo-se também a questão dos “não públicos” e a necessidade de implementar acções concertadas no sentido de uma maior participação, acções que verdadeiramente ultrapassam o domínio cultural e artístico.

O quarto capítulo desenvolve o tema da avaliação, dos impactos e das metodologias e o quinto capítulo apresenta doze estudos de caso (museus, bibliotecas, centros culturais, teatros, etc.) da região do Québec, explorando diversos projectos de mediação cultural (que actores, que público alvo, que objectivos, que metodologias, que actividades, que problemas, etc.).

 Jean-Marie Lafortune, coordenador do livro,  é Professor no Departamento de comunicação Social e pública da Universidade do Québec em Montréal (Canadá) e director de programas em animação e investigação cultural. É ainda editor-chefe da revista internacional “Animation, territoires et pratiques socioculturelles” (criada em 2010).

Resumo do livro divulgado pela editora:

La médiation culturelle s’impose comme le modèle d’action privilégié au Québec depuis une décennie. Permettant de jeter des ponts entre l’art, la culture et la société, elle favorise la participation culturelle, mais aussi la culture de la participation. Les milieux institutionnels l’adoptent afin d’étendre leur audience, alors que les milieux socioartistiques s’en servent pour mieux œuvrer au renforcement de la citoyenneté. Dans notre société du spectacle et des identités, la médiation culturelle peut soutenir la mise en commun des références culturelles et l’invention de nouvelles solidarités : elle établit une relation de qualité entre les publics et les œuvres légitimes et développe les moyens de l’épanouissement légitime des populations.

Conjuguant débats théoriques et études de cas, cet ouvrage aborde les principaux enjeux que soulève la médiation culturelle à partir d’une approche sociohistorique. Le volet historique retrace les conditions d’émergence des pratiques et du concept de médiation culturelle au Québec, liées à la transformation des politiques et des pratiques culturelles. Le volet social dépeint les dispositifs de médiation mis en place et dégage les principaux défis auxquels font actuellement face les médiateurs culturels, incluant l’évaluation de leur action.

Tant les intervenants culturels que les chercheurs et les étudiants, notamment dans le domaine des arts, de la communication, de l’éducation, du loisir, de la muséologie et de la sociologie, seront intéressés par la réflexion inédite et systématique sur le renouvellement des approches et des pratiques relatives à la production et à la diffusion artistique et culturelle que propose ce livre.  (fonte: Presses de l’Université du Québec)

Conteúdos:

PRÉFACE
Jean Caune
INTRODUCTION
Jean-Marie Lafortune
SOURCES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Danièle Racine
. Émergence des pratiques et du concept
. Transformation des politiques culturelles et du rôle de la culture
. Nouveaux rapports à la culture et à la création
ACTEURS ET DISPOSITIFS DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Caroline Legault
. Compétences nouvelles ou nouvel agencement de compétences?
. Dispositifs institutionnels et dispositifs socioartistiques
. Regards de médiateurs en milieu muséal et patrimonial
ENJEUX ET LIMITES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune
. De la médiation comme critique à la critique de la médiation
. Les non-publics: entre bonne volonté et mauvais goût culturel
MESURES ET DÉMESURES: LES LEÇONS DE L’ÉVALUATION
Louis Jacob
. Approches de l’évaluation
. Quels impacts?
. Repères méthodologiques
. Processus et résultats
. Principes de base
LA MÉDIATION CULTURELLE EN DÉBAT À PARTIR D’ÉTUDES DE CAS
Introduction par Jean-Marie Lafortune et Jean-Marc Fontan
. La médiation culturelle entre valeurs esthétiques et valeurs sociales
. La médiation culturelle et la question identitaire
. La médiation culturelle ou l’art communautaire
. La médiation culturelle et les nouvelles formes de collaboration
. La médiation culturelle et la muséologie sociale
. La médiation culturelle et la place de la culture dans l’éducation
CONCLUSION
Jean-Marie Lafortune

Além de Jean-Marie Lafortune e Jean Caune (prefácio) participaram no livro: Anouk Bélanger, Nathalie Casemajor, Jean Caune, Jean-Marc Fontan, Louis Jacob, Louise Julien, Marie-Hélène La Mothe, Ève Lamoureux, Michel Lefebvre, Caroline Legault, Pascale Malenfant, Marie-Andrée Manseau, Maryse Paquin, Marie-Claude Plasse, Eva Quintas, Danièle Racine, Audrey Rousseau, Julie Simard e Emmanuelle Sirois.

O lugar do PCI nas políticas do património

Colóquio Internacional “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul…”
27-28 Novembro de 2012
Institut Français du Portugal, Lisboa
© Ana Carvalho

Nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 teve lugar em Lisboa um colóquio internacional dedicado às “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas” (org. Universidade de Évora e Direção Geral do Património Cultural). Foi este o mote para escrever algumas linhas sobre o lugar do PCI nas políticas do património.

Devo começar, em primeiro lugar, por sublinhar a importância de se promover uma reflexão crítica de perfil comparativo sobre políticas culturais, sobretudo quando o tema em debate decorre, em grande medida, de normativos internacionais que irradiam orientações que são tendencionalmente absorvidas pelos Estados nas políticas internas. Países como Portugal, França, Espanha e Itália partilham, de certo modo, uma aproximação ao património com muitas afinidades, pese embora os percursos e idiossincrasias próprias de cada Estado. Estes países assinaram a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 da UNESCO (daqui em diante Convenção de 2003)[1]. Creio que o balanço dos percursos e das experiências pode, em potencial, ter um efeito positivo sobre a avaliação das estratégias, e a possibilidade de reflectir de forma aberta sobre as potencialidades, os limites e a falibilidade das intervenções.

Organizações como a UNESCO, o ICOMOS, o Conselho da Europa, entre outras, têm assumido um papel regulador do discurso autorizado sobre património, legitimando novos usos políticos da cultura, programas e boas práticas. Com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, em particular, a UNESCO veio assinalar mudanças na forma como os Estados deverão salvaguardar as suas tradições, sublinhando a importância de preservar a diversidade cultural de forma participativa e inclusiva. É assumida uma visão mais antropológica da cultura e um conjunto de orientações que procura remeter o lugar do Património Cultural Imaterial (daqui em diante PCI), anteriormente nas margens das preocupações políticas para uma melhor integração nas políticas culturais.

Este discurso autorizado obriga a uma tradução e a negociações várias, por um lado, na revisão das políticas nacionais, e por outro lado, na transformação do discurso institucional dos actores envolvidos, criando, por sua vez, uma comunidade de praticantes, conservacionistas e especialistas do património, que procuram dar resposta a estes novos enquadramentos (Smith 2006). É neste contexto que se compreende hoje o elevado interesse que suscita o PCI para os diversos especialistas ligados ao património nos vários quadrantes da cultura, que se confirma como sendo intergeracional e atravessando diferentes territórios disciplinares[2].

No sentido de operacionalizar a cartilha da UNESCO também se confirmam em torno da salvaguarda do PCI outras dinâmicas em Portugal. Note-se, por exemplo, a criação, em 2012, de um curso de pós-graduação sobre PCI (Universidade Lusófona) que gerou, por sua vez, a criação de uma associação e uma plataforma de divulgação via facebook (cf. https://www.facebook.com/pcimaterial).

Constata-se, por outro lado, uma certa euforia do PCI veiculada pela comunicação social a julgar pelos destaques que têm tido os anúncios de candidaturas ao “património imaterial da humanidade” de diversas tradições (ex. o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânea, etc.), ou no contexto mais local, de onde emerge uma tendência crescente para a validação política de determinadas tradições (ex. tauromaquia). Embora o fenómeno não seja exclusivo à tauromaquia, verifica-se um movimento crescente de intenções (e de varias concretizações) por parte dos municípios para classificar algumas tradições, etiquetando-as como “património imaterial de interesse municipal” (ex. Alcochete, Azambuja, Monforte, Elvas, Beja, entre outros), pese embora a nível da legislação nacional não exista a possibilidade deste tipo de classificação[3]. Sintomático de um certo posicionamento político sobre a cultura tradicional, o fenómeno não se articula com estratégias de salvaguarda estruturadas.

Se atendermos aos exemplos apresentados no colóquio (França, Itália, Portugal e Espanha), pode dizer-se que os Estados têm vindo a concretizar as directivas da Convenção de 2003 com alguma celeridade. Portugal começou a trabalhar estas questões a partir de 2007 sensivelmente (via ex-Instituto dos Museus e da Conservação) e Espanha a partir de 2009, percurso que é marcado pelo encontro de Teruel, que reuniu vários especialistas e representantes das regiões espanholas no sentido de definir a política nacional a adoptar), tendo sido publicando entretanto o Plan Nacional de Salvaguarda del Património Cultural Inmaterial (através do Instituto del Patrimonio Cultural de España), à semelhança do que tem sido feito para outras áreas do património[4].

No entanto, deve ser referido que no contexto local algumas regiões espanholas haviam já introduzido o PCI nas suas políticas, seguindo os princípios da UNESCO. Esse foi o caso da região de Murcia (parceiro com a Universidade de Évora no projecto MEDINS – Identity is Future: Mediterranean Intangible Space (2006-2008)[5], que passou a incluir o PCI no plano operativo da política regional a partir de 2007 (em articulação com a publicação de nova legislação sobre esta matéria), colocando a enfase na importância do PCI como elemento de desenvolvimento social (consultar García Simo 2008). E foi o caso da Andaluzia, com o projecto de inventário e documentação – Atlas del Património Inmaterial de Andalucía (Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico), que começou a ser esboçado a partir de 2008 (cf. Carrera Diaz 2009), entre outros exemplos.

A França começou em 2006 a implementar uma estratégia para o PCI nos termos da Convenção de 2003, com a criação de uma comissão composta por representantes de várias áreas. Todavia, é a partir de 2007 que se dão os primeiros passos para a sua operacionalização. Grosso modo, esta política, levada a cabo pelo Ministério da Cultura, através da Mission Ethnologie, assenta no apoio à investigação e documentação do PCI. A este propósito foram desenvolvidas duas iniciativas, uma com base na ideia de “inventário dos inventários” (cf. Répertoire des inventaires du PCI), reunindo um conjunto de informação que remete para a diversidade de trabalhos de investigação já realizados neste âmbito em França, e na criação de um novo inventário para o património vivo (cf. Fiches de l’inventaire du patrimoine culturel immatériel ou aqui: Inventaire du Patrimoine Culturel Immatériel – Institut Occitan), construído à semelhança do inventário gizado pela Universidade de Laval, no Quebéc (coordenação de Laurier Turgeon) – l’Inventaire des Ressources Ethnologiques du Patrimoine Immatériel-IREPI (2004-2005)[6].

O que se destaca no caso francês é a sua capacidade de investimento, que parece não ter correspondência nos restantes casos. Note-se que o inventário é apoiado e alimentado através de um considerável investimento público da administração central que estabeleceu contratos de investigação com instituições que trabalham no terreno[7].

A política italiana diferencia-se dos últimos exemplos pela diversidade de situações encontradas, variável em função de cada região e pela ausência de uma política unificadora à escala nacional[8]. Os vários exemplos apresentados sobre a realidade italiana mostraram a existência de iniciativas de administração regional do tipo bottow-down e outras, como alguns exemplos de inventários participativos, que se encaixam mais no perfil bottow-up (ex. “progetti Unione Pro Loco”). O exemplo italiano é talvez o mais pragmático dos exemplos apresentados, reflectindo maior diversidade, nomeadamente na forma aplicação da noção de participação das comunidades (dos inventários suportados exclusivamente pelos especialistas aos inventários sem crivo científico, alimentados pelos detentores/praticantes do património, ou seja, verificando-se uma maior experimentação que ultrapassa a participação entendida apenas como a consulta.

De certo modo, o debate não fez jus à ambição do título da conferência “Políticas públicas para o património imaterial…”, uma vez que o leque de experiências apresentado se reportou a uma análise sobre as formas de inventariar o PCI adoptadas pelos países representados. De facto, as estratégias para o PCI têm recaído por força da “necessidade de implementar a Convenção de 2003”, e em conformidade com o artigo 12, para a criação de inventários exclusivamente, atendendo a que esta é a única medida obrigatória da aplicação da Convenção. O enfoque sobre as questões do inventário, marcantes neste colóquio em Lisboa fez lembrar o encontro “Inventer le inventaire” (Paris, 2007) no qual, de facto, o objectivo era reflectir criticamente e de modo comparativo sobre o papel dos inventários tanto do ponto de vista dos seus limites como do ponto de vista das suas potencialidades (veja-se comentário sobre esse colóquio aqui).

 Ainda que os inventários, enquanto ferramenta para a identificação do PCI, possam ser de grande utilidade e validade, quando se desenham políticas o enquadramento que se exige é mais vasto e necessariamente mais transversal. Vale a pena sublinhar, uma vez mais, que os inventários são apenas uma das medidas de salvaguarda previstas na Convenção de 2003. Com efeito, se a criação de um inventário nacional se apresentar desvinculado de uma política de salvaguarda mais abrangente corre o risco de não ter impacto sobre a preservação do património (Carvalho 2011, 99). Neste sentido, importa sublinhar a importância de outros documentos normativos, nomeadamente a Convenção Quadro do Conselho da Europa para o Património Cultural de 2005 (conhecida como Convenção de Faro) que enfatiza a importância de se desenvolverem políticas menos sectoriais para o património, ou seja uma visão mais transversal da cultura[9]. Apesar dos últimos desenvolvimentos, designadamente a criação da nova Direção Geral do Património Cultural com atribuições mais alargadas na área do património e museus, não se operaram mudanças tanto a nível das estratégias como das práticas que estimulem esta perspectiva integradora do património a que nos reportamos, o que significa que as aparentes reestruturações das instituições foram exclusivamente de ordem economicista e não foram acompanhadas de uma reflexão interna sobre os problemas da gestão do património face a novos paradigmas. É a pluridisciplinaridade ainda uma utopia para as instituições na perspectiva do reconhecimento da vocação multidisciplinar do património? Neste contexto, também não foram perceptíveis quais as perspectivas para o futuro ou a definição de estratégias concretas que articulem, por exemplo, a linha de trabalho: inventário/documentação/investigação com a promoção da diversidade cultural através do apoio aos seus protagonistas[10]. Podemos, afinal, ter políticas para a cultura sem investimento?

A palavra crise, ainda que presente nas nossas vidas de forma impositiva, é um problema que se afirma também nas políticas para o património, mas permaneceu ausente no debate (politicamente incorrecto?). Ao ler uma notícia recente sobre a impossibilidade de se voltar a apresentar os Bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende devido aos recentes cortes no apoio à cultura, torna-se evidente o divórcio entre a realidade e o discurso oficial. Não estaremos a assistir a um desinvestimento no património? O que não parece claro é de que forma estão a ser equacionadas e reconfiguradas estratégias, atendendo a este novo panorama.

No que diz respeito aos inventários propriamente ditos, os casos apresentados revelaram diferentes formas de organização (ex. domínios, fichas, etc.), o que é expectável, atendendo a diferentes tradições de trabalho e às instituições envolvidas e, por outro lado, decorre também do facto da Convenção de 2003 não fazer recomendações rígidas quando à implementação dos inventários, promovendo também neste aspecto a diversidade de soluções. No caso português, o inventário nacional é um processo não isento de fricções e sobre o qual se tem gerado vários mal-entendidos. Talvez por isso se entenda que após a sua operacionalização desde há mais de um ano apenas inclua uma manifestação de PCI – a Capeia Arraiana[11]. Neste sentido, foi evidente o desencontro entre os objectivos das instituições e dos profissionais face à utilidade do inventário nacional neste formato.

A par com as preocupações com os novos inventários, permanece por resolver em Portugal a definição de uma estratégia ou plataforma que organize ou torne acessível um imenso património espalhado por diversas instituições (ex. centros de investigação, museus, arquivos, associações, etc.) que ao longo de décadas têm realizado recolhas e documentado o património imaterial. A articulação entre instituições está por fazer (e vários projectos adiados, como é o caso da criação de um arquivo nacional sonoro, entre outros), que tem também a ver, por um lado, com um problema de comunicação e de organização e, por outro lado, com a ausência de uma estratégia a longo prazo concertada com investimento público. Neste contexto, é relevante a experiência francesa com vista à criação de um catálogo colectivo online de arquivos sonoros e audiovisuais de várias instituições francesas em rede (cf. Portail du Patrimoine Collectif d’Archives Sonores et Audiovisuelles). Beneficiar de uma estrutura comum em rede que não prescinde da valência específica de cada instituição é um dos grandes méritos do projecto.

Um das contradições do colóquio teve a ver com a discussão em torno do papel dos especialistas do património e a reclamação da antropologia como o campo disciplinar autorizado para salvaguarda do PCI. Com efeito, o facto do PCI estar directamente ligado ao território disciplinar da Antropologia não oferece dúvidas, no entanto, deve ser reconhecido também o papel que outros especialistas da cultura podem ter na salvaguarda do PCI, atendendo à vocação multidisciplinar do património. Por outro lado, a mudança de paradigma presente na Convenção de 2003 sublinha uma revisão do papel dos especialistas. Este novo papel configura-se também pelo abandono de um modelo de protecção do PCI assente exclusivamente no trabalho dos especialistas e técnicos, através do estudo e documentação, para passar a privilegiar a salvaguarda do património, enquanto processo cultural, pelos detentores das práticas. Neste sentido, a Convenção de 2003 atribui aos especialistas a responsabilidade pela mediação do património[12]. Além disso, a partilha de responsabilidades do PCI entre diversos especialistas não se apresenta apenas uma tendência ou recomendação, mas também como uma necessidade operativa, uma vez que a principal área de formação dos técnicos dos municípios é a história, como confirmou Paulo Ferreira da Costa na interpretação os dados recolhidos no âmbito do inquérito “Património Imaterial em Portugal: arquivos, agentes, projectos”[13]. Note-se que a maioria dos museus existentes em Portugal é de tutela municipal, nos quais a diversidade de especialidades é denominador comum. Com efeito, a interpretação da Convenção de 2003 remete para um questionamento e uma reflexão não só do papel tradicional das instituições como dos profissionais (incluindo os antropólogos) e acima de tudo para a aplicação de práticas inclusivas e não exclusivas.

O texto de Chérif Khaznadar foi clarividente no sentido de alertar sobre os usos políticos da cultura, sugerindo uma leitura da Convenção de 2003, não como sendo a única verdade, mas como um documento sobre o qual estão inerentes vários perigos e limitações, aos quais se deve estar atento e, paulatinamente, objecto de reflexão.

Como demonstrou este colóquio, as tensões (e contradições) que suscita o PCI estão longe de se se esgotar nos inventários, pelo que se revela necessária uma maior discussão à volta do tema nas suas diversas valências (problemas conceptuais, questões técnicas, critérios, instrumentalização, riscos da transformação da cultura em recurso, direitos de autor, normas europeias de qualidade, etc.). O espaço crítico para as questões do património, como reclamou João Leal pode ser o da antropologia, mas também poderá ser de outros campos ou actores, nomeadamente dos museus. Creio que os museus podem configurar potenciais lugares de experimentação, reflectindo e problematizando o PCI, sem esquecer o papel que podem ter na mediação e comunicação deste património.

Referências bibliográficas:

Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme.

Carrera Díaz, Gema. 2009. Atlas del patrimonio inmaterial de Andalucía. Puntos de partoda, objetivos y critterios técnicos y metodológicos. Revista ph (71):18-41.

Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora.

García Simo, Inmaculada, ed. 2008. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.]. Disponível aqui: http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf

Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel.

Smith, Laurajane. 2006. The uses of heritage. London, New York: Routledge.

Tambuzzo, Lucio. 2008. Les actions du projet MEDINS. In García Simo, Inmaculada, ed. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.], 2008. p. 41-51. Disponível aqui:  http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf


[1] França e Espanha em 2006, Itália em 2007 e Portugal em 2008. Actualmente são 148 os países que aprovaram à Convenção de 2003 (cf. http://www.unesco.org/eri/la/convention.asp?KO=17116&language=E) (consultado em dezembro 4, 2012).

[2] Este interesse ficou patente no elevado número de inscrições do colóquio e tem sido também perceptível noutros encontros promovidos pelo ex Instituto dos Museus e da Conservação em 2011 sobre a “matéria” do PCI, de que são exemplos os seguintes: “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno” (31 Janeiro 2011, Museu Nacional de Etnologia, veja-se http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3737); “Novas Perspectivas para o Inventário, Gestão e Divulgação do Património Móvel e Imaterial” (1 Junho 2011, Museu Nacional de Arte Antiga); e “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas” (12 de Dezembro de 2011, Museu Nacional de Etnologia, consultar http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/4394).

[3] Não obstante o movimento de classificação da tauromaquia geraram-se também movimentos contrários como no caso de Évora, onde a Câmara Municipal acabou por rejeitar a possibilidade de classificar a tradição, argumentando a favor dos direitos dos animais.

[4] Veja-se no site do instituto os vários planos em vigor: património industrial, conservación preventiva, paisage cultural, etc.

[5] O MEDINS um dos primeiros projectos em Portugal a implementar a narrativa da UNESCO. Realizou-se no âmbito do programa INTERREG III B MEDOCC, juntando vinte parceiros (Portugal, Itália, Espanha, Grécia, Malta, incluindo a participação de países de fora da rede europeia, nomeadamente: Tunísia, Marrocos, Argélia, Líbano e Egipto). O projecto foi coordenado pelo Assessorato dei Beni Culturali ed Ambientali e della Pubblica (Região da Sicília) e centrava-se sobretudo na formulação de inventários para o PCI, atendendo às directivas da Convenção 2003. Para maior detalhe sobre os objectivos do projecto consultar Tambuzzo (2008), e sobre a participação da Universidade de Évora veja-se o site: http://medinsuevora.wordpress.com/ (consultado em Dezembro 17, 2012).

[6] Este modelo foi, entretanto, aplicado pela Universidade de Laval noutro inventário de perfil temático no Québec – Inventaire du patrimoine religieux – IPIR (2007-2008) e, além disso, o modelo foi exportado para o Haiti,  onde actualmente se desenvolve o Inventaire du Patrimoine Imamtériel d’Haiti  (cf. http://www.ipimh.ulaval.ca/). A Universidade de Laval dá agora continuidade à valorização do património do Quebéc com um outro projecto – Encyclopédie du Patrimoine Culturel de l’Amérique Français (desde 2008), que configura uma abordagem inclusiva das várias dimensões do património (incluindo os patrimónios contemporâneos emergentes) numa só base de dados multimédia (cf. http://www.ameriquefrancaise.org/fr/#.UL9643eD83w). Este projecto tem tido considerável sucesso, não apenas como projecto de investigação, mas como instrumento de divulgação, atendendo ao número crescente de visitantes do portal.

[7] O inventário francês disponibiliza já mais de três centenas de fichas.

[8] Embora para o caso italiano não tivesse estado presente um representante do ministério da Cultura, à semelhança de Portugal, França e Espanha, Chiara Bortolotto fez o retrato da situação no país.

[9] Portugal aprovou esta Convenção em 2008.

[10] Note-se em 2007 Portugal ratificou a Convenção sobre a protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005, que recomenda a criação de políticas de valorização da diversidade cultural.

[11]Um dos equívocos à volta do inventário nacional é o facto do Fado, aceite pela UNESCO como património imaterial da humanidade, não se encontrar inscrito no inventário nacional, sendo que teoricamente este seria um requisito da UNESCO. Com efeito, tal como foi explicado no colóquio, o  Fado não se encontra no inventário nacional, uma vez que faz parte da base de dados “Fonogramas Históricos de Fado e outros géneros de Música Popular”, que foi considerada como um inventário no contexto da candidatura.

[12] Para uma discussão sobre o posicionamento dos antropólogos face ao PCI consultar Bortolotto, Arnaud e Grenet (2011), que clarificam três possibilidades de envolvimento dos antropólogos: observadores, mediadores ou actores.

[13] O inquérito foi distribuído em 2010 por autarquias, museus, centros de investigação e associações ligadas ao património, mas os resultados não foram ainda divulgados.

“Museus e Património, onde está o Conselho Nacional de Cultura?”

A entrada é livre, mas deverá ser feita inscrição via email: tiago.cruz@be.parlamento.pt

O Bloco de Esquerda apresentou um Projeto de Resolução 450/XII –  “Tutela dos Museus e Património Cultural e Regular Funcionamento do Conselho Nacional de Cultura”, cujo objetivo é pressionar o Governo a submeter todas as alterações sobre tutela do património e museus ao Conselho Nacional de Cultura. O projecto vai ser debatido e votado em Comissão Parlamentar no dia 21. Neste contexto irá realizar-se amanhã, dia 20 de Setembro (pelas 17h), uma audição pública no parlamento sobre o tema. Para além da deputada do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, estarão presentes personalidades conhecidas da comunidade museológica: Raquel Henriques da Silva, Luís Raposo e João Neto.

O projecto está disponível para consulta aqui:

http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheIniciativa.aspx?BID=37205

 

 

Lei orgânica Direção-geral do Património Cultural (DGPC)

Acaba de ser publicada em Diário da República (1.ª série — N.º 102) através do Decreto-Lei n.º 115/2012, de 25 de maio a lei orgânica da recentemente criada Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), que em grande medida resulta da fusão do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR).

Este novo enquadramento, que tem sido motivo de algum desconforto entre os profissionais dos museus nos últimos tempos, é finalmente tornado público, uma vez que o que até agora se conhecia eram indicações informais.

Não se fazem ainda aqui comentários sobre este documento, mas pensamos que seria útil proceder à sua divulgação imediata!

Pode consultar o documento aqui: Lei Orgânica DGPC

Veja-se também o Decreto-Lei n.º 114/2012 de 25 de maio, que diz respeito à nova orgânica das Direções Regionais de Cultura:

http://dre.pt/pdf1sdip/2012/05/10200/0276802772.pdf

Políticas museológicas em Portugal – o estado da arte?

De acordo com informação veiculada pelo ICOM-PT, está disponível no site do ARTv, a gravação integral da audição junto da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, na Assembleia da República (AR), realizada no dia 15 de Maio de 2012 sobre questões ligadas à Política Museológica Portuguesa. Esta reunião tinha como enquadramento a celebração do Dia Internacional dos Museus deste ano (MUSEUS NUM MUNDO EM MUDANÇA: Novos Desafios, Novas Inspirações), mas acabou por extrapolar para temas que estão na ordem do dia, nomeadamente as mudanças trazidas no âmbito da reformulação institucional do sector, com a criação da nova Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), cuja lei orgânica irá exigir alterações profundas com consequências, ao que tudo indica, menos positivas para os museus e para os profissionais.

Nesta audição, da parte de museus e instituições associadas, estiveram presentes Raquel Henriques da Silva, professora da Universidade Nova de Lisboa e directora do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade e ex-directora do Instituto Português de Museus (1997-2002), João Neto, Presidente da Associação Portuguesa de Museus (APOM), Luís Raposo, Presidente do Comité Nacional do ICOM, Isabel Victor, directora da Rede Portuguesa de Museus (RPM) e Grabriela Carvalho, professora na área do turismo.

Os vários interlocutores, a partir de diferentes perspectivas mostraram muitas apreensões sobre o que está a passar na cena museológica portuguesa, nomeadamente sobre a nova configuração institucional para os museus, património e conservação, com grande ênfase sobre a forma como o processo de elaboração da nova lei orgânica da DGPC foi conduzido, sendo referido, por quase todos, que o processo foi efectivamente mal conduzido e antidemocrático, uma vez que os profissionais do sector não foram ouvidos neste contexto. Vários aspectos foram ainda sublinhados, e sem a pretensão de resumir esta sessão, destacaria alguns: a incerteza do futuro da RPM, e do caminho alcançado pela Lei-quadro de Museus de 2004, a futura entrega de museus nacionais às direcções de cultura regionais, o papel dos directores de museus no futuro cenário institucional e o futuro também incerto de muitos profissionais ligados ao sector.

Raquel Henriques da Silva foi peremptória, quando afirmou que a situação é “profundamente crítica e grave”, e que se assiste na cultura a um também profundo retrocesso para os museus.

Talvez seja o momento para uma mobilização significativa dos profissionais do sector, que com poucas excepções e de carácter pontual, se têm feito ouvir, mas que diante da situação em que se vive,  poderia ter um papel mais activo na discussão e reflexão sobre os problemas que afectam os museus e para uma redefinição daquilo que se pretende alcançar para a museologia em Portugal. Será que o tempo dos manifestos acabou?

Pode ver e ouvir a audição na íntegra aqui:

http://80.251.167.42/videos-canal/XII/SL1/02_com/08_cecc/20120515cecc_pmus.wmv

Pode consultar também a notícia no Público sobre esta matéria: http://www.publico.pt/Cultura/audicao-era-de-celebracao-aos-museus-mas-o-debate-acabou-na-nova-direccao-geral-do-patrimonio-cultural–1546224

Debate: “Os desafios da política de museus em tempo de crise”

No próximo dia 9 de Novembro de 2011, terá lugar um debate sobre os desafios da política de museus em tempo de crise, no Museu da Electricidade, em Lisboa (pelas 18h00). Este encontro é organizado pelo ICOM-Portugal.

Para o debate foram convidados algumas personalidades do panorama museológico: Luís Raposo, no papel de Presidente do ICOM Portugal e João Neto, que é para quem não conhece o Presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, há já alguns anos. Foram ainda convidadas outros intervenientes: Graça Filipe, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Manuel Bairrão Oleiro e Raquel Henriques da Silva.

Como ponto de partida para a discussão pode ler-se o documento que o ICOM-PT divulgou recentemente (ver post sobre o documento aqui)

A entrada é livre!

Mais informações: http://www.icom-portugal.org/

Museu do Douro e Museu do Côa adiados?

maquina-de-escrever.gif

“A ministra da Cultura admite estar com dificuldades financeiras para cumprir a promessa de abrir três novos museus este ano. Por isso, dois só deverão estar funcionais em 2009. (…)

[No entanto] Está garantida a abertura do Museu do Mar da Língua […]”, afirma a ministra da Cultura.”

Para ver o resto da notíca clique aqui.

Debate sobre a crise nos Museus portugueses?

como-tornar-os-museus-acessiveis.jpg

Debate “Como tornar os museus acessíveis?”
Fundação Calouste Gulbenkian, Sala 1, 11 Dez. 2007
©Ana Carvalho

Ontem teve lugar um interessante encontro de profissionais de museus para levar à discussão o tema “Como tornar os museus acessíveis?”.

No Mundo dos Museus esteve presente neste debate. De acordo com o que foi dito, esta foi a primeira vez que se reuniram para a realização de um encontro: ICOM-Portugal, APOM e IMC, o que não deixa de ser um balanço positivo a priori.

Entre as intervenções dos representantes da mesa de debate, nomeadamente, João Castel-Branco Pereira (Presidente ICOM-Portugal), Manuel Bairrão Oleiro (Director IMC), José d’Encarnação (administrador da lista de discussão MUSEUM), João Neto (Presidente da APOM) e Luís Raposo (membro dos corpos gerentes da CN do ICOM) e as intervenções dos presentes na sala, eis algumas impressões que nos deixou o debate:

Os museus portugueses debatem-se contra algumas dificuldades, nomeadamente, com os hábitos culturais da sociedade portuguesa, que em geral não tem o hábito de ir aos museus, contra algum analfabetismo e um poder de compra dos portugueses cada vez mais reduzido. Por outro lado, verifica-se a ausência de uma política cultural integrada por parte do governo que vise a mudança deste paradigma na sociedade portuguesa.

A responsabilização por este “estado de coisas” é repartida, ou seja, é da sociedade civil em contexto mais alargado e em particular dos profissionais, que tendo conhecimento desta situação não reinvindica, não se manifesta.

A ideia de que existe uma “crise de subdesenvolvimento social” geral em Portugal, que se traduz numa política cultural fragmentada na sua acção, mais virada para acções pontuais sem procurar uma planificação a médio e longo prazo, e que muito concretamente nos remete para a ausência evidente de uma política museológica. A este propósito, saliente-se a crítica a uma política do governo, actualmente mais virada para a realização de “eventos”, com maior preocupação no imediato e no efémero. Neste contexto, foram citadas as teorias de Francis Haskell sobre a crise dos museus anglosaxónicos no que diz respeito a efemeridade das exposições “acontecimento” em que o marketing cultural predomina sobremaneira.

Numa perspectiva de encarar alguns dos problemas com que se debatem os museus portugueses foi sugerido:

– Luta por uma maior desburocratização dos serviços.
– Aumento da automomia dos museus.
– Uma maior acção militante dos museus e respectivos profissionais sobre as questões principais problemas da museologia actual.
– Maior responsabilização dos museus no que diz respeito à avaliação de programas, exposições, etc.
– Combate à precarização dos contratos de trabalho nos museus.
– Exigir um aumento do orçamento para os museus.
– Flexibilização da entrada de recursos humanos nos museus e o direito ao trabalho de profissionais de museologia.
– A necessidade de captar públicos.
– Melhoria das acessibilidades, sejam de ordem física, intelectual e económica aos museus.
– Criação de uma galeria nacional de exposições temporárias em articulação com os museus nacionais.
– Criação de uma “ilha de museus” na praça do Comércio que concentrasse os museus históricos.
– Estabelecer estratégias a longo prazo para os museus, por oposição a uma estratégia de carácter pontual em função dos projectos.
– Necessidade de maior flexibilidade dos museus para a captação de recursos financeiros de mecenato.
– Necessidade de debater o papel dos museus e sua relação com o turismo em Portugal.
– Necessidade de refexão sobre o papel actual do profissional de museologia em Portugal.

Em jeito de conclusão, podemos dizer que o debate foi alargado aos mais diferentes problemas que afectam hoje em dia a museologia em Portugal, arriscando-se a ser mais um debate sobre a crise que atravessam os museus portugueses na actual conjuntura. A necessidade urgente de se realizarem mais debates, temáticos e incisivos, ficou claramente demonstrado pela pluralidade dos tópicos abordados.

Sugestão de Leitura: "Acteurs locaux et patrimoine immatériel: le rôle des villes historiques de la Méditerranée"

livro-sobre-patrimonio-imaterial.jpg

Acteurs locaux et patrimoine immatériel: le rôle des villes historiques de la Méditerranée
Autores: Djamil Aissani, Giovanni Lobrano, Abdelkader Sid Ahmed
Edição: Publisud (1 Outubro 2004)
Descrição Física: 335 p. ISBN-10: 2866009878
ISBN-13: 978-2866009878

Sobre o livro:

L’expérience et l’activité de la Conférence Permanente des Villes Historiques de la Méditerranée ont montré que la thématique de la sauvegarde et de la gestion du patrimoine, qui relève également du VIe Séminaire International de la CPVHM à Béjaïa, tout en se référant à l’irréductible individualité des situations locales, peut tirer profit d’une gestion transnationale des activités de valorisation, dans lesquelles les villes, les institutions locales et centrales qui sont confrontées à une problématique commune, peuvent atteindre leurs objectifs et développer leurs capacités, visant à l’harmonisation des programmes et des politiques d’intervention. Comme on le sait, il existe un haut degré de connexion entre la mise en valeur du patrimoine culturel et l’amélioration de la qualité de vie dans les villes. En même temps, l’économie et la culture internationales reconnaissent au patrimoine historique une valeur fondamentale de ressource économique et privilégient des actions de réhabilitation visant non seulement des objectifs de promotion culturelle, mais également de dynamisation économique et productive. Par ailleurs, ce volume postule l’hypothèse d’une liaison étroite entre la problématique de la sauvegarde du patrimoine, le rôle des institutions locales comme acteurs de gestion du territoire et leur fonction décisive en tant qu’articulation entre les décisions du niveau national-international et les exigences de vie et de participation démocratique des sociétés locales. Dans ce domaine, l’ouvrage fait référence à un double ordre d’expériences: (1) un Projet de recherche-action, organisé dans le cadre du Programme EUROMED Héritage II, élargi à la région méditerranéenne dans son ensemble, à partir d’une approche du patrimoine fondée sur la valorisation des savoir-faire locaux des sociétés méditerranéennes et (2) l’activité de réhabilitation et de mise en valeur de la Vieille Ville de Bethléem, où la valorisation des savoir-faire locaux a été replacée dans le contexte de la restauration et récupération du patrimoine architectural, ainsi que dans le cadre de la mise en valeur du patrimoine culturel local dans son ensemble. Cette approche a permis d’interpréter de façon tout à fait innovante le thème de la ” construction ” de l’institution municipale en tant qu’acteur principal de gestion du territoire. L’hypothèse de départ des actions citées est basée sur un certain nombre d’acquis synthétiquement indiqués comme suit:
1) L’élargissement de la notion de “patrimoine culturel” aux savoir-faire locaux, composante fondamentale des identités culturelles méditerranéennes.
2) La reconnaissance de l’utilité et de l’importance des leçons tirées des expériences réussies ne doit pas se traduire par un pur et simple transfert d’expériences, connaissances, modèles et techniques, mais par la mise en place d’un partenariat euroméditerranéen, dans l’esprit de la Conférence de Barcelone.
3) La mise en place d’actions de valorisation doit coupler activité de recherche et de connaissance, à des projets pilotes qui sont à la fois spécifiques aux filières transnationales de savoir-faire et, en même temps, compatibles avec les caractéristiques des identités culturelles locales.
4) La mise en œuvre de politiques de valorisation du patrimoine fondées sur les savoir-faire, ne pourra se faire qu’à travers la participation d’une pluralité d’acteurs, institutionnels et non institutionnels (collectivités locales, associations de citoyens et de producteurs, Chambres de Commerce et de Métiers, Universités et Centres de Recherche Technique et pour l’Innovation, etc.). Le rapport de tous ces acteurs avec les institutions publiques locales représente le nœud crucial d’un ” pacte ” visant à intégrer les différentes instances économiques, culturelles et sociales dans un programme de valorisation unitaire et intégré du patrimoine.

Sobre os autores:

Djamil Aissani – professeur de mathématiques à l’Université de Béjaïa; président du GEHIMAB, Béjaïa.
Giovanni Lobrano – professeur de droit romain et doyen de la Faculté de Droit de l’Université de Sassari ; vice-directeur de l’ISPROM.
Abdelkader Sid Ahmed – chercheur à l’Institut de Recherche pour le Développement (IRD), Paris; professeur IEDES – Université de Paris I Panthéon – Sorbonne, coordinateur général du Programme Euromed ” Filières innovantes. ”

O livro está disponível na Amazon.