Arquivo de etiquetas: revista MIDAS

Publicado artigo que destaca a museologia como campo de estudos em Portugal

A imagem é o hall de entrada de um museu suportado por pesadas colunas decoradas

O artigo “Building the field of museum studies in Portugal: the role of publications” / A construção da museologia como campo de estudos em Portugal: o papel das publicações (*Ana Carvalho) foi publicado na revista MIDAS, Museus e Estudos interdisciplinares (n.º 12, 2020). Está disponível na íntegra em: https://doi.org/10.4000/midas.2611

Resumo:

Assistimos nas últimas décadas à expansão do campo de estudos de museus. Esse desenvolvimento é sustentado com o contributo de diferentes actores e de variadas formas. As publicações são parte fundamental dessa construção na medida em que asseguram a visibilidade e o acesso ao campo de estudos, assim como contribuem para articular diferentes entendimentos, propostas e perspetivas, seja na teorização como na ação, fortalecendo, assim, o seu desenvolvimento. Este artigo analisa o papel das publicações na construção da museologia como campo de estudos em Portugal, com particular evidência a partir da década de 1990. De carácter exploratório, o artigo tem como objectivo analisar a evolução das publicações, em que contextos, iniciativas e actores. Sem a pretensão de um retrato exaustivo, assinalamos algumas dinâmicas, relações e tendências que marcam as últimas décadas. A metodologia adotada incluiu a análise e revisão bibliográfica, e o conhecimento empírico com relação ao tema. A análise apresentada pode ser significativa para compreender algumas das principais questões relacionadas com a construção da museologia como campo de estudo ao longo das últimas três décadas.

Abstract:

In recent decades we have seen the field of museum studies expand. This development has been supported by the contribution of several actors, in various ways. Publications are essential in this process, since they ensure visibility and access to the field of study, while helping to articulate different understandings, proposals and perspectives – both in theory and in practice – thus strengthening its development. This article considers the role of publications in building museology as a field of study in Portugal, especially from the 1990’s onwards. This empirical and exploratory study aims to analyse the evolution of publications in terms of contexts, initiatives and actors. While not intending to be exhaustive, we signal some dynamics, relations and trends from recent decades. The methodology adopted includes literature review and is based also on my empirical knowledge on the subject matter. The analysis presented can be significant in contemplating some of the key issues related to the trajectory of museum studies as a field of study over the last three decades.

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

Chamada de artigos para dossier temático sobre políticas culturais e museus

 

Encontra-se aberto o call for papers para dossier temático da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares sobre “Políticas Culturais e Museus”, a ser publicado em 2021. O dossier é coordenado por Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades, Universidade de Évora), Clara Frayão Camacho (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa) e Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa).

Prazo para envio de textos: 30 de janeiro de 2021, email: revistamidas@gmail.com

Mais informações: https://journals.openedition.org/midas/2302

Políticas culturais e museus

O desenvolvimento dos museus é, em grande medida, influenciado pelas políticas culturais de cada país. Por política cultural entendemos a definição e promoção de um conjunto de valores e de ações na esfera da cultura, cujos objetivos podem ser explícitos ou implícitos, mais ou menos estruturados ou consistentes, que num dado momento ou contexto procuram responder às necessidades e preocupações na sociedade onde se inscrevem, atendendo aos recursos disponíveis. O seu desenvolvimento é por isso mutável, variando conforme as mudanças que se operam nas sociedades, refletindo em cada momento aspetos que são mais valorizados em detrimento de outros.

O desenvolvimento e a implementação de políticas culturais é uma responsabilidade dos Estados, refletida na atuação de múltiplos actores na esfera pública e a vários níveis de governação: central, regional e local. No domínio das políticas culturais destaca-se igualmente a influência e o agenciamento de outros enquadramentos, atores, instrumentos e orientações (ex. cartas, convenções, recomendações, relatórios) a escalas supranacionais, nomeadamente ao nível da União Europeia, de forma mais direta ou indireta (Höglund 2012), ou a uma escala mais global (ex. UNESCO).

A formulação de políticas culturais varia também em função do contexto histórico, cultural, social, económico e filosófico ou ideológico em que se produzem, que difere de país para país. Por essa razão também não é raro identificarem-se diferentes abordagens na forma como se definem, desenvolvem e se implementam políticas culturais, cujos aspetos comuns e diferenciadores são também objeto de comparabilidade (Anico 2009; Poirrier 2011; Lill e Arne 2012).

O enquadramento em que se definem políticas culturais é ainda condicionado por eventos ou fenómenos de escala mais global, que podem introduzir mudanças significativas e aportar impactos para as políticas culturais nacionais. Esse é o caso da globalização, mas também de crises diversas, de que é exemplo a pandemia Covid-19, exemplo de uma crise de saúde pública que tem afetado todos os setores da sociedade. Mas poderiam ainda ser citadas outras crises, como as de origem económica (ex. crise financeira internacional pós-2008; ou a crise da dívida soberana portuguesa a partir de 2011), política (ex. movimentos de contestação social antirracismo, entre outros), social (ex. movimentos migratórios e crise de refugiados) ou ambiental (ex. Antropoceno), entre outras.

O impacto das políticas culturais pode ser determinante para potenciar (ou não) o lugar dos museus na sociedade, o seu desenvolvimento, alcance e relevância. Enquanto beneficiários das políticas culturais de cada país, os museus são influenciados pelo pensamento gizador dessas políticas, dos seus objetivos e estratégias, das prioridades, dos mecanismos e instrumentos de gestão, controle e regulação implementados, assim como dos recursos alocados (financeiros e humanos). A reorganização de museus, seja por via da criação de novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação, a distribuição de recursos, incluindo o seu aumento e/ou redução, a diversificação de fontes de financiamento, a descentralização, a desconcentração, a criação de redes e a credenciação de museus, a regionalização, a privatização de museus ou de parte da sua atividade, a diversificação de modelos de gestão, e a produção e regulação legislativa são alguns dos aspetos geralmente explorados e desenvolvidos sob a alçada das políticas públicas. Também inerentes às políticas públicas são as formas como se estruturam as instituições de enquadramento, compreendendo a (re)organização de organismos do Estado, assim como as suas divisões orgânicas ou fusões.

Outros aspetos igualmente relevantes nas políticas culturais dizem respeito à noção de nação, identidade(s) e diversidade cultural, assim como a abordagens assentes na democratização da cultura ou na democracia cultural, que baseando-se em paradigmas distintos (Lopes 2009), por vezes sobrepondo-se em coexistência (Négrier 2020), evocam perceções sobre como deve ser entendida a cultura e as condições em que se promove o seu acesso e levantam interrogações. Que cultura? Com quem, para quem e como? Também tópico da participação, enquanto mecanismo potenciador de novas formas de envolvimento e de melhoria da ação pública, tem constituído objeto de interesse crescente na concretização de políticas públicas (Négrier 2020).

Na contemporaneidade espera-se cada vez mais que os museus desempenhem múltiplas funções e que contribuam para a concretização de objetivos de políticas que não são estritamente do domínio da cultura (Legget 2017a; Camacho 2020), nomeadamente nas áreas da educação, da ciência e da investigação, da saúde e do bem estar, da integração social, da coesão territorial, do desenvolvimento turístico, da promoção do desenvolvimento sustentável, da igualdade e da diversidade, da criatividade e do empreendedorismo, entre outras. Neste contexto sobressai a ideia de abordagens integradas e de políticas de convergência e de cooperação que atravessam as várias áreas governamentais numa visão menos compartimentalizada da cultura e das políticas públicas e de distribuição de responsabilidades. Por outro lado, no domínio do próprio setor cultural também se observa, não raras vezes, uma tendência para a separação das várias áreas (artes, museus, património, arquivos, bibliotecas), fazendo corresponder organismos específicos de atuação, mas nem sempre comunicantes entre si.

A reflexão sobre a relação e o impacto das políticas públicas, seja de forma mais específica no setor museológico, seja no setor cultural de forma mais global, não é um tema novo e tem sido objeto de análise, a partir de diferentes ângulos (Vinson 2006; Lang, Reeve, e Woollard 2006; Gilabert González 2011; Bonet e Négrier 2011; Lill e Arne 2012; Camacho 2015; Poulot 2016; Garcia et al. 2016; Legget 2017b, entre outros). Todavia, o tema continua a suscitar novos olhares, investigação e perspetivas em função das mudanças diversas e multifacetadas que se têm operado nas últimas décadas e em especial nos últimos anos, não ignorando o impacto de diferentes e subsequentes crises no panorama museológico.

Por outro lado, vivemos um tempo de maior escrutínio público e de maior demanda quanto à necessidade de um planeamento mais estratégico, em termos de pensamento e de ação, e de uma maior racionalização ou otimização de meios, preocupações que se atribuem à esfera das políticas públicas, mas que também emanam do próprio setor museológico. E se, por um lado, se verifica a necessidade de um pensamento estratégico num tempo mais dilatado, com frequência o setor dos museus se confronta com a alternância dos ciclos políticos nos governos e a consequente oscilação e mudança de prioridades, mas também de investimento, que daí resulta para o mundo dos museus, assim como para o setor cultural de forma mais alargada.

Temas a desenvolver

Este número temático pretende contribuir para uma reflexão crítica sobre o papel das políticas culturais dirigidas a museus, recolhendo perspetivas e experiências que estimulem a disseminação de conhecimento a partir deste campo de análise e de interação. Não há uma delimitação predefinida quanto a um período em particular, aceitando-se propostas que foquem uma abordagem histórica ou que contribuam para um entendimento contemporâneo sobre a relação e o impacto das políticas públicas no setor dos museus. São igualmente bem-vindas propostas que, tendo como objeto de análise o terreno dos museus, permitam o confronto e a fertilização de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e o cruzamento de olhares interdisciplinares. Neste contexto, podem incluir-se visões mais abrangentes ou de comparação entre políticas públicas nacionais na área dos museus, assim como estudos de caso referentes a contextos mais específicos de uma política museológica.

No âmbito do papel do Estado na definição de políticas museológicas destacamos quatro linhas de análise, ainda que não se pretendam exaustivas, cuja estruturação serve o propósito de sugerir perspetivas, uma vez que poderão sobrepor-se ou articular-se entre si.

Estado como legislador e regulador

Uma das formas de enquadrar o setor é através de produção legislativa, seja por via da elaboração de leis específicas de referência (ex. Lei-Quadro dos Museus Portugueses), seja de forma mais indireta, através da influência de outros enquadramentos legais aplicáveis (ex. conservação, património, ciência, entre outras), incluindo os enquadramentos supranacionais (ex. por via do Conselho da Europa ou da UNESCO). Os artigos podem explorar a relação entre a produção legislativa e o seu impacto no setor dos museus, assim como a distância (ou não) entre as normas e a sua aplicação. Que inovações, continuidades ou disrupções? Que transformações, evoluções ou retrocessos? Que resultados e efeitos? Que lacunas ou insuficiências?

Estado e os contextos institucionais da sua ação

A organização dos serviços do Estado na área dos museus e do património é também indicativa da construção e da concretização de políticas públicas para o setor. Estas formas de organização podem seguir modelos distintos de intervenção, seja optando por um modelo de maior especialização, seja adotando um modelo mais generalista, e são variáveis ao longo do tempo, quer nas intenções e objetivos como nos recursos disponíveis. Esta é uma dimensão que permite perspetivar conhecimento sobre a evolução da arquitetura administrativa do Estado, as abordagens implementadas (ex. centralização/descentralização, desconcentração; redes), o perfil das competências atribuídas, os desafios e as limitações, e o seu efeito no setor museológico.

Estado como administrador

Se, por um lado, o Estado financia alguns museus diretamente, por outro, também pode influenciar a forma como os museus são geridos. Neste campo estão implícitas questões relativas à (re)organização dos museus (ex. novos museus, encerramento/extinção, fusão ou investimento na sua expansão ou requalificação), à fixação de objetivos de desenvolvimento, ao financiamento e à sustentabilidade, aos modelos de gestão e autonomia, à privatização, à transferência de competências (ex. municipalização), às parcerias e às redes. Além das políticas na esfera da administração central, são igualmente relevantes as implementadas ao nível regional (ex. regiões autónomas) e local, nomeadamente o papel crescente dos municípios na organização e criação de museus.

Estado e os novos desafios contemporâneos

A contemporaneidade traz novos cenários e realça tendências, entre estas, uma visão mais sistémica das políticas públicas promovidas pelos Estados, alargando o foco de intervenção das políticas culturais no sentido de maior convergência e cooperação com outros domínios da ação política; abordagens mais centradas no paradigma da democracia cultural e o contributo de novas reconceptualizações da “participação” como mecanismo facilitador da construção de novas formas de envolvimento e a partilha da responsabilidades com vista à melhoria da ação pública. Neste contexto podem ser exploradas várias questões, da retórica à prática: que atores, usos, mecanismos e implicações, que obstáculos, potencialidades e limites?

Editoras convidadas

Ana Carvalho

Investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Doutoramento e mestrado em Museologia. Membro do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020), uma iniciativa do Ministério da Cultura, com o objectivo de propor recomendações de política pública, considerando a sustentabilidade, acessibilidade, inovação e relevância dos museus na sociedade. Colaborou como investigadora no projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Coordenou o Boletim do ICOM Portugal (2014-2018). A sua investigação tem-se centrado nos museus e património cultural imaterial, diversidade cultural, participação, tecnologias digitais e nas políticas públicas para os museus e o património cultural.

Clara Frayão Camacho

Técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, coordenadora do Grupo de Projeto Museus no Futuro (2019-2020) e investigadora do Instituto de História de Arte (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – FCSH, Universidade Nova – NOVA). Doutorada em História (Universidade de Évora) e mestre em Museologia e Património (FCSH – NOVA). Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1983-1999), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdiretora do Instituto Português de Museus/Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de museologia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre temas da museologia contemporânea e da monografia Redes de Museus e Credenciação. Uma Panorâmica Europeia (2015). Tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e exerce funções de representação institucional em organismos europeus e ibero-americanos.

Raquel Henriques da Silva

Professora associada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Departamento de História da Arte de que é coordenadora executiva desde 2015. Leciona seminários do mestrado em História da Arte do século XIX e do mestrado em Museologia; é coordenadora do curso de doutoramento em História da Arte. Autora de estudos de investigação e divulgação nas áreas do urbanismo e arquitetura (século XIX-XX), artes plásticas e museologia. Comissária de exposições de arte. Foi diretora do Museu do Chiado (1994-1997) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou o Conselho de Administração da Fundação de Serralves (2000-2006) e, atualmente, integra o Conselho de Administração da Fundação Arpad-Szenes-Vieira da Silva. É diretora científica do Museu do Neo-Realismo desde 2018.

Referências

Anico, Marta. 2009. “Políticas da Cultura em Portugal e Espanha.” PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural 7 (1): 57–71.

Bonet, Lluis, e Emmanuel Négrier. 2011. “The End(s) of National Cultures? Cultural Policy in the Face of Diversity.” International Journal of Cultural Policy 17 (5): 574–89.

Camacho, Clara Frayão, coord. 2020. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. [s.l]: Grupo de Projeto Museus no Futuro, Direção-Geral do Património Cultural.

Camacho, Clara Frayão. 2015. Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Vol. 2. Coleção Estudos de Museus. Casal de Cambra: Caleidoscópio e Direção-Geral do Património Cultural.

Carvalho, Ana, coord. 2017. “Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (out.). http://hdl.handle.net/10174/21432

Eilertsen, Lill, e Bugge Amundsen Arne, eds. 2012. Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Garcia, José Luís, João Teixeira Lopes, Teresa Duarte Martinho, José Soares Neves, Rui Telmo Gomes, e Vera Borges. 2016. “Mapping Cultural Policy in Portugal: From Incentives to Crisis.” International Journal of Cultural Policy 24 (5): 577–93.

Gilabert González, Luz María. 2011. “La Gestión de Museos: Análisis de las Políticas Museísticas en la Peninsula Ibérica.” Tese de Doutoramento, Universidad de Murcia.

Höglund, Maria. 2012. “European Union Approaches to Museums 1993-2010.” In Museum Policies in Europe 1990 – 2010: Negotiating Professional and Political Utopia, editado por Lill Eilertsen e Bugge Amundsen Arne, 157–88. Linköping: Linköping University Electronic Press.

Lang, Caroline, John Reeve, e Vicky Woollard. 2006. “The Impact of Government Policy.” In The Responsive Museum: Working with Audiences in the Twenty-first Century, 19–28. Hampshire: Ashgate e Burlington.

Legget, Jane, ed. 2017b. “Museums and Public Policy.” Museum International 69 (275–276).

Legget, Jane. 2017a. “Museums and Public Policy: An Introduction.” Museum International 69 (275–276): 6-9.

Lopes, João Teixeira. 2009. “Da Democratização da Cultura a um Conceito e Prática Alternativos de Democracia Cultural.” Saber & Educar, n.º 14: 1–13.

Négrier, Emmanuel. 2020. “Introduction.” In Cultural Policies in Europe: a Participatory Turn?, ed. Félix Dupin-Meynard e Emmanuel Négrier, 11–27. Toulouse: Éditions de l’Attribut.

Poirrier, Philippe, ed. 2011. Pour une Histoire des Politiques Culturelles dans le Monde. Paris: La Documentation Française.

Poulot, Dominique, dir. 2016. “Le Musée et le Politique.” Culture & Musées (28).

Vinson, Isabelle, ed. 2006. “Museums and Cultural Policy.” Museum International Vol. LVIII (4/232).

Novo número da revista MIDAS: Perspetivas sobre o museu eclético

Imagem da capa: “Maqueta de Museu” (2009) de Francisco Tropa © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

Acaba de ser publicado o mais recente número da revista MIDAS, o dossier temático “Perspetivas sobre o Museu Eclético”, coordenado por Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1586

Como destacam as coordenadoras no editorial:

[…] Compreendendo este dossier investigações sobre o museu ecléctico do século XVIII ao XX, em Portugal, com algumas pontes para projectos transnacionais, constatamos com entusiasmo que os artigos aqui reunidos demonstram a vitalidade não apenas do modelo do museu ecléctico, como ainda da investigação em seu torno, considerando os coleccionadores e a sua diversidade e relevância para a definição de espólios; o museu enquanto espaço arquitectónico, inserido num contexto urbano, social, histórico, cultural e político específico; o museu enquanto conceito aberto (ao mundo e à sua experiência e registo); e, ainda, o incontornável papel dos museólogos, determinando a face da instituição pela sua cultura e perspectiva científica decorrente.

****

MIDAS 11 – Perspetivas sobre o museu eclético – Coordenação de Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro
Caixas de tesouros. Um dossier sobre o museu ecléctico

Artigos

Paula Mesquita Leite Santos
Jean Pillement (Lyon, 1728-1808) e os colecionadores do Porto. Pintura nos Museus Nacionais de Soares dos Reis e de Arte Antiga

Marize Malta
Gostos ecléticos em coleções, repercussões em museus nacionais e o caso da coleção Ferreira das Neves

Maria de Fátima Lambert
Viagens ecléticas, residências e obras: Maria Graham artista-autora-viajante

Ramiro A. Gonçalves
Para além da Pintura. Alguns apontamentos sobre as outras coleções do conde Daupias

Ana Cristina Martins
Páginas da vida de um jovem arqueólogo: Francisco Tavares Proença Júnior (1883-1916)

Duarte Manuel Freitas
Para uma árvore genealógica museológica: o caso singular do Museu Machado de Castro

Raquel Henriques da Silva
A Casa-Museu Fernando de Castro: das colecções e das fantasmagorias

Recensões críticas

Paulo Simões Rodrigues
Hugo Xavier – O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa

João Luís Cardoso
Elisabete J. Santos Pereira – Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930)

Vera Mariz
Maria João Vilhena de Carvalho – A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena

Susana S. Martins
The Art of Collecting [exposição]

Novo número da revista MIDAS é dedicado aos objectos e museus, suas biografias, narrativas e vínculos identitários

Imagem da capa: “Subliminal”, de Álvaro Pérez Mulas, 2008, Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2. Salamanca, Espanha © Álvaro Pérez Mulas. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O oitavo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: https://midas.revues.org/1149

Este número é dedicado ao tema «Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários» e foi coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Segundo os coordenadores, «este número faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação.» O número apresenta 11 artigos, uma notação e três recensões críticas de livros.

A capa deste número destaca a obra do espanhol Álvaro Pérez Mulas. Esta obra foi criada no âmbito da exposição realizada em 2008 no Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2, em Salamanca, Espanha. Segundo o artista: «con el texto compuesto a partir de las fotografías cuestionaba la necesidad social que se plantea en la actualidad de aprender a ver imágenes, ya que estamos inmersos en un entorno dominado por la comunicación visual. El espectador ya no sólo se preguntará qué es lo que ve o de dónde ha salido, además será invitado a cuestionarse lo que ve y cómo lo ve mediante la conjunción de signos que conforman dos lenguajes distintos, el plástico y el verbal. […] Pero la lectura verbal de las fotografías será subliminal, no inducida, porque el texto está implícito. El espectador que se acerque a las imágenes está invitado a leer en ellas, pero no tiene que sentirse obligado a ello. Es una cuestión de su capacidad de percepción y abstracción.»

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 08 | Dossier temático «Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários»

Artigos

Carmen Gómez-Redondo
El objeto patrimonial como símbolo identitario en el museo

Patricia Delayti Telles
As miniaturas de “filiação política”: de objetos perigosos ao esquecimento

Inês Lourenço
As histórias alternativas do objeto: o cofre-relicário de São Francisco Xavier e a identidade religiosa dos goeses em Portugal

Diego Lemos Ribeiro, Mara Rosana Araujo Alessandretti, Ramile da Silva Leandro, Larissa Tavares Martins e Fabiane Rodrigues Moraes
A presença na ausência: a performance e a biografia dos objetos como ativadores de memória

Márcia Pinheiro Ferreira e Marcus Granato
A luneta de Bamberg no Museu de Astronomia e Ciências Afins: pesquisa e trajetória (1907-2016)

Cecilia de Oliveira Ewbank e Manuel Ferreira Lima Filho
Por detrás de uma coleção do Museu Nacional do Rio de Janeiro: vozes, silêncios e desafios

Aparecida Marina de Souza Rangel e Álea Santos de Almeida
Os cómodos do Museu Casa de Rui Barbosa enquanto museália

Cristina Barros Oliveira
Considerações sobre a biografia da instalação Oh la la,… oh la Balançoire/Microcosmos Tentacular de Susanne Themlitz

Margarida Brito Alves
Entre a casa, o mar e a galeria. Os objetos animados de Salette Tavares

Sofía Marín Cepeda
Patrimonio en conserva. Los vínculos indentitarios como clave de aprendizaje en el grado de magisterio

Olaia Fontal Merillas, Silvia García-Ceballos, Borja Aso Morán e Marta Martínez Rodríguez
Patrimonios, objetos e historias de vida. Análisis de propuestas educativas desde el Observatorio de Educación Patrimonial en España

Notações

José María Cuenca-López e Jesús Estepa-Giménez
Educación patrimonial para la inteligencia territorial y emocional de la ciudadanía

Recensões críticas

Francisco Providência
Inês Ferreira – Criatividade nos Museus: Espaços “Entre” e Elementos de Mediação

Vítor Oliveira Jorge
Ian Hodder – Studies in Human-Thing Entanglement

Luís Urbano Afonso
Adelaide Duarte – Da Coleção ao Museu. O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

Revista MIDAS tem nova chamada para artigos e para coordenadores de dossier temático

Foto: Ana Carvalho, 2016, Museu José Malhoa

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem dupla chamada aberta: artigos para número “Varia” (n.º 9, Nov 2017) e para coordenadores de dossier temático (n.º 10, Jun 2018). Data limite: 23 de Junho de 2017.

Chamada para artigos para número “Varia”

Encontra-se aberta chamada para propostas para número “Varia” (n.º 9) da revista MIDAS, a publicar em Novembro de 2017. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Os textos devem ser enviados até 23 de junho de 2017 para: revistamidas@gmail.com

Chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos

Encontra-se aberta chamada para propostas de coordenação de dossiers temáticos, com publicação prevista para Junho de 2018 (n.º 10).

A revista MIDAS acolhe propostas de profissionais e investigadores, nacionais e internacionais, interessados em coordenar dossiers temáticos que se enquadrem no domínio dos museus e suas práticas.

As propostas para coordenadores de dossiers temáticos devem contemplar o tema do dossier temático, bem articulado e focado numa área de relevância de interesse nacional e internacional. Os temas dos dossiers temáticos podem incluir diferentes abordagens e metodologias, e abranger temas inovadores e originais que ainda não tenham sido amplamente abordados pela revista.

Os coordenadores dos dossiers temáticos terão como responsabilidades:

– Seleção preliminar dos artigos submetidos
– Assegurar a aplicação do processo de avaliação por pares (peer-review), inclusive indicar os referees por artigo e fornecer uma recomendação final aos editores da revista. De acordo com a política seguida pela revista, todos os artigos, sejam convidados ou submetidos, são avaliados por dois especialistas externos (referees) em sistema de duplo anonimato (double-blind review)
– Contribuir com um ensaio introdutório para o dossier temático
– Assegurar o cumprimento dos prazos de publicação

A proposta para a coordenação de dossiers temáticos deve incluir:

– O(s) nome(s), email, afiliação e breve biografia do(s) coordenador(es) (não mais de 120 palavras, em texto corrido)
– A descrição e enquadramento do tema (1000-1500 palavras), incluindo os seguintes elementos: título; objetivos e enfoque pretendido; temas a desenvolver; lista das referencias bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); 5 palavras-chave
– Lista de 10 potenciais referees para avaliar os artigos submetidos
– Lista de potenciais autores

A seleção das propostas será feita pelos editores da MIDAS, considerando os seguintes critérios:

– Adequação do tema à revista MIDAS
– Qualidade global da proposta: originalidade e contributo para o estudo e conhecimento científico em museus e Museologia
– Contexto teórico e fundamentação da proposta
– Relevância e clareza da proposta
– Integridade da proposta
– Experiência do(s) coordenador(es) no trabalho editorial

As propostas devem ser enviadas até ao dia 23 de junho de 2017 para: revistamidas@gmail

Para mais informações contactar: revistamidas@gmail

Como é que a Museologia tem evoluído em matéria de publicações?

Uma forma de avaliar a evolução de um determinado campo de estudos é a análise das suas publicações. Procurámos neste texto (publicado originalmente nos Cadernos do Museu (n.º 5, ed. Museu da Ruralidade) centrar a atenção no papel das publicações na área da Museologia em Portugal. Como tem evoluído? Em que moldes se tem produzido? Que iniciativas e actores?

Poderíamos avançar dizendo que a Museologia enquanto campo de trabalho e de estudo evoluiu em Portugal se atendermos a um tempo mais longo. Independentemente de outros factores, esta evolução não está desligada da passagem da formação em Museologia para o domínio das universidades no final da década de 1980[1] e posterior acentuado crescimento nas décadas seguintes levando a que a oferta de cursos (pós-graduação, mestrado e, mais recentemente, doutoramento) nesta área proliferasse desenfreadamente, fenómeno que só veio a ser moderado com os efeitos da crise pós-2008.[2] Este desenvolvimento foi catapultado pela necessidade de formação de profissionais face ao boom de museus criados pós-1974, fenómeno que não foi exclusivo do caso português e que permanece em crescimento. Dados de 2010 revelam a existência de 1223 museus em Portugal, correspondendo a um aumento de 68% relativamente a 2000 (Neves, Santos e Lima 2013).

A intervenção das universidades no plano formativo veio, assim, preencher uma lacuna. O curso de conservadores de museu no Museu Nacional de Arte Antiga havia funcionado até 1974. Mais tarde, teriam importância outras iniciativas formativas, nomeadamente os cursos coordenados pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC), entre 1981-1982 e 1984-1985, e o curso coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) e pelo Instituto de Formação Profissional na Escola Superior de Belas Artes, entre 1988-1990 (Semedo 2004), mas a sua existência seria efémera.

Mas de que forma é que este percurso se reflectiu na criação de espaços de reflexão, debate e divulgação sobre experiências e práticas em Museologia e sobre museus por parte de uma comunidade profissional e académica (também esta em construção)? Assim sendo, procurámos neste texto centrar a atenção no papel das publicações nesta área, como tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores. Não se pretende com esta resenha um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas.

Independentemente de publicações anteriores, a Iniciação à Museologia (Rocha-Trindade 1993), uma iniciativa promovida pela Universidade Aberta, marca indelevelmente a paisagem das edições nesta área, como sendo o primeiro manual do género em Portugal. Quantos de nós não tiveram a sua iniciação à Museologia por via deste livro? A sua concretização consubstanciava a urgência de disseminar um saber-fazer que estava ainda circunscrito a uma «pequena franja de especialistas, de estetas ou de curiosos iluminados», era «necessário proceder a um longo trabalho de sensibilização, de qualificação, de formação especializada de todos aqueles cujo empenhamento dedicado ou vocação segura terão responsabilidades em matéria museológica», como advertia a antropóloga Rocha-Trindade (1993, 17-18). O investimento na qualificação da formação e na disseminação do saber aplicado a museus afirmavam-se como palavras-chave para alavancar o promissor desenvolvimento dos museus que se perspectivava na década de 1990. A criação, em 1991, do Instituto Português de Museus (IPM), um organismo público vocacionado para os museus e para a aplicação de políticas museológicas era mais um sinal inequívoco deste fulgor.

É, todavia, na década de 2000, que se denotam mais desenvolvimentos por via da publicação e criação de espaços de disseminação, esboçando um pensamento mais estruturado do e sobre o sector. E a marcar o início da década de 2000 refira-se a publicação de um número temático da revista Museología (edição da Associação Espanhola de Museólogos) inteiramente dedicado aos «Museos y Museologia en Portugal: Una Ruta Ibérica para el Futuro». Coordenado pela museóloga Maria da Luz Nolasco Cardoso (Museu de Aveiro), este volume propunha um balanço sobre o passado e o futuro dos museus, e uma perspectiva sobre as políticas museológicas desenvolvidas no país.

Em termos de periódicos, uma das iniciativas editoriais que ofereceu maior sistematização e coerência de conteúdos, bem como longevidade, foi o Boletim da Rede Portuguesa de Museus (2001-2011). Ancorado ao projecto de criação da Rede Portuguesa de Museus – RPM (criada em 2000), o boletim, de cadência trimestral (impresso e digital) visava a partilha de ideias sobre as práticas museológicas portuguesas, dirigindo-se aos profissionais de museus. Iniciado sob a coordenação de Clara Frayão Camacho, foi ao longo de dez anos um canal de comunicação estruturador de informação sobre a actividade museológica desenvolvida durante este período, colmatando a ausência de outros instrumentos de comunicação e de divulgação do sector de maior alcance.

Se atendermos ao campo associativo, a promoção de canais de divulgação junto dos seus associados era nos inícios de 2000 ainda incipiente e tem tido ao longo das últimas décadas compassos desiguais. Há, no entanto, a destacar a iniciativa da APOM com a criação de uma revista semestral (impressa) em 2003 – Lugar em Aberto, dando continuidade a boletins anteriores. Coordenado por António Nabais, este número organizava a reflexão em torno das funções museológicas: o serviço educativo, a exposição e a programação, e perspectivava continuar a fazê-lo nos números seguintes, explorando temáticas como a investigação, o inventário e a conservação preventiva. Todavia, este seria o único número publicado. Apesar disso, em o Lugar em Aberto, confirma-se a preocupação na divulgação de textos que pudessem ser referenciais para as áreas em foco, na qual se centra a estrutura da publicação, afastando-se de um boletim de mera divulgação da actividade associativa per se, que é neste caso residual. Assume particular destaque a introdução de uma secção destinada a elencar as dissertações e teses “com interesse para a Museologia” realizadas até essa data em universidades portuguesas e estrangeiras, o que evidencia desde logo a importância de sistematizar informação.

Ainda no campo associativo é de notar o contributo da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal), ainda que com fases distintas em função das dinâmicas imprimidas pela gestão de diferentes direcções. A primeira série de um boletim surge em 2002 (termina em 2005), sob a direcção de João Castelo-Branco Pereira, então presidente da associação. Tratava-se de um boletim semestral impresso distribuído pelos membros do ICOM Portugal, de pequena escala e de carácter informativo sobre a actividade desenvolvida. Após um interregno de três anos, surge em 2008 uma nova série trimestral do boletim (Informação ICOM PT) que se manteve regular até 2014, compreendendo 24 edições exclusivamente em formato digital. Editado pela museóloga Maria Vlachou, a estrutura do boletim foi reformulada e alargada consideravelmente relativamente à primeira série, continuando a veicular informação de carácter associativo, mas abrindo espaço para a apresentação de conteúdos mais diversificados com a introdução de várias secções novas, nomeadamente espaços de opinião (“Artigo”, “Opiniões”, “Entrevista com”, “Novos, Recentes e Renovados”, entre outras). Ainda em 2014, surgiu uma terceira série (Boletim ICOM Portugal) que se manteve regular até 2017 com um total de oito números publicados. O boletim, editado pela museóloga Ana Carvalho, seguiu no geral a estrutura da série anterior, mas foi ampliado. Cada número passou a estar subordinado a uma temática, foram criadas novas secções (“Mensagem do Presidente”, “Museus & Pessoas”, “Breves”, “Notícias ICOM”) e foi introduzida a possibilidade de chamada de propostas para conteúdos, flexibilizando um sistema de contribuições.[3]

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

No geral, quando analisamos a edição periódica por parte das associações profissionais há pelo menos dois aspectos que têm condicionado a sua acção que gostaríamos de destacar. Um deles refere-se ao facto de a criação de instrumentos de comunicação com os associados não ser assumida como eixo central e prioritário da sua actuação, mas sim como dimensões suplementares ou secundárias. Esta situação não está desligada da ausência de uma dinâmica associativa de maior fulgor, quer da parte dos seus dirigentes (e de visão), quer da parte dos associados. Por outro lado, a edição de boletins ou instrumentos similares de divulgação tem-se desenvolvido numa base de voluntariado por parte de quem os produz e os mantém. Isto significa, consequentemente, um resultado muito variável, em termos da qualidade dos conteúdos como do grafismo, geralmente alicerçado em função da capacidade e da motivação da pessoa (ou equipa) que os produz. Note-se que este é um serviço que não é pago a quem o produz, e que está muito dependente da generosidade e da disponibilidade de cada um (geralmente fora das horas de trabalho). Assim, a necessidade de maior profissionalização neste campo é fundamental para uma desejável evolução da acção editorial periódica associativa com potenciais ganhos para um maior impacto e consolidação da vida associativa e para os profissionais de museus.

A revista MuseologiaAn International Journal of Museology, criada em 2001 foi o primeiro periódico a afirmar-se como revista científica neste domínio em Portugal. Editada pelo Museu de Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, seria coordenada por Fernando Bragança Gil (então director do Museu) e por Marta C. Lourenço, na qualidade de assistente editorial. Publicava textos científicos em português, francês e inglês ligados à Museologia das ciências e das técnicas, seleccionados mediante um processo de arbitragem científica, e tinha um enfoque internacional como se verifica pelos conteúdos publicados e como atestava a composição do conselho editorial. Foram publicados três números, sendo que os dois últimos volumes (2002 e 2003) foram dedicados à edição das actas da primeira e segunda conferência do UMAC (Comité Internacional do ICOM para os Museus e Colecções Universitárias) que se realizou em Sidney e Canberra (2002), e em Barcelona (2001). Seria necessário esperar mais dez anos até surgir uma nova revista científica dedicada à Museologia em Portugal: a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, já num contexto diferenciado de acesso aberto e de arbitragem científica sob duplo anonimato, de que falaremos mais adiante.

Da parte dos organismos com responsabilidades em matéria de políticas museológicas, é apenas na segunda metade da primeira década de 2000 que assistimos ao aparecimento da primeira revista especializada em museus, a Museologia.pt.[4] Da responsabilidade do então recém-criado Instituto dos Museus e da Conservação, esta publicação impressa de cadência anual, coordenada por Clara Frayão Camacho (então subdirectora do Instituto), veio colmatar a ausência de uma publicação especializada em museus num contexto mais institucional e de abrangência nacional. Ainda num sistema fechado de contribuições, a revista incluía um conselho editorial composto por representantes de várias universidades e de museus. De 2007 a 2011 foram publicados cinco números organizados em torno de cinco secções principais: “Projectos e Experiências”, “Exposições”, “História e Memórias”, “Dossier” (temático) e “Internacional”. No entanto, o novo ciclo político que levou à reestruturação e à fusão de organismos públicos na administração central, acabaria por ditar o fim do projecto editorial. Já sob a égide da recém-criada Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) seria lançada em 2013 uma nova publicação institucional, a RP – Revista Património. De certa forma, a RP sucedeu a dois projectos editoriais anteriores distintos, a Museologia.pt e a revista Estudos/Património, editada pelo antigo Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011), daí resultando uma única revista de perfil multidisciplinar. A revista segue no geral algumas das características dos projectos anteriores: impressa (agora editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda), de cadência anual e em sistema fechado de contributos. Dirigida pelo arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e coordenada pela historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial), a revista incorpora o papel de dar conta da obra feita, a divulgação das suas actividades e o pensamento que molda a política oficial para o património. A incorporação de contributos externos à DGPC é um aspecto que beneficia a publicação, assim como os aportes de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. A publicação reproduz, em certa medida, o peso dos diferentes sectores de intervenção (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial –, Conservação e Restauro, Museus, etc.) no seio deste organismo. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas numa só revista resulta num espaço de menor expressão para cada uma delas.

Ao nível dos periódicos são ainda de assinalar dinâmicas editoriais emanadas do contexto regional – as revistas Musa e Museal, que apesar da sua transitoriedade dão conta da necessidade sentida na criação de espaços que pudessem evidenciar e divulgar estudos e experiências na área dos museus num contexto territorial mais delimitado. A revista Musa: Museus, Arqueologia & Outros Patrimónios surgiu em 2004 com a chancela do Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal e Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, entidade assumida como a primeira rede de museus de carácter regional, sendo o periódico instrumental para validar a ideia de projecto comum aos diferentes municípios do distrito de Setúbal. Coordenada por Joaquina Soares (Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal), a publicação dividia-se pela temática dos museus e outras áreas afins, com textos de qualidade diferenciada, onde se incluem alguns contributos assentes na divulgação de investigação produzida e outros de carácter mais informativo sobre as características da realidade museológica em causa. Pensada inicialmente com uma periodicidade anual, a revista publicaria apenas três números e de forma irregular (2004, 2007 e 2010). É de notar, contudo, a capacidade aglutinadora de um projecto editorial como este, baseado na cooperação institucional em benefício dos interesses partilhados de profissionais e museus/instituições, ultrapassando a agenda individual de cada município.

A revista Museal foi uma iniciativa promovida pelo Museu Municipal de Faro entre 2006 e 2009, com uma abrangência regional, mas, em grande medida, de interesse nacional. Coordenado por Dália Paulo, à época directora do museu, o periódico (impresso) tinha cadência anual, tendo sido publicados quatro números temáticos: «A Realidade Museológica no Algarve: Perspectivas para o Séc. XXI» (2006); «Conservação Preventiva: Prevenir para Preservar o Património Museológico» (2007); «Museus de Fronteira: Fronteira e o Museu» (2008); e, finalmente «Núcleos Museológicos: Que Sustentabilidade?» (2009), este último resultando, na sua grande parte, da publicação das actas do encontro com o mesmo nome que teve lugar em Faro, em 2008.

Mais recentemente, refira-se o lançamento da revista Argos. Com edição do Museu Marítimo de Ílhavo (desde 2013) é um projecto editorial que ultrapassa o contexto local ou regional para se afirmar como revista temática ligada à cultura marítima, com olhares nacionais mas também internacionais (além de em português, publica textos em inglês, francês e espanhol), apesar de intrinsecamente associada ao projecto cultural do próprio museu (de tutela municipal). Álvaro Garrido, coordenador do periódico e director do museu explica, assim, as motivações que levaram à sua criação: «Embora o campo institucional da museologia marítima não exista em Portugal, importa construir redes, partilhar os melhores projectos, exaltar as experiências mais incrustadas nas comunidades e destacar as organizações que mobilizam conceitos criativos em torno dos patrimónios marítimos» (Garrido 2015, 5). A revista é impressa, de periodicidade anual e funciona em regime fechado de contributos, tendo publicado quatro números. Embora a revista não se cinja estritamente à Museologia, aporta o contributo de várias áreas de estudo, contribui para formar um espaço de debate e reflexão sobre os desafios neste campo específico de análise – os museus ligados à cultura marítima.

Não obstante os constrangimentos mais específicos de cada projecto, com frequência se manifestam dificuldades em manter este tipo de publicações, levando ao não cumprimento da sua regularidade e até mesmo ao seu desaparecimento, problemas que não são muito diferentes de iniciativas similares noutras áreas. Refira-se a (in)sustentabilidade dos projectos, geralmente em estreita dependência do apoio da administração local (ou de outras escalas da administração) e vulneráveis aos seus ciclos políticos, a incapacidade de distribuição nos circuitos comerciais (o que é o caso dos últimos periódicos referidos), a ausência de mecanismos de promoção e divulgação relativamente aos próprios periódicos, mas também a dificuldade de continuadamente alimentar com massa crítica as linhas editoriais propostas, tratando-se a Museologia de um campo relativamente jovem e em construção, ao mesmo tempo respeitante a uma pequena comunidade de profissionais e investigadores. Os dados disponíveis não permitem um panorama suficientemente abrangente e actualizado, mas de acordo com estatísticas de 2009 verifica-se a existência de 6284 pessoas a trabalhar em museus (compreendendo todos os tipos de funções, desde as administrativas, de segurança, de acolhimento, de limpeza, aos conservadores e outros técnicos com formação académica), o que corresponde a uma média de dez pessoas por museu. Todavia, se restringirmos a amostra do pessoal ao serviço nos museus à categoria de “conservador/técnico superior” a média reduz-se para apenas três por museu (Neves, Santos e Lima 2013, 59).

A acção editorial por parte de museus também não é despiciente. O aparecimento de boletins ou outros formatos de divulgação assume um crescendo nas duas últimas décadas, geralmente centrados na divulgação de estudos sobre as colecções e/ou património sob a sua tutela, sendo, no geral, centrados no projecto cultural de cada museu. Todavia, no cômputo geral são igualmente marcados pela irregularidade e pela disparidade de conteúdos. Não sendo objecto de análise mais aprofundada neste texto, podem, no entanto, ser referidos alguns exemplos: o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal, o Cenáculo – Boletim on-line do Museu de Évora (2007, 2007, 2008, 2010), ou ainda os Cadernos do Museu (2015-) do Museu da Ruralidade. Por outro lado, não se ignora o investimento na edição de catálogos de exposições que se foi afirmando como uma das vias privilegiadas, não raras vezes a única via, de divulgação do estudo de colecções e do trabalho de investigação produzido em museus.

É sobretudo na última década que assistimos a um posicionamento mais vincado da edição por parte das universidades com cursos de Museologia. Esse (re)posicionamento e novas dinâmicas daí advindas estão directamente relacionadas com a evolução da própria formação, cuja oferta se passou a estender também para cursos de doutoramento (3.º ciclo). Se o crescimento da oferta da formação pós-graduada em Museologia está ligada ao enquadramento legislativo sobre a carreira nos museus que a partir de 2001 passa a exigir uma pós-graduação ou mestrado para acesso ao lugar de conservador de museu (cf. artigo 3.º do decreto-lei n.º 55/2001), a oferta de cursos de doutoramento[5] está relacionada com as dinâmicas das próprias universidades, estimuladas ao crescimento por via da oferta de terceiros ciclos em Museologia.[6] Face a esta evolução, uma das consequências notadas refere-se a um processo mais evidente de diferenciação por parte de cada universidade em dar visibilidade à produção científica dos seus “alunos – investigadores”. Este fenómeno também se enquadra na reorganização das políticas científicas nacionais (de algum modo em resposta à crise) de estímulo à “competitividade” e à avaliação da performance dos centros de investigação associados à formação ministrada (mestrados e doutoramentos). Neste contexto, destacamos o caso da Universidade Nova, da Universidade do Porto e da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Quanto à Universidade Nova de Lisboa, refira-se a edição, em 2011, do número temático «Museus e Investigação» (n.º 8) da Revista de História da Arte do Instituto de História da Arte. Este número reúne, na sua maioria, artigos assentes nas investigações em curso no seio da linha de museum studies (MuSt) deste centro de investigação. Para além de um núcleo de artigos, a publicação dá enfoque a textos sobre exposições realizadas, dá notícia dos projectos em curso e acrescenta uma secção onde se elencam as dissertações e teses realizadas em museum studies até 2011. Na mesma lógica se compreende o investimento do mesmo Centro na criação da colecção Arte e Museus (2013) publicando dissertações de mestrado.

No caso da Universidade do Porto, este (re)posicionamento é visível, por exemplo, com a criação da série Ensaios e Práticas em Museologia (exclusivamente em formato digital), iniciada em 2011 por Alice Semedo, na altura coordenadora do Mestrado em Museologia desta Universidade, série que se mantem até hoje com periodicidade anual.[7] A maioria dos artigos incluídos na primeira edição resultaram de dissertações de mestrado produzidas em 2008 e 2009 nesta Universidade (mas não exclusivamente), afirmando indelevelmente um campo de estudos diverso e em expansão, como atestam as coordenadoras do primeiro volume: «Os diferentes textos mostram bem a diversidade dos tópicos de investigação em museologia e, no seu conjunto, materializam diversas visões e orientações da museologia contemporânea, gizando não só um território de profissionais-em-acção mas promovendo, igualmente, espaços reflexivos e de discussão crítica» (Semedo e Costa 2011, 4). O aparecimento desta série deve ser entendido também numa lógica de continuidade de dinâmicas encetadas pela Universidade em 2009 com a organização do primeiro Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola (SIAM) que decorreu entre 12 e 14 de Outubro
na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda (Porto). A criação de um espaço de divulgação, valorização e reflexão sobre investigação em Museologia aberto a investigadores dos países de língua espanhola e portuguesa reivindicava, por um lado, o desenvolvimento de uma “comunidade de prática” que, extravasando o contexto nacional, explorava o potencial colaborativo e de reflexão com profissionais e investigadores, que apesar de provenientes de diferentes geografias partilham interesses comuns. Assumindo, desde logo, a existência de «lacunas de investigação nesta área em Portugal mas também […] [a] necessidade urgente de facilitar a construção de espaços críticos e colaborativos de formação e investigação […], pelo que o «seminário destinou-se, particularmente, a investigadores e estudantes de formação pós-graduada em nível de mestrado e doutoramento tendo sido apresentado um vasto programa de comunicações e posters de investigadores que representam a riqueza da investigação produzida nas Universidades destes países.» (Semedo e Nascimento 2010, 8) Este fórum de discussão deu lugar à publicação de três volumes de actas, esquema colaborativo que foi continuado em anos seguintes (2010, em Buenos Aires; 2011, em Madrid).

O caso da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias também é revelador do (re)posicionamento a que aludimos. Em 2013, os Cadernos de Sociomuseologia, revista cujo início remonta a 1993, inicia uma nova série, procurando adaptar-se às orientações internacionais para publicações com carácter científico. Neste sentido foi reformulado todo o processo editorial de forma a corresponder às exigências de indexação e acreditação, adaptação esta que não está desligada de alterações emanadas do contexto nacional como referido antes. Dirigido pelo museólogo Mário Moutinho, este periódico (em formato impresso e digital) estava (ou está) essencialmente direccionado para a divulgação de textos dos alunos e professores (portugueses e brasileiros) ligados aos cursos de pós-graduação em Museologia (mais tarde mestrado e doutoramento) da Universidade, combinando uma miscelânea de textos muito díspar, ora publicações de teses, ensaios, colectâneas de textos, mas que no global alimenta uma rede estrita e confinada às relações estabelecidas ao nível dos ciclos de formação. A orientação dos textos publicados, embora diversa no cômputo geral, é seguidora do enfoque para uma vertente social da função dos museus e da Museologia que tem sido assumido pela Universidade – abordagem reivindicada como Sociomuseologia –, herdando (e actualizando) os princípios promovidos pela Nova Museologia dos anos 1970 e 1980, cujas repercussões se fizeram sentir também em Portugal (cf. Carvalho 2015).

É também em 2013[8] que surge a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, uma nova revista (exclusivamente digital) dedicada à Museologia enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto.[9] Inovadora na sua concepção, parte de uma iniciativa interuniversitária, sendo fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora), aglutinando algumas das principais universidades portuguesas que promovem formação e investigação em Museologia. A assunção da natureza interdisciplinar da Museologia, claramente reivindicada pela MIDAS, vem demonstrar que a discussão sobre o reconhecimento da Museologia como ciência desvaneceu, uma vez que o seu objecto de estudo e respectivas metodologias não correspondem a um critério epistemológico de uma abordagem científica específica e autónoma, mas sim como um domínio de investigações híbrido, heterogéneo e de contornos fluidos (Shiele 2012). E como tal, um domínio que se constrói a partir (ou beneficiando) dos métodos (igualmente fluidos) e teorias de várias disciplinas.

Por outro lado, o modelo em que assenta a MIDAS, pensada desde logo atendendo às orientações mais actualizadas no que se refere aos critérios para as revistas científicas, nomeadamente no que se refere à indexação nas bases de dados nacionais e internacionais e à gestão de um sistema de avaliação por pares (peer-review) sob duplo anonimato, inaugura também uma nova dinâmica com base em chamadas públicas de angariação de propostas de artigos aberta a toda a comunidade profissional e de investigação. Note-se que a avaliação por pares (apesar das suas fragilidades) é considerada ainda como exigência obrigatória para se alcançar padrões de qualidade e de excelência no contexto da produção científica.

Nestes contornos, o aparecimento da MIDAS vem legitimar e afirmar em Portugal o estatuto de uma comunidade de prática e de investigação para a Museologia.[10] Além disso, a criação de um periódico nos moldes referidos vem igualmente confirmar a existência de uma massa crítica em crescimento propulsionada pela investigação produzida com o desenvolvimento dos doutoramentos nesta área, alimentados directa ou indirectamente por projectos de doutoramento e (mais recentemente) de pós-doutoramento por via da concessão de bolsas de investigação científica e do financiamento de projectos nos centros de investigação no âmbito dos programas de apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. A impossibilidade de uma carreira em museus, por via do bloqueio à entrada de novos profissionais, que se tornou crónico nos últimos anos, também é um factor que não pode ser ignorado neste contexto e que que tem contribuído, de certa maneira, para alavancar a iniciativa de criação de projectos de investigação como via alternativa a uma ligação ao mundo dos museus. No entanto, note-se o decrescimento da oferta de bolsas para investigação científica da Fundação para a Ciência e Tecnologia nos últimos anos, com consequências para uma possível inversão deste ciclo.

A publicação de dissertações e teses tem consubstanciado igualmente um instrumento de divulgação da investigação produzida nesta área, mas tem sido um fenómeno marcado pela oportunidade e pela iniciativa de diferentes actores (museus, municípios, centros de investigação, entre outras organizações), não correspondendo a uma estratégia definida para o sector. Destaca-se, todavia, o papel da série “Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas” da responsabilidade da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (com chamada pública de propostas, ou seja, compreendendo um edital e regulamento próprio), contexto que permitiu a publicação de várias teses de doutoramento na área da Museologia provenientes de diferentes universidades, edição que depois de 2011 foi interrompida.

A criação em 2015 da colecção “Estudos de Museus” veio imprimir uma nova dinâmica neste domínio. A intenção de criar a colecção tem pelo menos duas décadas, mas acabou por ter concretização por iniciativa da DGPC, numa configuração específica de intenções. Destina-se à publicação de teses de doutoramento, cujos temas se relacionem com os museus sob tutela deste organismo ou sobre tópicos contemporâneos relacionados com a sua política. Embora não apresente chamada pública de propostas ou regulamento público, a selecção dos títulos a publicar é realizado por um comité editorial externo composto por representantes de diferentes universidades: Alice Semedo (Universidade do Porto), Fernando António Baptista Pereira (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa), Vítor Serrão (Universidade de Lisboa) e, ainda, Clara Frayão Camacho, representando a DGPC. O projecto editorial conta com a colaboração de uma editora comercial, a Caleidoscópio, que assegura, entre outros aspectos, a distribuição dos livros no circuito comercial. Foram em 2015 e 2016 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações. Quanto aos conteúdos há a destacar nesta colecção a publicação de estudos que enformam uma Museologia histórica, que tem sido uma tendência dominante no passado, mas também a incorporação de estudos mais centrados sobre a acção contemporânea dos museus e da Museologia, como é o caso de três dos títulos publicados: Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho.

Uma nota para assinalar dinâmicas assumidas pelos organismos tutelares de museus ao nível das edições técnicas. Neste contexto destacam-se a série “Temas de Museologia”, onde se inclui a publicação de Museus e Acessibilidade (Instituto Português de Museus, em 2004), Circulação de Bens Culturais Móveis (Instituto Português de Museus, em 2004), Plano de Conservação Preventiva: Bases Orientadoras, Normas e Procedimentos (Instituto dos Museus e da Conservação, em 2007), as normas gerais de inventário, com títulos publicados desde os finais da década de 1990 e ao longo primeira década de 2010, e outros títulos de sistematização das estatísticas sobre museus ou iniciativas editorais associadas a projectos como a RPM.

Além do que já foi referido, um outro meio de divulgação que merece referência é a edição de actas de encontros e conferências nesta área. Difícil de categorizar ou enquadrar, são edições marcadas pelos enquadramentos específicos que lhes deram origem e pela diversidade de actores que as concretizaram, mas tem constituído um instrumento de assaz divulgação, tanto de projectos e experiências museológicas, como de algum pensamento ou posicionamento sobre o sector.

Com efeito, publicações como Iniciação à Museologia não abriram caminho ao desenvolvimento de uma linha de estudos museológicos de contornos aproximados à série Museum Meanings da editora inglesa Routledge, por exemplo. No que respeita à tradução, este é um terreno também pouco profícuo (ou mesmo inexistente) em Portugal, quando comparado com o caso espanhol, onde é frequente a tradução de obras estrangeiras no campo da Museologia, para além da edição de publicações de origem nacional, onde se incluem dinâmicas assinaláveis através de editoras como a Akal, a Ariel ou a Trea.

Para além das edições de carácter mais formal, é de notar também a ausência de maior dinamismo no que se refere a espaços de opinião emanados da comunidade profissional e de investigação. À excepção de alguns casos, por via de blogues, onde se assinalam Musing on Culture, de Maria Vlachou – de que resultou a publicação do livro homónimo em 2013 –, No Mundo dos Museus, de Ana Carvalho, Mouseion, de Alexandre Matos, e mais recentemente a.muse.arte de Maria Isabel Roque, ou ainda de esparsos artigos em jornais, este é ainda um campo tímido de expressão e intervenção pública.

Por tudo o que foi referido, retomamos a afirmação inicial, de que efectivamente se denota uma evolução neste campo, com sinais evidentes de transformação do sector e com a emergência de sinais positivos no panorama editorial. No entanto, e apesar de algum optimismo, este percurso padece de constrangimentos estruturantes (ou desestruturantes) mais latos que o condicionam. Entre eles a ausência de uma política museológica sustentada num tempo mais longo, e consequente investimento em termos de recursos humanos e financeiros. Por sua vez, o desafio de uma articulação mais concertada entre o campo profissional e o académico no que concerne à formação e à investigação. E, finalmente, a necessidade de se imprimir maior activismo associativo com vista ao fortalecimento de um espaço comprometido de intervenção pública apostado na melhoria das condições de trabalho per se e na prestação de um serviço de museus que ultrapasse os limites mínimos de funcionamento no sentido de se fazer caminho para uma efectiva democratização dos museus.

 

Referências

Camacho, Clara Frayão. 2007. “Editorial.” Museologia.pt 1 (Maio): VI–VII.

Carvalho, Ana. 2015. “Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Canova Moutinho.” Museologia & Interdisciplinaridade 4 (8): 252–69. http://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/15824.

Garrido, Álvaro. 2015. “Editorial.” Argos 3 (Outubro): 5.

Lorente, Jesús-Pedro. 2013. “Las Revistas Museológicas en la Actualidad: Una Panorámica Global.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.156.

Neves, José Soares, Jorge Alves Santos, e Maria João Lima. 2013. Panorama Museológico em Portugal (2000-2010). Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Pereira, Benjamin. 1989. “Ernesto Veiga de Oliveira e o Museu de Etnologia.” In Estudos em Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira, editado por Fernando Oliveira Baptista et al., 555–568. Lisboa: INIC. Centro de Estudos de Etnologia.

Rocha-Trindade, Maria Beatriz. 1993. “O Porquê e o Como.” In Iniciação à Museologia, coordenado por Maria Beatriz Rocha-Trindade, 17–18. Lisboa: Universidade Aberta.

Semedo, Alice, e Elisa Noronha Nascimento, coord. 2010. “Apresentação.” In Actas do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, 8–9. Vol. 1. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice, e Patrícia Costa, eds. 2011. “Apresentação.” In Ensaios e Práticas em Museologia, 4. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice. 2004. “Estratégias Museológicas e Consensos Gerais.” In Museus do Eixo Atlántico, coordenado por Mário Brito e José Cuñarro, 5–32. Vigo: Eixo Atlántico.

Shiele, Bernard. 2012. “La Muséologie: Un Domaine de Recherches.” In La Muséologie, Champ de Théories et des Pratiques, editado por Anik Meunier, 79–100. Québec: Presses de l’Université du Québec.

Vaquinhas, Irene. 2013. “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.142.

Notas

[1] Ainda antes da criação de pós-graduações e mestrados, o ensino em Museologia já havia sido introduzido sob a forma de uma cadeira no curso de Ciências Antropológicas e Etnológicas do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina no ano lectivo de 1970-1971, sendo interrompida entre 1973-1974, e, mais tarde, retomada na licenciatura de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A este propósito refira-se o papel do antropólogo Ernesto Veiga de Oliveira (subdirector do Museu de Etnologia entre 1965 e 1973). A iniciativa foi introduzida pelo antropólogo Jorge Dias, mas coube a Veiga de Oliveira a regência da cadeira e o seu desenvolvimento (Pereira 1989).

[2] Para o ano lectivo de 2010-2011, Vaquinhas (2013) identificou a existência de uma oferta de 12 cursos de formação em Museologia ao nível de pós-graduação e mestrado em universidades portuguesas públicas e privadas, um número claramente assimétrico em função da escala do país e (das necessidades) do sector museológico. Todavia, analisada a oferta existente para 2016-2017 o número decresceu para apenas sete cursos de mestrado, registando-se, ainda assim, uma oferta assinalável.

[3] No campo associativo deve ser também referida a revista Museu editada pelo Círculo Dr. José de Figueiredo (grupo dos Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis), que continua a ser publicada (1942-).

[4] Nos anos 1980 deve ser referida a publicação de alguns números da revista Bibliotecas, Arquivos e Museus editada pelo Instituto Português do Património Cultural e para o mesmo período e até à década de 1990 note-se a publicação de Património e Museus Locais da responsabilidade editorial do Instituto Rainha D. Leonor (Camacho 2007).

[5] Para o ano lectivo 2015-2016 estavam disponíveis pelo menos cinco doutoramentos ligados à Museologia em Portugal: Universidade Lusófona, Universidade do Porto, Universidade de Évora (História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia), Universidade Nova de Lisboa (História da Arte, especialidade em Museologia e Património Artístico) e ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, juntamente com Universidade Nova de Lisboa (Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia).

[6] Porém, note-se que antes da criação de cursos de doutoramento em Museologia eram já produzidas teses de doutoramento portuguesas na área da Museologia desde os anos 1990, quer em contexto académico português, quer no estrangeiro.

[7] Note-se que antes da série Ensaios e Práticas em Museologia a publicação de artigos com base em estudos desenvolvidos na Universidade do Porto se fazia também através da revista Ciências e Técnicas do Património iniciada em 2002 (até 2014).

[8] Podia ainda ser referido o aparecimento da revista Vox Musei, Arte e Património, em 2013, mas por ser uma revista de iniciativa brasileira (Universidade Federal do Piauí) não a considerámos no contexto desta resenha. Todavia, é de notar que a sua génese tem presente a colaboração de parceiros universitários em Portugal, como é o caso do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes da Universidade de Lisboa.

[9] Sobre o panorama internacional, consultar Lorente (2013), que fez um levantamento das revistas dedicadas à Museologia.

[10] Não significa, porém, que antes da MIDAS não se publicassem artigos sobre Museologia e museus em revistas científicas, nomeadamente em áreas disciplinares estabelecidas como a Antropologia, a Sociologia, a História, etc.

****

Este texto foi publicado originalmente no 5.º número dos Cadernos do Museu (Carvalho, Ana. 2017. “A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação em Museologia: O Papel das Publicações.” Cadernos do Museu 5 (Janeiro): 32-45. http://hdl.handle.net/10174/19979).

Errata: No texto original, onde se lia “Boletim Trimestral do Ecomuseu Municipal do Seixal (2005-2011)” [p. 37] passa a ler-se “o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal”; onde se lia “Foram em 2015 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações” passa a ler-se “Foram em 2015 e 2016 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações”.

Políticas museológicas em foco no Boletim do ICOM Portugal

Fotografia a cores que revela um pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda, as arcadas

Imagem da capa: Pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda © Fotografia de Luís Pavão/Palácio Nacional da Ajuda/Direcção-Geral do Património Cultural

Começamos o ano com balanços. Balanços associativos, pois estamos no final do triénio dos órgãos sociais do ICOM Portugal em funções (2014-2017), aproximando-se novas eleições a 27 de Março. E balanços mais globais, daí a escolha do tema “gestão de museus e políticas museológicas” para este número do Boletim do ICOM Portugal dada a actualidade e a urgência de uma reflexão alargada e concertada. Sem pretender um retrato exaustivo, neste boletim procurámos trazer olhares de dentro e de fora, estimulando perspectivas várias sobre este grande “chapéu” que engloba as políticas museológicas.

O artigo de Manuel Bairrão Oleiro traça um diagnóstico assertivo sobre a realidade actual e deixa antever caminhos de futuro, elencando quais poderão ser na sua opinião as prioridades de uma política museológica nacional mais actuante. As pessoas, ou melhor dizendo, as equipas de museus foram igualmente uma das problemáticas abordadas por Oleiro, sendo esse tópico retomado por Maria de Jesus Monge e Ana Carvalho com maior enfoque na secção “Perspectivas”.

O contributo de David Santos, que desde Fevereiro de 2016 assumiu o cargo de subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades em matéria de museus, é um olhar porventura mais generoso e optimista sobre a acção desta organização, mas é, até certo ponto, esclarecedor da forma como se perspectiva globalmente a situação actual.

Encontra ainda neste boletim uma selecção de notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura, novas publicações e um leque diverso de eventos (conferências, debates, formação, etc.) para os próximos meses.

Terminamos com outro balanço, sendo este o último boletim da série iniciada em 2014 do qual sou editora. Feitas as contas somámos oito edições, mas mais do que o aspecto quantitativo, apostámos – e pensamos tê-lo conseguido – na criação de um espaço de partilha assente na diversidade de olhares e de perspectivas, como aliás caracteriza este sector. Um espaço que por si só também foi sofrendo alterações, com o contributo indelével de muitos dos nossos colegas dos actuais órgãos sociais do ICOM Portugal, e em função das aprendizagens que foram feitas pelo caminho. Porque, efectivamente, a edição deste boletim também correspondeu a um processo de aprendizagem pessoal e profissional. Bem haja!

Ana Carvalho [editorial]

****

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 8, Jan. 2017
Gestão de Museus e Políticas Museológicas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
08 | EM FOCO: Políticas Públicas no Sector dos Museus: O que Pode ser Feito, por Manuel Bairrão Oleiro
12 | PERSPECTIVAS: Equipas de Museu – Evolução ou Retrocesso?, por Maria de Jesus Monge; e Ana Carvalho
17 | ENTREVISTA com David Santos, por Ana Carvalho
NOTÍCIAS ICOM, vários autores
21 | Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso: Balanço, por Manuel Morais Sarmento Pizarro
23 | Museus Comunitários: Em que Ponto Estamos?, por Mário Nuno Antas
25 | O Valor Económico dos Museus: Templos do Conhecimento, Máquinas de Entretenimento ou Plataformas Participativas?, por Clara Frayão Camacho
28 | Coleccionar e Proveniências: Aplicações, Autenticidade e Propriedade, por Inês Fialho Brandão
30 | Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI, por Pedro Pereira Leite
32 | Desafios Digitais para Especialistas de Museus, por Ana Fernambuco
35 | Museus Nacionais: Passado, Presente e Futuro, por Fátima Faria Roque
38 | Pilotando o MOOC: Uma Jornada Agregadora e de Reflexão, por Paula Menino Homem
PUBLICAÇÕES
40 | Sugestões de leitura
41 | Novas edições 2016-2017
AGENDA
46 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

Call for Papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória

Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 15 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar têm surgido e, portanto, que vozes estão a ser ouvidas através desses novos ambientes relacionais? O íntimo, o pessoal, o micro adquire aqui uma dimensão mais relevante, multiplicando-se e construindo conexões mais profundas em relação ao património.

3. A relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus

Qual o “valor acrescentado” que a aprendizagem baseada em objetos nos traz? Que abordagens se utilizam atualmente em museus e que evidências se procuram apresentar? Como podem os especialistas em educação ajudar os museus a falar sobre a aprendizagem baseada em objetos? Como podem os museus utilizar os objetos de forma mais criativa? E como é que essas abordagens diferem de outras para a produção de conhecimento? Qual o impacto, as oportunidades e os desafios do uso da tecnologia digital neste contexto? Que impacto poderá ter, por exemplo, a impressão 3D de objetos digitais para a experiência baseada em objetos? Que potenciais tecnologias poderemos utilizar no futuro? Neste contexto poderiam ainda ser exploradas outro tipo de questões.

Referências Bibliográficas

 Appadurai, Arjun, ed. 1986. The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Brown, Bill. 2001. “Thing Theory.” Critical Inquiry 28, 1, Things (Autumn, 2001): 1-22.

Connor, Steven. 2012. ‘Parafernalia’: La Curiosa Historia de Nuestros Objetos Cotidianos/Paraphernalia: The Curious Life of Magical Things. Barcelona: Editorial Ariel.

Daston, Lorraine, ed. 2000. Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

De Waal, Edmund. 2012. A Lebre dos Olhos de Âmbar/The Hare with Amber Eyes. 3.ª ed. Porto: Porto Editora/Sextante.

Gosden, Cris; Frances Larson, e Alison Petch. 2007. Knowing Things: Exploring the Collections at the Pitt Rivers Museum, 1884-1945. Oxford: Oxford University Press.

Kurlansky, Mark. 2000. O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo/Cod – A Biography of the Fish That Changed the World. Lisboa: Terramar.

MacGregor, Neil. 2014. Uma História do Mundo em 100 objetos/A History of the World in 100 Objects. Lisboa: Temas e Debates e Círculo de Leitores.

Turkle, Sherry, ed. 2007. Evocative Objects: Things We Think With. Cambridge: MIT Press.

Editores convidados

Alice Semedo

Entre outras funções, tem sido professora de Museologia (desde 1994) e diretora do curso de mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) nos últimos anos. Neste curso leciona disciplinas que demonstram bem os seus diferentes interesses de ensino e investigação: museus e Museologia, estudos e gestão de coleções e, finalmente, políticas e práticas de comunicação em museus. Ultimamente tem centrado a sua atenção, essencialmente, nos seguintes temas: discursos e narrativas museológicas. espaços colaborativos de aprendizagem e a utilização de metodologias criativas/líquidas em contextos museológicos, orientando dissertações de mestrado e doutoramento nestas tão diferentes áreas. No âmbito das suas atividades académicas e profissionais tem procurado envolver-se e desenvolver projetos de diferente natureza, promovendo, por exemplo, a organização de conferências ou a organização/edição de livros; destaca-se, ainda, o seu envolvimento com uma outra revista científica, a Journal Museum Worlds. Nesta breve biografia interessa ainda dizer que começou por se licenciar em História, variante de Arqueologia, na Universidade de Coimbra e optou, depois, por desenvolver os seus estudos de pós-graduação e doutoramento na Universidade de Leicester onde fez, primeiro, um master degree com uma dissertação sobre gestão de coleções, apresentando, mais tarde e sob orientação de Susan Pearce, a tese de doutoramento intitulada The Professional Museumscape: Portuguese Poetics and Politics. Atualmente é também investigadora do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Olaia Fontal

Licenciada en Bellas Artes por la Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, licenciada en Historia del Arte y doctora en Ciencias de la Educación por la Universidad de Oviedo. Es profesora titular en la Universidad de Valladolid en Educación Artística, autora de numerosos libros y artículos indexados en la temática de la educación patrimonial. Actualmente dirige el Observatorio de Educación Patrimonial en España (OEPE), una sucesión de tres proyectos de I+D+i y es co-coordinadora del Plan Nacional de Educación Patrimonial en España.

Alex Ubañez

Licenciado en Geografía e Historia, y doctor en Ciencias de la Educación, es profesor titular de Universidad de Didáctica de las Ciencias Sociales en la Universidad del País Vasco. Especialista en Educación Patrimonial, y docente de Investigación en Didáctica del Patrimonio en la Universidad de Huelva, ha codirigido cuatro tesis doctorales en este ámbito. Desde 2006, ha participado de manera ininterrumpida en equipos de investigación de proyectos de I+D+i del MINECO, siendo en la actualidad investigador principal en uno. Es miembro de la red de excelencia en investigación de las Ciencias Sociales, Red14 y ha sido redactor de la Plan Nacional de Educación Patrimonial de España.

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

Revista MIDAS publica 7.º número

revista MIDAS 7

Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares já se encontra disponível: http://midas.revues.org/1042

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

****

MIDAS 07 | Varia

Artigos

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871−1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Revista MIDAS publica dossier sobre “Museus, discurso e poder”

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de publicar o sexto número. Apresenta um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso de Poder” e quatro notações relativas a projectos diversos na área dos museus.

O dossier contou com dois coordenadores convidados, Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), que é também co-editor da revista, e Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, sublinham os coordenadores do dossier.

A capa destaca uma obra de João Paulo Serafim, criada no âmbito do projecto “A Invenção da Memória” que pretendeu fazer o levantamento de espaços ligados à cultura e que representam, na perspectiva do artista, “depósitos de memória”, tais como: acervos, arquivos, armazéns, teatros, cinemas, sótãos, bibliotecas, casas, espaços abandonados (http://miiac.com/projectos/arquivos/). Mais uma vez, a escolha desta obra para a capa pressupõe o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

A MIDAS apresenta-se como uma revista universitária, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão científica. Pretende dar a conhecer e promover o Museu enquanto objeto de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi criada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora).

****

MIDAS 06 | 2016

Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Novo número da revista MIDAS online

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

O 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está disponível online em http://midas.revues.org.

Varia

Inês Ferreira
Objetos mediadores em museus

Alecsandra Matias de Oliveira
Epopeia paulista: a experiência do ateliê-residência no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

Andreia Vale Lourenço
Reflexões sobre diversidade de representações, diversidade de públicos e de estratégias interpretativas

Dossier temático: «Museus, utopia e urbanidade»
Sob a coordenação de Helena Barranha e Nuno Crespo

Helena Barranha e Nuno Crespo
Museus, utopia e urbanidade

Rachel Morris
Imaginary museums: What mainstream museums can learn from them?

Roser Calaf e Sué Gutiérrez
La ciudad como museo: Interpretaciones para construir utopía y urbanidad

Maia Morel
Le musée comme outil de remédiation identitaire: Le cas du Louvre-Lens

Catarina Marto
Módulos com maior porosidade em relação à comunidade: Uma sugestão para centros de arte contemporânea

Bárbara Coutinho e Ana Tostões
A exposição com “obra de arte total”: O MUDE como caso de estudo

Ricardo Carvalho e Joana Vilhena
Fazer um museu numa ruína moderna

José Alberto Ferreira
Por uma poética da fragilidade. Para um museu dos Bonecos de Santo Aleixo

Nuno Cera
Ensaio visual

Recensões críticas

Adelaide Duarte
Leonor Oliveira – Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989

David Felismino
Rui Lopes – Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização

Ughetta Molin Fop
Jesús-Pedro Lorente – Manual de Historia de la Museología

Última chamada para 6.º número da MIDAS

SAMSUNG CSC

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (http://midas.revues.org) tem até dia 31 de Março uma chamada aberta para o 6.º número. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos para secção “Varia” (não temática), até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras
– artigos para o dossier temático: “Museus, Discurso e Poder” (coord. Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith), até 6 000 palavras

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: http://midas.revues.org/622

DOSSIER TEMÁTICO: Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

Call for papers: Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem nova chamada para artigos para o 6.º número. O tema do dossier temático é: “Museus, Discurso e Poder”.

Para quem não conhece a MIDAS, trata-se de uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista é publicada em Portugal, mas assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola. Encontra todos os números publicados até ao momento em: http://midas.revues.org.

****

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015.

Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos (secção varia) pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com (Ana Carvalho)

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Imagem com plano de exposição, onde se vê pessoa de costas lendo


Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de lançar chamada para artigos para o 5.º número. Além das secções habituais da revista, este número inclui o dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, que conta com a coordenação de Pedro Casaleiro, co-editor da MIDAS e mais dois editores convidados: a professora e investigadora Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa) e o artista e professor Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2014 para revistamidas@gmail.com.

Mais informações no website da revista MIDAS.

****

Dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

Temas a desenvolver

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

– as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

– o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

– o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

Editores convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

MIDAS 03 | 2014 Varia e dossier temático: Museus e Participação Biográfica

capa do terceiro número da revista MIDAS na qual se vê uma árvore de duas crianças

Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils . Arranjo gráfico da capa por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de ser publicado. Este número organiza-se em torno de duas secções principais: a secção Varia, que inclui cinco artigos de temáticas diversas e o dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», que contou com a coordenação das espanholas María Acaso e Andrea De Pascual. Além disso, este número incorpora ainda as secções habituais: notações (pequenos textos) e recensões críticas.

A MIDAS apenas publica em formato digital. Todos os números encontram-se disponíveis no website da revista: http://midas.revues.org.

****

Conteúdos MIDAS 03| 2014

Varia

Elisa Noronha Nascimento
A musealização da arte contemporânea como um processo discursivo e reflexivo de reinvenção do museu

Emília Ferreira
A Casa da Cerca, um projeto de autor: 20 anos de programação para o diálogo

Teresa Azevedo
Entre a criação e a exposição: o museu como ateliê do artista. Breve introdução ao tema

Rui Mourão
O Carnaval é um palco, a ilha uma festa: Da performance cultural à exposição da sua metaperformance videográfica

Irene Vaquinhas
Museus do feminino, museologia de género e o contributo da história

Dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico»

Sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual

María Acaso e Andrea De Pascual
Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico

David Lanau e Eva Morales
Un quehacer cotidiano: Proyecto de mediación de la exposición hacer en lo cotidiano

Luciano Parreira Buchmann
Escolares nos museus: Ensaio do novo público como ato político de educadores intelectuais

Manuelina Duarte Cândido e Nei Clara Lima
Ocupe o museu (com) memórias de Goiânia: O público como construtor de conteúdos

Célia Gonçalves Tavares e Roberto Leite
O projeto Picar o Ponto: Memórias orais de operários da Fábrica Robinson

Notações

Andreia Fernandes, Andrea Monteiro Vicente, Alice Batista e Cláudia Silva
Projeto LUPA: Laboratório urbano pela arte

Margarida Mata
Do Museu das Comunicações ao Bairro da Madragoa: Considerações sobre a relação entre um bairro e um museu

Daniela Rodrigues do Rosário
Entroncamento de histórias: Registo de testemunhos orais

Recensões críticas

Susana Gomes da Silva
María Acaso, coord. – Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales

Dália Paulo
Maria Vlachou – Musing on culture: Management, communications and our relationship with people

Alexandre Matos
Juan Carlos Rico, ed. – Museos del templo al laboratorio: La investigación teórica

Fátima Alves
Regina Cohen, Cristiane Duarte e Alice Brasileiro – Acessibilidade a museus

Graça Filipe
Hugues de Varine – As raízes do futuro: O patrimônio a serviço do desenvolvimento Local

Ana Carvalho
Michelle Stefano, Peter Davis e Gerard Corsane, eds. – Safeguarding intangible cultural heritage: Touching the intangible