Arquivo de etiquetas: Universidade do Porto

Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital

Conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Por Ana Carvalho
“Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital” é um comentário acerca da terceira conferência do projecto Mu.SA − Museum Sector Alliance (2016-2019) realizada a 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto. O texto foi publicado no Boletim do ICOM Portugal, n.º 12, pp. 58-60].
****

A terceira conferência do projecto Mu.SAMuseum Sector Alliance (2016-2019) [1] realizou-se no passado dia 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto (UP), organizadora do evento em colaboração com a Mapa das Ideias e com o ICOM Portugal, parceiros portugueses do projecto.

Com o título +Digital Culture: Competences for the Cultural Sector, a conferência reflectiu sobre competências e desenvolvimento profissional no contexto actual (e prospectivo) que se entende ser cada vez mais desafiante, nomeadamente na relação com o mundo digital. Neste quadro, três ordens de ideias foram interpeladas; 1) que desafios são estes que nos traz o mundo digital e que estratégias podem ser desenhadas pelos museus, e pelo sector cultural em geral, para acompanhar este desenvolvimento; 2) que perfis de profissionais e competências são expectáveis; e 3) qual pode ser o papel e contributo da formação.

programa contemplou uma diversidade de contributos, repartindo-se em torno de três sessões moderadas, respectivamente, por Alice Semedo, Manuela Pinto e Paula Menino Homem da UP. Focaram-se experiências de museus, como foi o caso do Museu de Lamego (Luís Sebastian), mas também extra-museus, como a preservação digital em arquivos (Francisco Barbedo, Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) e o tema da gamificação (Ricardo Queirós, UP).

“Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation” (por Conxa Rodà), conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Não pretendendo fazer uma síntese de todas as comunicações e tópicos discutidos (os resumos e os power-points estão disponíveis no website), destaco duas que me suscitaram maior interpelação de ideias pela estreita ligação com as conclusões alcançadas no projecto Mu.SA. Esse foi o caso da comunicação de Conxa Rodà (Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation), que é actualmente responsável pela estratégia, inovação e transformação digital do Museu Nacional d’Art de Catalunya, em Barcelona. Sobre o alcance da desejável transformação digital dos museus, e de forma muito sintética: o quê?, para quem?, para quê? e como? continuam a ser perguntas fundamentais em qualquer estratégia, nomeadamente para o digital. Como notou Rodà, pressupõe investimento na formação das equipas (literacia digital) e, sobretudo, uma mudança organizacional que seja catalisadora de mudanças internas e de aceleração (novas formas de comunicação e de perfil multidireccional).

Outra comunicação que evidencio é a de Ana Alvarez (From Web Manager to Digital Curator), que a partir da sua própria trajectória profissional mostrou a evolução das tecnologias e dos desafios com que se confrontou ao longo dos últimos 26 anos. Ou seja, desde a sua primeira experiência de trabalho em 1992 no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madrid, como assistente na recepção do museu − estávamos no tempo dos CD-ROM’s, dos primeiros websites de museus, o início da digitalização de colecções… − até ao presente, momento em que Alvarez se encontra a gerir, no mesmo museu (depois de um interregno de largos anos), o website e os projectos digitais, e prepara uma nova estratégia digital (2018-2022). Daqui se destaca a evolução gradativa (e não-linear) de um profissional de museu em função da transformação do sector, e da procura, ao longo desse percurso individual, de formação especializada na área da Museologia e dos museus, mas também fora desse contexto, indo ao encontro de uma certa “customização” formativa (formal e não formal), alicerçada na identificação de necessidades.

O programa encerrou com uma mesa-redonda sobre os quatro perfis identificados durante o projecto Mu.SA (Gestor da Estratégia Digital; Curador de Colecções Digitais; Promotor de Experiências Interactivas Digitais; e Gestor de Comunidades Online). Moderada por Panagiota Polymeropoulou, da Hellenic Open University (Grécia), a mesa-redonda contou com a participação de Conxa Rodà, Luís Sebastian, Francisco Barbedo, Ana Álvarez e Ricardo Queiroz (cf. gravação em vídeo).

Esta conferência permitiu não só aferir os resultados obtidos no projecto Mu.SA, como promover uma discussão mais alargada envolvendo especialistas externos, e favorecer o debate sobre temáticas interdependentes, como ficou patente em edições anteriores: Re-designing Museums. Digital Skills for Change and Innovation (Roma, 13 Jul. 2017) e Digital Challenges for Museum Experts (Atenas, 25 Nov. 2016).

Parceiros do projecto Mu.SA, Universidade do Porto, 2018

[1] O projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus + (Sector Skills Alliance) e tem por base um consórcio de 12 parceiros de quatro países europeus (Bélgica, Grécia, Itália e Portugal), sendo coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). Tem por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC (Massive Open Online Courses) e de um curso de especialização (ambos em fase de concepção). http://www.project-musa.eu.

Curso online e gratuito “Essential Digital Skills for Museum Professionals”: inscrições abertas

“Essential Digital Skills for Museum Professionals” é um “Massive Online Open Course” (MOOC) dirigido a profissionais de museus, estudantes, voluntários e desempregados, que desejam trabalhar no sector dos museus. O objectivo do curso é potenciar as competências digitais dos participantes e possibilitar a sua aplicação no seu trabalho diário. É online e gratuito.

As inscrições estão abertas até 30 de Setembro aqui: https://tinyurl.com/yacvttjh

Este curso é uma iniciativa do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019), que tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia). 575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA. www.project-musa.eu

Mais informações sobre o curso “Essential Digital Skills for Museum Professionals” no site do ICOM Portugal: https://bit.ly/2LuQsgq

Museu do futuro: competências digitais para a mudança e inovação em Itália

Silvaggi, Antonia, Frederica Pesce, e Romina Surace, eds. 2018. Museum of the Future: Digital Skills for Change and Innovation in Italy. Roma: Melting Pro, Mu.SA – Museum Sector Alliance. 65 páginas. ISBN: 978-88-942976-1-4, online.

Trata-se de relatório sobre a realidade museológica italiana em relação às competências digitais produzido no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (http://www.project-musa.eu), a partir das entrevistas e do focus group realizados em Itália. Com base nos resultados do mapeamento em Itália (2016-2017), o relatório organiza-se em quatro temáticas principais: 1) Widespread of digital culture; 2) Community; 3) Professions and digital skills; 4) Accessibility and security.

O projecto Mu.SA (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA
www.project-musa.eu

****

Table of contents

09| Premises

11| The context of reference

19 | The results of the Mu.SA research: the experts speak

20 | 1. Digital culture

26 | 2. Community

32 | 3. Digital professions and skills

46 | 4. Accessibility and security

53 | Postscript by Giovanna Barni

57 | List of contributions to the research

61 | Bibliography and webliography

 

Profissionais de museus na era digital

Antonia Silvaggi e Frederica Pesce, eds. 2017. Museum Professionals in the Digital Era: Agents of Change and Innovation. Edição Mu.Sa − Museum Sector Alliance, 140 páginas, online (versão completa)

Como é que os museus têm respondido aos desafios das tecnologias e do mundo digital? Que competências digitais são necessárias para capacitar os profissionais no processo de transformação digital dos museus? Que novos perfis de trabalho se identificam nesta área? Estas foram algumas das questões colocadas a 81 especialistas (Grécia, Itália e Portugal) durante a primeira fase do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), que decorreu entre Dezembro de 2016 e Março de 2017. Esta publicação apresenta os primeiros resultados da investigação desenvolvida. O projecto Mu.Sa (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

Disponível em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2017/03/MuSA-Museum-professionals-in-the-digital-era-full-version.pdf

Conferência internacional sobre competências digitais para o sector cultural

No próximo dia 18 de Abril, vai decorrer, no Anfiteatro Nobre da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, o Encontro Internacional +Digital Future: Competences for the Cultural Sector, no âmbito to Projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) no qual o ICOM Portugal é um dos parceiros portugueses juntamente com a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias.

A transformação digital afecta, como nunca, as instituições culturais e os museus, em particular. Diante desta mudança em larga escala, os museus procuram discutir e reflectir de forma profunda e interdisciplinar, a forma de adaptação a esta nova realidade que lhes permita uma evolução mantendo o seu papel fundamental no desenvolvimento, sustentabilidade e qualidade de vida que procuramos para a sociedade contemporânea. Neste sentido, pretende-se que a discussão neste encontro se centre nas competências exigidas ao museu, e aos seus profissionais, para realizar com sucesso essa adaptação e evolução.

O projecto Mu.SA procura identificar as competências digitais e debelar a sua ausência nos museus, dando aos seus profissionais um conjunto de instrumentos, na forma de cursos online, formação especializada e em contexto de trabalho, que lhes permitam adquirir tais competências e prestar, no contexto digital, melhores serviços aos públicos destas instituições. Para discutir a forma de criação destas ferramentas, as metodologias a seguir e os modelos que permitirão a aquisição de competências digitais e transferíveis, os parceiros do projecto Mu.SA têm procurado ouvir a comunidade científica e profissional ligada aos museus, com o objectivo de responder assertivamente às necessidades do sector.

Este encontro conta com a presença de Conxa Rodà (Museu Nacional d’Art de Catalunya), Ana Álvarez Lacambra (Museo Thyssen-Bornemisza), Francisco Barbedo (Directorate General of Book, Archives and Libraries – DGLAB, Portugal), Luís Sebastian (Museu de Lamego), Panagiota Polymeropoulou (Hellenic Open University, Grécia) e Ricardo Queirós (Instituto Politécnico do Porto) que contribuirão para uma visão ampla sobre o actual momento na área da cultura digital a nível nacional e internacional.

O encontro é organizado pela Universidade do Porto (Departamento de Ciências e Técnicas do Património) da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, no âmbito das actividades do projecto Mu.Sa. A realização deste evento enquadra-se ainda na programação do Ano Europeu do Património Cultural (Património: Onde o Passado Encontra o Futuro) e na comemoração do Dia Internacional dos Sítios e Monumentos (Património para as Gerações).

A entrada é livre, mas é necessário inscrição (até 15 de Abril de 2018).

Encontra mais informações no website oficial do Encontro: https://digitalfuturemusa.wixsite.com/digitalfuturemusa

Que desafios para a integração das tecnologias e do mundo digital nos museus?

Alexandre Matos é especialista na área da documentação de colecções. Doutorou-se em Museologia com a tese SPECTRUM: Uma Norma de Gestão de Colecções Para os Museus Portugueses (2012). Na empresa Sistemas do Futuro coordena o departamento de formação e investigação, e é professor afiliado na Universidade do Porto. Faz parte da direcção do CIDOC (Comité Internacional do Conselho Internacional de Museus para a Documentação). A entrevista toma como fio condutor os desafios da aplicação das tecnologias e do mundo digital nos museus. Abandonado que está o debate que opõe meio físico vs meio digital, que desafios e oportunidades são hoje centrais para os museus? Da ausência de uma política e estratégia museológica a nível nacional comprometida com estas matérias, ao papel das tutelas, das lideranças, das estratégias de comunicação, à obsolescência tecnológica, à actualização de competências digitais e à necessidade formação… os tópicos em análise são múltiplos e transversais para a actividade dos museus.

Ana Carvalho (AC) − Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Como é que observas a relação dos museus com as novas tecnologias? Que diagnóstico podes traçar?

Alexandre Matos (AM) − Vivemos numa época de transformação em diversos sentidos, com impactos ainda pouco estudados, em diferentes áreas. E, como reflexo, sentimos essa transformação nos museus enquanto instituições. Na relação dos museus com as tecnologias (já não as chamaria de novas) consigo ver um lado extremamente positivo e um lado também muito negativo que é o da exclusão e da impreparação das instituições para esta realidade.
Pela positiva verifico com agrado a quantidade impressionante de bons projectos que aliam o que melhor existe nos museus com as tecnologias mais recentes, colocando à disposição dos públicos uma quantidade enorme de recursos para fins educativos, de investigação, de entretenimento, entre outros. Há alguns casos que poderia apontar como exemplo, mas acho que todos estão um pouco atrás do que já é disponibilizado pelo Cooper Hewitt, em Nova Iorque. Bem sei que é um museu da Smithsonian e tem recursos para o fazer. Mas se consultarem o website do museu, explorarem as colecções ou se o visitarem, e acederem à nova experiência desenhada pela equipa do museu – integrando as tecnologias sem as tornar o foco da visita, mantendo em primeiro lugar as colecções – perceberão que poucos museus nos dão a informação tão bem tratada e organizada.

Pela negativa destaco, antes de mais, a falta de estratégia para o universo digital. É comum ouvirmos que as tecnologias são algo que, mais cedo ou mais tarde, têm que ser tidas em conta nos diversos sectores dos museus. Mas avaliando o caso dos museus em Portugal, que conheço melhor, são poucos os que definem uma estratégia para a área digital, e depois agem de acordo com o que planeiam a curto ou médio prazo. Não quero com isto dizer que as tecnologias sejam um fim, antes pelo contrário, são um instrumento para cumprir a missão dos museus, mas sem estratégia definida andamos constantemente a navegar à vista, sem objectivos claros, sem propósito.

Um outro aspecto negativo, que não tem directamente relação com as tecnologias, mas está a montante, é o que observo sobre a falta de formação existente na área da cultura digital de grande parte dos profissionais de museus e do escasso tratamento que o digital tem nos cursos de formação na área. Esta falta de formação, combinada com os escassos recursos humanos nos museus, nomeadamente os municipais, é a tempestade perfeita para desperdiçarmos a oportunidade para utilizar as tecnologias em benefício dos museus, das colecções e, acima de tudo, dos visitantes.

AC − Tem havido algum investimento na gestão de colecções, nomeadamente a criação de catálogos digitais. Como tem sido esta evolução e que passos são necessários dar ainda?

AM − O investimento em gestão de colecções que tem existido ao longo das últimas décadas é, na minha opinião, manifestamente escasso para as necessidades que existem nesta área. A determinada altura, durante o período do anterior quadro de financiamento europeu e no âmbito do POC (Programa Operacional da Cultura), tivemos um conjunto de iniciativas nesta área com resultados significativos. Está, aliás, por fazer um estudo mais aprofundado sobre o impacto do POC nesta matéria e noutras. No entanto, segundo o que observamos nos dados mais recentes sobre a digitalização do património cultural e o que vou constatando nos diversos museus que visito a nível profissional, há um enorme “oceano” de objectos, de colecções, que estão nas sombras, sem registos acessíveis, sem estudo, sem informação básica recolhida, porque a maioria dos museus mantém as portas abertas com um esforço sobre-humano e não tem a capacidade de manter uma equipa dedicada ao registo, estudo, catalogação e divulgação das colecções. É este, provavelmente, o maior entrave face às potencialidades que as tecnologias permitem actualmente. Mas poderia elencar outros factores de bloqueio, como a ausência da normalização dos conteúdos, o desconhecimento das normas, a preocupação constante com ferramentas em vez de uma preocupação em solidificar conceitos a médio e longo prazo, a ausência de planificação, já para não falar da estratégia ou da partilha de recursos e resultados.

Se nos centrarmos nos catálogos digitais existentes, veremos que reflectem um esforço dos museus num determinado momento. Mas quantos desses catálogos têm tido actualizações de conteúdos e de tecnologia? Há, para além do exemplo que citei na anterior questão, inúmeras soluções tecnológicas interessantes, com custos de implementação não muito elevados, mas a sensação que tenho é que as tutelas (uma parte delas pelo menos) pensam na publicação de um catálogo digital da mesma forma que pensavam num em papel. Ou seja, publica-se num website e está resolvido o problema – e já somos digitais! A publicação de um instrumento desta natureza implica um compromisso com os públicos online dos museus que deve ser entendido pelos que têm a responsabilidade de gerir os museus.

Julgo que um dos primeiros passos a dar sobre os catálogos digitais seria fazer um estudo mais profundo sobre o ponto de situação actual em Portugal, incluindo a participação dos museus portugueses na Europeana ou em projectos como a Wikipedia ou a Wikimedia, por exemplo. Seria interessante recolher essa informação e propor passos a seguir com base em informação mais sólida.

AC − Existem vários projectos a decorrer em museus nacionais portugueses, nomeadamente com o Google Art. Que desafios estão implícitos e qual pode ser o impacto destes projectos?

AM − O Google Art, ao contrário do que acontece com a Europeana, é um serviço prestado pela Google que tem méritos e benefícios para os museus e colecções em termos de visibilidade, no entanto, julgo que os museus deverão percorrer o seu caminho preparando-se previamente para este tipo de parcerias e definindo por si próprios as plataformas onde pretendem estar. Para dar um exemplo, que nos foi mostrado por Merete Sanderhoff (Danish National Gallery) na última conferência anual da Acesso Cultura, há imagens de objectos das colecções nacionais disponíveis com marca de água nos catálogos digitais dos museus da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) que estão disponíveis em alta resolução e sem qualquer restrição no Google Art. Não parece um contra-senso? Em todo o caso, soubemos também na mesma altura, pela voz de David Santos que essa situação estava identificada e seria em breve modificada. Sabendo que a relação com marcas de grande impacto como a Google, a Microsoft ou a Apple é sempre tentadora (e pode ser muito proveitosa se bem pensada pelos museus), julgo que os museus, nomeadamente os nacionais, terão que pensar previamente a sua relação com o mundo digital.

Se pensarmos em casos de sucesso a nível internacional, sabemos que isso não acontece do dia para a noite! Não acordamos a pensar que seria bom ter uma digitalização de todas as colecções dos museus portugueses e no dia seguinte acordamos com tudo digitalizado e publicado na Internet. Desde o momento em que se define uma política de colecções que contemple uma estratégia digital e um plano de documentação, e digitalização, até ao momento da sua concretização podem decorrer anos, aliás, decorrem vários anos. Num trabalho que não é visível e é extenuante em termos de recursos humanos, técnicos e financeiros e que não tem, maioritariamente o suporte institucional que merece. Recomendo a leitura do artigo de David Santos «O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online: o Caso do Rijksmuseum» (2016) ou, de forma mais aprofundada, o caso de estudo «Democratising the Rijksmuseum» de Joris Pekel da Europeana Foundation. Aí temos a noção do trabalho efectuado durante o período em que este museu esteve fechado para poder agora apresentar estes resultados no seu catálogo digital.

Respondendo de forma mais directa à parte final da pergunta, diria que os maiores desafios, são pensar onde queremos estar daqui a 10 ou 20 anos e definir uma política de colecções e uma estratégia digital que nos possam levar a esse ponto.

AC − Os museus, assim como outras organizações de serviço público, terão de se actualizar para melhor responder a cidadãos mais proficientes no mundo digital, em termos da adequação de meios (tecnológicos, humanos e financeiros). No caso da política museológica nacional, até que ponto estão incorporadas estas preocupações?

AM − Respondo de forma provocatória: a que política museológica nacional te referes? Onde é que ela está nos últimos tempos? Eu sou da geração de profissionais de museus que começou a trabalhar nos anos 1990, ainda esta área digital era uma miragem em Portugal, mas que viveu com entusiasmo a criação de instrumentos como a Rede Portuguesa de Museus (RPM) e a aprovação de uma Lei-Quadro de Museus Portugueses (2004) que, em muitos pontos, foi inovadora. Vivi a criação do Instituto Português de Museus e confesso que na altura imaginei que teríamos os instrumentos, do ponto de vista formal, para colocar os museus no lugar onde deviam estar – como lugares de referência para o debate, educação e inovação. Mas, ao contrário do que pensava na altura, hoje temos uma DGPC que cuida de uma diversidade enorme de assuntos com menos meios, uma RPM que é um departamento dessa Direcção-Geral, numa visão absolutamente centralizadora sobre os museus e a museologia nacional, e uma Lei-Quadro que é muito facilmente esquecida pelo poder político (às diversas escalas) que faz o que bem entende no que diz respeito à criação ou apoio a museus das mais variadas tutelas. Se voltámos atrás em todas estas matérias, como podemos pensar o futuro e a integração de recursos tecnológicos, humanos e financeiros que possam lidar com as expectativas dos nossos públicos relativamente ao que é digital? É complicado. Ainda mantemos, em grande medida, os mesmos programas de formação na oferta da RPM, por exemplo. Os profissionais de museus são confrontados com estes desafios, mas não têm os instrumentos que os ajudem a enfrentar as novas questões e áreas.

Eu espero que a breve trecho haja uma tomada de consciência relativamente à política museológica nacional e que o governo, as diferentes tutelas e os diversos responsáveis do sector se sintam pressionados a dar atenção aos problemas que sentimos desde que se instalou este “esquecimento”! Também sei que o ICOM Portugal tem tomado posição e alertado para algumas situações que mencionei, mas julgo que nos cabe a todos, enquanto profissionais, ou melhor, enquanto cidadãos, pensar o que pretendemos para os museus e agir em conformidade, exigindo aos responsáveis políticos os recursos necessários para um desenvolvimento sustentável e consolidado dos museus portugueses.

Se consolidarmos estes recursos será mais simples pensar, em termos nacionais, em incorporar na política museológica nacional os instrumentos que permitirão aos museus dar uma resposta cabal aos desafios do mundo digital. Seria mais simples, por exemplo, pensar numa efectiva partilha de recursos técnicos e humanos pelos museus que integram a RPM para a digitalização das colecções, seria mais fácil desenhar programas de formação informados sobre os objectivos definidos, permitiria o desenho de projectos com um portal de pesquisa global para as colecções, arquivos e bibliotecas de museus, entre outros exemplos. No entanto, julgo que teremos que esperar mais algum tempo para merecer a atenção de quem decide!

AC − Para além da limitação de recursos que outros desafios enfrentam os museus portugueses na aplicação das tecnologias?

AM − Eu identifico à partida dois grandes desafios que estão interconectados: a análise das tendências e da obsolescência tecnológicas. Uma e outras estão interligadas e são muito importantes na análise que os especialistas precisam de fazer antes de adoptar determinada tecnologia. Vou tentar explicar com exemplos mais práticos. Imaginemos que optamos por incluir, em determinada exposição, uma mesa digital que nos permite, através de um software específico, interagir com determinados conteúdos relacionados com uma exposição. Este hardware, e muitas vezes o software, tem um período de vida curto, fruto das constantes actualizações dos sistemas operativos que os suportam, ou da inexistência de peças compatíveis para substituir alguma usada, entre outras situações. O software também necessita de actualizações e de correcções ao longo dos anos. Um e outro podem ter custos de operação elevados e uma manutenção tão específica que se torna incomportável para os museus em Portugal (imagino que muitos já terão visto exposições em que este tipo de hardware estava desligado, não?). No entanto, não vejo a preocupação com este tipo de situações reflectida em muitos dos cadernos de encargos que vou consultando.

Aliás, como a tecnologia é ubíqua, estes desafios das tendências e da obsolescência tecnológica aplicam-se a qualquer área relevante para o trabalho nos museus. Na documentação, por exemplo, sendo a área que mais domino, percebemos há muitos anos atrás que a melhor forma de combater o entusiasmo por uma nova tendência ou o perigo de falência de um sistema de informação por estar completamente ultrapassado, é através da “arma” da normalização. Ou seja, normalizamos processos, estruturas de informação, procedimentos, terminologia, recursos técnicos, etc., tendo em mente que dessa forma podemos mudar para um novo sistema de informação, substituindo um que se tornará obsoleto a breve prazo, sem correr um risco demasiado elevado.

Julgo que o mesmo poderá acontecer, certamente com outras “armas”, nas áreas da conservação, educação e divulgação nos museus. As ferramentas que utilizam devem considerar o carácter permanente deste tipo de organizações, sem deixar de considerar que os museus são, ou devem ser, lugares de discussão permanente com uma função social cada vez mais relevante, que criam produtos (visitas, exposições, metodologias de conservação, entre outros) que não devem ficar reféns de determinada tecnologia.

A partir daqui poderíamos falar em LOD (Linked Open Data) ou acesso aberto, por exemplo, como outros desafios importantes que os museus têm pela frente. Mas isso daria um dia inteiro de conversa…

AC − Meio físico vs meio digital? Parte-se do princípio que um não exclui o outro… Como se alcança esse equilíbrio?

AM − Alcança-se o equilíbrio sem perder muito tempo com a discussão sobre uma suposta aniquilação do primeiro pelo segundo que é, desde os primeiros temores sobre os museus virtuais, completamente vazia. Por muito que os desenvolvimentos tecnológicos possam alterar a nossa vida de forma significativa, como o têm feito nas últimas décadas, não me parece que os museus vejam o seu fim com a digitalização dos seus espaços e das suas colecções. É uma falácia. Aliás, sobre esta matéria e de uma forma mais geral, relacionada com o futuro da Humanidade, vários autores afirmam que é a cultura, as artes, a literatura, a filosofia, a linguística, ou seja, áreas com lugar privilegiado nos museus que nos permitirão contrabalançar a omnipresença das tecnologias nas nossas vidas. Ainda recentemente ouvi o cientista António Damásio e outros especialistas falar sobre este ponto no documentário 2077 – 10 Segundos para o Futuro, produzido de forma brilhante pela RTP.

No entanto, devemos ter o cuidado de desmistificar esta relação entre o meio físico e o meio virtual com alguns dados científicos que nos mostram a interligação entre o aumento das visitas físicas aos museus e a disponibilização da informação sobre as colecções e o museu online de determinados museus. E poderíamos levantar aqui algumas outras vantagens do virtual sobre o físico. Em termos de educação e acesso, em termos de segurança, com a criação de sistemas de informação sobre património cultural em risco e/ou roubado, ou ainda, no que diz respeito às indústrias criativas e à utilização das colecções como ponto de partida para novas criações e produtos. Há inúmeras situações onde essa vantagem é observável facilmente. Eu costumo dizer que não podemos ter todos uma primeira edição dos Lusíadas, uma carta escrita pela mão do Fernando Pessoa, uma pintura do Amadeo de Souza-Cardoso, mas se pudermos ter no ecrã uma boa digitalização dessas obras que permita a sua apreciação, que nos provoque a necessidade de ver o original, que nos emocione, teremos, como o código postal, meio caminho andado, não é? Eu vi pela primeira vez a informação sobre as exposições que a Gulbenkian e o Museu Nacional Soares dos Reis organizaram (em Lisboa e agora no Porto) sobre o Almada Negreiros na Internet, mas não deixei de ir a ambas e devo dizer que ganhei muito com isso.

AC − Repensar os museus na sua relação com o mundo digital pressupõe também lideranças mais informadas e capacitadas de modo a integrar a transformação digital na missão e estratégia de cada museu. Como observas esta questão? Que passos podem ser dados?

AM − Esta é uma questão para nós que trabalhamos em museus, num museu, e que a determinada altura assumimos ou pensamos em assumir cargos que impliquem pensar e decidir o futuro. Em Portugal, fruto do esvaziamento que observamos, das competências dos cargos de direcção dos museus, ou mesmo com a extinção desses cargos, colocamos este tipo de decisões nas mãos de pessoas que poderão não ter as competências para o fazer. Um vereador da cultura, numa das centenas de câmaras municipais do país, não terá a capacidade, que um museólogo ou um conservador de museu tem, para reflectir sobre o papel que o museu deve ocupar em determinada comunidade ou território. No entanto, se reflectirmos sobre a situação ideal é necessário que quem desenha as políticas e quem as executa, tenha sempre em consideração o tempo em que vive. Se não o fizer, corre o risco de criar um museu que serve apenas uma franja muito curta de públicos, ideia que espero estar ultrapassada. Quero com isto dizer que, por mais resistências que existam – e ainda existem algumas – com o mundo digital, no museu actual a sua inclusão é uma necessidade. Não integrar essa transformação digital na missão e estratégia dos museus é descurar todos os aspectos em que as tecnologias trazem vantagens e, acima de tudo, é deixar de parte uma geração que utiliza as tecnologias diariamente para quase todas as actividades. Desde o turismo, à indústria, passando pelo comércio, pelos serviços, em qualquer escala que possamos imaginar, as tecnologias são um dado adquirido. É assim que julgo que os líderes nos museus devem contemplar a sua inclusão.

Não podemos esperar que todas as pessoas tenham o mesmo tipo de conhecimentos nesta área que lhes permita reflectir sobre esta área de uma forma global, mas há especialistas no mercado, há empresas que trabalham especificamente neste sector, há alguma formação genérica nesta área (infelizmente quase toda fora do país) que podem ajudar os museus a lidar com esta matéria. Um outro caminho a explorar seria incluir esta questão nas competências de uma RPM refundada e mais participativa, transpondo para Portugal o que a American Alliance of Museums e o Arts Council (UK) têm feito.

AC − Um dos argumentos que sustenta a necessidade dos museus abraçarem as tecnologias é a oportunidade de conquistar os públicos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano utilizam já novas formas de aceder à informação. Mas não há também o risco de um museu demasiado tecnológico excluir outros públicos que não são porventura seduzidos pelo aparato tecnológico?

AM − Esse é o equilíbrio que se mencionava atrás e que é fundamental perceber. Como disse, não se trata de uma aniquilação de um lado pelo outro, mas sim uma integração ponderada e não invasiva das tecnologias. Há formas de o fazer e há museus, como é o caso do Cooper Hewitt, que referi anteriormente, que o conseguiram com enorme sucesso. O desenho daquilo a que o museu chamou New Experience é um processo que deveria ser observado por muitos museus, e digo observado e não copiado, para que cada um fosse capaz de pensar nas melhores soluções de integração tecnológica em benefício dos seus públicos e das suas colecções. Um erro comum nestes processos é pensar que uma solução serve para qualquer circunstância e copiar algo que teve sucesso num outro local, para o nosso contexto, no entanto, as circunstâncias num e noutro lado raramente são as mesmas e os alicerces sólidos que sustentaram o sucesso noutro lado, podem não existir quando o importamos.
Aqui o conhecimento sobre os públicos dos museus e o conhecimento sobre as colecções são fundamentais para a escolha do aparato tecnológico que permite a mediação entre ambos. Esquecer um dos lados da equação museu-público-colecção é entregar a estratégia digital do museu ao acaso, ou seja, é o mesmo que não ter um rumo e objectivos definidos.

AC − A necessidade de qualificar ou actualizar os profissionais de museus no domínio das competências digitais é um outro desafio. O que pode ser feito?

AM − O que pode e está a ser feito nesta matéria é criar novas formas de aquisição destas competências pelos profissionais dos museus. O ICOM Portugal tem, aliás, nesta matéria, como noutras, um papel activo com a participação no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019) [575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA], que tem como objectivo identificar um conjunto de perfis de trabalho nos museus e criar produtos de formação, na forma de MOOC (Massive Open Online Courses), seguido de um curso de especialização, que procurarão dotar os profissionais com as competências digitais necessárias para enfrentar estes desafios. É um projecto que estou a gerir, em representação do ICOM Portugal, no qual está também envolvida a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias, que espero possa vir a marcar a diferença no contexto da formação em Portugal para o sector dos museus.

Um outro aspecto fundamental, na minha opinião, é uma maior aproximação entre os museus e as universidades para debater as necessidades dos primeiros não cobertas pela oferta das segundas. Mantemos, em muitos casos, cursos de formação na área da museologia sem grandes alterações durante anos, sem qualquer preocupação com as questões levantadas pela cultura digital, inovação e tecnologia. Alteramos quase toda a oferta formativa para cursos de pós-graduação, mestrado e doutoramento, esquecendo que uma parte significativa do trabalho nos museus é relacionada com a prática. Ou seja, precisamos de formação que ensine como limpar um objecto, a documentar uma colecção, a produzir uma exposição, a receber visitantes, a mediar o conteúdo com os públicos, entre muitos outros aspectos práticos. As anteriores pós-graduações de dois anos permitiam esse tipo de ensino mais prático que julgo ser cada vez mais necessário.

Este tipo de formação poderia também lidar com algumas competências digitais de carácter mais técnico que são fundamentais para a integração das tecnologias nos museus. Em Portugal, na área da documentação, digitalização e gestão das colecções há uma escassez enorme de recursos com as competências apropriadas para desempenhar as tarefas aí exigidas, não só pela ausência da formação, mas também porque grande parte das tutelas ainda não percebeu a mais-valia que esse trabalho de bastidores pode representar para os museus em particular e, indirectamente, para outros sectores como o turismo, por exemplo. Talvez este espaço volte a ser ocupado pelas universidades – não sei, mas sei que é o único caminho para que os profissionais, actuais e futuros, possam adquirir as competências necessárias. Neste caso, a formação em contexto de trabalho, que funciona/funcionou durante muito tempo nos museus (uma nota aqui para alertar para o perigo que os museus estão a enfrentar com a quebra deste tipo de formação), com a transmissão do conhecimento dos mais velhos para os mais novos em muitas áreas, não tem como ser efectiva, porque as gerações anteriores não têm, na sua maioria, o conjunto de competências agora necessárias.

AC − Que mudanças são expectáveis para os museus nos próximos anos com relação às tecnologias?

AM − As mudanças que iremos ter que enfrentar prendem-se com diversos tipos de tecnologias. No que diz respeito aos sistemas de informação de museus teremos que enfrentar questões relacionadas com a web semântica, com a definição de melhores normas documentais, com a alteração de modelos sustentados por bases de dados relacionais, para modelos em bases de dados documentais, ou em termos mais técnicos, bases de dados No-SQL e com as novidades tecnológicas trazidas pelo próprio desenvolvimento da Internet, dos sistemas operativos e das linguagens de programação. Mas há outras áreas, como a divulgação, por exemplo, que terão de lidar com um aumento considerável de tecnologias na área da realidade virtual, por exemplo, ou com a entrada da robótica em conjunto com sistemas (ainda muito básicos) de inteligência artificial que terão no sector cultural um meio privilegiado de experimentação e desenvolvimento. Neste sentido, também a indústria dos jogos e do entretenimento terá uma relação cada vez mais próxima com os museus e com o património cultural em geral, mas aí seremos nós os fornecedores e eles os consumidores de conteúdos e de histórias que possam diferenciar os produtos que criam.

De forma mais genérica julgo que o sector dos museus sofrerá em todo o mundo uma mudança significativa na próxima década. Em muitos casos, vemos que os museus estão a abraçar essa onda de mudança, nomeadamente os museus com mais recursos, criando as bases para uma integração com o universo digital numa posição de liderança. Mas julgo que essa mudança terá velocidades distintas, sofrerá inevitavelmente recuos que permitirão alguns avanços posteriormente, mas o universo digital ocupará a breve prazo um lugar significativo, mas não intrusivo, nos museus.

Eu confesso-me curioso pelo futuro, pouco dado a saudosismos, mas atento à qualidade da transformação, para não retrocedermos nas questões realmente importantes. Penso que as tecnologias ajudarão a criar museus mais abertos e com maior significado para os públicos. Se assim for, estaremos no bom caminho!

Referências

Santos, David. 2016. “O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online − o Caso do Rijksmuseum.” RP − Revista Património 4: 51-55.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 11.º número do Boletim do ICOM Portugal (“Entrevista com Alexandre Matos.” (conduzida por Ana Carvalho) Boletim ICOM Portugal, série III (Fev. 2018.): 22-36.

A musealização da arte contemporânea como proposta de reflexão

Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea (2017), da autoria de Elisa Noronha, vem engrossar as publicações de divulgação científica no campo dos estudos de museus e da museologia. Foi publicado na colecção “Teses Universitárias” (n.º 7) e resulta de uma parceria editorial entre o CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Universidade do Porto e as Edições Afrontamento. Trata-se da edição da tese de doutoramento da autora, que foi apresentada em 2013 à Universidade do Porto (cf. https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/5502), e à qual foi atribuído o prémio “2013 Teses CITCEM” que lhe permitiu a publicação; o lançamento aconteceu a 19 de Setembro de 2017 na Universidade do Porto, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

O livro foca os museus de arte contemporânea e a Museologia, abordando as seguintes questões: que museus? Como se reinventam? Como contextualizam os discursos e as práticas que os identificam? Que novos discursos são criados, que novas maneiras de coleccionar, de expor, de conservar, de mediar são desenvolvidas? São analisados em particular três casos: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (Lisboa), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (Brasil).

Elisa Noronha é doutora em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil) e bacharel em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil). Professora Afiliada da Universidade do Porto, colaborando na realização das actividades de ensino e investigação dos cursos de Museologia (mestrado e doutoramento) da Universidade do Porto. Investigadora do Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM). Tem desenvolvido e participado em projectos/acções de natureza científica, cultural e artística, como a organização de ciclos de estudos, ciclos de palestras, seminários, publicações e exposições. O seus interesses de investigação estão relacionados com a intersecção entre a Museologia e os Estudos Artísticos (Artes Visuais), assumindo como ponto de confluência os museus e os centros de arte contemporânea nas suas diversas dimensões (coleções, exposições, espaços, público, outros agentes), e a própria arte contemporânea como uma forma profundamente importante de pensamento e de provocação ao pensamento.

****

ÍNDICE

Introdução | 17

1. Contextos e Questões | 19

1.1. Do que se fala quando se fala em musealização | 38
1.1.1. Fala-se de um processo cultural produtor de significados partilhados, o que diz respeito a sensibilidades e desejos presentes | 38
1.1.2. Fala-se de contexto museológico e dos efeitos e registos que o particulariza e o especifica | 45
1.1.3. Fala-se de discursos e reflexividade, de envolvimento crítico e agência | 52

1.2. Um percurso pelo pensamento crítico museológico | 59
1.2.1. Sobre a emancipação da Museologia | 60
1.2.2. Sobre as quatro correntes de pensamento crítico museológico  | 65

1.3. Estratégias e Desafios Metodológicos | 75

PARTE I
2. Museus de arte contemporânea: uma proposta de abordagem | 85

2.1. Esfera I: Museu de arte contemporânea: modelos paradigmáticos ou casos inspiradores | 85
2.1.1. Musée des Artistes Vivants | 87
2.1.2. Museum of Modern Art | 92

2.2. Esfera II: Museu de arte contemporânea em suspensão | 100

2.3. Esfera III: Diálogos entre o museu e o artista | 104

PARTE II
3. Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea | 111
3.1. Contextualizações | 111
3.2. Processos | 127

4. Museu de Arte Contemporânea de Serralves | 163
4.1. Contextualizações | 163
4.2. Processos | 177

5. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo | 203
5.1. Contextualizações | 203
5.2. Processos | 223

Considerações finais | 243

Referências bibliográficas | 251
Créditos das imagens | 271

****

O livro está à venda nas livrarias comerciais (ex. Fnac, Bertrand, Bulhosa, Almedina, Wook, etc.)

Seminário: Que desafios digitais para os Museus?

No próximo dia 11 de Dezembro de 2017 (segunda-feira) realiza-se o seminário: “Desafios Digitais para os Museus: Perfis profissionais, Tarefas, Competências e Formação”. Pretende-se discutir a realidade sentida pelos participantes (academia, profissionais de museus e de outras instituições culturais) no que diz respeito às novas competências que a cultura digital exige e à formação que mais se ajustaria para capacitação dos profissionais.

O Seminário é organizado pela Universidade do Porto e pelo ICOM Portugal no âmbito do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance do qual são parceiros.

O projeto Mu.SA (Museum Sector Alliance) é um projeto Europeu, financiado pelo programa Erasmus + e tem como objetivo criar ferramentas de formação (à distância e presenciais) para dotar os profissionais de museus com as competências necessárias para enfrentar os desafios que a tecnologia digital trouxe para as instituições culturais.

O programa inclui a apresentação do projecto Mu.Sa, alguns casos práticos de experiências portuguesas e a mesa-redonda: Que formação e conteúdos para a Cultura Digital?

O seminário decorre na Sala de Reuniões da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, das 9h00 às 12h30. A entrada é livre, mas a participação está sujeita à capacidade do auditório. 

Mais informações em: http://icom-portugal.org

****

PROGRAMA

09:00 Recepção

O PROJETO MU.SA

09:15 – Desafios digitais para os museus. Os perfis profissionais emergentes, tarefas e competências, Paula Menino Homem

CASOS PRÁTICOS

09:45 – O Museu da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Luís Miguel Costa e Susana Medina

10:00 – O Museu Digital da Universidade do Porto, Maria Manuela Pinto

10:15 – Pporto dos Museus, Patrícia Remelgado

10:30 – 11:00 – PAUSA

MESA REDONDA

11:00 – 12:30 – Que formação e conteúdos para a Cultura Digital? Com António Ponte (Direcção Regional de Cultura do Norte), Armando Malheiro (Doutoramento em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais), Armando Sousa (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), Rudolfo Matos (UDigital/Tecnologias Educativas), Rui Rodrigues (Mestrado em Multimédia, Doutoramento em Media Digitais). Moderação: Alexandre Matos (ICOM Portugal) e Rui Centeno (Universidade do Porto).

 

Novo título da coleção “Estudos de Museus” é dedicado à acessibilidade e inclusão

 

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte é o sétimo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Patrícia Roque Martins apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2014 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

Será lançado no próximo dia 12 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Fernando António Baptista Pereira.

Na Europa do século XXI, a inclusão das pessoas com deficiência na sociedade constitui um dos assuntos da atualidade. Participação social, igualdade de oportunidades e ações anti-discriminação são as principais orientações que incorporam o discurso político para o desenvolvimento de ambientes sem barreiras. O modelo social da deficiência é o marco teórico que tem reconfigurado a perspetiva da deficiência e assinalado o impacto da sociedade e dos diversos agentes na qualidade de vida das pessoas com deficiência. Que função têm os museus no processo global da inclusão? Como podem os museus garantir o acesso físico, informativo e educativo? Que práticas em museus podem levar à transformação social?

Este livro explora a função dos museus na inclusão social das pessoas com deficiência, abordando vias possíveis de interação com estes públicos. São apresentados diferentes níveis de acesso que integram as circunstâncias implicadas no relacionamento entre museus e pessoas com deficiência. São dados a conhecer programas inclusivos desenvolvidos em museus com coleções de artes plásticas no contexto internacional, nomeadamente em Londres, Nova Iorque e São Paulo. São também assinaladas algumas iniciativas promovidas em Portugal.

A partir de três estudos de caso, desenvolvidos pela autora no Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador e Coleção Moderna com grupos de pessoas com deficiência intelectual, pessoas com deficiência visual e pessoas da comunidade Surda, é evidenciado o potencial dos museus e da arte para gerar novas compreensões da deficiência na sociedade. Os testemunhos pessoais das pessoas envolvidas evocam novas vias de aproximação entre as coleções dos museus de arte e as pessoas com deficiência, reconhecendo a sua capacidade para influir no desenvolvimento de novas identidades sociais.

Patrícia Roque Martins (n. 1979) é doutorada em Belas-Artes (2015), mestre em Museologia e Museografia (2008) e licenciada em História, variante de Historia da Arte pela Universidade de Lisboa (2001). Atualmente é investigadora do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde desenvolve o projeto de pós-doutoramento “A Representação da Deficiência na Coleções da DGPC: discurso, identidades e sentido de pertença”, com uma Bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com o acolhimento da Universidade do Porto e da Direção-Geral do Património Cultural. Colaborou com a Casa-Museu Anastácio Gonçalves e com o Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador na produção e concetualização de materiais educativos para pessoas com deficiência visual (2012). Foi membro fundador da Acesso Cultura (2013). Organizou o Encontro Internacional “A Representação da Deficiência em Museus, Imaginários e Identidades” (2017). Tem desenvolvido atividades de formação profissional sobre as acessibilidades e a deficiência para profissionais de museus e estudantes de museologia. Tem participado em conferências, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados seis volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas e Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

7 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: QUE RELAÇÕES E IMPACTOS

19 |CAPÍTULO 1 – A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: PARA UMA ABORDAGEM SOCIAL DA DIVERSIDADE
21| Perspetivas da deficiência/incapacidade no contexto internacional
34 | Deficiência ou incapacidade? Repensar o significado da deficiência
42 | Perspetivas da deficiência/incapacidade em Portugal                        
56 | A representação cultural da deficiência/incapacidade na sociedade

81 | CAPÍTULO 2 – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE SOB O SIGNO SOCIAL
83 | O museu pós-moderno: novas funções e perspetivas sociais da museologia
111 | Acessibilidades em museus
121 | Acessibilidade física
131 | Acessibilidade da informação
153 | Acessibilidade das atitudes
168 | “Programas de Acesso” para públicos com deficiência/incapacitados. Práticas internacionais
191 | Os museus e os acessos dos públicos com deficiência/incapacitados em Portugal

209 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO: ESTRATÉGIAS INCLUSIVAS APLICADAS NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN-COLEÇÃO FUNDADOR E COLEÇÃO MODERNA

211 | CAPÍTULO 1 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. “ESTOU A ADORAR A MINHA VIDA!”
213 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência intelectual. Proposta de um percurso e instrumentos multissensoriais de acesso
227 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com as pessoas com deficiência intelectual e seus resultados

261 | CAPÍTULO 2 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. “[IR AO MUSEU] FEZ-ME LEMBRAR QUANDO AINDA VIA…”
263 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência visual. Proposta de um percurso e recursos de acesso
280 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida
com pessoas com deficiência visual e seus resultados

307 | CAPÍTULO 3 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS SURDAS. “ACHAM QUE EU SOU DEFICIENTE?”
309 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e as pessoas da comunidade Surda. Proposta de um percurso mediado por uma pessoa Surda
                                                            317 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com pessoas Surdas e seus resultados

333 | CONCLUSÕES

344 | Notas
350 | Siglas
351 | Bibliografia
358 | Índice remissivo
366 | Agradecimentos

 

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Museus e Criatividade é tema do novo volume da colecção Estudos de Museus

Criatividade nos Museus

O livro Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, da autoria de Inês Ferreira, é o terceiro volume publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora na Universidade do Porto (orientação de Alice Semedo).

O lançamento é no dia 7 de Julho, pelas 18h30, no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto). A apresentação do livro ficará a cargo de Elvira Leite.

“O espaço entre o visitante e o objeto exposto num museu é, potencialmente, criativo; porém, esse potencial parece estar pouco explorado em muitos museus. Este livro discute a relevância da criatividade no contexto dos museus e analisa em detalhe a forma como está presente e pode ser potenciada no contexto específico do encontro entre o visitante e os objetos expostos.
A investigação que deu origem a este livro contribuiu para perceber melhor o processo criativo de encontro entre o visitante e os objetos expostos num museu e entender que estratégias e ferramentas podem ser usadas para potenciar a criatividade nesse encontro. Os resultados comprovam que museus de qualquer tipologia ou dimensão podem potenciar a criatividade no espaço entre o visitante e os objetos, nomeadamente através do recurso a elementos de mediação. A contextualização feita pode desafiar os museus a criarem políticas que facilitem a criatividade a nível transversal, enquanto sistema, ou projetos que a potenciem em áreas de atuação concretas. Este livro propõe assim uma contextualização teórica relevante para abrir caminho a práticas museológicas mais criativas e potenciadoras de criatividade.”

Inês Ferreira (Porto, 1969) é Doutorada em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Mestre em Museum and Gallery Management pela City University, Londres e licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolveu trabalho em diversos museus no Porto – Museu do Vinho do Porto, Galeria Municipal, Museu do Carro Elétrico, Museu Nacional de Soares dos Reis – nomeadamente na área do serviço educativo. É autora e coautora de diversos materiais de apoio ao visitante produzidos para o Museu Nacional de Soares dos Reis, Museu do Carro Elétrico e Museu de Lamego. Tem publicado e apresentado trabalhos de investigação com regularidade em congressos e seminários na área da cultura e da museologia, em Portugal e no estrangeiro. Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia em 2015 e é investigadora do Centro de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória»  da Universidade do Porto. É técnica superior da Câmara Municipal do Porto desde 2006, exercendo atualmente funções de adjunta da vereação.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Dois volumes foram já publicados este ano, o primeiro, da autoria de Joana Baião, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga (veja-se post anterior). O segundo volume, da autoria de Clara Frayão Camacho, tem por tema as redes de museus e a credenciação (veja-se post anterior). O comité editorial da colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas. Ainda para este ano está prevista a publicação de mais três volumes.

 

****

Índice 

7 | Introdução
13 | Posicionamento
15 | Do Problema ao Projeto de Investigação
43 | Enquadramento
45 | Conceitos e Contextos
78 | Ferramentas para Promover e Exercitar a Criatividade
101 | Criatividade no Museu
173 | Trabalho de Campo
175 | Estrutura e Metodologia
197 | Criatividade no Museu – Representações dos Profissionais
251 | Criatividade no Museu – Representações dos Visitantes
301 | Espaços Entre e Elementos de Mediação
343 | Conclusões
346 | Síntese e Sugestões para Trabalho Futuro
374 | Epílogo
380 | Notas
385 | Referências
399 | Índice Remissivo
407 | Agradecimentos

Call for papers: “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Museu de Ciência da Universidade de Coimbra #2013 © Ana Carvalho

Museu de Ciência da Universidade de Coimbra #2013 © Ana Carvalho

Nos próximos dias 28 e 29 de Novembro de 2013 realiza-se na Universidade do Porto um seminário dedicado aos museus universitários. A Universidade do Porto pretende reflectir e reformular o modelo actual dos seus museus e abre a discussão à comunidade profissional. Por isso tem um “call for papers” aberto a todos os interessados entre 16 a 29 de Outubro. Encontra mais informações em baixo e no blogue do evento: http://seminariomuseusuniversitarios.wordpress.com

****

“O FUTURO DOS MUSEUS UNIVERSITÁRIOS EM PERSPETIVA”

Há muito que se tem procurado um destino comum para os museus da Universidade do Porto e, embora algumas iniciativas pontuais trabalhem nesse sentido, a verdade é que pouco se tem avançado no estabelecimento de consenso sobre uma orientação estratégica futura para este conjunto de museus.

Procurando encorajar e participar na reflexão e no debate sobre possíveis modelos para a organização dos museus universitários do Porto, o Curso de Doutoramento e Mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto convida a comunidade académica e profissional na área da museologia e afins a participar no Seminário “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva” que se centrará nos seguintes temas:

1. o papel dos museus universitários e suas coleções como agentes no processo de construção, transmissão e difusão do conhecimento;

2. o enquadramento dos museus universitários no quotidiano e na realização da missão da instituição académica;

3. as grandes tendências e os modelos alternativos de gestão e financiamento dos museus universitários;

4. o museu universitário enquanto mediador entre os centros de produção científica e diferentes parceiros sociais.

As inscrições para submissão de propostas de participação com comunicação estarão abertas de 16 a 29 de outubro de 2013. Para mais informações relativas à chamada de participação consultem o seguinte link.

Local: Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, Porto, Portugal.
Datas: 28 e 29 de novembro de 2013

Organização:
Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal)
Departamento de Ciências e Técnicas do Património

Comissão científica:
Alexandre Matos
Alice Semedo
Elisa Noronha
Fortunato Carvalhido
Susana Medina
Rui Centeno

Comissão Organizadora:
Alexandre Matos
Alice Semedo
Elisa Noronha
Fortunato Carvalhido
Maria Manuela Restivo
Sandra Carneiro
Susana Medina
Rui Centeno

(Fonte: Blogue do seminário)

 

Ensaios e Práticas em Museologia 03

Ensaios e Práticas em Museologia

© Filipe Couto e Sandra Senra

Semedo, Alice, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, e Sandra Senra, ed. 2013. Ensaios e Práticas em Museologia. Vol. 3. Porto: Universidade do Porto/Faculdade de Letras/Departamento de Ciências e Técnicas do Património. 159 páginas, ISBN: 978-972-8932-82-4. URL: ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/11607.pdf.

Dando continuidade a uma linha editorial iniciada em 2011, acaba de publicar-se o terceiro número de “Ensaios e Práticas em Museologia”, uma edição da Universidade do Porto. Trata-se de uma colectânea de 10 artigos de alunos de mestrado desta universidade. Os temas são os mais diversos, espelhando também os olhares múltiplos que a museologia pode convocar. Esta publicação não só consolida o percurso de formação em museologia iniciado no Porto, como promove a capacitação dos alunos através da divulgação dos seus estudos e sua iniciação em formatos ditos científicos. Os alunos não só participaram com artigos, como também a alguns deles se deve o arranjo gráfico e a co-edição.

Os três números estão disponíveis para descarregar livremente aqui: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id03id1356&sum=sim

****

Conteúdos:

Apresentação
Alice Semedo, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, Sandra Senra

Novos desafios, novas conquistas: renovação do Serviço Educativo do Museu Marítimo de Ílhavo
Ana Nunes

Gestão e qualidade em museus
Daniela Ferreira

O Museu como fator de desenvolvimento regional: o impacto económico do museu
Emanuel Guimarães

Exposição
Filipe Couto

Biografia(s) da coleção de vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas
Helena Pereira

Reflexos do Mestrado em Museologia: 10 iniciativas culturais no Museu Municipal de Arouca
João Duarte

Entre oportunidade e novidade: Manuel Coelho Baptista de Lima e o património açoriano
Maria Ribeiro

A mina [ainda] trabalha
Pedro Araújo

O Museu d’Art Contemporani de Barcelona e o seu Projeto 2.0
Sandra Senra

Na rota de Domingos Rebelo
Telma Silva

Tese de doutoramento “Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea”

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Noronha, Elisa (2013). Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Júri: Alice Semedo (orientadora), Raquel Henriques da Silva (arguente), Maria Bolaños (arguente) e Rui Homem (Presidente). Tese defendida a 31 de Maio de 2013.

****

Resumo: Esta dissertação desenvolve um estudo sobre o museu de arte contemporânea, mais especificamente sobre a musealização da arte contemporânea, abordando a musealização como um processo discursivo e reflexivo de (auto)afirmação e reinvenção do museu; processo este construído em diálogo entre o museu e o seu próprio objeto, i.e., a arte contemporânea que, seja pelas características de seus materiais e processos, seja pela sua pluralidade de momentos e práticas, tensiona e problematiza funções e conceitos sistematicamente estabelecidos ao longo da história desta instituição, desafiando o museu de arte contemporânea a desenvolver novas formas de expor, de colecionar, de conservar, a criar novos conceitos e categorias, a estabelecer outros tipos de mediações, de contato com o seu público, enfim, a confrontar-se com a sua própria genealogia, com seus próprios limites e suas representações.

Assente na metodologia dos Estudos de Caso, esta dissertação analisa três museus situados em Portugal e no Brasil: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em São Paulo. Atenta às particularidades de cada caso, esta análise centra-se nos modos como estes museus se organizam e se identificam enquanto museus de arte contemporânea através da contextualização dos paradigmas, das determinações, das funções que os justificam e fundamentam, e dos processos desenvolvidos para a musealização da arte contemporânea: quais são seus modelos paradigmáticos? Qual o período abrangido pelas suas coleções? Como suas coleções são expostas? Como definem a arte contemporânea? Como os artistas são envolvidos e participam nos processos museológicos? Estas são algumas das questões que esta análise procura responder, inserindo-se na discussão sobre a identidade dos museus e refletindo criticamente sobre as ideias atuais e subjacentes do que vem a ser um museu de arte contemporânea quando uma determinada instituição se manifesta como tal.

****

Abstract: This dissertation develops a study on the Contemporary Art Museum, more specifically on the ‘musealization’ of the contemporary art, by approaching musealization as a discursive and reflexive process of (self)affirmation and the reinvention of the museum; being this process constructed from the dialogue between the museum and its own object, i.e., the contemporary art which, by the characteristics of its materials and processes and by the plurality of moments and practices, it tensions and problematizes functions and concepts systematically established within the history and legacy of this institution, which challenges the contemporary art museum to develop new ways of exhibiting, of collecting, of conserving, of creating new concepts and categories, of establishing other types of mediation, of touching its audience, and finally, of confronting its own genealogy, with its own limits and representations.

Strong in the methodology are the Case Studies as this dissertation analyses three museums located in Portugal and Brazil: the Chiado Museum – National Museum of Contemporary Art, situated in Lisbon/Portugal, the Serralves Museum of Contemporary Art, situated in Porto city/ Portugal, and the Museum of Contemporary Art of the University of Sao Paulo, situated in Sao Paulo/Brazil. While looking at the peculiarities of each case, this analysis focuses on the approaches in which these museums organize and identify themselves as contemporary art museums through the contextualization of paradigms, of targets and goals, of the functions that will form and justify, and of the processes developed for the musealization of the contemporary art: what are their paradigmatic models? Which periods goes across their collections? How are their collections exhibited? How do they define contemporary art? How are artists getting involved and active in the museological processes? These are a few questions in which this thesis looks for answers, inserted in the discussion on museums identity while critically reflecting current and subjacent ideas of what could be a contemporary art museum when such institution manifests itself as such.

****

Resumen: En esta disertación se desarrolla un estudio sobre el museo de arte contemporáneo, más específicamente sobre la musealización del arte contemporáneo, abordando la musealización como un proceso discursivo y reflexivo de (auto) afirmación y reinvención del museo; proceso este construido en diálogo entre el museo y su propio objeto, es decir, el arte contemporáneo que, ya sea por las características de sus materiales y procesos, ya sea por su pluralidad de momentos y prácticas, tensa y problematiza funciones y conceptos sistemáticamente establecidos a lo largo de la historia de esta institución, desafiando al museo de arte contemporáneo a desarrollar nuevas formas de exponer, de coleccionar, de conservar, a crear nuevos conceptos y categorías, a establecer otros tipos de mediaciones, de contacto con su público, en fin, a enfrentarse con su propia genealogía, con sus propios límites y sus representaciones.

Basada en la metodología de Estudios de Casos, esta disertación analiza tres museos situados en Portugal y en Brasil: el Museo de Chiado-Museo Nacional de Arte Contemporáneo, en Lisboa, el Museo de Arte Contemporáneo de Serralves, en la ciudad de Oporto, y el Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo, en São Paulo. Atenta a las peculiaridades de cada caso, este análisis se centra en las formas en que estos museos se organizan y se identifican como museos de arte contemporáneo a través de la contextualización de los paradigmas, de las determinaciones, de las funciones que los justifican y fundamentan y de los procesos desarrollados para la musealización del arte contemporáneo: ¿cuáles son sus modelos paradigmáticos?, ¿cuál es el período que abarca sus colecciones?, ¿cómo definen el arte contemporáneo?, ¿cómo los artistas se involucran y participan en los procesos museológicos? Estas son algunas de las cuestiones que este análisis quiere responder, insertándose en el debate sobre la identidad de los museos y reflexionando críticamente sobre las ideas actuales y subyacentes de lo que viene a ser un museo de arte contemporáneo cuando una determinada institución se manifiesta como tal.

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.