Arquivo de etiquetas: UNESCO

“Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France”

A recensão que escrevi sobre o livro francês –  Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France – acaba de ser publicada no último número da revista Etnográfica (vol. 17, n.º 2, 2013). O texto está disponível aqui (também em PDF).

Publicamo-lo também neste blogue:

****

Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France, Paris, Maison des Cultures du Monde e Babel, 2011, 364 páginas, ISBN: 978-2-7427-8977-1.

Este livro de bolso insere-se na coleção Internationale de l’imaginaire (n. s., n.º 25), dirigida por Chérif Khaznadar, e constitui o terceiro número dedicado ao património cultural imaterial (PCI). O primeiro número – Le patrimoine culturel immatériel: Les enjeux, les problématiques, les pratiques (2004) – constitui uma das primeiras reflexões sobre os contextos, limites e potencialidades da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003), e o segundo – Le patrimoine culturel immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient” (2009) – uma perspetiva sobre as experiências da China, da Coreia e do Japão em matéria de PCI, tidas como políticas-modelo que moldaram o espírito da Convenção de 2003. Por seu turno, este último livro versa sobre as primeiras experiências em França na implementação desta convenção.1. Tendo como ponto de partida a narrativa oficial da UNESCO (a França aprovou a convenção em 2006), o livro dá conta, em jeito de balanço, do trabalho desenvolvido sobre esta matéria no âmbito das políticas públicas dos últimos quatro anos.

As contribuições contidas no livro são de profissionais de várias instituições francesas ligadas ao património e de representantes da UNESCO que fazem, assim, parte da comunidade de especialistas que procura encontrar respostas aos desafios lançados pela Convenção de 2003, um normativo que aponta para um conceito mais líquido sobre património, uma perspetiva renovada e dinâmica sobre salvaguarda e um papel mais ativo das comunidades, seja na identificação e reconhecimento, seja na sua implicação no processo de proteção deste património. A tradução destas recomendações implica a revisão do papel das instituições e dos profissionais, um processo ainda recente para muitos países e que este livro procura clarificar, dando a conhecer os esforços realizados pela administração francesa no sentido de adequar as suas políticas e instrumentos às recomendações da Convenção de 2003.

Com efeito, esta convenção tem sido terreno fértil para a discussão sobre o conceito de património e tornou-se também objeto de estudo nos últimos anos, tal como é percetível pelo aparecimento de variadas publicações que atestam pelo menos duas abordagens: uma baseada na avaliação e balanço das experiências por parte dos profissionais intervenientes no processo de patrimonialização, como é o caso deste livro, e outra que se posiciona de forma crítica e reflexiva sobre a Convenção de 2003 e o seu impacte, problematizando o fenómeno do património em si mesmo, vinda sobretudo dos antropólogos da academia – veja-se, por exemplo, C. Bortolotto, A. Arnaud e S. Grenet (orgs.), Le patrimoine culturel immatériel: Enjeux d’une nouvelle catégorie, publicado em 2011.

O livro organiza-se em duas partes. Um preâmbulo à primeira parte (por ­Chérif Khaznadar, Christina Hottin e Sylvie Grenet) serve para contextualizar a Convenção de 2003, a sua retórica e os princípios de atuação subjacentes à criação de uma nova categoria de património – o PCI. Ao longo desta primeira parte é explicado como se operacionalizaram as estratégias para a salvaguarda do PCI pelo Ministério da Cultura francês, assentes numa lógica de criação de inventários para identificar o PCI e documentá-lo. Neste âmbito, Sylvie Grenet descreve as linhas operativas de um novo inventário para o património vivo e o processo conducente à recolha de várias bases de dados previamente existentes, no sentido de se fazer um “inventário dos inventários”. Ainda nesta linha, Véronique Guinouvés descreve as metodologias seguidas no âmbito do projeto de criação de um portal coletivo sobre património oral que resulta das recolhas de amadores e profissionais no domínio das ciências sociais e humanas ao longo de várias décadas. O portal pretende dar visibilidade a um extenso arquivo sonoro e audiovisual, em grande medida pouco conhecido e disperso por várias organizações. As iniciativas em torno da acessibilidade a repositórios de informação são hoje uma tendência que tem a ver também com as potencialidades que oferecem as novas tecnologias e a Internet para o património / conhecimento / cultura e que se têm traduzido em muitos projetos de digitalização na Europa e na criação de bases de dados em rede (p. ex. Europeana). Neste sentido, a ênfase atual na valorização do PCI permite, assim, o surgimento de projetos, como é o caso deste portal dedicado ao património oral.

Um aspeto relevante é levantado por Christian Hottin, ao argumentar a distinção entre o património etnológico e o PCI e, por sua vez, o papel atribuído à investigação no contexto do que significa a salvaguarda nos moldes propostos pela convenção. O autor descreve, grosso modo, a política definida para o património etnológico francês nos últimos trinta anos, fortemente alicerçada no desenvolvimento de investigação científica, para justificar a criação de um inventário para o PCI apoiado em programas de investigação (e através das redes de investigadores e centros de investigação já existentes no âmbito da antropologia), ainda que de acordo com a convenção os inventários sejam acima de tudo um instrumento de reconhecimento e possam não estar vinculados à investigação propriamente dita. Como se pode constatar, no caso francês, a tradição de trabalho com o património etnológico determinou indelevelmente os moldes em que se operacionalizou o inventário, em estreita relação com o desenvolvimento de uma estratégia de investigação e de trabalho de terreno.

Sobre o contexto regional destaca-se o texto de Charles Quimbert, que dá voz ao trabalho desenvolvido na Bretanha e à forma como se foram esboçando os eixos de intervenção com relação a uma política favorável à salvaguarda do PCI, incluindo, ainda, uma abordagem do caso dos ateliês de bordados de Puy-en Velay e Alençon (perspetiva histórica, funcionamento, candidatura à lista representativa).

A segunda parte do livro introduz ao leitor uma outra dimensão da Convenção de 2003, designadamente a inscrição de elementos do PCI na categoria de “património da humanidade”. Efetivamente, a convenção prevê dois instrumentos principais – uma lista representativa e uma lista de salvaguarda urgente, não esquecendo uma base de dados de boas práticas, porventura menos conhecida. Além da experiência francesa na preparação de candidaturas (uma dezena de projetos foram submetidos ao Ministério da Cultura), aliás, suficientemente ilustrativa (quem avalia, procedimentos, seleção, critérios, recomendações, prazos, exemplos, etc.), assume particular interesse o balanço que Cécile Duvelle (atual chefe de secção do PCI na UNESCO e secretária da Convenção de 2003) faz da primeira fase de candidaturas às listas, não escondendo as fragilidades e as expetativas defraudadas do processo, nomeadamente a corrida à lista representativa em detrimento da lista de salvaguarda urgente, bem como a marginalidade do catálogo de boas práticas.

Ainda que não perca de vista o sentido crítico (p. ex. no texto de Khérif Khaznadar), o livro assume, em grande medida, um tom descritivo e, nalgumas situações, quase operativo. Os anexos são disso reflexo e incluem exemplos de fichas de inventário e candi­daturas, formulários, calendarização, etc. No entanto, tal pode ser de grande utilidade para todos aqueles que trabalham em projetos de valorização do PCI e na definição de políticas da sua salvaguarda nas instituições culturais, seguindo o discurso oficial. Além disso, atendendo ao caráter experimental e recente destas políticas, publicações como esta são um contributo válido para relativizar criticamente as várias interpretações de que a Convenção de 2003 é objeto.

****

Para citar este artigo:

– Referência do documento impresso

Ana Carvalho, « Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France », Etnográfica, vol. 17 (2) | 2013, 430-432.

– Referência electrónica

Ana Carvalho, « Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France », Etnográfica [Online], vol. 17 (2) | 2013, colocado online no dia 20 Junho 2013, consultado no dia x de x de 2013. URL : http://etnografica.revues.org/3179

  1. Aprovaram a Convenção de 2003 148 países, comprovando o sucesso deste normativo (cf.<http: /  / www.unesco.org / eri / la / convention.asp?KO=17116&language=E>, consultado a 30 / 4 / 2013). []

Cátedra UNESCO de Património Imaterial na Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora, © Ana Carvalho

Recentemente a UNESCO atribuiu à Universidade de Évora a Cátedra em património imaterial. A Universidade de Évora, que em 2006 era pioneira em Portugal no desenvolvimento de um projecto sobre património imaterial (cf. MEDINS) em linha com o enquadramento da Convenção 2003, tem com esta iniciativa a possibilidade de aprofundar um projecto de investigação em torno da valorização deste património.

“Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente.” (Entrevista com Filipe Themudo Barata, 4 Março 2013).

Para desenvolver este projecto na Universidade de Évora (CIDEHUS-Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades) foi constituída um equipa multidisciplinar: Filipe Themudo Barata (responsável pela cátedraDepartamento de História, CIDEHUS), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS).

No âmbito da cátedra estão previstas várias actividades ligadas à investigação nesta área, à formação (cursos, seminários, workshops, etc.), estabelecimento de redes com vários parceiros, partilha e divulgação de conhecimento sobre PCI, cooperação com o Mediterrâneo e com África, etc.

Os objectivos da cátedra são os seguintes:

– Estabelecer uma rede de investigadores e instituições na região do Mediterrâneo e em África para apoiar a investigação, a formação, os alunos e a mobilidade de profissionais, bem como a partilha de conhecimento nas áreas do património material e imaterial, e saber-fazer tradicional.

– Desenvolver e implementar, juntamente com outros parceiros, um programa de cooperação para apoiar, do ponto de vista científico, a criação de um centro de investigação de excelência na Universidade de Cabo Verde (UNICV).

– Fornecer formação pós-graduada nas áreas do património imaterial e do saber-fazer tradicional, bem como oferecer acções de formação de curta duração suportadas em TIC, dirigidas não só a profissionais, assim como para grupos frágeis e marginalizados.

– Implementar actividades que visem melhorar o conhecimento de jovens investigadores e profissionais sobre património material e imaterial, bem como no saber-fazer tradicional, visando desenvolver as competências dos actores públicos e privados a nível local, regional e nacional nas áreas em foco.

– Promover boas práticas na aplicação de património cultural imaterial e saber-fazer tradicional no âmbito da conservação do património; desenvolver um modelo de interacção e partilha de boas práticas para grupos académicos e investigadores de países do Sul; organizar seminários internacionais e workshops temáticos.

– Cooperar com a UNESCO em vários programas e actividades de relevo.

(Fonte: UNESCO, tradução minha)

***

Filipe Themudo Barata é Professor Associado na Universidade de Évora, onde lecciona nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus.  É membro da Comissão Científica e Pedagógica do Mestrado Erasmus Mundus TPTI – Techniques, Patrimoines, Territoires de l’Industrie; membro do Comité de Direção da Associação HERIMED (Palermo); Professor convidado na Universidade de Cabo Verde; e membro associado do Centre d’Histoire des Techniques (Paris Sorbonne – Panthéon). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks(Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui.

***

Outros posts neste blogue sobre património imaterial:

O Lugar do Património Cultural Imaterial nas Políticas do Património

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Intangible Heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

Entrevista com Filipe Themudo Barata (sobre os museus e o património)

Património imaterial: desafios e perspectivas

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Foto daqui.

 

 Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel. 365 páginas. ISBN 978-2-7427-8977-1.

Este livro faz um balanço sobre as primeiras experiências em França na implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003) (a França aprovou esta Convenção em 2006).

O livro organiza-se em duas partes. Após uma contextualização da Convenção de 2003, a sua retórica e os princípios de actuação subjacentes à criação de uma nova categoria para o património – o PCI, a  primeira parte descreve as estratégias para a salvaguarda do PCI desenvolvidas pelo ministério da cultura francês, assentes numa lógica de criação de inventários para identificar o PCI e documentá-lo, através de um programa de investigação.

A segunda parte do livro introduz uma outra dimensão da Convenção de 2003, designadamente a submissão de candidaturas do PCI a “património da humanidade”. Efectivamente, a Convenção prevê dois instrumentos principais – uma lista representativa e uma lista de salvaguarda urgente, e ainda uma base de dados de boas práticas, porventura menos conhecida.

Os anexos acentuam o potencial operativo do livro, incluindo exemplos de fichas de inventário, candidaturas, formulários, calendarização, etc. O livro é de grande utilidade para uma análise comparativa de políticas culturais, podendo ser de mais-valia para todos aqueles que trabalham em projectos de valorização do PCI e na definição de políticas de salvaguarda do PCI nas instituições culturais[1].



[1] Para uma leitura crítica do discurso preconizado pela Convenção de 2003 e das mudanças de paradigma que este documento suscita pode consultar-se: Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme. Veja a recensão crítica do livro aqui: http://etnografica.revues.org/2159 (por Cyril Isnart).

Conteúdos:

Chérif Khaznadar: Avant-propos. – La relation de la France au patrimoine culturel immatériel, 11

INTRODUCTIONS, 25

Christian Hottin: Sept ans, l’âge de raison. Dynamique et enjeux du patrimoine culturel immatériel, 27

Sylvie Grenet: Le patrimoine culturel immatériel selon la Convention de l’Unesco, 57

PREMIÈRE PARTIE: INVENTAIRES ET EXPÉRIENCES EN FRANCE, 75

Sylvie Grenet: Les inventaires en France, 77

Charles Quimbert: Le patrimoine culturel immatériel, un enjeu de société. Autour d’une démarche en cours de réalisation en Bretagne, 93

Véronique Ginouvès: Quand le renard raconte ses histoires au monde. La naissance du portail du patrimoine oral, catalogue collectif d’archives sonores et audiovisuelles, 107

Christian Hottin: Patrimoine culturel immatériel et recherche ethnologique, 129

Marie-Hélène Massé-Bersani: Les ateliers de dentelle du Puy-en-Velay et d’Alençon, 159

DEUXIÈME PARTIE : CANDIDATURES ET INSCRIPTIONS SUR LES LISTES DE LA CONVENTION, 173

Christian Hottin: Candidatures pour l’Unesco: du dossier au projet. Vade-mecum d’après les cycles 2008-2009 et 2009-2010, 175

Rieks Smeets: Deux nouvelles listes et un nouveau registre pour le patrimoine culturel immatériel, 213

Cécile Duvelle: Inscriptions sur les listes de la Convention: bilan d’un premier cycle de mise en œuvre, 245

ANNEXES, 267

Annexe I. – “Anti-monumental ? Actualité du patrimoine culturel immatériel”, 269.

Annexe II. – Exemple de fiche d’inventaire du patrimoine culturel immatériel de la France – Aux Fils de l’Arz, tissage à bras, 276

Annexe III. – Appel à la reconnaissance du patrimoine culturel immatériel en Bretagne, 285

Annexe IV. – Calendrier des actions d’information et de valorisation du PCI en Bretagne, 290

Annexe V. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2010 –Le compagnonnage : réseau de transmission des savoirs et des identités par le métier, 292

Annexe VI. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2010 – Savoir-faire de la dentelle au point d’Alençon, 315

Annexe VII. – Formulaire de candidature pour l’inscription sur la Liste représentative en 2009– Le maloya, 334

Annexe VIII. – Patrimoine ethnologique et patrimoine culturel immatériel: permanences et mutations, 346

Annexe IX. – Allocution de Chérif Khaznadar à Abou Dhabi le 28 septembre 2009, 350

Annexe X. – Communication de Chérif Khaznadar à Sofia le 4 mai 2009, 355

Annexe XI. – Allocution de Chérif Khaznadar à Paris à l’Unesco le 22 juin 2010, 361

Ont participé à ce numéro de l’Internationale de l’imaginaire, 364

Interpretações Museológicas do Património Cultural Imaterial

No congresso Local Vocabularies of “Heritage” (Universidade de Évora) apresentei a comunicação “Interpretações Museológicas do Património Cultural Imaterial”/Museological Interpretations of Intangible Cultural Heritage” que se enquadra no trabalho desenvolvido no âmbito do doutoramento.

Resumo: A UNESCO tem tido um papel fundamental na elevação de novas categorias do património, ampliando consideravelmente a noção de património. O Património Cultural Imaterial é um desses exemplos. Objecto de inúmeras iniciativas com vista à sua protecção, o património imaterial foi objecto de regulamentação normativa, primeiro com a “Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional Popular” (1989) e, mais recentemente, com a adopção da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em 2003. Neste contexto, a UNESCO definiu um novo conceito operativo para um património, que sob o efeito da globalização carece de ser protegido. Este reconhecimento à escala internacional tem motivado muitos países a repensar as suas políticas patrimoniais, envolvendo as diversas instituições culturais de modo a responder ao repto da UNESCO, daí resultando inúmeras iniciativas com vista à salvaguarda do património imaterial. Os museus fazem parte deste universo, procurando traduzir o discurso sobre património imaterial para as suas práticas quotidianas. Tomando como estudo de caso um museu com colecções etnográficas, o Museum of World Culture (Suécia), e a partir da definição de Património Cultural imaterial proposta pela UNESCO a par com a emergência de um novo paradigma sobre a salvaguarda, este artigo reflecte sobre as interpretações e percepções do património imaterial pelos museus, seja do ponto de vista da confrontação de conceitos como da sua operacionalização nas práticas museológicas.

Nota: Mediante um processo de arbitragem científica os papers da conferência serão publicados.

Prémio Internacional UNESCO-Grécia Mélina Mercouri para a Salvaguarda e a Gestão das Paisagens Culturais

Prémio Internacional UNESCO-Grécia Mélina Mercouri para a Salvaguarda e a Gestão das Paisagens Culturais

DATA LIMITE : 4 OUTUBRO 2010

Le Prix international UNESCO-Grèce Mélina Mercouri pour la sauvegarde et la gestion des paysages culturels est habituellement attribué une fois tous les deux ans. Toutefois, en raison d’un processus de mise en conformité des prix existants, lancé par le Conseil exécutif de l’UNESCO en 2005, il n’a pas été décerné depuis 2007.

Ce prix est destiné à récompenser des actions exemplaires de sauvegarde et de mise en valeur des grands paysages culturels dans le monde. Il porte le nom d’une femme qui a fait œuvre de précurseur dans le domaine de la conservation intégrée et du développement durable, Mélina Mercouri, artiste inoubliable et ancienne Ministre de la Culture de la Grèce. À sa 16e session tenue à Santa Fé (décembre 1992), le Comité du patrimoine mondial a reconnu que la notion de paysage culturel reflète une approche plus universelle du patrimoine culturel en ce qu’elle complète celles, plus classiques, de « monuments » et de « sites ». La protection des paysages culturels est une des grandes priorités actuelles.

Les biens faisant l’objet d’une candidature doivent répondre à la définition de l’une au moins de trois catégories de paysages culturels retenues par le Comité du patrimoine mondial (voir appendice de l’annexe II). Néanmoins, comme la notion de paysage culturel est en pleine évolution, des propositions relatives à des ensembles ne s’inscrivant pas exactement dans cette typologie peuvent être examinées à titre exceptionnel, si de tels ensembles illustrent des réalisations exemplaires dans les domaines de la recherche, de l’éducation ou de la sensibilisation du public.

Les candidatures peuvent être présentées par les gouvernements des États membres (de préférence en consultation avec leurs commissions nationales) et par des ONG compétentes entretenant des relations officielles avec l’UNESCO.

Le lauréat sera désigné par la Directrice générale de l’UNESCO sur la base des recommandations d’un jury international composé de cinq personnalités culturelles renommées, spécialistes des sciences de l’environnement, du patrimoine et des domaines culturels correspondants. Dans ses délibérations, le jury international a toujours considéré que l’esprit et les objectifs du Prix étaient d’encourager et soutenir les efforts particulièrement novateurs déployés par des gestionnaires de paysages culturels en matière de sauvegarde et de conservation, conformément aux exigences de la Convention du patrimoine mondial.

Le Prix peut être attribué soit à une personne, soit à un groupe de personnes qui travaillent à titre privé ou en tant que membre(s) du personnel d’une institution privée ou publique.
Compte tenu de l’intérêt que votre Organisation porte à la sauvegarde et à la mise en valeur des paysages culturels, je ne doute pas que le Prix international UNESCO-Grèce Mélina Mercouri retiendra votre attention et que vous envisagerez de proposer des candidatures pour l’année 2010.

Tous les documents, ainsi que la version électronique du formulaire de candidature, peuvent être téléchargés à l’adresse Web ci-après : http://whc.unesco.org/en/melinamercouriprize/

Le formulaire de candidature est à remplir en français ou en anglais et à retourner, au plus tard le 1er septembre 2010 4 OUTUBRO 2010, accompagné du dossier complet, au :
Prix international UNESCO-Grèce Mélina Mercouri
Bureau exécutif du Secteur de la culture de l’UNESCO
7, place de Fontenoy
75352 Paris 07 SP
France
E-mail : melinamercouriprize@unesco.org
Des précisions complémentaires peuvent être obtenues auprès du Bureau exécutif du Secteur de la culture (tél. : 33.1.45.68.43.25 ; fax : 33.1.45.68.55.91)
ainsi que sur le site Web de l’UNESCO à l’adresse : http://portal.unesco.org/culture.

Tese de Mestrado: "Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação"

Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação
Autora: Clara Maria Ferreira Bertrand Cabral
Orientação: Maria Celeste Gomes Rogado Quintino
Dissertação apresentada ao Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas/Universidade Técnica de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em Ciências Antropológicas (pré-Bolonha)
Ano: 2009. Tese defendida a 26 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Maria Celeste Gomes Rogado Quintino (Presidente), Maria Elsa Marques Peralta da Silva, Maria de Fátima Calça Amante

Resumo: O tema desta dissertação de mestrado em Ciências Antropológicas aborda o problema da inventariação do património imaterial tal como configurado na Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial e explora um conjunto de questões centrais na antropologia que permitem pensar a aplicação da Convenção no estudo e inventário das manifestações em contexto português.

Os objectivos da pesquisa sustentam-se em dois eixos de análise que se inter-relacionam e se apoiam em recursos conceptuais e analíticos sugeridos pela revisão da literatura. Num primeiro eixo, procura-se conhecer o “contexto de aplicação”, focando a atenção nos aspectos do património cultural imaterial e do inventário configurados nos textos decorrentes da Convenção e nos normativos portugueses regulamentares. Esta análise convoca um conjunto de contributos teóricos da antropologia.

Num segundo eixo, procura-se compreender os processos implicados na definição de metodologias de inventariação, especificando procedimentos e recomendações que contribuem para a resolução do problema do inventário do património cultural imaterial e desenhando os instrumentos de recolha de dados etnográficos e de inventariação. A metodologia e instrumentos de inventariação propostos foram aplicados em contexto de trabalho de campo a uma manifestação do património cultural imaterial local, a produção de olaria pedrada em Nisa.

Revista E-rph


©Lorena Querol

Gostaríamos de dar aqui a conhecer a Revista E-rph (Revista Electrónica de Património Historico), editada pelo Departamento de Historia del Arte da Universidad de Granada desde 2007.

Esta revista procura estudar e reflectir sobre o património numa perspectiva integradora e globalizante. O âmbito de estudo é o território espanhol, mas a revista também aceita contribuições de carácter internacional. Tem periodicidade semestral e está disponível na internet: http://www.revistadepatrimonio.es/

O n.º 5 da revista, publicado em Dezembro de 2009 apresenta um artigo de Lorena Querol, que aborda o tema do inventário do património cultural a partir de oito museus portugueses. O título do artigo é “Inventariando Patrimónios Culturales: ocho entrevistas en museos de Lisboa”/”Inventoryng cultural heritages: eigth interviews in Lisbon Museums”. O artigo pode ser consultado em:
http://www.revistadepatrimonio.es/

Segundo Lorena Querol “com este artigo saem a luz, por primeira vez, um conjunto de realidades relacionadas com esta função fundamental dos museus, com os seus actores sociais e com os desafios colocados pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), no contexto do panorama museológico português.”

Este artigo insere-se no contexto do projecto de investigação de doutoramento de Querol, cuja tese tem por título “El Patrimonio Cultural Imaterial y la Sociomuseologia: un estudio sobre inventários”. Assim, a autora apresenta e divulga os primeiros resultados do estudo sobre inventário de património cultural no âmbito de um dos capítulos da tese, que inclui os resultados das primeiras 8 entrevistas sobre inventário e também algumas das suas primeiras reflexões sobre o tema.

Resumen:

A partir del concepto de Patrimonio Cultural se abordan los distintos caracteres que poco a poco van dando forma a una relación cordial entre los aspectos materiales e inmateriales de la cultura. Se cuestiona además el sentido, lugar y razón de ser que tienen cuando miramos en dirección al futuro desde el museo y su papel educador. Tomando como elemento de análisis una práctica museológica como el inventario, nos adentramos en el compromiso asumido con la Convención para la Salvaguarda del Patrimonio Cultural Inmaterial para acercarnos a la realidad de su cumplimiento, presentando algunos de los primeros datos obtenidos en un estudio sobre métodos y técnicas de inventario realizado en ocho museos portugueses. La principal conclusión a la que se llega es que todavía falta mucho por hacer en este campo.

Abstract

Having in mind the concept of Cultural Heritage we address the different players that slowly shape a cordial relationship between material and immaterial aspects of culture. Moreover, we question their meaning, place and reason, when wandering about the future since the point of view of the museum and its educational role. Using museology analysis tools such as the inventory, we present some of the first data obtained by research over inventory methods and techniques in eight portuguese museums and thus fulfil the commitment made with the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage. The main conclusion to be drawn is that there is still an important work to be developed in this field.

Sobre a autora:
Licenciada en Bellas Artes y especializada en conservación y restauración de pintura por la Universidad Complutense de Madrid. Máster en Museología Social en la Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, con la tesis de postgrado “La función social del Patrimonio Marítimo portugués”.

Coordinadora del Departamento de Conservación de Patrimonio Cultural de la Santa Casa da Misericórdia de Sintra entre 1997 y 2007; colaboradora del Departamento de Patrimonio del Museu de Marinha de Lisboa entre 2001 y 2007 en calidad de conservadora y museóloga, habiendo creado y coordinado el Projecto de Conservação das Galeotas Reais entre otros.
Actualmente, docente responsable de las disciplinas de Patrimonio Cultural en el IADE, Creative University y en museos portugueses como el Museu da Presidência da República.
Simultaneamente ejerce la investigación en la Universidade Lusófona donde desarrolla su tesis doctoral en Museología sobre “El Patrimonio Cultural Inmaterial y la Sociomuseología: un estudio sobre inventarios” en el contexto de un proyecto europeo de desarrollo socio-cultural que responde al nombre de “Celebração da Cultura Costeira”. Sus publicaciones se encuadran fundamentalmente en el área de la Museología, centrándose en cuestiones como la organización, gestión y uso social de las colecciones museológicas, o en la relación entre el museo y el concepto contemporáneo de patrimonio cultural, desde la óptica de su construcción social.

Tese Mestrado "Os Museus e o Património Cultural Imaterial"

Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas
Autor: Ana Alexandra Rodrigues Carvalho
Orientador: Prof. Doutor Filipe Themudo Barata
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Mestre em Museologia
Ano: 2009. Tese defendida a 23 de Dezembro

Nota: O júri foi constituído pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola (Director do Mestrado) na qualidade de Presidente do júri. Foi arguente o Prof. Doutor Jorge de Freitas Branco (Director do Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos do ISCTE) e foi vogal o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, orientador da dissertação.

Resumo:

Tomando como referência fundamental o trabalho desenvolvido pela UNESCO em matéria de protecção do Património Cultural Imaterial (PCI), muito particularmente a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003), considerou-se oportuno reflectir sobre as implicações que este enfoque traz para os museus. São indiscutíveis as repercussões que este instrumento trouxe para o reconhecimento da importância do PCI à escala internacional, motivando um crescendo de iniciativas em torno da sua salvaguarda. São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, no entanto o International Council of Museums (ICOM) reconhece um papel central aos museus nesta matéria. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com o PCI, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material.

O presente estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade a este património. Em função das especificidades de cada museu, podem ser encontradas estratégias de salvaguarda do PCI, entre as quais se pode incluir o inventário e a documentação (audiovisual, texto, áudio, imagem), a investigação, a divulgação através de exposições e publicações, difusão através da internet, educação não formal, entre outras actividades. Alguns museus começaram já a desenvolver abordagens integradas para a salvaguarda do PCI, cujos exemplos se apresentam. Este tema suscita vários desafios, implicando práticas museológicas inovadoras que possam reflectir o papel dos museus como promotores da diversidade e criatividade cultural.

Palavras-chave: Museologia, Património Cultural Imaterial, Património Cultural, Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, Diversidade Cultural, UNESCO, ICOM.

——

Abstract:

Recalling the UNESCO’s work towards the protection of Intangible Cultural Heritage (ICH), in particular the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage adopted in 2003, I took this opportunity to reflect upon the implications that this recognition brings to museums. The overwhelming success of this document has raised the importance of ICH at international level, motivating a growing number of initiatives towards its safeguard. Accordingly to the 2003 Convention, there are many agents involved in the preservation of this heritage, yet the International Council of Museums (ICOM) recognises a central role for museums. Nevertheless, to face this challenge, museums will have to rethink their relationship with ICH in opposition to their deep rooted tradition in material culture.

The present study reflects upon the possibilities that museums have to answer the changeling 2003 Convention, recognizing that it’s possible through museum activities to find ways to study and give visibility to ICH. According to each museum specificities, it seams clear that strategies can be engaged in order to promote the safeguard of ICH, including inventory and documentation (audiovisual, audio, text and image), research, promotion through exhibitions, publications, dissemination trough internet and other means, informal education, among other activities. Many museums have already started exploring integrated approaches towards the safeguard of ICH and some of these examples are presented in this study. This theme is challenging, implying innovative museum practices which reflect on museums role towards the promotion of cultural diversity and creativity.

Keywords: Museum Studies, Intangible Cultural Heritage, Cultural Heritage, Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, Cultural Diversity, UNESCO, ICOM.

Tese: "Dinâmicas do Património Imaterial: A Candidatura Galego-Portuguesa à UNESCO"

tese mestrado

Dinâmicas do Património Imaterial: A Candidatura Galego-Portuguesa à UNESCO
Autora: Constança Manuel Pacheco de Amorim Vieira de Andrade
Orientador: Prof. Doutor Jorge Freitas Branco
Instituição: Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa
Tese de Mestrado (Museologia: Conteúdos Expositivos)
Ano: 2008

Resumo:

Nesta dissertação faz-se uma análise das razões que levaram ao surgimento da candidatura do património imaterial galego-português, apresentada à UNESCO em 2005. Estudam-se as dinâmicas sócio-culturais criadas pelo projecto, tanto durante a sua elaboração como depois da recusa de classificação como património da humanidade. A afirmação nacionalista da parte galega contrapõe-se à fraca mobilização do lado português, onde a relação com o governo central é menos conflituosa. A candidatura aparece assim como ferramenta para sublinhar a individualidade da Galiza perante o Estado espanhol.

Abstract:
In this thesis an analysis has been made of the reasons that led to the appearance of a candidature of the Northern Portuguese and Galician intangible heritage presented to UNESCO in 2005. Sociocultural dynamics this project brought about are examined both during its making up and after its classification’s denial as World Heritage. The Galician nationalist assertion confronts with the weak mobilization on the Portuguese side where we can feel a less contentious relation with central government. So this candidature appears as possible tool to emphasize Galician individuality face to face with the Spanish state.

Assunto(s): Património imaterial; UNESCO; Nacionalismo; Euroregião Galiza-Norte de Portugal; Ecomuseu de Barroso; Museo Aberto do Couto Mixto; Intangible heritage; Nationalism; Euroregion Galicia-Norte Portugal

A tese está disponível na íntegra no Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal:
https://repositorio.iscte.pt/handle/10071/992

Património Cultural Imaterial em debate na TSF

encontros-patrimonio-pci

Damos aqui eco de um debate sobre o tema tão actual, o Património Cultural Imaterial! No âmbito do espaço “Encontros do património” promovido pela TSF houve lugar para uma acesa conversa sobre algumas das principais questões sobre a matéria. O programa foi emitido no passado dia 24 de Janeiro, mas está disponível no site da TSF! Vale a pena ouvir!

O Património Cultural imaterial é um tema que tem merecido particular destaque nos últimos anos, motivando o interesse de profissionais de várias áreas para a sua investigação e análise. Para a sensibilização relativamente à sua salvaguarda muito terá contribuido a adopção da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em 2003 pela UNESCO, representando de certa forma uma mudança importante para a protecção deste património.

Portugal ratificou a Convenção a 26 de Março de 2008 e tem neste momento a responsabilidade de a implementar no nosso território. Esta não é uma tarefa fácil dada a complexidade de aproximação a este património e não isenta de polémicas. Seria importante criar mais espaços de reflexão sobre o tema!

5eme Journee du patrimoine culturel immatériel: "L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient", 26 Mar 2008

procissao-nossa-senhora-das-salas-anjos.jpg

Património Cultural Imaterial
Procissão Nossa Senhora das Salas, Sines
©Ana Carvalho, 15 Ago. 2007

No próximo dia 26 de Março 2008 terá lugar a 5.ª Jornada do património cultural imaterial, organizada pela Maison des Cultures du Monde. Este ano o tema é o Extremo Oriente L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient e para o efeito serão convidados representantes da China, Coreia e Japão, países onde a política ligada ao património cultural imaterial tem já tradição.
Este encontro decorrerá entre as 15h00 e as 19h00 na Maison des Cultures du Monde (101, boulevard Raspail, Paris 6ème).

A entrada é livre, mas é necessário realizar inscrição

Programa:

5EME JOURNEE DU PATRIMOINE CULTUREL IMMATERIEL dans le cadre du 12ème Festival de l’Imaginaire organisée avec le soutien de la direction de l’Architecture et du Patrimoine, ministère de la Culture et de la Communication

L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient

Ouverture de la 5ème Journée du patrimoine culturel immatériel
Par M. Michel Clément, directeur de l’Architecture et du Patrimoine au ministère de la Culture et de la Communication (ou son représentant)
et M. Chérif Khaznadar, président de la Maison des Cultures du Monde et président du Comité culture de la Commission nationale française pour l’Unesco

«Méthode et système de sauvegade du patrimoine culturel immatériel en Chine»
par M. Chen Feilong, professeur à l’Académie chinoise des beaux-arts, directeur de l’Institut de théorie de la littérature et des arts, rédacteur en chef de la revue Théorie et critique de la littérature et des arts, auteur d’une Introduction au patrimoine culturel immatériel (2006)

«La notion de “technique artisanale” en matière de patrimoine culturel immatériel»
(évolution de la notion au cours de l’histoire, système de protection légale de la “technique artisanale” en tant qu’élément du PCI)
par Mme Naoko Sato, spécialiste des questions de propriété culturelle auprès de l’Agence des affaires culturelles du Japon

«La sauvegarde du patrimoine culturel immatériel, un nouveau défi pour les communautés»
(à partir du projet du Centre culturel Asie-Pacifique pour l’UNESCO (ACCU) associant les communautés)
par Mme Ohnuki Misako, directrice de la division de la culture, ACCU

«Activités de sauvegarde du patrimoine culturel immatériel de la République de Corée»
par M. Lee Jae-Phil, directeur de recherche à la division du patrimoine culturel immatériel de la direction du patrimoine de la République de Corée

Débat avec le public et des spécialistes français.

Clôture de la 5ème Journée du patrimoine culturel immatériel
par M. Jean Favier, président de la Commission nationale française pour l’UNESCO

ENTREE LIBRE dans la limite des places disponibles et sur inscription au 01 45 44 72 30

Pour consulter le texte de la Convention pour la sauvegarde du patrimoine culturel immatériel: www.unesco.org

———————–
Fonte: Informação enviada por
Daniel Baillon, conseiller pour la culture
Commission française pour l’UNESCO
57, boulevard des Invalides – 75700 Paris 07 SP
Tel: +33(0)153693838 – Fax: +33(0)153693223
daniel.baillon@diplomatie.gouv.fr – www.unesco.fr