Arquivo de etiquetas: Stefanie Gil Franco

Novo livro da coleção Estudos de Museus dedicado aos imperativos da arte

Os Imperativos da Arte: Encontros com a Loucura em Portugal do séc. XX  é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Teoria da Arte, de Stefanie Gil Franco, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva e de Emerson Dionísio Gomes de Oliveira).

O lançamento é no dia 27 de Abril, pelas 18h00 e o livro será apresentado por Fernando Rosa Dias. O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural. 

Sinopse

Este livro apresenta uma história delineada a partir de uma rede de discursos tecida pelos encontros entre a psiquiatria e a arte. Mais propriamente, trata-se de localizar a formação de algumas manifestações de interesse, pela psiquiatria e pela arte, na expressão de sujeitos considerados loucos. Sabendo, sobretudo, que a loucura só pode ser instituída a partir de práticas de sentido de uns sujeitos sobre outros. Assim, aquilo que define o sujeito enquanto louco é uma conduta (científica, artística, social…) de uns sobre outros e sobre a própria noção de loucura. Isso está longe de dizer que a loucura não existe na nossa sociedade, mas, antes, de salientar que as suas definições são tomadas nas próprias relações que  a compõem. É preciso salientar que a noção abstrata de “loucura” possui muitos modos de entendimento e que está mais para um imaginário social, moral e, mesmo, poético e artístico do que para uma interpretação científica. Parte-se, portanto, do princípio de acompanhar as designações históricas de “alienação mental”, doença mental”, “saúde mental” nos seus modos particulares de funcionamento. Como interesse histórico surge o século XX em Portugal – saindo e retornando deste foco sempre que necessário –, considerando que é neste período que a loucura se institui e se institucionaliza enquanto doença mental. Isso significa dizer que durante o aproximar de um século vemos diversas narrativas sobre quem são os loucos, reverberando em diferentes compreensões sobre as suas expressões artísticas: por ora, compreendidas como a extensão de um corpo e uma mente degenerada e, por ora, como outsider art. Por fim, é preciso dizer que o principal foco de investigação são os imperativos que fazem surgir as expressões da loucura na nossa sociedade, como degeneração, como terapia, como arte ou outras infinitas possibilidades.

Sobre a autora:

Stefanie Gil Franco é nascida e criada em São Paulo. Fez a sua formação em ciências sociais e em história da arte, concluindo, em 2019, o doutoramento no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, com a tese que agora é publicada em livro. O seu interesse sobre as questões da “arte e loucura” inicia-se no ano de 2006 quando principia uma investigação sobre Arthur Bispo do Rosário, resultando no seu projeto de mestrado em Antropologia Social na Universidade de São Paulo. Como foco de interesse percorre temas relacionados à institucionalização da loucura, às práticas nosográficas da psiquiatria, assim como à promoção Stefanie Gil Francoda loucura como elemento discursivo no campo das artes. Atualmente desempenha funções como investigadora e docente.

Índice

7 | INTRODUÇÃO

19 | CAPÍTULO 1 – A ALIENAÇÃO EM PORTUGAL: NOTÍCIAS ACERCA DA DEGENERAÇÃO MENTAL E ARTÍSTICA
21 | Um povo que deseja conservar-se e progredir: os alienistas e os alienados
36 | Que degeneram certo, e se desviam: a nosografia de um poeta
44 | Por que é que estas pessoas desenham? A descoberta das expressões dos insanos
60 | Acabrunhados, psychasthenicos, elles apparecem na arte e na literatura: os estudos de Luiz Cebola e Júlio Dantas
81 Doidice ou troça? Os efeitos da teoria da degeneração na arte portuguesa

103 CAPÍTULO 2 – ISOLAR OS CORPOS. MORALIZAR AS MENTES: ALGUMAS MANIFESTAÇÕES SOBRE A CRÍTICA DE ARTE DOS INSANOS
105 A moderna nosografia psicopatológica: a invenção da crítica de arte dos insanos
128 Moralizar as mentes e higienizar o corpo: discursos da psiquiatria portuguesa entre religiosos e republicanos
137 Mil facetas dos espíritos que desvariam: como se expressam as almas delirantes?
151 Biopsiquiatria e psicanálise
159 Entre leucotomias e críticas de arte: entra em cena o Prémio Nobel
169 Varela Aldemira e Flávio de Carvalho: psicanálise e loucura na introdução de dois artistas
175 Os intermináveis anos de 1930: arte e eugenia nos estados totalitários

187 | CAPÍTULO 3 – HUMANIZAR E ADJETIVAR A LOUCURA: UM MUNDO DIVIDIDO AOS PARES
189 A hora das metáforas: o caso da pintora que assassinou o marido
197 Apontamentos sobre uma nova reforma psiquiátrica: da doença para a saúde mental
204 Do filosofar na psiquiatria: a negação do poder médico
220 Presenças contestatárias: a adjetivação da arte dos doentes mentais
231 Art brut e outsider art: novas políticas da arte
243 Interpretações conceptuais: as mitologias individuais por Harald Szeemann
247 Jaime, de apelido Fernandes Simões
258 Fecha-se um hospital, abre-se um museu: novos imperativos sobre arte, arquitetura e doença mental
268 Curadoria em arte dos “doentes” e “não doentes”: os modelos de ateliê no CHPL de hoje
280 Um caleidoscópio riquíssimo: a loucura como categoria desejante

285 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. TEMAS PARA O FUTURO
299 O que se passa com a art brut?

305 Notas
317 Fontes e bibliografia
327 Índice remissivo
331 Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)