Arquivo de etiquetas: redes

Cátedra UNESCO de Património Imaterial na Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora, © Ana Carvalho

Recentemente a UNESCO atribuiu à Universidade de Évora a Cátedra em património imaterial. A Universidade de Évora, que em 2006 era pioneira em Portugal no desenvolvimento de um projecto sobre património imaterial (cf. MEDINS) em linha com o enquadramento da Convenção 2003, tem com esta iniciativa a possibilidade de aprofundar um projecto de investigação em torno da valorização deste património.

“Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente.” (Entrevista com Filipe Themudo Barata, 4 Março 2013).

Para desenvolver este projecto na Universidade de Évora (CIDEHUS-Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades) foi constituída um equipa multidisciplinar: Filipe Themudo Barata (responsável pela cátedraDepartamento de História, CIDEHUS), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS).

No âmbito da cátedra estão previstas várias actividades ligadas à investigação nesta área, à formação (cursos, seminários, workshops, etc.), estabelecimento de redes com vários parceiros, partilha e divulgação de conhecimento sobre PCI, cooperação com o Mediterrâneo e com África, etc.

Os objectivos da cátedra são os seguintes:

– Estabelecer uma rede de investigadores e instituições na região do Mediterrâneo e em África para apoiar a investigação, a formação, os alunos e a mobilidade de profissionais, bem como a partilha de conhecimento nas áreas do património material e imaterial, e saber-fazer tradicional.

– Desenvolver e implementar, juntamente com outros parceiros, um programa de cooperação para apoiar, do ponto de vista científico, a criação de um centro de investigação de excelência na Universidade de Cabo Verde (UNICV).

– Fornecer formação pós-graduada nas áreas do património imaterial e do saber-fazer tradicional, bem como oferecer acções de formação de curta duração suportadas em TIC, dirigidas não só a profissionais, assim como para grupos frágeis e marginalizados.

– Implementar actividades que visem melhorar o conhecimento de jovens investigadores e profissionais sobre património material e imaterial, bem como no saber-fazer tradicional, visando desenvolver as competências dos actores públicos e privados a nível local, regional e nacional nas áreas em foco.

– Promover boas práticas na aplicação de património cultural imaterial e saber-fazer tradicional no âmbito da conservação do património; desenvolver um modelo de interacção e partilha de boas práticas para grupos académicos e investigadores de países do Sul; organizar seminários internacionais e workshops temáticos.

– Cooperar com a UNESCO em vários programas e actividades de relevo.

(Fonte: UNESCO, tradução minha)

***

Filipe Themudo Barata é Professor Associado na Universidade de Évora, onde lecciona nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus.  É membro da Comissão Científica e Pedagógica do Mestrado Erasmus Mundus TPTI – Techniques, Patrimoines, Territoires de l’Industrie; membro do Comité de Direção da Associação HERIMED (Palermo); Professor convidado na Universidade de Cabo Verde; e membro associado do Centre d’Histoire des Techniques (Paris Sorbonne – Panthéon). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks(Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui.

***

Outros posts neste blogue sobre património imaterial:

O Lugar do Património Cultural Imaterial nas Políticas do Património

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Intangible Heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

Entrevista com Filipe Themudo Barata (sobre os museus e o património)

Património imaterial: desafios e perspectivas

Museus participativos, um olhar…

Reflexão, partilha, participação, inclusão, emoções, manifestos, identidade, pós-modernismo, educação, pedagogias actuais, investigação, políticas, envolvimento, museus e universidade, novos paradigmas, territórios participativos, colaboração, redes, sustentabilidade, projectos, TRANSFORMAÇÃO, questionamento permanente, aprendizagem, dinâmicas colaborativas, museu como lugar performativo, felicidade, colecções, Paixão, mediadores, utopias, valores, INTERVENÇÃO, impactos sociais, indicadores de impacto, MUDANÇA, educação financeira, MUSEU RELEVANTE, Identidade de lugar, avaliação, representações

…são algumas das palavras-chave das reflexões à volta do seminário “Museus Participativos: Questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos (7 de maio 2012), organizado pela Universidade do Porto e pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, onde se realizou esta jornada de reflexão crítica em torno das práticas museológicas nos museus do Porto.

Este seminário insere-se no âmbito do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos” (coord. Alice Semedo) (sobre o projecto ver post anterior), sendo que este seminário foi uma sessão aberta ao público.

Depois de uma breve apresentação e contextualização do projecto de investigação (por Alice Semedo e Inês Ferreira), seguiu-se Jocelyn Dodd da Universidade de Leicester, que deu a conhecer algumas experiências inglesas em matéria de inclusão e acessibilidade.

Maria Amélia Cupertino de Miranda (Fundação dr. António Cupertino de Miranda), em cima na foto, apresentou aquele que pode ser considerado um exemplo de boas práticas desenvolvido pelo museu na área educativa, partilhando os sucessos e os fracassos de um processo de mudança que o museu encetou numa perspectiva de se tornar mais relevante, através da construção de (novos) territórios. A partilha de experiências tem sido parte integrante do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”.

Fará sentido, hoje, falar de manifestos? João Teixeira Lopes (Universidade do Porto) falou de manifestos e da sua construção a partir de “10 mandamentos”.

Cerca de 100 pessoas foram distribuídas em diversos grupos (círculos de conversas) para pensar nos manifestos e na sua construção. Depois, foi “meter as mãos na massa” e criar…

O que nos liga?

O que nos distingue?

E…

Momentos particularmente férteis para a reflexão sobre os museus foram proporcionados por Alexandre Quintanilha  (Universidade do Porto), Silvia Berény (OSMPE-Organização Social do Movimento das Pontes Educativas), Pedro Lamares (Actor, encenador, formador), com a moderação de Paulo Azevedo (Cleo Sonae). Um olhar de fora dos museus foi extremamente prolífico para repensar posicionamentos sobre o que pode ser o museu e, a todos nós quanto aquilo em que acreditamos ser o papel do museu. Momentos Out of the box

A rEDUvolucion nos museus? María Acaso (Universidad Complutense de Madrid) e as suas “pedagogías tóxicas” vs “pedagogías actuais”, num tom muito particular, sempre provocador e revolucionário. María Acaso tem vários livros publicados. Merece particular atenção um dos últimos livros que tem aplicação nos museus de arte contemporânea:

Acaso, María, coord. 2011. Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales. Madrid: Editorial Ariel. Também disponível em pdf: http://mariaacaso.blogspot.pt/search/label/publicaciones (blog de María Acaso)

O que queremos que seja o museu?

Este seminário foi um encontro feliz no sentido em que promoveu a discussão sobre temas que são centrais para a (re)definição do museu (afinal, que museus queremos?, que profissionais queremos ser?) E já que nos aproximamos do dia internacional dos museus (18 de Maio), dedicado este ano ao tema: Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações”, este encontro não poderia estar mais em sintonia!!!!

 

Workshop: Uma rede de museus para o norte

No dia 14 de Novembro realiza-se um workshop intitulado “Uma rede de museus para o norte: interrogações e caminhos”, no Paço dos Duques em Guimarães. O tema das redes tem sido recorrente como é possível constatar pelos vários encontros realizados sobre o tópico ao longo de 2010 e 2011 (sobre outros encontros clique aqui). Alguns destes encontros têm sido promovidos pelo IMC no sentido de potenciar novas sinergias com a colaboração da RPM. Este encontro em Guimarães parece reflectir essa dinâmica, o que não deixa de ser um sinal positivo. Note-se que esta temática foi também objecto de reflexão na região norte com o seminário: “Redes de Museus: Território. Identidade. Património” (Maio 2011).

Neste encontro /workshop o Paço dos Duques espera reunir, para além de profissionais de museus, responsáveis por diferentes tutelas de museus do norte, independentemente de pertencerem ou não à Rede Portuguesa de Museus.

A iniciativa contará com a reflexão de investigadores e responsáveis institucionais na área da museologia, fomentando o debate e a participação de todos num dos três workshops que se realizam durante a tarde e que serão orientados por museólogos provenientes de museus de tutelas diferenciadas.

A inscrição é gratuita e deverá ser enviada para: pduques@imc-ip.pt, com indicação da identificação, tutela e contatos.
(Fonte: site IMC)

PROGRAMA

10H00 – ABERTURA
João Brigola – Diretor do IMC

10h30 – REDES REGIONAIS DE MUSEUS – EXPERIÊNCIAS EUROPEIAS
Clara Camacho – IMC

11H00 – Pausa para Café

11h15 – A RPM E AS REDES REGIONAIS DE MUSEUS – APROXIMAÇÃO AO TERRITÓRIO?
Isabel Victor – Departamento de Museus / RPM

11h45- ARTICULAÇÕES E COOPERAÇÃO ENTRE MUSEUS DA RPM – UM ESTUDO DE CASO
Jorge Santos – OAC

12h15- Debate

12h30 – Almoço Livre

14h15 – A REDE MUSEUS DO ALGARVE – UMA EXPERIÊCIA NO TERRENO
José Gameiro – Grupo Coordenado da RMA – Museu de Portimão

15h00 – 16h00 – WORKSHOP
UMA REDE DE MUSEUS PARA O NORTE – CAMINHOS…
Coordenação dos grupos de trabalho
Isabel Silva – Museu D. Diogo de Sousa
Claudia Milhazes – Museu de Olaria
João Alpoim – Museu de Viana do Castelo

16h30- Apresentação de Resultados e Balanço

17h30 – Encerramento

ReCose – uma rede de profissionais no facebook

Trabalhar em rede é hoje palavra-chave no mundo dos museus. Prova disso é a criação de várias redes de museus, formais e informais (ex. Rede de Museus do Algarve, Mouseion) nos últimos anos. Não esquecendo também o papel da Rede Portuguesa de Museus (RPM) que ao longo da última década tem dado provas de que o trabalho em rede permite uma melhoria significativa dos museus. Tem-se notado também um maior interesse em debater este tema, sobretudo a partir das instituições que tutelam os museus, que vêem aqui uma oportunidade de optimizar recursos dadas as circunstâncias económicas com que nos debatemos. Como exemplos refira-se o “I Encontro de Museus do Alentejo” (21-22 Out. 2010), que tinha como objectivo implícito a criação de uma possível rede de museus para o Alentejo; e mais recentemente o seminário “Redes regionais de museus” (13 Abr. 2011), organizado pela Direcção Regional de Cultura do Centro.

A notícia que aqui gostaria de divulgar é a de criação de um outro tipo de rede, menos burocrática e administrativa como tendem a ser a maioria das redes. Trata-se de uma rede, ao que tudo indica de carácter informal que junta profissionais ligados aos serviços educativos dos museus (e não só), a partir das redes sociais. Chama-se Rede de Colaboradores de Serviços Educativos (ReCoSE) e está no facebook.

Sobre a rede:

“Pretende recoser a estrutura da nossa profissão! Só juntos podemos conseguir melhorar a nossa prática e as condições em que se pratica.
Se és colaborador de algum serviço educativo, seja ele qual for (por enquanto em Lisboa, mas temos como objectivo alargar a nível Nacional), junta-te a esta rede e sê Bem-vindo!”
(in http://pt-pt.facebook.com/people/Rede-Colaboradores-Servi%C3%A7os-Educativos/100002184060801)

Para se juntar ao grupo basta inscrever-se no facebook!

Esta era uma ideia que há algum tempo andava em maturação, ou seja a de juntar profissionais que trabalham na área da educação nos museus em benefíco desta actividade. O objectivo era já perceptível no âmbito de algumas conferências a que assisti. Refiro-me por exemplo à conferência sobre “Serviços educativos em espaços culturais“, que se realizou no Algarve (Janeiro 2010). Parece que a ideia materializou-se agora, usando como plataforma o facebook.

Os meus parabéns pela iniciativa e votos de um excelente trabalho!

Contacto de email da ReCose:
redecse@gmail.com